Publicidade
Segunda, 06 Fevereiro 2012 08:01

Epidemia de AIDS: tem culpa eu?

Postado por

Ela é uma das personalidades mais festejadas pela sociedade. É paparicada por artistas famosos, políticos eminentes e organizações de saúde. O mundo a incensa, pois espera que ela seja a grande heroína na luta contra a difusão do vírus HIV. Mas, por detrás dos holofotes e confetes, no dia-a-dia dos casais, Dona Camisinha é frequentemente desprezada.

“A culpa é da Igreja Católica” – muge o gado. Queridos comedores de capim do meu Brasil varonil: quer dizer que o sujeito vai pecar contra a castidade, mas tem uma crise de beatice e resolve fornicar catolicamente, dispensando qualquer método anticoncepcional? Aham, amiguinho, senta lá!

mick_jagger_camisinha

As pessoas que acham justo viver a sexualidade da forma como lhes der na telha sentem ódio ao perceberam que a vida de libertinagem pode lhes custar um alto preço. E, diante dessa barreira, em vez de enxergarem a sua própria insensatez, voltam as suas frustrações para a Igreja, que sempre nos ensinou o valor da pureza – a começar pela intenções do coração.

O flagelo da AIDS se difundiu inicialmente entre os gays – por volta da década de 1980 –, e depois, nas décadas seguintes, atingiu de igual modo os heterossexuais. Não há como não desconfiar que isso é o cumprimento desta profecia de São Paulo:

"Do mesmo modo também os homens, deixando o uso natural da mulher, arderam em desejos uns para com os outros, cometendo homens com homens a torpeza, e recebendo em seus corpos a paga devida ao seu desvario."

-Romanos 1,27

"O QUE A IGREJA FAZ É UM CRIME"

Em uma entrevista, o médico Drauzio Varella disse a Igreja Católica é criminosa e deveria ser processada por condenar o uso da camisinha. Confiram:

mr_burns“O que a Igreja faz é um crime. Seus líderes deveriam ser processados. Estamos diante de uma epidemia incurável, e aí uma instituição faz propaganda – e mais do que isso, faz pressão – contra a camisinha. (...). Amanhã a Igreja vai se arrepender. Daqui a cem anos vai pedir desculpas. (...)

"A camisinha precisa ser distribuída massivamente, nos bares e boates. Isso não acontece. O prefeito vai querer criar caso com o padre ou com o bispo da região? Quem vai enfrentar essas figuras? (...) É preciso fazer uma distribuição mais agressiva, ir atrás dos adolescentes e daqueles que têm vida sexual mais ativa. E isso ninguém faz para não ficar mal com a Igreja." (1)

O que o Dr. Drauzio não explica é como que, nas grandes cidades brasileiras – onde, assim como a poluição, as camisinhas estão em toda parte – o número de casos de AIDS para cada 100 mil habitantes ainda é três vezes maior do que nas cidades pequenas.

É... parece que a distribuição massiva de camisinhas não obtém o sucesso esperado pelos dotô de prantão. Mas por quê?

CHUPAR BALA COM PAPEL

O governo brasileiro e as organizações de saúde em geral pregam que, para combater a AIDS, é preciso encher o bolso dos jovens de preservativos e conscientizá-los sobre a importância do seu uso.

Porém, o que eles bem sabem, mas não querem admitir, é que a maioria dos jovens NÃO QUER usar camisinha, porque foram educados a considerar o prazer como algo prioritário, que está acima de qualquer coisa (prazer = liberdade). Então, como muitos deles consideram que o preservativo reduz a sensibilidade na hora do bem-bão... simplesmente dispensam o seu uso, especialmente quando o relacionamento é mais estável. É isso que conclui a matéria de um programa da Caixa Seguros voltado para jovens:

“De acordo com a Pesquisa sobre Comportamento Sexual e Percepção do HIV/Aids do Ministério da Saúde, apenas 23,4% das mulheres entre 20 e 24 anos usam preservativo com seus namorados, noivos, maridos ou parceiros (...).

“Além disso, o homem relaciona a proteção à diminuição do prazer (...). Por isso, muitas vezes, a pílula anticoncepcional toma o lugar da camisinha, mesmo esta sendo a única forma de se prevenir de ambas as situações.” (2)

Os jovens e adultos de hoje não querem que nada coloque freios ou limites em suas infelizes tentativas de se realizar por meio da satisfação sexual. É o que reconhecem até mesmo os pesquisadores e representantes de organizações que defendem o uso da camisinha:

“Muitos homens acreditam que o uso do preservativo diminui o prazer. E na cabeça dele, perder o prazer o faz sentir um homem incompleto.”

- Elizeu Chaves Junior, representante auxiliar do Fundo de Populações das Nações Unidas no Brasil (2)

Conheço um rapaz que, aos 16 anos, ganhou da avó uma caixa de sapatos repleta de camisinhas. Ela disse que ele podia transar à vontade, mas sempre com “segurança”. Resultado: o moleque arrumou um filho poucos meses depois. A sociedade não consegue mais controlar o monstro hedonista que ela mesma criou: uma geração de indivíduos que não se dispõe a sacrificar nada.

E não venham dizer que muitos jovens não usam camisinha porque lhes falta informação. Em 2011, o Ministério da Saúde publicou um documento afirmando que “O conhecimento da população jovem sobre as formas de infecção pelo HIV é alto...” e que "cerca de 97% da população de homens (de 15 a 24 anos) sabem que o uso do preservativo é a melhor maneira de evitar a infecção pelo HIV." (3)

Outro fator relevante: muitos casais até usam o preservativo início dos relacionamentos, mas depois que ganham confiança, não pensam duas vezes antes de deixá-lo de fora do lesco-lesco.

“As pessoas raramente usam preservativos em relacionamentos estáveis, pois isso implicaria em falta de confiança.”

- Edward Green, Diretor do AIDS Prevention Research Project de Harvard (4)

ÍNDICE DE FALHA DA CAMISINHA

Vamos falar de números. Por hora, deixemos de lado as informações sobre índices de falha da camisinha divulgados por sites e instituições católicas (alguém poderia afirmar que são distorcidas e tendenciosas). Consideremos somente os dados apresentados pelo Dr. Drauzio Varella, sempre tão fofo quando se refere à nossa Igreja. Vejam o que se diz sobre a camisinha em seu site, que interessante:

"camisinha_furadaOs índices de falha variam de 0,9 a 23 por cem casais/ano. (...) A experiência indica que, com treinamento adequado, o índice talvez caia para entre quatro e seis casos por cem casais/ano." (5)

Pra ficar bem claro o que o texto no site do dotô tá afirmando: a camisinha permite a passagem do sêmen em até 23 transas a cada 100. E, mesmo se a pessoa for bem treinada para fazer o uso correto do preservativo, ainda assim ele pode falhar 4 a 6% das vezes!!!

Então, quanto mais promíscua uma pessoa é, mais aumenta a possibilidade de contrair o vírus HIV, ainda que use sempre camisinha. É por isso que as políticas de saúde que apostam todas as fichas na camisinha, em vez de estimularem os indivíduos a viver a sexualidade de forma mais sadia e humana, são como um tiro no pé. As pessoas ganham uma falsa sensação de que com camisinha estarão sempre protegidas, e se expõe a situações cada vez mais arriscadas.

Sabendo disso, em 1999, o Ministério da Saúde divulgou em rede nacional um vídeo em que os atores Rodrigo Santoro e Luana Piovanni recomendavam, além do uso de camisinha, a redução do número de parceiros sexuais como forma de se proteger da AIDS (6). A campanha, tachada de "moralista", foi duramente criticada por diversas ONGs e associações pró-rosca-sem-pregas e pró-perereca-sem-lei.

Desde então, o governo, covardemente, evita falar em redução de parceiros em suas campanhas. Agora o papo é: “Quer ser promíscuo? Tudo bem! Viva as suas fantasias, transe com quantas pessoas você quiser, contanto que use camisinha”. Pelo visto, a ideologia imposta por alguns grupos tem mais peso para o nosso governo do que as evidências científicas. E assim, as pessoas se expõem e se arriscam cada vez mais, confiando em um método de barreira que apresenta um índice razoável de falhas, seja por rasgo ou escorregamento.

capitao_kirk_star_wars

DADOS CIENTÍFICOS CONFIRMAM DECLARAÇÕES DE BENTO XVI

Quando visitou o continente africano, em março de 2009, o Papa Bento XVI afirmou que a distribuição massiva de preservativos não solucionava a questão da pandemia da AIDS, e que ainda agravava o problema. A reação da sociedade era bem previsível: chiadeira geral. Um grande número de ONGs, médicos, jornalistas e políticos manifestaram grande rejeição a essas declarações. E os cartunistas, então? Tripudiaram como nunca do nosso pastor.

im_right_youre_wrong T

Porém, naquele mesmo mês, algo inesperado aconteceu: para a surpresa dos ativistas anti-AIDS – e anticatólicos –, o jornal The Washington Post publicou um artigo do renomado cientista Edward Green, afirmando que as pesquisas científicas mais recentes confirmam tudo o que o Papa disse sobre a camisinha, especificamente em relação ao caso da África. (4) Detalhe: o cara é um dos maiores especialistas do mundo no assunto, e atua como diretor do AIDS Prevention Research Project de Harvard.

E aí, alguém viu a mídia de grande alcance noticiando isso? Todos silenciaram. É, minha gente... nem quando as evidências empíricas estão do nosso lado, o mundo nos dá razão!

No artigo, o Dr. Green deixa claro que não é contra o uso de preservativos e que estes devem estar disponíveis “para aqueles que não vão ou não podem permanecer em um relacionamento mutuamente fiel”. Entretanto, as pesquisas científicas provam que, “para os adultos sexualmente ativos, a primeira prioridade deve ser para promover a fidelidade mútua”. (4)

aids_uganda_africa_do_sul

A Uganda é um exemplo emblemático. No final dos anos 80, 30% da população do país estava contaminada pelo HIV. Atualmente, este número é de 7%. E isso se deve exclusivamente ao enfoque que o governo dá na importância da abstinência (para os solteiros) e da fidelidade (para os casados). A camisinha também integra a política anti-AIDS ugandense, mas não como a “estrela principal”. É disponibilizada como uma espécie de backup, como um último recurso para quem não vive a abstinência ou a fidelidade.

O Zimbábue está tendo uma experiência também bastante positiva: índice de contaminação da população adulta caiu de 29% em 1997 para 16% em 2007. Um estudo divulgado em fevereiro de 2011, realizado por um grupo de cientistas da Universidade Harvard, das Nações Unidas, do Imperial College de Londres e por cientistas do Zimbábue, concluiu que esse notável declínio se deu principalmente pela grande redução das relações sexuais fora do casamento e do número de parceiros. A camisinha também integra o programa de prevenção do país, mas em um plano secundário. (7)

Por outro lado... A África do Sul há anos tenta em vão reduzir índices de 20% da população contaminada (sendo que, no caso das mulheres grávidas, esse valor ultrapassa 30%). O combate à AIDS no país, pra variar, tem foco na distribuição de camisinhas.

opera

RESUMO DA ÓPERA

A verdade trazida à tona pelas últimas pesquisas científicas, em suma, é a seguinte:

  • a maioria das pessoas não usa camisinha porque não quer reduzir as suas possibilidades de obter prazer, especialmente quando vivenciam um relacionamento estável;
  • camisinhas têm um índice razoável de falhas, seja por rasgo ou escorregamento;
  • políticas de combate à AIDS na África que têm a camisinha como "carro chefe" acabam estimulando as pessoas à promiscuidade e, assim, elas se expõe a riscos cada vez maiores;
  • a Uganda e o Zimbábue, alguns dos poucos países que tiveram a coragem de incentivar a população a viver a abstinência e a castidade, obtiveram resultados fantásticos na queda dos índices de contaminação por HIV.

Diante disso, vamos parar com esse papinho cínico e sem-vergonha de que a Igreja Católica prejudica as ações de combate à AIDS. Os programas de saúde que insistem em endeusar a camisinha, em razão da sua abordagem desumana, já são falidos por si mesmos.

*****

Sobre as afirmações do Papa Bento XVI a respeito da possibilidade do uso da camisinha ser justificável em alguns casos, como o da prostituição, recomendamos a leitura deste artigo do site Veritatis Splendor: O que disse o Papa sobre os preservativos?

Notas:

(1) Diversa - Revista da UFMG. Um doutor na sala de TV. Ano 7, núm. 16, nov/2008

(2) Site da Caixa Seguros - Jovem de Expressão. Amigos de Borracha. Consulta realizada em 31.01.2012

(3) Site do Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico Aids e DST 2011

(4) The Washington Post. Condoms, HIV-AIDS and Africa - The Pope Was Right. 29.03.2009

(5) Site Drauzio Varella. Contracepção além da pílula. Consulta realizada em 31.01.2012

(6) Site do Ministério da Saúde - Dep. de DST, AIDS e hepatites virais. 1999 - TV - DST- Luana Piovanni e Rodrigo Santoro

(7) Site Plos Medicine. A Surprising Prevention Success: Why Did the HIV Epidemic Decline in Zimbabwe? 08.02.2011

1456 Segunda, 29 Maio 2017 14:39

Comentários   

0 # Robison de Oliveira 22-11-2016 18:46
Boa noite! Eu estva falando sobre o método Billings na catequese de Crisma, e informando que a Igreja não aceita métodos artificiais de espaçamento da gravidez, quando um catequizando me fez o seguinte questionamento: "Se um dos conjuges tem SIDA e o outro não, esta casal pode se casar na Igreja? Se pode, como eles procederiam a respeito das relações sexuais?" Conto com a ajuda de vocês. Obrigado.
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # A Catequista 22-11-2016 21:55
Robison, não se uma pessoa sabe que tem SIDA (AIDS), ela não pode casar na Igreja, pois o sexo não poderia se realizar conforme o plano de Deus - realizando os fatores unitivo e procriativo. Afinal, ela não poderá se unir em uma só carne com seu marido ou esposa, pois teria que usar uma barreira artificial (camisinha) nas relações sexuais. Isso sem falar de outro problema, secundário, mas também grave: mesmo usando camisinha, a pessoa portadora do vírus HIV corre o risco de contaminar o parceiro, e até mesmo de gerar uma criança portadora de HIV. Afinal, não existe camisinha com 100% de garantia de não rasgar, além dos possíveis erros de uso (seres humanos falham, não é mesmo?), que podem causar deslocamento da camisinha e consequente troca de fluxos entre o casal. Tal pessoa é chamada a abraçar a sua cruz, que inclui se abster de ter relações sexuais. Não existe paz sem Cristo. E não existe cristianismo sem cruz. Há somente uma possibilidade de ma pessoa com HIV se casar licitamente na Igreja: se ela se casar com outra pessoa portadora do vírus, e se ao menos um dos cônjuges for estéril.
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Alberto 21-01-2016 22:46
Olá, há um bom tempo eu venho lendo alguns artigos de vocês considero tudo ótimo (com destaque para o artigo que fala a respeito da reforma agrária). Gostaria de, se possível, tirar uma dúvida (caso seja de interesse de vocês, seria interessante um artigo sobre): O quê é Satanás? Ele e Lúcifer são a mesma coisa/entidade? Lendo o livro de Jó e o Livro de Isaías por vezes me parece que são personagens diferentes. Desde já, agradeço. Deus abençoe vocês.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Vinicius 10-11-2015 21:01
Como sempre, o texto de vocês é excelente! É uma lástima que os fatos que são realmente importantes - principalmente quando corroboram com as afirmações da Igreja - raramente são publicados. Sou professor de Biologia e farei questão de publicar esse tipo de informação, ainda que isso custe do meu apertado tempo. É importante que nós católicos não meçamos esforços para defender a nossa Igreja, bem como seus princípios de vida, família e liberdade.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Amanda Marques 04-09-2013 05:08
Nossa pelo amor de Deus a AIDS não é e nunca foi uma doença exclusiva dos gays, se pesquisar melhor na Historia. Na verdade nao se sabe da origem 100%, mas até então temos informações como essas: Já foi usado o termo: "a doença dos 4Hs" (haitianos, homossexuais, hemofílicos e usuários de heroína) Viram que não era exclusividade dos homossexuais (entao o termo de GRID, ou traduzindo, imunodeficiencia relacionada aos gays, foi excluido) Achavam que tinha vindo dos Chimpanzés, da Africa para o Haiti para os EUA. Dentre os motivos da epidemia, estão varios como: agulhas infectadas (vacinas), abusos coloniais, prostituição, aumento de sifilis (dentre outras doencas) “Em 2010, entre adultos do sexo masculino, a maior proporção dos casos de aids foi na categoria de exposição heterossexual (42,4%) sendo que a proporção dos casos na categoria de usuários de drogas injetáveis foi de 5,0% para o mesmo ano. No sexo feminino, há predomínio na categoria de exposição heterossexual em toda a série histórica, com percentuais que variaram entre 90,8% em 1998 e 83,1% em 2010.” Não é exclusividade dos gays. Isso porque não me dignei a buscar mais coisas para criticar...
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 04-09-2013 11:39
Amanda, Em nenhum momento dissemos que a AIDS é ou foi doença exclusiva de gays. Apenas dissemos o que a Ciência afirma: há muito mais gays infectados do que héteros. E a explosão da doença, se deu, sim, nos redutos gays, nos anos 80. Veja os dados: - a chance de um jovem gay estar infectado pelo HIV é 13 vezes maior do que de um jovem hétero (Fonte: Ministério da Saúde. http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/noticia/2011/50650/briefing_boletim_25112011_pdf_29679.pdf ); - em 2010, para cada 10 heterossexuais vivendo com o HIV/aids havia 16 homossexuais (Fonte: Fiocruz. http://www.fiocruz.br/ccs/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=5021&sid=9 ).
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Sidnei 01-09-2013 19:47
Neste programa na (I)Moral do dia 29/08/2013 o Dr. e Manequim de defunto drauzio variola, atacou a Igreja dizendo novamente ser ela criminosa por proibir a distribuição de camisinhas, então o bispo disse que ele não sabia que a Igreja tinha tanto poder assim para proibir isto, haja visto que nunca ele viu a Igreja fazer piquetes e manifestações para tolher a distribuição das ditas cujas, e até colocou a distribuição massiva das camisinhas no carnaval pelo governo federal, então o drauzio variula juntamente com seu cupincha o apresentador pedro miau então colocaram dizendo que nas cidades pequenas no interior é que ocorre isto, aí o bispo que parece ter problema de dicção (e eles sempre escolher alguém assim, para se fazer o bobo da corte), deu uma resposta o qual não entendi, porém se fosse eu o bispo perguntaria: me tragam exemplo concretos, aonde isto aconteceu?, nome do prefeito e do padre?, porque jogar lama para não dizer outra coisa no ventilador e respingar por toda parte esta mídia podre como a rede globo de televisão é perita, mas colocar as coisas de maneira mais concreta e as claras possíveis, não. Coo tenho nojo desta mídia em nosso país, e em particular a rede globo de televisão e dá-lhe criança (sem) esperança.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Sidnei 01-09-2013 19:32
No dia 29/08/2013, dia do martírio de São João Batista), foi apresentando no programa na (I)Moral da Rede Globo de televisão do falastrão do Pedro Bial um debate sobre o aborto que mais parecia uma atividade masturba tória, 5 contra um, eram eles: o ateu que queridinho da rede globo draúzio varela, uma abortista das falsas católicas pelo direito de decidir, a atriz Cláudia Abreu, a cantora e atriz Emanuelle Araújo e o próprio apresentador que deveria ser imparcial, mas, se tratando da globo não foi, e não precisa dizer que todos foram a favor do aborto, e o outro, bispo auxiliar Antônio Augusto, da arquidiocese do Rio de Janeiro o único contra o aborto. Trago isto para demonstrar que a globo colocou suas garras de fora, mostrou sua cara e escancaradamente, se pronunciou a favor do aborto, agora, será questão de tempo em que o aborto será implantado no país, pois aonde a rede globo coloca suas mãos, o suflo da morte toma conta de tudo, e seu poderio que é maior que da Igreja será mais uma vez sentida em todo o país. E dá-lhe criança (sem) esperança.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Fernando Alves 31-08-2013 23:52
Eu vejo é que a mídia promove esse bacanal que está aí desde os anos mais remotos através dos movimentos feministas, e outros, de novelas, programas, músicas, danças que eles chamam de "entretenimento". A libertinagem se confunde com a liberdade! Cantam "então libera", agora quando a zorra total deles dá errado usam a Igreja católica como "bode expiatório" Quando acusam a Igreja de moralista já denunciam a sua intenção imoral que está em processo! A prova é que já conseguiram até legalizar a imoralidade! Quem verdadeiramente vem promovendo a liberalização sexual? Então, esses são os verdadeiros culpados da disseminação das doenças sexualmente transmissíveis! O papel da Igreja não é permitir relações sexuais antes ou fora do casamento, se descumprem sejam honestos consigo mesmo: assumam o seu erro e também as consequências! O dia em que o governo e a mídia resolveram fechar os ouvidos para a Igreja buscando seus próprios caminhos o mundo piorou: vejam os frutos de um governo e de uma mídia que não tem compromisso com a fé! Vocês é que darão contas a Deus do estrago que estão fazendo com as famílias e com a humanidade!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Leniéverson Azeredo 31-08-2013 21:39
Parabéns pela postagem contundente. O Drauzio Varela, então, não merece um tico de tico de respeito.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Ricardo Brazil 31-08-2013 16:10
Esse Drauzio Varella é um irresponsável intelectual e que se acha um detentor da "verdade"; não passa de um ignorante em relação à religião e à Igreja Católica, por tratar de assuntos que não estão na sua alçada de conhecimento. Mistura religião com medicina, Igreja Católica com uma visão deturpada e preconceituosa desta instituição, demonstrando não conhecer o assunto em si e sua motivações. Parte de uma visão sua que é preconceituosa e ignorante. Ele é um pseudointelectual que usa da sua limitada percepção da Igreja e seus motivos para sustentar um argumento intrínseco em relação à sociologia e à medicina que na verdade não correspondem à realidade do que afirma a Igreja e do que realmente ela sustenta. Ele é por assim dizer, um sofista; aquele que tece argumentos que pareçem verdadeiros, mas que, de fato, não são.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Regimario 31-08-2013 14:42
Catequista como sempre fazendo um trabalho incrível. Sem falso moralismo e puritanismo, mas sempre dentro daquilo que nos diz a santa Mãe Igreja. Parabéns, vocês me inspiram!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # João Batista 31-08-2013 13:36
Não é atoa que eu sempre achei este Dr. Drauzio Varíola um sr. b#*@. Ele diz que a Igreja Católica é "criminosa" por ser contra métodos preservativos artificiais. Mas aí eu penso, será que as cartilhas e propagandas do governos que ensinam a promiscuidade, desde que se "protejam" não tem a verdadeira culpa? "Sem camisinha, não dá", dizia a propaganda paga com dinheiro dos nossos impostos. A Igreja tem a sua opinião sobre preservação de integridade física, moral e espiritual, mas esta mensagem é dificil de ser engolida por nós que vivemos em cotidianos que alimenta, investe e alienia as pessoas em torno do sexo (como diria Chesterton, isso aconteceu em outras eras e mergulhamos em um mundo de trevas...). Caro sr. Drauzio, o Ministério da Saúde diz que o aumento de AIDS aumentou devido a um fator, aumentou o número de parceiros para a relações sexuais, fruto da propaganda petista (que não visa defender ninguém da AIDS, senão contrariar valores cristãos na sociedade). Isso vc não diz, meu caro médico... Vc ganha para ir contra a Igreja e só. Questões de vulnerabilidade - Fonte: aids.gov.br O resultado positivo para o HIV está relacionado, principalmente, ao número de parcerias (quanto mais parceiros, maior a vulnerabilidade), à coinfecção com outras doenças sexualmente transmissíveis e às relações homossexuais. (ATENÇÃO, QUEM DIZ ISSO É O MINISTÉRIO DA SAÚDE E ESTAS INFORMAÇÕES NÃO SÃO CITADAS PELO "ESPECIALISTA" DO FANTÁSTICO). ---- Assume que o seu papel não é defender ninguém, senão propagar valores da contra-cultura e assim, atacando a Igreja e seus valores, acha que pode passar despercebido o crime de suas propostas que ofendem gravemente a dignidade individual de cada ser humano, que pelo seu diploma de medicina e fama de especialista em alguma coisa que lhe dê prestígio e dinheiro, confiam inocentemente em sua falsa autoridade de querer ensinar alguma coisa que realmente contribua para a vida de alguém, sobretudo das pessoas mais simples. O Governo com sua política anti-aids só fez aumentar o número de jovens e adolescentes infectados. Reconheça os dados, reconheça as informações oficiais e verás que o problema está na promoção da promiscuidade com a intenção de destruir valores maiores e responsabilidades maiores dos indivíduos. Agora, me diz, quem é realmente criminoso nesta história?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Henrique Rossi 31-08-2013 12:12
O texto é dos melhores que já li no catequista, mas não o compartilhei por causa da menção, que me pareceu exagerada e faltosa à caridade, da profecia de Paulo contra os homossexuais que adquiriram o HIV, afinal, muitos héteros receberam e têm recebido o mesmo amargo pagamento...
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 31-08-2013 13:07
Henrique, Nunca é falta de caridade falar a verdade. A epidemia de AIDS explodiu, inicialmente, nos redutos gays. Tanto é que, nos anos 80, os cientistas a chamavam de "Doença dos 5 H" - Homossexuais, Hemofílicos, Haitianos, Heroinômanos (usuários de heroína injetável), Hookers (profissionais do sexo em inglês). É caridade sim divulgar que a promiscuidade - seja entre heterossexuais ou homossexuais - traz grandes riscos à saúde. E se a promiscuidade for praticada por meio de atos homossexuais, os riscos são muito maiores. Veja esses dados: - a chance de um jovem gay estar infectado pelo HIV é 13 vezes maior do que de um jovem hétero (Fonte: Ministério da Saúde. http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/noticia/2011/50650/briefing_boletim_25112011_pdf_29679.pdf ); - em 2010, para cada 10 heterossexuais vivendo com o HIV/aids havia 16 homossexuais (Fonte: Fiocruz. http://www.fiocruz.br/ccs/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=5021&sid=9 ).
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Henrique Rossi 31-08-2013 14:47
Desculpe se me expressei mal, vocês estão totalmente certos no mérito! Não é a isto que estou me referindo. Na condição de estudante de medicina, gostaria muito de compartilhar este post no meu facebook e combater as visões erradas que as pessoas têm deste ensinamento católico, mas, se vocês estão certos no mérito, acho que erraram no tom, entende? Afinal, não é apenas este ou aquele grupo de pessoas que pecam, muitas vezes gravemente, todos nós pecamos. Além do mais, estamos obrigados pelo catecismo a acolher na Igreja os homossexuais e evitar qualquer sinal de discriminação com eles. Difícil compartilhar este post de vocês e ser interpretado como alguém que evitaria este trecho do catecismo.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Ligia Cassia 20-03-2013 18:36
Parabens pela matéria! O Drauzio Varellla não explica porque, fora do Brasil, as embalagens de preservativo alertam para o fato de que o produto não protege do vírus HIV. Um dia queria que ele me explicasse isso. Só no Brasil não vêm essa informação. Então, se não protege distribuir essa coisa prá quê?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Pe. Anderson de Lima Alencar 20-03-2013 14:38
De fato, o povo não se convence. O problema da Igreja, fundamentalmente falando, não é com o preservativo, mas com a sexualidade irresponsável que ele propaga. A camisinha por si mesma é um mal, pois dissocia o sexo de sua finalidade unitiva e procriativa - exclusiva da vida matrimonial - tornando o sexo uma mera diversão ou brincadeira. O negócio, creio é dizer com todas as letras: A FORNICAÇÃO, A RELAÇÃO SEXUAL ANTES OU FORA DO CASAMENTO É UM PECADO MORTAL, GRAVE E QUE OFENDE GRAVEMENTE A DEUS E FERE A DIGNIDADE HUMANA. Ou, vamos simplificar e dizer no popular: GENTE, QUEM NÃO É CASADO NÃO DEVERIA TRANSAR COM NINGUÉM, DEVERIA FICAR QUIETO, NA SUA E ESPERAR COM PACIÊNCIA O CASAMENTO. E SE É CASADO, NÃO FICAR PULANDO A CERCA, SE PROMETEU FIDELIDADE ENTÃO, SOSSEGA O FACHO E ANDA COM UMA FOTO DO(A) ESPOSO(A) NA CARTEIRA E SEM TIRAR A ALIANÇA DE CASADO, PASSAR LONGE DE MOTÉIS E COISAS PARECIDAS. "Ah, mas isso tá fora de moda, não tem graça, papo careta, ultrapassado, nos anos 60 a revolução sexual nos deu a consciência e a liberdade, é proibido proibir, Baby, sexo, drogas e rockn'roll, yeaaaaaaaah! iuhuuuuuu!" - diriam alguns moderninhos. Pois o padre chato vai parar com o papo humanista e dizer sem papas na língua: QUER IR PARA O INFERNO LAMENTAR UMA ETERNIDADE HORRÍVEL? ENTÃO TRANSE COM TODO MUNDO...LIBERE GERAL...MAS, NO DIA DO JUÍZO, NÃO VENHA DIZER QUE EU NÃO AVISEI. NÃO É PARA FAZER SEXO, SÓ SE VOCÊ FOR CASADO. SE NÃO É HOMEM PARA SER PAI, OU MULHER O SUFICIENTE PARA SER MÃE, PASSE LONGE DO SEXO OPOSTO, TOME BANHO FRIO, AMARRE AS PERNAS E SE TRANQUE NO QUARTO ESCURO. SE FOR CASADO, NADA DE PULAR A CERCA, NADA DE MOTEL, NADA DE NADA, VOLTE PARA CASA E CUIDE DO SEU CÔNJUGE. Pronto, falei. Desabafei. Talvez tenha sido muito duro, mas prefiro ser criticado, sendo claro, do que ter de tentar me fazer entender a quem não faz questão alguma de escutar…
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 20-03-2013 15:27
Padre, Quem não vive a castidade não precisa esperar o Dia do Juízo pra se lascar. No fundo da consciência de quem permite que a dignidade de seu corpo seja maculada, ele percebe uma tristeza. A tristeza de quem está se desviando da beleza que é o plano de Deus para a sua vida. As pessoas precisam receber o testemunho do quanto se pode encontrar liberdade e alegria profundas na castidade, que não tem nada de castradora. A posição de quem é casto, na verdade, é invejável. Só precisamos pedir a Deus que tire a sujeira dos nossos olhos para ver isso, e também que possamos ajudar nossos irmãos a reconhecer esta beleza.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Pe. Anderson de Lima Alencar 20-03-2013 15:31
Concordo em número, gênero e grau. Aprecio demais o apostolado de vcs. Parabéns!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Pe. Anderson de Lima Alencar 20-03-2013 15:35
O problema de muitos dos que não vivem ou não querem viver a castidade é que eles se sentem justamente como A Catequista descreveu, sentem uma tristeza e um vazio profundos, mas ao invés de procurar sair da lama - muitos saem, mas a maioria não - acham que a solução é mergulhar ainda mais na devassidão. É uma pena! Por eles eu rezo...
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 20-03-2013 15:35
Muito obrigada, ficamos contentes demais com as suas palavras de apoio!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Daniel Pires 27-12-2012 21:30
Velho, isso não foi um artigo, foi um MURRO NA BOCA DOS HIPÓCRITAS QUE BABAM DE ÓDIO PELA IGREJA. Sério, eu leio e releio que nem vejo replays de golpes contundentes, knockdowns e nocautes.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Luiz Melo 02-05-2012 15:11
A leitura da estatística apresentada por Drauzio Varela está enganada. Os índices de falha variam de 0,9 a 23 por cem casais/ano. (…) A experiência indica que, com treinamento adequado, o índice talvez caia para entre quatro e seis casos por cem casais/ano. Observe que ele refere a casos por ano. Obviamente pessoas com uma vida sexual saudável vão fazer sexo mais de uma vez por ano de modo que o índice de falha dos preservativos não chegam a esse número.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Cadu Sindona 02-05-2012 18:55
Oi Luiz, bem meu caro perdão mas você está enganado. A depravação do ato sexual é sem dúvida um mal que produziu o aumento exponencial dos casos de DSTs e da AIDS, quem teima em não crer nisso é cego e surdo meu caro. Os preservaivos não são a solução. Os preservativos criam um ambiente "sexo livre". Hoje encontrar pessoas dispostas a verdadeiramente se amarem ao pon de respeitar a vida e o corpo de quem amam é algo muito precioso e que infelizmente poucos querrem enfrentar esse desafio. Os preservativos Luiz só causarão mais oportuinidades para pegar uma DST, ter uma gravidez sem a base familiar que é a casa mais sólida que existe, criará pessoas que não saber viver uma sexualidade positiva que gerará amor, prazer e vida. O sexo pelo sexo desumaniza o ser humano porque ele perde a beleza e a alegria sem fim cujo o objetivo principal dele é criar. Amigo não vale a pena nós nos tornar-mos seres desumanos. Na Encíclica "Deus caritas est" Bento XVI os ensina que o amor sexual (em grego eros) nos quer levar ao divino, mas caso o eros exista sem o Sacramento do Matrimônio, sem que ambos os cônjuges prometerem e desejarem viver totalmente e dar-se totalmente somente um para o outro, sem que isso exista, o eros perde a sua beleza, se torna fonte de tristeza e remorso e abre um vazio que só tende a nos levar para muitos outros problemas. Como é bom viver a pureza! Que alegria é viver esse desafio com perseverança e alegria! Nos faz saudáveis, donos de nós mesmos e livres como as aves do céu que voam pelo mundo numa paz sem fim! Sou todo teu meu Senhor!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Pedro Erisson 05-03-2012 16:05
kkkk... Vocês são hilários! Adorei o título. Quase me borrei de rir. kkkkkkkkkkkkkk. Assunto sério abordado com bom humor, sem ser agressivo, e mantendo o bom padrão necessário a um artigo respeitável. Continuem!!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Diego Romany 08-02-2012 12:10
Oi Vivi, eu acompanho o site de ocatequista a um bom tempo, gosto muito dos assuntos que são falados e como são falados, chama muito a atenção de nós jovens para que possamos refletir sobre o real papel da Igreja que Nosso Senhor Jesus Cristo nos deixou. Gostaria tb de deixar dados de pesquisas interessantes a respeito do uso da camisinha: “O Dr. Ronald F. Carey, investigador na FDA (Food and Drug Administration), órgão governamental norte-americano responsável por fiscalizar alimentos e drogas, pôs à prova 89 preservativos em uma máquina simuladora da relação sexual, e encontrou que pelo menos 29 deixaram passar partículas do tamanho do vírus da AIDS. A falha foi de 33%. (Ronald F. Carey, Ph.D., et al, “Effectiveness of Latex Condoms as a Barrier to Human Immunodeficiency Virus-sized Particles Under conditions of Simulated Use,” Sexually Transmitted Diseases 19:4 (July-August 1992), pp. 230-234.” “A Dra. Susan C. Weller, da Escola Médica de Galveston, Universidade do Texas, depois de 11 estudos sobre a efetividade do preservativo, encontrou uma falha de 31% na proteção contra a transmissão da AIDS. Diz ela: “Estes resultados indicam que os usuários do preservativo terão cerca de um terço de chance de se infectar em relação aos indivíduos praticando sexo ‘desprotegido’… O público em geral não pode entender a diferença entre ‘os preservativos podem reduzir o risco de’ e ‘os preservativos impedirão’ a transmissão do HIV. É um desserviço encorajar a crença de que os preservativos impedirão a transmissão do HIV. Preservativos não poderão eliminar o risco da transmissão sexual e, de fato, podem somente diminuir um pouco o risco” (Susan C. Weller, “A Meta-Analysis of Condom Effectiveness in Reducing Sexually Transmitted HIV” Soc Sci Med 36:12 ( 1993), pp. 1635-1644, os grifos são dela).” “Os preservativos têm uma taxa anual de sucesso de 85% na prevenção da gravidez. Há uma falha de 15%. (Elise F. Jones and Jacqueline Darroch Forrest, “Contraceptive Failure Rates Based on the 1988 NSFG (National Survey of Family I Growth):’ Family Planning Perspectives 24:1 (January/February 1992), pp. 12, 18). Mas convém lembrar duas coisas: a) a mulher só engravida em cerca de 6 dias por mês, enquanto o HIV pode infectar uma pessoa durante os 30 dias do mês. b) o espermatozóide, que consegue passar pelas fissuras microscópicas do preservativo em 15% dos casos, é 450 vezes maior que o HIV! Só a cabeça do espermatozóide (que mede 3 milésimos de milímetro) é 30 vezes maior que o HIV, cujo diâmetro é 0,1 milésimo de milímetro!” Como uma peneira que não consegue reter pedras poderá impedir a passagem de grãos de areia? Notas: (1) Site Rainha dos Apostolos (http://www.rainhadosapostolos.com/2011/07/resposta-ao-sacerdote-carmelita-favor.html)
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Lore 07-02-2012 09:27
http://extra.globo.com/noticias/religiao-e-fe/cristo-redentor-se-enche-de-cores-em-homenagem-jornada-mundial-da-juventude-3902174.html
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Paulo Ricardo 06-02-2012 23:45
Nao poderia ser algo como: Bento XVI - FATALITY? Ahahah
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Gustavo 06-02-2012 22:47
Desculpe a pergunta idiota, mas seria desrespeitoso por embaixo da tabela comparando os programas anti-AIDS de Uganda e África do Sul como alguma coisa escrito "Papa wins" ou "Igreja Católica 1x0"?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 07-02-2012 21:32
Isso seria correto, Gustavo, do ponto de vista de que a Igreja e o nosso Papa têm toda razão neste caso. Mas, por outro lado, não é apropriado utilizar estas expressões abaixo dessa tabela, porque poderia soar como uma zombaria em relação à situação catastrófica da África do Sul. Abraço!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Gustavo 07-02-2012 21:35
Entendi. Muito obrigado e continue com o excelente blog! Não sabe como ele é de grande ajuda.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Lore 06-02-2012 22:00
FATO! O pior cego é o que não quer ver
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Bruno 06-02-2012 20:50
Obrigado Cadu pelas suas explicações, O catequista esperando ansioso por esse Post!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Alberto Travassos 06-02-2012 20:10
Parabéns, texto maravilhoso!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Edson 06-02-2012 17:24
Olá...Sou catequista do Sacramento do Crisma. Sou casado a mais de dois anos. Minha esposa e eu não utilizamos nem um método de barreira (p.ex preservativo) ou abortivo(p.ex. anticoncepcional), apenas o Método Billings de Ovluação. A palavra EVITAR filhos não deve pronunciado por um católico. Entedemos que podemos espaçar, mas não evitar. Filhos são uma generosidade de Deus. O planejamento deve ser realizado, mas não sobre a tutela do egoísmo, materialismo ou fuga das responsabilidades paterna/materna. Outra coisa, tenho vários amigos que podem dar testemunho.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Anne 09-02-2012 14:32
Correto. Vale lembrar da Enciclica Humanae Vitae sobre a regulação dos nascimentos. Nela o Papa Paulo VI discorre sobre os motivos que devem levar um casal a espaçar os nascimentos, sendo estes motivos SÈRIOS, e não "escolher quantos filhos ter". Vale lembrar da aliança feita no matrimônio cristão onde o padre pergunta aos noivos: "Aceita receber os filhos que Deus vos confiar?"
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Maria Thereza 06-02-2012 15:10
Parabéns pelo texto! Estou compartilhando na página da minha paróquia no Facebook :)
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Jackson Leite 06-02-2012 14:49
Novamente, um texto fantástico! Parabéns, Vivi, pelo texto =) . Não repetirei aqui o que muitos já falaram nos comments acima, mas agradeço novamente pelo texto, pesquisas e esclarecimentos, pois esse assunto sempre é motivo de apedrejamento da Igreja por parte daqueles que só colocam a culpa no que O Corpo Místico de Cristo nos aconselha. Sobre o planejamento familiar, eu quero agradecer aqui ao Dudu e ao Ale pelo pequeno esclarecimento e gostaria de dizer que tenho muitas dúvidas em relação a essas questões. Estou a começar a estudar o Catecismo, mas ainda não sei muita coisa... eu ficaria agradecido por demais se vocês realmente fizessem um post sobre isso. Novamente, parabéns e obrigado pelo texto. Deus vos abençoe, com a intercessão da Virgem Santíssima.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Sheila Maria 31-08-2013 18:17
Amigos Catequista: Só uma coisa a dizer: bom! Muito bom mesmo! Paz e bem Sheila
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Cadu Sindona 06-02-2012 14:03
Vdd Ale afinal familias numerosas sempre foram um sinal visível tanto pros judeus quano pros cristaos que Deus abençoou aquela familia.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Douglas Oliveira 06-02-2012 12:58
"associações pró-rosca-sem-pregas e pró-perereca-sem-lei". kkkkkkkkkkk Muito bom o post!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Cadu Sindona 06-02-2012 12:55
Oi Bruno, a Igreja, no Sagrado Magistério, nos diz que o planejamento familiar é moralmente aceitável e justo, quando os esposos no Sacramento do Matrimônio, decidem quantos filhos desejam ter. no Catecismo a Igreja aponta algo belíssimo: os pais não são os criadores dos filhos, mas colaboradores com o Pai, que dá a graça a eles de constituirem uma família. Portanto caso os cônjuges não desejam ter filhos agora, a Igreja recomenda que eles recorram as épocas de infertilidade da mulher para o ato sexual. Todo tipo de contracepção é imoral. Ponto. Mas caso, por motivos médicos, seja recomendado o uso da pílula para a esposa, a Igreja aceita o uso desde que nesse interim eles se abstenham do ato sexual, pois afinal o sexo não é a base do casamento, e sim o amor dos esposos.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # O Catequista 06-02-2012 13:50
Meio certo pra você, Cadu. Exatamente pela explicação que você deu, não faz sentido dizer que o casal escolhe a quantidade de filhos (todo mundo vai querer um só). Porque se você se casa impondo limites, não é possível dizer que o matrimônio está aberto à vontade do Senhor. E se for assim, o matrimônio é nulo... Mas esse assunto é extenso. Não é tão simples assim. Acho que vale a pena fazer um post só sobre planejamento familiar.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Renato Pinheiro 06-02-2012 12:32
O povo infelizmente se recusa a entender que o melhor método anticoncepcional é NÃO FAZER SEXO.. pena.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Bruno 06-02-2012 11:06
vocês poderiam falar sobre planejamento familiar? já que a igreja é contra o uso da camisinha em todos os casos. O que fazer quando a crianção de filhos ficou cada vez mais difícil nessa sociedade??
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Cadu Sindona 06-02-2012 10:03
Mto bom Vivi! A questao da sexualidade e das camisinhas bem como a do virus da AIDS, é como vc bem frizou, um emaranhado mto simples de coisas. Uma equaçao simples e perfeita a do Santo Padre, a melhor forma de contracepçao sexual, é viver os mandamentos. Ngm ficaria doente caso nao transasse. Simples e perfeito. Meu prof. comuna de sociologia e geografia, disse uns dias atras q o sexo é algo q moralmente seria impossivel de controlar pq é um ato biologico... tadinho dele. O sexo é algo tao santo tao perfeito e belo q nao pode ser feito a nao ser num ambiente de compromisso supremo e infinito entre o casal. Nao se pode dizer num instante q se é td de alguem e no outro dizer foi bom mas bye bye.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Graça 06-02-2012 09:34
Excelente texto! -A Igreja prega a castidade, não a promiscuidade, e por isso não aprova a distribuição e incentivo ao uso da camisinha, que já está provado que não é 100% segura. -Esse tal Drauzio Varella se declara ateu, por isso essa mentalidade anti-igreja e a favor da causa gay e da liberdade sexual. -E o que é pior: o Carnaval está chegando e já começaram as propagandas de distribuição de milhões de camisinhas para os foliões no Brasil inteiro(Para isso o Governo tem dinheiro sobrando, né?) O Governo incentiva a promiscuidade e a banalização do sexo(transa-se todo mundo com todo mundo, como animais no cio)
Responder | Responder com citação | Citar
0 # RR 06-02-2012 08:52
Como sempre o ser humano quer sempre culpar alguém por qualquer problema..Então um grupo de ignorantes ou manipuladores, incomodados contra a igreja católica, insiste em fazer "barulho" jogando suas próprias culpas nessa instituição...Não é possível que nesse mundo atual, cheio de liberdades, falta de valores, totalmente entregue às pervesões sexuais, queira culpar a igreja pela proliferação da AIDS...Chega a ser até humorístico isso.....vamos parar de jogar as culpas nos outros e trazer pra nós a responsabilidade e juntos lutar pelas soluções..
Responder | Responder com citação | Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade