Publicidade
O Catequista

O Catequista

Seja santo, Povo Católico!!!!

Agora tem mais um jeito de ser santo. Hoje o Papa Francisco publicou uma carta apostólica criando uma nova via de santidade, chamada “Oferta da Vida”. Não ficou exatamente mais fácil… mas é um novo caminho. Vamos entendê-lo.

A nova via, chamada de “Oferta da Vida”, é descrita no documento como:

“Oferta livre e voluntária da vida e heróica aceitação, pela caridade, de uma morte certa em um breve período de tempo.”

Em outras palavras, é uma via que fica entre as Prática Heroica das Virtudes e o Martírio. É quando uma pessoa, por um ato de caridade, aceita o risco de morte iminente.

Calma, vamos explicar! Imagine alguém que se dispusesse a cuidar de um paciente com uma doença altamente contagiosa, e, no processo, acabasse por contrair a mesma doença, vindo a falecer em consequência disso. Se a escolha foi voluntária e por amor ao outro, entra na definição da “Oferta da Vida”.

Até hoje, muitos santos entregaram a vida desta forma, mas acabaram tendo que ser forçosamente classificados como “martírio” ou “prática de heroica de virtudes”. Um dos exemplos mais famosos e belos e o de São Damião de Molokai, que passou boa parte de sua vida exercendo seu ministério sacerdotal junto aos leprosos de uma ilha no Havaí. Após alguns anos, ele contraiu a doença e faleceu.

Essa nova classificação irá certamente facilitar o entendimento e acelerar os processos. Se esta classificação já existisse no tempo de Santa Gianna, talvez ela pudesse ter sido classificada desta forma.

É bom lembrar que a “fama de santidade” e os milagres continuam sendo necessários. Nada foi alterado nesse sentido.

QUAIS SÃO AS OUTRAS CLASSIFICAÇÕES DO PROCESSO DE CANONIZAÇÃO?

Até hoje, a Congregação para a Causa dos Santos reconhecia a santidade de alguém por três vias diferentes: pelo Martírio, pela Prática Heroica das Virtudes e por decreto, que é chamado de “equipolência”. Abaixo estão as características necessárias para cada um:

MARTÍRIO - Aceitação voluntária de uma morte violenta por amor a Cristo por parte da vítima; a morte precisa ter sido motivada por perseguição por ódio a fé; a vítima deve morrer em paz e perdoando seu executor.

PRÁTICA HEROICA DAS VIRTUDES - As virtudes precisam ser vividas voluntariamente, de forma agradável, dentro de um contexto comum de agir, por uma finalidade sobrenatural e por um longo período de tempo. Ou seja, é um modo de viver habitualmente conforme o Evangelho.

As virtudes praticadas devem ser as Teologais (fé, esperança e caridade), Cardeais (prudência, justiça, fortaleza e esperança) e também a pobreza, obediência, castidade e humildade.

EQUIPOLÊNCIA - Essa é menos glamurosa… é por decreto mesmo. Mas também tem seus critérios. Pode ser concedida aos que tenham uma vida de santidade evidente mas que tenham veneração muito antiga e, por isso, não haja mais como fazer as comprovações segundo o processo atual. Um exemplo recente é a da canonização do nosso amado São José de Anchieta.

 QUAL O SENTIDO DO NOME DA CARTA APOSTÓLICA?

O nome do documento é Maiorem hac dilectionem, em português, "Amor Maior". Foi retirado desse trecho do Evangelho (e não da música do JQuest):

“Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida por seus amigos”. (Jo 15,13)

Por enquanto, o Vaticano só disponibilizou a carta apostólica em italiano e latim. Se quiser ler o documento original, clique aqui.

Papa Francisco que já havia se manifestado timidamente no Twitter, agora deixou clara a sua posição no caso do bebê Charlie Gard, pedindo para que se respeite a decisão dos pais.

Hoje a tarde, o diretor da Sala de Imprensa Greg Burke afirmou que o Santo Padre acompanha preocupado o desenrolar do caso:

"O Santo Padre acompanha com afeto e comoção o caso do pequeno Charlie Gard e expressa sua proximidade aos pais. Ele reza por eles, desejando que não se negligencie o seu desejo de acompanhar e tratar o próprio bebê até o fim".

O pequeno Charlie ainda sobrevive, graças a decisão do hospital de adiar o desligamento dos aparelhos para que os pais pudessem se despedir.

Continuemos rezando.

Oi Povo Católico,

Um bebê doente luta por sua vida em uma UTI, e seus pais fazem todo o possível para manter suas esperanças. Mas, infelizmente, esta é uma batalha perdida. E não foi para a doença do menino. Mas para a ideologia assassina que toma conta da Europa. A Corte Europeia de Direitos Humanos autorizou o hospital a matar Charlie Gard, de apenas 10 meses, contra a vontade de seus pais!

Este mesmo tribunal, que condenou a Rússia por não permitir a união de pessoas do mesmo sexo, ameaçou sancionar a Polônia por seus "excessos conservadores" e luta para permitir a "liberdade" para mães matarem seus filhos no ventre. No entanto, parece não entender como direito humano a luta dos pais pela vida de seu filho. 

É óbvio que estamos diante de mais um desmando de gente que acha que o ser humano não tem sentido se não estiver servindo ao “Estado”. Mas não adianta encarar somente como um problema político. O problema principal é que a Europa virou as costas para Cristo. É um continente de mortos-vivos.

Como pode um povo não reagir diante de um tribunal de direitos humanos que tira um bebê de seus pais e autoriza um hospital a matá-lo? Que hospital é esse? Que justiça é essa? Que povo é esse?

Se a Europa ainda ouvisse a Igreja, talvez isso não acontecesse. A eutanásia é inaceitável! Mesmo que seja feita com a intenção de abreviar o sofrimento do paciente. O número 2277 do Catecismo é bem claro:

Quaisquer que sejam os motivos e os meios, a eutanásia direta consiste em pôr fim à vida de pessoas deficientes, doentes ou moribundas. É moralmente inaceitável. Assim, uma ação ou uma omissão que, de per si ou na intenção, cause a morte com o fim de suprimir o sofrimento, constitui um assassínio gravemente contrário à dignidade da pessoa humana e ao respeito do Deus vivo, seu Criador. O erro de juízo, em que se pode ter caído de boa fé, não muda a natureza do ato homicida, o qual deve sempre ser condenado e posto de parte (58).

Mas e se não houver mais chance alguma? 

Nesse caso, é necessário avaliar os efeitos da continuidade do tratamento.

A cessação de tratamentos médicos onerosos, perigosos, extraordinários ou desproporcionados aos resultados esperados, pode ser legítima. É a rejeição do «encarniçamento terapêutico». Não que assim se pretenda dar a morte; simplesmente se aceita o facto de a não poder impedir. As decisões devem ser tomadas pelo paciente se para isso tiver competência e capacidade; de contrário, por quem para tal tenha direitos legais, respeitando sempre a vontade razoável e os interesses legítimos do paciente. (CIC 2278)

O que definitivamente não é o caso de Charlie! Primeiro porque os pais não estão de acordo. A decisão está sendo tomada pela justiça e pelo hospital. Em segundo lugar porque CHARLIE AINDA TINHA UMA CHANCE!

Sim! Essa história é mais absurda ainda. Há um tratamento experimental nos EUA para a doença do menino e o dinheiro para isso já havia sido levantado. Só que o hospital precisaria manter o bebê vivo por mais algum tempo. Mas eles não querem esperar... Talvez seja exigir demais que todas essas pessoas, afundadas na cultura de morte, entendam o que significa esperança.

Enfim, para nós, que cremos no Deus do impossível, ainda é tempo: reze por Charlie e por sua família.

 

Oi Povo Católico!!!!

Hoje a Hora da Treta é especialíssima! Entrevistamos Sua Alteza Imperial e Real Dom Bertrand! Sim! Teve príncipe na Rádio Catedral! 

Neste programa Dom Bertrand conversa sobre a real possibilidade de se restaurar a monarquia brasileira e tira dúvidas dos ouvintes. ATENÇÃO para a declaração SOBRE A MAÇONARIA E SOBRE DOM VITAL! 

"A posição da Família Imperial é a posição de todo católico: a Igreja Católica proíbe, sob pena de excomunhão, a pessoas que participassem dessas seitas secretas. E no caso de Dom Vital foi um erro histórico que jamais deve se repetir!"

S.A.I.R. Dom Bertrand no programa Hora da Treta

Dê play no áudio abaixo e divirta-se!

É TRETA, Povo Católicoooooooo!!!!

Hoje, em O Catequista, é dia do podcast mais treteiro do universo: HORA DA TRETA!

A Hora da Treta é um programa semanal da Rádio Catedral FM que tem como objetivo passar a semana em revista, mostrando a verdade por trás dos fatos e um olhar cristão para tudo o que acontece. É apresentado por Alexandre Varela (EU!), Pe. Augusto Bezerra e Pe. Nivaldo Junior e vai ao ar AO VIVO todas as sextas-feira (dia de treta), às 18h10 na Rádio Catedral FM do Rio de Janeiro (106,7). Quem não conseguir acompanhar o programa ao vivo pode ficar tranquilo porque NENHUMA TRETA FICARÁ SEM REGISTRO!

NESTE PROGRAMA: Alexandre Varela (O Catequista) e Pe. Augusto Bezerra falam sobre a insistência de Gilmar Mendes em anular delação da JBS e rever prisão em segunda instância, detonam o quebra-quebra em Brasília, apoiam a convocação do Exército para contar e a baderna, protestam pela FLIP ter sido levada para dentro de uma igreja e desmentem o Fake News sobre o encontro de Dom Orani com FHC.

APERTA O PLAY QUE É TRETA!

Oi Povo Católico,

Dom Luigi Negri, Arcebispo da arquidiocese italiana de Ferrara-Comacchio fez uma belíssima reflexão sobre a sociedade europeia (e serve para a nossa também) a partir do terrível atentado de Manchester, que deixou mais de 20 mortos na última semana.

Veja abaixo o texto completo. Vale a pena ler e refletir. Para onde estamos indo e como podemos fazer para reverter esse quadro?

 

“Pobres filhos de uma sociedade que não reconhece o Mal”

por Dom Luigi Negri, Arcebispo de Ferrara-Comacchio

Texto publicado no jornal italiano La Nuova Bussola Quotidiana, no dia 23 de maio de 2017, a respeito do ato terrorista ocorrido na véspera, em Manchester.

 

Caríssimos filhos,

Sinto que posso chamá-los assim, ainda que não os conheça. Mas, nas longas horas de insônia que sucederam o anúncio deste atentado terrível, no qual muitos de vocês perderam a vida e muitos ficaram feridos, senti-me ligado a vocês de maneira especial.

Vocês vieram ao mundo, muitas vezes sem ser desejados, e ninguém lhes deu “razões adequadas para viver”, como pedia o grande Bernanos à geração de seus adultos. Puseram vocês na sociedade com dois grandes princípios: que podiam fazer o que quisessem, porque todo e qualquer desejo é um direito; e a importância de ter o maior número de bens de consumo.

Vocês cresceram assim, considerando óbvio que tinham tudo. E quando tinham algum problema existencial – antigamente se dizia assim – e o comunicavam aos seus pais, aos seus adultos, já estava pronta a sessão de psicanálise para resolver esse problema. Esqueceram-se apenas de lhes dizer que há o Mal. E o Mal é uma pessoa, não é uma série de forças ou de energias. É uma pessoa. Essa pessoa estava lá à espreita, durante o espetáculo. E a terrível asa da morte, que ela trazia consigo, os capturou.

Meus filhos, vocês morreram assim, quase sem razões, da mesma forma como tinham vivido. Não se preocupem, não os ajudaram a viver, mas lhes farão um “ótimo” funeral, no qual se expressará essa bolsa retórica laicista com todas as autoridades presentes – infelizmente também as religiosas – em pé, silenciosas. Naturalmente o funeral será feito ao ar livre, também para os que creem, porque a esta altura o único templo é a natureza.

Robespierre riria, porque nem ele chegou a tal fantasia. De resto, nas igrejas já não se fazem funerais, pois – como diz sabiamente o Cardeal Sarah – nas igrejas católicas já se celebra o funeral de Deus. Não se esquecerão de colocar nas calçadas os seus bichos de pelúcia, as lembranças da sua infância, da sua primeira juventude. E depois tudo será arquivado na retórica de quem não tem nada a dizer perante as tragédias, porque não tem nada a dizer perante a vida.

Eu espero que ao menos algum desses gurus – culturais, políticos e religiosos – nesta situação contenha as próprias palavras e não dispare os discursos de sempre para dizer que “não é uma guerra de religião”, que “a religião, por sua própria natureza, é aberta ao diálogo e à compreensão”. Pois bem, desejo que haja um momento de respeito silencioso. Primeiramente pelas suas vidas ceifadas pelo ódio do demônio, mas também pela verdade. Porque os adultos deveriam, antes de tudo, ter respeito pela verdade. Podem não servi-la, mas devem ter respeito por ela.

De todo modo, eu, que sou um velho bispo que ainda acredita em Deus, em Cristo e na Igreja, vou celebrar a missa por todos vocês no dia do seu enterro, para que do outro lado – qualquer que tenham sido as suas práticas religiosas – encontrem o rosto tão querido de Nossa Senhora, que, envolvendo-os em seu abraço, os consolará desta vida desperdiçada, não por culpa de vocês, mas por culpa dos seus adultos.

 

TRADUÇÃO: Claudio Cruz

Oi Povo Católico!

Na última quarta-feira, enviamos uma Carta Aberta à organização da FLIP (leia aqui) por conta da notícia veiculada pela PublishNews com a seguinte manchete: "Flip vai para a igreja, mas retira os santos". A notícia dizia que a FLIP iria transferir parte da sua programação para dentro do espaço da igreja e removeria os santos para adaptar o espaço à "Experiência FLIP". Nossa carta pedia aos organizadores do evento que considerassem escolher outro local, por dois motivos:

1) o local é sagrado e é um risco receber esse tipo de evento;

2) esconder os santos não seria um descaso com a cultura católica? Sendo assim, não seria melhor fazer em outro lugar?;

Depois disso, a FLIP e a Publishnews entraram em contato conosco e reproduzimos a íntegra das suas respostas neste post. Mas, antes, aqui vai um resumo da ópera: os santos permanecerão na igreja. Apenas o sacrário será removido, evidentemente em respeito à Nosso Senhor Jesus Cristo. Na verdade, a informação de que os santos seriam removidos não era correta. A confusão ocorreu por uma interpretação errônea da Publishnews sobre o fato. O erro já foi corrigido e uma errata publicada (veja mais abaixo neste post).

Mas se por um lado a questão dos santos está resolvida, por outro, o evento continuará sendo feito dentro do espaço sagrado do templo. A FLIP, no entanto, com muito boa vontade, afirma estar atendendo a todas as solicitações feitas pelo padre responsável pelo local, a fim de evitar possíveis problemas. Mesmo assim, reiteramos que o espaço sagrado continua exposto a riscos que podem acabar exigindo reparações/desagravos ou até mesmo atitudes mais graves após o evento. Obviamente estamos falando de questões de ordem espiritual. Entendemos que todas as precauções possíveis estão sendo tomadas para preservar o espaço físico.

Enfim. Feito o resumo, gostaria apenas de acrescentar a abertura ao diálogo da FLIP e da PublishNews (que continua sendo referência para notícias do mercado literário, mesmo nunca tendo falado do nosso livro rs...). Seguem abaixo as íntegras dos comunicados enviados pelas duas instituições, bem como os links para a matéria corrigida e para a errata.

 

A RESPOSTA DA FLIP:

Caro Alexandre,

Agradecemos o envio de sua carta e a possibilidade de apresentar alguns esclarecimentos às suas preocupações.

A Festa Literária Internacional de Paraty – Flip guarda o mais profundo respeito pela Igreja Católica, assim como pelas demais instituições, religiões e credos. A programação da Flip há 15 anos reflete essa postura, aliada a uma defesa ativa do diálogo, da pluralidade de ideias e da convivência pacífica. Não será diferente este ano.

A possibilidade de realizar a Festa na Igreja da Matriz de Paraty, patrimônio histórico nacional, e um espaço de vital importância cultural e social para o município é uma honra para a Flip.

Todas as tratativas para a viabilizar a realização da Flip na Igreja Matriz foram em consonância com as autoridades eclesiais locais, que reconhecem a seriedade da Flip e seu intuito em ser um espaço de debate qualificado. O respeito recíproco que sempre pautou essa relação foi o que nos permitiu estabelecer essa colaboração.

A beleza da Igreja Matriz e seu valor arquitetônico são inegáveis e guardam absoluta sintonia com os princípios de preservação e valorização do patrimônio histórico sempre defendidos pela Flip. Assim, as adaptações visam exclusivamente a composição de um espaço tecnicamente adequado para acomodação dos autores, do público e a realização das mesas da Flip, bem como sua transmissão ao telão, na Praça da Matriz, e pela internet.

Destacamos que o diálogo mantido com autoridades eclesiais locais prossegue de forma permanente, para que sejam assegurados o respeito e os cuidados necessários.

 

Um abraço,

Equipe Flip

 

A RESPOSTA DA PUBLISHNEWS:

Caro Alexandre,

Venho por meio deste e-mail esclarecer que houve um erro em nossa notícia publicada na terça-feira (23/5), na qual afirmamos que a Igreja da Matriz de Paraty retiraria os santos para receber a Flip. O erro já foi corrigido na notícia original e hoje em nova nota no nosso site.

Editor PublishNews

 

OS LINKS:

Notícia original da PublishNews, já corrigida (com título diferente e com a nota da errata ao final): http://www.publishnews.com.br/materias/2017/05/23/flip-vai-para-a-igreja-mas-retira-os-santos

Errata da PublishNews: http://www.publishnews.com.br/materias/2017/05/25/erramos-a-flip-nao-vai-retirar-os-santos-da-igreja-matriz

 

Pronto... estão aí as considerações, povo católico, digamos com um final meio feliz.  Resta rezar e confiar nos responsáveis pela Igreja Matriz de Paraty para que tudo corra bem.

Oi Povo Católico!

Li há pouco no site Publishnews, a seguinte notícia: Flip vai para a igreja, mas retira os santos. Isso mesmo. Se você é católico, provavelmente teve a mesmíssima reação que eu. E ao ler a matéria fiquei ainda mais estarrecido porque não só os santos serão retirados como a Igreja passará por uma transformação (temporária evidentemente) para que não se perca a "Experiência FLIP". Reproduzo um pequeno trecho da matéria abaixo e logo depois gostaria de me dirigir em carta aberta à organização da Festa Literária Internacional de Paraty.

Uma adaptação está sendo feita para que o espaço se adeque ao evento, com a retirada temporária do sacrário e recursos cenográficos e técnicos que permitam ao público a manutenção da "experiência Flip". 

Publishnews - 23/05/2017

 

CARTA ABERTA AOS ORGANIZADORES DA FLIP

 

Senhores organizadores. 

Hoje tomei conhecimento, através do site Publishnews, de que a FLIP abrigará a programação, que antes acontecia na "Tenda dos Autores", na Igreja Matriz da cidade de Paraty, dedicada à Nossa Senhora dos Remédios. E, como católico, me senti ultrajado. Não pelo evento em si, que sempre foi de altíssimo nível, mas pelo que se propõe fazer dentro de um templo para garantir a manutenção do que foi chamado de "Experiência FLIP". Tomei então a liberdade de escrever essa carta por julgar que isso só pode ter sido fruto de algum tipo de mal entendido, ou ainda, de má compreensão do que significa uma Igreja para os fiéis católicos.

Então, em primeiro lugar, gostaria de esclarecer que o interior de uma Igreja não é de forma alguma um local para eventos. É um local sagrado. E mesmo que a programação esteja absolutamente de acordo com os valores católicos (talvez não seja o caso, mas vamos partir dessa hipótese), ainda assim, seria um péssimo uso para um local sagrado. Para nós, católicos, o interior de um templo é onde celebramos o Sacrifício do Senhor Jesus (que sabemos ser Deus) na Cruz e no qual Ele se faz presente através a Eucaristia. Em outras palavras, o interior de uma Igreja é o local onde o próprio Deus vem até nós, o seu povo, e onde celebramos esta grande Graça.  Não pode ser de modo algum palco de qualquer outro tipo de atividade que não seja estritamente condizente com esse nível de dignidade.

Mas vamos além. Vamos partir da hipótese que a FLIP esteja em pé de igualdade em dignidade com as celebrações que lá acontecem (o que já sabemos não ser verdade, não pelo nível do evento, mas simplesmente porque a FLIP não se liga ao sagrado). Mesmo assim, cobrir todos os santos e transformar a Igreja, significa antes de tudo que a estética católica e sua cultura milenar não servem para fazer parte da "Experiência FLIP".

Ora, neste caso, pergunto: faz sentido então usar a Igreja para o evento?

Fico me perguntando se alguém admitiria que os símbolos nacionais fossem escondidos em prédios oficiais ou históricos (como existem na própria Paraty) ou ainda, que a Monalisa fosse removida do Louvre apenas por não se adaptar a experiência de quem quer se abrigar nas suas instalações.

Não faz sentido.

Aliás, também não faz sentido usar um prédio histórico como a Igreja Matriz de Paraty e não deixá-la como realmente é, como foi realmente construída a sua história, a sua identidade. Esconder pra quê? A quem ofendem os santos e a cultura católica? E se ofendem, por que fazer então seu evento lá dentro?

Entrando ainda mais na questão cultural e histórica, é uma Igreja do Século XVIII, cuja história remonta ao século XVII! Uma das primeiras edificações da cidade. E em cujo interior, belíssimo, podem ser vistas obras importantíssimas tão antigas quanto a edificação. Se isso precisa ser escondido ou adaptado para a "Experiência FLIP", repito, a cultura católica não serve para vocês e, portanto, este não deveria ser o local do seu evento.

Por último, imagino que tudo tenha sido feito absolutamente de acordo com as autoridades eclesiais locais. Ok. Não estou aqui julgando esse mérito. Estou julgando apenas que se a cultura de um povo não serve para um evento, este não deveria acontecer dentro de suas dependências.

Imagino também que não tenham pensando ou visto a questão desta forma, talvez por não serem católicos ou simplesmente por não terem atentado a tudo isso. Por isso, escrevo esta carta e reitero o pedido para que reconsiderem o local do evento.

Muito obrigado.

 

Respeitosamente.

Alexandre Varela (ocatequista.com.br)

É TRETA, Povo Católicoooooooo!!!!

Hoje, em O Catequista, é dia do podcast mais treteiro do universo: HORA DA TRETA!

A Hora da Treta é um programa semanal da Rádio Catedral FM que tem como objetivo passar a semana em revista, mostrando a verdade por trás dos fatos e um olhar cristão para tudo o que acontece. É apresentado por Alexandre Varela (EU!), Pe. Augusto Bezerra e Pe. Nivaldo Junior e vai ao ar AO VIVO todas as sextas-feira (dia de treta), às 18h10 na Rádio Catedral FM do Rio de Janeiro (106,7). Quem não conseguir acompanhar o programa ao vivo pode ficar tranquilo porque NENHUMA TRETA FICARÁ SEM REGISTRO!

NESTE PROGRAMA: Alexandre Varela (O Catequista), Pe. Augusto Bezerra e Pe. Nivaldo Junior explicam PAAAASMOOOOS a tretaça da gravação de Michel Temer, listam as prováveis consequências para o país e procuram alguns políticos em meio ao pó! E não perca o bate-papo da semana com Sidney Silveira! 

APERTA O PLAY QUE É TRETA!

 

-----------------------------------

Conheça o Livro “Quem sou eu para Julgar”, da Editora LeYa, com textos e falas do Papa Francisco sobre os mais diversos temas. Todas as tretas estão lá! Clique na figura abaixo!

Oi Povo Católico!

A partir de hoje tem BISPO em O Catequista TV! A cada 15 dias, teremos uma nova catequese de Dom Paulo Romão, bispo auxiliar da Arquidiocese do Rio de Janeiro!

Neste episódio, Dom Paulo nos fala daquela sensação de nunca estarmos satisfeitos, mesmo diante das grandes conquistas. Por que isso acontece? Qual a solução? Veja o vídeo e descubra!

Aproveite para conhecer o livro "Quem sou Eu para Julgar?", da Editora LeYa, com textos do Papa Francisco que refletem seu pensamento sobre a vida! CLIQUE AQUI E CONHEÇA

Conheça também o melhor co-work do Rio de Janeiro: Colmeia Carioca!

Então não espere mais... dá play aí e assine nosso canal no Youtube (clicando aqui).

Página 1 de 17
Publicidade
Publicidade