Publicidade
Sexta, 23 Setembro 2016 02:08

Os Caçadores de Treta #5 - Detonando o Comunismo!

Postado por

É treeeeetaaaa, Povo Católico!!! Hoje em Os Caçadores de Treta você vai entender porque o Comunismo é totalmente incompatível com a Doutrina Católica, vai ver o como o Estado de Bem-Estar Social (como a Suécia) pode te fazer muito mal e vai finalmente saber se ser comunista dá ou não excomunhão automática!  Tudo isso, com o nosso jeitinho carinhoso de sempre... então clica no play aí embaixo e divirta-se! 

Não esqueça de se inscrever no nosso canal! Quanto mais inscritos, mais Os Caçadores de Treta se espalham pelo Youtube. E se você quiser mandar uma treta pra gente é só escrever para: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. E prepare-se... vem aí uma surpresa fantástica!

Comentários   

0 # Daniel 07-05-2017 00:33
Se alguém era católico e vira crente também está ex-comungado?
Se sim, como faz para não ser mais ex-comungado?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Alex Hoffmann 08-05-2017 00:52
No caso o tal católico virou herege por decisão própria, se auto excomungou sem sem processo formal. Apesar de que a Igreja nunca excomungou ninguém, a Igreja apenas constata a heresia, é o herege que irredutível aos apelos da Igreja se auto desliga.
Para deixar de ser "crente" deve ter o propósito firme e decidido de voltar para a fé que rejeitou, depois procurar um sacerdote para confessar-se profundamente contrito e arrependido do que fez. Depois disto, estudar sobre os fundamentos da fé católica, estudar catecismo e mais que tudo, rezar, participar das missas, seguir os preceitos da Igreja Católica.
Nunca se viu nenhum católico morrer com qualquer tipo de temor por ter sido católico, morrido triste pelos pecados cometidos isto sim.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Anonima 15-03-2017 21:46
Preciso URGENTE de um conselho, tenho até dia 17 para decidir isso... eu gostaria de ser monitora (ajudante, para responder dúvidas dos alunos etc) de um professor na minha faculdade. Mas ele é esquerdista! Não é um professor que doutrina muito, pela experiência que tive, fala algumas EMES de vez em quando, mas nada muito terrível.

A monitoria me daria um dinheirinho extra MUITO importante, até pq é bem complicado trabalhar e estudar ao mesmo tempo no meu curso. Tem um outro professor, mas ele tb parece ser de esquerda, só não admite isso e é menos "marcado" como comuna, só que a aula dele é PÉSSIMA; queria mesmo com aquele primeiro.

Estaria pecando se fosse monitora dele por um semestre? Dá pra ver claramente pra qualquer um que stalkear minhas curtidas que eu não sou de esquerda!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 17-03-2017 14:13
Se eu fosse você, aceitava o trabalho. Não estará pecando, a meu ver.
Desculpe se não respondi mais rápido. Temos cada vez mais trabalho com essa missão, e fica cada vez mais difícil responder às perguntas de todos.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Oney 17-10-2016 13:09
Comunismo é história pra boi dormir , se dizem ser comunistas mas comem nós mesmos restaurantes globais, a ideia de comunismo e socialismo se perdeu em alguma lugar da Rússia no inicio do século XX.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Isac 16-10-2016 09:16
QUASE 170 000 000 DE MORTOS DOS COMUNISTAS SÓ NO SÉC XX - E A CARNIFICINA CONTINUA ONDE ENTRAM! Dá para se recordarem de diversos carniceiros comunistas de comportamentos híper agressivos, e ainda continuam atuantes onde se instalam; Matam a alma, o pior, e em seguida o corpo! Foi o caso do Brasil, via peste mortal comunista PT e agora na caótica Venezuela sob o idem psicopata Maduro - converteu a nação num Haiti, Sudão! Os estragos religiosos, ético-morais e até financeiros aqui causados, sem serem incomodados por aqueles que os deviam interpelar, desde o episcopado até ao clero são infindos! Contaram até com a esquerdista CNBB! Ao contrario, quantos apoiam os vermelhos, quer por conivencia ou silencio? Uns muito mais, outros em menos em números aos assassinatos de Lutero, recordam-se tais como Stálin, Lênin, Pol Pot, Kim Jong, Fidel Castro...
Responder | Responder com citação | Citar
-2 # jose valdemir da silva 16-10-2016 08:48
o apostolo Pedro, nunca esteve em Roma, mas sim na cidade de Babilônia no Iraque. ver a primeira carta de Pedro capitulo cinco versículo treze.
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # A Catequista 17-10-2016 16:35
Nessa passagem da Bíblia, "Babilônia" quer dizer Roma. Os cristãos daquele tempo chamavam Roma de Babilônia, porque, assim como em Babilônia os judeus na Antiga Aliança foram oprimidos pelos babilônicos idólatras, na Nova Aliança, os cristãos estavam sendo oprimidos pelo governo pagão de Roma. Roma, então, foi vista como a nova Babilônia.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # João Pedro Strabelli 26-09-2016 10:52
Acho que foi a Margaret Thatcher que disse que o comunismo só funciona com o dinheiro do capitalismo. É só ver a reclamação que fazem quando o dinheiro sujo do capitalismo para de comprar as coisas deles. Lembrei disso porque classifico o comunismo entre os falsos profetas. Sempre me pareceu que ele é uma tentativa de religião sem Deus. Eles copiam várias coisas da religião. Um exemplo é que o sujeito que entra nessa deve acreditar piamente que o comunismo está sempre certo e deve-se acreditar nele com todas as forças. Lembra algo, não? Se o sujeito não entender direito, deve seguir e ter confiança plena no chefe. Também lembra algo. Também promete o paraíso. Também diz que ama os menos favorecidos. Com meias verdades fica mais fácil conquistar. Mas como pelos frutos se conhece a árvore…
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Lenieverson 04-10-2016 22:40
Sim, foi ela mesmo, quem disse isso.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Alex Hoffmann 25-09-2016 16:16
E aí galera, falando em comunices, aqui vai uma:DIA INTERNACIONAL DO ABORTO "SEGURO"; proposta de um grupo de pró abortistas manda carta para a ONU para implantar o dia mundial do aborto. Esta é a petição para assinar contra esta tranqueiragem dos filhos do inferno. http://www.citizengo.org/pt-pt/lf/node%3Anid%5D-dia-internacional-do-aborto-seguro-um-absurdo?dr=235013::da664e84442b90d5333a05c07452a28e&utm_source=email&mkt_tok=eyJpIjoiTnpBeFpEZGtOamt4T0dWbCIsInQiOiJnMlVDdG1VaEF0WkRyQXRIWVZDZFJRSUlVV2RjcHJ6QTk4MkViZGJpcGxvWlM1a2NTamVPKzNadVE5ZDdYTExiQkZKVnJkT3JnS01HY2xqVzZJTFh4VkZRYTBpSEFsRHUyeDJLcW0yNGY0az0ifQ%3D%3D
Responder | Responder com citação | Citar
0 # adriano 24-09-2016 13:23
Sobre o último comentário do Geraldo: Na verdade nós concordamos também nesse ponto que você indicou. Acontece que eu me expressei imprecisamente, parecendo endossar a estratégia do inimigo quando afirmei: “tendo em vista as novas exigências sociais, políticas e econômicas do mundo contemporâneo (…) seus herdeiros contemporâneos estão preocupados com as bandeiras pós-modernas do gayzismo, feminismo, racialismo, liberação das drogas, liberação sexual, etc.” De fato, eu só estava informando o modus operandi do movimento revolucionário, mas discordo veementemente de todas essas pseudo-bandeiras, que nascem a partir de pseudo-problemas, fabricados por eles mesmos, como você bem disse. Eles só vão buscar na realidade somente aquilo que eles já colocaram lá antecipadamente. É bem próprio da mentalidade revolucionária esse modus operandi de negação do real. Eles próprios sabem disso quando afirmam que estão a fazer uma "construção de narrativas", ou seja, que não importa a verdade, ou melhor, não existe verdade, só discursos e construções narrativas fundadas em relações de poder. Um abraço, amigo!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # geraldo 24-09-2016 15:37
Pronto, acertamos os ponteiros! E isso me fez lembrar de um afilhado meu que aos seis anos, brincava com um fósforo numa mata aos fundos de sua casa. De repente a mãe o chama e ele corre para dentro, deixando um foguinho ali no mato. Mais tarde, houve um incêndio enorme no bairro. Investiga-se dali e daqui, até que se chega à conclusão de que o pequeno era o causador da tragédia. Questionado pela mãe, o menino faz aquela cara de perfeita (e real, no caso) inocência e diz: Mas... Eu só fiz um foguinho de nada... Mutadis mutandis, no caso dos ideólogos, estrategistas, manipuladores e engenheiros sociais, do qual estamos tratando aqui, os vários foguinhos são colocados de propósito em lugares estratégicos e sua propagação é prevista e planejada. Supremo cinismo: afirmam atuar em nome da sociedade e das minorias de todo tipo, ao mesmo tempo em que usam e lidam com as pessoas e grupos, como se esses fossem peças de um frio e calculado jogo de xadrez. Surpresas imprevistas (por eles): 1) Várias (ainda que poucas) pessoas dentro dessa mesma sociedade que buscam dominar, percebem muito bem o seu jogo e o decifram e denunciam, como estamos fazendo aqui. 2) Os valores do povo, sua cultura e sua fé, não se arrancam tão facilmente assim. O coração do nosso povo tem segredos que eles desconhecem... 3) E por fim, Cristo é o Senhor da história e o bom Deus guia os destinos do mundo, com sua mão providente. Ah! E temos uma boa e querida mãe que nos prometeu: "O meu coração imaculado, triunfará!"
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Odacir Policarpo Pereira 23-09-2016 20:05
Ótimo, gostei.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # adriano 23-09-2016 17:11
É bem interessante e complexo o assunto do comunismo. A grande dificuldade de falar do tema é que o comunismo, antes de ser um corpus doutrinário fechado e coerente, é um movimento político multiforme, fundado na consideração de contradições materiais sucessivas e simultâneas e em respostas de conteúdo revolucionário a tais contradições. Se rastrearmos mais longe, acharemos as origens revolucionárias desse processo no liberalismo revolucionário, que é, sem dúvida alguma, o pai do comunismo (mas isso já é outro assunto). No comunismo, há uma ênfase enorme na práxis revolucionária, em detrimento da construção de um corpo teórico coerente. Por isso que nunca se verá um "catecismo comunista", mas somente textos fundadores, que podem ser seguidos a risca num primeiro momento, e em seguida reinterpretados, mutilados ou alterados em virtude das exigências da ação político-estratégica. Marx, o pai do comunismo moderno, era um materialista economicista, preocupado principalmente com a propriedade dos meios de produção, e a organização da classe trabalhadora tendo em vista o processo revolucionário. Por outro lado, seus herdeiros contemporâneos estão preocupados com as bandeiras pós-modernas do gayzismo, feminismo, racialismo, liberação das drogas, liberação sexual, etc. Parecem coisas diferentes, e em certo sentido são (Marx provavelmente teria repulsa aos nossos esquerdistas de centro acadêmico), contudo essa metamorfose se deu dentro do movimento comunista, de forma plenamente consciente e deliberada, tendo em vista as novas exigências sociais, políticas e econômicas do mundo contemporâneo (explicar isso é uma análise à parte). É claro que as velhas bandeiras comunistas referentes a questões econômicas permanecem vivas, e oportunamente podem voltar a pauta (na sua forma original de revolução armada expropriatória, ou reinterpretadas). Na verdade, os comunistas atuam conforme às circunstâncias políticas, dialeticamente, ora apresentando uma bandeira, ora outra, ora as duas juntas, ora nenhuma delas numa negação raivosa e destrutiva, visando SEMPRE a dissolução da ordem natural e à instauração, via revolução ou via subversão, de algo que nem eles mesmos sabem ao certo o que é... Mas que tem algo a ver com "igualdade", "justiça social", palavras que podem significar qualquer coisa. Assim, eles puderam ser militaristas em Cuba, na China e na URSS, e ao mesmo tempo subversivos da ordem política no Brasil, na França e nos EUA. Puderam defender a manutenção da ordem via repressão sangrenta, ao mesmo tempo que o favoreciam o movimento de maio de 68. Puderam se dizer ateus e inimigos da Fé, ao mesmo tempo que infiltravam-se na Igreja via teologia da libertação e trocavam afagos com o islamismo. Puderam criticar o capitalismo por ser um modelo econômico opressivo, e ao mesmo tempo fomentar um "capitalismo de Estado" na China. Tudo isso parece ser contraditório, e um raciocínio organizado logicamente exigiria um esforço de compatibilização, contudo, na mente dos nossos amigos comunistas tudo é perfeitamente coerente, pois eles raciocinam dialeticamente e historicamente, tendo em vista as exigências revolucionárias em cada época. Para resumirmos, os passos principais desse movimento são: 1) Uma leitura da realidade baseada na busca de contradições, na identificação das relações de opressão (originalmente se tratava de opressão econômica, mas atualmente tal discurso vale para as questões de raça, orientação sexual, gênero, estado psicológico, etc.); 2) A existência de uma classe de iluminados que serão capazes de identificar as relações de opressão acima mencionadas, e denunciar isso para os demais cidadãos, que, uma vez conhecedores da realidade opressiva oculta, se tornam "conscientes", "detentores de consciência crítica", ou seja, iluminados de segunda ordem. 3) Tais iluminados (os líderes dirigindo o processo, e em segundo lugar os iluminados de segunda ordem) apontam profeticamente o caminho revolucionário de superação das contradições; 4) Começa um processo revolucionário brusco ou lento, cruento ou incruento, em que as tais relações de opressão vão sendo sanadas em vista de um futuro paraíso terrestre de igualdade e fraternidade universais. Todo esse movimento tem como características básicas: A ideia de que existe um movimento histórico em curso, em direção a uma libertação geral. Que esse movimento é liderado por uma elite de iluminados. Que as pessoas precisam despertar suas consciências para a realidade opressiva que elas ignoram. Apliquem isso ao movimento gay, feminista, racialista, etc. Vocês vão percebendo que esse movimento político tem caracteres eminentemente religiosos, de uma seita! Agora vou lhes dizer o que os comunistas odeiam. Eles odeiam qualquer ordem social que seja fundada na natureza humana, na sua dimensão gregária mais imediata e orgânica, ou seja, que seja fundada na família e nos corpos sociais intermediários. Família aqui significa o pai e a mãe exercendo EFETIVAMENTE sua esfera de ação, autoridade e governo, educando os filhos, e mantendo uma relação de apoio mútuo com os demais membros da família, ou seja, criando uma esfera de ação e autonomia próprias da família, como unidade básica da sociedade. São importantes também os corpos sociais intermediários formados ESPONTANEAMENTE (não confundir com grupos e movimentos financiados e manipulados de cima pra baixo, com a intenção de se fingirem de populares, p. ex., MST, certos sindicatos, etc.) votados à defesa das famílias, dos interesses de grupos legítimos, etc. Odeiam também - e principalmente - a Santa Igreja, que educa cristãmente seus filhos e não cessa de apontar para a finalidade sobrenatural do homem, insistindo em afirmar-se como sociedade sobrenatural, independente, do Estado e de qualquer movimento político, com sua própria doutrina, suas práticas rituais, etc. Odeiam, em resumo, a sociedade orgânica, formada por vários grupos independentes (família, Igreja, sociedades intermediárias, forças armadas, grupos empresariais legítimos), aspirando eles sempre a uma unificação totalitária da sociedade ao movimento revolucionário e, em suma, aos seus esquemas mentais sectários, reducionistas e diabólicos. Quem explica magnificamente essas coisas é o Olavo de Carvalho e certos autores católicos ditos "tradicionalistas" no bom sentido, como no Brasil tivemos José Pedro Galvão de Souza, Plinio Correa de Oliveira e outros; na Espanha Juan Vallet de Goytisolo, Juan Cruz Cruz, Francisco Elias de Tejada, e outros; na Argentina D. Octavio Nicolas Derisi, Carlos Ignacio Massini Corras, Ruben Calderón Bouchet, etc.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # geraldo 23-09-2016 23:32
Oi Adriano, queria interagir um pouco com seu comentário, mas o site não registra o que eu posto. Imagino que seja alguma avaria técnica. Por isso postei minha resposta ao seu comentário no post anterior. Agradeço se puder dar uma olhada.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # geraldo 23-09-2016 23:33
Está com o título: Interagindo com o comentário de Adriano (do próximo post).
Responder | Responder com citação | Citar
0 # geraldo 23-09-2016 23:42
Me desculpa Adriano, também no post anterior, não consegui postar o que gostaria. Era algo que considerava importante que todos nós tivéssemos presente, em relação ao tema do post. Talvez eu não tenha conseguido por causa dos links que junto ao texto (fontes que penso serem indispensáveis). Já escrevi aos catequistas do blog, para ver se é possível resolver isso. Se não for, tudo bem. Imagino que talvez a questão possa vir à tona em algum outro comentário por aqui.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # adriano 24-09-2016 10:20
Não tem problema, meu amigo! Fiquei curioso para ler suas observações, espero que os Catequistas consigam resolver o problema. Você tentou escrever como um novo comentário? Ao invés de escrever como Reply, colocar um comentário novo, embaixo de todos. Um abraço
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 24-09-2016 11:30
Geraldo e Adriano, o comentário do Geraldo está aqui: Perfeita explanação, Adriano. Gostei muito! E é precisamente disso que necessitamos hoje, uma compreensão do comunismo como movimento complexo e multifacetado, que em nome dessa compreensão "dialética" (partindo da reinterpretação que dão à essa palavra) da realidade, que elege a cada vez novos objetivos, vai pedindo (ou usurpando mediante mil manipulações) da sociedade uma representatividade e uma carta branca para atuar em nosso nome, buscando o que dizem ser o nosso bem, ou o bem de todos, não obstante todos os imensos crimes que já cometeram em nome dessa pretensa maior e mais clarividente visão do processo histórico que afirmam ter, ou (quando assim for conveniente para escapar da responsabilidade) afirmam não ter (camaleonicamente!). A única coisa que eu discordo, da sua análise, são essas afirmações: "tendo em vista as novas exigências sociais, políticas e econômicas do mundo contemporâneo " (...) "seus herdeiros contemporâneos estão preocupados com as bandeiras pós-modernas do gayzismo, feminismo, racialismo, liberação das drogas, liberação sexual, etc." A não ser que você esteja apenas nos informando o que é afirmado por eles, sem necessariamente endossar as afirmações. Porque, do jeito que você disse, me pareceu estar afirmando que essas "novas condições sociais" brotam da realidade, que essas "bandeiras" surgem naturalmente da própria dinâmica social (e é esse, aliás, "argumento que o STF, por exemplo, usa para rasgar e reinventar a constituição, quando modifica ao seu bel prazer, o conceito de família, afirmando estar atendendo às demandas da "contemporaneidade"). Mas sabemos (e isso está fartamente documentado e provado) que tais bandeiras foram e tem sido efetivamente fabricadas, forjadas e impostas por eles próprios, através de mil e um processos de manipulação (inclusive via indução psicológica do comportamento e então , das mentalidades). Ainda que nisso, façam estratégica parceria com os grandes poderes meta-capitalistas, que desde há muito tempo, tem visto nessa aliança, um meio de perpetuar suas fortunas e monopólios. Há alguns estudos que deixam muito claro, como muito daquilo que a mídia quer nos fazer crer como natural consequência da dinâmica social, do devir histórico, brota da vontade onipotente e dos planejamentos desses mesmos iluminados e especialistas poderosos que, a partir de postos muito estratégicos, impõe (pelo processo cultural sutil da osmose que põem em marcha) as modificações que julgam convenientes aos seus interesses. Por exemplo: Maquiavel Pedagogo: http://logosapologetica.com/resenha-obra-maquiavel-pedagogo-ministerioda-reforma-psicologica-pascal-bernardin/#axzz4L6tGQlrD http://www.escolasempartido.org/images/agenero http://www.midiasemmascara.org/artigos/globalismo/13098-poder-global-e-religiao-universal-de-mons-sanahuja.html http://rarosdaweb.org/index.php?route=product/product&product_id=182 Literariamente, o escritor Aldous Huxley (sendo ele próprio, inicialmente, um dos engenheiros dessa fabricação artificial e vertical, das "novas demandas") soube ilustrar muito bem , essa manipulação dos iluminados em cima do restante da sociedade , no livro Admirável Mundo Novo, cuja mensagem o jovem Guilherme Freire, explica com maestria no vídeo abaixo: https://www.youtube.com/watch?v=CKZ61C7UsJI Ainda a respeito, dos movimentos sociais, dos comportamentos e ideias, que parecem vir "espontaneamente" das novas condições culturais e sociais que vão evoluindo por si mesmas, mas que na verdade são fabricados e impostos por uma elite poderosa e pretensiosa, sugiro estas excelentes reflexões abaixo, amparadas em fatos e informações: http://sensoincomum.org/2016/08/22/guten-morgen-george-soros-pensa-voce/ http://sensoincomum.org/2016/09/23/uniforme-unissex-ideologia-genero/ https://www.youtube.com/watch?v=s2_pIEtPbsA
Responder | Responder com citação | Citar
0 # geraldo 23-09-2016 16:09
Eu não consigo entender porque o anti-nazismo é recebido com muito mais compreensão e unanimidade do que o anti-comunismo. Uma quantidade razoável de pessoas ainda fica chocada quando sabe que alguém é anti-comunista, como se estivesse diante de alguém desumano ou muito burro. E isso depois de todo o enorme rastro de milhões de assassinatos, violação em massa dos direitos humanos mais elementares, fome, miséria, opressão, covardia, estupros, perseguição sangrenta a homossexuais, massacre de negros e outras minorias raciais e suas tradições milenares, fanatismo, injustiça, desigualdades escandalosas entre os seus chefes e os povos que diziam terem sido libertados, e crueldade de todo tipo, tudo muito documentado e muitas vezes, testemunhado pelos próprios comunistas ou ex-comunistas. Os mais pobres jamais foram tão atraiçoados como no comunismo e é incrível que ainda existam pessoas que o tomem a sério, como redenção dos pobres. E foram atraiçoados não apenas pela fome e miséria que o regime trouxe, mas também e sobretudo pela agressão profunda à sua alma, aos seus valores e à sua fé. As poucas coisas boas que podem ser quiçá atribuídas ao comunismo, em nada dependeram dele intrínseca e necessariamente, mas são meras coincidências. Várias pessoas que acreditaram, com boa fé, que ele seria um caminho para melhorar a sorte dos mais pobres, sob seu impulso, desenvolveram o melhor de si em termos de sensibilidade frente à injustiça e ao sofrimento dos outros, produzindo boas obras de arte e literatura, marcadas por essa sensibilidade (por exemplo: Vidas Secas, do Graciliano Ramos e Morte e Vida Severina de João Cabral de Melo Neto). Mas a grande maioria dos comunistas (nos países que nunca adotaram o regime) jamais teve propriamente um senso de compaixão frente aos que sofrem e uma postura de bondade pessoal. É muito comum, ouvirmos relatos (inclusive de ex-comunistas) acerca da sua insensibilidade e frieza, quando se tratava da bondade e solidariedade interpessoal diante das necessidades do outro e do senso caritativo. E isso quase sempre ocorria sob o pretexto de que estando em uma sociedade capitalista, era impossível viver nela como comunista, cultivando as virtudes que brotariam naturalmente quando o regime fosse implantado. Por isso víamos e ainda vemos muitos comunistas vivendo como grandes burgueses egoístas e insensíveis às dores de seus irmãos mais pobres, sem ligar a mínima para a tremenda incoerência de sua postura. Ou seja: o pobre concreto não existe como pessoa que apela à minha solidariedade aqui e agora. Ele é visto como categoria social abstrata. Por isso não é também raro, ver comunistas (inclusive o Sr.Lula da Silva) tratando os mais humildes com desdém e arrogância. O conselho de Santa Teresa de Calcutá, "comece a transformar o mundo a partir de você mesmo e amando quem está ao seu lado", certamente provocaria o escárnio deles, como sendo um mero "sentimentalismo burguês". Até mesmo esse eventual bem que o comunismo provocaria indiretamente (por canalizar a indignação e a sensibilidade de alguns contra a injustiça e a miséria) acaba por ser um mal, pois coloca as melhores energias do coração humano bem intencionado, a serviço da manipulação e depois da destruição das esperanças dos mais pobres. Pois sempre são os mais pobres, os primeiros a se darem muito mal e a sofrerem imensamente, quando as ilusões e as Torres de Babel do comunismo começam a ruir. Assim foi em todos os lugares, onde se tentou essa aventura insana e irresponsável de construir o paraíso na terra. E não é só a irresponsabilidade e omissão frente à bondade que solicita meu empenho aqui e agora que se pratica no comunismo (enquanto ainda se luta por sua implantação e sempre se luta, mesmo onde ele já está implantado). Há também tremenda e imoral omissão frente ao mal praticado (de todo o mal) em nome do partido e do projeto. O que ouvimos nos telefonemas grampeados , que flagraram uma conversa entre um certo deputado cearense e o ex-presidente Lula? "Eu acredito no nosso projeto!" Dizia esse deputado. E dizia isso no contexto da fuga de Lula, frente à investigação de seus atos, que a lei ordena para todos. O "projeto" de nova sociedade, justifica absolutamente tudo, assassinato, roubo, mentiras, injustiças e trapaças... "Nada devemos à moral burguesa, pois a prioridade é fazer crescer o partido e viabilizar seu "projeto" de mundo novo, sem opressões. E para isso vale tudo." Este é o mote repetido como uma mantra, à exaustão, até amortecer por completo a consciência, formando personalidades realmente psicopáticas, inescrupulosas, fanáticas e monstruosas, capazes de matar seres humanos, como quem esmaga um caparrato, caso isso seja útil à causa. Já pensou na irresponsabilidade, na imputabilidade e impunidade imensa que se reivindica em nome de um futuro bem que nunca chega??? Isso é realmente dar total carta branca a um outro, só porque ele afirma lutar pelo meu bem estar. E é dar carta branca, depois de inúmeros fracassos desastrosos desse outro, que produziram exatamente o oposto do que foi prometido e fez a opressão retornar a níveis anda piores que antes. Mas posicionar-se contra o comunismo na sua forma clássica e estereotipada que poucos ousam defender e propor (já que é considerada anacrônica e démodé, e em consequência disso todo anti-comunismo atual é tido como ridículo e burro) é mesmo uma coisa fácil e óbvia. O maior perigo, hoje, é o comunismo que adota mil disfarces diferentes e é chamado até mesmo de Democracia e Direitos Humanos. Até de amor ele é chamado. E aqui reitero o que disse ao comentar algo no post sobre a Madre Teresa: para uma análise de conjuntura acerca dos mais recentes caminhos do comunismo no mundo e especialmente na América Latina (e recente, quer dizer, de sessenta anos para cá) considero indispensável a obra do filósofo Olavo de Carvalho. É uma obra a que se recorre, como quem recorre a um invento cientifico. Ou seja: é um troço incontornável, não dá para entender nada do que vem ocorrendo, se a gente não leva a sério todos os dados que o homem trouxe. Se a gente toma o comunismo como mera doutrina a ser refutada, os comunistas ficam rindo da nossa cara, pois isso lhes deixa o caminho totalmente aberto. Esse sim, esse comunismo meramente doutrinário e ideológico, fixado num tempo remoto, é um cavalo morto que não vale à pena ser chutado. Como decisão tomada e programada (por Antônio Gramsci, por Antônio Negri, pelos frankfurtianos e pós-frankfurtianos, por Gorbachev e outros tantos teóricos, líderes e estrategistas socialistas) o comunismo adotou mil disfarces, mudou de nome, de discurso e sobretudo investiu na manipulação cultural e pedagógica, tornada possível mediante uma ampla ocupação de espaços estratégicos e incidentes (escola, mídia, igrejas, universidades, etc.) que vão criando, por osmose, toda uma ambiência cultural, que garanta aquilo que eles chamam de hegemonia. Quem sou eu para ensinar padre nosso ao vigário e ousar propor acréscimos à Doutrina Social da Igreja? Reconheço minha incompetência e limitação. Mas acredito sinceramente, que toda essa camuflagem cultural, do comunismo atual, precisa ser - e com urgência - incorporada ao conjunto da nossa doutrina social. Primeiro, como estudo e investigação e depois como síntese reflexiva, gerando diretrizes e linhas de ação. E já há elementos na doutrina dos últimos papas que antecipam isso de algum modo, ainda espaçado e solto: as recentes condenações à cultura da morte e do descarte, ao neocolonialismo cultural imposto pelas ideologias do gênero, etc. Só que tudo isso precisa ser completado e articulado numa visão de conjunto que nos faça perceber as causas mais profundas. Enfim, os desafios atuais são outros e temos que estar à altura deles. __________________________________ Ag ora, tem duas coisas que me parecem muito importantes: 1) A pessoa pode , em nome de um anti-comunismo, fugir do apelo que Nosso Senhor nos faz para servi-lo na pessoa do irmão que mais precisa e mais sofre: "Tive fome e me destes de comer." A pessoa pode, sob pretexto de anti-comunismo, deixar de se empenhar pela melhoria das condições de sua vida, do seu irmão e da comunidade como um todo. E decididamente, o anti-comunismo, justo e necessário, não pode ser um pretexto para a nossa omissão cidadã e solidária, diante das necessidades que vão aparecendo, diante das injustiças que se cometem, sobretudo com os mais pobres. E nosso empenho não vem da ilusão de podermos construir um paraíso na terra. Não vem de um utopismo. Vem simplesmente da consciência que temos acerca do nosso dever, de sermos honestos, justos, solidários e bondosos, principalmente com quem mais precisa. Se nosso empenho pessoal e comunitário em fazer o bem a todos quantos pudermos alcançar (inclusive através de leis, dando assim alcance politico a esse bem, desde que não sejam leis que aumentem o poder do estado sobre nós, mas estimulem a iniciativa das pessoas e grupos, aumentando a autonomia da sociedade frente ao estado, e isso é um elemento essencial da Doutrina Social da Igreja, quando ela aborda a o princípio da subsidiariedade e a autonomia dos organismos sociais e de cada cidadão) contribuir para o mundo ser um lugar melhor de se viver e conviver , ótimo. Mas a pretensão não é a mudança do mundo e sim fazer o que é certo e justo, e cumprir o mandamento do Senhor. Ele não nos disse: "Transformai o mundo" e sim "Amai-vos uns aos outros" e "Não se esqueçam dos mais pobres", pois é a mim mesmo que estarão servindo na pessoa deles. 2) E para cumprir o mandato de Jesus, na esfera social, econômica e politica, temos o valioso instrumento da Doutrina Social da Igreja que foge completamente do eixo econômico privilegiado pelo capitalismo e pelo comunismo clássico (o atual privilegia o eixo cultural, o domínio da alma do povo) e escolhe o eixo da comunhão, como tão bem explica o Padre Paulo Ricardo, no vídeo abaixo: https://padrepauloricardo.org/episodios/e-o-capitalismo E para ninguém dizer que isso é mera teoria (na verdade, essa perspectiva já trouxe muitos resultados concretos, mas isso é outro capítulo da conversa), eis, neste outro vídeo abaixo, um caminho concreto que já tem sido praticado (o palestrante narra vários casos de êxito): https://www.youtube.com/watch?v=yMbQd12_U2c
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Alex Hoffmann 25-09-2016 01:17
Dando um pitaco na conversa, Geraldo, você disse: "Eu não consigo entender porque o anti-nazismo é recebido com muito mais compreensão e unanimidade do que o anti-comunismo." Faço uma analogia: O fascínio do fruto proibido pelo qual Adão e Eva caíram em pecado. O comunismo=pecado original, ciência do bem e do mal, querer ser como Deus e estar no lugar de Deus, libertar-se de Deus. Sabemos que aconteceu com Adão e Eva, foram expulsos do paraíso. Qual foi o segundo pecado mais importante mencionado depois da queda de Adão e Eva? Caim mata Abel. Eis o comunismo, primeiro ilude dizendo que somos deuses. Quando a coisa já está em um estado avançado de implementação, então entra o assassinato. Já o nazismo não foi à frente porque não dá margem para esta interpretação, ele se fechou sobre si mesmo cunhando uma visão peculiarmente fixada em cima de raça e território, enquanto o comunismo fixou em cima de ter poder (ser como Deus), bens de consumo e dinheiro.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # geraldo 25-09-2016 22:23
É mesmo. O comunismo tem esse apelo da onipotência humana, prescindindo de Deus (ou criando um deus que lhe convenha). Agora vale à pena lembrar que o nazismo é um tipo de socialismo, precisa e nomeadamente Nacional Socialismo. E o fato de o nazismo mostrar a cara tão desabridamente desde o início, para mim, torna o comunismo - que, pois, esconde a cara e coloca máscaras de todo tipo - muito mais insidioso. Pois como vou me defender se nem sei quem está me atacando? A não ser que eu estude muito e pesquise, para ver o se que esconde por trás de tantas máscaras.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # geraldo 24-09-2016 16:48
Nunca tiveram uma postura bondosa e solidária enquanto o comunismo não era implantado. E quando implantado...Bom, Todos já sabemos o que houve.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Mons. Sérgio Costa Couto 23-09-2016 15:58
Bem explicado: não há propriamente a pena de excomunhão, mas permanece o pecado e suas consequências espirituais e canônicas. Creio que se pode dizer que é uma situação análoga a quem participa da maçonaria, cuja busca de um casuísmo canônico levou o então Cardeal Ratzinger, com a aprovação de S. João Paulo II, a emitir esta declaração a poucos dias da entrada em vigor do novo código : CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ DECLARAÇÃO SOBRE A MAÇONARIA Foi perguntado se mudou o parecer da Igreja a respeito da maçonaria pelo facto que no novo Código de Direito Canónico ela não vem expressamente mencionada como no Código anterior. Esta Sagrada CongregaçAo quer responder que tal circunstância é devida a um critério redaccional seguido também quanto às outras associações igualmente não mencionadas, uma vez que estão compreendidas em categorias mais amplas. Permanece portanto imutável o parecer negativo da Igreja a respeito das associações maçónicas, pois os seus princípios foram sempre considerados inconciliáveis com a doutrina da Igreja e por isso permanece proibida a inscrição nelas. Os fiéis que pertencem às associações maçónicas estão em estado de pecado grave e não podem aproximar-se da Sagrada Comunhão. Não compete às autoridades eclesiásticas locais pronunciarem-se sobre a natureza das associações maçónicas com um juízo que implique derrogação de quanto foi acima estabelecido, e isto segundo a mente da Declaração desta Sagrada Congregação, de 17 de Fevereiro de 1981 (cf. AAS 73, 1981, p. 240-241). O Sumo Pontífice João Paulo II, durante a Audiência concedida ao subscrito Cardeal Prefeito, aprovou a presente Declaração, decidida na reunião ordinária desta Sagrada Congregação, e ordenou a sua publicação. Roma, da Sede da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, 26 de Novembro de 1983. Joseph Card. RATZINGER Prefeito + Fr. Jérôme Hamer, O.P. Secretário
Responder | Responder com citação | Citar
0 # O Catequista 23-09-2016 16:24
Oi Monsenhor! Obrigado pelo comentário. É uma honra ter o senhor por aqui. De fato, é o mesmo raciocínio e são as mesmas preocupações: gente que se deixa levar pelo bom mocismo aparente nas propostas apresentadas e não percebe o mal no qual está se inserindo.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # marcos 23-09-2016 15:15
Só eu percebi que a Vivi veio vestida a caráter pra falar do tema?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Emanuel 23-09-2016 14:23
Estrategias comunistas antes : .Pegar uma arma e sair metralhando todo mundo.Em seguida ,estabelecer uma ditadura. .Utopia justifica os meios. Estrategias comunistas hoje : .Doutrinar de maneira covarde as crianças nas escolas. Elas vão crescer comunistas e votar em comunistas.Em seguida , estabelecer uma ditadura disfarçada de democracia. .Utopia continua justificando os meios. Métodos diferentes...mas a ideia é a mesma. A Suécia e a Inglaterra são ótimos exemplos de países em que o plano comunista já chegou na ''fase final''. O estado é Deus nesses estados. A Igreja da Inglaterra é estatal e esquerdista.A mesma coisa com a Igreja da Suécia.E a situaçao na Europa tende a piorar ,tanto pelo esquerdismo tanto pelos terroristas. No Brasil , eu diria que , se o plano tivesse 10 fases , a gente estaria na fase 9. Mas a Igreja Católica sempre foi e sempre sera arqui-inimiga do comunismo , MUITO MAIS QUE OS ESTADOS UNIDOS . ''As portas do Inferno não prevaleceram sobre ela''. Oremos...vamos perder muitas batalhas ,mas venceremos a guerra. Comunismo é uma Utopia ...prometer o que não se pode cumprir.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Erick Ramos 23-09-2016 13:49
Artigo antigo, mas atual: http://www.midiasemmascara.org/artigos/religiao/15479-2014-10-09-02-20-34.html
Responder | Responder com citação | Citar
0 # lucas 23-09-2016 11:44
Olá! Fugindo um pouco do tema (não encontrei post sobre o assunto): qual a melhor versão da bíblia em português? Muitos consideram a Bíblia de Jerusalém a melhor. O que acham?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Padre Orlando Henriques 23-09-2016 20:16
A Bíblia da Difusora Bíblica (também conhecida em Portugal como "Bíblia dos Capuchinhos") também é muito boa, e está disponível "on line" aqui: http://paroquias.org/biblia/index.php
Responder | Responder com citação | Citar
0 # adriano 23-09-2016 15:46
Como foi dito acima, de fato existem boas bíblias comentadas para estudo. Uma excelente, e que está disponível online, é a Bíblia de salamanca. http://juanstraubinger.blogspot.com.br/2015/05/biblia-comentada-por-los-profesores-de.html Quanto a edições para oração e leitura cotidiana, as referidas acima (Jerusalém e Ave Maria) são boas, mas eu acrescentaria ainda a velha tradução do Pe. Matos Soares, segura e plenamente Católica.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # João 23-09-2016 13:15
LUCAS, A Bíblia Ave-Maria é a melhor tradução em português para uso comum. É traduzida da Nova Vulgata, se não me engano. Para quem quer estudar, é necessário uma Bíblia com comentários. A de Jerusalém, a do Peregrino (é a que eu tenho) e de Navarra são ótimas, mas esta última só teve o Novo Testamento traduzido ao Português.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 23-09-2016 12:30
Oi! A Bíblia Ave-Maria é boa, mas a tradução da Bíblia de Jerusalém é bem melhor.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Natália 23-09-2016 11:12
O caso do sacerdote de MG se encaixe na excomunhão automática? http://www.acidigital.com/noticias/bispo-suspende-sacerdote-candidato-a-vereador-pelo-partido-comunista-do-brasil-57312/
Responder | Responder com citação | Citar
0 # O Catequista 23-09-2016 12:32
É temerário dizer isso apenas pelo que se veicula na imprensa, mas tudo indica que sim. A desobediência ao bispo já é um sinal muito forte de apostasia. O bispo poderia ter confirmado a excomunhão no documento em que suspende as ordens. Se não o fez, é porque julga que talvez ainda não seja o caso, ou não quis dar repercussão porque acredita na recuperação do padre. Vamos ver como a coisa anda.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Sidnei 23-09-2016 09:26
Desculpem, repassei o link errado, o correto é este daqui: http://www.freirojao.com.br/2016/09/em-defesa-da-igreja-so-se-beneficiar.html
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Sidnei 23-09-2016 09:26
Vivi, fugindo um pouco do assunto aqui abordado, mas, que já pega um gancho, é verdade que a Arquidiocese aí do Rio de Janeiro está entrando contra a campanha do Marcelo Crivela, tal como está no blog do Feri Clemente Rojão? http://ocatequista.com.br/archives/17604#respond Se for verdade, e se puder, transmite esta mensagem ao senhor Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, desista desta ação, fiquem neutros, eu sei que os candidatos para a prefeitura do Rio de Janeiro são barra pesadas com relação a Igreja, mas, não tomem partido de ninguém, pois no final, será a Igreja que vai sair prejudicada. Lembre da confusão que deu com relação a ameaça de retirar da Igreja o CRISTO REDENTOR, e que depois o senhor Arcebispo teve que voltar atrás, portanto, se for para passar vergonha depois, fiquem neutros nesta disputas de cobras engolindo cobras.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # O Catequista 23-09-2016 12:28
Oi Sidnei. É verdade sim, mas não é uma campanha contra o Crivella. Foi uma declaração de neutralidade. O Cardeal fez uma coletiva na última terça-feira justamente para anunciar que a Igreja recebeu a todos e não está apoiando ninguém em especial. Isso teve que ser feito porque o Crivella, que está correndo atrás dos votos de católicos, distribuiu farto material de campanha com a imagem de Dom Orani. Veja aqui: http://arqrio.org/noticias/detalhes/4864/eleicoes-2016-pelo-exercicio-legitimo-de-cada-consciencia-diante-da-opcao-politica
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Sidnei 23-09-2016 12:36
Obrigado Alexandre, pois esta notícia me deixou muito preocupado, pois partidos políticos ligados a inimigos ferozes da Igreja estão para tomar a direção da prefeitura do Rio de Janeiro, e temo que isto resultará em perseguição a Igreja Católica aí no Rio de Janeiro. Rezemos para que isto não aconteça.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Eric Souza 23-09-2016 04:17
"O comunismo é o ópio do povo porque adormece os pobres prometendo-lhes algo que nunca lhes pode dar, ou seja, um paraíso terrestre. Mudando apenas uma palavra numa sentença de Lenine: 'O Comunismo ensina aqueles que labutam toda a sua vida em pobreza a serem resignados e pacientes neste mundo, e consola-os pelo pensamento de um paraíso terrestre'. Singular espécie de paraíso esse, que é inaugurado pelo morticínio, pelo exílio e pelo confisco; estranha espécie de paraíso esse, que espera estabelecer a fraternidade pregando a luta de classes, e estabelecer a paz praticando a violência. Estranha espécie de paraíso esse que tem de recorrer ao temor e à tirania para impedir que alguém 'escape' dele." Da obra Comunismo: o ópio do povo, do Venerável Arcebispo Fulton Sheen.
Responder | Responder com citação | Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade