Publicidade
Sexta, 23 Março 2018 12:07

Cruzadas: Deus queria e muitos santos também!

Postado por

Como os católicos de hoje avaliam o fenômeno das Cruzadas? Em geral, há dois grupos extremados: o dos que renegam e condenam o seu espírito e os que louvam as Cruzadas fervorosamente, sem enxergar nenhuma mácula nesse passado.

As Cruzadas foram acontecimentos complexos, muito difíceis de julgar com a mentalidade que temos hoje. Se por um lado os fãs do espírito cruzado muitas vezes romantizam demais as Cruzadas, por outro lado, aqueles que as desprezam se distanciam da opinião de alguns dos maiores santos da Igreja.

Olha só o nível da lista de alguns dos santos e beatos apoiadores das Cruzadas:

  • Santa Joana D'Arc ameaçou os hereges hussitas de promover uma Cruzada contra eles;
  • Santa Catarina de Sena vivia clamando pela convocação de uma Cruzada pela libertação de Jerusalém (isso foi citado até mesmo por São João Paulo II, na Carta Apostólica Amantíssima Providentia, de 29/04/1980);
  • o Beato Urbano II convocou a Primeira Cruzada;
  • São Bernardo de Claraval foi um fervoroso pregador da Segunda Cruzada;
  • São Luís IX foi um Rei Cruzado que liderou a Sétima e a Oitava Cruzada;
  • Santa Teresinha de Lisieux vivia dizendo eu adoraria ter combatido os hereges com a espada.

Sim, ela mesma! Aquela santa fofinha, que em suas imagens é sempre retratada carregando flores delicadas, tão delicadas quanto os traços de seu belo rosto. Santa Teresinha dizia:

Sinto em mim a vocação de guerreiro, de sacerdote, de apóstolo, de Doutor, de mártir, em suma, eu sinto a necessidade, o desejo de realizar por Vós, Jesus, todas as obras as mais heróicas. Eu sinto em minha alma a coragem de um cruzado, de um zuavo pontifício: eu quereria morrer num campo de batalha para defender a Igreja...

No dia 4 de agosto de 1897, no leito de morte, ela murmurou para a Superiora:

Oh, não, eu não teria medo de ir à guerra. Por exemplo, na época das Cruzadas, com quanta alegria eu teria partido para combater os hereges.”

- História de uma Alma

Não podemos, entretanto, de fazer essa observação: se Santa Teresinha e os católicos que veneram a ação dos cruzados soubessem o que eles precisaram fazer em meio à guerra, se tivessem noção do que realmente aconteceu nas batalhas e cercos, talvez muitos não mais se identificariam com a imagem de cruzado.

As ações militares nas cruzadas não se limitavam simplesmente de pegar a espada e combater infiéis. Muitas vezes, havia cercos que levavam populações inteiras, inclusive crianças de colo, a morrerem de fome. Esse foi o caso do cerco à cidade de Damieta, no Egito.

Inclusive um dos companheiros de São Francisco de Assis tentou cuidar de algumas dessas crianças, que foram encontradas famélicas junto aos cadáveres de seus pais, quando Damieta finalmente invadida, depois de muitos meses de cerco. Mas morreram quase todas. Não era uma crueldade especial dos cruzados. Quase toda guerra nos tempos antigos tinha cerco.

A gente imagina a guerra como um monte de macho se enfrentando em campo de batalha, com as crianças e mulheres devidamente protegidas atrás dos muros. Mas a guerra em campo aberto é apenas uma parcela do que acontece. No fim das contas, quase todos têm que responder diante de Deus por um monte de mulheres estupradas e por crianças mortas.

A despeito disso, as Cruzadas tiveram grandes momentos de testemunho de santidade, e por meio delas muitos deixaram para trás a vida de pecados, tomaram para si o caminho da penitência e, certamente, encontraram o Céu.

*****

Nosso segundo livro acaba de sair do forno! "As verdades que nunca te contaram sobre a Igreja Católica - A realidade por trás das Cruzadas, da Inquisição e muito mais". Já está à venda em diversas livrarias físicas. Para comprar via internet, clique aqui.

1599 Sexta, 23 Março 2018 19:03

Comentários   

+1 # Sidnei 26-03-2018 11:28
Continuação:

E aí eu pergunto a estes que tanto atacam as cruzadas: gostariam que não tivesse havido cruzada alguma, e a Europa tivesse caído nas mãos dos muçulmanos e hoje estaríamos rezando em direção a Meca e as mulheres usando burca e ai daquele que dissesse algo contra o Alcorão, os islã e a Maomé, como tanto se vê nos dias de hoje, ataques a Bília, a Igreja Católica e a JESUS CRISTO?, ou mesmo com os erros dos cruzados, no entanto eles defenderam a Europa contra qualquer pretensão de invasão e implantação da religião muçulmana da Europa, e hoje eles tem tanta liberdade, que podem até atacar a Igreja e discordar das cruzadas?.

Muitos, reflitam, antes de sair por aí dizendo que as cruzadas foi um erro. Houveram erros e exageros, houve e nenhum católico pode negar isto, mas dizer que todo o conjunto foi errado, aí é demais, e muitos que dizem que foi tudo errado, é porque querem mesmo é atacara a Igreja Católica.
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Sidnei 26-03-2018 11:23
O assunto Cruzada é complexo mesmo, não dá para santificar todo mundo como não dá para condenar todo mundo. Houve santos e pecadores, como em toda faze da história, pena que todo mundo resolve apenas atacar a Igreja Católica por isto, como se as cruzadas tivessem sido uma campanha de ataque e não de defesa, pois foi justamente isto que forma as cruzadas, campanhas defensivas contra os ataques dos muçulmanos que não só queriam ter Jerusalém e a Terra Santa nas mãos, como invadir a Europa e torna-la muçulmana.

Continua
Responder | Responder com citação | Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade