Publicidade
Quinta, 09 Abril 2015 01:04

Cinderela X Merida – A força feminina que reside na humildade, não na rebeldia

Postado por

Reparem no modelo de mulher que vem dominando os comerciais de TV: insolente, impaciente, grossa, sempre quer ficar por cima da carne seca e, acima de tudo, não perde a oportunidade de ridicularizar e o seu marido/namorado como um completo idiota. Acham que tô exagerando? Então deem uma olhada nesses dois breves vídeos abaixo.

O fato desse tipo de propaganda não causar asco e rejeição da maioria da sociedade sinaliza que achamos esse comportamento feminino, no mínimo, aceitável. E assim, às vezes sem perceber, as meninas e mulheres cristãs absorvem e imitam esse modelo promovido pela mídia. E deixam de cultivar a delicadeza, a humildade e a capacidade de silenciar e de se resignar, como se essas fossem coisas de mulher derrotada e fraca, que não luta pela sua felicidade.

Não creio que seja obrigatório ser doce e gentil o tempo todo - rodar a baiana de vez em quando pode ser necessário. Porém, é desolador ver uma geração de jovens incapazes de cultivar a virtude da mansidão, da qual Jesus e Nossa Senhora nos deram tão grande exemplo.

A mansidão é vista como fraqueza pelas mulheres de hoje. Paradoxalmente, foi com mansidão que a Virgem Maria convenceu Seu Filho salvar as Bodas de Caná de um ruidoso fracasso, pela falta de vinho. Sua força estava na doçura.

“Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a terra!” (Mateus 5,5)

No cenário atual, "Cinderela", o novo filme da Disney, é tão fantástico que chega ao ponto de chocar – e muito positivamente. Antes de falecer, a mãe de Cinderela adverte a filha de que, na vida, ela deverá passar por provações. Então, é muito superficial dizer que os contos de fadas prometem uma vida para sempre feliz e perfeita: na verdade, a cruz está sempre lá.

A mãe reforça que a força da menina está em sua BONDADE. Na bondade reside grande PODER. E assim, a ela deveria sempre manter a CORAGEM e a GENTILEZA. Cinderela foi sempre obediente a esses conselhos maternos, mesmo diante das injustiças de sua madrasta e de suas “irmãs”.

Os menos atentos dirão que Cinderela é submissa demais. Na verdade, ela é humilde na medida certa, e está bem longe de ser burra ou manipulável. Na hora crucial, Cinderela soube dizer “não” aos abusos da madrasta. Também teve ousadia para contestar o modo de agir e pensar do príncipe, e o levou a ter uma nova visão sobre a vida.

cinderela

Por falar no príncipe, este se opõe a seu pai, que deseja para ele um vantajoso casamento arranjado. Porém, o príncipe em momento algum falta ao respeito por seu pai. Bem diferente disso, pondera que seu pai sempre deseja o melhor para ele. É interessante comparar o modo como o príncipe de Cinderela enfrenta esse dilema com a reação da princesa de outro filme da Disney – Merida:

– Você é um monstro, isso é o que você é! Nunca serei como você. Eu prefiro morrer a ser como você! – diz Merida à mãe, recusando-se a casar com um dos pretendentes dos diversos clãs aliados.

“Valente” é o nome do filme da princesa Merida. De fato, ela atira flechas muito bem, é uma ágil e intrépida alpinista... e só. Porém, que valentia há em dar piti diante das contrariedades, ignorar completamente o seu papel na sociedade (como se não fizesse parte de um “todo”) e, de quebra, ainda se meter com bruxaria e fazer uma macumba para a própria mãe?

Valente ou menina tola? Merida é incapaz de deter seus instintos, não refreia a língua, coloca sua vontade acima de tudo e de todos, é irresponsável, imprudente e arrogante. Pra piorar, seguindo a mesma ideia dos comerciais que mostramos, o filme "Valente" mostra os homens como um bando de retardados. O trecho abaixo resume esse espírito:

Sim, Merida aprendeu algumas lições. Aprendeu a valorizar a tradição de sua família e se arrependeu de ter feito mandinga pra sua pobre mãe. Mas seus graves erros saíram muito, muito barato. O filme passa a mensagem que vale a pena sair chutando o balde quando o mundo é injusto, e as pessoas não te compreendem. Se as coisas não estão legais pra você, rebele-se, pise em todo o mundo. No fim, tudo dá certo! Eis a lição de “Valente”.

Já Cinderela mostra uma moça verdadeiramente “valente”, que não se destrambelha diante dos sofrimentos injustos, sabe calar, sabe perdoar, é capaz de se sacrificar. É claro que existem meninas e mulheres de todos os jeitos e temperamentos, e isso é muito bom. Não se trata se seguir uma determinada etiqueta, e sim refletir sobre a força feminina que brota da doçura. Cinderela é certamente uma personagem inspiradora, nesse sentido.

 *****

Ficamos devendo um post sobre o filme em si. Vale muito a pena... em tempos de tanto destrambelhamento, chega a ser emocionante ver um filme que conserva os valores tradicionais.

701 Terça, 27 Dezembro 2016 19:48

Comentários   

0 # Lucas 29-10-2016 16:13
"De fato, ela atira flechas muito bem, é uma ágil e intrépida alpinista… e só" Muito boa essa observação, as pessoas dão muito valor aos talentos que tanto homens como mulheres possuem para determinados esportes, mas se esquecem que o verdadeiro valor se encontra nas virtudes. Um jogador de futebol, por mais habilidoso que ele seja, só será uma casca vazia caso ele não tenha humildade, generosidade e gentiliza para com o próximo. Diferente de um outro, que talvez seja um desastre jogando bola, mas possui as virtudes e possuindo-as, certamente a habilidade para o esporte não fará falta para ele(isso vale para as mulheres também, obviamente). Gostei muito do "...e só" kkkk! PS: Quando o filme Valente estava para ser lançado, eu via cartazes, anúncios, comerciais, por todos os cantos. Mas o novo filme da Cinderela só sei que saiu porque eu li este post. Pode não ter nada a ver, mas acho que a mídia não ficou muito afim de anunciar o filme da Cinderela e se foi isso mesmo, o motivo é óbvio.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Iara Borges 28-04-2016 22:33
"Os contos de fadas são mais que verdade; não porque nos dizem que dragões existem, mas porque eles nos dizem que dragões podem ser derrotados". G. K. Chesterton no livro A Ética do País das Fadas
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Magna 27-04-2016 13:31
Pessoal d'O catequista. Já viram essa palestra? https://www.youtube.com/watch?v=_eATOggLKMs Simbolismo dos Contos de Fadas da profa. Lúcia Helena Galvão. Depois que eu assisti, percebi o quanto os contos de fadas tem ensinamentos não somente edificantes, mas que abrange nosso conhecimento sobre a condição humana.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Daniel 14-04-2015 12:53
Cara, amei demais esse filme. Vi com minha namorada. A Disney podia simplesmente botar em filme os desenhos de princesas, sem fazer "versões moderninhas" (que nem aquela tosqueira de Malévola...). Eu ia achar bem legal ver "Branca de Neve", "Bela e a Fera" e "Bela Adormecida" (que tem o príncipe macho, que mata um dragão pra resgatar a amada, mas que no filme da Malévola virou um grande lerdão...).
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Hilde Silva 13-04-2015 15:25
Oi Catequista! Eu acompanho o blog há um bom tempo e amo! Que Deus abençoe e ilumine sempre o apostolado de vocês! Amei esse post, mas vim aqui fazer o comentário, pedindo um favor. Vc pode me enviar um email em que eu possa entrar em contato com vcs? Porque eu achei aqui em casa uma revista Super Interessante de 2007 que tem por matéria capa "a história secreta da Igreja"... é muito "interessante" (acusando a Igreja como sempre) e ficaria muuuito grata e acho que daria umj post muito bom se vcs pudessem ler e mostrar o lado Católico dessa história que eles contam... eu terei prazer em passar essa matéria pra vocês. Obrigada. Novamente que Deus abençoe. Graça e Paz!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Adriano 12-04-2015 20:32
vocês mudaram a minha visão sobre o filme Cinderela,ela é mulher na medida certa,se rebeldia resolvesse alguma coisa,só vai gerando mais violência,se tívessimos a o mansidão de Cristo e a Doçura de Maria o Mundo não estaria do jeito que está,além do mais esses dois comerciais estão denegrindo a imagem dos homens,nos comparando a cachorros e dizendo que somos retardados,não dá pra misturar as coisas,e um feminismo escondido.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Fran 10-04-2015 23:56
Sei que não tem nada a ver com o assunto do post... Mas vocês viram que Pequim é favorita para sediar os jogos de 2022? Porém, vejam só essa mulher: teve a casa destruída sem dó nem piedade pelo governo comunista chinês, por causa das obras das Olimpíadas. http://www.washingtonpost.com/world/asia_pacific/beijings-olympic-bid-tests-whether-ioc-is-serious-about-reform/2015/04/09/5e21930e-dc85-11e4-b6d7-b9bc8acf16f7_story.html E vocês precisam ver este documento abaixo! São dois chineses, ativistas pelos direitos humanos, que escreveram uma carta sobre a China que sediou os Jogos Olímpicos de 2008. http://www.hrw.org/legacy/pub/2008/asia/teng_biao080220.pdf Traduzi uma parte, olhem que horror: "A liberdade religiosa ainda está sob repressão. Em 2005, um pastor em Pequim foi condenado a TRÊS ANOS [de prisão] pela IMPRESSÃO DE BÍBLIAS. Zhou Heng, um pastor de igreja em Xinjiang, foi acusado de executar uma "operação ilegal" por receber dezenas de caixas de Bíblias. De abril a junho de 2007, a China expulsou mais de 100 MISSIONÁRIOS norte-americanos, sul-coreanos, canadenses, australianos, entre outros. Entre eles estavam TRABALHADORES HUMANITÁRIOS e PROFESSORES de idiomas que haviam lecionado Inglês na China por 15 anos." Sei que alguns atos descritos no trecho acima são contra pastores protestantes, mas isso não invalida a hostilidade do comunismo à Igreja Católica, pois o cristianismo, para eles, deve ser completamente erradicado do mundo. Achei interessante deixar aqui esta carta (quem souber inglês leia, vale a pena!). Muita gente ainda acha que o horror do comunismo está em historinhas bobas de livrinhos escritos por direitistas. Nada mais falso!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Vini 10-04-2015 23:22
Pois é Vivi, o Fabão deu uma bela explicação, mas vou perguntar mesmo assim: Será que a Ellinor estava certa o tempo todo? Ela errou em reconsiderar a situação da filha e deixar ela livre para se casar com quem quiser?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Fabão 13-04-2015 11:18
Vini, Ellinor tem seus defeitos, mas nãovejo como uma questão de deixar Merida "livre para se casar com quem quiser", mas de ouvi-la e buscar entendê-la. Isso além de tentar mostrá-la que ela é parte de um todo e não simplesmente "você vai fazer isso porque tem que ser assim".
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Fabão 10-04-2015 19:44
Vivi, me permita "desconcordar" de você no quesito "princesa sem-noção da Disney". Merida é, sem dúvida, o estereótipo da adolescente revoltadinha, rebelde sem causa, mas acho que ela não está sozinha nisso. Ela não escuta a mãe, Ellinor, que não a escuta, e as portas do diálogo permanecem fechadas. O adulto da situação, Ellinor, deveria tomar as rédeas da relação e reabrir as portas, em vez de esperar que uma adolescente simplesmente faça o que é dito. Claro que isso explica a reação da Merida, mas não a justifica. Continua sendo uma reação desmedida e exagerada, pondo em risco toda a família e o reino. Mas vejo que Merida aprende a lição. Ela chega a correr risco de vida para não sair do lado da mãe, assume sua culpa e busca reparar seus erros. Vejo que o sofrimento pelo qual ela passou (principalmente psicológico e espiritual) é a expiação de seus pecados. A cena em que ela põe a tapecaria em cima da mãe e chora suas dores achando que a mãe não voltaria ao normal mostra bem esse arrependimento e até a vergonha da culpa. Claro que permanece a babaquice feminazi do casamento arranjado e dos homens idiotas, como você bem mostrou, mas a atitude e a trajetória dela me parecem até aceitáveis, no fim das contas. Como crítica devida ao feminismo, o caso da Merida é perfeito, e entendo que esse foi o objetivo do post, mas no quesito "princesa sem-noção", um caso mais emblemático seria da Ariel, a pequena sereia, que desrespeita o próprio pai (e rei) completamente, é inútil, mimadinha, vive em nome de uma ilusão e não aceita não ter os seus caprichos satisfeitos. Como se não bastasse, ela busca a feiticeira e com isso põe o reino a perder! A cereja do bolo é que no final ela resolve tudo num baita golpe de sorte. Essa sim deveria se dar muito mal, essa sim pinta e borda e nada acontece.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Leandro 10-04-2015 14:08
Muito bom o texto. Mas ainda sim custa-me não gostar da rebeldia. A maioria das coisas que eu aprendi foi me posicionando contra aquilo que achei errado. Pe. Paulo Ricardo nos ensina que na Vontade há duas variantes: amor e ódio. É o amor que nos faz querer o bem, mas é o ódio também aquela outra forma estranha de amar, como canta Pe. Fabio de Melo. O ódio por vezes se manifesta numa atitude de negação a uma realidade que não nos agrada. Essa negação também tem o principio de querer o bem. Por isso eu acho que, tanto o amor, como o ódio (a rebeldia), em vindas de uma intenção nobre, são bem-vindos. Mas no geral os princípios que você mencionou foram positivos e creio que ajudará muita gente.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Thaís 10-04-2015 13:23
CATEQUISTA, por gentileza você pode escrever uma matéria sobre o que ocorreu no Vaticano durante a Solene Missa do Lava Pés? Papa Francisco lava o pé de transexual https://www.youtube.com/watch?t=63&v=2_igxE9f8Oo "Na cerimônia de Lava-pés, na Missa In Coena Domini, Francisco lava os pés de um transexual que logo depois recebe a Santa Comunhão. É claro que não sabemos, com certeza, da ciência do Papa sobre tudo. Todavia, na ordem das coisas, tratando-se de uma cerimônia que é preparada com antecedência, e é impossível falar de desconhecimento dos Cerimoniários, da Casa Pontifícia e mesmo do próprio Papa, visto que tratando-se de Bergoglio, é também impossível deixa-lo à margem das coisas… Esperemos os esclarecimentos…Mas caso não venham, contentemo-nos com o ”Quem sou eu para julgar?!”…. Rezemos pela Igreja."
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Alex Hoffmann 09-04-2015 23:54
Olha, todo o papinho de mulher ser superior a homem, homem ser superior a mulher é conversa pra boi dormir. Por quê? Porque cada um na sua. Mulher pode ser mecânica? Pode. Homem pode ser cozinheiro? Pode. A questão não está no que um ou o outro faz, está na constituição da alma, na constituição física e no modo de ser de cada um. Mulheres são mais delicadas, mais intuitivas, mais emotivas, homens mais brutos, racionais, menos emotivos. Dois exemplos, porque mulher odeia ir pescar junto com o marido? Porque o cara não fala nada, vira um túmulo, perde a boca, fica surdo e mudo, a única coisa que o cara diz numa situação destas é: uhm, ãhã, e mais nada, e a esposa coitada fica doida, chega a pensar, perdi meu marido pro peixe. Mas em contrapartida, o marido fica fulo, tanto que chega a responder: amorzinho dá pra ficar uma horinha só sem falar? Vai espantar os peixes. Dois amigos podem muito bem ficar sentados um perto do outro por horas sem trocar uma única palavra, darem um até logo e irem em bora pensando com seus botões: Este cara é gente boa pra caramba, poxa vida ele é meu amigo mesmo, que cara legal. Se isto ocorrer entre duas amigas, sinal vermelho, pois brigaram e brigaram feio, e vão sair dali uma pensando mal da outra. Mas alguém pode tentar dizer, isto é a sociedade que reproduz, digo, conversa, é característico de cada sexo, é característica que se reproduz por si só. Meninos naturalmente gostam e procuram chave, martelo, faca, facão, espingarda, revolver, bola, carrinho e meninas naturalmente procuram boneca, brincadeiras com comidinha, brincadeiras de casinha. Se você der uma boneca na mão de um menino ela volta sem cabelo, braço faltando e perna arrancada, se der a uma menina ela volta arrumada. Se você der uma faca de brinquedo na mão de uma menina ela vai inventar brincadeiras onde envolvam comida, ou tarefas domésticas, experimenta fazer isto com um menino, primeira coisa é tentar cortar algum objeto, quando não sai gritando que vai matar os bichos imaginários.
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Alex Hoffmann 10-04-2015 00:26
Um exemplo, tenho uma tia que é osso duro de roer. Quando casou, seu marido e sogro adoravam ir ao boteco jogar cartas, tanto o é que meu tio tem o apelido de dama, o seu Isvaldo damas (por causa do jogo de baralho). E os dois, pai e filho, costumavam fazer isto não importava a hora do dia. Uns meses de casamento e minha tia ficou fula da vida com este costume. Pegou um chicote rabo de tatu, foi até o boteco, tocou de lá marido e sogro, deu uma enxada cada um, mandou para a roça capinar e disse que só voltassem a noite. Detalhe, eram apenas nove horas da manhã. Marido e sogro só apareceram depois que o sol se foi. Isto foi tão singelo da parte da minha tia que atualmente ela está usando o tal do chicote para fazer o marido parar de trabalhar. Mas, meu tio não deixou de ser homem por causa disto, e minha tia não deixou de ser dona de casa por causa disto. Apenas que, numa situação indesejada, ela agiu com a sutileza e leveza de um elefante. E não pensem que meu tio por isto frouxou as calças, reconheceu que isto era um erro, e seguiu a vida. Tanto o é que, quando a tia passa dos limites ele manda ela fechar o bico: fica quieta mulher, não te mete onde não foi chamada. E, ela resmunga, dá umas voltas ao redor de si mesma e acaba ficando na dela, mas sem deixar barato, sempre dá uma patada, e novamente meu tio manda ela fazer um pão.
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Padre Orlando Henriques 11-04-2015 19:43
Uau! Ir de chicote ao tasco buscar os homens e pô-los trabalhar? Isso é que é uma mulher das rijas! E, no entanto, sem deixar de ser mulher: sem se masculinizar e sem que os homens se "desmasculinizem". Bem haja por este exemplo tão ilustrativo.
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Alex Hoffmann 11-04-2015 21:14
Sua Bênção Padre Orlando Henriques, sua Bênção. O detalhe que esqueci, tiveram 8 filhos, 2 já faleceram. A minha avó, mãe desta tia, sempre visitava a casa dos filhos que moravam ali pela redondeza, e se ela chegasse na casa de algum filho e este estivesse descontente, a mãe lembrava os filhos do compromisso de pai, de mãe e de marido e mulher. Tanto é que, uma vez eu vi minha avó dando umas vassouradas na minha mãe que já tinha seus 40 anos de idade, e a avó dizendo ainda: tu não aprendeu ainda minha filha? Sua meninona gorduchinha, eu vi que tava na hora de te dar umas palmadas na bunda. Tua mãe não vai ficar viva até você morrer, aprende de uma vez.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Camila Oliveira Morais 09-04-2015 22:15
Excelente conteúdo. Assisti Cinderela ontem e fiquei encantada - como é lindo lutar para ser doce e gentil, e aguentar com garra as provações. Não é fácil, por isso a recompensa para tais pessoas é garantida!! Tento sempre ser assim, embora cometa alguns - constantes - deslizes. Acredito que a humildade verdadeira e intensa é o passo mais difícil, mas mais importante para se adquirir todos os outros belos traços citados no texto. Acredito que uma boa maneira de entender ainda melhor esse post é trazer essa mesma ideia de mansidão e doçura aos homens. É claro, é essencialmente para as mulheres, já que estamos testemunhando muitas coisas contra a personalidade natural de grande parte das mulheres, que é dócil, mas ser manso de coração, gentil e aceitar o sofrimento é algo comum a TODOS OS CRISTÃOS, não importa se é homem, mulher, idoso, jovem, criança. Digo isso porque esse conteúdo pode facilmente ser interpretado mal, como vi que já aconteceu na página do facebook de O Catequista. E foi muito bem colocado aqui que essas características tão belas são de Maria e também JESUS (Da Cinderela e também do Príncipe). Talvez por ser mais comum encontrar uma mulher dócil e singela ao invés de um homem, essas características no homem são ainda mais admiráveis.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Bruna Lima 09-04-2015 21:21
Um ótimo argumento pra assistir esse filme da Cinderela. Já faz um bom tempo que os contos de fada não me atraem tanto (hehe), mas vai ser bom ver uma protagonista quebrando "padrões", numa época de valores tão invertidos e distorcidos, em que a gente é cada vez mais pressionada a adotar o estilo "mulher macho" perante a sociedade... ser feminina, romântica, maternal e tranquila virou sinal de fraqueza...
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Marta 09-04-2015 18:57
Esses dois comerciais de exemplo são nojentos.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Jamilly 09-04-2015 17:59
Parabéns pelas reflexões... São temas muito bons que analisam coisas que acontecem na atualidade, com certeza vou usar isso nos trabalhos na comunidade em que participo... PArabéns, mais uma vez!!!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Homem macho 09-04-2015 17:50
O preço da mulher rebelde: Dilma Roussef Ps: acho tão bonito quando a mulher cuida da casa, do marido e dos filhos.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Mariana 10-04-2015 20:36
Concordo plenamente com todo o seu comentário
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Larissa R.G. 09-04-2015 16:17
Fantástico. A terceira onda do feminismo proclama que luta pelas mulheres, mas no fim, veem em traços femininos e delicados, uma inferioridade. Homens e mulheres devem ter equidade, pois as nossas diferenças nos valorizam. Uma coisa que sempre me irritou é quando dizem que temos de ter personalidade, nos impor, que quem não tem personalidade forte é insosso. Sempre fui tímida, quieta e mais delicadinha, nem por isso não tenho personalidade, ou não sei defender a mim e às minhas crenças quando necessário. por que não se valoriza os vários tipos de temperamento? De forma saudável, é claro, nada de incentivar a síndrome de Gabriela(eu nasci assim, vou ser sempre assim...). Tem um vídeo interessante no youtube de um Frei, explicando como o filme Cinderella tem conteúdo cristão, é em inglês, mas se alguém tiver interesse, o link: https://www.youtube.com/watch?v=qwCl_xcF4nA A Catequista, não sei se o assunto terá algo a ver com o post, mas, a senhora conhece uma classificação de temperamentos pautada na Bíblia: colérico, melancólico, sanguíneo e fleumático? a Igreja tem alguma coisa a dizer sobre ela, se é válida ou não? E mais uma vez, parabéns!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Bruna 09-04-2015 15:14
Sou relativamente jovem; tenho 28 anos. E sinceramente, ultimamente tenho me martirizado pela minha bondade e docilidade, que fazem com que me vejam como fraca. Mas lendo esse post, percebo que não deixo de conseguir tudo o que quero, entre outras razões, por ser exatamente como sou. Não grito, não ofendo, não desrespeito; mas sei também me impor; confio em Deus e sei que as coisas acabam dando certo. Vocês d'O Catequista são inspirados. Obrigada por esse post. :D
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Stephanie 09-04-2015 14:32
Parabéns pelo post. Parecia que uma amiga estava falando diretamente comigo. Deu até vontade de desabafar com catequista. Obrigada.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Naty 09-04-2015 13:44
Agora entendo o motivo de eu quase ter chorado assistindo Cinderela!
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Adriana 09-04-2015 13:42
Ontem num blog li um relato bacana de uma mãe de um garotinho de 4 anos, e a história vem bem a calhar com o tema deste post. Essa mãe ensina seu filhinho a ser gentil, a fazer elogios, a ser educado. E o probrezinho ao elogiar uma garotinha que ela achava linda recebeu de volta apenas uma "patata". O apelo da mãe do garoto é para que os pais de meninas "as ensinem a serem educadas e a receberem elogios quando eles vierem com delicadeza, com amor, ainda que não tenham nenhuma chance de se comprometerem, se casarem…ainda que os elogios, sejam apenas elogios, inocentes elogios. Sejam apenas louvores de o quão bonita se é. O que há de ruim nisso?!" Uma das pessoas que comentou o texto (Juliana), contou um outro relato com final feliz, rsrsr. http://www.acasaqueaminhavoqueria.com/sobre-o-amor-e-como-lidar/ Vale a pena ler. Abraços.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # LYli 09-04-2015 13:39
Amei o post. Nos abre os olhos para coisa que não prestamos tanta atenção.Adoro os filmes da Cinderela e esse novo eu não perco. Obrigado por nos orientar ,principalmente por ser mãe temos que fica atenta.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # jbsarian 09-04-2015 13:32
A arma mais forte da mulher é a docilidade e a humildade. Quando ela quer ela sabe induzir seu parceiro a fazer o que é de seu agrado e ainda elogiá-lo por ter tido essa brilhante ideia (que na realidade foi sua). Na queda de braço a mulher só tem a perder.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Potato 09-04-2015 13:05
Desculpe, mas acho que você exagerou um pouco sobre a Merida, além de que acho que se revoltar é necessário, uma mulher não consegue passar toda a vida dela se submetendo e sendo mansa, aceitando tudo sempre. Sobre os comerciais, também deveríamos dizer que existem comerciais voltados pra o público masculino que fazem muito pior do que isso, fazemos isso com os nossos namorados ou maridos e eles sabem que não estamos os ridicularizando, é fofo, eles sabem que nós estamos brincando. Boa sorte, moça, só li e quis dar a minha opinião, abraço ^^
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 09-04-2015 13:10
Parece que você não leu o post com atenção. Eu não disse em nenhum momento que uma mulher deve "passar toda a vida dela se submetendo e sendo mansa, aceitando tudo sempre". Na verdade, até citei a necessidade eventual de rodar a baiana e destaquei que Cinderela soube mostrar sua oposição no momento crucial (o ponto é que ela não desperdiça bala dando piti a torto e a direito, em vista de qualquer contrariedade). Afinal, Jesus, nosso modelo de mansidão, pegou no chicote uma vez, não é mesmo? Você "brinca" com seu marido/namorado assim? Ele acha fofo? Ok. Boa sorte!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Amanda 09-04-2015 13:04
Ameeei o post! Também podia falar de Frozen, a aventura congelante! Fiquem com Deus!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Kalita Rossy 09-04-2015 12:22
Sempre por aqui acompanhando o blog, mas nunca tenho tempo para comentar. Parabéns pelo texto! Me fez lembrar de outros dois filmes Frozen e Malévola.Eles me surpreenderam por mostrar o outro amor. O amor entre duas irmãs e o amor de uma "mãe". Achei magnífica a história porque hoje em dia os filmes só retratam o amor entre um homem e uma mulher. Precisamos que explorem mais o amor existente nos demais laços.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Mara Gleicer 09-04-2015 11:38
Acompanho sempre as postagens do blog, mas raramente tenho tempo para comentar. Parabenizo a equipe pelos post's, e esse de hoje foi maravilhoso! Percebe-se que a sociedade tem se colocado cada vez mais contra a família, e a forma como as mulheres agem, mesmo sem elas perceberem, às colocam em contra... O fato de ridicularizar o homem, provoca um sentimento de "não preciso de você", abandonando a figura paterna da família. Os homens por sua vez, sentindo-se ignorados, procuram "compensar" a falta de carinho com outras atividades... Ambos despreocupando-se com o amor... Isso aí nada mais é do que sementinha do mal, regada e cultivada pela mídia, para destruir a família. Abraços!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Flávia Cabral 09-04-2015 11:24
Excelente reflexão. Conversei com uma amiga que viu Cinderela e disse que a personagem era "muito bobinha". Depois do post me dou conta que as mulheres estão perdendo a mansidão e achando que essa virtude é algo negativo.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Heloisa Araujo 09-04-2015 11:19
Sempre posts que me fazem abrir os olhos! Não tenho acompanhado os novos filmes de animação da Disney, mas confesso que não teria percebido tão claramente sem o "toque" de vcs.. Vou ficar atenta até para avisar às amigas e tias que incentivam suas filhas e filhos a assistirem esses filmes, e fazerem festinha de aniversário, comprar fantasia, por pura ignorância (no sentido real da palavra) e por não se atentar a esses "detalhes" tão importantes! Estou doida para ver Cinderela, aliás, os clássicos da Disney da minha época eram bem mais legais, mesmo! Outro dia vi no pinterest uma imagem (tosca) da Branca de Neve chorando pq seu príncipe a trocou por outro homem... e apareciam se beijando.. Uma pena que estão se infiltrando no "mundo das nossas crianças" dessa forma... Obrigada pelo "abrir de olhos" Vcs são demais! bjs
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Janes 09-04-2015 11:19
Bacana demais essa reflexão senhores catequistas!! Essa mansidão, longe de significar sofrida e humilhante submissão, é uma dimensão essencial da sabedoria. E a atitude oposta, birrenta e infantil, denunciada no post, é um declínio da inteligência, é pura imaturidade. Esse é um dos frutos do feminismo ideológico, que como toda ideologia, emburrece, debilita eticamente, cria feiura e cultua o feio (veja a Marcha das Vadias na JMJ) além de trazer esquizofrenia e neurose. A Revelação Bíblica e a História da Igreja está cheia do testemunho de mulheres inteiras: corajosas e ternas, destemidas e meigas, cuja mansidão e auto-domínio conduziram situações extremas a bom termo (ensinando muito aos homens): a juíza Deborah, a estrategista "militar" Judith, Esther, a rainha "diplomata" de brilhantíssima mente. Na casa da empresária Lídia de Filipos, praticamente nasce a Igreja Européia. Santa Macrina é sem dúvida a força aglutinadora entre os padres/madre capadócios. Seu irmão São Gregório, lembra em Vida de Macrina, como ela contribuiu para refrear os ímpetos de glória meramente acadêmica e mundana do grupo capadócio (influentíssimo e decisivo na igreja do tempo patrístico) trazendo-o sempre para o que ela chamava de "a marca da filosofia", ou seja: A cruz do Senhor. Escolástica e Bento! Quem não se lembra da deliciosa história da tempestade pedida (a Deus) por Escolástica para que seu irmão passasse mais tempo com ela, suavizando a rigorosa regra do encontro anual único entre ambos? Catarina de Sena, a leiga franzina, analfabeta e doente cheia da pahrresia do Espírito, capaz de fazer estremecer cardeais e até o papa, com sua franqueza direta, que entretanto era temperada com a sabedoria da mansidão (o que aumenta a vergonha de quem tem a orelha puxada, não?). Sem falar na grande Teresa e na sapientíssima Hildegard Von Bingen (uma cientista, musicista, filósofa em pleno coração da idade média, que influenciou teólogos e cardeais). E a santa do gato? A cativante Juliana de Norwich, primeira escritora de língua inglesa em plena idade média! Decisivamente, a cultura judaico cristã é também matriarcal! Correntes imensas e duradouras de pensamento (místico, teológico, filosófico, literário) se originam em mulheres. Como compreender a literatura espanhola e hispano-americana sem recorrer também à SantaTeresa Dávila que praticamente cria, nessa língua, o gênero autobiográfico??? Como entender o cristianismo indiano recente, sem topar com Teresa de Calcutá??? Poder e influência muito mais decisivos que qualquer cardinalato/papado é a criação de discipulado que perpassa gerações história afora. Pensem na espiritualidade de Teresinha de Lisieux e Elizabeth da Trindade? Quantos marmanjos são filhos espirituais dessas jovenzinhas, desde o Cardeal Newman até o Papa Francisco? E as grandes rainhas, nobres e estadistas cristãs (Santa Isabel, Santa Edwiges, Gertrudes, a nossa Princesa Isabel, tão querida entre os negros antes da marxização da "consciência negra", e tantas outras) que agregaram aos estados nacionais um senso de humanidade e amor aos mais pobres e injustiçados, até então inéditos na história. E Santa Edith Stein, a filósofa alemã do século XX? Como ela levou o pensamento fenomenológico a profundidades nunca suspeitadas por seu criador (Edmund Husserl)! E a grande Raissa Maritain, outra filosofa católica de primeira grandeza! Tudo isso o feminismo ideológico e marxista busca esconder e traz à tona, apenas o que desfigura e descaracteriza o gênio feminino. Foi o cristianismo, mormente o catolicismo, que propiciou esse máximo aproveitamento do gênio feminino na história. Com a emergência da revolta contra o dom de Cristo ao mundo (renascença-modernismo-iluminismo-socialismo e cia) é que a mulher passou a ser mais rebaixada, humilhada e atacada no que tem de mais precioso, inclusive por aqueles/aquelas que se vangloriavam de defende-la, sobretudo o feminismo ideológico e sua teimosa esquizofrenia que trouxe tanta angústia, vazio e desespero a tantas mulheres. Agora, uma pseudo "teologia" feminista (muito apoiada pelo Sr. Leonardo Bode) quer varrer toda essa riqueza histórica, para vender a mentira fajuta de uma cultura (judaico-cristã) apenas patriarcal e quer recuperar as supostas raízes matriarcais da cultura e da historia humana. E sabe como fazem isso? Resgatando o culto da serpente do paraíso, uma deusa da cultura pré-bíblica, cananeia!Deusa serpente (da fertilidade) essa, que teria sido marginalizada/massacrada no relato "machista" do Gênesis que a classifica - injustamente- como diabólica. Eu nunca vi maior tiro no pé intelectual como esse em toda a minha curta vida. Pois ao resgatar essas deusas da fertilidade (e suas sacerdotisas , cruciais nos ritos de prostituição sagrada), as ditas "teólogas" feministas acabam reforçando o que mais abominam: A FIGURA DA MULHER MERAMENTE REPRODUTORA! MERA FUNÇÃO IMPESSOAL NO MECANISMO SOCIAL, PARA SUA MERA MANUTENÇÃO!!!! Ao passo que a novidade de Israel, da Bíblia e mais ainda da história da fé cristã, valoriza a mulher como PERSONALIDADE, como gênio pessoal, cheio de qualidades intelectuais, espirituais, sociais,e até politicas!! Basta ver um a um dos exemplos acima, da juíza Deborah lá no comecinho da história israelita, até a grande mente de Edith Stein, para ver que é o gênio pessoal (e não apenas a função materna-procriadora, também importante) da mulher que a revelação divina valorizou. E isso é muito óbvio e consequente com a natureza da fé: um Deus pessoal de quem todos (homem e mulher) somos semelhança!! Leiamos o livro de Thomas Wood (A Igreja Católica : Mãe da Civilização, disponível também em vídeo na web) e descobriremos tesouros ainda mais preciosos acerca da valorização do feminino , advinda da Revelação Divina e sua expansão pelo trabalho da igreja!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Larissa R.G. 09-04-2015 16:21
Janes Clap, clap, clap, clap, clap... Palmas para o seu comentário, queria agradecer por ele, me despertou a curiosidade de conhecer e ler sobre essa mulheres incríveis, você acabou de aumentar minha lista de leitura! :)
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 09-04-2015 11:26
Interessante você citar o "culto ao feio". A mães e pais, em geral, estão muito desatentos a esse perigo. Está fazendo um grande sucesso no mercado uma coleção de bonecas-monstro, que parecem prostitutas que se levantaram do túmulo três dias depois do enterro. Maquiagem fortíssima, expressão lasciva e maldosa, meia arrastão... É mesmo esse modelo estético que desejamos para nossas meninas?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Marina 09-04-2015 12:24
Esse comentário sobre as bonecas de Monster High (creio que é a elas que você se refere, kkkk) me fez lembrar o vídeo que vai abaixo. É uma artista australiana que customiza bjds (bonecas delicadas com juntas móveis) e fez um trabalho sensacional de trazer à superfície a verdadeira beleza potencial desses Brinquedos (minha versão poética para apagar a maquiagem feia e fazer uma nova). O que chama a atenção, além do belíssimo resultado, é a reação de meninas fãs dessas personagens: elas choram, xingam e só faltam gritar "blasfêmia!" Ao verem suas amadas bonecas "profanadas" pelas mãos da artista. Vejam nos comentário. É tão ridículo que chega a ser triste. http://youtu.be/9zvXud_AuMw A respeito do post, fiquei feliz em lê-lo. Não só porque é uma sólida defesa do modelo de feminilidade cristã, mas, pricipalmente, porque doeu ler. Por conta da vida que levei, dentro de uma família um tanto desequilibrada, vi como é difícil uma mulher (minha mãe) tentar viver seus valores católicos quando o homem se importa com honra e com ser um bom cidadão, mas não tem Cristo no centro de sua vida. Fui testemunha e vítima de muitos abusos e isso fez da minha personalidade naturalmente forte um monstro. Nunca chorei tanto ao assistir a um filme da Disney, mas Valente me quebrou as pernas. Eu sabia que Merida estava fazendo tudo errado, mas aquela era eu. E gostaria de ter me reconciliado com a minha mãe e a ajudado a viver sua feminilidade antes de ela falecer. A mandinga de Merida pode ter saído muito barato, mas o final daquela história me deu esperanças de me tornar uma mulher menos endurecida pelos traumas e a canalizar a minha personalidade para ser gentil, mas ter o pulso firme. Dou graças por Deus ter me trazido a resposta de como fazer isso: voltando à Santa Igreja Católica. E hoje, continuo na batalha de pedir a Deus as graças de silenciar quando necessário e ir à luta para defender a nossa fé. :)
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Andréia 09-04-2015 11:18
Durante o filme Cinderela, eu e meu namorado comentamos entre nós: "As feministas piram com esse filme!". Eu cresci vendo Cinderela, Branca de Neve, A Bela Adormecida, e sim, temos que ser gentis, agradecidas a sempre tratar as pessoas com educação. Acredito que isso seja princípios básicos que os pais devem ensinar a suas filhas e filhos, e graças a Deus, tenho pais maravilhosos!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Marcelo José dos Anjos 09-04-2015 10:46
Post maravilhoso. Mas agora eu pergunto: como fazer uma mulher que implica com as coisas de Deus se tornar dócil e acolhedora aos mistérios e atividades ligadas ao Senhor? Porque eu vejo muitas moças que são católicas, fazem suas preces de vez em quando, mas acham exagero qualquer forma de demonstração de fé, como sinal da cruz e postar algumas coisas no facebook. 'Parece um seminarista!' O que fazer?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Anne 09-04-2015 17:10
Marcelo, uma hora uma moça que sempre dizem que "parece uma freira" vai se interessar por você. kkkk Falando sério, melhor ser confundido com um seminarista do que com outras coisas. Diziam que meu marido ia ser padre, já temos 5 anos de casado e 2 filhos.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Marcelo José dos Anjos 10-04-2015 09:47
Obrigado pelas palavras, pessoal. Não deixarei de ter minhas práticas religiosas só pra agradar os outros. Será que eles também deixam de fazer alguma coisa pra me agradar? Já pensaram muitas vezes que eu fosse um seminarista também. Especialmente na época em que eu participava de uma escola da Pastoral da Juventude e os encontros eram justamente no seminário. Aí quando me viam na rua admiravam: 'Ué? Saiu do seminário?' Hahahahahahaha... 'Uma moça que sempre dizem que “parece uma freira” ', é? Bom, FELIZMENTE, eu já encontrei com essa moça. Mas INFELIZMENTE por tolice minha, eu a deixei e hoje me arrependo muito. Mas isso faz quase sete anos. Hoje estou noivo de outra moça e me caso no fim de setembro (todo mundo faz barulho aêêêê!!! Hahahahaha...), e ela também é uma boa pessoa. Apesar de tudo, foi ela quem Deus preparou pra mim e eu pra ela, não para a moça religiosa que eu abandonei. Mas continuarei rezando sim por essas moças para que abram os olhos para os 'seminaristas' e para Deus.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Lucas Farias 09-04-2015 14:46
Marcelo, isso também acontece comigo. Acredite, já me pararam na rua para perguntar se eu era seminarista. No trabalho já me perguntaram se eu era seminarista. Ao mesmo ponto que acho um ' elogio ', pois compreendo que eles veem em mim a Igreja , por outras vezes já me perguntei : Será Deus me chamando para o seminário? Mas já tive inúmeras demonstrações que sou chamado a servir no matrimônio. Então, se avexe não, continue parecendo um seminarista.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 09-04-2015 11:49
Marcelo, a primeira coisa a fazer é continuar firme em sua piedade, que inclui, sim, práticas exteriores, como fazer o sinal da cruz. São coisas tão pequenas, e ao mesmo tempo de grande valor para o nosso caminho de santidade. É muito melhor parecer um seminarista do que parecer um rapaz mundano. Não é mesmo? Reze por essas meninas, com o tempo poderão abrir os olhos.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Rodrigo 09-04-2015 10:22
Queria ler comentários das jovens leitoras desse site. Vamos lá, meninas! Não se acanhem. Se vocês já queimaram seus sutiãs, sempre dá para comprar novos. rs
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Bruno Cesar 09-04-2015 08:46
Ótimo post Catequista, lembro de eu já ter comentado isso com amigos, que as animações e filmes em geral estão destruindo valores tradicionais tão importantes, como obediência, paciência dentre outros que levam ao amadurecimento, gostei muito desse post pois disse mto do que penso a respeito dos filmes recentes, parabéns. Fiquem com Deus
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Luiz Antônio Pereira 09-04-2015 02:01
Faz parte da cartilha feminista detonar a natureza feminina na imagem da mulher moderna e projetar isso para todas as mulheres. Há um comercial da aways https://www.youtube.com/watch?v=mOdALoB7Q-0 que mostra bem essa militância asquerosa. Agora como se não bastasse desfigurar a feminilidade da mulher, querem atacar desde a infância. Ser delicada para esses esquerdopatas é sinônimo de ser fraca, mesmo. É isso que sugere o comercial, com ajudinha de uma estereotipada certamente ensaiada para bestializar mais ainda os incautos e mostrar a suposta visão que a sociedade opressora tem das meninas.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Beatriz 09-04-2015 13:55
Esse comercial trata de esteriótipos em relação a mulher. Não a desfigura de forma alguma só mostra que nem todas as meninas são iguais e que fazer algo como "uma menina" não é insulto como as pessoas pensam a ser dito essa frase! Isso que o comercial quer passar.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Luiz Antônio Pereira 11-04-2015 06:40
Se a pergunta fosse: Mostre como você corre", aposto que essas mesmas meninas iriam correr delicadamente. Percebe a astúcia da pergunta (tipo menina)? A menina pensa: tão querendo gozar comigo, vou mostrar o que é o tipo menina, espere só para ver. Com isso elas se deixam levar ao ponto de fazer uso de expressões que não são as suas de ordinário, pois, mas sabe, aquele lance de tá na hora da mulher mostrar para o que veio, detonar com a machaiada. Claro que uma ou outra menina vai correr mais firmemente, mas é da natureza da menina e da mulher a delicadeza, coisa que o comercial tentou detonar sem pudor nenhum.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Luiz Antônio Pereira 11-04-2015 06:30
Pois é, Beatriz, Talvez você não percebeu uma coisa: na campanha, utilizaram de meninas para mostrar o que elas tem à concepção de "tipo menina", e qual é senão expressões sérias, ações brutas, tal qual um machinho. Nesse sentido, fica claro a desfiguração da feminilidade. Com certeza se fizeram mesmo uma séria entrevista, muitas meninas correram desajeitadas, de modo pelo menos delicado, e arrisco dizer, que foi a maioria, mas claro, isso não serve para a ideologia de masculinizar a menina, fazendo dela uma revolucionária contra os padrões da sociedade opressora. Bem disse Molay que uma mulher correndo, é tal qual uma menina, só que crescida, isso logicamente não em se tratando de uma competição de atletismo. Por quê? Porque a natureza feminina é delicada e isso não acaba na puberdade.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 09-04-2015 11:46
Eu não conhecia este comercial. Quanta manipulação! Que desgosto...
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Lanna O 09-04-2015 14:40
Amei o post de verdade concordo plenamente com o que vocês colocaram , mas sobre o comercial da Always de verdade não consegui ver nada de errado não vi em nenhum momento o objetivo de retirar a sensibilidade e a feminilidade da mulher não é certo dizer que o jeito menina é o jeito inferior de ser, o jeito bobo. O que eu consegui entender no comercial foi : Não tenha vergonha de ser mulher. Não corra como homem porque significa correr melhor mais bonito. Ser menina não significa ser menor ou mais fraca significa Ser Menina tão somente assim. No entanto se por acaso o comercial passa algo nas entrelinhas e não consegui enxergar gostaria imensamente que me mostrassem e comentassem desde já obrigada!!Beijos
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 09-04-2015 14:55
Lanna, entendo seu ponto de vista. Mas veja, a grande armadilha desse comercial da Always é problematizar algo que não é um problema, e usar a velha tática esquerdista de forçar o sentimento de ofensa e vitimização. Tenho duas filhas, uma de 5, outra de 6. A de 5, quando corre, balança as mãos e braços pra todos os lados, e salta muito engraçadinho. Realmente, não é o modo mais eficaz de se correr, rs. Já a de 6 corre de modo bem mais eficaz, com movimentos mais firmes. Uma não é inferior à outra por causa disso, mas certamente o jeito da segunda correr é mais eficaz. E mais: nem todas as meninas correm desajeitadas como minha filha de 5 anos, mas é muito mais comum meninas correrem assim do que meninos. Minha filha de 6 anos também parece ter talento natural para a luta, e já ganhou até de meninos maiores do que ela no treino do jiu-jítsu. Porém, é bem verdade que a maioria das meninas não se interessa tanto por luta, e briga daquela forma engraçada, puxando cabelo, dando tapas pra todo lado, sem muita técnica. Nada disso faz das mulheres inferiores aos homens, e nem tira o fato de que elas são diversas, e nem sempre se encaixam em certos estereótipos. Entretanto, quando se diz a um menino que corre mal ou luta mal: "Ei, você tá parecendo uma menina. Faça isso como homem!", não se deseja depreciar as mulheres, mas sim incentivar o menino a exercer essas atividades da forma como os homens, em geral, estão mais propensos a fazer - e as maninas não, ao menos não em sua maioria. Enfim, esse comercial manipula e coloca caraminholas em algo muito simples, e ajuda a estender a teia do politicamente correto.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Lanna O 12-04-2015 16:28
Voltei aqui e vi o comentário do Sr. Luís Antônio e enfim consegui compreender ainda mais sobre o que vocês me responderam da 1º vez e se quiserem esquecer o meu segundo comentário sobre a respostas de vocês agradeço porque essa frase de Jacques de Molay me fez enxergar ainda melhor sobre o que a campanha deixa de apelativo nas entrelinhas ou nem tanto nas entrelinhas assim.Beijos!!!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Luiz Antônio Pereira 10-04-2015 14:17
Catequista, esqueça o que falei. É incrível como já bloquearam o comentário, ou apagaram, sei lá o quê, mas não se encontra mais lá. Mas eu tenho o comentário de Jacques de Molay e era este: "O comercial é uma campanha de marketing um tanto apelativa. Meninas são meigas, delicadas, frágeis. É da natureza das meninas serem assim. A agressividade pode estar mais em tentar mudar essa natureza feminina. E ser delicada não é de forma alguma ser desprezível. Ora! A mulher não precisa ter a postura de um homem para se impôr na sociedade. Não é justo violentar a essência da alma feminina na aurora da vida. Vejam uma mulher correndo (não competindo atletismo), e notarão que é uma menina crescida, é feminina, é delicada. Insulto é querer fazer da mulher aquilo que ela não é por natureza. Não desfigurem a beleza feminina!" Note que é um comentário moderado, apenas discordando da campanha. Não havia motivo para censurarem. É lamentável como querem impôr à força a ideologia esquerdista.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Luiz Antônio Pereira 10-04-2015 14:06
Obrigado Catequista! Você foi direto ao ponto: a tática de vitimização utilizada pelos esquerdistas, fazendo uso de algo que nem incomoda e é banal, tido como normal no convívio social, expressões populares. E olha só, a Aways responde aos comentários melosos de uma forma que não deixa dúvidas que aquela campanha não é apenas de marketing, mas antes ideológica. Nos comentários recentes, porém, há um de Jacques de Molay, que discorda e tira a máscara da campanha, ao qual a Aways nem teve ousadia em responder. Seria bom que a galera desse um joinha em seu comentário só para mostrar à Aways e militantes que a coisa não está tão dominada assim, aqui na terra Brasilis.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Lanna O 09-04-2015 16:13
Obrigado por me responder amore. Consegui enxergar isso!!! Mas ainda acho que no caso do menino que luta mal ou corre mal não se diga : Corra direito! Parece um menina !! Diga simplesmente que corra direito! Porque querendo ou não é como se dissesse que - Correr errado : Correr como menina e não acho que isso seja muito legal sabe enfim isso é o que me vem na cabeça entende , mesmo que eu saiba que uma grande maioria de meninas corram desajeitadamente, ao contrário dos garotos tipo minha irmã de 8 que corre super mal e o meu irmão de 4 que corre muito bem.Antigamente por exemplo quando diziam que eu corria como uma menina eu me sentia como se estivesse fazendo feio, errado e isso dá um tom de generalização tipo todas as meninas correm errado mesmo que muitas corram , pra mim mais do que isso de correr como menina deveria ter o correr certo! Claro que tudo isso sem o nnhem nhem nhem da vitimização do comercial! Assim como semelhante a isso eu ouço alguém falando de um protestante que não segue as regras impostas por eles - Fulano parece católico isso me dá nos nervos e eu não fico quieta.É que levam em conta os inúmeros não católicos que se dizem católicos e fazem coisas desagradáveis a Deus. Mas eu acredito seriamente que pouparia maiores titis e maus entendimentos.E super apoio quando você diz sobre o fato de que as mulheres são diversas, e nem sempre se encaixam em certos estereótipos o que é a mais pura verdade! E só pra finalizar quero declarar que amo vocês de coração seus posts ajudam a minha fé e no meu aprendizado sobre a minha igreja amada e seus dogmas e me ajudam a defendê-la com mais afinco e determinação do que digo! Obrigada! E sobre o assunto inicial eu acredito que seja uma "expressão a se pensar". Outros Beijos!
Responder | Responder com citação | Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade