Publicidade
Quarta, 28 Agosto 2013 02:45

“A Igreja medieval num dexava nóis lê a Briba”

Postado por

Esse papo você já conhece: protestantes acusam a Igreja Católica de ter impedido o acesso dos fiéis aos textos sagrados. Segundo eles, o clero malvado da Idade Média tinha medinho de que o povo descobrisse que as doutrinas católicas não têm respaldo na Bíblia. Ok, essa é a balela. Agora vamos aos fatos!

A grande maioria dos católicos medievais não tinha mesmo acesso à Bíblia. E isso não foi culpa da Igreja. O culpado foi o Gutemberg, que demorou demais a vir ao mundo! Nasceu no final do século XIV e inventou a revolucionária prensa móvel no século XV. Se tivesse nascido alguns séculos antes, certamente as coisas seriam diferentes!

Uma Bíblia na era medieval era tão valiosa que, se um cara ganhasse uma de presente, certamente teria um xilique de contentamento. A reação seria mais ou menos assim:

xilique

Bem diferente de hoje, em que uma única gráfica pode imprimir centenas de exemplares por dia, com custos muito menores. Por isso, quase todas as pessoas que a gente conhece têm dinheiro pra comprar uma Bíblia – ainda que seja uma usada.

E enquanto o Seu Gutemberg não dava as caras neste mundo, cada Bíblia era copiada à mão, e por isso tinha um custo altíssimo. Na Idade Média, um exemplar da Bíblia levava ao menos UM ANO pra ficar pronto, às vezes bem mais, dependendo da complexidade das iluminuras (desenhos). Tudo era feito a bico de pena. Os monges não contavam nem com o mimeográfo toscão da tia da escola.

biblia_acorrentadaPra ilustrar: certa vez, São Francisco de Assis, não tendo outros bens para socorrer a pobre mãe de um dos seus irmãos franciscanos, doou a ela o único exemplar do Novo Testamento que eles tinham. Ela o vendeu e conseguiu grana suficiente para se sustentar por dois anos – dois anos! E olhem que nem era a Bíblia inteira (Fonte: SPOTO, Donald. Francisco de Assis – O Santo Relutante. Objetiva: 2010, p. 273).

A escassez e o custo das Bíblias justificavam a necessidade de acorrentá-las nos locais em que estavam disponíveis para a consulta popular: bibliotecas, mosteiros ou igrejas. As correntes não impediam a leitura, e sim o furto.

Dizem também que a Igreja não permita traduções da Bíblia pra outras línguas. Essa é uma história muito mal contada, que vamos entender melhor agora. Na Idade Média, a grande maioria das Bíblias era em latim, o idioma universal da Europa na época. A Igreja permitia, sim, que fossem feitas traduções da Bíblia para os idiomas locais (língua vernácula), mas seu acesso, em geral, era restrito. É isso que podemos concluir das normas do Papa Paulo V, publicadas em 1564:

Regra III: "...(o uso) das traduções dos livros do Antigo Testamento poderá ser concedido, a juízo do Bispo, unicamente a homens doutos e piedosos sob a condição de que tais traduções sejam usadas apenas para esclarecer a Vulgata e melhor entender a S. Escritura...".

Regra IV: “...ouvido o pároco ou confessor, se conceda a leitura da Bíblia em língua vernácula àqueles que se possa prever retirarão de tal leitura aumento de fé e de piedade sem prejuízo algum espiritual"

- D.S., Enquirídio nº 1853s

Essas restrições ao acesso aos textos traduzidos da Bíblia tinham fortes razões de existir. Os hereges cátaros, a partir do século XII, começaram a espalhar seu veneno pela Europa usando traduções da Bíblia. Eles se aproveitavam da pouca instrução dos camponeses para “catequizá-los” com interpretações deturpadas dos Evangelhos.

E no século XIV, o padre "bauruense" John Wycliffe fez uma tradução não-autorizada da Bíblia para o inglês, que nada mais era do que um meio de propagandear suas heresias.

Foi por conta do abuso dos cátaros que o concílio regional de Tolosa (França, 1229) proibiu PROVISORIAMENTE aos leigos a leitura da bíblia em vernáculo. A Igreja foi obrigada a tomar tal medida, para proteger o povo das enganações. Então, é bom frisar:

- essa proibição era provisória, e não proibia o acesso ao texto em latim;

- o concílio era REGIONAL, então a proibição NÃO valia para toda a Igreja.

Outro problema muito comum era que, ao se realizar a tradução, fossem introduzidos erros, que alteravam o sentido do texto. E os erros não apareciam só na tradução, mas também nos prólogos e notas de rodapé tresloucados. Por isso, a Igreja era tão cautelosa quanto às traduções.

Enfim, estudando a história, vemos que, de modo geral, a Igreja medieval não se opôs às traduções fiéis, mas somente às deturpadas. Pra quem quiser saber mais, um artigo no site Veritatis Splendor (clique aqui) mostra que na Inglaterra, do século VII ao XVII, a Igreja produziu várias traduções da Bíblia para a língua local.

O fato é que, nos primeiros séculos, a leitura da Bíblia era amplamente estimulada pela Igreja. Depois, esse impulso retrocedeu, como consequência da dura luta contra a heresia do livre exame da Bíblia (a crença de que cada cristão pode interpretá-la de modo particular). Foi preciso, mais do que nunca, orientar os fiéis a ouvir a voz dos legítimos pastores. E o foco foi dado na transmissão oral da fé (como, aliás, se dava a evangelização na igreja primitiva), muito mais do que na leitura bíblica.

“Quem vos ouve, a mim ouve; e quem vos rejeita, a mim rejeita; e, quem me rejeita, rejeita aquele que me enviou.”

- Lucas 10, 16

Notem que Jesus não disse: "Quem lê a Bíblia, a mim ouve", mas sim "Quem vos ouve a mim ouve". Então, pra entender e seguir corretamente o que diz a Bíblia, devemos ouvir os sucessores daqueles a quem Jesus deu a missão de nos ensinar.

A partir do início do século XX, com o Papa São Pio X, a Igreja entendeu que era preciso estimular novamente o povo a ler a Bíblia, em sua língua nativa. E o seu sucessor, o Papa Bento XV, seguiu essa mesma linha. Em 1920, publicou a encíclica Spiritus Paraclitus, na qual escreveu:

"45. Pelo que Nos toca, Veneráveis Irmãos, à imitação de São Jerônimo jamais deixaremos de exortar todos os fiéis cristãos a que leiam todos os dias principalmente os Santos Evangelhos de Nosso Senhor, os Atos e as epístolas dos Apóstolos, tratando de convertê-los em seiva do seu espírito e em sangue de suas veias"

É isso: leiamos a Bíblia todos os dias e, acima de tudo, ouçamos a voz daqueles que podem nos ajudar em sua correta interpretação: o Papa, seus bispos e sacerdotes.

894 Terça, 30 Maio 2017 03:52

Comentários   

0 # Caio 18-03-2016 14:13
O Catequista, peço que esclareça para mim a seguinte questão: "O fato é que, nos primeiros séculos, a leitura da Bíblia era amplamente estimulada pela Igreja. Depois, esse impulso retrocedeu, como consequência da dura luta contra a heresia do livre exame da Bíblia (a crença de que cada cristão pode interpretá-la de modo particular). Foi preciso, mais do que nunca, orientar os fiéis a ouvir a voz dos legítimos pastores. E o foco foi dado na transmissão oral da fé (como, aliás, se dava a evangelização na igreja primitiva), muito mais do que na leitura bíblica." ............. Pelo que sei, o livre exame da biblia é uma doutrina do protestantismo! Se a restrição a biblia e as suas traduçoes aconteceram devido a este fator, isso só deveria inicias a partir do sec. XV e XVI com a Reforma. Porque antes disso a Igreja ja colocava esta restrição ???
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Vixtor 14-05-2016 21:19
O livre exame é sim ums aspecto do protestantismo, no entano não é exclusividade dos protestantes. Desde as primeiras heresias, a livre interpretação das escrituras já existia e gerava problemas.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Izabella 16-03-2016 06:40
''Foi um efeito do poder de Deus que o papado preservou, em primeiro lugar, o santo batismo; em segundo, o texto dos Santos Evangelhos; que era costume ler no púlpito na língua vernácula de cada nação...'' (Martinho Lutero, De Missa Privata, Ed by Jensen, VI, Pg 92)
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Aline 13-09-2015 17:11
Sim, Juliana. Esse nosso irmão, que por muito tempo foi anti-católico, não se deixou levar pelo orgulho e procurou a verdade até encontrá-la, mesmo tendo encontrado-a onde ele menos queria... Os livros de Hahn são maravilhosos, descortinam a fé católica como poucos... Esses três que citei são leitura básica e obrigatória para todo católico consciente, sobretudo O BANQUETE DO CORDEIRO, depois do qual jamais consegui ver a Missa com os olhos de antigamente... :D
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Aline 12-09-2015 05:38
A quem deseja entender sobre o contato dos católicos com a Biblia, indico a leitura do livro O BANQUETE DO CORDEIRO, do ex-protestante e atual especialista bíblico católico Scott Hahn. Tenho certeza de que quem ler esse livro jamais verá a missa com outros olhos. Aliás, indico igualmente os demais livros do autor, recentemente publicados no Brasil pela Ed. Cléofas, do Prof. Felipe Aquino, que foi aos EUA especialmente para falar com Hahn e conseguir autorização para a publicação em português de seus livros. Indico, em especial, além do indicado acima, os livros RAZÕES PARA CRER e TODOS OS CAMINHOS LEVAM A ROMA... São ótimos!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Juliana 12-09-2015 12:12
Excelente indicação, Aline! No Youtube tb há vídeos de palestras de Scott Hahn e sua esposa. Que casal fantástico!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Alexande 09-09-2015 23:25
Que riquezas de conhecimento
Responder | Responder com citação | Citar
0 # António 07-02-2015 16:59
http://www.apologistascatolicos.com.br/index.php/apologetica/protestantismo/619-refutando-julio-severo-parte-i-a-mentira-sobre-a-proibicao-da-leitura-da-biblia
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Leonardo 05-05-2014 23:48
O Senhor esteja com todos vocês. Agradeço ao Espirito Santo por ter encontrado esse blog. Motivo de muitas elucidações para mim! Muito obrigado! Que Deus continue os abençoando! Leonardo Pinheiro
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 06-05-2014 01:23
Que Deus te abençoe tb, Leonardo! Obrigada pela força!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Wilson Marinho 11-02-2014 10:03
ótimo artigo, em tempos em que a nossa igreja sofre com tantas calúnias......
Responder | Responder com citação | Citar
0 # José António de Carvalho 11-02-2014 08:53
Realmente este post me esclareceu tudo. Todavia, faltou aqui frisar que a livre interpretação originou o surgimento de muitas ceitas e, aliás, a difusão da doutrina, tornou-se um negócio.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Jair Victor 10-02-2014 19:11
''O culpado foi o Gutemberg, que demorou demais a vir ao mundo! Nasceu no final do século XIV e inventou a revolucionária prensa móvel no século XV. Se tivesse nascido alguns séculos antes, certamente as coisas seriam diferentes! ''
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Junior Ribeiro 10-02-2014 13:08
Muito bom artigo. Os hedeiros espirituais - mas não intelectuais - dos cataros, os protestantes, bem que nos acusam, mas são eles que instalaram a loucura na Letra (que por si, já mata sem o Espirito - 2Co 3,6) ao instituir como dogma o Livre Exame. Que São Pedro, nosso primeiro Santo Pontifice, já se levantou contra esse engano antes (2Pe 1,19), rogue por nós para que sempre estejamos na verdade!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # patricia banhos 28-08-2013 17:18
PADRE "BAURUENSE" Q VERGONHA DESSE PADRE...AINDA TENTOU NA JUSTIÇA COMUM O DIREITO DE RETORNAR A USAR A BATINA...MAS LEVOU UMA LAVADA HISTÓRICA DO JUÍZ....PAZ E BEM VIVI...ÓTIMO POST
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Pedro 28-08-2013 14:48
Em um mundo medieval, onde só 2% da população era alfabetizada, nem valia a pena gastar recursos imensos para traduzir e copiar Bíblias pra todo mundo. Evangelizar com discursos, sermões, imagens, arquitetura, etc. era muito mais eficiente.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Carlos Oliveira 28-08-2013 13:24
Até hoje a Igreja Católica ainda proíbe a leitura da Bíblia, mas as dos protestantes: Traduzidas, copiadas, corrigidas, apagadas, deturpadas e rasuradas do Almeida!!! Deus seja louvado!!!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Leniéverson Azeredo 26-01-2014 09:49
Carlos, eu acho muito engraçado dizer que a Igreja, hoje, proíbe as pessoas de ler a bíblia. Eu sou católico e leio a bíblia aqui. Tenho duas traduções: a de Jerusalém e a Ave Maria. Na minha diocese, padre algum manda que as pessoas não leiam as Sagradas Escrituras. Imagino que, em outros lugares, aconteça o mesmo. Qual é o seu fundamento para chegar a essa conclusão? Não faz sentido algum seu raciocínio.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Lucas Casagrande 28-08-2013 11:23
Em relação a Idade Média existem muitos e muitos mitos a serem derrubados Deixo aqui duas sugestões de leituras Uma História que Não é Contada - Prof.Felipe Aquino Como a Igrej Católica construiu a Civilização Ocidental - Thomas Woods Quem tiver mais referências por favor indique Se possível também, gostaria que falassem sobre o Índex, assunto usadao recorrentemente em debates como resposta a afirmação de que a Igreja através dos monges copistas preservou a cultura do mundo antigo. Imagino que o Índex tenha tido um papel no comate as heresias de modo semelhante as explicações expostas nesse post, gostaria de mais informações A Paz de Cristo
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Cadu Sindona 28-08-2013 14:22
Lucas, sugiro os livros de Prof. Daniel-Rops, sua pesquisa sobre história da Igreja é considerada nota 10.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Meire 28-08-2013 10:31
Nossa, que belezura esse post. Minha professora do EM não era direta, mas deixava sempre transparecer que era contra a Igreja Católica. Já ouvi de muito protestante que os católicos não viviam da palavra porque a gente só ia a missa e lá nem se usava a bíblia e blablabla....
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Cadu Sindona 28-08-2013 10:16
Nota 10 Vivi, só pra continuar o costume.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Guilherme Alberto 28-08-2013 09:41
Tem gente que da validade a qualquer lorota que atinja a Igreja Católica, mil e uma teorias loucas da conspiração ganham validade se servir pra por lenha na discussão e "afirmar" que a Igreja ta errada. Parece que o povo que se segar e não enxergar o que ta pulando na frente do nariz.] A minha professora de história do EM contava a historinha padrão da Igreja malvada, mas lembro de que um dia ela disse: "Isso é o que cai na prova, mas se interessou a vocês procurem saber mais sobre o que aconteceu". Na época não entendi e não procurei :/ Gostei do post (:
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Juliano 28-08-2013 09:03
Valeu, Paulo, obrigado pela aula. Mas é incrível como esse povo gosta de atacar a Igreja Católica. Qualquer "ponto" vira "reticência". Ainda me recordo, nos tempos do ginásio (na época não era ensino médio...rsrs)a professora de História bradando: "A Igreja Católica proibia as pessoas de lerem a Bíblia, dessa forma, dominava o povo, espalhando e enchendo o povo de culpa e medo..." Recentemente eu li o livro "Uma Breve História do Cristianismo"...o autor até tenta parecer imparcial, mas nas entrelinhas mostra-se claramente anti-católico. Abs.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Paulo Ricardo 28-08-2013 11:02
Obrigado pelas palavras Juliano, Mas não fui eu que escreveu esse texto, foi A Catequista. "Dai o crédito a quem merece o crédito". Ah! Ah! Ah!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Juliano 28-08-2013 11:19
Ops, perdão!!! Então, meus agradecimentos à Catequista!!!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Felipe 28-08-2013 08:39
Será que existe uma tradução para o português da encíclica Spiritus Paraclitus?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Alan Olicheski 13-12-2013 11:06
É uma pena não ter muitos documentos (em português) pois é um grande conhecimentos que não temos "acesso" já que nem todos sabem inglês ou outra língua.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 28-08-2013 15:07
Felipe, No site do Vaticano não tem na nossa língua, mas a editora Paulus publicou essa encíclica em português, dentro do livro "Documentos da Igreja. Documentos sobre a Bíblia e sua interpretação". Achei um blog que apresenta o texto da encíclica em português, retirado do livro da Paulus: http://leandronazareth.blogspot.com.br/2011/07/carta-enciclica-spiritus-paraclitus-por.html
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Leilah 02-09-2013 18:13
O Espírito Santo está dando a vocês enorme criatividade. Por favor não deixem de se abrir nunca a tantas boas inspirações. O post em questão me recordou um grande padre do vosso movimento (Giovani Vechio) que fazia sempre uma singela aritmética: Tres leituras bíblicas em cada missa + um salmo responsarial + várias orações litúrgicas tiradas diretamente da Bíblia (sem falar em alguns cantos)+ as horas todas do Oficio Divino, recheadas de Leituras Bíblicas do começo ao fim. Ou seja ao fim e ao cabo, o contato diário do católico com a Bíblia é no mínimo 50 vezes maior que a de um protestante. Abração.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Bernardo Tura 28-08-2013 15:02
Em espanhol tem no sítio do vaticano: http://www.vatican.va/holy_father/benedict_xv/encyclicals/documents/hf_ben-xv_enc_15091920_spiritus-paraclitus_sp.html Fique com Deus
Responder | Responder com citação | Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade