Publicidade

Terça, 29 Julho 2014 01:39

São João XXIII: "Não batam palmas na igreja, nem mesmo para saudar o Papa"

Postado por

Já faz tempo que nossos leitores vinham nos cobrando a publicação de um post explicando se podemos ou não bater palmas na missa. Sempre tivemos a nossa opinião pessoal sobre o assunto, mas preferimos não divulgá-la, pois nos faltava maior embasamento. Até que encontramos um vídeo em que São João XXIII pede aos fiéis para não aplaudirem dentro do templo de Deus.

No vídeo, muito simpático e acolhedor, o Papa se mostra grato pelo carinho que o povo lhe dá. A Igreja está cheia de jovens, que o aclamam ardorosamente, com muitas palmas. Mas, como bom pai, o santo não deixa de fazer a devida correção fraterna:

"Estou muito satisfeito por estar aqui. Mas eu devo exprimir-lhes um desejo: que na igreja não gritem e não batam palmas, nem mesmo para saudar o Papa, porque Templum Dei Templum Dei (o templo de Deus é o templo de Deus). Agora, se vocês estão felizes em encontrar-me nesta bela igreja, imagine como o Papa não está feliz em ver seus filhos! Mas assim que ele vê seus filhos, eles batem as mãos na frente de sua face. E esse que está diante de vocês é o sucessor de São Pedro!”

- São João XXIII; 1963, Ostia, IV Domingo da Quaresma

Está bem claro que São João XXIII considerava falta de respeito aplaudir dentro do templo de Deus. É bom notar que era um Papa considerado por muitos como progressista, pois foi aquele que convocou o Concílio Vaticano II. Seu ensinamento sobre o decoro na igreja está de acordo com tudo o que os Papas e santos sempre afirmaram, e também com a doutrina atual da Igreja.

"O sacerdote, que celebra fielmente a Missa segundo as normas litúrgicas, e a comunidade, que às mesmas adere, demonstram DE MODO SILENCIOSO MAS EXPRESSIVO o seu amor à Igreja." 

 - S. João Paulo II, Encíclica Ecclesia Eucharistia

O templo é um local sagrado de culto, de adoração, de oração, de recolhimento, de meditação. É ali que o sacrifício de Cristo na cruz é reapresentado a cada missa, para a salvação do mundo. Não é o lugar, portanto, para demonstrações efusivas de contentamento. É claro, há momentos em que o povo de Deus pode, sim extravasar sua alegria de modo festivo: lembremos, por exemplo, a chegada de Jesus em Jerusalém. Muitos O saudavam em altos brados, dizendo: “Bendito é Aquele que vem em nome do Senhor!”; outros corriam para acompanhar os passos do burrinho; as crianças saltitavam. Mas tudo tem hora e lugar.

O que está no centro de todos os templos católicos? O ALTAR. E o que é o altar? É o lugar do SACRIFÍCIO de Cristo, e equivale equivale ao solo onde a cruz de Cristo foi fincada. Tem sentido demonstrar euforia diante do Calvário? Não, né... Da mesma forma, não devemos fazer isso diante do santo altar.

A liturgia da Igreja permite aplausos em algumas ocasiões restritas, tais como:

  • para acolher um neobatizado;
  • para demonstrar alegria após o consentimento dos noivos, no Ritual do Matrimônio;
  • na criação de novos cardeais;
  • na posse de párocos.

Portanto, não se trata de banir as palmas completamente da missa, mas sim de utilizá-las com o devido decoro. O problema é que está havendo um grande abuso em nossos templos do uso das palmas. Arruma-se qualquer pretexto para aplaudir... Palmas para o aniversário de fulaninho, palmas para a Bíblia, palmas para a homilia, palmas para tudo!

É importante fazer uma ressalva: em algumas culturas, acompanhar a música com palmas é aceitável e digno (desde que o clima geral seja sereno e reverente, e não oba-oba). Isso é muito comum na África e no Brasil. No vídeo abaixo, vejam o belo exemplo de uma missa em Kuito (Angola). As pessoas estão vestidas com muita decência e estão bem compenetradas; não tem ninguém rodando a baiana nem requebrando, como nas lamentáveis “missas afro” aqui do Brasil!

Pausa para o momento “eu acho”. Eu acho que não devemos fazer um cavalo de batalha com essa questão. As palmas já fazem parte da rotina na maioria de nossas igrejas, e creio que isso não vai mudar. Boa parte do nosso clero não educou o povo a evitar as palmas; os que são contra, as toleram, para não melindrar o sentimento das pessoas; os que são a favor, as incentivam ainda mais, achando que assim a missa ficará mais atraente.

Antes bater palmas do que entrar na igreja montado na garupa de uma moto...

padre_moto_igreja

Antes bater palmas do que fazer da casa de Deus um circo...

Se os aplausos na igreja causaram desgosto a São João XXIII, que diria ele se visse essas atrocidades? Diante de tanta bizarrice, bater palmas, dos males, é o menor.

12498 Quinta, 27 Julho 2017 19:25

Comentários   

+1 # SJ 27-07-2017 21:06
O(A) Catequista, mais uma vez, muito obrigado pela catequese. Que Deus os abençoe abundantemente! Não entendi bem o seguinte: não é permitido bater palmas na Missa (salvo algumas exceções) mas é permitido acompanhar os cantos com palmas? Poderia me informar algum documento ou outra fonte que respalda isso? As palmas são reconhecidas oficialmente como expressão litúrgica do povo brasileiro assim como na África?
Desde já agradeço.
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Gilson 23-07-2017 03:44
Eu me identifiquei com os bonecos alegoricos de Aparecida, com olhos e ouvidos tapados.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Letícia 13-01-2017 13:19
E quando há coroação de Nossa Senhora?? Em minha cidade isso ocorre no final da Missa, mas antes da benção final. E todos batem palmas e é um momento de alegria pela Mãe do Senhor. Inclusive já fui convidada, junto com o meu grupo, a dançar na entrada da imagem de Nossa Senhora durante a festa de Nossa Senhora Aparecida. Hoje eu não aceitaria, mas na ocasião eu achei que não haveria problema por ser após a comunhão, avisos e etc., faltando apenas a bênção final, e o fiz com muito alegria e respeito pela Mãe de Deus. Seria, o mais correto, tudo isso ocorrer após a bênção final??
Responder | Responder com citação | Citar
+3 # Antonio Laureano 12-10-2016 19:13
Mas os circos começam justamente com as palmas e cantos nada litúrgicos. Portanto se o outro tem direito em ser respeitado por suas palmas eu tenho direito de ser respeitado por não querer palmas na santa missa. O direito de um começa onde termina o do outro. E não é uma questão do padre querer ou não, ele tem que obedecer o cânon,o missal etc.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Romário 05-12-2017 19:50
Concordo e partilho da mesma opinião.
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Neide rodrigues 06-08-2016 21:12
Nós nos preocupamos tanto com questões ,de quem bate ou não palmas !!!!!! ,com rito,com normas,acho que é hora de pensar em gestos mais concretos,como o amor ,operdão,o acolhimento,a valorização da pessoa humana.tem uma canção do Padre Zezinho que nos fala bem isso,o mais importante é amar como Jesus amou,sonhar como Jesus sonhou viver como Jesus vivia......pense nisso!!!!!
Responder | Responder com citação | Citar
+2 # Leonardo Coelho 12-07-2016 16:42
Então deveríamos rasgar da bíblia o Salmo 41 que diz: Salmos 47:1 – “Batei palmas, todos os povos; aclamai a Deus com voz de triunfo. Porque o SENHOR Altíssimo é tremendo, e Rei grande sobre toda a terra.” No texto de Salmos 41 mostra uma associação das palmas à Adoração, tornando assim clara que as palmas fazem parte da adoração à Deus, e ainda, formando um precedente indiscutível sobre o assunto. A Bíblia não condena uma vez sequer o ato de bater palmas. Acredito e veementemente que a adoração
Responder | Responder com citação | Citar
+4 # A Catequista 12-07-2016 17:25
A Bíblia não condena bater palmas para aclamar a Deus, obviamente. Mas não se deve fazer isso na missa. Quando o salmo que você citou foi escrito, não existia a Missa, então, a citação não se aplica.
Responder | Responder com citação | Citar
+3 # Erick Ramos 09-05-2016 07:47
Recomendo a Leitura da IV Instrução para Correta Aplicação da Constituição Conciliar sobre a Liturgia N° 42. Ali está a palavra oficial da Igreja sobre o acompanhamento das palmas nos cantos e também da dança (ambas têm lugar na ação litúrgica, desde que não sejam Neto espetáculo).
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Nilton 12-02-2016 14:31
Por favor podem responder no meu email onde está o embasamento para nao podermos bater palmas. Entendo a pastagem e sou a favor do silêncio. Mas se for ensinar na catequese tenho q mostrar onde está esta recomendação por escrito.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Alex Hoffmann 13-02-2016 01:03
Nilton, não é uma questão de documento, é questão de um todo, não é uma recomendação por escrito, é uma regra geral de fé e lógica. Alguém bateu palmas ao ver Jesus Cristo pendurado na cruz? Sim, teve quem bateu palmas, os soldados, os fariseus e o ladrão que não se arrependeu, bom este não porque suas mãos estavam pregadas. https://www.youtube.com/watch?v=y9rwvzqtd-g https://www.youtube.com/watch?v=gIvCjMYBfrE https://www.youtube.com/watch?v=5GCoSd0V_v0 O missal romano não prevê em lugar algum bater palmas, não diz nem que sim, nem que não, mas se não prevê, é porque os bispos e os Papas até agora, não sentiram necessidade de por esta proibição por escrito porque ela já é tão evidente.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Gloria Maria 17-11-2015 14:11
A matéria foi clara! Eu não bato palmas na Igreja, fui criada (1960) ouvindo minha avó (1989-1976) nos Dizendo: " Na igreja, não se bate palmas", ou melhor: não cabem APLAUSOS. Acredito que as pessoas que assim agem devem também APLAUDIR em velórios!
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # André 26-10-2015 18:05
A missa é o sacrifício de Cristo no Calvário é também a memória da paixão e morte de Cristo, a missa nos faz está diante do Cristo que foi condenado e zombado por nós homens, enquanto as mulheres e os apóstolos choravam sofrimento de Cristo, Fariseus e soldados zombavam de Cristo aplaudindo e dizendo "Não és tu o Rei dos Judeus?" logo de qual lado se deseja estar, do lado dos apóstolos ou daqueles que zombavam e caçoavam de Jesus? Portanto, cada missa é reviver a Paixão, Morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo e não é coerente celebrar a Paixão, morte e até mesmo a ressurreição com a baderna que fazem na missa. Ora se tua mãe e teu pai morrem, você vai ficar feliz? Mesmo sabendo que estão com Deus, não é motivo de felicidade perder alguém que se ama, da mesma forma a Santa Missa. Devemos ter o respeito e a humildade de oferecermos o melhor que temos à Deus.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # alda 24-09-2015 13:39
Fico pensando o que Cristo acharia de toda essa discussão?
Responder | Responder com citação | Citar
+4 # Patrick 24-09-2015 16:09
Razão e Fé são duas asas que nos fazem voar até Cristo. Certamente Nosso Senhor Jesus Cristo, o Maior sábio de todos, não iria se opor que seus pequeninos busquem, através do debate sadio, crescer espiritualmente e intelectualmente. Paz e Bem!
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Alessandra Batista 02-07-2015 15:23
Eu assisti ao último video com a boca no chão.... isso não é sério.... não pode ser sério.... vocês fizeram montagem..... Eu gostaria imensamente que confessassem que é montagem do que acreditar no que meus ouvidos ouviram, e pior em um canal aberto assistido por inúmeros católicos.... Quando se acha que nada mais bizarro pode acontecer...
Responder | Responder com citação | Citar
0 # O Catequista 04-07-2015 10:50
Pois, é, também gostaríamos que fosse mentira!
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Igor Kauan 20-05-2015 10:23
Eu gostaria de saber e os parabéns durante os avisos???
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # A Catequista 20-05-2015 10:35
Inadequado. O certo é, durante os avisos, avisar que depois da bênção final haverá uma bênção especial para os aniversariantes. Só após o término da missa - cujo rito não inclui parabéns - aí, sim, pode homenagear os aniversariantes.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Dcmoreira 18-05-2015 12:54
@Carlos, "quem aplaude na Missa está aplaudindo os algozes" aí já é exagero, lógico que a intenção de quem aplaude não é essa.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Ramon Breno 01-05-2015 15:32
Abraços :) Valeu
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Ramon Breno 01-05-2015 15:31
Respondam pra meu email tbm... Em que momento na missa posso bater palmas? No Glória, Aclamação, Santo posso?
Responder | Responder com citação | Citar
-1 # Sizenando 30-06-2015 15:17
Você pode bater palmas sem medo de errar na Entrada, Aclamação e canto final, no Santo e no canto da coleta com mais critério, nunca no canto da comunhão e nem na meditação, Silêncio Total no momento da consagração. mas tudo isso depende das instruções do Bispo local e do Pároco, pois são eles quem estabelecem os limites da Liturgia, mas mesmo que eles permitam continua valendo a segunda parte da resposta. Nunca bater palmas no canto da comunhão e nem na meditação, Silêncio Total no momento da consagração. Sizenando
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Nadja Chagas 17-04-2015 10:24
Bom dia!Temos um novo sacerdote em nossa paróquia. Ele tem uma inspiração para a homilia, nos dá uma verdadeira catequese, mas, e é isso que me consome e tira minha paz, ele gosta de puxar aplausos a toda hora, de nos fazer repetir mensagens para os que estão ao nosso lado, em quase toda a Celebração. Ele puxa um remexer nos ombros e nos braços com os dedos pra cima, como numa marchinha de carnaval,em muitos momentos da Celebração. Sinto uma profunda tristeza. Ontem quase saí do meio da Celebração, o engraçado é que minha filha de 13 anos pensou a mesma coisa, mas só me falou quando voltávamos pra casa. Ela também não se sente bem. Não sabemos o que fazer e como nos portar. O Padre anterior tinha muito zelo pela Celebração, mas era vazio em suas palavras, isso trouxe muitos problemas para ele, por causa de um certo grupinho que hj está felicíssimo, por que tudo está do jeito que eles queriam. Peço a Deus misericórdia por eles e por mim, pois sei que sou muito pecadora, não sou melhor que nenhum deles e que dependo dele para receber absolvição e receber Jesus, acredito que apesar das faltas a graça acontece. Confesso que é muito triste ver a bagunça que tudo está se tornando. A Igreja parece uma feira livre, está mais cheia, as pessoas estão mais felizes, mas isso é sinal de presença de Deus? Isso é sinal de que as coisas estão certas e que podem continuar assim. Por favor dê-me uma palavra de orientação e envie para o meu e-mail, pois não é sempre que estou no computador, parei para fazer meu desabafo, pois não sei como me portar. Meu filho de 19 anos me explicou em poucas e claras palavras o que muitos sacerdotes que estudam tantos anos ainda não aprenderam. Muito grata,
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 17-04-2015 14:21
Nadja, sinto muito por essa situação lamentável. Vou escrever para o seu email. Abraço!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # luiz 13-04-2015 14:17
Amados! Não há rubricas que digam que às palmas são litúrgicas,porém se compreendermos que o termo Eucarístia é ação de graças,se compreendermos que celebramos não um Deus morto que ficou pregado na cruz,mas sua ressurreição, por que não aceitar às palmas como expressão dessa gratidão e do nosso amor? Com essas expressões de louvação nos adoramos Com todo nosso ser como dizia Paulo Com Espírito, alma e corpo. Outra coisa tb são às Missa chamadas inculturadas e por que não acolher como um dado de nossa Cultura? Acredito que veêm o louvor,bater palma como algo profano, o que se dar nas Missas não são gestos vazios é adoraçao.
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Padre Orlando Henriques 15-04-2015 08:57
Luiz, não celebramos um Deus morto? Não é verdade: a verdade é que nós TAMBÉM celebramos o Cristo morto, aliás, morto e ressuscitado, porque o mistério pascal é a duas coisas ao mesmo tempo: a morte e a ressurreição de Cristo. De uma maneira tão inseparável que com uma só palavra – a palavra “Páscoa” – dizemos as duas realidades ao mesmo tempo. O Cristo que celebramos é o Cristo morto e ressuscitado. Repare: o que é que o povo diz na Missa, logo a seguir à consagração? «Anunciamos, Senhor, A VOSSA MORTE, proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus.» Se nós «Anunciamos a vossa morte» como é que você pode dizer que não celebramos o Cristo morto? Não é só a ressurreição que nos interessa, mas também a morte de Cristo, porque foi pela sua morte que Cristo pagou o preço do nosso resgate. Ou não fosse o crucifixo o principal símbolo da nossa fé. A fé cristã não é uma ilusão açucarada de optimistas ingénuos que fingem que não há sofrimento nem morte; pelo contrário, a nossa fé assume tudo o que a vida tem, com cruz e ressurreição. Quem se ilude a pensar que só celebramos uma ressurreição sem morte corre sérios riscos de virar ateu quando for confrontado a sério com o sofrimento humano; correndo o risco de ver aí o desespero de um vazio em vez da cruz do Senhor a caminho da ressurreição. Deus o abençoe.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Alex Hoffmann 13-04-2015 23:22
Caro Luiz, dizes: "Não há rubricas que digam que às palmas são litúrgicas," Sim, não existe, mas existe sim uma coisa que devemos sempre cuidar pois, ao ofereceres a mão, arrancam-lhe o braço, ou outro ditado que diz: se o patrão senta, o camarada deita; isto significa que, ao abrir as portas para as palmas, tempo depois entra a banda de rock, depois da banda de rock, entra a dança, depois da dança a macumba, o espiritismo, e no final esta-se a usar a Igreja para vender pombas, carneiros, bezerros, ou seja a fazer negócios dentro do Templo que é para oração e Adoração a Nossos Senhor Jesus Cristo, isto podemos notar em casa, se a gente deixa nosso filho fazer uma única birrazinha e consente com ela, na próxima a birra é maior, e maior, e maior, até o filho de 5 anos ser o cabeça da casa, ser o chefe, o mandante e o que determina tudo, é assim porque trabalho como professor e vejo esta situação constantemente ao ponto do pai dizer, ajudem-me eu não sei mais o que faço, e o filho, na frente da direção da escola, professor presente, e quem mais ali se encontrar mandar o pai calar a boca e ficar quieto pois o pai é um bunda mole frouxo. Portanto, se tiver palmas, que sejam com muito cuidado executadas, sem excessos, tão moderadas que o seu barulho não ultrapasse a altura da voz do Celebrante sem o uso do microfone. "porém se compreendermos que o termo Eucarístia é ação de graças" Sim, a Eucaristia é Ação de Graças, mas não é nossa, nunca foi e nunca será até o fim dos tempos, a Eucaristia é Jesus Cristo que se oferece a Deus em holocausto pela remissão dos pecados do homem, porque nenhum de nós é capaz disto, então, quando o Padre faz a consagração, não é o padre que profere as palavras, mas Jesus Cristo mesmo que faz esta oferenda e, in persona Christi o padre consagra a óstia e as partículas, e em cada uma delas temos Jesus Crito por inteiro, corpo e alma, divindade e humanidade, de forma que, assim realiza a transubstanciação, Este É Meu Corpo..., Este É Meu Sangue... http://pt.wikipedia.org/wiki/Transubstancia%C3%A7%C3%A3o No entanto, neste momento, quem tem dignidade de bater palmas se: não temos nada a oferecer a Deus senão o Cristo que oferece-se por nós? Qual respeito devemos ter para com este proceder? Devo eu mexer meu dedo se nada posso por minha conta? Neste momento não seria mais propício meter o joelho no chão em agradecimento, reconhecer que não sou eu, mas Deus que me salva, do que bater palmas? "se compreendermos que celebramos não um Deus morto que ficou pregado na cruz,mas sua ressurreição, por que não aceitar às palmas como expressão dessa gratidão e do nosso amor?" Devolvo a pergunta, por quê não ajoelharmos em adoração? Qual é mais digno a criatura que nada tem a oferecer, senão o sacrifício de Jesus por mim e por ti? Porque o sacrifício cruento não foi só para o povo da época, é pela salvação minha e tua também, porque sem isto, vamos para o inferno. Além do mais, posso ir parar no inferno por causa de meus pecados, então, bato palmas ou peço clemência? Até porque, Jesus Cristo abraçou a cruz por causa de mim e de você. "Com essas expressões de louvação nos adoramos Com todo nosso ser como dizia Paulo Com Espírito, alma e corpo." Sim, se nós ficarmos contritos pensando e admirando Jesus Cristo e seu Santo Sacrifício de joelhos e mãos postas, isto não é um ato de louvor de espírito, alma e corpo? "Outra coisa tb são às Missa chamadas inculturadas e por que não acolher como um dado de nossa Cultura?" Eita, coisa não? Vamos lá, missa inculturada, que significa? Candomblé no meio da missa? Protestantização no meio da missa? Padre de santo no meio da missa? Atabaque, tambor, berimbau, reco-reco, chocalho? Missa inculturada acolhida durante o Santo Sacrifício como um dado de nossa cultura, bom, ou vamos assistir a Santa Missa ou vamos assistir ao boi bumbá, já pensou o padre e demais assistentes entrarem Igreja adentro vestido de maria chica, outro segurando um cavalo de pano na cintura, outro com um boneco gigante pendurado nas costas? Ou um padre fazendo uma missa e no meio da consagração, ele solta um misinfim, dá uma bicada na cachaça e solta uma baforada de fumo no meio do altar? Ou ainda, começa a se chacoalhar como se o pai de santo tivesse entrado nele? Ou que tal a missa gaudéria? Minha gente, vamo rezá a oração do Pai veio lá de cima..., e agora pessoal, que tal nois rodear o laço, se aprumar no taco da bota e soltar a garganta na música dos trocados? Não dá né. Entenda uma coisa, o padre é o celebrante, nós somos o povo que assiste a missa, nós assistimos a morte e ressurreição de Jesus Cristo. "Acredito que veêm o louvor,bater palma como algo profano, o que se dar nas Missas não são gestos vazios é adoraçao." Mas no silêncio eu consigo me concentrar mais, ir mais fundo na contemplação e adoração. As palmas acabam por agitar, tira a concentração, se você está profundamente concentrado, qualquer barulhinho te tira de onde você tava e te põe numa superficialidade imensa. Já presenciasse uma Missa onde, no meio dela um celular toca? Todo mundo concentrado e, de repente aquele barulhinho tira a atenção do altar e põe todo mundo a procurar onde ou quem é o trouxa, e aqueles que não fizerem isto, ainda assim, em suas mentes, deixam de pensar no que se sucede na frente para pensar algo: putz, tinha que ter um..., então mesmo que as palmas não sejam vazias, tenha-se uma intenção, porém elas tiram a concentração. Vai no meio de uma sala de aula, com trinta alunos de sexto ano e agita eles pra ver quanto tempo você leva para que prestem atenção numa explicação de matemática. O ser humano, não importa a idade, se distrai fácil, uma abelha que esteja voando chama mais a atenção do que a missa lá na frente. Eis ai que, ao irem para a fila comungar, o povo esquece de como se comunga e acaba fazendo de qualquer jeito, pegando com uma mão só, esquece do amem, não reverencia e assim por diante.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Tamires Figueiredo 28-10-2014 16:03
"Portanto, não se trata de banir as palmas completamente da missa, mas sim de utilizá-las com o devido decoro. O problema é que está havendo um grande abuso em nossos templos do uso das palmas. Arruma-se qualquer pretexto para aplaudir… Palmas para o aniversário de fulaninho, palmas para a Bíblia, palmas para a homilia, palmas para tudo!" Olá. Como eu não bato palmas na Missa, me perguntaram se era errado o uso das palmas e se não, em que momentos poderia ser usadas. Eu entendo os argumentos dos Santos e Papas, mas a Igreja não tem nenhum documento oficial proibindo, então vim pesquisar um pouco mais. Na minha região é tido como absurdo não bater palmas na Missa visto que os próprios sacerdotes são os primeiros a incentivar. Dúvida: Em alguns comentários foi dito da possibilidade das palmas no Santo e no Glória desde que feito com o devido decoro e respeito. Mas... E na Procissão de Entrada? Também seria "aceitável"? E o ato de aclamar (levantando e sacudindo os braços) no HOSANA, ALELUIA, e no GLORIA? É errado também? Pergunto isso porque algumas pessoas que conheço não batem palmas mas na nesses momentos eles balançam as mãos respeitosamente, no sentido de aclamação. Aguardo resposta. E muito obrigada por tudo... Vocês tem me ajudado muito!
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # HELENA CLARA 08-10-2014 18:34
O QUE ESTÁ ACONTECENDO COM A CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA? A MISSA DEVE SEGUIR O RITUAL ROMANO. E O QUE VEMOS HOJE É: CADA PADRE CELEBRA A MISSA COM UM TOQUE PERSONALIZADO. POUCOS SÃO OS QUE CELEBRAM EXATANTE COMO MANDA O MISSAL. SOU CONTRA SIM O QUE FOI FEITO NO SANTUARIO DE APARECIDA. COMO SOU CONTRA O FIEL RECEBER A EUCARESTIA NA MÃO, SOU CONTRA A FALTA DE RESPEITO HOJE EM DIA DURANTE A MISSA. SOU CONTRA BATER PALMAS. QUE O ESPÍRITO SANTO NOS ORIENTE E CONDUZA. JESUS MISERICÓRDIA!
Responder | Responder com citação | Citar
+1 # Guilherme 29-08-2014 15:48
Lembro o dia que meu pároco ficou bravo, pois, na missa de aniversário de sua ordenação, quiseram cantar parabéns dentro da Igreja, no meio da celebração. Ele mandou esperar, e cantar na praça.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # João Marcos 21-08-2014 23:18
Cabe uma outra observação: ninguém é obrigado a bater palma e nem pode ser obrigado a isto. O ponto é que, apesar de ser possível defender a tese de que o uso das palmas é um erro, tal tese não passa de mera tese, não podendo ser dito que alguém viola a liturgia ou que a Igreja diz que é um erro quando a própria normativa da Igreja diz o contrário. E, pra que conste, eu não bato palmas.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Danielle 13-08-2014 15:41
Boa tarde a todos. A paz de Jesus Eu sempre achei que no momento oportuno do Glória, bater palmas ou elevar mãos, seria apenas mais uma demonstração de alegria de amar e estar grata a Deus. Mas agora, estou com sérias dúvidas e até vergonha do que eu sempre fiz. Se já me achava uma ignorante à serviço, me acho ainda mais... Gostaria também de parabenizar o site, muito bom! Abraço fraterno, Danielle
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Christiane 21-08-2014 13:14
Danielle, eu também! Passei 20 anos fazendo tudo errado... Vou passar o resto da minha vida pedindo perdão a Deus por ter feito de seus Sagrados Mistérios um espetáculo! :( Agora eu sempre penso que quando estamos cantando o Glória, o Santo, o aleluia, estamos com os Anjos e Santos diante do Trono do Cordeiro, descritos no Apocalipse (obrigada, Scott Hahn!) Não vejo ali agitar de braços e nem palmas, vejo? Então, como nós fazemos aqui na terra o que é feito no Céu, procuro imitar os anjos e santos. Pronto!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # João Marcos 08-08-2014 16:13
Vale a pena conferir a Variates legitimae: "42 Entre alguns povos, o canto é instintivamente acompanhado por palmas, balançando rítmica e movimentos de dança por parte dos participantes. Tais formas de expressão externo pode ter um lugar nas ações litúrgicas desses povos, na condição de que eles são sempre a expressão da verdadeira oração comunitária de adoração, louvor, oferenda e súplica, e não simplesmente uma performance". Importante: o que é chamado dança litúrgica encontrado na liturgia zairense não tem nada a ver com o que vemos pelo Brasil, tem expressa previsão e nem é o foco daqui. O que eu acho interessante é o critério do referido documento para o uso de palmas ritmadas, "expressão da verdadeira oração comunitária de adoração, louvor, oferenda e súplica, e não simplesmente uma performance". Eu não gosto de acompanhar os cantos com palmas, mas fato é que as mesmas não são proibidas e nem contrárias à liturgia, cabendo o bom senso na utilização (os próprios cantos escolhidos podem favorecer as palmas ou contê-las). Seja como for, não adianta dar uma de mártir e achar que vai corrigir este ou aquele abuso litúrgico na sua paróquia só porque o sujeito aprendeu meia dúzia de rubricas. Existem questões muito mais complexas que o simples cumprimento das normas, que passa inclusive por autoritarismos e relações de poder (tem gente que faz o que faz não por ignorância, mas para marcar território e demonstrar força).
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 08-08-2014 17:01
Sim, sobre o uso das palmas para acompanhar as músicas, desde que não se perca o devido decoro, nós fizemos a devida obervação no post, inclusive postamos um vídeo como exemplo.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Paulo 08-08-2014 11:51
Sendo a S Missa o Sacrificio incruento de Cristo na cruz, bater palmas, liturgias com sonzãos, além outras dissipações, não passam de, à morte de Jesus, estarem lá aplaudindo seu sacrifício, mais se parecendo com a turbas que gritavam "Morra ele". Aplausos são sinais de aprovação do que se realiza e silencio é discordancia. O saudoso papa Bento XVI comentou o Domenica Coena de autoria de S J Paulo II confirmando seu parecer contrario à adoção de emotividades exteriores nas S Missas, de que também discordava dessas manifestações, ações de seitas pentecostalistas e certos RCCs "auês", totalmente para ambos procedimentos anti litúrgicos, transformando-se em profanos shows.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Formação para músicos: Ao cantar na missa qual a minha postura com relação as palmas? | Dominus Vobiscum 06-08-2014 16:05
[...] um post que concorda com o que ensina o Professor Felipe Aquino, muito embora afirme sabiamente que não vale a pena fazer disso um cavalo de batalha e travar um guerra santa por este motivo. Eles trazem em um de seus posts um vídeo descoberto recentemente (ao menos por mim) em que o Papa [...]
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Luiz 04-08-2014 15:47
Caríssimos (o cara se achando que vai escrever uma epístola HU3), como vocês sugerem proceder caso vivam numa paróquia em que todos esses hábitos estão firmemente arraigados? Não apenas as palmas como forma de acompanhamento musical, mas cantos de aniversário dos paroquiando após os avisos paroquiais, homenagem ao padre através de palmas, venda de livros e CDs de oração dentro do templo (ali no cantinho, mas é dentro!)...entendo que todos são gestos de alegria da comunidade que convive junta e que a arrecadação de fundos para a paróquia é importante, mas como você bem disse tudo isso prejudica o sentido sacrificial (ainda que incruento) da Missa. Como lidar com isso? Tem que ser com caridade e "com jeitinho" mostrando que tudo tem hora e lugar ou posso imitar Jesus quando expulsou os mercadores do templo? Hehehe
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 04-08-2014 16:17
Oi, Luiz! Creio que o melhor caminho, em primeiro lugar, é o da educação com gentileza e jeitinho. Vai educando o povo de forma firme, mas amorosa, e dando soluções criativas para evitar grandes choques. Por exemplo: para substituir a cantoria pelos aniversariantes dentro da missa, que tal o padre dizer: depois da missa, lá fora estarei dando uma bênção especial para os aniversariantes, com água benta. E aí pode-se cantar rá-tim-bum e tudo o mais. Ou seja, não precisa cortar o hábito de forma abrupta, mas pode-se dar alternativas mais adequadas. Agora, a amabilidade vai até certo ponto. O pároco, então, deve saber o momento certo de ser duro, quando necessário.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Luiz 05-08-2014 09:44
Oi, Vivi Acho que não ficou claro, mas eu não sou pároco, nem padre, nem nada na paróquia. Sou só um leigo mesmo. No caso eu estava pensando em comentar com o pároco sobre isso, mas não sei fazê-lo de forma educada e que não pareça acusatória...
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Christiane 21-08-2014 13:10
Pode também, no lugar dos parabéns, rezar uma Ave-Maria pelos aniversariantes... bem melhor!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 05-08-2014 11:12
Sim, eu sei, rs.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Laryssa 02-08-2014 01:53
Fiquei horrorizada com o vídeo do "Circo em Aparecida"... Mas em relação ás palmas, sou a favor, porém na hora certa é claro. Já que estamos na Casa do Senhor, é motivo de alegria, de palmas mas nas horas em que o Senhor é louvado. E alguns padres após a leitura do Evangelho, erguem a bíblia e as pessoas batem palmas, acho válido também, pois a Palavra do Senhor merece toda a admiração e alegramento pois através dela escutamos o Senhor.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Mari 01-08-2014 17:17
tudo isso se resume ao simples fatos de irmos a Santa Missa e usarmos desse método com bom senso e equilíbrio. A manifestação em Palmas não são tão ruins, são formas de manifestação de adoração ao Senhor também, confirmação de somente Ele é grande e Maravilhoso capaz de grandes feitos em Nossa vida!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Robson Paz 01-08-2014 11:44
Acredito que o papa condenou as palmas como sendo aplausos, como manifestação de alegria, de apreço a homens. Não se pode "humanizar" a santa missa. Cristo e o calvário é que são o centro. Agora não vejo esta advertência como sendo as palmas num momento de um glória, por exemplo, ou do Santo, onde elas, de maneira comedida, fazem parte da expressão de louvor, louvor este que a santa missa também é.Se a Santa missa é a celebração da morte de Jesus, a sua atualização, e isto realmente é, ela é também banquete. É isso que vivemos no glória, no Santo. Agora ninguém vai estar batendo palmas na consagração, ou muito menos na hora da paz, ou no cordeiro. Esta é minha visão de acordo com o pouco que li, que sei. Sei que a igreja não é o lugar para os achismos, para interpretarmos a liturgia do jeito que quisermos, mas não vi nenhuma posição oficial da igreja sobre isso, por isso expresso minha opinião. O bispo da minha diocese mesmo, um homem de Deus e que celebra um liturgia mui dignamente, que morou com João Paulo II por anos, bate palmas na Santa missa. É uma questão difícil mesmo, mas uma coisa é certa: Não podemos banalizar O Santo Sacrifício.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Carlos 31-07-2014 23:43
só uma curiosidade!! Então nada de corais com instrumentos de percussão nas missas, tipo pandeiro, triângulo, tambor????
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 01-08-2014 14:50
Oi, Carlos! Não é bem assim. De fato, a Igreja aconselha que se use, de modo preferencial, somente o órgão de tubos para acompanhar a música litúrgica. Entretanto, outros instrumentos, inclusive de percussão, podem ser admitidos, mas é preciso obedecer alguns critérios, que estão apresentados na instrução de 1967 sobre a música sacra, a Musicam Sacram: "Outros instrumentos, depois, podem ser admitidos no culto divino, a juízo e com o consentimento da competente autoridade eclesiástica territorial, desde que eles sejam adequados para o uso sagrado e favoreçam realmente a edificação dos fiéis”. "Ao permitir o uso de instrumentos musicais e na sua utilização deve-se ter em conta a índole e as tradições dos povos particulares. No entanto os instrumentos que, de acordo com o juízo e o uso comum, são próprios da música profana, sejam mantidos completamente fora de toda ação litúrgica e dos exercícios piedosos e sagrados. Todos os instrumentos musicais, admitidos ao culto divino, sejam utilizados a fim de atender as necessidades da ação sagrada e servir ao decoro do culto divino e à edificação dos fiéis". "O uso de instrumentos musicais para acompanhar o canto, pode apoiar as vozes, facilitar a participação da assembleia e fazer mais profunda a assembleia. Porém o seu som não deve cobrir as vozes, dificultando a compreensão do texto; de fato, os instrumentos musicais calam quando o sacerdote celebrante ou um ministro, no exercício do seu cargo, dizem em alta voz um texto próprio deles”. Ou seja, aquela bateria feroz e ensurdecedora que mal deixa a gente entender o que o coral está cantando, essa não serve pra missa. Agora repare no vídeo que postamos da missa em Kuito (você viu?): veja com que doçura e compreensão do rito sagrado os músicos estão tocando! Eles usam vários instrumentos de percussão, mas com grande decoro, apenas apoiando as vozes, que são o destaque. Aí sim! Se quiser saber mais, leia: http://www.zenit.org/pt/articles/o-uso-do-orgao-no-advento
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Juliano A.R.P 21-08-2014 15:07
UFA!!!Ainda bem que o baixo é permitido...kkk... Sou músico na minha Paróquia e sempre recebemos informações sobre música litúrgica e de fato, a música deve seguir, além disso as vozes devem aparecer para que o povo ouça e cante a liturgia.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Daniel 31-07-2014 20:11
Perfeito. Basta um pouco de bom senso do povo e pronto. Confesso que ontem lembrei do texto quando assisti à missa do Pe. Roger na Canção Nova. A cada 10 minutos de homilia uma salva de palmas. Aí realmente é brabo....
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 31-07-2014 15:01
Com a palavra, um bispo emérito, Dom Frei Alano Maria Pena, OP... NOTA DE ESCLARECIMENTO A RESPEITO DO GESTO DE BATER PALMAS NA SANTA MISSA Considerando que o gesto de bater palmas na Missa tornou-se em vários lugares exagerado, gerando desconforto, perplexidade e ainda não poucas dificuldades para propiciar um clima de recolhimento como deve ser o da Celebração Eucarística. Preocupados com versões alarmantes e distorcidas de que este gesto teria sido proibido, já pelo Papa ou pelo Arcebispo; oferecemos as seguintes pontualizações para a reflexão: 1) Não se trata de proibir mas de restringir o uso do gesto das palmas na Missa, uma vez que elas não são reconhecidas como um sinal litúrgicos pelo ritual e também não se compatibilizam com a natureza sacrifical da Missa, que como sabemos é renovação incruenta da paixão e morte de Nosso Senhor Jesus Cristo, memorial da nossa salvação. 2) O Papa Bento XVI, na Carta Apostólica Sacramentum Caritatis, expõe com muita clareza a dinâmica da espiritualidade eucarística em três momentos: acreditar, celebrar, vivenciar. Por isso os gestos devem expressar o que acreditamos, celebrar a nossa fé seguindo o critério Lex orandi, Lex credendi. Determinamos as seguintes orientações: • Que o uso de bater palmas fique reduzido aos momentos de louvor da Santa Missa: o Glória e o Santo. • Que no tempo da Quaresma fique totalmente supresso o gesto de bater palmas. • Que as equipes de liturgia possam refletir e ajudem o Povo de Deus a entender estas orientações, facilitando a sua observância. Lembrando que a Santa Missa é patrimônio espiritual de todos a serviço da Glória de Deus e santificação das pessoas, suplicamos as bênçãos de Deus para todas as Comunidades Arquidiocesanas. Niterói, 09 de setembro de 2010 +Dom Frei Alano Maria Pena, OP Arcebispo Metropolitano de Niterói Dom Roberto Francisco Ferrería Paz Bispo Auxiliar de Niterói
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Luciana Dias Barros 30-07-2014 11:25
Ontem me deparei com uma situação: Uma amiga veio me questionar porque o padre da paróquia que participo não tinha espiritualidade (ela é da RCC). Me fiz de boba, e perguntei porque. - Porque ele não tem animação nas Missas, não levanta os braços, não incentiva as pessoas a terem o Espírito Santo... Nossa que aberração ela falou!!! Desde quando a RCC PATENTEOU o Espírito Santo????? Desde quando não ser animada nas Missas que o Espírito Santo não age nas pessoas???? Eitcha!!!! Tá bem complicado kkkkk
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Christiane 22-08-2014 12:15
Credo, essa tá bitolada no mau sentido, mesmo!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Antônio Prado 30-07-2014 11:39
Então antes da RCC não existia espiritualidade na Igreja, se a Igreja em si é espiritualidade? Jesus então não tinha espiritualidade! Eitcha mesmo!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Deivid Duarte 30-07-2014 00:18
São João XXIII falou isso em 1963, o concílio vaticano II terminou em 1965. A Missa de Paulo VI foi promulgada só em 1969... ou seja o texto está fora do contexto. Interessante é que no Missal não diz para se bater palmas, porém também não diz que para não se bater. O Doc 43, (Animação Litúrgica no Brasil) vai dizer no 209: Além disso, é necessário ampliar a área do canto, hoje ainda um tanto restrita em nosso meio. A Oração eucarística, nas partes permitidas ou ao menos o Prefácio e a Narração da Instituição; as leituras ou a sua conclusão são um campo quase inexplorado ainda. E as aclamações, pelo seu valor de diálogo, comunicação e participação dos fiéis, devem ter mais incentivo e ser mais variadas: cantos, PALMAS ou vivas.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Christiane 21-08-2014 13:08
Deivid, o documento 43 da CNBB NÃO POSSUI aprovação da Sagrada Congregação para o Culto Divino, então... pode jogar fora.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 30-07-2014 01:38
São João XXIII falou isso em 1963, o concílio vaticano II terminou em 1965... E até hoje nunca se teve notícia de nenhum Papa, santo ou beato - nem mesmo a Helena Guerra - batendo palmas, sacudindo os braços ou dançando na missa. Ou seja, estar em espírito de recolhimento, humildes e compenetrados durante a celebração da Missa é o exemplo dado pelos papas, santos e beatos até os dias de hoje, e, portanto, a palavra de São João XXIII não está ultrapassada, como você quer sugerir. Interessante é que no Missal não diz para se bater palmas, e também não diz que não devemos tocar canções religiosas em ritmo de funk, lambada ou rap; também não diz que não podemos plantar bananeira na missa; também não proíbe que façamos ginástica enquanto participamos da celebração. Podemos concluir, então, que se não é proibido, é permitido e adequado? Quanto ao citado documento, ele possui uma série de orientações contestáveis, que se opõem ao que Roma ensina. O cardeal Arinze e o Papa Bento XVI já deixaram bem claro que não se deve dançar na missa de modo algum, mas esse documento estranho apoia a dança da missa. Entre esse documento e o cardeal Arinze e o Papa Bento XVI - e com a Tradição da Igreja - fico com estes últimos. Bem, você já deixou bem claro que considera a declaração de São João XXIII completamente descartável. E quanto a Padre Pio, também acha que o que ele disse sobre a missa deve ser relativizado "está fora do contexto"? "Padre, como devemos assistir à Santa Missa? - Como assistiram a Santíssima Virgem e as piedosas mulheres. Como assistiu S. João Evangelista ao Sacrifício Eucarístico e ao Sacrifício cruento da Cruz.”
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Esmail 29-07-2014 23:23
Li com muita atenção tudo o que foi escrito a respeito das palavras do nosso então Papa João XXIII. Penso que tudo esta celeuma em torno de suas palavras não teriam nenhuma razão de ser, se todos atentassem para um único detalhe: A 'RCC' Renovação Carismática Católica existia então há apenas cerca de três anos... Certamente ele ainda não estava acostumado com a Manifestação Efusiva do Espírito Santo, assim como aconteceu com o nosso querido Papa Francisco, como disse no seu discurso de 1º de junho deste ano, por ocasião da 37ª Convocação Nacional da Renovação Carismática Católica, quando confessou que ele mesmo "achava que tal manifestação parecia de uma escola de samba" e hoje é um entusiasta do RCC. Cristo Vive! A Igreja Católica Vive! Aleluia !
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Daniel 29-07-2014 23:11
Muito obrigado pelo esclarecimento, catequista. Um padre da Paróquia que frequento, ao final de um EAC e durante a homilia da Missa de encerramento, chamou várias pessoas para depor sobre o que haviam achado do encontro. Sem noção total.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Thiago 29-07-2014 22:50
Não acredito que é totalmente intolerável a questão das palmas ou coisa assim... O que mais me deixa "encafifado" é o fato de que as pessoas se utilizam das noticias aqui explanadas para á colocarem a RCC no meio do bolo... Eu creio que a celebração, como o próprio nome já traz é uma celebração com diversos momentos distintos, o momento de sacrifício deve ser visto com a seriedade do momento, no momento de glorificar a Deus, devemos sim GLORIFICAR, com todo a alegria e amor a Jesus, e se minha alegria se faz através das palmas que assim seja, se é através dos gestos que acompanham a música que seja, não creio que Jesus Cristo me privaria do Céu por bater palmas... A falta de de bom senso prepondera. É mais fácil falar em decoro especial, postura, reverência e "abuso de palmas", não consigo conceber que tal assunto ainda permeie no meio católico, alguns paradigmas devem sim ser quebrados, caso contrário a nossa mesma igreja ainda estaria nomeando santos por interesse financeiro e queimando pessoas... Acredito que falta bom senso, somente isso...
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Sidnei 29-07-2014 23:24
"alguns paradigmas devem sim ser quebrados, caso contrário a nossa mesma igreja ainda estaria nomeando santos por interesse financeiro e queimando pessoas…" Estou achando que alguém aqui esta faltando o bom senso de estudar um pouco mais a história da Igreja Católica, mas a verdadeira, e não as contadas por protestantes, ateus, comunas e demais inimigos da Igreja, que é claro, só contam a história da Igreja Católica a maneira deles, ou seja, que a Igreja Católica nomeava santos por interesses financeiros (me aponte um santo que foi canonizado desta forma) e queimando gente (me aponte se somente a Igreja Católica via o Estado aplicava a pena capital aos hereges).
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Jotacê 30-07-2014 10:38
alguns paradigmas devem sim ser quebrados, caso contrário a nossa mesma igreja ainda estaria nomeando santos por interesse financeiro e queimando pessoas... *** Minha nossa, o "espírito-guia" do Chico Xavier está encostado no Thiago! Digo isso com toda a certeza, pois li essas mesmíssimas idiotices anos atrás, quando era espírita e me deixava enganar pelos livrecos "psicografados" dos "espíritos de luz"! Oremos pelo rapaz, pois ele está precisando!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Gêneto Eugenio 31-07-2014 18:56
Muito bom Jotacê!!!! Ele achô lindia a frase que a tomou como de autoria própria... Uma porcaria de frase diga-se de passagem....
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 29-07-2014 23:23
"não creio que Jesus Cristo me privaria do Céu por bater palmas" Esse não é o ponto da discussão aqui. Em nenhum momento do post foi sugerido que quem bater palmas vai arder márrrrrrmore do inferno. Na verdade, até mesmo achamos que esse problema do abuso das palmas seja um mal secundário. Agora, SOBERBA pode levar ao inferno. Fechar os ouvidos à verdade e preferir seguir nossos gostos e ideias pessoais sobre a sagrada liturgia em vez de mergulhar no sentido profundo ensinado há 2 mil anos pelos papas e santos, isso pode levar ao inferno. "Eu creio que a celebração..." Aí já começou errado. A santa missa não é aquilo que a gente pensa que ela seja, mas aquilo que os papas e santos ensinam que ela é. E eles ensinam que ela é a reapresentação da Paixão e Morte de Cristo, e memorial de sua Ressurreição. Note que a Ressurreição é "apenas" uma memorial, enquanto que o Calvário é apresentado novamente diante de nós a cada missa, de verdade, de modo incruento (Cristo não sofre de novo). Essa celebração, portanto, não tem o sentido de "comemoração festeira". Tire isso da cabeça, porque está completamente errado. Alguns momentos da Missa, de fato, permitem maior expressão de alegria, como o Hosana. Mas também nesse momento devemos ter decoro e permanecer compenetrados. Não é uma alegria de micareta, porque em todo e qualquer momento da Missa estamos diante do altar do sacrifício. É um rito sagrado, não uma festinha. "paradigmas devem sim ser quebrados" O que deve ser quebrada é a teimosia dos soberbos e ignorantes, que se dizem católicos mas insistem em difamar a Igreja e em ignorar o ensinamento dos santos e papas. Com certeza, se acham mais sábios do que eles e, como os protestantes, creem ser diretamente iluminados por Deus sobre as coisas da fé, podendo mandar às favas as autoridades da santa Igreja de Cristo. Que Deus tenha misericórdia. Bem, só me resta sugerir que você gaste algum tempo lendo com atenção e amor esta encíclica de São João Paulo II. Ela explica o que é a missa: http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/encyclicals/documents/hf_jp-ii_enc_20030417_eccl-de-euch_po.html
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Christiane 21-08-2014 13:06
Vivi, algumas "liberdades" sobre gestos outras alterações litúrgicas que estavam nas mãos dos bispos e conferências episcopais que estavam inseridas na Sacrossantum Concillium foram revogadas na Instrução Redemptionis Sacramentum: "11. (...) Em alguns lugares, os abusos litúrgicos se têm convertido em um costume, no qual não se pode admitir e se deve terminar." - Não é porque é um costume enraizado que é correto! "19. Finalmente, os abusos se fundamentam com freqüência na ignorância, já que quase sempre se rejeita aquilo que não se compreende seu sentido mais profundo e sua Antigüidade. Por isso, enraizadas na Sagrada Escritura, «as preces, orações e hinos litúrgicos estão penetrados em seu espírito e dela recebem seu significado nas ações e sinais».[20] No que se refere aos sinais visíveis, «usados na sagrada Liturgia e que foram eleitos por Cristo ou pela Igreja para significar as realidades divinas invisíveis».[21] Justamente, a estrutura e a forma das Celebrações sagradas de acordo com cada um dos Ritos, seja da tradição do Oriente seja da Ocidente, concordam com a Igreja Universal e com os costumes universalmente aceitos pela constante tradição apostólica,[22] que a Igreja entrega, com solicitude e fidelidade, às gerações futuras. Tudo isto é sabiamente guardado e protegido pelas normas litúrgicas. Aí vem a parte bacana: 27. A interrupção de todos os experimentos sobre a celebração da santa Missa, tem sido notificada pela santa Sé já desde o ano 1970 e novamente se repetiram, para se recordarem, no ano 1988. Portanto, cada Bispo e a mesma Conferência não têm nenhuma capacidade para permitir experimentos sobre os textos litúrgicos ou sobre outras coisas que se indicam nos livros litúrgicos. Para que se possam realizar no futuro tais experimentos, se requer a permissão da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, que concederá por escrito, prévia petição da Conferência de Bispos. Para isso não se concederá a não ser numa causa grave. No que se refere à inculturação em matéria litúrgica, devem-se observar, estrita e integralmente, as normas especiais estabelecidas. 28. Todas as normas referentes à liturgia, que a Conferência de Bispos determine para seu território, conforme às normas do direito, se devem submeter ao reconhecimento da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, sem a qual, não têm valor legal. Enfim... Não está inserido no livro litúrgico - seja palavra ou gestual - não é pra fazer, mesmo.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Daniel 29-07-2014 22:39
Não vejo mal desde que feito com moderação e dentro do contexto que você mesmo citou no texto :"É importante fazer uma ressalva: em algumas culturas, acompanhar a música com palmas é aceitável e digno." O problema são os excessos. Pergunta: O Missal Romano não prevê as palmas. Devemos interpretar o que não é previsto como proibido?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 29-07-2014 23:04
Daniel, Quanto às palmas a torto e a direito, precisa mesmo toda essa burocracia, precisa mesmo uma proibição formal da Igreja para sabermos que é errado? É algo lógico: tudo o que prejudique a compreensão de que a missa é um banquete sacrificial - e não uma mera reunião festiva entre cristãos - é danoso á fé, é impróprio. É simples! O centro da missa é o altar e a Cruz onde Cristo tanto penou. Acho que isso já diz tudo. Se entendemos o que é a Missa, não precisa a Igreja dizer que é proibido abusar das palmas, plantar bananeira, promover danças coreografadas, tocar rock na missa etc. É óbvio que tais coisas não cabem em um banquete sacrificial. Não necessariamente o que não está previsto no Missal romano é proibido. A Igreja permite alguma flexibilidade na celebração do Rito Romano, mas dentro dessas condições: "Para que a celebração corresponda mais plenamente às normas e ao espírito da sagrada Liturgia, nesta Instrução e no Ordinário da Missa propõem-se algumas ulteriores adaptações, que são da competência ou do Bispo diocesano ou das Conferências Episcopais." (IGMR, capítulo IX, n° 386) Ou seja, nenhum padre ou leigo tem o direito de inserir gestos, rituais e outras inovações não previstas no Rito romano sem a devida aprovação do Bispo, e algumas adaptações mais profundas nem o bispo pode permitir: precisam ser submetidas à Santa Sé. Saiba mais aqui: http://www.salvemaliturgia.com/2010/05/missa-afro-inculturacao-parte-ii.html O Rito oficial do Matrimônio e do batismo permite as palmas pontualmente, como já explicamos no post. Em uma encíclica, São João Paulo II advertiu fortemente os padres que se acham no direito de inserir ao seu bel-prazer elementos não previsto nas normas líturgicas: "O sacerdote, que celebra fielmente a Missa segundo as normas litúrgicas, e a comunidade, que às mesmas adere, demonstram de modo silencioso mas expressivo o seu amor à Igreja. Precisamente para reforçar este sentido profundo das normas litúrgicas, pedi aos dicastérios competentes da Cúria Romana que preparem, sobre este tema de grande importância, um documento específico, incluindo também referências de carácter jurídico. A ninguém é permitido aviltar este mistério que está confiado às nossas mãos: é demasiado grande para que alguém possa permitir-se de tratá-lo a seu livre arbítrio, não respeitando o seu carácter sagrado nem a sua dimensão universal." (São João Paulo II, Encíclica Ecclesia Eucharistia) "Temos a lamentar, infelizmente, que sobretudo a partir dos anos da reforma litúrgica pós-conciliar, por um ambíguo sentido de criatividade e adaptação, não faltaram abusos, que foram motivo de sofrimento para muitos. Uma certa reacção contra o « formalismo » levou alguns, especialmente em determinadas regiões, a considerarem não obrigatórias as « formas » escolhidas pela grande tradição litúrgica da Igreja e do seu magistério e a introduzirem inovações não autorizadas e muitas vezes completamente impróprias. Por isso, sinto o dever de fazer um veemente apelo para que as normas litúrgicas sejam observadas, com grande fidelidade, na celebração eucarística. Constituem uma expressão concreta da autêntica eclesialidade da Eucaristia; tal é o seu sentido mais profundo. A liturgia nunca é propriedade privada de alguém, nem do celebrante, nem da comunidade onde são celebrados os santos mistérios." (São João Paulo II, Encíclica Ecclesia Eucharistia)
Responder | Responder com citação | Citar
0 # rosariomotta 29-07-2014 22:36
De minha parte, procurarei vivenciar mais a Santa Missa, deixando o meu coração bater palmas, quando renovado com a Presença Jesus na Eucaristia, levando para casa um pedaço do Céu.(Em casa Missa participada, vivenciamos o Céu na terra.) Aleluia! Jesus Ressuscitou no meu coração.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Daniel 29-07-2014 19:11
Mas essa questão foi uma opinião pessoal do Papa ou um dogma? Particularmente, não vejo nenhum mal nisso, mas é só minha opinião. Pior são os 500 mil avisos que ninguém presta atenção. Com relação à reportagem do Fantástico, o Pe. disse que só fez 2 exorcismos. Os outros não foram. Não gostei foi do deboche do outro Pe. que disse que não precisava fazer o curso no Vaticano porque ia ouvir o que já sabe. Humildade e obediência ao Magistério passaram longe dali.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Sidnei 29-07-2014 23:51
Daniel, a questão não esta tanto nos números de exorcismos que foram feitos pelo tal padre que a apareceu na reportagem, mas eu direi o que esta jogo nestes dois pontos: 1º) Que o exorcismo deva ser feito segundo o que manda a Igreja, a começar pelo que esta no Catecismo da Igreja Católica & 1673 o qual termina dizendo que se deve averiguar se a pessoa realmente esta possessa ou não, ou seja, somente após a vários exames o qual demonstrou a pessoa não esta com algum distúrbio mental ou psicologico é que então se pode partir para algum exorcismo. 2º) Aquela cena o qual as pessoas aos gritos, berros, agitações corporais, que se jogavam ao chão, aquilo foi uma demonstração de histeria coletiva e não de fé, e o que é pior, pareciam pessoas possuídas pelo diabo, e aí o padre chamavam estas pessoas, colocavam as mãos nelas e proferiam umas orações, e aí se pergunta, aquilo parecia ser um exorcismo ou outra coisa. Se era outra coisa, fica difícil dizer que também não era exorcismo, pois tudo parecia ser tudo a mesma coisa, o que pode confundir ainda mai a cabeça de todo mundo. Isto para mim é pura imitação destas igrejolas protestantes pentecostais e neo-pentecostais, que alguns padres, movimentos e leigos católicos adoram copiar, o que acho ser de um mau gosto incrível. A Igreja Católica não precisa copiar nada destas igrejolas, nós temos 2000 anos de história, hoje a Igreja mais sabia, tem normas mais apuradas para prever se uma pessoa esta possessa ou não, trata-se verdadeiramente de alguma possessão diabólica, ou se é algum distúrbio psíquico, mas tem gente que teima em querer desobedecer a Igreja e parte para o vale tudo, seja na liturgia, nos abusos que ocorrem como as palmas nas missas, ou nesta questão dos exorcismos. Volto a repetir, se os senhores Bispos e o Vaticano não abrirem os olhos para isto, mais cedo ou mais tarde a coisa estará não esculhambada que não me surpreenderei em ver algum padre "exorcista" dando entrevista ao capeta que esta em possessão de alguém, como ocorrem nestas igrejas protestantes pentecostais e neo-pentecostais por aí, e que se apresentam nas TVs pelas madrugadas afora.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Marjory 30-07-2014 13:52
Bem falado! Tenho um grande amigo, irmão e "mentor" que é parapsicólogo ligado à Diocese da minha cidade natal. Ele atende diversos casos de pessoas que já desistiram de tentar o "exorcismo" nos cultos afro, protestante e sessões espíritas. Em 20 anos de trabalho meu amigo nunca encaminhou UMA ÚNICA pessoa ao padre exorcista da Diocese. Todos os casos foram resolvidos com ajuda médica e psicológica. Graças a Deus todas as pessoas estão bem e vivendo normalmente. Fiquei chocada com essa reportagem. Existem tantos "catolicrentes", por conta deste tipo de sacerdote. Paz e bem!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 29-07-2014 19:15
Daniel, Óbvio que não é dogma. Dogmas são pilares da fé católica, pronunciamentos definitivos e infalíveis sobre fé e moral. Mas o fato de não ser dogma não diminui a sua importância. O Papa deu um ensinamento que está em harmonia com tudo o que os santos disseram sobre a missa ao longo de 2 mil anos. É muita falta de simplicidade desconsiderar isso com a desculpa de "não é dogma". Observemos o fato de que nunca se viu um santo, papa ou beato batendo palmas na missa. E eles são nossos principais exemplos para imitação. Como bem disse a Marjory, "as pequenas concessões, no futuro, acabam gerando problemas maiores". Os padres estão fazendo a concessão de deixar o povo aplaudir à vontade nas missas (não somente nos poucos momentos previstos em certos ritos e ocasiões), por todo e qualquer motivo, até pra cantar parabéns pra você. E assim acaba-se o entendimento de que o templo exige um decoro especial, uma postura de reverência. Das palmas abusivas, passa-se para todo o tipo de bizarrice, em nome da "alegria". Você ainda não vê mal nisso?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Guilherme Mariano DeJ 29-07-2014 18:39
Hoje grande parte das igrejas e galpões católicos como aquele do padre Marcelo Rossi se transformaram em baladas. As Missas se resumem a gritos, palmas,pulinhos e tocam músicas seculares. As pessoas estão perdendo a noção do que é sagrado.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # João Paulo 29-07-2014 18:14
Olá "o Catequista"! Infelizmente, juro q não lembro o nome da encíclica assinada pelo Papa João Paulo II (se não me engano, também por Bento quando era cardeal) que ditava sobre a postura na liturgia. Lá falava sobre o ato de bater palmas e até mesmo sobre danças na liturgia. Pelo que lá esplicava, isso pode ocorrer de acordo com a cultura de cada região, mas respeitando os significados e os momentos da liturgia. Pelo que entendi, pode, mas cada coisa no seu momento... Se está num momento de louvor, pode... Se é um momento penitencial, nããão!... Enfim, li no próprio site do vaticano após algumas pesquisas... Vale a pena conferir. Paz e bem
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Marjory 29-07-2014 17:48
Antes mesmo deste post, fiz outras leituras que me fizeram entender que não devo bater palmas na missa. Infelizmente as pessoas não tem a justa medida das coisas e contar com o "bom senso" em determinadas situações é complicado. Já vi cada coisa na paróquia que frequento que me deu vontade de morrer. Acho que as pequenas concessões, no futuro, acabam gerando problemas maiores. É visível na minha paróquia, que o ninguém se preocupa com "mais importante", ninguém escolhe o melhor. Em dia de festa a Igreja se reúne para encenar peças no lugar das liturgias e tocas músicas histéricas pro povo enlouquecer... Isso me entristece tanto que me dá vontade de chorar. ;( Deus nos abençoe!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Alex Hoffmann 29-07-2014 17:20
Me deu uns 10 tipos de ruim, inclusive vergonha alheia pela novena de Aparecida. Quanto a bater palmas na Igreja durante uma Celebração, não bato nem a força, nem que eu esteja na frente do padre. Não é o bater palmas que vai transformar uma missa mais alegre, a alegria quando contida e demonstrada no sorriso levemente exposto já tá mais do que bom, até porque a missa não é para mim, nem para o povo muito menos para o sacerdote, a missa é rezada pelo padre para Deus, acompanhada pelos fiéis. Se não é isto, então não sei o que é a Santa Missa, e também não irei mais a missa na minha vida. Minha alegria já é exteriorizada no momento em que dá-se a Paz no aperto de mão a meu irmão que do meu lado está. Bom, pra variar, na capela do seminário onde participo com minha comunidade o Sacrário fica na diagonal, enfiado numa parede, na Igreja Matriz da minha cidade é pior, fica do lado, e enfeiado com um mal gosto, o Altar Mor nem existe, e no lugar onde deveria estar Nosso Senhor Jesus Cristo, não tem nada, mal e porcamente uma Cruz feia pra chuchu. Na minha comunidade existe o costume de bater palminha pra aniversariante, dai aparece gente que atende celular durante a missa, gente que chega em cima da hora ou muitas vezes atrasado, sai no meio da missa pra dar uma respirada, pior, todas as catequistas gostam de usar a expressão: a catequese tem que ser dada com o coração, não é a razão que faz o sentido aqui, aí já perguntei, e como vocês explicariam algum dogma? Silêncio, ninguém me respondeu. Teatrinho com a piadinha do mala men (alguém conhece? Livrai-nos do mal! Amem!) durante a missa, dinâmicas com os catequisandos com o torta na cara realizada por alguns catequistas (catequista celso portioli, esta não está no que um catequista não deve fazer). E eu, um jumento no meio disso tudo sem saber por onde começar, apenas acompanhando este ano, talvez ano que vem eu terei uma turma só minha, aí, nada de ensinar palminhas, nada de coraçãozinho, é a doutrina da Igreja Católica, bem explicada na veia.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Jéssica Cristina De Oliveira 29-07-2014 16:56
Boa tarde a todos!! Olha achei muito interessante esta matéria, mas acho que devemos ser discretos nas nossas expressões de alegria e louvor... Não sou contra e nem a favor das palmas, sou a favor que a celebração da Santa Missa seja feita com serenidade e seriedade pois se trata do Sacrifício de Cristo... mas sou completamente contra a atos de folia como se a Igreja fosse um palco ou ainda que fosse a avenida da sapucaí... mas acredito que devemos ter o bom senso e que não devemos mudar o outro e sim começar a mudar por nós mesmo... beijos e ate ++
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Luís Felipe 29-07-2014 16:49
Acho muito boa a distinção que Os Catequistas fazem entre os aplausos e as palmas ritmadas que acompanham músicas alegres. Essas últimas são um fortíssimo traço cultural da América Latina e África e proibi-las seria um aprisionamento. O próprio Cardeal Arinze em seu famoso vídeo contra a dança litúrgica fala da dança enquanto traço cultural nos países da África. Infelizmente essa distinção que nunca se vê quando se discute o assunto é que gera essa polêmica. Mais uma vez Os Catequistas estão de parabéns (mas sem palmas).
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Melquiel Luiz de França Júnior 29-07-2014 16:29
Falei palmas DEPOIS e não DURANTE a celebração. E para ficar mais claro ainda depois da benção final.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Roberta 29-07-2014 13:29
Sobre o vídeo da Novena em Aparecida: será que havia alguém lá pra puxar um Terço? Ou foi expulso de lá? Porque esse vídeo é revoltante! Me fez até perder a vontade de visitar o Santuário! Não sou nenhuma santa, nem perfeita, só uma mísera ignorante na fé, só acho que não precisa de nenhum Joãozinho Trinta nem de "Sapucaí Feelings" pra agradar a Deus, se o meu coração estiver em desordem!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Daniel Pinto 29-07-2014 13:16
Por nada. Agora um pouquinho sobre Magistério Ordinário X Extraordinário. Vai ser breve!! Magistério Ordinário: É o ensinamento comum do Papa e dos Bispos, é infalível(Isento de Erro)QUANDO por sua continuidade, espelha fielmente a TRADIÇÃO, caso contrário não é infalível. Magistério Extraordinário: É aquele que se dá quando o Papa SOZINHO ou os Bispos de todo o mundo juntamente com ele, proclamam solenemente ou em algum concílio uma verdade de FÉ(Ex-Catedra). É sempre INFALÍVEL. Último Papa a Falar Ex-Catedra foi PIO 12, isso não quer dizer que tudo que os Papas falaram de lá pra cá, não se deva dar crédito. Se o que foi ensinado se espelha fielmente na Tradição, então é infalível. Tradição Apostólica é todo o ensinamento que os Apóstolos transmitiram Oralmente para as primeiras comunidades e foi passando de Geração em Geração, essa é Imutável, pois verdades não muda nunca. Diferente da Tradição Eclesiástica que foi construída ao longo dos séculos, essa pode ser conservada, alterada e até mesmo abandonada com o passar dos séculos. É Mutável. Por exemplo: O sapato e a capa vermelha do Papa, a Tiara Papal, os ritos litúrgicos as vestes litúrgicas, os protocolos que o do Papa segue, tudo isso é tradição eclesiástica e pode mudar com o tempo. Não são verdades absolutas. Mas a Tradição Apostólica nos ensina verdades de Fé e Moral tal como: A Virgindade Perpétua de Maria, a Assunção de Maria, o Purgatório, Sacrifício incruento da Missa como sendo o próprio sacrifício do Calvário etc... Essas Verdades são absolutas e Imutáveis. Desculpe escrever tudo isso, mas queria esclarecer que nem tudo que um Papa fala é de caráter infalível, pois o seu magistério Ordinário nem sempre é infalível. Mas Creio que João 23 ensinou fielmente segundo a Tradição Apostólica de que a Missa é o Sacrifício da Cruz, portanto devemos dar crédito sim ao que ele fala. De fato não faz sentido bater palmas no Calvário diante do Crucificado, não quer dizer que devemos ficar tristes, deprimidos e chorando na missa, mas sim serenos, recolhidos em espírito de reverência e adoração ao Crucificado que se entregou a morte para nos salvar.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Rosemeri 29-07-2014 13:03
Padre Manoel, sabias palavras. A prudencia e a sabedoria é muito importante. Eu fiquei escandalizada como o vídeo mostrado do Santuário da Mãe Aparecida. Aquelas musicas e aqueles carros alegóricos isso sim me deixou muito triste. Sem querem me comparar com a Mãe, imagina Ela na casa do Seu Amado Filho. Gente o Bispo não poderia permitir isso. Musicas incompatíveis com a Liturgia.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # oney 29-07-2014 12:53
oh coitado do aniversariante!!!!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Jotacê 29-07-2014 12:12
Até eu, que sou um ignorante (e não estou sendo falsamente modesto, estou sendo realista - sou muito, muito ignorante!) entendi a determinação, que é clara, cristalina, preto no branco, e como se dizia antigamente, "pão, pão, queijo, queijo": NÃO SE PODE BATER PALMAS NA MISSA, EM HIPÓTESE ALGUMA. NÃO SE PODE BATER PALMAS NA MISSA, EM HIPÓTESE ALGUMA. NÃO SE PODE BATER PALMAS NA MISSA, EM HIPÓTESE ALGUMA. NÃO SE PODE BATER PALMAS NA MISSA, EM HIPÓTESE ALGUMA. NÃO SE PODE BATER PALMAS NA MISSA, EM HIPÓTESE ALGUMA!!! Cacilda, qual é a dificuldade em compreender isso? Por que DIABOS as pessoas ficam tentando ajustar a Igreja e a Missa às suas próprias ideias, ao invés de tentarem SE ajustar? Pô, tem horas que cansa, viu!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Luciana Dias Barros 29-07-2014 12:37
Jotacê... tem hora que só nos gritos mesmo. Dá vontade de pegar um chicote e fazer como Jesus fez no templo. kkkkkk
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Jotacê 29-07-2014 15:28
Pois é, Luciana... Fazer essa turma, que gosta de aplaudir fora hora e lugar, dançar LAMBADA! :D
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Daniel Pinto 29-07-2014 12:11
Convido os leitores a lerem esse artigo do Veritates Splendor, lá mostra a doutrina Oficial da Igreja: http://www.veritatis.com.br/doutrina/sacramentos/8297-a-santa-missa-atualizacao-do-sacrificio-comemoracao-da-ressurreicao A Missa é a Atualização do Sacrifício da Cruz e apenas Comemoração da Ressurreição de Cristo. Entendam a diferença de Atualização e Comemoração. Padre Batista Nunes Vieira, vale a pena ler e conhecer de fato o que é a Santa Missa!! O último Papa a falar Ex-Catedra (De forma Infalível) foi PIO 12 em 1 de Novembro 1950. O Povo precisa parar de achar que tudo que um Papa fala é infalível. Tudo bem que João 23 não falou Ex-Catedra, mas transmitiu o ensinamento oficial que Igreja ensinou através dos séculos. Diferente do que anda fazendo o Papa Francisco. 90% da Liturgia da Igreja é voltada para o Sacrifício da Cruz e apenas 10 para a Ressurreição!! Atualização X Comemoração!!! 1Coríntios 11, 26- Assim, todas as vezes que comeis desse pão e bebeis desse cálice lembrais a Morte do Senhor, até que ele venha. Interessante que São Paulo não fala da Ressurreição e sim da Morte do Senhor quando celebramos a eucaristia. Claro que Jesus Ressuscitou, senão nossa fé seria em vão. 1Corintios 15, 13-14.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 29-07-2014 12:16
Daniel, Esse artigo que você indicou é ótimo, obrigada!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Sandrine 29-07-2014 12:07
Assisti a reportagem no fantástico Sidney. Você já foi a uma missa de cura e libertação? Conhece algum padre ou ministro de cura e libertação? Já presenciou um exorcismo? Bem, existem casos simples ou extremos. Como exortou o papa Francisco: O demônio existe. Quem não reza para Deus, reza para o demônio.Veja na cena da psicóloga! Viram um objeto pagão logo ao lado dela? Não sei se é na casa dela ou consultório. Não poderia acreditar no que vira se ali mesmo já identificamos ao que ela acredita.Não esqueçam do ensinamento de Santo Agostinho "Prefiro errar com a Igreja do que acertar sem ela". O antropólogo afirmou que os protestantes também fazem exorcismos.Mas como? Sem o culto a Virgem Maria, São Miguel Arcanjo, São Bento? Eu acredito no que vi. E se existe algo disfarçado de verdade que o espírito Santo nos revele! Leia sobre demonologia na Igreja Católica. Estude um pouco para não se admirar muito por aí. Salve Maria!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Christiane 21-08-2014 12:42
Lucas, falou tudo! Sessões para exorcizar pessoas reconhecidamente possuídas têm hora e lugar, não na Santa Missa. Nunca vi padre exorcista fazer sessão na Missa, sempre tem hora e lugar reservados, afastados dos olhares curiosos. Exorcismo não é espetáculo! Há algumas vezes em encontros de oração, sim, momentos de manifestações físicas muito fortes, que eu já presenciei, com gritos e tudo mais. Mas nada a ver com exorcismo!!!! Há uma analogia muito interessante que já ouvi sobre um momento de cura e libertação como um parto. É doloroso se libertar de pecados de estimação, de vícios, de maus hábitos, assim como é doloroso trazer uma vida ao mundo. É a vontade de largar tudo aquilo versus a dependência de tudo aquilo, não sei se me fiz entender...
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Sidnei 29-07-2014 13:34
Sandrine, nunca fui a uma missa de cura e libertação, e se for daquela maneira que foi apresentado na TV, nunca irei querer ir. Pois aquilo não parecia missa alguma, pareciam ser um monte de gente histérica, isto sim. Não se trata de desmentir a existência do demônio e muito menos a sua possessão em alguém, o que se trata, é que tudo deve ser feito dentro das normas da Igreja, tal como eu coloquei e que esta no Catecismo da Igreja Católica, será que até isto vocês querem contradizer em nome de uma "missa de cura e libertação"?. Já assisti várias missas destas, celebradas pelo falecido Pe. Leo, e não me lembro de haver estes atos histéricos, típicos de igrejas protestantes, mas agora que aparecem estes padres, que queren imitar os protestantes em tudo, desde canções, a agora até com exorcismos a torto e a direito, a só falta agora entrevistas com capeta, e até poderá surgir algum destes padres, com a ideia maluca de se construir um templo = a de Salomão = a do Edir Macedo, mas maior ainda, ou seja, o que falta para os senhores bispos e o Vaticano abrirem os olhos para colocar em ordem esta bagunça toda?.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Lucas Farias 29-07-2014 15:35
Sobre Missas de 'Cura e Libertação' lembro-me da minha coordenadora de grupo, na ocasião e hoje comadre dizendo: " Toda Missa é de Cura e Libertação, pois quem Cura e Liberta é o Cristo Eucarístico, que está presente em toda a Missa"
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Padre Batista Nunes Vieira 29-07-2014 12:04
Veja, querido irmão, também não concordo com farra carnavalesca, mas também não concordo com celebrar a Santa Missa com cara de amargura! Não estou desdizendo os Santos, mas propondo um equilíbrio! Também não concordo com escândalos litúrgicos que vemos por ai! Também peço desculpas por incompreensões! De fato aqui eu falo sobre o acompanhamento com palmas!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 29-07-2014 12:12
"...também não concordo com celebrar a Santa Missa com cara de amargura!". Sim, então somos dois! Nisso estamos de acordo. O cristão, na verdade, é o mais feliz de todos, porque tem a amizade de Jesus. Mas o povo católico precisa entender urgentemente que reverência, recolhimento e sobriedade nada tem a ver com chatice ou tristeza! É demonstração de respeito e da humilde compreensão da grandeza e beleza da santa missa. Se fôssemos testemunhas oculares da ocasião em que Jesus saindo do túmulo, será que saltaríamos e bateríamos palmas? Ou nossa alegria e devoção seria tamanha que nos mergulharia em um profundo silêncio de adoração? Creio que o nosso povo precisa ser educado nesse sentido. E, mais uma vez, chamo a atenção para o gestual e as expressões do Papa Francisco durante as missas. Ele, sempre tão sorridente, espontâneo e brincalhão, exala sobriedade e reverência diante da atualização do Mistério da Paixão e Morte de Cristo, e memorial de sua Ressurreição. Creio a cara dele não é de amargura, mas de serena adoração.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Padre Batista Nunes Vieira 29-07-2014 12:32
Valeu querido irmão! Deus abençoe vocês!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # antonio carlos 29-07-2014 11:45
Mas tudo tem que ser feito para anunciar Jesus, desde que não haja exagero
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Pe. Manoel 29-07-2014 11:36
Caros irmãos, A Paz! Entendo que bater palmas na missa é um gesto relativamente novo em nossas liturgias... gesto este existente somente em algumas culturas, como foi muito bem expresso acima. São João XXIII, no vídeo acima, chamou a atenção de todos não porque batiam palmas na missa, mas porque saudavam-no efusivamente, inclusive ouve-se brados de seu nome... Entendo que toda forma de exagero e atitudes inadequadas na missa (como também em todos os outros atos litúrgicos!) devem ser proibidos. Ademais, tenho visto vídeos de celebrações que, para além das palmas, vejo meus irmãos sacerdotes fazerem coisa piores, como usar o Santíssimo nas ditas missas do Cerco de Jericó, para usá-lo como "martelo" para quebrar o muro. Ou então outro que usou a cruz processional para arrebentar o muro, quebrando-a inclusive... Lastimável!!! Verdadeiras profanações!!! Cansei de comentar isso com autoridades da nossa Igreja. Hoje apenas faço este comentário, se me permitem! Enfim, não vejo mal algum em se utilizar o gesto das palmas em algum momento da liturgia, desde que tudo seja feito com decoro e devoção... Lembremos que a Sagrada Escritura está pontilhada de gestos como este para louvar o Senhor! Uma observação: A missa não é somente o Santo Sacrifício de nosso Senhor! Ela é a celebração do Mistério Pascal de Jesus Cristo (morte e ressurreição!). O altar é o lugar por excelência da morte (sacrifício) como também da ressurreição (o pão e vinho, corpo e sangue, dado por todos nós por Jesus Cristo ressuscitado!). Daí a missa ser ao mesmo tempo, lugar da redenção e salvação por excelência. É por isso que bater palmas na missa está longe de ser, como disse alguém, uma atitude de aplauso aos algozes de Cristo! Se ela é o memorial da morte e ressurreição de Jesus ("fazei isto em memória de mim"), então é uma celebração festiva, alegre (espero que me entendam!), mesmo que se celebre em memória de um fiel falecido! Quanto ao silêncio, os documentos da Igreja propõem-no! Leiam a Instrução dos livros litúrgicos, como também a Verbum Domini do Papa Bento XVI. Para ficar somente com os mais atuais. Tudo é uma questão de se colocar em prática aquilo que manda a santa Liturgia e não ficar inventando salamaleques por aí... Entendo que uma forma de "moralizarmos" a liturgia é se aprofundando nos documentos da Igreja! Um abraço a todos e que Deus os abençoe! Parabenizo ao site pelo esforço de formar e anunciar a Verdade!!!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Padre Batista Nunes Vieira 29-07-2014 12:30
Um grande abraço, meu irmão no ministério! Gostei muito das palavras! E um abraço aos administradores de "O catequista"! Gosto dos artigos e em nenhum momento eu quis aqui contradizer a Igreja!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 29-07-2014 12:37
A sua bênção, Padre Batista! Um grande abraço ao senhor também.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 29-07-2014 12:03
Olá, Pe. Manoel! Obrigada pelo comentário bem ponderado. Agradecemos também suas palavras gentis de incentivo ao nosso trabalho. O senhor disse: "Enfim, não vejo mal algum em se utilizar o gesto das palmas em algum momento da liturgia, desde que tudo seja feito com decoro e devoção..." Aí está o grande problema. DECORO e DEVOÇÃO são palavras que perderam completamente o sentido para muitos de nossos sacerdotes e fiéis católicos, como fica claro no deprimente exemplo que o senhor deu sobre o Cerco de Jericos... ops, Cerco de Jericó. Em muitos de nossos templos, são comuns as gritarias, as danças e saltos dignos de micareta, bandeiras sacudidas... E, como o Higor citou em um comentário aqui, agora está virando modinha promover discotecas dentro da igreja. O abuso do uso das palmas, certamente, abriu caminho para toda essa esculhambação. Criou-se a noção de que o templo é lugar para se demonstrar uma alegria efusiva, vibrante, e não devota, humilde e reverente. Daí para as profanações carnavalescas e circenses, foi um pulo. Grande abraço, a Paz de Cristo!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 30-07-2014 14:42
Pe. Manoel, Copiei da nossa fanpage a nova resposta que o senhor nos deu, e colo aqui, pois enriquece muito a reflexão. Mais uma vez, obrigada! "Concordo, caro irmão... Entendo que o problema é muito mais sério que o "bater palmas na missa"... Há sim um problema sério em nossa Igreja, qual seja, o desconhecimento dos documentos da Igreja, da história da Igreja, da Tradição, etc... Sofremos do mal que é fruto da situação histórica a qual estamos inseridos: o relativismo religioso associado ao falso humanismo cristão... "Então, a questão não é se se pode bater palmas ou não. A questão é muito mais grave! Quando eu digo relativismo estou lembrando de nosso querido Papa Bento XVI que tanto alertou para esse perigo. Aliás, ele é fruto de outro problema mais grave ainda: a falta de fé! É, é isso mesmo que eu disse: falta de fé! Pois fé não significa participar de uma missa, fé não significa que a pessoa reze, fé não significa que a pessoa é devota a este ou a aquele outro santo, etc. Na Porta Fidei o Papa Bento XVI nos alertava que fé é a adesão à pessoa de Jesus Cristo. A fé é algo muito mais profundo que nos leva a viver dois sinais importantíssimos e que estão expressos na Santíssima Eucaristia: o Amor e a Unidade. Daí o trabalho de vocês ser fundamental nesse meio de comunicação. É por isso que agradeci vocês por "formarem" e "anunciarem" a Verdade que é Jesus Cristo! Este é o caminho para nos aprofundar no conhecimento da nossa Igreja, Esposa ilibada do Salvador! "Por fim, o falso humanismo cristão. Já há alguns meses conversava com internautas de outro site católico sobre a finalidade da Santa Missa. Compreendíamos que ela tem como finalidade primeira o Louvor a Deus, e o segundo não é menos importante que este: Dar graças a Deus pelos benefícios d´Ele recebidos. Nesse sentido, o grande problema hoje é que entrou na Igreja um falso humanismo cristão onde as pessoas colocaram o homem no centro quando a Santa Missa tem Deus como centro. Não é porque o padre antes rezava de costas para o povo e hoje reza diante do povo que as coisas mudaram. Não! O sacerdote celebra sempre "versus Deum", ou seja, a celebração é voltada para Deus, única e exclusivamente! As pessoas (e mesmo padres!), sem terem noção deste princípio fundamental, começaram a valorizar o "povo", a pessoa, e aí começaram os desastres... "Enfim, desculpa, caro irmão, pela minha prolixidade... Apenas desejo compartilhar algumas reflexões para que não nos apeguemos a um aspecto do problema, mas que o analisemos de forma serena, fraterna e profunda... Afinal, São Pedro já nos dizia, não é: "estejam prontos a dar razões da vossa esperança a quem vo-la pedir" (cf. 1Pd 3,15)! "Um forte abraço e obrigado por permitir que eu expresse minhas reflexões! Deus o abençoe!"
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Luciana Dias Barros 29-07-2014 12:29
As duas palavrinhas "DECORO e DEVOÇÃO". Estão sendo distorcidas , pois se eu bato palmas, mas eu estou com Cristo no coração, o que curta? Vi um dia uma missa com Pe. Marcelo Rossi pela TV. Me senti angustiada, pois tudo que acontece naquela missa parece mais um culto protestante. E o pior, com o Bispo do lado. Ele canta músicas protestantes em lugar do salmo. Benze água e fica jogando a água benta para o povo com um baldo de plástico (que é um balde parecido com o que eu tenho na minha casa para para deixar roupas de molho). Verdadeiro sacrilégio!!! Pessoas sem formação nenhuma, vê aquele espetáculo, e acha que todas as missas deveriam ser daquela forma, pois o Espírito Santo age ali. Até que ponto chegamos!!!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Camila 29-07-2014 11:34
Olá! Eu faço parte do catecumenato, e nas eucaristias cantamos alguns cantos com palmas e dançamos o Dayenu em algumas celebrações da Páscoa. Não vejo problema nenhum nisso.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Higor Evangelista 29-07-2014 11:24
Bom Lamentável foi o que eu vi no ultimo sábado pela rede vida, a missa em comemoração de 1 ano da JMJ, na catedral da Arquidiocese do Rio de Janeiro, acredito que se não A, uma das mais importantes do Brasil; se tornou uma balada, já na procissão de entrada, a igreja parecia uma boate, com luzes piscando e rodando, padres entrando dançando, e os jovens pulando desesperadamente. A cerimonia era festiva, o que não significa que dela se devia fazer uma verdadeira balada, é realmente triste ver uma coisas dessas. Que o senhor inspire aos nossos sacerdotes um discernimento maior do valor da santa missa, e de como devemos nos portar diante do sacrifício do senhor na cruz.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Edilson 01-08-2014 18:48
Vi um vídeo que alguns amigos compartilharam, das pessoas jogando um grande bola para o alto dentro da Catedral (não sei se foi durante a missa), mas fico me perguntando: o que leva a um cidadão adulto fazer uma "brincadeira" dessas dentro da Igreja se fora da mesma não faria?!?!?! E o pior: como na cabeça de um Padre pode-se aceitar coisa semelhante num local que contém a presença de Cristo?!?!?! Muito triste os rumos da Igreja na Brasil, vem logo Senhor Jesus!!! Abraços.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Ronaldo 29-07-2014 11:24
Há de se considerar um fato importante, milhares de comunidades Católicas espalhadas pelo Brasil, tem como unica Infra-estrutura, o templo da Igreja, sendo que praticamente todas as atividades paróquiais acontecem na Igreja, tais como: Reuniões, Cursos pastorais, Reuniões da RCC, Reuniões de Grupos de Jovens, etc, como se deve proceder? afinal naquele momento não esta sendo celebrado o Santo Sacrifico, apesar do altar estar ali, na minha modesta opnião não concordo com as palmas durante a Santa Missa, mas em outros eventos paróquiais, não vejo problema.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Romário Kionys 29-07-2014 14:00
Ola, considerando isso acho que deve-se suportar por um tempo, porém o melhor que se faça é que se possível buscar construir um salão paroquial. Note ser minha humilde opinião.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 29-07-2014 14:17
De fato, Romário, tudo tem hora e lugar. Dentro do movimento católico que eu faço parte há um grupo de jovens; no meu tempo de colegial e universitária esse grupo promovia muitas festas no salão da paróquia, havia muita dança e alegria. Mas missa era missa: não tinha oba-oba. Era tudo feito com muito recolhimento, conforme a Tradição da Igreja.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Luis Fernando 29-07-2014 11:16
Eu evito as palmas sempre na Missa, mas não peço que façam o mesmo justamente por falta de embasamento. Acredito q o pior não é nem as palmas (sem contar as inculturações), mas a falta de respeito pelo silêncio. Ninguem vê mais a Igreja como templo, parece uma extensão da própria casa ou pior. Já ouvi uma frase, nao sei de quem "SANTA MISSA É SACRIFÍCIO! QUEM BATE PALMAS NA SANTA MISSA ESTA APLAUDINDO OS ALGOZES!" Mas também creio que palmas também não sejam somente como um ato de saudação, mas também como acompanhamento de ritmo musical, como um instrumento. É diferente de quando vc aplaude alguem para quando vc acompanha a musica, o gesto é o mesmo, mas a finalidade é diferente.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Lucas Farias 29-07-2014 11:37
Luiz, o catequista pode me corrigir se eu estiver errado, mas a frase é nada mais nada menos do Papa Bento XVI
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 29-07-2014 11:53
Lucas, tem um vídeo circulando por aí fazendo crer que Bento XVI disse isso, mas tenho quase certeza de que não foi ele quem disse, e sim os comentaristas do Vaticano. Ao menos é o que está dito no blog "Salvem a Liturgia".
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Lucas Farias 29-07-2014 15:41
Obrigado Viviane.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Melquiel Luiz de França Júnior 29-07-2014 11:15
Não concordo com as palmas durante a liturgia. Mas depois não vejo nenhum mal,como por exemplo por ocasião de algum aniversário ou outra comemoração. Tudo é uma questão de bom senso.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 29-07-2014 11:43
A missa é a atualização do Sacrifício do Senhor na Cruz. É o momento mais sagrado na fé católica. Não é lugar para celebrar o aniversário de ninguém. Será tão difícil de entender o que o Papa disse? Não é para bater palmas na igreja nem para saudar o sucessor de Pedro, quanto mais para cantar "parabéns pra você"!!!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Carlos 31-07-2014 19:03
O risco de fazer da Missa um encontro "entre nós" em vez de um encontro nosso COM O SENHOR, é muito grande. Concordo que devemos afastar tudo o que faz da missa um mero encontro social e favorecer tudo o que deixa O SENHOR nos falar. A falta de grupos, movimentos e comunidades menores nas dioceses e paróquias, indispensáveis para viver a dimensão de comunhão e apostolado da nossa fé, faz com que alguns párocos queiram forçar um clima de "comunidade" e "família" na hora da missa que na maioria das vezes soa mais como "acontecimento social" do que autêntica coesão comunitária, porque falta um antes e um depois (da missa) de comunhão e missão autenticas. Se cada católico buscar aprofundar sua fé e sua missão por meio da pertença a um dos diversos movimentos, grupos ou comunidades existentes, aquela dimensão do "eram um só coração e uma só alma" do "tinham tudo em comum" de que fala o livro dos Atos, será tão bem vivida que a missa não precisará ser usada artificialmemte para criar um "verniz" superficial de comunhão. A própria realidade paroquial como comunhão de comunidades, fará com que a Missa tenha outro teor, sem precisar mexer em nada com sua estrutura. Como disse a grande poeta Adélia Prado, a missa é perfeita e completa: http://www.zenit.org/pt/articles/missa-e-como-um-poema-nao-suporta-enfeite-nenhum-diz-adelia-prado
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Carlos 31-07-2014 19:05
correção: não a falta de grupos (existem miriades) mas a escassa participação do católico médio nesses grupos e movimentos tão estimulados pela igreja.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Catolico 29-07-2014 11:14
Se acham que já viram de tudo..., vejam isso... Padre dança durante a missa na Espanha http://g1.globo.com/planeta-bizarro/noticia/2014/07/padre-da-show-ao-dancar-sevilhanas-durante-missa-na-espanha.html
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Padre Batista Nunes Vieira 29-07-2014 10:57
Queridos, na minha opinião, há momentos: na missa há momentos de expressão de alegria, como a Acolhida e o Glória, que mesmo usando o litúrgico (texto do missal) transcreve este sentido, e momentos de interiorização, silêncio, dor. São dinâmicas da Celebração! Há um costume de querer proibir as palmas, por dizer que na Missa celebramos a Morte de Cristo. Isso também é muito errado! Na Santa Missa celebramos a Paixão, Morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo. Leiam estas palavras do Papa Francisco sobre a Celebração Eucarística! (http://www.news.va/pt/news/a-alegria-da-memoria-crista)
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Hugo 29-07-2014 12:12
Padre, sua bênção. Com todo o respeito, gostaria de questionar a seguinte frase dita pelo senhor: "Na Santa Missa celebramos a Paixão, Morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo", questionando a dimensão sacrifical exaltada por alguns. Quanto a isto, o que dizer do seguinte texto? "Ora, dizei-me sinceramente se, quando ides à igreja para assistir à Santa Missa, pensásseis bem que ides ao Calvário assistir à morte do Redentor, que diria alguém que vos visse aí chegar numa atitude tão pouco modesta? Se Maria Madalena fosse ao Calvário e se prostrasse aos pés da Cruz vestida, perfumada e ataviada como em seus tempos de desordem, quanto não seria censurada! E que se dirá de vós que ides à Santa Missa como se fôsseis a uma festa mundana? Que aconteceria sobretudo, se profanásseis este ato tão santo, com gestos, risadas, cochichos, encontros sacrílegos?" Este é um fragmento do "As Excelências da Santa Missa" ou "Tesouro Oculto", de São Leonardo de Porto-Maurício. Em todo o livro o santo fala da Missa como Paixão e Morte e exalta o Calvário, o Sacrifício... E no trecho destacado ele claramente recrimina qualquer atitude na Missa que não seria cabível no Calvário, diante do Cristo Crucificado.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 29-07-2014 11:41
Olá, padre Batista! Não sei a que tipo de palmas o senhor se refere como positivas - se a aplausos ou ao ato de acompanhar as canções com palmas. Sobre os aplausos, creio que não há argumento que derrube a explicação simples e sintética de São João XXIII. Não é para aplaudir dentro do templo, nem mesmo para saudar o Papa. O senhor acha que o santo estava errado? Quem tiver ouvidos, ouça! Quando perguntaram para Padre Pio como deveríamos assistir a Santa Missa, ele respondeu que devíamos assistir o Santo Sacrifício da Missa da mesma forma que Maria Santíssima, São João e Maria Madalena assistiram o Sacrifício no Calvário. Quanto às ricas palavras do Papa Francisco, não vi nada ali que possa justificar a farra carnavalesca que promovem em certas missas. Ele fala da profunda alegria cristã, que não é a mesma alegria demonstrada nas micaretas, alegria de saltos, gritos, urros e agitação. Aliás, olhar a expressão e os gestos do Papa Francisco na celebração da missa é uma grande lição: ele está sempre muito sério e compenetrado. Não abre um sorriso, não bate palmas, não requebra, não balança os bracinhos... É como um cristão aos pés da cruz. Aprendamos com Francisco!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Padre Batista Nunes Vieira 29-07-2014 12:06
Veja, querido irmão, também não concordo com farra carnavalesca, mas também não concordo com celebrar a Santa Missa com cara de amargura! Não estou desdizendo os Santos, mas propondo um equilíbrio! Também não concordo com escândalos litúrgicos que vemos por ai! Também peço desculpas por incompreensões! De fato aqui eu falo sobre o acompanhamento com palmas!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Rodrigo 29-07-2014 10:30
Sempre fui contra as bater palmas dentro do ambiente sagrado, pois tolhe o direito daqueles que precisam de um momento de meditação junto ao Cristo Eucarístico. Quanto à matéria sobre o "exorcismo" escandaloso, eu não assisti, mas merece um post neste blog, não?! t+
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Antônio Prado 29-07-2014 10:26
A liturgia exige recolhimento interior e as palmas muitas vezes dispersam as pessoas do recolhimento devido, então acredito que os casos em que essas palmas seriam bem-vindas são bem restritos (como no caso da apresentação de uma criança ou mesmo de um adulto no dia de seu batismo, logo após um padre receber o sacramento da ordem, na comunidade recebendo um neo-sacerdote ou um novo pároco, etc.). Acho que tudo é uma questão de bom senso e saber que a oração exige silêncio não só do espírito e do coração, mas do corpo também.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Egberto 29-07-2014 10:01
Fiquei horrorizado com a reportagem, parecia que eu estava assistindo a um culto protestante. Fico a me perguntar se o demônio só está presente naquelas igrejas, se for, fico feliz. Quanto às palmas, usemo-las moderadamente, e não fazer da missa a Marquês de Sapucaí, Jesus agradeceria.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Sidnei 29-07-2014 09:12
Por falar em bater palmas e algazarras nas igrejas, alguém assistiu no último domingo (27/07/2014) no fantástico da Rede Globo, uma reportagem sobre o exorcismo na Igreja Católica?. Quem não viu, pode encontrar ela aqui: http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2014/07/padres-brasileiros-se-dedicam-ao-ritual-do-exorcismo.html. Sinceramente, da minha parte, fique chocado, haja vista, que na Igreja Católica, quando há algum caso de posse são demoníaca, a Igreja exige antes de mais nada, uma bateria de exames para verificar se a pessoa esta doente ou se realmente se trata de alguma possessão diabólica, como esta no CIC & 1673 que diz com bastante clareza: "Quando a Igreja exige publicamente e com autoridade, em nome de Jesus Cristo, que uma pessoa ou objeto seja protegido contra a influência do maligno e subtraído a seu domínio, fala-se de exorcismo. Jesus o praticou, é dele que a Igreja recebeu o poder e o encargo de exorcizar. Sob uma forma simples, o exorcismo é praticado durante a celebração do Batismo. O exorcismo solene, chamado "grande exorcismo", só pode ser praticado por um sacerdote, com a permissão do bispo. Nele é necessário proceder com prudência, observando estritamente as regras estabelecidas pela Igreja. O exorcismo visa expulsar os demônios ou livrar da influência demoníaca, e isto pela autoridade espiritual que Jesus confiou à sua Igreja. Bem diferente é o caso de doenças, sobretudo psíquicas, cujo tratamento depende da ciência médica. É importante, pois, verificar antes de celebrar o exorcismo se se trata de uma presença do maligno ou de uma doença." Porém, o que assiste na reportagem, parece fugir disto que o catecismo ensina, o que eu vi, foram, ou foi pelo menos um padre, que ao imitar, teimosamente, estas igrejas pentecostais e neo pentecostais, estimula uma verdadeira histeria coletiva, com gritos, pessoas caindo no chão, se torcendo e retorcendo nos bancos, no chão em pé, enfim, verdadeira coisa de louco. Acredito que os senhores bispos, e sobre tudo, o Vaticano, deveria abrir os olhos para estas coisas, e começar a dar uma controlada nisto tudo, se não, a coisa vai virar uma bagunça só. Falta pouco para que daqui algum tempo, vai haver padres dando uma conversinha com o capeta que esta em uma pessoa, tal como umas igrejas pentecostais e neopentecostais, por aí. Gostaria da opinião do pessoal por aqui, o que vocês acham, e quem viu a matéria no fantástico, o que opinião dariam a respeito de tal reportagem. E com relação a palmas, pelo amor de DEUS, Igreja não é circo e nem casa de espetáculo para se bater palmas o tempo inteiro.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Marcos 29-07-2014 13:10
Há no youtube também uma reportagem que da sbt sobre exorcismo e libertações, mas o que o povo não lê é que é igreja católica RENOVADA. Esse tipo de informação não é destaca deixando assim, margem pra enganação do povo.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Sidnei 29-07-2014 13:40
Marcos, se é de alguma igreja católica RENOVADA, se isto é alguma igreja cismática da Verdadeira Igreja Católica, Apostólica, Romana, isto eu não sei, a reportagem não trouxe esta informação. Agora se for, então a reportagem foi bem tendenciosa, e ainda, mais tendenciosos são, os padres desta suposta igreja católica RENOVADA, pois enganam o povo como se fossem da verdadeira Igreja Católica e fazem o povo mergulhar nesta palhaçada.
Responder | Responder com citação | Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar


Publicidade
Publicidade