Publicidade
Quarta, 20 Abril 2016 01:47

Excomunhão: voadora misericordiosa da Igreja

Postado por

Se um membro do corpo necrosou, o que o médico faz? Não há outro jeito senão amputá-lo, para que a necrose não se expanda para outros membros e leve o corpo inteiro à morte. É uma medida extrema, triste, mas salvadora. Da mesma forma, quando a Igreja excomunga um dos membros de seu Corpo, quer somente evitar que os outros membros também adoeçam e se percam.

O QUE É EXCOMUNHÃO?

A excomunhão é uma pena aplicada por um bispo ou pelo Papa, por meio da qual um católico batizado deixa de ser membro o Corpo Místico de Cristo. Ou seja, ele não pode mais ser considerado católico; sua comunhão com a Igreja está rompida – EXcomunhão. Porém permanece o laço espiritual e invisível do batismo.

Foi o próprio Cristo que deu aos Apóstolos o poder de excomungar, quando disse: "E, se ele não os atender, dize-o à Igreja; e, se recusar ouvir também a Igreja, considera-o como pagão e publicano" (Mt 18,17). Considerar uma pessoa como pagã significa que ela não mais deve ser considerada cristã.

Por isso, o excomungado não pode receber NENHUM sacramento e não pode exercer nenhum ofício na Igreja. Mas esse estado terrível não precisa ser definitivo: para que a excomunhão seja retirada, basta o excomungado se arrepender e se confessar – mas não com qualquer padre. O perdão só pode ser dado pelo bispo local, pelo Papa ou por um sacerdote especialmente designado por eles.*

A excomunhão é uma medida dura, mas pedagógica. Não visa condenar o excomungado ao Inferno, mas sim chamar-lhe à razão, deixando bem clara a profunda gravidade de seu erro.

QUAIS PECADOS LEVAM À EXCOMUNHÃO?

Quem pode ser excomungado? Aqueles que comentem essas faltas:

  • Apostasia (renegar a fé católica);
  • Heresia (insistir em negar uma ou mais verdades da fé católica revelada, mesmo depois de advertido pelas autoridades da Igreja);
  • Cisma (fundar uma seita “católica” rebelada contra Roma);
  • Profanação das espécies sagradas (o Corpo e o Sangue de Cristo);
  • Violência física contra o Papa;
  • Absolvição por um sacerdote do cúmplice do pecado da carne;
  • Consagração ilícita de um bispo sem autorização do Papa;
  • Violação direta do segredo da Confissão pelo confessor;
  • Aborto.*

Quem faz aborto, apóstatas, cismáticos e hereges são excomungados automaticamente, sem que seja necessário a Igreja publicar uma sentença formal contra ele.

Ok... Por que pecados como estupro, corrupção ou latrocínio não constam nessa lista? Simples: porque não é necessário. Não precisa nem mesmo ser católico para saber que tais crimes são detestáveis, e não podem ser aceitos nem justificados. Por sua vez, o pecado que leva à excomunhão possui uma característica peculiar: é gravíssimo, mas se apresenta muito facilmente como um ato justo.

Os que cometem um pecado passível de excomunhão - em especial os hereges, cismáticos e apóstatas - geralmente se orgulham desse pecado, e o alardeiam aos quatro cantos, caçando aplausos e apoio (e muitas vezes conseguem isso). Já um corrupto, um estuprador ou um assassino buscam sempre ocultar seu crime, pois sabem que serão hostilizados por todos, caso sejam descobertos.

Como bem está bem explicado no blog Deus lo Vult, a excomunhão serve “para desmascarar Satanás travestido de anjo de luz. É empregada não para coroar a maldade dos pecados que já são abjetos por natureza, mas para revelar a malícia escondida sob aqueles que parecem inofensivos ou mesmo virtuosos”.

diferentao_herege

* Desde o Ano Santo da Misericórdia, aberto pelo Papa Francisco em dezembro de 2015, foi concedido a TODOS os sacerdotes o poder de perdoar o pecado do aborto.

885 Segunda, 12 Junho 2017 17:44

Comentários   

-1 # Ricardo Brasil 27-04-2016 09:57
Caríssimos irmãos em cristo, sou leitor muito grato pelas informações que vocês tão alegremente transmitem aqui. Ficou-me uma dúvida muito importante de ser esclarecida no post: "Excomunhão: voadora misericordiosa da Igreja". Não faria parte da lista de excomunhão também, O APOIO EM QUALQUER FORMA À IDEOLOGIA COMUNISTA? Seja ela apoiando as doutrinas socialistas/marxistas ou não? Obrigado, parabéns pelo seu trabalho e espero a resposta em breve. Que Deus seja louvado.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 27-04-2016 14:28
Ricardo, apoio à ideologia comunista está dentro do item APOSTASIA. Porém, isso vem gerando muitas dúvidas e confusão: em que situações concretas podemos afirmar que a excomunhão automática por apoio ao comunismo ocorre ou não? Afinal, o cenário cultural hoje, em que o marxismo cultural impera, é bem diferente do tempo de Pio XII. A questão mesmo é a interpretação dada pelo Santo Ofício de que o comunismo é Apostasia. Hoje essa interpretação é questionada por muitos e por isso gera toda essa confusão (nossa opinião é de que ainda é válida). Não abordamos essa questão diretamente no post por ja termos abordado ela claramente antes e para justamente não desviar a atenção dos leitores para fora do centro do texto que é esclarecer o que é a excomunhão. A questão é polêmica porque se fala em decreto sobre a excomunhão automática de quem se envolve com comunismo e todos os decretos foram revogados no novo Código de Direito Canônico. Na verdade, o documento em questão não é exatamente um decreto, mas uma consulta publicada pelo Papa Pio XII em resposta a questões submetidas à Sagrada Congregação para Doutrina da Fé (que na época era chamada de Santo Ofício), no qual o papa afirma que o comunismo é incompatível com a fé católica, logo aderir a ele significaria incorrer em apostasia, que é punida com excomunhão Latae Sententiae (a famosa excomunhão automática). Por isso não citamos diretamente o comunismo no texto, ele é uma interpretação da apostasia (que é mencionada). Lembrando que, mesmo assim, alguns canonistas defendem que tudo teria sido revogado no novo CDC.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Lucas Farias 28-04-2016 10:40
Vixe, complicou. Alguém pergunta ao Papa Francisco ? rsrsrsrsrs
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Geraldo 26-04-2016 19:28
Fica excomungado automaticamente quem adere a partidos comunistas, apoia ou vota neles, caso do PT, PC do B, PCB, PSOL, PCO, PSTU etc.! Nesses casos, mais no apoiar e votar, é necessario que saiba que votou num partido que tem profundo odio ao Senhor Deus, à sua Igreja e é abortista! Mesmo que não saiba, de forma indireta, está cooperando com os planos dos inimigos da Igreja, colaborando para ela ser perseguida, como ajudando com a morte dos cristãos pelo ISIS por os comunistas serem seus aliados!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Alberto Michelin 22-04-2016 20:15
"Natanael B", segue um vídeo interessante do sábio Pe. Paulo Ricardo sobre a excomunhão automática de comunistas: https://www.youtube.com/watch?v=gKdACVx9AY4
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Natanael B. 25-04-2016 13:05
Alberto Michelin, Já tinha visto o video, mas não sabia que ele tinha sido excluído do canal do padre. Estranho isso...
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Alex Hoffmann 28-04-2016 17:43
Entrei em contato com a equipe do site do Pe. Paulo Ricardo, recebi a seguinte resposta: O vídeo “Ser comunista é motivo de excomunhão?” foi retirado do ar. Embora o seu conteúdo estivesse correto, era necessário esclarecer alguns detalhes que poderiam gerar interpretações errôneas.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 23-04-2016 13:55
Só uma observação: não sei bem por qual motivo, o Padre Paulo Ricardo tirou do ar esse vídeo do site dele. E esse canal em que o vídeo que vc indicou está linkado não é do padre. Minha pergunta é: por que ele tirou esse vídeo do ar? Será que reviu seus conceitos? Será que não está mais 100% certo do que afirmou? Ou haverá outro motivo?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Alex Hoffmann 23-04-2016 16:00
Catequista, contudo os vídeos sobre marxismo cultural e revolução cultural com todos os vídeos, o curso completo estão lá para quem quiser ver. Estranho, se justamente este curso denuncia tudo. Porém realmente o vídeo em questão não aparece no site e este quem colocou no yutubs foi outro que o salvou.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # João Pedro Strabelli 21-04-2016 22:00
Alguém pode, por favor, me explicar o que é “Absolvição por um sacerdote do cúmplice do pecado da carne”. Estou com dúvidas. Obrigado
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 21-04-2016 22:03
Se um sacerdote tiver pecado contra a castidade com determinada pessoa, ele é absolutamente proibido de absolvê-la desse pecado específico. Se tal pessoa quiser confessar seu pecado contra a castidade, terá que procurar outro sacerdote, jamais aquele com o qual ela se enroscou.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # João Pedro Strabelli 21-04-2016 22:41
Valeu, obrigado.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Igor Almeida 21-04-2016 12:42
Gente, eu me crismei aos 12 anos (embora já nessa época não acreditasse em tudo) e logo apostasiei. Aos 22, voltei pra Igreja, convertendo-me e passando a acreditar de fato na fé católica. Me confessei e venho frequentando a Igreja desde então... Mas lendo esse texto eu tenho a impressão de estar excomungado! Será que estou? O padre não me falou nada disso quando fui me confessar com ele. E o que significa: "Absolvição por um sacerdote do cúmplice do pecado da carne"? Não entendi esse ponto.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 21-04-2016 22:01
Igor, segundo o código de direito canônico, se você não sabia que a apostasia incorria em excomunhão, a pena não cai sobre você. Se você confessou com um padre comum, está bem confessado. Quanto à outra pergunta, significa que se um sacerdote tiver pecado contra a castidade com determinada pessoa, ele é absolutamente proibido de absolver essa pessoa desse pecado específico. Se tal pessoa quiser se confessar, terá que procurar outro sacerdote, jamais aquele com o qual ela se enroscou.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Igor Almeida 22-04-2016 00:49
ahahahahaha, agora to feliz, obrigado pela resposta! Tirou um peso do meu peito.
Responder | Responder com citação | Citar
-1 # Rodrigo Ferreira de Souza 21-04-2016 10:57
'Absolvição por um sacerdote do cúmplice do pecado da carne' Esse eu não entendi. Alguém pode explicar?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 21-04-2016 22:04
Se um sacerdote tiver pecado contra a castidade com determinada pessoa, ele é absolutamente proibido de absolvê-la desse pecado específico. Se tal pessoa quiser confessar seu pecado contra a castidade, terá que procurar outro sacerdote, jamais aquele com o qual ela se enroscou.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Rodrigo Ferreira 22-04-2016 10:30
Entendi, obrigado!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Augusto Paiva 21-04-2016 03:59
A graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo estejam com todos vós! (2 Cor 13,14). Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém. A Catequista começou falando da parte necrosada do corpo. E nada melhor para comparar o herege que não permanece na Igreja (Jo 15,4). As palavras dessa gente destroem como a GANGRENA (2 Tim 2,17a), essa gente que desvia da verdade e transtorna a fé de alguns (vs. 18). É preciso confirmar os irmãos na fé (Lc 22,32), apascentar as ovelhas de Cristo (Jo 21,15-17), sempre velando sobre o rebanho de Deus, que nos é confiado (1 Pe 5,2a), vigiando e não dormindo no ponto (Mt 26,40-41). Bem-aventurados aqueles servos, os quais, quando o Senhor vier, achar vigiando (Lc 12,37)! Infelizmente, certos homens ímpios se introduziram furtivamente entre nós (...); eles [que] transformam em dissolução a Graça de nosso Deus e negam Jesus Cristo, nosso único Mestre e Senhor (cf. Jd 1,4), tais como o Pe. Pinto, ex- Pe. Beto de Bauru, Frei Claudio Van Balen, Frei Petrônio de Miranda, Pe. Favo de Mel, bispos vermelhos, padres comunistas et caerva. Esses são joio semeado entre nós, enquanto dormíamos, mas o seu fim será queimar como palha seca num fogo inextinguível (Mt 3,12/ Mt 13,24-30). Esses danados chegam a perverter até os Sacramentos ou fazem ainda pior! Não podemos abusar da liberdade como pretexto para prazeres carnais (Gl 5,13), tal como pregam esses hereges! Não podemos abusar da graça divina (Rm 6,15-18)! Mas, enfim, muitos hereges na Igreja tornaram a Graça de Deus em dissolução (Jd 1,4), espalhando a gangrena. É por culpa desses lobos arrebatadores disfarçados de ovelhas (Mt 7,15) com aparência de piedade (2 Tm 3,5) que o caminho da verdade tornou-se caluniado (2 Pe 2,2). Quantos escândalos sobrevieram à Igreja por causa desses! Como dizia o Grande Papa São Pio X: "OS PIORES INIMIGOS DA IGREJA ESTÃO DENTRO DELA." Leiam: http://www.veritatis.com.br/conheca-mais/9286-nao-tratemos-os-lobos-como-ovelhas-desgarradas Sancta Trinitas, unus Deus, miserere nobis!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Victor Emanoel B. de Melo 20-04-2016 23:19
Só uma pergunta, em qual tipo de excomunhão se enquadra quando se tem pensamentos diferentes da doutrina da igreja, heresia ou apostasia? Pesamentos políticos e econômicos contrários (como o comunismo) seriam apostasia e os religiosos contrários seriam heresia?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Alex Hoffmann 22-04-2016 19:45
Católicos que caem no conto da teologia da libertação são hereges, católicos que defendem o comunismo são hereges, padres e bispos que defendem idéias comunistas e as espalham são hereges. Apostasia é o completo abandono da fé católica; seria eu como católico virar ateu, virar indu, virar muçulmano. Heresia escolhe, apostasia abandono/rejeição da Igreja. No caso do comunismo na forma da teologia da libertação, ele tem um duplo perigo, primeiro torna a pessoa herege e depois apóstata. Contudo, temos que ter em mente que, a apostasia pode acontecer e acontece mesmo em pessoas que ainda continuam indo na missa, trabalham como catequistas, e até mesmo sejam padres e bispos, mas neste caso, ela é silenciosa, no caso dos padres e bispos, eles sabem de suas posturas. Alguns abandonam a Igreja, outros continuam até morrer.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # adriano 22-04-2016 12:58
Heresia etimologicamente significa "escolha", ou seja, o sujeito herege é o que escolhe dentre os ensinamentos da Igreja os que ele vai acreditar. É o oposto de "Católico", que significa universal, total, ou seja, enquanto católico é o que adere à totalidade dos ensinamentos revelados por Cristo e guardados pela Igreja, herege é o que escolhe aquilo em que vai acreditar. Apostasia é o abandono total da Fé cristã. Me parece, contudo, e isso é uma opinião pessoal (não sei o que os teólogos dizem a respeito), que o sujeito pode começar proferindo heresias cada vez maiores até se tornar apóstata de vez. Por exemplo, começa dizendo que a Igreja não foi fundada por Cristo, depois nega o valor sacrifical da Santa Missa, quando vai ver o cara já está dizendo que Cristo não é Deus, e aí me parece que ele já abandonou a fé cristã totalmente, passou da heresia para a apostasia direta. Abraço!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # adriano 22-04-2016 13:06
Falei, falei, e não respondi a pergunta (rsrs). Se o comunismo que o sujeito professa leva ele a acreditar que não existe Deus, ou que Cristo é só um profeta e não o Verbo Eterno de Deus, algo do tipo, é certamente apostasia. Se ele nega algum ponto da fé (p. ex., afirma que o objetivo da Igreja não é levar as pessoas para o Céu, mas sim fazer a revolução política), me parece mais heresia do que apostasia. Devem existir situações duvidosas, que parecem uma coisa ou outra... Lembrando que, como está no texto, para ser um herege formal o sujeito tem que ser avisado do seu erro pelas autoridades da Igreja, e mesmo assim não se emendar. Abraço!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Leila Zaltron 20-04-2016 20:51
Catequista a exortação apostólica do Papa Francisco permite que os divorciados recebam a eucaristia ? Porque em uma nota de rodapé ele menciona, de forma genérica, "sacramentos" e logo depois diz que: "A eucaristia não é um prêmio para os fortes mas um remédio para os pecadores ". então fiquei confusa
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Sidnei 21-04-2016 15:56
Leila, eu também não entendi muito bem isto, mas vou colocar o pouco que eu entendi: o que foi colocado aí para mim não é uma permissão aos pecadores de comungar, haja vista que esta for a intenção, então o Papa Francisco esta destoando de toda doutrina da Igreja. Para mim o que foi colocado aí é o que a Igreja sempre ensinou, ou seja, a Eucaristia é um remédio para os pecadores, daqueles que se reconhecem pecadores, que antes de recorrerem ao sacramento da Eucaristia, recorrem primeiro ao sacramento da penitência, e depois sim ao sacramento da eucaristia, mas mesmo após ter passado pelo crivo do sacamento da penitência, nós não podemos se achar uns santarrões, capaz de passar por cima de todo mundo, se acreditando já estarem salvos e com posse de um lugar nos céus, desprezando aos demais irmãos que ainda estão no pecado, pois enquanto vivemos nestes mundo, neste vale de lágrimas, ainda que estando em estado de graça, podemos cair em tentação e cair, e cair diversas vezes, pecando ainda mais. Por isto, sempre buscamos a misericórdia divina nos sacramentos, em primeiro lugar, no sacramento da penitência e depois na eucaristia, que de fato, não é um prêmio, mas sim, um gesto misericordioso de DEUS que nos dá seu perdão a nós pecadores no sacramento da penitência e nos alimenta com o corpo e sangue de CRISTO a nós, que mesmo após o sacramento da penitência se não estamos mais em estado de pecado mortal, mas ainda continuamos sujeitos a cair em tentação a qualquer momento. Este é o meu entendimento, espero ter ajudado.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # fatima alves 20-04-2016 19:59
Amo a página vcs, muito esclarecedora. Obrigado!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Daniella Maria 20-04-2016 19:14
Olá, Catequistas. Na ordenação dos padres sempre há a passagem: "Tu és sacerdote para sempre segundo a ordem de Melquisedec". Também no matrimônio, sacramento indissolúvel, são dito famosos os votos "até que a morte os separe". Em posts antigos, já li que mesmo um padre, que está afastado e sem celebrar missas, não exercendo sua função, continua sendo sacerdote. O mesmo para um matrimônio: por mais que casal esteja separado na lei dos homens, continuam casados para a Igreja e para Deus. Desculpe a ignorância, mas Se um padre é excomungado, mais do que não poder consagrar e celebrar missas, é como se ele não fosse mais padre. E o casal? Mais do que não poder comungar, é como se eles não fossem mais casados?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # adriano 22-04-2016 12:47
Olá Daniella, não sou do site, mas vou tentar te responder. Existem sacramentos que imprimem caráter indelével na alma, ou seja, uma vez recebidos marcam a pessoa com um sinal que nunca será apagado. Estes são o batismo, o crisma, e a ordem. A pessoa pode ser batizada ou crismada e depois se tornar um monstro de maldade, mas continuará batizada ou crismada. Assim também o sacerdote, que pode depois da ordenação se tornar um péssimo padre, mas será sacerdote para sempre. Pode até ter as funções suspensas (o que o impedirá de rezar missas, ouvir confissões, fazer pregações, etc.), pode até ser excomungado(!), mas sempre guardará na sua alma essa marca sacerdotal. Já o matrimônio não é um sacramento que imprime caráter indelével na alma, pois o vínculo matrimonial se encerra com a morte de um dos cônjuges. Mas, enquanto os cônjuges estão vivos, ele é indissolúvel, isso por mandato direto de Cristo ("Aquilo que Deus uniu o homem não separe, etc."). Ainda que por algum motivo extraordinário seja necessário a um dos cônjuges se afastar por algum tempo do outro (p. ex., caso o marido começa a usar drogas e se comportar agressivamente com a esposa e os filhos), o vínculo matrimonial subsiste e dura até a morte de um dos cônjuges. Respondendo sua pergunta agora: Um padre excomungado ainda é padre sim (embora possa ser herege, apóstata, infiel, ou qualquer qualificativo do tipo, ele tem na sua alma a marca sacerdotal). Um casal que, por algum motivo, não pode comungar, certamente continua casado sim. Se eu entendi errado sua pergunta explique novamente, que tento responder, se eu souber. Um abraço.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Daniella Maria 28-04-2016 00:12
Olá, Adriano. Sim, foi isso mesmo que perguntei. Muito obrigada por me tirar essa dúvida. Que Deus o abençoe.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Natanael B. 20-04-2016 14:03
Rodrigo, é um assunto do qual eu sinto falta por aí na circulação das ideias, a excomunhão dos comunistas. Essa turma socialismo light, do "deixa disso", "nem tudo é assim tão preto no branco", conseguiu tirar esse assunto da nossa boca. Quem tiver interesse em como se deu isso pode dar uma rápida lida (Google) nas heresias do Modernismo e Americanismo, por exemplo. O clero também tem sua culpa. Num geral, a parte falante da CNBB, ao invés de alertar os católicos para ficarem vigilantes acerca das claras inclinações comunistas dessa esquerda encabeçada pelo PT, extrapola o simples campo do "benefício da dúvida" indo para quase uma presunção absoluta de boa-fé para com tudo que vem dela. Amigos, não sejamos omissos, Deus nos cobrará pelas nossas omissões também. Ele usa os homens para salvar os homens, e quem sabe Ele não quer te usar para ter uma palavra franca, humilde, sincera e benevolente com aquele seu amigo que se acha muito católico, mas tem clara inclinação pelas ideias de esquerdo-comunistas. A semente que você lançará pode germinar melhor com a sua oração. Deus abençoe.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Elvira Federizze 20-04-2016 13:40
Não entendi nada daquele quadradinho que começa com Ratzinger sincero. Que significa Galileu sem luneta, Ovelhanegra, Padawan, etc? Todos excomungados?
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 20-04-2016 13:56
Só vai entender quem acompanha as publicações nas redes sociais com a brincadeira do "diretentão" e da "diferentona". É pra ironizar quem se acha especial por um motivo que, definitivamente, nada tem de especial.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Rodrigo 20-04-2016 12:32
https://proecclesiacatholica.wordpress.com/2014/05/17/a-excomunhao-segundo-o-codigo-de-direito-canonico/
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Rodrigo 20-04-2016 12:31
Bom texto. Mas senti falta dos textos que falam da excomunhão dos comunistas e da explicação da excomunhão latae sententiae, ligada ao ato, feito o aborto a sujeita está excomungada. Em tempos que a comunada anda à espreita é sempre bom reforçar o pialo! :D
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Rodrigo Boechat Olveira 20-04-2016 11:54
Muito bom e muito instrutivo o seu texto! Mas existe algum documento na igreja católica que fala sobre o perdão dos excomungados que já morreram em geral?! Se com esse perdão, citando como exemplo a excomunhão retirada da hoje Administração Apostólica São João Maria Vianney em Campos, os retira do inferno e os leva para o céu, essas almas são retiradas do inferno e vão para o céu. Digo isso porque aprendi que uma vez a alma sendo excomungada, o único lugar que lhe é devido é o inferno, e na bíblia encontramos relatos como por exemplo Lucas 16,19-31, onde o homem rico após ir para o inferno pede que o Pai Abraão peça a Lázaro para lhe dar água com a ponta do dedo (vers. 24) e Abraão responde diz que é impossível por causa do grande abismo que existe entre eles, e quem está de um lado não pode passar para o outro. (vers. 26). Ou não tem nada haver o exemplo que citei?!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # adriano 22-04-2016 12:20
Lembremos também que a excomunhão é um ato jurídico-canônico, que pode ser reformado, assim como a sentença de um juiz pode ser reformada. A Igreja no caso da excomunhão, exerce uma função praticamente judicial, de "governo" do Povo de Deus, ao estabelecer que certo indivíduo é pernicioso à comunhão dos fiéis e daí separá-lo da comunidade. Note que a Igreja exerce uma tripla função de 1) Administração dos Sacramentos, 2) Guarda e ensinamento da Doutrina 3) Governo do Povo de Deus. Portanto, algumas decisões dizem respeito à administração dos sacramentos, por exemplo quando alguém recebe a absolvição no confessionário; enquanto outras decisões dizem respeito ao Governo do Povo de Deus, por exemplo quando um indivíduo é excomungado. Claro que as decisões sacramentais e de governo estão relacionadas, tanto que os atos que importam em excomunhão (ato de governo) são sempre pecados, que demandam absolvição (ato sacramental). Em suma, todos os atos que importam em excomunhão são pecados, mas nem todos os pecados importam em excomunhão (isso ficou claro no texto). Tanto isso é verdade, que nos pecados que envolvem excomunhão (por. ex., aborto), caso haja o arrependimento, se confere o levantamento da excomunhão e depois a absolvição, que são coisas diferentes, a primeira referente ao âmbito de governo, a segundo ao âmbito sacramental. O levantamento da excomunhão revoga a condenação jurídica e reata a comunhão do fiel com a Igreja, a absolvição sacramental perdoa o pecado. Um exemplo de caso de excomunhão famoso foi o do Pe. Cícero, que sofreu a excomunhão, e depois ela foi levantada (tudo isso com o Pe. Cícero ainda vivo, mas curiosamente sem ele saber, porque o bispo do Crato recebeu o decreto de excomunhão e interpôs recurso sem contar para ele, que já era muito idoso). Isso também aconteceu no caso dos "tradicionalistas" de Écone, onde foram sagrados alguns bispos sem autorização do Papa. Todos os envolvidos foram excomungados, mas depois de alguns anos o Papa Bento XVI revogou a excomunhão dos mesmos. (note que alguns envolvidos, como D. Lefebvre e D. Antônio de Castro Mayer já haviam falecido). Como A Catequista disse, a Igreja nunca afirma que alguém foi pro inferno... Tem coisas que realmente não sabemos e nem temos como saber com certeza. Do ponto de vista doutrinário, a excomunhão é um ato de governo que não compromete a infalibilidade da Igreja, muito embora seja um ato de grande autoridade, que devemos acatar. Quando a Igreja ensina que Nossa Senhora concebeu virginalmente, isso é uma verdade revelada por Deus, definida dogmaticamente pela Igreja, que devemos acreditar. Quando a Igreja excomunga alguém, age com grande autoridade, num ato de governo, que devemos certamente acatar, mas isso não compromete sua infalibilidade. Daí que possa haver reforma de decretos de excomunhão e excomunhões injustas (ainda que isso seja raro). Veja um texto do DeusLoVult bem explicativo, referente ao caso da faculdade concedida pelo Papa para levantamento da excomunhão por aborto, no Ano Santo. http://www.deuslovult.org/2015/09/02/tudo-o-que-e-possivel-e-perdoa-lo/ Um abraço!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 20-04-2016 14:22
Rodrigo, no antigo Ritual Romano, há um rito de absolvição da excomunhão, para falecidos. Agora, quando à alma de um falecido excomungado, o julgamento final só cabe a Deus. A Igreja nunca afirma se uma alma está no inferno ou não, ela não tem o poder de condenar uma alma. A Igreja tem somente a missão de julgar e condenar os ATOS de uma pessoa viva, e o quão grave são esses atos. Assim, ela indica aos homens qual caminho devem seguir para agradar a Deus, e qual caminho ofende a Deus e põe a alma em sério risco de ir para o Inferno. Então, se uma pessoa é excomungada, logicamente, desconfiamos que se ela morrer sem arrependimento, tem grande possibilidade de ir para o Inferno. Mas não há qualquer certeza a esse respeito. Até porque - isso é fato raríssimo - pode haver excomunhões injustas, como foi o caso de Santo Atanásio. Assim, se a excomunhão de um falecido é levantada, isso nada influi no seu destino eterno, que já foi selado pelo julgamento de Cristo. Se ele estiver no Céu, lá permanecerá; se estiver no Purgatório, lá continuará (e talvez saia de lá mais rápido, pois poderá ser favorecido pelas orações dos vivos, pelas missas a ele dedicadas etc.); se estiver no Inferno, de lá não sairá.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Cínthia 20-04-2016 11:48
Bom dia! Muito bom esse post... Mas resta uma dúvida, caso a pessoa que cometeu algum desses pecados, se arrependa e confesse, com o bispo ou o papa, ela não poderá voltar a fazer parte da igreja novamente?! Amo a página de vocês! Abraços... Att, Cínthia Sartorato
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Náila Anjos 22-04-2016 19:40
Poderá, sim. se a excomunhão é retirada, a pessoa volta a viver normalmente no seio da igreja.
Responder | Responder com citação | Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade