Publicidade
Terça, 04 Outubro 2011 00:28

“I see dead people”

Postado por

A COMUNICAÇÃO COM OS MORTOS É POSSÍVEL?cebolinha_penadinho_tirinha

Quase todo mundo tem ou conhece alguém que tenha uma história de aparição de fantasma pra contar. É o avô falecido que visita a netinha vez por outra, é a vizinha desencarnada que vem dar um último alô antes de tomar o rumo do Hades... Pelo visto, tem morto que gosta de fazer uma social por estas bandas. Esse tipo de coisa acontece mesmo ou não? E aí, o que a Igreja Católica diz sobre isso? Até onde eu sei, não diz NADA.

Só pra deixar bem claro, não estou me referindo aqui à prática do espiritismo, ou seja, à evocação dos mortos com a finalidade de obter deles algum conselho, doutrinas ou mensagens. A adesão dos católicos a este tipo de rito é definitivamente maléfica e expressamente proibida pela Igreja, conforme já comentamos em outro post. Refiro-me, sim, a manifestações espontâneas de espíritos.

Dentro dos círculos católicos – conversas de corredor, palestras, blogs e sites – já ouvi de clérigos e leigos diferentes versões para explicar o fenômeno, tais como: “Isso não passa de mera autossugestão”; “Não são espíritos, são demônios”, “Esso non ecxiste, é tudo ilusão” etc. Porém, no Magistério da Igreja ou na Patrística, nunca encontrei nenhum parecer sobre a possibilidade ou não de os mortos se comunicarem com os vivos (de novo: refiro-me aqui a contatos espontâneos, e não provocados por rituais de evocação). Se alguém aí conhece alguma referência deste tipo, compartilha comigo, please.

Polêmicas à parte, dos Apóstolos Pedro, Tiago e João podemos afirmar, com segurança: They saw dead people!,Vejam a passagem em que eles viram e ouviram os falecidos Moisés e Elias conversando com Jesus:

Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, seu irmão, e conduziu-os à parte a uma alta montanha. Lá se transfigurou na presença deles (...). E eis que apareceram Moisés e Elias conversando com ele. (Mt 17:1-3)

É importante notar que Moisés e Elias dialogavam somente com Cristo, e não dirigiram a palavra aos Apóstolos, que apenas observavam a conversação. Ou seja, os profetas não foram evocados e não estavam ali para revelar ou ensinar nada a eles, então... Nada a ver com espiritismo.

No Antigo Testamento, há outra passagem que parece indicar que a comunicação com os mortos é possível. Estando na iminência de perder uma guerra, Saul, desesperado, deseja se aconselhar com o profeta Samuel. Detalhe: o rei estava em maus lençóis justamente porque não dava ouvidos ao profeta quando este estava vivo, e agora queria encher o saco dele no Além. Mesmo estando careca de saber que o Senhor abominava esta prática, Saul busca a ajuda de uma necromante (médium) para chamar o espírito de Samuel. O homi não se fez de rogado e “baixou no terreiro”:

Samuel disse ao rei: Por que me incomodaste, fazendo-me subir aqui? Estou em grande angústia, disse o rei. Os filisteus atacam-me (...). Chamei-te para que me indiques o que devo fazer. Samuel disse-lhe: (...) Não obedeceste à voz do Senhor (...); eis por que o Senhor te trata hoje assim. E mais: o Senhor vai entregar Israel, juntamente contigo, nas mãos dos filisteus. Amanhã, tu e teus filhos estareis comigo, e o Senhor entregará aos filisteus o acampamento de Israel. (I Sam 28:15-19).

Como vemos, do Além, o Rei Saul não obteve qualquer ajuda ou conselho, somente maldições. E em nenhum versículo deste capítulo se levanta a possibilidade de que aquilo tudo não passasse de engodo ou ilusão. Já ouvi gente dizendo que o tal espírito não poderia ser de Saul, pois suas profecias não se cumpriram. Como assim não se cumpriram? Vejamos:

Profecia 1 – “O Senhor vai entregar Israel, juntamente contigo, nas mãos dos filisteus”. Teoria do erro: “Saul não foi entregue nas mãos dos filisteus, mas se suicidou”. Esclarecimento: o exército de Israel foi derrotado pelos filisteus e Saul se suicidou para fugir da morte inevitável pelas mãos destes inimigos. Ainda que indiretamente, ele morreu sim por causa dos filisteus.

Profecia 2 – “Amanhã, tu e teus filhos estareis comigo”. Teoria do erro: “Saul não morreu no dia seguinte, mas sim dois dias depois. Ademais, nem todos os seus filhos morreram”. Esclarecimento: o termo “amanhã” não necessariamente se refere ao dia seguinte. Quanto aos filhos, em nenhum momento foi profetizado que TODOS os filhos do rei morreriam. E, de fato, todos aqueles filhos que lutaram com Saul na guerra bateram as botas.

Uma objeção relevante: como poderia ter permitido que um de seus profetas obedecesse ao chamado de uma necromante, cujas práticas abomina? Creio que tenha se tratado de uma permissão excepcional, talvez uma tentativa derradeira de fazer Saul (homem ungido) se dar conta de seus erros. Mas o fato é que esse ritual “espírita” se somou aos muitos pecados do rei, e ele caiu de vez em desgraça, como afirmam as Escrituras:

Saul morreu por causa da infidelidade, pela qual se tornara culpado contra o Senhor, não observando a palavra do Senhor e por ter consultado necromantes. (I Cr 10:13).

[caption id="attachment_1531" align="alignleft" width="230" caption="Frase da uma amiga encalhada: "Quanto mais eu rezo, mais homem feio me aparece. Ai que inveja da Demi Moore!""]patrick-swayze-demi-moore-ghost-2[/caption]

Assim, são numerosas as passagens da Bíblia e os documentos da Igreja que reafirmam que a fé no Deus de Israel e a consulta aos mortos são incompatíveis. Porém, diversos são os testemunhos daqueles que, jamais tendo participado de rituais de evocação, foram involuntariamente expostos a visões ou vozes de espíritos. Sabe-se lá porque Deus permite essas coisas... Mas o certo é que não devemos dar trela para o que dizem os espíritos, pois nas Escrituras e na Tradição da Igreja é que encontramos a Palavra segura para iluminar o nosso caminho.

ATENÇÃO: tudo o que afirmamos aqui sobre a condenação das práticas e da doutrina espírita está estritamente de acordo com a doutrina da Igreja. Porém, a afirmação de que o contato involuntário com a alma dos mortos pode realmente ocorrer trata-se de uma opinião minha, e não encontra nenhum embasamento – nem tampouco condenação – no Sagrado Magistério.

Caso alguém encontre neste texto algo que esteja em desacordo com o que a Igreja ensina, direi como São Tomás de Aquino: “Se, por ignorância, fiz o contrário, eu revogo tudo e submeto todos meus escritos ao julgamento da Santa Igreja Romana".

388 Terça, 06 Junho 2017 19:09

Comentários   

0 # Felipe Xavier Viana 14-09-2017 14:44
As Almas que estão no céu, sendo que elas estão vivas, podem se comunicar com os humanos dando conselhos da parte de Deus???
E as almas do Purgatório?? Do Inferno??
O que falar das aparições de Nossa Senhora??
Responder | Responder com citação | Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade