Publicidade
O Catequista

O Catequista

É TRETA, Povo Católicoooooooo!!!!

Hoje, em O Catequista, é dia do podcast mais treteiro do universo: HORA DA TRETA!

A Hora da Treta é um programa semanal da Rádio Catedral FM que tem como objetivo passar a semana em revista, mostrando a verdade por trás dos fatos e um olhar cristão para tudo o que acontece. É apresentado por Alexandre Varela (EU!), Pe. Augusto Bezerra e Pe. Nivaldo Junior e vai ao ar AO VIVO todas as sextas-feira (dia de treta), às 18h10 na Rádio Catedral FM do Rio de Janeiro (106,7). Quem não conseguir acompanhar o programa ao vivo pode ficar tranquilo porque NENHUMA TRETA FICARÁ SEM REGISTRO!

NESTE PROGRAMA: Alexandre Varela (O Catequista), Pe. Augusto Bezerra e Pe. Nivaldo Junior explicam PAAAASMOOOOS a tretaça da gravação de Michel Temer, listam as prováveis consequências para o país e procuram alguns políticos em meio ao pó! E não perca o bate-papo da semana com Sidney Silveira! 

APERTA O PLAY QUE É TRETA!

 

-----------------------------------

Conheça o Livro “Quem sou eu para Julgar”, da Editora LeYa, com textos e falas do Papa Francisco sobre os mais diversos temas. Todas as tretas estão lá! Clique na figura abaixo!

É treta, Povo Católico!!!

 

Chegaram muitas dúvidas sobre Eucaristia e resolvemos dedicar um programa inteiro só pra falar de tretas no momento da comunhão! 

Então, não perde mais tempo! Dê play, divirta-se, assine nosso canal no Youtube (clicando aqui) e se tiver alguma treta pra nos mandar, envie para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.!

É TRETA, Povo Católicoooooooo!!!!

Hoje, em O Catequista, é dia do podcast mais treteiro do universo: HORA DA TRETA!

A Hora da Treta é um programa semanal da Rádio Catedral FM que tem como objetivo passar a semana em revista, mostrando a verdade por trás dos fatos e um olhar cristão para tudo o que acontece. É apresentado por Alexandre Varela (EU!), Pe. Augusto Bezerra e Pe. Nivaldo Junior e vai ao ar AO VIVO todas as sextas-feira (dia de treta), às 18h10 na Rádio Catedral FM do Rio de Janeiro (106,7). Quem não conseguir acompanhar o programa ao vivo pode ficar tranquilo porque NENHUMA TRETA FICARÁ SEM REGISTRO!

NESTE PROGRAMA: Alexandre Varela (O Catequista), Pe. Augusto Bezerra e Pe. Nivaldo Junior falam sobre o depoimento do Lula a Sérgio Moro, analisam as delações de João Santana e Mônica Moura, tretam com o novo presidente da França e batem um papo sobre feminismo com Sara Winter! 

APERTA O PLAY QUE É TRETA!

Oi Povo Católico!

A partir de hoje tem BISPO em O Catequista TV! A cada 15 dias, teremos uma nova catequese de Dom Paulo Romão, bispo auxiliar da Arquidiocese do Rio de Janeiro!

Então não espere mais... dá play aí e assine nosso canal no Youtube (clicando aqui).

 

QUEM É DOM PAULO ROMÃO?

Paulo Alves Romão, nascido a 6 de abril de 1964, em Barra do Jacaré, Diocese de Jacarezinho, Estado do Paraná.


Obteve grau de bacharel em Filosofia na Faculdade Eclesiástica João Paulo II (1991 – 1992) e de bacharel em Teologia pelo Instituto Superior de Teologia da Arquidiocese do Rio de Janeiro (1993 – 1997). Obteve o grau de mestre (1997 – 1998) e de doutor em Teologia sistemátia pastoral (2007 – 2012) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, com a tese A estrutura sacramental da história salvífica: estudo comparado Edward Schillebeelx e Luigi Giussani.


Foi ordenado sacerdote em 28 de junho de 1997 pela Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, na qual exerceu as seguintes funções:


- Diretor espiritual do Seminário Arquidiocesano São José (1997 – 1999);
- Professor do Instituto Superior de Teologia da Arquidiocese do Rio de Janeiro, professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1998 – 2016);
- Responsável diocesano do Movimento Comunhão e Libertação (2001 – 2016);
- Diretor do Departamento de Ensino Religioso da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro (2002 – 2016);
- Professor do Instituto Superior de Ciências Religiosas (2004 – 2005);
- Responsável pela Pastoral da Educação desta Arquidiocese (2009 – 2016);
- Pároco da Paróquia Bom Pastor (2011 – 2016);
- Diretor espiritual do Seminário Propedêutico Rainha dos Apóstolos (2016).

Ah... mas o que importa mesmo é que ele me converteu!!! 

Aproveita, Povo Católico!!!!!

Neste centenário das aparições de Nossa Senhora em Fátima, a Igreja está nos oferecendo muitas oportunidades de obter a Indulgência Plenária!!! Então, vamos agora descobrir o que temos que fazer...

 

LEGAL FERA, MAS O QUE É INDULGÊNCIA PLENÁRIA?

Bom, primeiro precisamos entender o que acontece quando fazemos besteira... Cada vez que pecamos, sofremos duas consequências:

  • uma é a perda da comunhão com Deus por conta das nossas culpas (no caso de pecado grave);  
  • a outra é um "arranhão" na alma que nos distancia de ser o "Homem Novo" - são as PENAS TEMPORAIS do pecado (seja ele grave ou leve).

A primeira se resolve com o Sacramento da Confissão, no qual somos perdoados por Deus e retomamos a comunhão com Ele, desde que nos arrependamos sinceramente e tenhamos o firme propósito de não mais pecar. Essa é a REMISSÃO do pecado.

O perdão dos pecados na Confissão, entretanto, não anula a nossa pena temporal. As penas temporais exigem uma purificação que pode ser em vida, ou após a morte. Em vida, precisamos praticar a caridade, ser firmes nas provações e vivê-las como grandes oportunidades de verdadeira conversão. Após a morte, esse estado de purificação é o famoso Purgatório. Essa é a REDENÇÃO do pecado. E é aí que as graças da indulgência atuam!

Ahhhhh é aí que entram as INDULGÊNCIAS! A Indulgência Parcial remove parte das suas penas temporais e, assim, você passa menos tempo no Purgatório. MAS... a indulgência plenária TE LIVRA COMPLETAMENTE das penas temporais acumuladas até aquele momento da sua vida!

Ou seja... se você obtiver a indulgência plenária para si mesmo, tiver um piripaque ou coisa assim e morrer no instante seguinte, você vai para o Céu direto!!! Seria perfeito. Mas como isso é difícil, o melhor é ir catando todas as indulgências que a Igreja nos oferece.

Ah. Você pode oferecer suas indulgências para um fiel defunto também e ajudá-lo a sair do Purgatório mais rápido ir para o Céu.

Já fizemos um artigo sobre esse tema das indulgências. Então, para saber mais, CLIQUE AQUI.

OPORTUNIDADES DE INDULGÊNCIA NO CENTENÁRIO DE FÁTIMA

Agora vamos ao que interessa... pra dar aquela escapada do Purgatório ou ajudar um fiel defunto que precise, você deve prestar atenção na lista abaixo. Ela descreve as ações que serão agraciadas com as Indulgências Plenárias neste centenário das aparições de Fátima!

  • Aos fiéis que visitarem em peregrinação o Santuário de Fátima e participarem devotamente de alguma celebração ou oração em honra da Virgem Maria, rezarem a oração do Pai Nosso, recitarem o Símbolo da Fé (Credo) e invocarem Nossa Senhora de Fátima;
  • Aos fiéis que visitarem devotamente uma imagem da Virgem de Fátima exposta à veneração em igrejas, capelas ou locais adequados nos dias do aniversário das Aparições (dia 13 de cada mês, de maio a outubro de 2017), participarem de celebrações ou orações em honra da Virgem Maria, rezarem a oração do Pai Nosso, recitarem o Símbolo da Fé (credo) e invocarem Nossa Senhora de Fátima;
  • Aos fiéis que por razão de idade, doença ou graves motivos não possam se locomover, estejam arrependidos de seus pecados e tenham a firme intenção de colocar em prática, logo que possível, as três condições indicadas diante de uma pequena imagem da Nossa Senhora de Fátima; e nos dias das Aparições, se unirem espiritualmente às celebrações jubilares, oferecendo com confiança a Deus misericordioso, por meio de Maria, suas orações, sofrimentos e dificuldades.

Para obter a indulgência plenária, os fiéis sinceramente arrependidos e animados pela caridade devem atender as seguintes condições: confissão sacramental, comunhão eucarística e orações segundo as intenções do Papa.

(o texto é da Rádio Vaticano)

MAS FIQUE LIGADO! ALÉM DISSO, É NECESSÁRIO FAZER MAIS ALGUMAS COISAS: conforme o Catecismo de São Pio X, para receber a indulgência são necessárias 3 condições:

o estado de graça, pelo menos ao cumprir a última obra, e o desapego mesmo das culpas veniais cuja pena se quer apagar;

o cumprimento das obras que a Igreja prescreve para se ganhar a indulgência;

a intenção de ganhá-las.

E, lembre-se, só se pode receber uma indulgência por dia e deve ser obtida para si mesmo ou para um fiel defunto. Não vale para outras pessoas vivas... neste caso elas mesmo têm a responsabilidade de correr atrás da própria salvação (você pode ajudar compartilhando esse post #FicaDica)!

Oi Povo Católico!

Na catequese de hoje, o Papa Francisco nos chama atenção para uma das grandes virtudes de Maria: o silêncio.

"[..] Maria aparece nos Evangelhos como uma mulher silenciosa, que muitas vezes não compreende tudo o que acontece ao seu redor, mas que medita cada palavra e cada acontecimento em seu coração.

Esta é uma bela amostra da psicologia de Maria: não é uma mulher que deprime frente às incertezas da vida, especialmente quando nada parece estar indo no caminho certo. Nem é uma mulher que protesta violentamente, batendo no destino da vida, que muitas vezes revela uma face hostil. 

Em vez disso, é uma mulher de escuta: não se esqueça de que há sempre uma grande relação entre a esperança e a escuta. Maria é uma mulher que escuta. Maria saúda a existência como ela é entregue a nós, com seus dias felizes, mas também com a suas tragédias [..]."

Papa Francisco na catequese de 10/05/2017

(tradução livre de O Catequista)

Dentro da nossa vida barulhenta e cheia de afazeres, o silêncio aparece quase como um luxo. Quantas vezes você ouviu alguém falar que queria fazer uma viagem ou ir à um SPA, apenas para "ficar tranquilo"? Essa tranquilidade se traduz em quietude. Hoje não temos tempo para ficar quietos. Somos continuamente bombardeados de informações e temos mania de atolar nossos dias, de forma a não ter tempo para "meditar no coração" tudo o que nos acontece. Mesmo à noite, não temos essa oportunidade, pois já deitamos completamente exaustos pelas tarefas cotidianas. 

Maria silenciava, escutava e guardava tudo em seu coração. 

E isso não significava nenhum tipo de fraqueza, pelo contrário! Papa Francisco nos guia pela psicologia de Maria, mostrando que diante de todas as incertezas (que começam na Anunciação), ela permanecia inteira. E era assim por confiar plenamente na Esperança. Ela sabia que o Senhor conduzia tudo, mesmo quando não entendia absolutamente nada que ocorria a sua volta. Sabia que em algum momento tudo faria sentido e seria bom. Será que conseguimos ser como Maria hoje?

“Quem sabe não seria uma coisa boa se, com seus amigos sacerdotes ou com as pessoas maduras, mais adultas, vocês se empenhassem em esclarecer as palavras e as frases que são ditas, usadas por Deus? Por exemplo, vocês farão muito barulho, uma barulheira cada vez que tentarem inventar respostas para suas exigências; na verdade, descobrirão que essas respostas vêm exclusivamente quando a pessoa repousa a cabeça nos ombros de Cristo.”

Dom Luigi Giussani em um encontro com Jovens de Comunhão e Libertação em 2003.

 

 

Tudo o que fazemos tem necessariamente a ver com a busca pela felicidade, pela plenitude. Mas fazemos muito barulho na tentativa de chegar lá! Como esperneamos, como choramos, como brigamos com a vida! E na verdade, só precisaríamos obedecer...

"Faça-se em mim, segundo a tua Palavra". A partir destas palavras a Salvação entrou no mundo. Mas só é possível pronunciá-las quando "repousamos a cabeça nos ombros de Cristo", ou seja, quando temos Esperança. Quando confiamos na condução do Senhor.

A vida de Nossa Senhora não mostra nenhuma revolução, nenhum grito, nenhuma violência, nenhuma resistência... mostra apenas silêncio, obediência e esperança. Mesmo diante do drama de estar aos pés de seu filho, nos seus últimos instantes de vida, pregado em uma cruz!

Maria não se deprime, não reage... apenas silencia e obedece. Se vivemos dizendo que Maria deve ser nosso modelo de santidade, precisamos então abrir espaços na nossa vida para meditar cada palavra e cada acontecimento em nosso coração, assim como ela fez.

Só quando repousamos a cabeça nos ombros de Cristo e silenciamos, somos realmente capazes de escutá-lo.

É TRETA, Povo Católicoooooooo!!!!

Hoje estreia em O Catequista, o podcast mais treteiro do universo: HORA DA TRETA!

A Hora da Treta é um programa semanal da Rádio Catedral FM que tem como objetivo passar a semana em revista, mostrando a verdade por trás dos fatos e um olhar cristão para tudo o que acontece. É apresentado por Alexandre Varela (EU!), Pe. Augusto Bezerra e Pe. Nivaldo Junior e vai ao ar AO VIVO todas as sextas-feira (dia de treta), às 18h10 na Rádio Catedral FM do Rio de Janeiro (106,7). Quem não conseguir acompanhar o programa ao vivo pode ficar tranquilo porque NENHUMA TRETA FICARÁ SEM REGISTRO!

NESTE PROGRAMA: Alexandre Varela (O Catequista), Pe. Augusto Bezerra e Pe. Nivaldo Junior falam sobre a sanha do STF de soltar todos os presos da Lava-Jato, da escalada da violência no Rio de Janeiro e batem um papo sobre aborto com Elba Ramalho e Zezé Luz. Tudo isso, sob as bênçãos de Dom Orani que entrou por telefone no início do programa! Não perca!

APERTA O PLAY QUE É TRETA!

 

Seja Santo, Povo Católico!!!

É assustador pensar no tamanho do buraco em que nossa sociedade se meteu. As famílias estão cada vez mais estranhas. Pais e mães (quando existem) terceirizam seus filhos com as escolas, que por sua vez, lhes ensinam a ser contra a família. Nossos jovens falam em empreendedorismo, mas crescem sonhando em depender cada vez mais do Estado. Falamos sempre em boas intenções e boas ações, mas parecem que elas apenas visam consertar o estrago que nossos valores deturpados provocam. Qual a solução para tudo isso? Aposto que muitos dirão “Guerra Cultural”, pois acho que é hora de propor uma nova guerra: a “Guerra Espiritual”. Precisamos de mais santos e menos Templários de Facebook.

É importante dizer que combater a cultura que nos vendem hoje é importante. Mas é como enxugar gelo. As coisas vão realmente mudar, quando o coração do homem (sua razão e afeição) forem tocados. E só existe realmente uma coisa que muda o coração do homem: o encontro com Cristo.

Mas qual a melhor maneira de fazer isso? Vivendo a SANTIDADE.

Já falamos isso, mas vamos repetir: a santidade não é um prêmio post-mortem para os católicos que foram bonzinhos em vida. A Santidade é um serviço URGENTE para a Igreja de Cristo! E só através dela será realmente possível mudar qualquer coisa na nossa sociedade.

Se você acessou nosso site recentemente, viu que estamos divulgando o livro “Quem sou eu para Julgar” da Editora LeYa, com textos e homilias do Papa Francisco. Lendo o livro, nos deparamos com esse belíssimo discurso:

“Não é, pois, com a clava do juízo que conseguiremos reconduzir a ovelha perdida ao redil, mas com a santidade de vida que é princípio de renovação e reforma na Igreja. A santidade nutre-se de amor e sabe suportar o peso de quem é mais frágil. Um missionário da misericórdia carrega o pecador sobre os próprios ombros e consola-o com a força da compaixão. E o pecador que o procura, a pessoa que vai até ele, encontra um pai.”

Papa Francisco em discurso aos Missionários da Misericórdia (9 de fevereiro de 2016)

É perfeito! Não é com a clava do juízo que se luta pelo coração do homem!!! É com a santidade que se mostra o rosto do Senhor!

Quanto tempo perdemos hoje em brigas de Facebook? Quanto foi realmente efetivo espezinhar aquele seu amigo no comentário dele sobre qualquer assunto envolvendo política? Quantas almas foram salvas postando “sou de direita mesmo e quem não concordar pode me excluir”?

O ponto não é excluir alguém ou não... nem tampouco, responder ou não uma postagem na sua timeline. O ponto é: o quanto estamos nos dedicando realmente à humanidade de quem está diante de nós na vida real? O quanto estamos nós mesmos dedicando nosso tempo às coisas santas?

Quantos sacrifícios eu ofereci como penitência ao Senhor para que convertesse a mim, a minha família, aos meus amigos e àqueles que escrevem besteiras no Facebook? Quantas orações ofereci por eles?

Gastei tempo para escutar os argumentos alheios e estuda-los para pacientemente refutá-los com toda a misericórdia possível? Ou simplesmente bloqueei o sujeito ou deixei ele pra lá carimbando ele como “esquerda”, “herege”, “jujuba” (ta bom... esse fomos nós que inventamos) ou qualquer outra coisa? Aliás, se estas pessoas estão realmente tão desencaminhadas, por que não oferecer tempo, sacrifício e orações por elas?

Pense seriamente, responda às perguntas acima com toda a honestidade possível e converse com seu diretor espiritual. Se não tiver um... arrume! Mas na vida real, ok?

A Igreja de Cristo precisa de Santos Missionários e não de Templários de Facebook!

Seja Santo!

 

-----------------------------------

Conheça o Livro “Quem sou eu para Julgar”, da Editora LeYa, com textos e falas do Papa Francisco sobre os mais diversos temas. Todas as tretas estão lá! Clique na figura abaixo!

Se cuida, Povo Católico!!!!

O Papa Francisco se encontrou com os seminaristas, clero e religiosos do Egito e fez uma belíssima catequese.  Nela, pediu que continuassem a semear a Palavra de Deus na terra do Egito e advertiu sobre as principais tentações que podem impedir a missão dos consagrados.

ATENÇÃO padres, religiosos e seminaristas! Aliás... atenção a todos os católicos!

 

AS 7 TENTAÇÕES DA VIDA CONSAGRADA:

 

1. A tentação de deixar-se arrastar e não guiar

O bom pastor tem o dever de guiar o rebanho (cf. Jo 10, 3-4), de o conduzir a pastagens verdejantes e até à nascente das águas (cf. Sal 23/22, 2). Não pode deixar-se arrastar pelo desânimo e o pessimismo: «Que posso fazer?» Aparece sempre cheio de iniciativas e de criatividade, como uma fonte que jorra mesmo quando vem a seca; sempre oferece a carícia da consolação, mesmo quando o seu coração está alquebrado; é um pai quando os filhos o tratam com gratidão, mas sobretudo quando não lhe são agradecidos (cf. Lc 15, 11-32). A nossa fidelidade ao Senhor nunca deve depender da gratidão humana: «teu Pai, que vê o oculto, há de recompensar-te» (Mt 6, 4.6.18).

 

2. A tentação de lamentar-se continuamente

Sempre é fácil acusar os outros: as faltas dos superiores, as condições eclesiais ou sociais, as escassas possibilidades… Mas a pessoa consagrada é alguém que, pela unção do Espírito, transforma cada obstáculo em oportunidade, e não cada dificuldade em desculpa! Na realidade, quem se lamenta sempre é uma pessoa que não quer trabalhar. Por isso o Senhor, dirigindo-Se aos pastores, disse: «Levantai as vossas mãos fatigadas e os vossos joelhos enfraquecidos» (Heb 12, 12; cf. Is 35, 3).

 

3. A tentação da crítica e da inveja

O perigo é sério, quando a pessoa consagrada, em vez de ajudar os pequenos a crescer e a alegrar-se com os sucessos dos irmãos e irmãs, se deixa dominar pela inveja tornando-se numa pessoa que fere os outros com a crítica. Quando, em vez de se esforçar por crescer, começa a destruir aqueles que estão crescendo; em vez de seguir os bons exemplos, julga-os e diminui o seu valor. A inveja é um câncer que arruína qualquer corpo em pouco tempo: «Se um reino se dividir contra si mesmo, tal reino não pode perdurar; e se uma família se dividir contra si mesma, essa família não pode subsistir» (Mc 3, 24-25). Com efeito, «por inveja do diabo é que a morte entrou no mundo» (Sab 2, 24). E a crítica é o seu instrumento e a sua arma.

 

4. A tentação de se comparar com os outros

A riqueza reside na diferença e na unicidade de cada um de nós. Comparar-nos com aqueles que estão melhor, leva-nos frequentemente a cair no rancor; comparar-nos com aqueles que estão pior, leva-nos muitas vezes a cair na soberba e na preguiça. Quem tende sempre a comparar-se com os outros, acaba por se paralisar. Aprendamos de São Pedro e São Paulo a viver a diferença dos caráteres, dos carismas e das opiniões na escuta e docilidade ao Espírito Santo.

 

5. A tentação do «faraonismo», isto é, de endurecer o coração e fechá-lo ao Senhor e aos irmãos

É a tentação de se sentir acima dos outros e, consequentemente, de os submeter a si por vanglória; de ter a presunção de ser servido em vez de servir. É uma tentação comum, desde o início, entre os discípulos, os quais – diz o Evangelho –, «no caminho, tinham discutido uns com os outros, sobre qual deles era o maior» (Mc 9, 34). O antídoto para este veneno é o seguinte: «Se alguém quiser ser o primeiro, há de ser o último de todos e o servo de todos» (Mc 9, 35).

 

6. A tentação do individualismo

Como diz o conhecido provérbio egípcio: «Eu e, depois de mim, o dilúvio». É a tentação dos egoístas que, ao caminhar, perdem a noção do objetivo e, em vez de pensar nos outros, pensam em si mesmos, sem sentir qualquer vergonha; antes, justificando-se. A Igreja é a comunidade dos fiéis, o corpo de Cristo, onde a salvação de um membro está ligada à santidade de todos (cf. 1 Cor 12, 12-27; Lumen gentium, 7). Ao contrário, o individualista é motivo de escândalo e conflitualidade.

 

7. A tentação de caminhar sem bússola nem objetivo

A pessoa consagrada perde a sua identidade e começa a «não ser carne nem peixe». Vive com o coração dividido entre Deus e a mundanidade. Esquece o seu primeiro amor (Ap 2, 4). Na realidade, sem uma identidade clara e sólida, a pessoa consagrada caminha sem direção e, em vez de guiar os outros, dispersa-os. A vossa identidade como filhos da Igreja é ser coptas – isto é, radicados nas vossas raízes nobres e antigas – e ser católicos – isto é, parte da Igreja una e universal: como uma árvore que quanto mais enraizada está na terra tanto mais alta se eleva no céu.

 

É isso, povo católico! Quem está de pé, cuide de não cair!

 

-----------------------

Povo Católico! O Catequista está sendo objeto de uma tese de doutorado! Se puder, contribua para a pesquisa respondendo este questionário: https://goo.gl/forms/0irwYk4xheuFiN1l2. É bem rápido e, não se preocupe, nenhuma informação sensível será coletada! Muito obrigado!

Terça, 18 Abril 2017 21:59

Rosidalva, ter filhos é um ato de Fé!

Oi Povo Católico!!!

Há pouco tempo, divulgamos um artigo sobre uma afirmação do Papa Francisco de que a opção por ter apenas um filho fazia parte da destrutiva cultura do bem-estar (leia o artigo aqui). O tema sempre gera discussões acaloradas, mas entre todos os argumentos, um me saltou aos olhos e, por isso, peço a licença de todos para dirigir esse post à Rosidalva.

Oi Rosidalva!

Seu comentário foi pontual e curto, mas foi humano. Não foi sobre regras ou finanças, mas sobre os nossos próprios limites. E essa é justamente a grande dúvida que todos os pais (e futuros pais) têm no coração: será que consigo criar meus filhos adequadamente?

Só partindo dessa pergunta é possível dizer que alguém está realmente empenhado com a paternidade/maternidade. Não é uma recusa, nem o estabelecimento de outras prioridades (como viajar ou “aproveitar a vida”). É uma pergunta realista, como a que Nossa Senhora fez diante do Anjo Gabriel.

"Maria perguntou ao anjo: Como se fará isso, pois não conheço homem?" (Lc 1, 34)

Nossa Senhora, diante de algo completamente fora do seu controle (e também relacionado à maternidade), não se negou a seguir o plano do Senhor, mas se preocupou com sua aparente incapacidade de atendê-Lo.

Rosidalva, nossos filhos também são grandes obras de Deus nas nossas vidas. São enviados por Ele. E, imagine... Nossa Senhora participou da História da Salvação, e nós, da Criação! Que imenso privilégio! Assim, olho para o seu comentário e penso que talvez a pergunta feita no seu coração tenha sido algo muito semelhante à dúvida de Nossa Senhora.

“Mas como? Se não tenho paciência... se criar filhos neste mundo é difícil...”

Às vezes olho os meus quatro filhos e penso a mesma coisa: tenho tantos limites... Como posso eu, do jeito que sou, ter a pretensão de servir ao Senhor?

A resposta está na Providência. A Providência não é uma magia que faz com que o dinheiro se multiplique, que as crianças se comportem e que eu tenha sempre a paciência de um monge beneditino, enquanto eles correm pela casa, rabiscam as paredes e aprendem ideologia de gênero na escola. A Providência não é mágica, ela não some com os problemas: ela te sustenta diante deles.

A Providência não faz o supermercado por você e nem acalma as crianças. Mas te mantém de pé para fazer tudo isso. Por causa dela, a sua humanidade ganha a força necessária para seguir em frente, mesmo diante de tudo o que está aí. Porque desafiar e vencer o mundo é a primeira missão da Igreja. A primeira missão de todos nós.

E, olha Rosidalva, isso não é discurso não. É a experiência de um pai de quatro filhos disposto a acolher quantos mais o Senhor enviar. Porque cada um deles é sinal concreto da Sua misericórdia e do Seu amor para com a minha família.

Vou contar para você algo muito pessoal.

Nossa família passou (e na verdade ainda estamos passando) por algumas dificuldades financeiras. Na Semana Santa de 2015, perguntei ao Senhor que caminho tomar. Queria objetivamente que Ele me respondesse para onde ir, o que fazer para sair daquela situação e dar uma vida melhor para os três filhos que tínhamos.

Em todas as atividades da Semana Santa rezei para ter essa resposta. Rezei muito. Passou o domingo de Páscoa e, na manhã da segunda-feira, acordei diferente. Olhei para a minha esposa e disse a ela com absoluta convicção: você está grávida!

E estava mesmo. Era a nossa quarta criança. E era a resposta que eu havia pedido.

Se Deus me enviou mais um filho, se Deus confiou à minha família mais esta graça, é porque Ele sabe que nós somos capazes de fazer o melhor, ainda que eu mesmo não acreditasse nisso. Porque não sou eu que supero os meus limites para cuidar dos meus filhos: é Ele que se aproveita de tudo (até dos meus limites) para construir o Seu Reino.

Eu só tenho que dizer SIM.

"Então disse Maria: Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo afastou-se dela." (Lc 1, 38)

Então, Rosidalva, assim como Nossa Senhora, com todos os medos que uma garota da idade dela poderia ter diante do anúncio do Anjo, devemos nós também dizer o nosso “sim”. E que seja feita a vontade do Pai, porque é Ele quem conduz tudo. Nós nunca estamos preparados!

Deixe que o Senhor use você e a sua família para a construção do Reino. Coloque tudo à disposição dEle. Até a sua falta de paciência. Ele sabe exatamente como aproveitar tudo isso.

E, a cada dia, o seu cuidado...

Força, Rosidalva, e que Deus continue abençoando você e sua família!

 

-----------------------

Povo Católico! O Catequista está sendo objeto de uma tese de doutorado! Se puder, contribua para a pesquisa respondendo este questionário: https://goo.gl/forms/0irwYk4xheuFiN1l2. É bem rápido e, não se preocupe, nenhuma informação sensível será coletada! Muito obrigado!

Página 1 de 16
Publicidade
Publicidade