Publicidade
Quarta, 01 Junho 2016 01:03

Estupro e assédio sexual na Bíblia e na Tradição – A defesa das mulheres

Postado por

susana_biblia

Em 2013, Marte Dalelv, uma jovem norueguesa de 24 anos, viajou a trabalho para Dubai. Após uma festa, seu chefe se ofereceu para levá-la até o hotel. Segundo ela, o chefe se aproveitou que ela estava bêbada e a estuprou. Ignorando a cultura local (Dubai é um país muçulmano), a moça foi à delegacia e prestou queixa. Resultado: foi colocada atrás das grades, acusada de fazer sexo fora do casamento.

Depois de dez dias em cana, Marte foi libertada, graças aos esforços do consulado norueguês. Esse caso surreal é simplesmente impensável em um país de raiz cristã – mesmo naqueles países europeus profundamente secularizados, em que o cristianismo é uma quase uma lembrança do passado. Afinal, a cultura judaico-cristã, há milênios, promove uma cultura de proteção da dignidade sexual feminina.

Atualmente, em pleno século XXI, a lei de muitos países pune a mulher estuprada. Já Moisés, por volta de mil anos a.C., previa pena de morte ao homem que estuprasse uma mulher (Dt 22,26) e isentava a vítima de culpa e de qualquer penalidade.

O assédio sexual e a obtenção de sexo por meio de chantagem também são condenados na Bíblia, por meio da história da bela Suzana (Dn 13). A moça, sendo casada, era cobiçada por dois importantes juízes do povo israelita, que ameaçaram acusá-la de adultério no tribunal, caso ela se recusasse a satisfazê-los. Mas ela gritou quando eles a agarraram, preferindo ser exposta à infâmia do que pecar contra Deus. No fim, o profeta Daniel desmascara os velhos tarados, e Suzana obtém justiça.

Portanto, na Bíblia, fica clara a lição de que o testemunho de um homem diante de um tribunal – mesmo que seja um homem de grande prestígio na comunidade – não necessariamente é mais digno de fé do que a palavra de uma mulher.

Todas essas passagens são muito interessantes, mas é no Novo Testamento que Cristo vem nos dar um ensinamento sublime: aos homens, não é admitido nem mesmo OLHAR uma mulher alimentando pensamentos maliciosos (Mt 5,28). Isso, obviamente, fecha as portas para as cantadas chulas ou qualquer tipo de contato físico não autorizado.

saque_roma

E quanto à Tradição da Igreja? Como os bispos e teólogos dos primeiros séculos viam a questão do estupro? Durante a invasão de Roma pelos bárbaros visigodos, no ano 410, muitas mulheres foram estupradas, inclusive as cristãs. Santo Agostinho afirmou que essas mulheres eram puras não somente no espírito, mas também no corpo, pois não tinham qualquer culpa da violação que sofreram (Cidade de Deus, cap. XIX).

Naquele tempo, os pagãos louvavam como virtuosas as mulheres que se suicidavam após terem sofrido um estupro (como aconteceu com a célebre Lucrécia). Santo Agostinho protestou contra essa mentalidade mórbida: não era justo nem lógico que a vítima inocente punisse a si mesma com a morte. Mesmo diante do julgamento temerário da sociedade, as mulheres cristãs vítimas de tais crimes deveriam manter a paz de espírito, pois “No seu íntimo, mantêm com certeza a glória da castidade e o testemunho da sua consciência”.

Durante a Idade Média, a Igreja se colocou fortemente contra a prática do rapto de donzelas, que eram tiradas de suas famílias e obrigadas a casar com seus sequestradores. Enquanto isso, até hoje, no Quirguistão (país de maioria islâmica), um terço dos casamentos são realizados mediante o sequestro da noiva, e a maioria delas é estuprada na noite de núpcias.

Como vemos, não é preciso abraçar ideologias mundanas e seus jargões ("cultura do estupro"; "todo homem é um estuprador em potencial" etc.) para combater o assédio indevido às mulheres. Basta pregar e viver os valores do Evangelho! Onde o cristianismo ganha raízes e se expande, a dignidade da mulher se eleva; e quando os valores cristãos são enfraquecidos em uma sociedade, a vida e a imagem das mulheres se degrada. Então, precisamos de Jesus e da Sua Igreja, não de ideologias impregnadas de marxismo.

O feminismo, especificamente, surgiu como um movimento necessário e positivo (podemos citar, por exemplo, o nobre movimento sufragista), mas hoje é acima de tudo um instrumento de ataque à família e aos valores cristãos. Em um próximo post, falaremos mais sobre como o movimento feminista virou as costas para a verdadeira defesa da mulher, e se tornou apenas mais uma militância marxista.

569 Quarta, 21 Dezembro 2016 20:01

Comentários   

0 # Helber Lesa 17-06-2016 13:02
Apesar disso, mts ateus e neoateus afirmam que Deus "é à favor do estupro". Curioso que adoram citar o caso das filhas de Ló para "provar" que Deus permitia incesto, mas não falam da referida passagem de Daniel, nem do homicídio dos filhos de Davi em vingança de Tamar, abusada causando-lhe mais aborrecimento que o amor que o irmão tinha por ela (ou seja, é mostrado que a ação é errada)ou da guerra civil causada pelo estupro coletivo de uma moça em Juízes e o mau procedimento do marido para provar que ele recrimina.E olha que é três à um. Outro caso é o do versículo que citaram, que supostamente faz a vítima casar com o estuprador, mas na vdd esse caso não é de um estupro, é de sexo fora do casamento.Tanto que em outra lei é especificada a resistência da mulher.E nesse caso é dito que o criminoso comete um mal tal qual outro que mata o próximo. O “a deflorou”, em outras traduções, “a humilhou”, é referente à imagem que teriam dela após o ocorrido. Dificilmente ela arranjaria um casamento, o que seria necessário para seu sustento.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Vinicius 13-06-2016 23:52
É nesses pontos que nossa função de catequista se torna mais delicada. Deparo-me com muitos crismandos inclinados para ideologias marxistas (em especial o feminismo e, pasmem, a ideologia de gênero). É essencial mostrarmos, à luz da Tradição e da razão, o quão obtusas e avessas à vontade de Deus são essas ideologias. É um trabalho árduo, porém, necessário. Agradeço muito pela contribuição de vocês do site. Parabéns e Deus os abençoe! P.S.: Aguardando ansiosamente pela postagem sobre o feminismo.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Augusto Paiva 06-06-2016 23:51
"A alma que queima como um fogo ardente não se apagará antes de ter devorado alguma coisa. O homem que abusa de seu próprio corpo, não terá sossego enquanto não acender uma fogueira. Para o fornicador todo o alimento é doce; não se cansará de pecar até à morte." (Eclesiástico 23,22-24) O estupro é um crime que nasce da concupiscência e da luxúria. Portanto, é cretinice atribuir esse crime a causas sociais, como fê-lo ideologicamente a delegada Cristiana Bento, que disse que a estuprada é também vítima da... sociedade, sociedade esta que tanto repudia o estupro, pedindo punição severa contra quem comete esse crime (de castração à pena de morte). "Cultura do estupro" é um termo importado da pervertida esquerda americana. Quem promoveu esta "cultura" foram os próprios esquerdistas degenerados, que, no dizer de Dante, entregaram-se tanto ao vício da luxúria que em sua lei tornaram lícito aquilo que desse prazer, para cancelar a censura que merecia. Foi assim com o movimento sex lib, com a legalização da pornografia, que prostitui a juventude, com o reconhecimento de que funk carioca (que avilta a mulher) é patrimônio cultural e tal. O Cristianismo deu dignidade à mulher [1]. Com a esquerda estamos retrocedendo além do paganismo antigo que sacrificava as mulheres (a esquerda que também defende o islamismo). [1] http://ocatequista.com.br/archives/15333
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Alceu Lourenço 06-06-2016 11:15
Esse texto trata da tal "cultura do estupro" de que as feministas tanto falam à luz da Bíblia: http://lentesdaescritura.blogspot.com/2016/06/todo-homem-e-um-estuprador-em-potencial.html
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Tassiana 02-06-2016 21:23
Boa noite! Obrigada pelo post, como sempre, muito explicativo. Mas tenho uma pequena dúvida relativa ao assunto, talvez alguém possa me esclarecer. Deuteronômio, 22, 28-29, diz: "Se um homem encontrar uma jovem virgem, que não seja casada, e, tomando-a, dormir com ela, e forem apanhados,esse homem dará ao pai da jovem cinqüenta siclos de prata, e ela tornar-se-á sua mulher. Como a deflorou, não poderá repudiá-la em todos os dias de sua vida." Estaria essa passagem incentivando a vítima a casar com o estuprador? Eu realmente não entendi.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Helber Lesa 17-06-2016 12:54
Muitos dizem que esse caso não é de um estupro, é de sexo fora do casamento.Tanto que em outra lei é especificada a resistência da mulher. O "a deflorou", em outras traduções, "a humilhou", é referente à imagem que teriam dela após o ocorrido. Então o homem seria o mais prejudicado da história, já que teria que desembolsar uma grana. Me parece lógico.Não acho que fosse realmente um caso de estupro. Isso tbm estimulava a castidade.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 03-06-2016 17:48
Tassiana, entender a razoabilidade dessa passagem só será possível se procurarmos nos imaginar no cenário cultural daquele tempo. A vítima se casar com seu estuprador, hoje, para nós, é uma hipótese completamente absurda e abjeta. Porém, naquele tempo, significava um benefício real para a vítima. Uma mulher, naquela época, não tinha a menor chance viver dignamente sem a proteção de um homem. O homem (pai ou marido) era necessário para garantir seu sustento e sua segurança. Então, se casar era fundamental. E para se casar, só sendo virgem ou viúva. Dificilmente um homem se casava com uma mulher solteira que não fosse mais virgem. Sendo assim, uma moça que tivesse perdido a sua virgindade em um estupro estaria sujeita a não arrumar nenhum pretendente. Imediatamente após a morte de seu pai, ela seria uma pessoa totalmente vulnerável, que só poderia sobreviver mendigando ou se prostituindo (a não ser que algum parente caridoso a acolhesse). Com a lei mosaica, o estuprador de uma mulher casada era condenado à morte. Se a vítima fosse virgem, porém, ele seria obrigado a assumi-la como esposa, garantindo, assim, que ela seja uma mulher amparada até o fim de sua vida. E mais: pela lei mosaica, qualquer homem tinha o direito de se divorciar de sua esposa; mas um estuprador, não. Ele jamais poderia desamparar aquela mulher a quem um dia vitimou.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Vinicius 02-06-2016 17:21
Muito bom o texto, como sempre. Eu estava justamente hoje conversando com a minha mãe sobre como a decadência da nossa sociedade está ligada ao afastamento dos valores cristãos. Isso só ressalta a nossa responsabilidade de proclamar e fazer perpetuar esses valores em nossa família, em nosso próprio e, acima de tudo, em nossos filhos, que farão sociedade do futuro. A sociedade está - inteligentemente, devo dizer - fazendo questão de incutir na cabeça das nossas crianças essas ideologias (feminismo, ideologia de gênero, sexualização infantil, relativismo religioso). Assim, é imperativo que lutemos contra isso, lutemos pela manutenção dos valores cristãos em nossas crianças. Devemos ser muito cautelosos para não deixá-las ser levadas por essas ideologias mundanas.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Ana Cláudia Marques 01-06-2016 18:30
Não mencionando o caso de Amnon, filho de Davi, que ficou cheio de fogo com sua meia-irmã Tamar e não sossegou enquanto não a pegou na marra, fingindo-se de doente, o safado. E na Bíblia há outro caso de assédio sexual, sendo a vítima desta vez um homem: José e a mulher de Putifar.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Maria 01-06-2016 14:05
Gosto muito do blog por sempre trazer reflexão e mostrar a visão da igreja sobre as coisas. Sobre os casos de estupro uma coisa que me deixa bem triste é o fato de católicos fecharem os olhos para essa coisa medonha, ou culpar a vítima simplesmente porque talvez o feminismo esteja querendo aparecer em cima disso. A gente não precisa estar ligado ao feminismo para falar de estupro, ou defender que a culpa NUNCA é da vítima. Gostei muito das referências bíblicas que até então desconhecia. Fiquem com Deus!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Joao 01-06-2016 12:42
Quando tratarem do FEMINISMO, espero que vocês tenham lido o livro "O OUTRO LADO DO FEMINISMO", publicado pela Editora Simonsen. É muito bom.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Paulo 01-06-2016 12:26
AS ESQUERDAS SÃO AS PROMOTORAS DA CULTURA DOS ESTUPROS, SÃO OS OPORTUNISTAS DAS ESQUERDAS QUE DEGRADAM A SOCIEDADE! OS ESTUPRADORES SÃO VÍTIMAS DESSA CONTRACULTURA E OS MENORES SEM FORMAÇÃO ÉTICO-MORAL-CRISTÃ SÃO AS VÍTIMAS DELA” 1º mandamento do DECÁLOGO DE LÊNIN, os 10 mandamentos dos comunistas: “Corrompa a juventude e dê-lhe toda liberdade sexual”! As hienas comunistas pervertem a infancia e a juventude e as aliena de varios modos, como ao permitirem novelas que exaltam tais comportamentos e programas perversos nas tvs e na midia geral, daí que destroem as familias e depois querem dar uma de moralistas e defensores das vítimas! Daí, acusam as estruturas dos adversarios de serem os responsaveis por esse caos, ou a policia que não patrulha – eles mesmos os promotores e sendo os grandes incentivadores, como sempre, escafedem, “não sabem nem têm culpa de nada”! Os histéricos esquerdistas acima ainda RELINCHAM que os bailes funks são cultura e além de apoio do uso de drogas, não basta? A deformação religiosa ético-moral está até nas músicas dos asquerosos vermelhos como o integrante das hostes infernais comunistas, o chico buarque: “Não existe pecado do lado de baixo do equador Vamos fazer um pecado rasgado, suado, a todo vapor Me deixa ser teu escracho, capacho, teu cacho Um riacho de amor Quando é lição de esculacho, olha aí, sai de baixo Que eu sou professor. Oportunamente, o diabo lhe agradecerá por ajuda à causa!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Ricardo 01-06-2016 15:11
Rapaz, DECÁLOGO DE LÊNIN? Esse texto que circula pela internet é falso. Não existe esse decálogo. Procure se informar para não espalhar boatos falsos.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Paulo 01-06-2016 18:20
V é devoto do servo de dEUS D Hélder, comunista e/ou do PT do "não sabe de nada, nunca viu falar nisso"? Se for dos vermelhos, para v nem comunismo existe! Ele foi elaborado por Lênin da década de 30 e em quase 12 anos de net, já citei isso centenas de vezes, outros o fazem constantemente é o primeiro que contesta sua inexistencia, comigo ou com os outros!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # André Bohn 01-06-2016 13:39
Verdade, e nós patrocinando tudo isso com imposto e lei rouanet. Salve o MinC. #GeorgeOrwellFelizDaVida
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Marcos Paulo 01-06-2016 11:42
Distorção de Valores, não é mesmo marcos!? O que sabem fazer de melhor.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # marcos 01-06-2016 10:20
Ah, sim, mas o Cristianismo aprisiona as pessoas, reprime os instintos naturais, e o amor, nas suas mais variadas formas, alem do que prega a violência e a intolerância contra os diferentes; a prova disso são os milhões de mortos pela inquisição, mas o Islã é a religião da paz!
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Marcos Paulo 02-06-2016 20:07
Também não sei se o marcos foi irônico. Fiquei nessa dúvida, até comentei de forma irônica antes, mas acho que não ficou bom. Mas o que foi colocado pelo marcos só pode ser explicado por inversão de valores, ou coisa do tipo, pois ele dá adjetivos ao Cristianismo que são na verdade pertencentes a outras coisas, como o comunismo, às ideologias, ao radicalismo (como observado dentro da religião exaltada como da "paz").
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Renato Pinheiro 01-06-2016 11:49
Não sei se você está sendo irônico ou é simplesmente ignorante. Se for o segundo caso, devo te dizer: Sobre os instintos naturais freados: não somos animais, temos a razão como mecanismo para nos autodominar. Qualquer filósofo antigo reconhecia o valor das virtudes, mas hoje virtude saiu de moda. São as virtudes que constroem amor desinteressado, honestidade, verdade, bondade, justiça. Instintos à solta constroem egoísmo, desordem e destruição e degradação da pessoa. Eles precisam ser regrados. Intolerância contra os diferentes: nascemos com uma identidade sexual biologicamente definida e somos um todo de corpo e alma. Nossa mente, quando não está harmonizada com o nosso corpo, sofre. O homem que não quer ser homem e a mulher que não quer ser mulher não se realiza integralmente. A Igreja ama os diferentes, e é por isso que ela diz: pare de se maltratar. Pare de achar que será feliz se rebelando contra o jeito que Deus te fez. Inquisição: o tribunal da inquisição não era destinado aos não-católicos, mas aos falsos católicos que, de dentro da Igreja, defendiam ideias contrárias à fé. Um herege não é um não-católico. Um herege é alguém que dentro da Igreja ensina algo que não pertence à fé da Igreja. Somente hereges eram julgados na inquisição, e poucos deles foram condenados à pena da fogueira. Compare a inquisição católica com a inquisição protestante. E você disse milhões de mortos pela inquisição? Deveria dizer: milhões de mortos pelo comunismo, porque esse sim matou MUITOS, specialmente os católicos, por acreditarem que "a religião é o ópio do povo". Para mais informações sobre os benefícios da Igreja à sociedade, pesquise o documentário "A Igreja Católica construtora da civilização" e veja isso sobre inquisição. http://www.ofielcatolico.com.br/2001/03/entendendo-inquisicao-e-as-inquisicoes.html
Responder | Responder com citação | Citar
0 # André Bohn 01-06-2016 09:10
Ah, tem um errinho no trecho "...Durante a invasão de Roma pelos bárbaros visigodos, no ao 410,..." seria no "ano 410" é isso? abraço
Responder | Responder com citação | Citar
0 # A Catequista 01-06-2016 11:40
Isso! Obrigada.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # André Bohn 01-06-2016 09:03
Excelente post, pesquisei a tempos sobre as origens do feminismo, e percebi uma característica comum em todos os "revolucionários" ao ler a biografia de uma das primeiras abortistas do mundo segue: "Margaret Louise Higgins Sanger Origem da Militancia abortista Líder feminista estadunidense nascida em Corning, New York, considerada a pioneira da contracepção. Filha de católicos de descendência irlandesa, Michael Hennessey Higgins e Anne Purcell Higgins, foi educada no Claverack College, Catskills. Quando sua mãe morreu de tuberculose, com 50 anos de idade e deixando 11 filhos, ela, a terceira das quatro irmãs e a sexta da irmandade, atribuiu a morte da mãe ao excesso de gravidezes e partos a que esta fora submetida. Conseguiu se tornar enfermeira (1900), e dois anos depois, casou-se com o arquiteto William Sanger. O casal Sanger teve três filhos, Stuart (1903), Grant (1908) e Peggy (1910), e vivia em Hastings, em Westchester County, subúrbio de New York City. Mudou-se para Manhattan (1911) e ambos passaram a freqüentar os altos círculos intelectuais novaiorquinos. Uniu-se (1912) ao Women’s Commitee, do Partito Socialista, e começou a escrever para um importante jornal uma coluna intitulada sobre que toda mulher deveria saber, principalmente sobre a necessidade da educação sexual e das práticas disponíveis para se controlar a natalidade. Depois (1914) iniciou a publicação de um panfleto intitulado The Woman Rebel, Family Limitation, sobre temas como a luta pelos direitos femininos e também a contracepção. Foi perseguida, acusada de divulgar a pornografia, presa e condenada. Teve que se exilar na Inglaterra, para fugir à prisão e passou um longo ano longe do marido e dos filhos. Na Inglaterra, sob a liderança da pedagoga Mary Wollstonecraft, o movimento feminista era realmente muito forte e ela logo se uniu às militantes inglesas. Voltou ao seu país e foi imediatamente presa, mas suas idéias já tinham contagiado as norte-americanas e a própria primeira dama escreveu ao promotor, interferindo em favor dela. Ela foi absolvida de todas as acusações anteriores, porém suas ações ainda a levariam a prisão em outras oportunidades. Fundou uma clínica de controle da natalidade, a Birth Control Clinic, em Brownsville (1916) e fundou a American Birth Control League (1921). Pelo resto de sua vida dedicou-se a luta para que as mulheres tivessem o direito de decidir se queriam ou não ter filhos. Aos 80 anos de idade viu o aparecimento da pílula anticoncepcional, mas cinco anos depois é que os estadunidenses reconheceram legalmente o direito ao planejamento familiar. Morreu um ano depois, em Tucson, vítima de problemas cardíacos, porém com tempo suficiente para ver suas idéias finalmente reconhecidas, aos 86 anos de idade." A história desta mulher é a mesma que muito revolucionário, que vem de famílias tradicionais, mas para combater uma tragédia, dificuldades ou injustiças, se deixam levar pela raiva e o ódio e acabam fazendo prosperar coisas demoníacas. Nietzsche não queria seguir a linhagem de pastores luteranos, e decretou que "Deus está morto". Marx não queria trabalhar e promoveu o socialismo, mas viveu muito bem com as beneces do captalismo. Muitos não querem assumir sua Cruz, e fazem qualquer coisa para livrar-se dela. Hoje temos um partido dos trabalhadores que não trabalham, uma minoria barulhenta que quer sobreviver de cargos comissionados, centrais sindicais e "movimentos sociais". No fim, resumo assim: Artistas, Políticos, Jornalistas, Músicos, Intelectuais, num sistema capitalista não sobrevivem por não produzirem riqueza. E para não serem taxados de "vagabundos" acabam defendendo com sanguem nos olhos o comunismo e o movimento revolucionário sem medo. E capitalistas que se afastam de Deus e acabam financiando esses revolucionários, para que se tenha uma massa controlada e se movendo bovinamente para um consumo sem limite. Não existe mocinho nem bandido, todos estão se movendo pelo individualismo, cada um quer a utopia, o paraíso na terra. A nós cristãos, cabe buscar a santidade, para que por ações concreta, sermos escravos voluntários de Maria, e por intercessão Desta que tem o poder de esmagar a cabeça da Hidra Vermelha, lutar para salvar o maior número de almas. O Reino de Deus é nosso objetivo. Obrigado Parabéns
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Geraldo 01-06-2016 03:15
Gostei muito da última frase do post que anuncia o próximo tema, pois estava pensando justamente nisso enquanto lia a excelente reflexão acima: Pois creio que o nosso trabalho é duplo: 1) Explicitar as objeções que a fé cristã faz à mentalidade ideológica e seus dogmas (como necessária e inevitável parte negativa do anúncio da Boa Nova que enfatiza antes de tudo a Graça, a Liberdade e Alegria da vida em Cristo e com ela a descoberta do humano em sua essência mais autentica); 2) Mas também ter a sabedoria e a coragem de perceber e denunciar que muitas vezes ocorre o seguinte: discutir com alguém ideologicamente motivado em termos de uma disputa do que seja mais correto e justo é simplesmente ser uma peça num jogo de cartas marcadas. Pois todo o movimento ideológico não está minimamente interessado em valores, em bem ou mal, justo ou injusto, mas em PODER e ocupação de espaços. E é em função da conquista do poder que a estratégia ideológica pode apoiar algo como justo ontem e condenar a mesma coisa como injusta amanhã, condenar como errada uma coisa aqui e lá na Ásia tolerar e apoiar essa mesma coisa. De modo que discutir valores, justiça, com essa gente, é fazer papel de palhaço. Pois a maioria dos teóricos marxistas e neomarxistas (que está por detrás da maior parte das causas do politicamente correto) proclamam abertamente como parte das suas "teorias":"bem ou mal são relativos, bom é aquilo que favorece a revolução!" COMO CONFIAR EM ALGUÉM ASSIM???? Como crer na indignação ética de quem afirma que a ética não existe como valor em si??? Evidentemente que grande parte da militância vê a coisa em termo de justo e injusto quando se engaja em certas lutas e causas, mas os teóricos e estrategistas de longo prazo, que criaram e alimentam essa militância fazem expressa profissão de fé de ceticismo e relativismo ético, portanto inevitavelmente essa militância torna-se cobaia e massa de manobra de gente que está longe de ter valores como referência e é justiça e caridade da nossa parte fazer esse alerta e denúncia. E por essa mesma razão, muito do que se chama DEBATE no atual ambiente cultural e social, não passa de jogo de cartas marcadas. Debater o aborto por exemplo, supondo pé de igualdade entre os debatedores pro e contra, é puro cinismo, pois o lado pro-aborto já começa levando a vantagem de ter em mãos as novelas, o jornalismo , o sistema de ensino, o sistema ONU e a grana violenta das fundações internacionais promovendo mil mensagens subliminares, imposições terminológicas e semântico interpretativas que sequer são discutidas. Não digo que devamos recusar o debate, mas é essencial denunciar as cartas marcadas do jogo já determinado de cima para baixo e o papel de fantoches numa encenação montada a que somos reduzidos. Basta ler o informe Gender Agenda de Dale Oleary para se dar conta desse jogo marcado, dos bastidores da ONU já dominados , com as figuras incomodas já alijadas dos espaços decisórios, etc. Tempos atrás havia um programa da TV Globo chamado VOCÊ DECIDE. Certo episódio colocou em discussão a união lésbica , trazendo um par de mulheres simpaticíssimas, caridosas, humanas (o que certamente pode existir de fato, mas não é necessariamente algo intrínseco à condição/situação delas) e opondo-se ao relacionamento delas, criaram uma personagem beata, hiper fanática, preconceituosa,mal amada, amarga, xexelenta (o que pode ocorrer, mas também não é intrínseco à pessoa que tenha uma interpretação diversa da experiência da atração lésbica, a pessoa pode discordar de certa interpretação dessa atração e ser perfeitamente lúcida, bondosa, justa e desprovida de preconceitos). Depois de rodar o episódio com as lésbicas cheias de todas as virtudes do mundo e com a beatona monstrenga e neurótica, cheia dos piores defeitos e maldades, a equipe do programa foi - como de costume - para uma praça e perguntou às pessoas: agora você decide. O amor delas é válido ou não? Devem se casar ou não? Por acaso, estava lá na praça um amigo meu, que simplesmente respondeu o seguinte ao repórter: MAS COMO EU DECIDO?? COMO O TELESPECTADOR DECIDE?? VOCÊS JÁ DECIDIRAM POR NÓS!!! E ele estava certíssimo, toda a maneira como o episódio foi montado, subliminarmente, já estava induzindo totalmente a resposta do telespectador, de modo que a pergunta (e a suposição de que a opinião do telespectador seria levada a sério) era totalmente inútil e falsa. O "debate" era uma mera encenação e farsa. E por isso, em muitas ocasiões a gente deve até mesmo se recusar a entrar no mérito e na armadilha de dar uma opinião pro ou contra, mas devemos simplesmente DENUNCIAR O JOGO, AS CARTAS MARCADAS, O METRO COM QUE SE PRETENDE MEDIR, SEM QUE NADA MEÇA O METRO.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # André Bohn 01-06-2016 08:39
Bom Dia, Paz e Bem! Nossa Geraldo, suas colocações são profundas e concordo com tudo. Tudo que vivemos hoje em dia é pura engenharia social, estudada por pessoas como Bertrand Russell da Escola de Frankfurt e seu esforço em engenharia social de massa e descreveu o segredo em seu livro de 1951, “O Impacto da Ciência sobre a Sociedade”. Ele escreveu que: 'Fisiologia e psicologia proporcionam campos para técnica científica que ainda aguarda o desenvolvimento.' Trecho do livro: "A importância da psicologia de massa foi enormemente acrescida pelo crescimento dos métodos modernos de propaganda. Destes, o mais influente é o que é chamado de ‘educação’. Os psicólogos sociais do futuro terão um número de salas de educação infantil nos quais tentarão diferentes métodos de produzir uma inabalável convicção que a neve é preta. Vários resultados logo chegarão. Em primeiro lugar, que a influência do lar é obstrutiva. Segundo, que não muito possa ser feito, a menos que a doutrinação comece antes dos dez. Terceiro, que versos agrupados em música e repetidamente entoados são mais efetivos. Quarto, que a opinião que neve seja branca deva ser sustentada a mostrar um gosto mórbido pela excentricidade. Mas eu antecipo. Isso é para futuros cientistas tornarem essas máximas precisas e descobrirem exatamente quanto custa por cabeça fazer as crianças acreditarem que a neve seja preta, e quanto menos custaria fazê-las acreditar que seja cinza escuro. Quando a técnica tivesse sido perfeita, todo governo que tenha estado encarregado de educação para uma geração, estará pronto a controlar seus súditos seguramente sem a necessidade de armas ou policiais." Infelizmente esses tipos de "cientistas" foram os mais financiados nos últimos 200 anos, começando com Darwin, Marx, Engels, Nietzsche e tutti quanti. A coisa está tão difícil que hoje rezo para que o Espírito Santo ilumine pessoas como os responsáveis deste blog, o Padre Paulo Ricardo e tantos que conhecem a verdade e tem os meios eficientes para leva-la a uma massa inconformada com o estado de coisa que vemos hoje. Eu percebi algumas coisas quando tento debater sobre esses assuntos. 1 - Quem está debatendo, se esforça sempre em me taxar de alguma coisa negativa. ex: tú é muito radical, isso é teoria da conspiração, preconceituoso, antiquado. Ou seja, a desmoralização da pessoa, para que qualquer argumento seja inválido. 2 - Eles se valem sempre de argumentos largamente proclamados pelos "intelectuais", "jornalistas" e "artistas" ideólogos, para ganhar. 3 - Quando não conseguem pela tática do xingamento, eles começam a berrar e dizer que ganharam o debate com slogans prontos. Um dos pontos desfavoráveis a meu favor é que não tenho "credibilidade", sou formado em ciências da computação, e sou só "bacharel", quando atualmente as pessoas só escutam os que tem mestrado ou doutorado. Infelizmente no Brasil a verdade só pode ser postulada por estes semi-deuses acadêmicos, é a ditadura do diploma. Estou desde 2008 falando o que Prof. Olavo, já falava a muito, sobre o foro de São Paulo, a revolução cultural gramciana no Brasil, a manipulação da história pela esquerda brasileira, mas todos que eu falava, nem ai, me enquadrava no item 1 da lista que fiz acima sobre debate, e simplesmente me ignorava. Bastou um ser com mestrado em "Políticas Internacionais", falar sobre foro de São Paulo, e tudo mais, que eles vieram para mim e disseram: "Meu, tem um cara que é um gênio, e explicou tudo que está acontecendo no Brasil e América latina: É O FORO DE SÃO PAULO !! ÓÓÓÓ". O Sangue subiu, mas isso me acordou para o fato de que os defensores do politicamente correto, se valem de cátedras e "credibilidade" que nós não temos. Enfim, é necessário ação, mas tem que ser coordenada por quem conhece atacar de forma consistente e persistente até que algo se modifique. Como exemplo de método de ação efetiva, cito o projeto Escola Sem Partido. Se queremos começar a mudar algo, é tirando a doutrinação nas escolas e universidades, irão formar o futuro deste mundo. É pela base que se começam as mudanças. Com meus filhos estou todo sábado, por 1 hora, fazendo uma espécie de catequese leiga, colocando para eles a história desde Cristo, e como devemos nos precaver para estarmos sempre em comunhão com Nosso Senhor Jesus Cristo, e não nos deixar o mundo nos impor sua inversão de valores. Vou me esforçar ao máximo para que eles queiram estar sempre caminhando para a Verdade. Abraço
Responder | Responder com citação | Citar
0 # Geraldo 01-06-2016 12:19
Cara, salvo engano meu Pascal Bernadin era (é?) da mesma área de formação sua e, no entanto, fez aquelas excelentes pesquisas que resultaram no iluminador livro Maquiavel Pedagogo, que vai desvendando muitos dos processos de lavagem cerebral que você citou (aliás agradeço muito, essas referências bibliográficas que você trouxe e que eu ainda não conhecia). Nada como o fato. Todas as "respostas" que você tem encontrado da parte dos "debatedores" que tem encontrado me parecem ter essa grave falha e fraqueza: recorrem mais aos adjetivos e rótulos que aos fatos e à reflexão sobre a experiência vivida. Ora, isso não é conversa de gente grande, né? O ato cognitivo há de ser inteiro e honesto, de modo a que a pessoa tenha consciência de cada passo dado na aquisição de um conceito. Me parece algo básico em termos de HONESTIDADE INTELECTUAL. Mas cada vez mais vem sumindo do horizonte a paciência do conceito, a construção do rigor conceitual, a exaustividade do diálogo e da busca mediados pela razão e até mesmo a serenidade para assumir a precariedade e incompletude do nosso conhecimento em muitas áreas. A ideologia não convive bem com o estado de dúvida e precariedade cognitiva pois quer tudo muito definido e definitivo, por isso ela faz essa tábula rasa das divergências, do conflito interpretativo. O curioso é que num primeiro tempo do jogo, ela se faz de relativista: não existe verdade absoluta, cada um tem a sua, o conceito é algo arbitrário e mais nominal que factual (é aquilo que eu decido ser) etc., e assim afrouxa as convicções (DOS OUTROS!)., Mas logo no segundo tempo, fica claro que o jogo era relativizar o seu ponto de vista para absolutizar o meu! E absolutizar de forma tão autoritária que o meu ponto de vista se eleva à categoria de conceito protegido por lei (e portanto, pela força das armas) e o seu conceito passa a ser crime, tachado de preconceito por mim, o DONO do CONCEITO! Mas no começo parecia tudo tão aberto, flexível e democrático, não? "Conceito é aquilo que alguém decide que seja, não existe objetividade." E o bobão aqui, em vez de perceber a sutileza do jogo sujo, insistia em defender a dignidade da inteligência humana: mas como? Como você me diz que o conceito é pura invenção arbitrária? O objeto/fato/fenômeno traz consigo as características que me permitem observa-lo e nomeá-lo em função de especificidades que não se confundem com outros objetos/fenômenos e nada aconteceria em ciência e conhecimento sem essa paciente observação buscando inteligir o real. E o manipulador continuando a me enredar como uma aranha querendo pegar a mosca incauta:" mas fatores culturais e históricos interferem fazendo o conceito mudar, de modo que não existe um EM SI das coisas e nas coisas e blá blá blá..." Então parece que a coisa é assim maleável e democrática né? Tá certo, já que é assim, o "meu" conceito de família, por exemplo, é o seguinte: há um determinante biológico básico (uma ou mais vidas humanas que se geram a partir da união sexual e afetiva de um homem e uma mulher) e um fator sociológico observável em todas as culturas e tempos históricos: essa união se dá dentro de um vínculo basicamente estável e, variantes históricas e culturais (família nuclear nas sociedades burguesas e industriais, ampliada com avós e tios no feudalismo, etc) ou circunstanciais (avó criando neto, madrinha criando afilhado, mãe solteira abandonada pelo canalha que a engravidou, etc) não invalidam esses dados básicos. - EPA! ALTO LÁ! ESSE CONCEITO AI NÃO. ISSO É PRECONCEITO! Uai!? Mas você não acabou de dizer que conceito é aquilo que EU mesmo decido que seja, não é tudo NOMINALISMO?? - MAS COMO "EU"??? QUEM ÉS TU POBRE VIVENTE PARA SE DAR AO LUXO DE CONCEITUAR ALGUMA COISA?? VOCÊ POR ACASO É ALGUM ACADÊMICO, PESQUISADOR?! BAIXE A CRISTA MOLEQUE! SE O TEU CONCEITO NÃO FOR SANCIONADO PELA COMUNIDADE ACADÊMICA ELE NÃO PASSA DE PÓ. E nós ELITE ACADÊMICA definimos e decretamos que o teu conceito é um preconceito e que o conceito de família doravante será o seguinte: basta atração sexual e afeto para que se chame a qualquer agrupamento humano (ou humano/animal) de família, seja o filho que se apaixonou pela mãe e quer se casar com ela, sejam trinta pessoas em relação polissexual e afetiva, seja uma professora de 44 anos que está apaixonada por sua aluna de 9 anos (há teóricos GENDER defendendo exatamente isto) , tudo é família! Eu estou decretando isso! - Ah...agora entendi a tal "ELASTICIDADE CONCEITUAL" só vale para você , né bonitinho?? ____________ Essa tem sido a realidade dos últimos cem anos, meu irmão. E os donos únicos do conceito tem em suas mãos todos os aparelhos ideológicos do estado (escolas, universidades) o controle da opinião pública (mídia), o poder de influenciar leis e medidas administrativas desde centros decisórios(ONU e os poderes estatais que ela chantageia) que tornem o conceito das elites ideológicas obrigatório e compulsório e, portanto, o poder repressor das armas para criminalizar toda a divergência, o poder de canalizar frustrações e angustias de grupos e minorias (parte delas, pois sempre há uma parte lúcida que não se deixa cooptar e usar ) criando militâncias manobráveis, que sequer sabem que são peças num jogo quem nem de longe se interessa em defende-las como algo valioso em si, mas sim como mero degrau para uma dominação intelectual do povo e o enorme poder de grandes fortunas capitalistas financiando a coisa toda. A nós só resta o poder do fato e da experiência humana não censurada em nenhum dos seus fatores, o poder da honestidade intelectual e da razão em toda a sua capacidade de abraçar todos os componentes da realidade sem pretender manipula-la ao nosso gosto. Temos que investir na inteligência e na inteireza do ato cognitivo. Investir numa educação que estimule a observação e a atenção sobre o mundo e sobre si, ensinar a honestidade e lealdade perante aquilo que os olhos tem diante de si como algo mais importante que o argumento da autoridade e do guru. Defender e promover a autonomia intelectual e a dignidade cognitiva das pessoas, sobretudo dos jovens contra um "conhecimento" e um pseudo senso "crítico" baseado em chavões e frases feitas e adjetivos e rótulos no lugar da reflexão sobre a experiência. Promover a autenticidade da personalidade para prevenir o espírito de manada e de Maria vai com as outras. E cultivar a BELEZA! Nenhuma ideologia totalitária passa pelo teste da Beleza! (haja visto o show de horrores protagonizado pela "Marcha das Vadias" no Rio quando lá esteve o papa Francisco). Pois aqui não há espaço para o artificialismo e a inautenticidade. A Beleza e a Arte autêntica são expressões de um ENCONTRO que surpreende e colhe a pessoa, o mistério infinito que criou e sustenta o mundo como quê nos espreita por uma fresta do espírito. o Espírito fala ao espirito. Ou seja, na via da BELEZA não há escamoteação possível e muitas vezes um artista por mais ateu e ideológico que seja se vê "obrigado" a confessar a Beleza, até sem se dar conta da profissão de fé que faz sem querer. o grande poeta agnóstico Octávio Paz dizia: "não creio no sobrenatural, mas tem noites em que olho para as estrelas e sinto que ALGUIEN ME DELETREA!" Alguém soletra o meu nome! Portanto, cultivemos nas nossas crianças e jovens o amor pela grande poesia, pela grande música, por Mozart, pela pintura de qualidade, pela literatura clássica , pelas joias da cultura erudita e popular, pela contemplação da paisagem natural, etc. Ainda que moremos em áreas urbanas, cultivemos nem que seja um jardim de caixote e ensinemos as crianças a admiração pelo desabrochar de uma flor, o olhar espantado para as estrelas do céu (sempre acompanhado de oração para apenas agradecer o Senhor pelo mistério da Beleza), a admirar as rugas e os cabelos brancos de uma idosa também como expressão da beleza que está na dignidade de uma vida doada. Enfim sem nenhum medo de ser romântico e piegas (e não sendo piegas, mas natural e espontâneo) é essencial educar para a Beleza (aliás, é o título de um belo livro do papa Francisco) e isso representa um antídoto contra a mentalidade ideológica, muito mais eficaz do que possamos imaginar. Aristóteles ajuda-nos a entender bem isso, quando afirma que "A POESIA é MAIS VERDADEIRA que A HISTÓRIA", justamente porque até a narração dos fatos (a "leitura do mundo") pode ser manipulada, mas o encontro com a verdade de si mesmo, não. O encontro com as exigências essenciais do próprio coração, não. Pois muitas vezes a mentalidade a e ação ideológica não passam de um grande barulho exterior para sufocar a voz interior. A Beleza educa para a escuta sincera dessa voz e por isso ela é uma vacina. Para entender- e vivenciar! - melhor isso, sugiro vivamente este texto de Alfonso Lopes Quintas: http://hottopos.com/videtur19/quintassilvia.htm E também cultivar A BONDADE! Não há neste mundo ortodoxia alguma (nem a católica nem a ideológica) que tenha maior valor que o abraço do Bom Jesus à Madalena, à mulher que queriam apedrejar, ao Zaqueu, etc.Evidentemente não estou contrapondo verdade e caridade ou ortodoxia à bondade, à defesa de quem sofre e à acolhida. Mas estou dizendo do espírito e da atmosfera em que a ortodoxia tem que ser defendida. Pois sem isso, ela corre grande risco de ser uma pedra para jogar nos outros como tanto e tanto tem alertado o papa Francisco.Toda a nossa perspicácia em flagrar (e denunciar) o jogo do poder, não poderá jamais ser um pretexto para machucar as pessoas. Às vezes, um militante de uma causa nem sabe o que tá fazendo ali. Discernir entre a dureza e franqueza da denúncia e a bondade de Deus da qual devemos ser sinais no mundo nem sempre é uma coisa fácil (até por causa da canalhice que nos quer fazer posar de debatedores quando nosso lugar de figurante está mais que marcado) mas é sumamente necessário. Eu não vejo maior modelo dessa postura de franqueza radical e bondade radical do que o próprio Jesus, mas sempre que penso nisso é inevitável lembrar-me também da cativante figura de Chesterton. Bondade e bom humor, nele, nunca se divorciaram de um agudo senso crítico que denunciava o âmago das tramoias ideológicas. Essa síntese entre beleza, bondade (com bom humor,leveza e humildade) e verdade (com radical sinceridade) é o dom que mais imploro da poderosa intercessão da Santíssima Virgem Maria. Mas vou parar por aqui, senão escrevo sem parar. Peço desculpas, pois sei que sou muito verborrágico e fico com receio de que minhas palavras coloquem em evidência a minha pessoa e não Nosso Senhor Jesus Cristo, como deve ser.
Responder | Responder com citação | Citar
0 # André Bohn 01-06-2016 13:35
De tirar o fôlego, Geraldo. Nossa me destes subsídios para compreender muitas dúvidas que recorrem em minha mente a muito tempo. Me fazes entender que não é possível conversar com o mundo moderno, sem aprofundar em questões filosóficas que você expôs com muita clareza. Minha maior angústia, é ver pessoas a minha volta se afastando de Deus, e mantendo uma vida medíocre perseguindo apenas a evolução material. Pior, a cada fato absurdo que a TV mostra, apenas dizem: "é o fim do mundo", sem nenhuma vontade de ao menos um debate para chegar a uma possível correta interpretação dos fatos, e ter a coragem de agir. Tenho muito a meditar sobre tudo isso e me preparar melhor para orientar e debater com quem está disposto a crescer intelectual e espiritualmente. Muito obrigado por estas sábias palavras! Abraço
Responder | Responder com citação | Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade