Placa de igreja não traz salvação – será? « O Catequista

Placa de igreja não traz salvação – será?

É comum ouvirmos nossos irmãos evangélicos dizendo que “religião não salva, só Jesus salva” e que “placa de igreja não traz salvação”. Eles defendem que tanto faz a denominação cristã da qual o sujeito faça parte, o importante é crer em Jesus. Sim… Mas que Jesus? Escolha uma das opções evangélicas abaixo:

  • o Jesus que é a favor do aborto, pregado pelo Ma$$edo;
  • o Jesus que promete prosperidade material aos seus fiéis, pregado pelos neopentecostais;
  • o Jesus que acha bonito que seus fiéis se ajoelhem diante de réplicas cafonérrimas da Arca da Aliança (idolatria num é pecado, gente?);
  • o Jesus que permite a ordenação de bispos que vivem unidos a outro homem, pregado pela Igreja Anglicana;
  • teologia_da_prosperidade_2

    Teologia da Prosperidade: Zizuiz garante muito dimdim no bolso!

    o Jesus que admite as práticas homossexuais, pregado pelas igrejas evangélicas LGBT.

Tenho certeza de que milhares de evangélicos ficam de cabelo em pé ao verem tais coisas sendo promovidas por certas denominações cristãs. Então, é hipocrisia dizer que tanto faz prum cristão participar de uma igreja ou de outra. Ou será que tanto faz para a alma de uma mulher achar que é legítimo ou não matar seu próprio filho no ventre?

A cada semana, em cada esquina, um sujeito se autoconsagra pastô di Zizuiz e inaugura uma nova igreja, com conteúdo similar ao das demais denominações cristãs, mas também com uma série de divergências.

As doutrinas ensinadas pelas centenas de denominações cristãs apresentam entre si diferenças profundas e gravíssimas. Esses ensinamentos influem na formação da consciência religiosa e moral dos fiéis e em suas ações. No fim das contas, fazem sim uma imensa diferença para o destino de suas almas.

bispo_gay_anglicano

O bispo da Igreja Episcopal Gene Robinson e o seu parceiro homossexual

Portanto, dizer que “placa de igreja não traz salvação” no sentido de que tanto faz a igreja, é um argumento que não se sustenta. Afinal, Jesus Cristo não é uma ideia vaga, que cada um interpreta à sua maneira, mas sim uma Pessoa concreta que veio ao encontro dos homens e mulheres. Seu ensinamento foi único, em Sua palavra não havia ambiguidade ou multiplicidade.

Afora o relativismo leviano que expomos, a máxima “placa de igreja não traz salvação” traz em si um conceito verdadeiro: ainda que a igreja à qual pertençamos seja aquela que realmente contém a plenitude dos meios de salvação – sim, estou falando da Igreja Católica , isso não nos garante o Céu.

O então Cardeal Ratzinger explicou isso muito bem:

“Se é verdade que os adeptos das outras religiões podem receber a graça divina, também é verdade que objetivamente se encontram numa situação gravemente deficitária, se comparada com a daqueles que na Igreja têm a plenitude dos meios de salvação.

“Há que lembrar, todavia, ‘a todos os filhos da Igreja que a grandeza da sua condição não é para atribuir aos próprios méritos, mas a uma graça especial de Cristo; se não corresponderem a essa graça, por pensamentos, palavras e obras, em vez de se salvarem, incorrerão num juízo mais severo‘.”

Declaração Dominus Iesus, ano 2000

Vamos comparar a situação dos católicos à dos estudantes de Harvard, considerada uma das melhores universidades do mundo. Na conta da universidade, há nada mais nada menos do que 57 bilhões de reais, cujos rendimentos vultosos são investidos em ensino e pesquisa. De seu quadro de alunos, saíram mais de 40 pesquisadores que receberam o Prêmio Nobel.

Ok… Aí um sujeito despeitado que estudou na faculdade de Cabrobó da Serra do Capim Roxo vira prum aluno de Harvard e manda o chavão: “Harvard, é? Grande coisa. Não é a universidade que faz o aluno, mas sim o aluno que faz a universidade!”. Aff…

Evidentemente, um estudante que ingressou em Harvard pode ser maluco a ponto de não aproveitar os recursos incompáráveis ali oferecidos, e se tornar um aluno ruim ou medíocre (este seria como um católico negligente). Mas isso não anula o fato de que essa instituição oferece uma das melhores condições do mundo para que os alunos desenvolvam seu pontecial acadêmico e profissional.

coca_igreja_catolicaÉ claro, alguns alunos extremamente aplicados e autoditatas da faculdade de Cabrobó da Serra do Capim Roxo podem até se tornar alunos e profissionais de grande relevância, mas, vamos combinar: não tem como comparar a formação que eles receberam com a formação dos alunos de Harvard!

Da mesma forma, a Igreja Católica, edificada sobre Pedro, oferece as “melhores condições” e “recursos” para que os fiéis se santifiquem.

Igreja Católica Apostólica Romana: a única que tem a plenitude dos meios de salvação. Since 33 a.D.

56 comments to Placa de igreja não traz salvação – será?

  • Pois é, pessoal d’O Catequista, tem no meu trabalho uma porção de graduados na Faculdade de Cabrobró da Serra do Capim Roxo que, pra piorar, têm certeza que estudaram em Harvard! E acha que a nossa “Harvard” não ensina nada com nada!!! O que fazer? tsc-tsc-tsc

  • Como de costume, artigo excelente.

  • Jorge Lima

    Amigos de “O Catequista”,
    Conheci este site somente este ano…e o adorei. Marquei-o nos meus “Favoritos” de pronto!
    Parabéns pelo artigo, que figurará em um lugar de destaque “na minha estante”, tantas vezes serei levado a dele usar mão para refutar os “desinteligentes” protestantes.
    Perseverem no trabalho. Continuem, pelo o amor que vocês tenham a Deus…e à Santa Igreja Católica! Um abraço!

  • Victor

    O argumento do artigo parece ser que a Igreja Católica tem melhores recursos para levar o homem sincero à salvação. No entanto,a afirmação clássica não parece ser exatamente essa, mas sim que só a Igreja Católica leva à salvação.

    Qual a situação então das confissões evangélicas? O protestante mediano típico, que sabe que a Igreja afirma coisas como Maria medianeira e transubstanciação, e as rejeita, está no caminho para o inferno ou pode ser enquadrado num caso de “ignorância invencível”?

    • “No entanto,a afirmação clássica não parece ser exatamente essa, mas sim que só a Igreja Católica leva à salvação.”
      É verdade, Victor. A comparação que fizemos com Harvard não é perfeita, mas ajuda bastante a compreender, então, achamos válida como instrumento didático.

      Então, o ensinamento católico é este:

      1. fora da Igreja não há salvação. Isso é dogma, ou seja, é uma verdade de fé que deve ser aceita por todo católico;

      2. aqueles que, sem culpa, desconhecem Cristo e a Sua Igreja, mas buscam a Deus sinceramente e tentam cumprir a Sua vontade não estão fora da Igreja. Eles fazem parte da alma da Igreja e, assim, podem conseguir a salvação.

      Quanto aos casos de ignorância invencível entre os evangélicos, só Deus sabe a realidade de cada pessoa. De modo geral, ninguém pode olhar prum protestante e dizer: “este está caminhando pro inferno” ou “este está em situação de ignorância invencível”. O Senhor, que sabe a história de cada um e observa os corações, é que pode julgar.

      Já explicamos isso no post “No Céu só haverá católicos?”:
      http://ocatequista.com.br/archives/9479

      Complemento com um trecho de um artigo do blog Iesus Dominus:

      “Quanto à frase em si, os protestantes (em sua maioria) fazem o bem ao próximo e de certa forma ‘louvam a Deus’, mas se assim o fazem, o fazem porque aprenderam com a Igreja Católica, a única fundada por Cristo. Se ainda resta algo de bom nas denominações protestantes, isso que resta de positivo não é mérito delas, nem do pastor, mas sim da Igreja de Cristo.

      “O documento Dominus Iesus ensina que, vivendo em uma comunhão imperfeita, o Espírito Santo ainda se serve delas como instrumento de salvação mas, SEU VALOR DERIVA DA IGREJA CATÓLICA, ou seja, se um protestante for salvo, será salvo pelo pouco que ainda tem de ‘católico’ na denominação a que segue (o amor a Cristo, o amor aos irmãos, o batismo, etc).”
      http://www.iesusdominus.com.br/2011/08/duvidas-sobre-fe-pergunta-sobre.html

  • Thiago Puccini

    Muito interessante essa resposta do blog Iesus Dominus!

  • Wowwww! Bravo!
    Viva o católico que há em você!
    :)

  • vera marques

    magnífica resposta!!

  • Pe Dirceu

    Uma artigo sobre a releitura do axioma “Fora da Igreja não salvação” feita pelo Vaticano II: http://revistaseletronicas.pucrs.br/fo/ojs/index.php/teo/article/viewFile/12303/8246. O Autor é o Miguel Salis Amaral. Vale a pena ler para ampliar mais o conhecimento e as questões que envolvem esse tema. Parabéns a todos de O Catequista (sempre recomendo a todos o blog). Deus os abençoe!

  • Lucas Farias

    Só tenho uma coisa a dizer:

    Quando eu “crescer”, quero ser um catequista igual a vocês, rsrsrsrsrs.

    Mais uma vez, parabéns pelo blog e por este maravilhoso artigo.

  • Cláudio

    Muito bom o post!

    Catequista, você escreve melhor quando trata de assuntos mais objetivos de religião como esse, do que nos de moda. rs
    Continue o bom trabalho!

    Só uma observação: Essa foto do bispo anglicano é quase deprimente!

  • Fabiana

    Depois de ler um post desse, só posso dizer: Amém!!
    Parabéns pessoal por esta proposta de formação.

  • Parabéns por mais este lindo estudo de formação! Sábias palavras! Fiquem com Deus!

  • J. Everton

    Li a pouco, antes de ler aqui, e tem relação:

    Papa Francisco: “Todos os que fazem o bem são redimidos, até os ateus”

    http://www.pavablog.com/2013/05/23/95345/

  • Aljasid

    “E, respondendo João, disse: Mestre, vimos um que em teu nome expulsava os demônios, e lho proibimos, porque não te segue conosco.E Jesus lhes disse: Não o proibais, porque quem não é contra nós é por nós.” Lucas 9,49-50
    E é por pura misericórdia que o Espírito Santo se manifesta nas igrejas dos irmãos afastados.

  • FELIPE TEIDER

    VocÊs podiam um dia postar, algo sobre como catequizar as crianças de hoje, que na maioria são desinteressada. E Como , primeiramente, incentivar os pais JUNTOS, ja que na maioria dos casos é porque o pai não esta muito interessado. E como catequizar com qualidade, utilizando dos documentos, decretos… da Igreja (que são lindos, mas talvez difíceis para a compreensão das crianças) , para uma catequese fértil e bem clara.

    AMOOO AS POSTAGENS! VOCÊS SÃO ÓTIMOS. Sou Catequista, e acompanho sempre. Um dos melhores sites Católicos, com linguagem fácil e compreensíva.

    Obg!

  • Renata Th

    Bom, primeiro gostaria de começar avisando que este é um post de dúvida e de questionamento, e não de ataque, pois acredito que a intenção e o objetivo deste blog seja além do fortalecimento dos dogmas da Igreja Católica e do amor de Jesus, seja sim uma ferramenta de esclarecimento a quem interessar. Sendo assim me sinto a vontade para abrir alguns questionamentos.

    Hoje eu sou Evangélica, mas fui batizada quando nasci no Catolicismo, durante minha vida convivi com parte de minha família Espírita, sendo assim, tenho dentro do meu coração e convicção que Jesus é o nosso Salvador, que Deus existe sim, e que ele está por mim e por todos. Entendo que as cartas, os valores e os princípios descritos na Bíblia são valiosos, e crendo que o AMOR (poderia substituir por JESUS) é a chave de tudo, então, como nós podemos comparar uma igreja à outra sendo que o nosso Deus é o mesmo, e nós SABEMOS QUE É, sendo a nossa salvação é a mesma, e o que nos torna diferentes enquanto igreja é exatamente (grande surpresa): Nós! Os SERES HUMANOS, que compreendemos o mundo conforme nossa mentalidade, coração, experiências vividas, espiritualidade, e talvez possa até dizer pureza.
    Hoje vemos diversas igrejas evangélicas em situações vexatórias, assim como também vemos igrejas católicas em situações vexatórias, cruéis e até mesmo sórdidas durante toda a história da humanidade. Talvez meu questionamento tenha ficado um tanto quanto escondido no meio do texto, mas claramente quero perguntar: Será que esta batalha para segmentar os cristãos, para querer determinar qual é a melhor instituição, acaba nos distanciando do único e mais valioso ensinamento que é o AMOR? Será que com isso muitas vezes nos faz deixar de realmente exercitar e seguir os exemplos de AMOR de JESUS? Acaba nos tornando grandes senhores Julgadores do Senhor? Será que os que realmente precisam conhecer o Amor de Jesus, como os que são chamados de “ignorantes invencíveis”, são refutados e segregados?
    Eu entendo que: A placa da igreja não traz salvação, Pois, Só o AMOR SALVA! Independente de pedra, cimento e areia, Deus pra mim é muito maior que um templo, ele é totalmente abstrato a se querer padronizar, tanto quanto o conhecimento e o próprio Amor.
    Seguindo a proposta metafórica da postagem, Harvard é sim uma instituição, de pedra, cimento e areia, o que faz dela um lugar que se “cultua” o conhecimento e a sabedoria, é algo tão intangível e abstrato quanto o AMOR, más dentro dela existem diversos professores Estadudenses, Franceses, Indianos, Italianos, e a diversidade que se une abaixo deste templo tem uma busca do objetivo em comum, A EVOLUÇÃO, que transforma a instituição, o espaço, e as pessoas, todas.

    • Renata Th, a paz!

      Da mesma forma com que você pediu que fosse lido o seu comentário, peço que faça o mesmo com o meu; da mesma forma com a qual deve ser a chave de leitura do seu, faça também com o meu.

      Vamos lá:

      1) O que é o Amor? O Amor nos é uma Pessoa. Que Pessoa? Deus. Uno e Trino. Santíssimo. Mas indo mais a fundo: existe amor sem justiça? Existe caridade sem verdade? Ora, Deus (que é amor) pode ser Amor e deixar de ser Verdade e sumo bem? Acaso Deus, por ser Amor, pensa como os hippies de um “paz e amor bixo”? É esse amor o Deus? Não. Não o é. Amor sem a verdade não é amor coisíssima nenhuma. Amor sem verdade e justiça é sentimentalismo barato e mentiroso. Sugiro que você leia a Encíclica de Bento XVI “Caritas in veritate” sobre esse assunto. O Papa Emérito demonstra claramente essa realidade. Amor sem verdade é um desamor. É irreal, enganador e destruidor.

      2) Sua visão de Igreja é típica do pensamento protestante e por isso não consegue compreender que a Igreja não é uma instituição simplesmente. Não é um conjunto de “pedra, cimento e areia”. A Igreja é um MISTÉRIO acima de qualquer coisa. A Igreja é MUITAS VEZES MAIS INVISÍVEL QUE VISÍVEL! É nós vemos apenas o edifício, ao passo que na verdade a Igreja não é um edifício: a Igreja é o CORPO DE CRISTO. CORPO. Corpo de uma CABEÇA. Isso quem diz não sou eu, foi o próprio Cristo. Ele disse que somos seu “pequeno rebanho”; nos chama de “minha Igreja”; diz que “viveremos com Ele para sempre”; do que Nosso Senhor estava falando? Ele estava dizendo que sua Igreja e Ele SÃO UMA COISA SÓ. São Paulo explicita essa doutrina em quase todas as suas Cartas, e mais perfeitamente ainda quando relata sua conversão. Paulo ouviu Cristo dizer que Ele estava sendo perseguido por Saulo. Ora, quem Saulo perseguia? Cristo? Ele já havia subido aos céus naquela época! Saulo PERSEGUIA A IGREJA! E ELE ENCONTRA JESUS NA IGREJA! Jesus diz claramente que quem Saulo perseguia era Ele, mas como pode isso? Simples: Jesus e a Igreja são um. Assim sendo, a Igreja não é invenção pois dos homens, Ela é ELEITA, DIVINA.

      3) Tendo compreendido isso claramente, fica muitíssimo fácil explicar o porquê da Igreja ser necessária à salvação. É pois possível fazer parte do um Corpo sem entrar nele? É possível ser comandado por uma Cabeça sem estar no Corpo? É possível ser incorporado a Cristo rejeitando a verdade que Ele demonstrou e instituiu? Por acaso podemos desobedecer? Não, não podemos.

      Conclusão: Cristo instituiu a Igreja justamente por nos amar, e já que Ele nos ama, nos deixou o caminho para a Casa do Pai que é a sua Única e indivisível Igreja: a Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica.

    • Renata,

      Não vejo uma batalha para segmentar as igrejas, o que vejo é que a única Igreja fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo foi segmentada pelos cismas e pela “reforma” protestante, e hoje essa segmentação se mantém baseada em desinformação e relativismo.

      Concordo que o AMOR é a regra, mas o AMOR sempre testemunhou a VERDADE, e testemunhar a VERDADE é um ato de AMOR, mesmo que isso implique em apontar um erro cometido por alguém. Julgar é outra coisa.

    • Oi, Renata!
      Fico contente que vc compartilhe seus pensamentos conosco. Desculpe se eu demorar um tanto pra te responder (devo te responder amanhã), é que quero escrever com calma, e hj o dia foi cheio.

    • Oi, Renata!

      Finalmente consegui parar para responder com calma o seu comentário. Vamos lá:
      “Entendo que as cartas, os valores e os princípios descritos na Bíblia são valiosos (…) então, como nós podemos comparar uma igreja à outra sendo que o nosso Deus é o mesmo…”
      Renata, dizer que “o nosso Deus é o mesmo” é apenas uma meia verdade. Porque o Jesus Cristo histórico, o Jesus Cristo real não é a favor do aborto EM HIPÓTESE NENHUMA, ao contrário do que diz o bispo Macedo. Jesus não é a favor da matança de bebês no ventre, então, o Zizuiz pregado pela Igreja Universal não é o mesmo Jesus pregado pela Igreja Católica.

      Jesus Cristo tem imensa misericórdia, mas jamais aprovaria que seus filhos se entregassem a relações homossexuais, como faz o Zizuiz da igreja Anglicana e das diversas igrejas evangélicas LGBT que estão se espalhando pelo Brasil e pelos EUA.

      Jesus Cristo não promete prosperidade material aos seus seguidores, como faz o Zizuiz de tantas denominações evangélicas. Ele apenas pede que tomemos as nossas cruzes e o sigamos. Ele promete também nos dar cem vezes mais nesta vida por tudo o que renunciarmos por amor a Ele e a vida eterna… mas com perseguições! Ele nos promete intensa alegria e perseguições.

      Jesus Cristo não disse: taí a Bíblia, cada um a interprete como achar melhor, como fez o Zizuiz do Lutero. Ele fundou a Sua Igreja não sobre a Bíblia, mas sobre Pedro, e deu a autoridade do ensinamento aos Apóstolos. Foram eles e seus sucessores – os Papas e os bispos – que decidiram quais textos eram efetivamente inspirados e deveriam formar a Bíblia.

      Jesus Cristo quer uma só Igreja. Afinal, ele tem uma só Esposa, e não é um polígamo que tem várias esposas, várias igrejas. Ele queria que todos nós fôssemos um. Não é como o Zizuiz evangélico, cujo hobby é fundar uma igreja nova a cada semana, cada uma ensinando uma coisa diferente da outra.

      “… e nós SABEMOS QUE É, sendo a nossa salvação é a mesma, e o que nos torna diferentes enquanto igreja é exatamente (grande surpresa): Nós! Os SERES HUMANOS, que compreendemos o mundo conforme nossa mentalidade, coração, experiências vividas, espiritualidade, e talvez possa até dizer pureza.”
      Sim, Renata, os seres humanos são diferentes, e até os católicos pensam diferente entre si. Mas a Palavra de Deus é uma só, e não pode ficar à mercê das interpretações humanas e das diferentes condições de santidade de cada um. Por isso, na Igreja Católica temos o Pedro, que, sendo um homem santo ou pecador, sempre nos ensina do modo certo a Palavra de Deus, pois está guiado pelo Espírito. Ou você acha que a missão de Pedro de apascentar as ovelhas morreu com ele? Evidentemente, o pastoreio de Pedro passou para responsabilidade de outro pastor, até chegar ao nosso Papa Francisco.

      Então, ao longo de 2000 anos, entre papas santos e pecadores, a Igreja Católica conserva de forma intacta a herança que recebeu dos Apóstolos e ensina de modo infalível sobre as questões de fé e moral. Não porque os papas são bons, mas porque Jesus assim quis e garantiu por meio de seu Espírito.

      “Será que esta batalha para segmentar os cristãos, para querer determinar qual é a melhor instituição, acaba nos distanciando do único e mais valioso ensinamento que é o AMOR?”
      Renata, quem segmentou os cristãos foram os protestantes, não os católicos. E continuam a segmentar cada dia mais, a cada nova igrejola que fundam.

      Amar inclui dizer a verdade, ainda que essa verdade não seja simpática e venha a ferir os sentimentos de alguém. Eu não posso mentir pra uma pessoa que está indo pelo caminho errado, não posso dizer: “que lindo, continue assim!”, se eu sei que ela vai quebrar a cara logo ali na frente. Isso não é amor, não é caridade. É covardia, é querer agradar os homens em vez de agradar a Deus falando a verdade.

      Não somos julgadores do Senhor, mas podemos, sim, dizer a verdade quando esta nos foi revelada. Ou você, se um amigo gay lhe perguntasse, omitiria a verdade sobre o que o cristianismo ensina sobre as práticas homossexuais, só para não magoá-lo? Dizer a verdade que Deus nos revelou é ser julgador? Ou é uma obrigação é uma caridade?

      A verdade nos libertará, Renata, e não o politicamente correto. Dizer que todas as igrejas são igualmente boas, negar que a Igreja Católica é aquele original, fundada e sempre sustentada pelo Seu Esposo, é dizer mentiras para agradar o mundo. Quem ama, sempre diz a verdade.

  • Paulo

    Perfeito o post e as respostas Vivi! Salve nossa Santa Igreja Católica!
    O que um católico deve fazer é… procurar ser um bom católico. Jamais se deixar levar por essa conversinha de que não importa a igreja ou religião. Até porque o relativismo dos protestantes é beeeeem relativo… quando se trata de nossa Igreja, não perdem oportunidade de difamá-la. Quem é que nunca ouviu um evangélico falando que a Igreja Católica era uma seita fundada por Constantino ou que ela era a “prostituta do apocalipse”?

  • Olá, depois de meses sem estar por aqui, volto a comentar. O pontapé para a divisão de igrejas foi Lutero e desde então, várias igrejas e seitas foram fundadas, algumas por vaidade pessoal, outras para ganhar dinheiro. Usam a sola scriptura e o livre exame, para manipular a bíblia e, até mesmo, a patrística. E é muito engraçado, quando os protestantes dizem que nós os atacamos, eles não se olham no espelho e não percebem que nos chamam de coisas, como o Paulo do último comentário descreveu muito bem. Tive um debate com um jovem pastor protestante no Facebook, sobre isso e foi só eu dizer, como o Paulo falou e ele ficou quieto.Contra fatos, não há argumentos.

  • Marlon

    Sou protestante e queria entender como vocês compreendem por exemplo essa passagem da Bíblia:

    Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.
    Não vem das obras, para que ninguém se glorie;
    Efésios 2:8-9

    Desculpa caso vocês tenham algum outro artigo sobre isso, mas não achei.

    Valeu, desde já obrigado!

    • Marlon,
      Sim, já escrevemos um artigo sobre isso. A compreensão dos católicos a respeito de como se dá a salvação das pessoas está registrada em uma declaração conjunta entre católicos e luteranos, uma espécie de acordo firmado em 1999.

      O artigo é esse aqui:
      Lutero – “…peque fortemente, mas creia e se alegre em Cristo”
      http://ocatequista.com.br/archives/7260

      • Marlon

        Oi, Catequista,

        Não sei se posso abordar nesse tópico, mas pelo que tenho lido no site, vocês perderem tempo atacando Lutero, até os protestantes sabem e admitem que Lutero em sua caminhada se equivocou em alguns escritos e declarações, de fato o protestantismo teve avanço não pelo figura de um homem(Lutero), mas pela proposta de se voltar as Escrituras Sagradas como regra, não tendo nada e nem ninguém acima das Escrituras. Pegar trechos isolados de Lutero e atacar se torna leviano, assim como pegar versículos isolados da Bíblia e defender o que quiser. Por exemplo, vocês pegam o Edir Macedo como representante protestante evangélico sendo que uma grande parte protestante considera que ele presta uma desserviço ao cristianismo protestante, creio que seria de maior valia se as análises de vocês estivessem embasadas na Bíblia, vi algumas que vocês fazem isso e tem mais riqueza de conteúdo, apesar de inevitavelmente eu não concordar com algumas interpretações, mas beleza, creio que nesse meio há paradigmas, e vocês conhecem eles, não cabe a eu tentar convencer vocês.

        Quanto a salvação, me parece um pouco conflitante, ao mesmo tempo que vocês concordam na salvação pela graça por meio da fé, vocês dizem que só há uma igreja e essa é a católica romana e que só há salvação plena nela, ou entendi errado?

        PS: Não quero criar uma discussão de interesses aqui, só quero entender melhor alguns posições, vejo que vocês tem buscado estudar.

        Por último, parabéns pelo site, apesar de bastante ataque ao protestantismo, alguns com sentido e outros sem sentido, tem um causa maior que é proclamar a Deus, e não dá pra negar que vocês tem empenho e buscam propriedade no que falam :)

        • Oi, Marlon!
          Não, não é perda de tempo revelar os podres de Lutero. Trazer a verdade à tona nunca é perda de tempo. A verdade é o que nos liberta.
          Cremos tanto nisso que, aqui no blog, publicamos artigos falando até dos podres de alguns Papas ( http://ocatequista.com.br/archives/3040 ). Só que a diferença entre eles e Lutero é que eles, sendo eleitos pelo Espírito Santo, não ensinaram nenhuma doutrina errada.

          Infelizmente, há muitos católicos que idealizam a imagem de Lutero. Você disse que “os protestantes sabem e admitem que Lutero em sua caminhada se equivocou em alguns escritos e declarações”. Não é bem assim, nem todos os protestantes sabem disso. Mas esse não é o nosso foco: queremos mesmo é abrir os olhos dos católicos que pensam que Lutero foi O CARA! São pessoas iludidas, que nem ao menos sabem o que alguns protestantes sabem: que Lutero se equivocou (falou muita merda) em alguns (numerosos) escritos.

          E justamente por causa do desconhecimento, romantização e idealização da imagem de Lutero, alguns católicos permitem que muitas ideias e práticas protestantes se infiltrem em nossa catequese e em nossa liturgia. Caindo o mito, acho que o povo toma vergonha na cara pára de protestantizar a nossa Igreja.

          Em relação ao ponto da economia da salvação, não há conflito. Acaso São Paulo era doido ou confuso? Acaso havia conflito em seu ensinamento quando, no capítulo 1 da carta aos Romanos, ele diz que seremos salvos única e exclusivamente pela fé, e no capítulo 2 desta mesma carta ele diz que o Senhor recompensará a cada um conforme as suas obras, no dia do julgamento? Acaso a carta de São Tiago (que Lutero queria tirar da Bíblia), que diz que a fé sem obras é morta, contraria o que diz São Paulo?

          Pra entender melhor, recomendo que você leia o documento da declaração conjunta entre católicos e luteranos, e também o Anexo. Ambos os documentos estão linkados no texto do outro post que que vc comentou.

          • Amanda

            Oi catequista, comento sempre os posts de vcs, acho o maximo, estou sempre aprendendo. No momento, estou passando por uma situação um pouco delicada, queria muito uma orientação sobre a melhor coisa a se fazer… rebater ou orar pelo discernimento da pessoa. Posso escrever para vc? nao queria expor aqui. Abraços e que Deus te abençoe.

          • Oi, Amanda!
            Pode escrever para o mau email: viviane@ocatequsta.com.br

            Se preferir, você também pode enviar mensagem inbox por meio da nossa fanpage:
            https://www.facebook.com/ocatequista

            Abraço!

          • Marlon

            Quanto a Lutero, não vou defender ele, os pais da igreja nos primeiros séculos se equivocaram também, na história da Igreja, não houve ninguém irrepreensível. Houve apenas um homem que tinha essa qualidade, e esse foi Cristo. Os protestantes tem bastante munição também quanto a erros de homens católicos romanos, então no caso iríamos longe em ataques, em ambos os lados, justamente por isso a proposta do protestantismo é uma volta direta as escrituras, sem intermediários, nada está ao nível das Escrituras, justamente pela falibilidade humana.

            Mas voltando a quesito salvação, creio que há uma confusão, o salvo é levado as boas obras justamente porque é salvo pela graça, por meio da fé, e não o contrário, que é o que sugere o acordo católico romano com os luteranos, no tratado não achei pelo menos essa parte que os luteranos concordam que só a igreja Católica Romana é que se encontra salvação. Quanto a recompensa para as obras, isso não é para salvação, mas para galardão, creio que você está isolando Romanos 2 e desconsiderando os demais ensinamentos de Paulo, como coloquei a passagem da carta dele aos Efésios, no caso ele não entra em confusão, justamente porque ele é categórico em afirmar que que a salvação nunca foi e nunca será pelas obras, as obras só são frutos dos salvos. Se obras fosse quesito de salvação, o ladrão da cruz não teria sido salvo, ele não fez nada, apenas creu e aceito a graça de Deus.

            Quanto a Tiago é fácil de explicar, ele com certeza está combatendo a fé dormente, uma fé falsa, uma fé sem frutos da salvação que o crente já alcançou pela graça. Ele está lutando conta a ortodoxia morta e o abuso da graça barata. Isso vem de encontro com Mateus 7:21, onde Jesus fala que “Nem todo aquele que falar Senhor, Senhor entrará no reino do céu, mas aquele que faz a vontade do Pai que está no céu.” Não é qualquer fé que salvará, ele tem que ser genuína, e gerar frutos salvíficos. Fé por fé, até os demônios tem e estremecer, mas isso não faz diferença pra eles. Porém de maneira nenhuma as obras são necessárias para a salvação e sim a salvação fará que o justificado pratique as boas obras. Caso fique alguma dúvida quanto a Paulo e Tiago, posso abrir um leque maior na argumentação, de maneira nenhuma um contradiz o outro.

          • Marlon,
            Certamente há fatos vergonhosos na história relacionados ao alto clero católico, entretanto, a diferença entre os erros destes e os erros de Lutero é que a doutrina católica permanece intacta e perfeita, pois está fundada na Rocha eleita por Cristo, Pedro. Bem diferente é a doutrina protestante que está construída sobre a areia, e flutua conforme o delírio de cada líder protestante.

            Você diz que o protestantismo “é uma volta direta às Escrituras”. Nada mais ilusório e equivocado! O protestantismo é simplesmente perversão das Escrituras. Afinal, a própria Escritura renega a ideia da Sola Scriptura, afirmando que os cristãos devem seguir tanto as Escrituras quanto aquilo que os Apóstolos ensinam por Tradição oral:

            “Por isso, irmãos, permanecei firmes e conservai as tradições que vos ensinamos de viva voz ou por meio da nossa carta.” (II Ts 15).

            E também Jesus disse aos Apóstolos: “Quem vos ouve, a mim ouve; e quem vos rejeita, a mim rejeita; e quem me rejeita, rejeita aquele que me enviou.” (Lc 10,16)

            Faz muito sentido que assim seja, afinal, foi a Tradição que gerou a Bíblia. Como você pode dizer que “nada está no nível das Escrituras” se foi a autoridade do bispo de Roma e dos principais bispo da Igreja, reunidos, que permitiu a definição de quais textos eram ou não inspirados? Ora, se as autoridades católicas tomam decisões de fé e moral meramente humanas, e não são inspiradas pelo Espírito Santo de forma infalível para definir questões universais de fé e moral, como os protestantes podem confiar no Evangelho que tanto dizem prezar? Afinal, a legitimidade desses textos foi garantida por bispos católicos (legítimos sucessores dos Apóstolos), bem como a sua seleção como textos canônicos. E aí?

            “Se obras fosse quesito de salvação, o ladrão da cruz não teria sido salvo, ele não fez nada, apenas creu e aceito a graça de Deus”. Não é bem assim, Marlon. Acaso sabemos se, a despeito de seus pecados, o ladrão não teria realizado boas obras ao longo de sua vida? Afinal, como você bem disse, “não é qualquer fé que salvará, ele tem que ser genuína, e gerar frutos salvíficos”. Nisso concordamos.

            Ademais, lá mesmo na cruz, bom ladrão realizou, sim, uma obra de caridade: defendeu Jesus da zombaria feita pelo outro ladrão, e assim deu ao Mestre algum consolo.

            Recomendo que você leia esse nosso post:
            Um dia na vida da Igreja Primitiva
            http://ocatequista.com.br/archives/10672

          • Marlon

            A Catequista,

            Sinceramente, minha proposta não é defender Lutero e nem atacar a igreja católica, por mais que possamos ficar dias aqui falando a respeito disso. Creio que você é firme o suficiente em suas argumentações para que independente do que eu fale você contra pontue com seu ponto de vista. E essa é a proposta, não quero converter ninguém para o protestantismo, quero entender melhor a visão católica de alguns pontos, justamente por isso me propus a comentar. Ninguém vai deixar de ser protestante pelos erros de Lutero e ninguém vai deixar de ser católico pelos erros da igreja católica.

            “Por isso, irmãos, permanecei firmes e conservai as tradições que vos ensinamos de viva voz ou por meio da nossa carta.” (II Ts 15).

            Nesse ponto caímos num entrave, justamente porque para os protestantes, apóstolos verdadeiramente foram os citados nas Escrituras, os atuais, podem ter nome, cargo, mas não tem a mesma autoridade. Não que todos os cristãos tinham as escrituras para ler, na verdade uma minoria com certeza, mas o ensino deles de fato era baseados em ensinamentos que hoje chamamos de bíblico, pois estão expostos nela. Vemos logo o que Lucas fala em Atos sobre quando Paulo e Silas foram a Bereia: “Ora, estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim.” Atos 17:11
            Não rejeitamos os ensinos dos apóstolos, mas de fato, aquilo que comprovadamente eles ensinaram está contido nas Escrituras e não tem nada mais a ser acrescentado.

            Quanto a escolha dos textos, aquele que escolhe tem a mesma autoridade do que escreve? A escolha foi muito mais histórica do que inspirada pelo Espírito Santo, o Espírito Santo estava em ação, creio que sim, mas não foi feito uma oração e no outro dia estava tudo certinho e bonitinho, foram comparados, estudados, todo um processo, para que fosse separado o que era condizente com os ensinamentos do Deus triuno. Tanto que os protestantes desconsideram os livros apócrifos como sendo Escritura Sagrada, não foi porque o Espírito Santo assim determinou, foi porque comparando com os demais textos das Escrituras há erros graves.

            Bom, quanto a salvação, você desconsiderou boa parte do que escrevi tentando mostrar que o ladrão pode ter feito boas obras durante a vida, mas isso é normal, até os mais perversos praticam boas obras, mas a meu ver as obras “começam a contar” quando Deus em sua infinita misericórdia nos chama para sermos ovelhas suas e somos convencidos da nossa pecaminosidade/maldade, buscando assim se arrepender, a obra salvadora provém Dele, temos que ser encontrados por Deus e não o contrário, o homem natural de maneira nenhuma buscaria Deus pelos seus próprios esforços.

            Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo. 2 Coríntios 5:17

            Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam. Atos 17:30

            O ladrão não fez uma boa obra na cruz, ele estava em desespero, sabia que estava pagando justamente por algo que cometeu, mas que o Mestre estava lá mas era inocente, me parece claro que ele conhecia Jesus e que ele admitia que ele era Deus, mas esse conhecimento foi fazer diferença pra ele só quando ele já estava morrendo, essa fé só foi salvífica no momento em que a graça de Jesus o alcançou. Vemos no relato de Marcos, que esse ladrão inicialmente também zombou Jesus: Também os que com ele foram crucificados o injuriavam. Marcos 15:32b
            Ele foi alcançado pela graça de Cristo em um ato de desespero e fé, em nenhum momento Cristo atribuiu a ele que o merecimento do ladrão era porque ele tinha feito uma boa obra, ou que tinha tido uma vida de boas obras, você está atribuindo ao texto algo que ele não fala, e para ele estar naquela cruz, ele não era nem um pouco santo, até porque ele mesmo admitiu isso admitindo seu merecimento de estar ali na cruz. Se tem alguém que fez alguma coisa ali na situação, esse foi Jesus.

            Quanto ao texto que você sugeriu, li, mas já tinha esse conhecimento, tanto que não escrevi “Uma volta a Bíblia” e sim as Escrituras, que de fato uma parte menor do povo tinha acesso e os que não tinham, seguiam os ensinamentos que ali estava contidos, que foram repassados pela proclamação das boas novas. Mas hoje as Escrituras estão compiladas e fechadas, eles não consultavam porque não tinham, hoje temos e devemos segui-la, não acrescentando e nem retirando nada. Pois aquele que distorce é semelhante ao Diabo que usou a Escritura livremente para tentar Jesus.

          • Marlon,
            Que bom que sua intenção não é fazer proselitismo aqui, mas sim debater e entender melhor o catolicismo. Sendo assim, estamos a seu serviço.

            Quanto a mim, não é tanto que eu seja firme em meus argumentos, e sim os fatos é que possuem a sua própria força.

            Ninguém deve deixar de ser católico pelos erros da Igreja Católica, porque são erros de seus membros, erros pastorais, erros pessoais; assim como ninguém deveria deixar de ser discípulo de Cristo por causa dos limites pessoais dos apóstolos (como Pedro, a quem Paulo acusou certa vez de hipocrisia, e Tomé, que pecou por falta de fé). Já a Igreja, entendida como Esposa de Cristo, essa não erra, pois é Santa, e Cristo prometeu que as portas do inferno não prevaleceriam contra ela. Os erros dos católicos não atingem jamais os ensinamentos universais da Igreja sobre fé e moral.

            “Ninguém vai deixar de ser protestante pelos erros de Lutero…”.
            Pois deveria deixar, sim. Afinal, bem diferente do que ocorre no catolicismo, os erros dos líderes protestantes atingem a doutrina protestante sobre fé e moral. Tanto é assim que existem mais de 20 mil denominações protestantes diferentes no mundo, e cada uma ensina uma doutrina diversa da outra. Uma igreja prega que o batismo de crianças é válido, outra que é errado; uma prega que mulheres podem ser pastoras, outra que esse ministério é exclusivo dos homens; uma prega que os atos homossexuais são abomináveis, outra abençoa o casamento gay (como é o caso da Igreja Protestante da Suécia, entre outras). E por aí vai… Ou seja, a doutrina ensinada nas igrejas protestantes flutua conforme a interpretação pessoal de cada líder protestante.

            Já na Igreja Católica o Papa pode ser o maior crápula, mas a doutrina de Jesus, herança dos Apóstolos, se mantém sempre intacta. Pedro pode ser falível pessoalmente, mas na condução da Igreja sobre assuntos de fé e moral ele é infalível. Por que ele (e cada um de seus sucessores) é o representante imperfeito do verdadeiro chefe da Igreja, o Deus perfeito.

            “…para os protestantes, apóstolos verdadeiramente foram os citados nas Escrituras, os atuais, podem ter nome, cargo, mas não tem a mesma autoridade.”
            Esta é mais uma loucura absurda gerada pela Sola Scriptura. Na Bíblia não está escrito que Jesus tomava banho, então, para os protestantes, Ele nunca tomou banho. É isso mesmo?

            O fato é que toda a Tradição católica encontra respaldo na Bíblia, ainda que de modo implícito.

            Vamos lá… Lendo Atos 1,21-26, vemos que a sucessão apostólica teve início com Matias, que foi colocado no lugar de Judas Iscariotes. Assim, é óbvio que, sempre que morria um Apóstolo, outro o sucedia, sendo investido pela mesma autoridade. E não é absurdo concluir que, quando um sucessor de um Apóstolo – como Matias – morria, outro também o sucedia, naturalmente. Ora, porque raios essa dinâmica de sucessão seria interrompida? De uma hora pra outra, puff! Chega de sucessão apostólica! É isso mesmo?

            Já que você é partidário da Sola Scriptura, me diga: onde está escrito na Bíblia que a sucessão apostólica, muito bem documentada no caso de Matias, seria extinta a partir de dado momento?

            Além desse problema lógico e documental gritante, há outro problema em sua afirmação: muitos protestantes (em especial os reformados mais tradicionais), na verdade, creem que além dos Apóstolos citados na Bíblia, houve muitos outros, e a seus nomes se chega por meio dos escritos patrísticos, que são fontes históricas confiabilíssimas.

            Vejamos o que disse certo bispo da igreja primitiva: Santo Ireneu de Lyon. Ele viveu entre o ano 130 e 202, e é considerado santo não só pelos católicos, mas também pelos luteranos, que celebram a sua festa no dia 28 de junho. Ou seja: convocamos um cara que tem moral com os protestantes tradicionais.

            Na célebre obra Adversus Haereses, Ireneu descreve a linha de sucessão apostólica de São Pedro a Santo Eleutério, o Papa de sua época. Em seus escritos, fica claro que a Igreja primitiva possuía um pastor universal, o bispo de Roma. E da Igreja de Roma provinha o conteúdo de fé com o qual todos os cristãos deveriam concordar.

            3,2 – “Mas visto que seria coisa bastante longa elencar (…) as sucessões de todas as igrejas, limitar-nos-emos à maior e mais antiga e conhecida por todos, à igreja fundada e constituída em Roma, pelos dois gloriosíssimos apóstolos, Pedro e Paulo, e, indicando a sua tradição recebida dos apóstolos e a fé anunciada aos homens, que chegou até nós pelas sucessões dos bispos. (…)

            “Com efeito, deve necessariamente estar de acordo com ela, por causa da sua origem mais excelente, toda a igreja, isto é, os fiéis de todos os lugares, porque nela sempre foi conservada, de maneira especial, a tradição que deriva dos apóstolos.”

            3,3 – “Os bem-aventurados apóstolos que fundaram e edificaram a igreja transmitiram o governo episcopal a Lino, aquele Lino que Paulo lembra na epístola a Timóteo. Lino teve como sucessor Anacleto. Depois dele (…), coube o episcopado a Clemente, que tinha visto os próprios apóstolos e estivera em relação com eles, que ainda guardava viva em seus ouvidos a pregação deles e diante dos olhos a tradição. (…)
            “Eleutério, em décimo segundo lugar na sucessão apostólica, detém o pontificado. Com esta ordem e sucessão chegou até nós, na Igreja, a tradição apostólica e a pregação da verdade. Esta é a demonstração mais plena de que é uma e idêntica a fé vivificante que, fielmente, foi conservada e transmitida, na Igreja, desde os apóstolos até agora.”
            (Ireneu de Lyon, Adversus Haereses).

            Esse e muitos outros escritos dos Primeiros Padres reafirmam a sucessão apostólica, e são dignos de crédito para grande parte das igrejas protestantes. Então, não é demais dizer que a linha sucessória de bispos romanos descrita por Ireneu continuou sem interrupções até os dias de hoje. E assim também, naturalmente, ocorreu com os sucessores de Tiago, André etc.

            Jesus, antes de subir aos Céus, disse: “Eis que estou convosco até o fim dos tempos”. Ora, como Ele poderia estar conosco hoje, como poderia comunicar OBJETIVAMENTE a Sua Palavra a cada geração sem contar com um grupo humano devidamente ungido e enviado para pastorear o rebanho e O representar? Afinal, como você já deve ter notado, só deixar as Escrituras como referência não basta, já que cada mané da aos textos Sagrados a interpretação que lhe dá na telha. Como discernir entre tantas interpretações a verdadeira Palavra de Deus?

            Ora, justamente para isso Jesus consagrou e enviou os apóstolos: para serem Seus representantes entre os homens, para pastorear o rebanho e para ensinar com autoridade. Então, se a partir de dado momento da história a autoridade apostólica se escafedeu (porque raios isso aconteceria?), isso significaria que os cristãos já não possuem qualquer referência confiável para a interpretação da Bíblia.

            Obviamente, nada se deve acrescentar às Escrituras. O fato é que, conforme a história avança, novas questões surgem, questões essas que não estão expostas de modo explícito na Bíblia, mas apenas implícito. Por exemplo: clonagem humana. Acaso algum profeta do A.T. falou desse tema? Jesus, talvez? Ou algum Apóstolo? Não, né! Então, Jesus, para responder objetivamente às inquietações e dúvidas dos homens de cada tempo, comunica a verdade por meio de Seus legítimos pastores – em especial, por meio de Pedro. É, portanto, o sucessor de Pedro quem garante a correto ensinamento sobre fé e moral, respondendo às questões suscitadas pelos homens de cada tempo, de acordo com a correta interpretação da Bíblia e da Tradição.

            Se essa autoridade, que vem da sucessão apostólica, já não mais existisse, então os cristãos estariam condenados a não chegar a certeza alguma sobre as novas questões de fé e moral que se apresentam. Afinal, como muitas questões só podem ser concluídas da Bíblia pelas suas entrelinhas, cada qual tira uma conclusão diferente.

            “Não rejeitamos os ensinos dos apóstolos, mas de fato, aquilo que comprovadamente eles ensinaram está contido nas Escrituras e não tem nada mais a ser acrescentado.”
            Nisso concordamos, Marlon. Nada mais há a ser acrescentado às Escrituras. Isso não impediu os cristãos primitivos de redigirem a Didaqué, o primeiro Catecismo da Igreja (já ouviu falar?). A Didaqué não acrescentava nada às Escrituras, mas resumia os pontos centrais da mensagem do Evangelho e fornecia algumas orientações úteis para as comunidades daqueles tempos. Tudo pautado nas Escrituras, é claro! Assim como, a Didaqué, os legítimos sucessores dos Apóstolos produziram outros importantes instrumentos de Evangelização – encíclicas, exortações, catecismos – que jamais tiveram a pretensão de acrescentar nada às Escrituras, mas, sempre pautados nela, ajudavam e ajudam os homens de cada tempo a compreender a sua realidade contemporânea à luz de uma segura interpretação dos textos sagrados.

            “Quanto a escolha dos textos (…) A escolha foi muito mais histórica do que inspirada pelo Espírito Santo”.
            Pelo amor de Deus, Marlon! Você acha mesmo razoável pautar a sua vida, os seus valores, quem sabe até correr o risco de sofrer o martírio um dia, com base em um texto que é acima de tudo fruto de esforço e trabalho humano? Estudo comparado, pesquisa, suor, houve sim! Mas tudo isso é tão, tão passível de erro! Ainda mais se considerarmos o fato de que os escritos originais da Bíblia foram quase que completamente perdidos.

            Acima de tudo, o que nos garante que os textos bíblicos que temos em mãos são dignos de crédito é a ação do Espírito Santo sobre aqueles aos quais Ele deu autoridade, ou seja, o sucessor de Pedro e os sucessores dos demais apóstolos. Do contrário, nossa fé estaria pautada acima de tudo no esforço e no trabalho de “pesquisa” de homens altamente falíveis.

            Quanto aos sete livros deuterocanônicos que os protestantes convenientemente arrancaram da Bíblia para encobrir seus erros doutrinários, já escrevemos sobre isso:
            A Bíblia católica é a única que não é mutilada
            http://ocatequista.com.br/archives/12278

            “O ladrão não fez uma boa obra na cruz…”
            Ah, não? Puxa, pensei que consolar os tristes era uma boa obra. Eu, ao menos, fico muito grata e consolada quando recebo qualquer palavra gentil em meio às minhas dores.

            “Vemos no relato de Marcos, que esse ladrão inicialmente também zombou Jesus”
            Na verdade, Marlon, isso é bastante discutível. Porque Marcos falou de modo genérico, dizendo que os que com Ele foram crucificados zombaram dEle. Talvez apenas um tenha zombado, mas se Marcos desejou apenas registrar o clima geral de zombaria, talvez não tenha se preocupado em especificar quem zombou, se foram um ou os dois. De qualquer forma, ainda que seja verdade que São Dimas tenha zombado de Jesus, se arrependeu e posteriormente lhe defendeu moralmente.

            “Pois aquele que distorce [as Escrituras] é semelhante ao Diabo que usou a Escritura livremente para tentar Jesus.”
            Aí estamos 100% em acordo, Marlon! E ninguém distorceu mais as Escrituras, em nome de seu orgulho e vaidade, do que Lutero, o pai do protestantismo. E morreu tal qual um filho do inferno, bêbado e suicida.

            Depois que Lutero deu o pontapé inicial da livre interpretação da Bíblia, seus seguidores distorceram ainda mais a doutrina cristã. Lutero, ao menos, cria na intercessão da Virgem Maria, a chamava de Mãe de Deus e afirmava a sua Virgindade Perpétua. Mas os frutos podres de sua heresia se multiplicaram, e também a Virgem Mãe de Deus foi difamada e rejeitada, junto com a Esposa de Cristo, Sua Igreja. Afinal, quem hostiliza a Esposa haveria de hostilizar também a Mãe do Senhor. Natural!

            Por fim, peço que você note uma coisa: em toda a história da Salvação, Deus sempre elegeu um homem – apenas UM! – para ser seu representante máximo no meio do povo. E assim tivemos Abraão, Isaac, Jacó, Moisés, os demais profetas e, finalmente, Seu próprio Filho. Porém, bem sabemos que Jesus já não é mais visível para nós, não dá pra trocar umas ideias com Ele. Então, Ele deixou seu representante visível aqui na Terra, que é Pedro (isso tá na Bíblia, certo?). Só a Pedro Ele pediu: “apascenta as minhas ovelhas”. E aí, morreu Pedro… não há mais quem apascente as ovelhas?

            Marlon, para que você possa entender melhor a questão da primazia de Pedro e da sucessão apostólica, lhe recomendo esses posts:
            Pedro é o maior dos Apóstolos. Sabichão Irônico discorda.
            http://ocatequista.com.br/archives/10495

            Fora da Sucessão Apostólica, pastor e bispo é tudo made in Paraguay
            http://ocatequista.com.br/archives/10517

            A Igreja primitiva já era chamada de “Católica”. Durmam com essa!
            http://ocatequista.com.br/archives/10535

            Abraço, e fique com Deus!

        • Sidnei

          Para os protestantes quando se lê nas Sagradas Escrituras que seremos julgados pelas nossas obras eles entendem que é para os Salvos ganharem seu galardão nos céus, para nós católicos é para verificar se a pessoa que realizou as boas obras respondeu ao chamado da graça de DEUS por meio da fé e exteriorizou esta fé por gestos concreto de amor ao próximo e sendo assim estará apto ou não merecer o Reino dos Céus a Salvação Eterna, caso contrário se não houver obras algumas ou somente obras ruins esta pessoa receberá não o Reino dos Céus a Salvação Eterna mas o fogo do inferno e a perdição eterna como bem disse JESUS em Mateus 25, 33-46. Se as obras não são necessárias a Salvação Eterna então para que pratica-las, se são necessárias então deverão ser praticadas, Mateus 25, 33-46 aponta para isto. Fé e Obras andam juntas, não dá para separa uma da outra, como bem disse São Tiago: “14.De que aproveitará, irmãos, a alguém dizer que tem fé, se não tiver obras? Acaso esta fé poderá salvá-lo?15. Se a um irmão ou a uma irmã faltarem roupas e o alimento cotidiano,16. e algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquecei-vos e fartai-vos, mas não lhes der o necessário para o corpo, de que lhes aproveitará?17. Assim também a fé: se não tiver obras, é morta em si mesma.18. Mas alguém dirá: Tu tens fé, e eu tenho obras. Mostra-me a tua fé sem obras e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras.19. Crês que há um só Deus. Fazes bem. Também os demônios crêem e tremem.20. Queres ver, ó homem vão, como a fé sem obras é estéril?21. Abraão, nosso pai, não foi justificado pelas obras, oferecendo o seu filho Isaac sobre o altar?22. Vês como a fé cooperava com as suas obras e era completada por elas.23. Assim se cumpriu a Escritura, que diz: Abraão creu em Deus e isto lhe foi tido em conta de justiça, e foi chamado amigo de Deus (Gn 15,6).24. Vedes como o homem é justificado pelas obras e não somente pela fé?25. Do mesmo modo Raab, a meretriz, não foi ela justificada pelas obras, por ter recebido os mensageiros e os ter feito sair por outro caminho?26. Assim como o corpo sem a alma é morto, assim também a fé sem obras é morta.” (Tiago 2, 14-25), São Tiago é claro nesta passagem, a fé tem que vir com obras, caso contrário é morta em si mesma, assim como a reciproca também é verdadeira, as obras sem a fé verdadeira não terá valor algum perante a DEUS, será como nos dizeres do Profeta Isaías: “Todos nós nos tornamos como homens impuros, nossas boas ações são como roupa manchada; como folhas todos nós murchamos, levados por nossos pecados como folhas pelo vento.” (Isaías 64, 6), porém, a fé deverá ser testemunhada e exteriorizada pelas obras as obras terão seu devido valor se acompanhada pela fé verdadeira o resto só são argumentos que não condizem com que realmente esta escrito nas Sagradas Escrituras que o que foi sempre ensinado pela Igrejas nestes 2000 anos.

          • Marlon

            Sidnei,

            Entendo que ao salvo só resta praticar as boas obras, pois esse que foi alcançado pela graça de Deus de maneira nenhuma o Espírito Santo deixará ele viver uma vida de uma fé morta e sem obras, no caso a pessoa é salva para as boas obras, e não é salvo pelas obras, ninguém chegará a Deus apenas com boas obras, mas poderá chegar a Ele pela graça, por meio da fé, se alguém no seu leito de morte, assim como o ladrão da cruz, se arrepende verdadeiramente e crê, admitindo seu estado pecaminoso, esse achará salvação, não pro ele, mas por Cristo. Deus o tirou a velha vida, do velho homem e os chamou para um novo nascimento Nele, sendo crucificado com Ele, independente em que momento da vida. Se você acha para alcançar salvação você precisa praticar boas obras, então recomendo reavaliar as Escrituras, as obras de Cristo nunca foram baseadas no merecimento, ninguém é e foi merecedor do sacrifício Dele. Eu pratico boas obras porque estou sobre o senhorio de Cristo e debaixo dos ensinamentos deixados por Ele, não para ser salvo, mas para ser imitador Dele, não por mim, mas por amor ao meu próximo. Quanto a Tiago, expliquei ali em cima, você citou passagens que justamente eu citei, basicamente ele explica a importância dos frutos da fé e confronta com a pergunta: “Será que essa tua é fé vai te salvar? Ela não tá dando algum fruto?”(Parafraseei para entendermos melhor) Ele em momento nenhum disse, com essa fé você não vai se salvar, ele chamou os crentes ao autoexame da fé, combatendo a fé morta e vivificando a importância dos frutos da fé.
            Veja Paulo em Romanos afirmando o que seria dito também em Efésios: “Portanto, ninguém será declarado justo diante dele baseando-se na obediência à lei, pois é mediante a lei que nos tornamos plenamente conscientes do pecado.” Romanos 3:20
            Ninguém será considerado justo, ou justificado pelas obras que faz, pela obediência da lei. Convergimos na questão da importância das obras, divergimos que ela é quesito para a salvação, haja vista, que a meu ver, as obras em favor de Cristo e ao próximo só podem ser feitas após o recebimento da graça de Deus, por meio da fé. “Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus.” 1 Co 10:31
            As obras não são para me salvar, mas para glorificar a Deus, a salvação ele já me deu através da graça, através da cruz, o sangue dele me justificou e não minha obras me justificaram.

            OBS: A paz, peço aos que estão discutindo que não torne isso pessoal ou uma afronta, acaso esteja atrapalhando, me retiro, não quero causar contenda, mas apenas entender como os católicos se baseiam sobre alguns aspectos, e vi aqui um canal bacana de se conversar pela abertura dos comentaristas.

          • Sidnei

            Agora apareceu, que coisa maluca.

        • Sidnei

          “Entendo que ao salvo só resta praticar as boas obras, pois esse que foi alcançado pela graça de Deus de maneira nenhuma o Espírito Santo deixará ele viver uma vida de uma fé morta e sem obras, no caso a pessoa é salva para as boas obras, e não é salvo pelas obras”

          RESPOSTA: Se a pessoa é salva para as obas obras, porém não faz, então sua salvação não adiantou de nada, São Tiago é claro, caríssimo, fé se não vier acompanhada pelas obras não salva ninguém, assim como as obras se não vier acompanha pela fé verdadeira, não servirá para nada diante do SENHOR.

          “ninguém chegará a Deus apenas com boas obras, mas poderá chegar a Ele pela graça, por meio da fé”

          RESPOSTA: Exato, porém, se depois de ter experimentado pela graças de DEUS e por meio da fé a Salvação e não fizer as obras os quais foram destinadas a fazer, de nada adiantou a graça de DEUS ter tocado esta pessoa e esta pessoa ter se aberto por meio da fé a graça de DEUS.

          “se alguém no seu leito de morte, assim como o ladrão da cruz, se arrepende verdadeiramente e crê, admitindo seu estado pecaminoso, esse achará salvação, não pro ele, mas por Cristo. Deus o tirou a velha vida, do velho homem e os chamou para um novo nascimento Nele, sendo crucificado com Ele, independente em que momento da vida.”

          RESPOSTA: Sim, mas o livre arbítrio deste pecador que aceitou DEUS e JESUS como Salvador, se abriu a graça de DEUS para a Salvação Eterna não conta em nada?. Marlon, entenda um coisa, DEUS não arromba a porta de nossos corações nos forçando a sermos seus seguidores, ELE não faz isto com ninguém, ELE espera que todos atendamos seus chamado como disse JESUS: “Em seguida, convocando a multidão juntamente com os seus discípulos, disse-lhes: Se alguém me quer seguir, renuncie-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. (São Marcos 8, 34), atenta bem para o convite de JESUS, ELE não obriga ninguém a segui-lo, ELE convida: “Se alguém me quer seguir”, outra passagem demonstra também isto: “Eis que estou à porta e bato: se alguém ouvir a minha voz e me abrir a porta, entrarei em sua casa e cearemos, eu com ele e ele comigo. (Apocalipse 3, 20).

          “Se você acha para alcançar salvação você precisa praticar boas obras, então recomendo reavaliar as Escrituras, as obras de Cristo nunca foram baseadas no merecimento, ninguém é e foi merecedor do sacrifício Dele. Eu pratico boas obras porque estou sobre o senhorio de Cristo e debaixo dos ensinamentos deixados por Ele, não para ser salvo, mas para ser imitador Dele, não por mim, mas por amor ao meu próximo.”

          RESPOSTA: Eu sugiro que você reavalie as Escrituras, Mateus 25, 33-46 demonstra muito bem que seremos julgados pelas obras que será a medida de nossa fé traduzidos em gestos concretos de amos a DEUS, ao próximo e a si mesmo, veja bem que em Mateus 25, 33-46 demonstra claramente que não seremos julgados para receber algum galardão mas para recebermos mesmo a Vida Eterna o Reino dos Céus: “Então o Rei dirá aos que estão à direita: – Vinde, benditos de meu Pai, tomai posse do Reino que vos está preparado desde a criação do mundo,” (Mateus 25, 34), enquanto os que não traduziram sua fé em gestos concretos de amor a DESUS, ao próximo e a sí mesmo demonstrado por estes gestos receberão a condenação eterna: “Voltar-se-á em seguida para os da sua esquerda e lhes dirá: – Retirai-vos de mim, malditos! Ide para o fogo eterno destinado ao demônio e aos seus anjos.”, portanto não se trata somente de galardão mas realmente da Salvação, só serão salvos os que realmente crerem pela fé e traduzirem esta fé em gestos concretos de amor aos irmãos, caso contrário esta fé não adiantará de nada. Seria bom que você lesse também a parábola dos Talentos (Mateus 25, 14-30) , aí sim aparecerá a recompensa como galardão mas também a Salvação Eterna, nota que nesta passagem todos receberão a Salvação (moedas) pela graça na medida que cada um podia render cada moeda recebida (a quantia). Aquele que recebeu 5, fez o que pode para render mais 5, o que recebeu 2 fez o que pode para render mais 2 e o que recebeu 1 não fez nada para render mais 1, na volta do SENHOR o que recebeu 5 e fez render mais 5 garantiu sua Salvação e recebeu seu galardão na medida que fez render estes 5 talentos em mais 5 talentos, e assim sucedeu com quem também recebeu os outros dois talentos e fez para render mais 2 talentos, porém o que recebeu 1 e não fez nada, não só recebeu galardão algum como perdeu também a vida eterna: “E a esse servo inútil, jogai-o nas trevas exteriores; ali haverá choro e ranger de dentes.” (Mateus 25, 30) veja bem que se o que recebeu os 5 talentos e não tivesse feito nada para reder mais 5 também teria o mesmo destino deste que recebeu 1 e não fez nada, o que conta aqui não é só que recebemos a Salvação gratuitamente e depois nada mais devemos fazer, o que conta aqui é que recebemos a salvação gratuitamente, mas DEUS quer que a frutifiquemos por meio das obras, se não fizermos isto, então nada adiantará recebermos a Salvação Eterna e a viermos perde-la justamente por nosso comodismo e egoísmos. São Tiago também diz a mesma coisa, não é somente por meio da fé que somos justificados, mas por meio da fé e das boas obras, fé e obras devem vir acompanhadas juntas, se não é morta, São Tiago é claríssimo neste aspecto. Se alguém morre no leito de morte e nunca fez nada de boas obras durante sua vida, mas se arrependeu sinceramente e aceitou por meio da fé JESUS como seu SENHOR e Salvador, certamente esta pessoa receberá o Reino dos Céus a Salvação Eterna, como atesta a parábola dos trabalhadores da últimas horas (20, 1-16), porém, JESUS também disse: “Mas aquele que, ignorando a vontade de seu senhor, fizer coisas repreensíveis será açoitado com poucos golpes. Porque, a quem muito se deu, muito se exigirá. Quanto mais se confiar a alguém, dele mais se há de exigir.” (Lucas 12, 48) ou seja, pessoas que agirem assim poderão entrar na Vida Eterna (Vida Eterna, Salvação Eterna, Reino dos Céus são todos sinônimos), mas perderá seu galardão por algum tempo até que se cumpra a medida daquilo que deixou de fazer na terra em gestos concretos do amor ao próximo, este tempo o qual o fiel crente perderá por certo momento por ter deixado de fazer aquilo que o SENHOR designou que fizesse nós católicos o denominamos de Purgatório.

          “Quanto a Tiago, expliquei ali em cima, você citou passagens que justamente eu citei, basicamente ele explica a importância dos frutos da fé e confronta com a pergunta: “Será que essa tua é fé vai te salvar? Ela não tá dando algum fruto?”(Parafraseei para entendermos melhor) Ele em momento nenhum disse, com essa fé você não vai se salvar, ele chamou os crentes ao autoexame da fé, combatendo a fé morta e vivificando a importância dos frutos da fé.”

          RESPOSTA: São Tiago não disse: “com essa fé você não vai se salvar”, assim como ele também não disse: “Sem as obras você vai se salvar”. Sabes Marlon você e todos os protestantes querem forçar a entender algo que está claríssimo nos Escritos de São Tiago para que nós entendamos do jeito de vocês, não precisa ser muito estudioso para saber que São Tiago diz claramente que a fé se não vier acompanhada com as obras é morta em si mesma, ela tem que ser atuante, portanto, ele diz com todas as letras que sim, nós temos que praticar as boas obras para salvarmos, pois estas traduzem em gestos concretos nossa fé: “Vedes como o homem é justificado pelas obras e não somente pela fé?” (Tiago 2, 24).

          “Veja Paulo em Romanos afirmando o que seria dito também em Efésios: “Portanto, ninguém será declarado justo diante dele baseando-se na obediência à lei, pois é mediante a lei que nos tornamos plenamente conscientes do pecado.” Romanos 3:20 Ninguém será considerado justo, ou justificado pelas obras que faz, pela obediência da lei.”

          RESPOSTA: Exato, mas as obras da Lei aqui reporta-se a lei mosaica e não a lei do amor, instituída pelo próprio CRISTO na última ceia e o qual resume toda lei. E é obvio que em primeiro lugar vem a graça de DEUS e a fé em JESUS CRISTO e depois a obediência a sua Santa Vontade, porém, crer sem obedecer, não levará alguém a lugar algum.

          “Convergimos na questão da importância das obras, divergimos que ela é quesito para a salvação, haja vista, que a meu ver, as obras em favor de Cristo e ao próximo só podem ser feitas após o recebimento da graça de Deus, por meio da fé. “Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus.” 1 Co 10:31”

          RESPOSTA: Foi o que descrevi no comentário anterior, se a fé sem as obras é morta, a recíproca também é verdadeira, as obras se não vier com a fé verdadeira não servirá de nada diante do SENHOR, mas se estiver ligada a fé verdadeira, não somente terá seu valor, como serão necessárias.

          “As obras não são para me salvar, mas para glorificar a Deus, a salvação ele já me deu através da graça, através da cruz, o sangue dele me justificou e não minha obras me justificaram.”

          RESPOSTA: O grande problema dos protestantes é que eles não entendem a soteorologia católica. Eles entendem que nós católicos cremos que é por meio das obras que somos salvos é a salvação por meio das obras, nada mais falso. Cremos que a Salvação nós é dada por meio da fé, pela graça de DEUS tal como os protestantes creem, mas cremos que a partir do momento que recebermos a graça da Salvação Eterna por meio da fé, temos que praticar as obras que DEUS de antemão nos colocou para que a praticarmos, para traduzir ( e não somente para glorificar a DEUS pela salvação nos dada por meio do Sacrifício Vicário de CRISTO na cruz) em gestos concretos de amor a DEUS, ao próximo e a si mesmo, para que esta fé que nos fez abrir a graça de DEUS seja testemunhada e engrandecida por meio das obras: “Vendei o que possuís e dai esmolas; fazei para vós bolsas que não se gastam, um tesouro inesgotável nos céus, aonde não chega o ladrão e a traça não o destrói. (São Lucas 12, 33); “ajuntem um tesouro sólido e excelente para seu futuro, a fim de conquistarem a verdadeira vida”. (I Timóteo 6, 19); “O injusto faça ainda injustiças, o impuro pratique impurezas. Mas o justo faça a justiça e o santo santifique-se ainda mais.. Eis que venho em breve, e a minha recompensa está comigo, para dar a cada um conforme as suas obras.” (Ap. 22, 11-12).

  • Leonardo Santana

    Os hereges piram!!
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    In Corde Jesu, semper!!

  • Harun Salman

    Fiquei curioso para saber sobre a situação de alguns dos protestantes que lhes escreveram: Marlon, Renata, Lucas F. Se/quando vocês tiverem notícias deles, por favor, compartilhem! Eles me pareceram tão sinceros e interessados em conhecer a verdade! E suas situações são tão compreensíveis, dada a confusão geral! Gostaria que todos orássemos especialmente por esses irmãos tão próximos e ainda (?) distantes! Um abraço! Ah! Sobre os meus cabelos: algumas senhorinhas da Legião de Maria disseram que eu pareço Jesus! Elas não acham estranho um “Jesus” com 50 de bíceps! Meu cartaz tá alto! Paz e bem!

    • Geneto Eugenio

      Lembro do Lucas F. era uma pergunta atrás da outra kkkkkkkkkkk
      Muita sede da Verdade.
      Vou rezar hoje por ele.

    • Marlon

      Harun,

      Desculpe por desenterrar o tópico, mas respondi por aqui e a correria me fez esquecer, falha minha.

      Quanto a mim, estou bem, como comentei, não quero mudar a fé de ninguém, apenas quero conversar com pessoas que divergem em alguns pontos do que eu acredito, para então entende-los, não quero ser mais um que fica tacando pedra em católico, com todo respeito, sei que isso acontece no meio protestante e o contrário sei que acontece também, cheguei aqui para trocar ideias, sem pretensão nenhuma de algum resultado, não sou mais um aventureiro que caiu de paraquedas no protestantismo, então não estou confuso quanto a minha fé, pelo contrário, está cada vez mais fortificada em Cristo e na obra que Ele fez por mim. Porém chego ao ponto que queria agradecer, caso alguém tenho rezado/orado, fico agradecido.

      Espero não atrapalhar a discussão que aqui se propôs.

  • JOEL

    OLÁ AMIGOS CATEQUISTAS!
    NOTA 1000 PARA O SITE!
    LI A RESPOSTA A NOSSO AMIGO MARLON E ME CHAMOU À ATENÇÃO UM TRECHO QUE DIZ: “E justamente por causa do desconhecimento, romantização e idealização da imagem de Lutero, alguns católicos permitem que muitas ideias e práticas protestantes se infiltrem em nossa catequese e em nossa liturgia. Caindo o mito, acho que o povo toma vergonha na cara pára de protestantizar a nossa Igreja”. – See more at: http://ocatequista.com.br/archives/9630#sthash.18Gy8U4z.dpuf

    SEMPRE FUI CONTRA OS GRUPOS DE MUSICAS TOCAREM “RITS” PROTESTANTES EM NOSSAS IGREJAS POR ENTENDER QUE ELAS EM NADA FALAM OU SE QUER LEMBRAM DE LONGE O SACRIFÍCIO E A RESSURREIÇÃO DE NOSSO SENHOR; OU SEJA, EM NADA TÊM A VER COM NOSSA LITURGIA, NA VERDADE EM SUA GRANDE MAIORIA A GENTE NÃO SABE ONDE ELES QUEREM CHEGAR COM LETRAS TÃO VAZIAS – TEM UMA QUE CANTARAM NO OFERTÓRIO OUTRO DIA QUE DIZIA: “Para construir um Palácio para Deus
    É preciso amar sem limites, adorar
    Adorar trazendo o ouro,
    Adorar trazendo a prata,
    Adorar trazendo tudo,…”.

    O QUE ISSO TEM A VER COM O PÃO E O VINHO, O CORPO E O SANGUE DE NOSSO SENHOR?
    ESSE É O MAIOR ESTRAGO QUE O PROTESTANTISMO DE LUTERO FEZ EM NOSSA AMADA IGREJA: DEIXARMOS O MISTÉRIO SALVÍFICO DA REDENÇÃO ATRAVÉS DA EUCARISTIA, DOS ENSINAMENTOS DA IGREJA E NOS DEIXARMOS ENGANAR CONSIDERANDO COISAS QUE DISTORCEM TOTALMENTE A FÉ CATÓLICA.

    SOU MUITO RADICAL? POR FAVOR COMENTEM.

    FIQUEM NA PAZ DE CRISTO E NO AMOR DE MARIA.

    JOEL C. SANTANA

    • Sidnei

      Joel, eu também sempre fui contra que se cante canções de origem protestantes em nossas igrejas e nas missas,tanto que sou tão radical o qual se estou em uma missa e foi apresentado canções de origem protestante eu não abro a boca. Temos ótimos cantores católicos que escreveram belíssimas canções católicas, então para que ir buscar entre os protestantes aquilo que temos de igual e até mais belas canções que eles tem. Sei que isto esta muito difundido no meio da RCC, mas temo que isto se alastre cada vez mais entre outros meios católico, cabe a nós que não aceitamos esta imposição lutar contra isto. Certa vez ao assistir um programa de uma emissora protestante o qual havia um debate entre dois pastores, foi citado esta mania dos católicos acolherem na liturgia canções protestantes, e foi dito entre eles que antigamente a Igreja Católica execrava tudo que era protestante, e hoje acolhem até canções protestantes, longe de ser algo ruim para o protestantismo, na opinião deles, seria bom porque por este meio o povo católico estariam sendo atraídos para as igrejas protestantes evangélicas, e nós católicos ainda temos que aguentar isto graças a padres e leigos membros de liturgias sem noção que insistem em querer implantar canções protestantes em nossas igrejas, haja paciêscia.

    • Marlon

      Joel,

      Compartilho com você da mesma percepção, vejo em igrejas protestantes o mesmo problema, louvores e cânticos que falam de tudo menos de Cristo. Porém esse é um problema trazido pelas igrejas neopentecostais que cresceram muito no Brasil(as televisivas por exemplo), justamente por pregarem uma “massagem do ego”, um evangelho ralo e sem propósito, o culto e os louvores não são cristocentricos, porém há igrejas sérias, que no caso são minoria, que focam em um culto voltado a pregação de Cristo e ele crucificado.

  • Amanda

    Oi catequistas, comento sempre os posts de vcs, acho o maximo, queria pedir um auxilio, se possivel. Posso escrever para algum email para vcs me darem uma orientação? Abraços.

  • Beth

    eu já ouvi uma frase não sei onde e nem sem de quem mas achei show de bola:

    Disseram assim: Placa de igreja não salva.

    O católico respondeu: Não mesmo, por isso que a Igreja Católica não tem uma placa, tem uma cruz!

  • SILVIO ALVES

    Sensacional, vcs conseguem de forma clara, objetiva e simples explicar e esclarecer duvidas comuns e mostrar a beleza de nossa igreja, parabéns.

  • Muito boa essa discussão em alto nível, sobre questões espirituais relevantes. Existem pessoas que dizem que religião, política e futebol não se discutem, e é por isso que os maus religiosos estão cada dia mais ricos, os políticos cada vez mais corruptos, e até o futebol está prejudicado pela má administração.

  • Os carinhas do Catequista são um saco. Só fazem polemizar. Poderiam postar mensagens cristãs! Mas será que eles tem algum cristianismo em seus espíritos? Só os vejo criticando. Não tem boa vontade com nenhum grupo religioso. Sua existência se resume em encontrar contradições, vistas só por eles, em denominações não-católicas. São tremendamente enfadonhos, repetitivos e
    previsíveis. Não tratam nada com profundidade, nem com
    real propósito evangelizador! Para quem trabalham, me pergunto?

    • Sidnei

      Isto aí Andre Luiz, vamos tratar todos os outros grupos religiosos com guti, guti, da mesma maneira que eles também tratam a nós com guti, guti, chamando nossa Igreja, que não é nossa mas de CRISTO, de puta e nosso Papa de besta. Se você é daquele que quer relativizar tudo por baixo, considerando todas as outras igrejas protestantes e religiões de todo tipo iguais, siga em frente, mas aqui não vais encontrar eco a sua relativização da fé. Eu não faço parte do grupo que compõem este blog mas já venho acompanhando-os algum tempo, tive bronca com eles e com mais alguns internautas que aqui postam suas mensagens, mas digo uma coisa, desdizer o trabalho deles dizendo que eles não tratam nada com profundida é recorrer em um erro tremendo, eles tratam as coisas de forma simples e de fácil entendimento, só não entende quem não quer.

  • Mariano

    Por isso que anglicanos estão insatisfeitos e com isso estão voltando para casa.

  • Jovani

    Marlon, sinta-se acolhido pois somos irmãos em Cristo!…..gosto dos seus comentários e aprendo muito nas discussões, toda vez que “o catequista” responde seus posts responde a mim também. O maior ensinamento de Cristo é nos amarmos mutuamente, tenho amigos protestantes como você e nos entendemos muito bem, mas é claro que como católico convicto tento dar a todos que me cercam um testemunho de fé, não com palavras mas com atos, tentando ser verdadeiramente cristão, bom Pai, bom filho e amigo, para que todos vejam a glória do Senhor manifestada em minha vida e família e queiram por si também servir a Cristo!
    Deus abençoe e parabéns pelo site!

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>