Pra que “serve” um religioso enclausurado?

clarissas_bebe

Parlatório do mosteiro das Irmãs Clarissas, no Rio de Janeiro.

Uma das modalidades de vida religiosa é a vida contemplativa em clausura. O monge ou monja vive retirado em um mosteiro, sem nunca sair (salvo algumas exceções). Especialmente no caso dos mosteiros femininos, quando recebem visitas ou participam da missa, as irmãs permanecem por detrás de uma grade.

Aqui, vou falar especificamente sobre a clausura papal, que segue as normas da Santa Sé, que determina que os monges e monjas vivam efetivamente separados do mundo. Não abordarei a clausura disciplinar, em que os religiosos têm a clausura como um conceito simbólico, e não vivem realmente enclausurados.

Tradicionalmente, costuma-se classificar os religiosos como:

  • ativos” (freis e freiras não-enclausurados);
  • e “contemplativos” (monges e monjas enclausurados).

Os religiosos ativos, naturalmente, buscam ser “contemplativos na ação”. O problema é que, ao ouvir o termo “contemplativo”, alguns têm a impressão de que esses religiosos levam uma vida mole e só fiscalizam a natureza. Nada disso!

Allan Kardec era um dos que menosprezavam os religiosos contemplativos: “Mas vós, que vos retirais do mundo para evitar suas seduções e viver no isolamento, que utilidade tendes na Terra? Onde está vossa coragem nas provas, uma vez que fugis da luta e desertais do combate?” (O Ev. Seg. o Espiritismo, cap. 5, item 26). E ainda tem gente que acredita que esse sujeitinho era mesmo cristão…

Ao ver uma freira ou um frade cuidando dos pobres e doentes, o povo percebe de imediato a utilidade de sua ação. Porém, em relação aos irmãos de clausura, o grande bem que fazem não é reconhecido tão facilmente. Muitos católicos não fazem a menor ideia do sentido dessa vocação, nem imaginam as numerosas graças que os contemplativos derramam sobre o mundo.

O que fazem os religiosos de clausura?

Os contemplativos dão um testemunho poderoso e silencioso, que só os anjos veem.

  • Meditam sobre as coisas de Deus.
  • Oram em conjunto em diversas horas do dia, conforme a rotina da comunidade.
  • Trabalham na limpeza e manutenção do mosteiro.
  • Fazem penitência, conforme a disponibilidade de cada um.
  • Realizam trabalhos manuais para obter verbas e manter o mosteiro (confira o trabalho das irmãs do Carmelo de Santos).
  • Estudam.

monja_hostias

Irmã carmelita produzindo hóstias.

Perguntinha pra você: a sua mente está voltada para Deus em todas as suas atividades, e você reza tanto quanto gostaria? Pratica atos de mortificação (renúncias, sacrifícios) com frequência?

Pois é…

Os irmãos e irmãs de clausura nos compensam naquilo que falta a muitos de nós: oração e penitência. Eles adoram, meditam, se penitenciam e oram para sustentar aqueles que estão no mundo. A solidão permite uma vida de oração mais intensa, que é fonte de graças e santidade para toda a Igreja.

É a comunhão dos santos, amigos! Os méritos “gerados” por uma vida inteira dedicada à adoração de Deus são distribuídos aos homens, conforme a Sua misericórdia.

O que é ser contemplativo?

santa_teresinha_menino_jesusContemplar é voltar a mente inteiramente para Deus. É centrar o pensamento e o coração em Seu amor, em Seus mistérios, em Sua bondade, nos passos de Cristo sobre a Terra…

São muitos os que vivem com o pensamento voltado só para seus problemas, para seus afazeres e compromissos, ou, pior: para coisas más. Enquanto isso, quem contempla faz companhia a Jesus, que, assim, sabe que é amado é que não está só.

Para entender melhor o que é contemplação, é interessante ler sobre o momento em que a francesa mais amada do Brasil despertou para a sua vocação de religiosa contemplativa:

“Num domingo, ao olhar uma foto de Nosso Senhor na Cruz, fiquei impressionada com o sangue que caía de uma das suas mãos divinas. Senti grande aflição pensando que esse sangue caía no chão sem que ninguém se apressasse em recolhê-lo. Resolvi ficar, em espírito, ao pé da Cruz para receber o divino orvalho que se desprendia, compreendendo que precisaria, a seguir, espalhá-lo sobre as almas… O grito de Jesus na Cruz ressoava continuamente em meu coração: ‘Tenho sede!’.

“Essas palavras despertavam em mim um ardor desconhecido e muito vivo… Queria dar de beber a meu Bem-amado e sentia-me devorada pela sede das almas… Ainda não eram as almas dos sacerdotes que me atraíam, mas as dos grandes pecadores. Ardia do desejo de arrancá-los às chamas eternas…”

Santa Teresinha do Menino Jesus. História de uma Alma

Irmãos e irmãs que estão no coração da Igreja

Qual é o sentido da vida religiosa contemplativa? Bem, a resposta vem da nossa santa das rosas:

“…a Igreja tem um corpo formado de vários membros e neste corpo não pode faltar o membro necessário e o mais nobre: entendi que a Igreja tem um coração e este coração está inflamado de amor. Compreendi que os membros da Igreja são impelidos a agir por um único amor, de forma que, extinto este, os apóstolos não mais anunciariam o Evangelho, os mártires não mais derramariam o sangue… Compreendi que o Amor abrangia todas as vocações (…).

“Ó Jesus, meu amor, encontrei afinal minha vocação: minha vocação é o amor.”

Sta. Teresinha do Menino Jesus. História de uma Alma

Por esse caminho andaram São Bento, São João da Cruz, Santa Teresa D´Ávila, Santa Clara e tantos outros santos contemplativos de primeira grandeza.

Deus seja louvado pela vocação daqueles que vivem para amar o próprio Amor, e assim espalham as graças do coração de Jesus para o mundo inteiro!

kardec_caca_fantasmas_face

51 comments to Pra que “serve” um religioso enclausurado?

  • Patricia Anielly (Maria)

    Ave Maria!
    \o/ vocacionada comemorando o post aqui, novamente!

    É exatamente isso, sou vocacionada do Instituto Hesed, apesar de as pessoas veem alguns irmãos e irmãs em missão, existem mais estando na clausura em contemplação, que é exatamente isso, rezar para que Nosso Senhor derrame Sua misericórdia sobre a humanidade. Fiz experiência ano passado, ao voltar do mosteiro, me senti e me sinto até hoje muito ociosa, lá todos os meus horários eram preenchidos e tudo o que eu fazia era voltado para Deus. Todos me perguntavam quando voltei “como você aguentava só rezar?” Ah, se fosse só isso!! Vida monástica não é nada fácil, requer intelectual, físico e emocional. O Instituto para que vou possui a espiritualidade carmelita, acho que já podem imaginar como seja.

    Enfim, nada escapa, todo o sofrimento que sentimos e dificuldades são aproveitadas em pequenas mortificações/sacrifícios, com certeza, o Bom Deus deve salvar muitas almas com isso. Creio que a vida contemplativa seja como uma raiz, na grande árvore que é nossa Igreja. Ninguém vê as raízes, mas elas permanecem fortes e profundas sustentando a imensa árvore.

    Já recebi o consentimento da comunidade, marquei data, mas adoeci, e já melhorei (soube nesta quarta). Peço que rezem, por caridade, para que marquem uma nova data para mim e que meus pais abram seus corações para minha vocação, estarei rezando pelos senhores do blog, para que o Santo Espírito os ilumine sempre.

    Abraços!

    • “Creio que a vida contemplativa seja como uma raiz, na grande árvore que é nossa Igreja. Ninguém vê as raízes, mas elas permanecem fortes e profundas sustentando a imensa árvore.”
      Excelente imagem, Patrícia! Abraço!

    • Salve, Irmã hesedita! Que Maria a guarde e cuide de vossa vocação!

      Por favor, reze por mim, Patrícia! Sinto um forte chamado para o Hesed, porém meus pais não aceitam. Não vejo outro futuro para mim.

      Abraços!

    • Natália Coêlho

      Você é a menina do Saudades do deserto né? Eu acompanhava, saudades do blog viu? Rs. Que sua caminhada vocacional seja beeeeeem fecunda e nosso Senhor te conceda muitas alegrias por meio da tua entrega. Conte com minhas orações.

      Grande abraço 😉

  • Natália

    É lindo isso!!!
    Patrícia, o que você disse é lindo! Que Deus te abençoe na sua vocação e que Maria envolva a sua família com teu manto de amor, para que eles aceitem.
    Um abraço!

  • Interessante abordarem o assunto, uma vez que no Brasil o número de moças vocacionadas a clausura tem crescido muito! É uma bela vocação a uma vida de muitas privações por amor ao Reino!!! #LINDO

  • Patricia Anielly (Maria)

    Deus lhe pague, Natália!

    Pois é “O Catequista”, a vida monástica nos faz refletir bastante. (:

  • Emili

    Amei o post. Bastante oportuno. Amei tb o comentario da Patricia.

  • Fátima

    Texto agradável e de fácil leitura. No livro “o Irmão de Assis”, o autor ao falar de S. Clara explica sobre a vida contemplativa,dizendo que assim como o cordeiro melhor do rebanho não era consumido pelo povo mas queimado como sacrifício, assim era a vida contemplativa, dar tudo a Deus, ficar ali diante dele sem utilidade para o “mundo” como aquele cordeiro. Parabéns gente!

  • André C.A.

    Acho que o povo católico atualmente não entende bem o que é a Comunhão dos Santos, nem a finalidade última da oração (quer dizer, muitas pessoas até oram, pedem coisas, mas não sabem muito bem porque é preciso orar). Daí fica difícil entenderem pra que “servem” os religiosos contemplativos.
    Na nossa sociedade produtivista e hedonista, fica mais difícil ainda esse entendimento, até para perceber a necessidade de certas tarefas dos religiosos, mesmo quando se tem uma ideia geral.
    Pra que eles estudam lá nos mosteiros e conventos, por exemplo, se não vão poder repassar isso? Só para ocupar o tempo? O saber só é valorizado quando produz algo material ou quando atrai outras pessoas (pregadores que convertem multidões são mais facilmente inteligíveis para a maioria), mas pouco valorizado como forma de conhecer mais a Deus para se aproximar mais Dele.

    • Patricia Anielly (Maria)

      O problema também, André, é que as pessoas também não sabem o que estudamos, por isso fazem essas perguntas. O estudo lá dentro se resume a pequenas formações, dependendo da etapa que o candidato esteja (aspirantado, postulantado, noviciado e profissão perpétua). Aprende-se primeiramente as regras da ordem, o modo com que se deve fazer atividades, horarios a serem seguidos, orações em latim/hebraico etc.(O ramo masculino tem mais ênfase nos estudos).

      O que aprendemos repassamos para nós mesmas, precisa-se de irmãs bem instruídas para conduzir as de etapas iniciais, e as mais novas um dia serão as que tomam conta da ordem. E se não fossem esses estudos, que livro de santos que foram monges a Igreja teria? Que doutores teríamos sem poder desfrutá-los?

      Não se prega o que aprendemos porque de fato não temos como, mas se você for até um mosteiro pedir direção espiritual a algum monge/monja, ou fazer esse tipo de pergunta a eles, verá que aprendeu muito.

  • Flávia Cabral

    Belo post e lindos comentários: a raiz, a ovelha… Que linda é a nossa Igreja!

  • Thiago (Crisóstomo) de Moraes, nov. OSB

    Perfeito! Em tempos de ativismo e hedonismo, a vida contemplativa certamente “destoa” do mundo. Parabéns pela postagem.

  • Karla Cristina

    Paz e Bem! Olá galerona de O Catequista!! XD~
    Preciso de uma imensa ajuda de vocês… (Duas, na verdade, rs.) Num grupo do facebook que participo surgiu uma discussão sobre a morte de Maria Santíssima: teria Ela morrido ou não? Daí um amigo passou como fonte um livro do prof. Felipe Aquino, “58 Catequeses do Papa sobre Nossa Senhora”, e disse que o Papa João Paulo II disse que Maria Santíssima morreu, que por mais que o Papa não tenha se pronunciado Ela morreu sim etc. E surgiu a primeira dúvida: na proclamação do dogma da Assunção não consta “a Santíssima morreu”, não há explicação sobre isso. Enfim, vocês podem me explicar se Ela morreu ou não?
    Mas a outra dúvida não é essa: o Papa é infalível nas catequeses ou somente nos documentos publicados? Mil dúvidas sobre ex cathedra, daí! haha
    Abraços e muito obrigada. Paz e Bem! Karla.

  • Que post maravilhoso!
    Sou casado mas creio que tenho vocação também para a vida contemplativa. Tento de algumas formas ter uma vida mais contemplativa, com disciplina na oração, mas a vida de casado e trabalho impedem essa vida mais orante.
    São esses vocacionados que sustentam a ira de Deus sobre nós. Toda fez que eu vejo, ouço ou leio sobre isso me dá arrepios.

  • Ligia Cassia

    Excelente o post! Parabens Patrícia… estou rezando por ti querida… Deus sabe de tudo e não demora, CAPRICHA! Tudo na hora Dele!

  • Louise

    Excelente post, muito esclarecedor ^^

  • Marcelo Rocha

    Apesar de ter discordado do post sobre a RCC em alguns parágrafos (até teria como argumenta-los de uma maneira simples e documental, mas fica para outro dia), vc’s são um barato !

    Parabéns pelo Apostolado !

    Longa vida ao O Catequista !!!

    ps : A foto dos caça-fantasmas foi brilhante !

    abs

  • anderson souza

    Boa noite.

    Dúvida simples, posso ser contemplativo sem nunca ter tido uma vida religiosa ativa?

  • Lucas

    o/ chegou aqui um vocacionado da Ordem de São Bento! Amei o texto!

  • Maria Aparecida Mota

    A vida contemplativa não tem mesmo nada de inútil.
    Sou vocacionada carmelita e sou apaixonada por esse carisma, pois foi a Santa Terezinha quem me inspirou e fez ter a certeza do meu chamado. Creio que se não fosse as orações dos contemplativos o que seria do mundo e da igreja de hoje; Para as pessoas criticarem deveriam primeiro conhecer se informar, aí sim poderiam fazer uma crítica aceitável. Não se critica o que não se conhece. Breve estarei fazendo parte deste corpo de contemplativos e me sinto muito feliz. Salve Jesus e Maria, Maria Aparecida Mota.

    • Luana

      Olá Maria Aparecida!
      Encontrei seu comentário aqui pois tenho pesquisado sobre como tornar-se freira… não tenho uma vida religiosa, apenas fui batizada na igreja católica.
      Mas tenho sentido uma inclinação a isso, e pesquisado muito. Tenho já 27 anos, sei que ainda posso me inluir nessa vida de orações, mas realmente não sei como começar…
      Você poderia me dar alguma direção? Se quiser pode enviar ao meu e-mail…
      Obrigada desde já

  • Ordem da Imaculada Conceição Fundada por santa Beatriz da Silva. Visite o nosso Blog se for vocacionada agende uma visita. Seja Bem Vinda!

  • FLÁVIO

    COMO FAÇO PARA SER UM IRMÃO DE CLAUSURA?

    • Harun Salman

      Conheça várias ordens. Escolha a que mais lhe parecer apropriada. Eu tenho um carinho imenso pelos cartuxos. A Ordem Cartusiana é a mais rigorosa. Quem entra, nunca mais sai. Mas há outras, com diferentes graus de recolhimento. Há um mosteiro cartuxo no Brasil, em Ivorá, RS. E um livro muito bom em português: “Testemunhas da Bondade”, de Giuseppe Gioia. Dê uma olhada em http://www.chartreux.org Abraço!

  • Carol

    Poucos entendem a coragem necessária para ingressar em um mosteiro e lá ficar por toda a vida. Quando se assume este compromisso, é para sempre.
    Quem aceita o chamado de Deus para a vida contemplativa passa por muitos conflitos consigo mesmo. Uma das Irmãs que me acompanham (sou vocacionada da Ordem de Santa Clara) explicou como pequenos sentimentos, em especial os ruins, são amplificados pelo silêncio e pelo encontro com sua própria alma quando está lá dentro. Encarar a si mesmo e a suas tentações é uma tarefa dificílima.

    Lembro-me de um sacerdote que disse que o maior bem dos religiosos contemplativos não é a oração, mas as renúncias. A grande maioria das pessoas, quando conto sobre o silêncio, ficam atônitas e dizem que não suportariam, assim como a limitação espacial da clausura e o impedimento para sair. Aí que podemos perceber a beleza das renúncias que os monges fazem. Renunciam a si mesmos, colocam-se em sacrifício, oferecem sua liberdade e se colocam obedientes por todos nós. E só um coração contrito, preenchido de amor pelo Senhor, é capaz de perceber o quanto esta doação O agrada e quantas graças Deus concede a tantos por esta intercessão.

    • Harun Salman

      Que depoimento lindo, Carol! São Bernardo dizia que a função do monge é chorar – de contrição, de gratidão, em louvor, em reparação! Que Deus te abençoe nesse lindo caminho. Ore por todos nós! Abraço!

  • inez coelho

    Adorei essa materia, parabens O Catequista, saber q tem tantas pessoas rezando pelo sofrimento humano no silencio sem aparecer nem serem lembradas eh uma grande prova de amor ao proximo. Amar por aqueles q nao amam, rezar por aqueles q nao rezam, fazer sacrificios por aqueles q vivem sem paz.
    Q Deus abençoe esses religiosos e religiosas e q o Espirito Santo os protejas das tentaçoes e provaçoes.

  • Se não fosse as irmãs enclausuradas estarem rezando e fazendo penitência, o mundo já era, pois só a oração e penitência seguram o mundo, por causa do pecado mundial.

  • Roberto

    Conheço vários enclausurados. Só posso dizer que é um dom e uma graça. Um verdadeiro ato de oblação por amor à humanidade e a Deus. Não é uma vida pra fracos.

  • Gostei! O texto é interessante e resume não só os papeis, mas a importância dessas vocações para a humanidade. Lembro de ter lido uma frase, não lembro onde, que me dizia: “Ser vocacionado é estar comprometido com a vida.” E de fato, independente de onde um vocacionado atue, o seu compromisso é imutável.

  • Parabéns e que Deus os abençoe, e nossa senhora que lhes cubra com seu manto sagrado. E muito obrigado por ajudar a salvar nossas famílias.

  • Rosália

    P A R A B É N S!!!! simplesmente…..

  • Angela

    Achei muito importante esta matéria… Como ela me ensinou, parabéns catequista.

  • Luma Carolina dos Reis Lifoncio

    É impressionante como os irmãos contemplativos deixam de viver aqui fora para viverem isolados do mundo. Mas, por outro lado é muito bonito saber que eles tem a vocação de orar por este mundo que necessita de oração.

  • Ordem da Imaculada Conceição.Fundadora Santa Beatriz da Silva.
    Venha conhecer o nosso Carisma. Somos de Clausura Papal
    O Espírito Santo a conduza e lhe conceda a Santa Perseverança na Ordem que escolher.Entre no meu Facebok
    irmaleticiaoic@zipmail.com.br

  • ROGÉRIO

    VEJAM ESTE TRECHO DO LIVRO DOS ESPÍRITOS:
    “”657. Os homens que se consagram à vida contemplativa, não fazendo o mal algum e só pensando em Deus, têm mérito aos seus olhos?
    “Não, pois se não fazem o mal, também não fazem o bem
    e são inúteis; além disso, não fazer o bem já é um mal. Deus quer que se pense nele, mas não quer que só nele se pense, já que deu ao homem deveres a cumprir na Terra. Aquele que se consome na meditação e na contemplação nada faz de meritório aos olhos de Deus, porque sua vida é toda pessoal e inútil à Humanidade e Deus lhe pedirá contas do bem que não houver feito.””

    • Rogério, tu tá de ironia?
      “VEJAM ESTE TRECHO DO LIVRO DOS ESPÍRITOS: “”657. Os homens que se consagram à vida contemplativa, não fazendo o mal algum e só pensando em Deus, têm mérito aos seus olhos? “Não, pois se não fazem o mal, também não fazem o bem e são inúteis; além disso, não fazer o bem já é um mal. Deus quer que se pense nele, mas não quer que só nele se pense, já que deu ao homem deveres a cumprir na Terra. Aquele que se consome na meditação e na contemplação nada faz de meritório aos olhos de Deus, porque sua vida é toda pessoal e inútil à Humanidade e Deus lhe pedirá contas do bem que não houver feito.”” ”
      Se for uma ironia, só pra dar umas rizadas tudo bem, é engraçado como espírita é tonto e tá perdido.
      Se não for, vai as favas com isto.

      • Filêmon

        Pois é, Alex, não ficou clara a intenção do Rogério ao postar na íntegra essa pergunta e resposta do fundador do espiritismo… Aliás, algo já clássico, vindo de um espírita. Kardec tinha uma visão impregnada de materialismo, e de socialismo também, por que não dizer, já que o que está expresso em sua posição sobre a vida contemplativa é a ênfase imoderada no valor social do indivíduo humano. Se a pessoa não bate cartão, ou não bate meta, é uma vida jogada fora, visão simplória e mal-intencionada, já que Kardec desprezava profundamente a religião, em especial a Igreja Católica. Ele não entendia nada do assunto, mas se punha a dar pareceres, a dizer o que era ou o que não era Teologia…

        Conta-nos René Guénon (figura em grande parte duvidosa e perigosa, recomendo a série de quatro vídeos “Desconstruindo Olavo de Carvalho”, do Canal Prometheo Liberto, do Youtube, para saber mais sobre esse outro francês vigarista cuja influência vem crescendo no Brasil), em seu livro “O Erro Espírita”, que Allan Kardec era sim maçom, só que de um braço maçônico chamado “Hermetic Brotherhood of Luxor” (Irmandade Hermética de Luxor), cuja militância era fortemente anticlerical. Segundo Guénon, os documentos produzidos pela H. B. of L. não sobreviveram porque foram destruídos por seus membros no final do século XIX, período em que a seita se dissolveu. Isso, de muitas formas, “limpou a barra” de Kardec, retirando dele a pecha de maçom. Porém, basta ler seus escritos para perceber o quanto ele pensava como maçom, a exemplo de seu posicionamento condenatório à vida contemplativa religiosa. Apenas citei Guénon porque ele é o único autor a dar essas referências. Este era pedreiro-livre também e, embora de geração posterior a de Kardec, era bem informado do meio a que pertencia.

        E, sim, claro, Kardec e o espiritismo não são cristãos. Mas sua hábil e enganosa propaganda engole muitos brasileiros, notadamente católicos-jujuba. De cristão, o espiritismo só tem um rótulo muito vagabundo, que se descola ao menor confronto com a oração do Credo, a Bíblia e o Catecismo da Igreja Católica.

  • amei, perfeito para uma pessoa como eu que sou vocacionada do carmelo de sao jose parabens gente

  • VERA MARIA G S LEITE

    É muito proveitoso que uma pessoa como você tenha coragem de defender a vida religiosa e no caso das Irmãs que vivem enclausuradas. Assim,muitas pessoas podem conhecer o bem que esta vida produz pela oração e renúncia.
    Parabéns. Um abraço.
    Vera Maria G. S. Leite

  • Maria de Lourdes Rodrigues de Souzal

    Sou uma religiosa de vida ativa. Trabalhei em escolas, creches, pastoral. Sempre tive uma saudades de uma vida contemplativa e nunca consegui alguém que me orientasse. Já que não se pode tomar uma discissão assim tão seria sozinha. Gostaria de saber como eu poderia ser ajudada?

  • Eder

    “E ainda tem gente que acredita que esse sujeitinho era mesmo cristão…” o que esse tipo de comentário acrescenta para você ou para o blog? A intenção é atiçar algo contra a outra religião? Acho que devia rever seus comentários pessoais, pois as informações que passam são interessantíssimas pra se perderem em coisas banais.

  • Vanessa

    Posso ser contemplativa em Jesus sem ser freira necessariamente? Por exemplo, auxiliando as mesmas, assim como existem os ministros, existem ministros contemplativos? (se tiver outra denominação me digam). Espero que eu tenha deixa clara a pergunta.

  • Filêmon

    Linda vocação! E como são imprescindíveis as orações de monges e freiras de clausura! Dá para se ter uma ideia mais clara e “algo metódica” de como o Divino Espírito Santo age, por exemplo, na conversão de uma pessoa: graças às orações de monges e freiras dos quais o beneficiado nunca conhecerá o rosto ou o nome… É grandioso demais o valor de gente assim! Que o Senhor abençoe muito o surgimento de vocações desse tipo!

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>