Castidade não é sinônimo de virgindade « O Catequista

Castidade não é sinônimo de virgindade

challenge_accepted_castidade_2

Temos recebido mensagens de alguns leitores falando da dificuldade de viver a castidade no namoro. Apesar do desejo de serem fiéis nesse sentido, estão frequentemente vacilando.

Conversando com amigos católicos e crismandos, percebo também que os que já não são mais virgens se sentem um tanto mais pessimistas. É como se tivessem entrado em um ciclo, do qual não conseguem mais sair. É como se Deus não fosse poderoso o suficiente para libertá-los da condição de pecado.

Em tese, para um casal que nunca transou, viver a castidade seria mais viável. Porém, quando a virgindade de ambos já foi pro espaço, é comum que sintam como se já não tivessem mais nada para resguardar, para preservar. No fundo, pensam: “Se já pecamos contra a castidade uma vez, que diferença faz a gente transar de novo?”.

Seria muito bom que pudéssemos fazer essa pergunta a Santo Agostinho (teve um filho fora do casamento), Santa Pelágia (foi prostituta), Santa Margarida de Cortona (morou nove anos com o namorado) e tantos outros santos que foram exemplo de castidade, a despeito de suas faltas antes da conversão. Não ser virgem não é empecilho para que alguém passe a viver de forma casta.

Melhor ainda é ver o testemunho de jovens católicos contemporâneos a nós. Seguindo a dica de uma crismanda minha, busquei no YouTube os vídeos de um casal chamado Jason e Crystalina Evert. Amei!

Jason e Crystalina integram o trabalho de evangelização do site Catholic Answers. Eles ministram palestras nas escolas dos EUA sobre o relacionamento amoroso cristão, e cativam o público com sua linguagem simples, espontânea e franca.

Deem só uma olhada neste breve testemunho da Crystalina. Diferente de seu noivo (hoje, seu marido), ela teve várias experiências sexuais fora do casamento:

Na boa… esse romance lindo faz a gente ficar até com peninha de Romeu e Julieta, aqueles dois coitados grudentos e desesperados!

Apesar de saber que sua noiva não é mais virgem, Jason não tem aquela mentalidade de “pô, ela deu pros outros, vai ter que dar pra mim também!”. Ele a vê como uma moça pura, o que efetivamente ela se tornou, pela graça de Deus.

Vale a pena conferir este outro vídeo curtinho, em que Jason diz que “não importa o que aconteceu no passado, todos podem recomeçar”:

Se você ainda não se casou e já teve experiências sexuais, ore e reflita sobre o que disse São Paulo:

“Se alguém está em Cristo, é nova criatura. As coisas antigas passaram; eis que uma realidade nova apareceu.”

– II Coríntios 5, 17

Desconfiem de si mesmos, amigos, sejam realistas em relação à própria fraqueza. Mas tenham fé em Cristo, confiem nEle! É uma grande ofensa – e uma grande burrice – duvidar que Jesus pode fazer de nós criaturas novas, capazes de cumprir o Seu plano para as nossas vidas. Se foi justamente para isso que Ele derramou Seu sangue na cruz!

Você transou antes do casamento? Sim, carregará marcas e lembranças, o que aconteceu não pode ser desfeito. Mas o que interessa mesmo é daqui pra frente. O que interessa é se você crê que, em Cristo, você pode – e deve! – nascer de novo. E esta pessoa que nascerá de novo é casta, é pura aos olhos de Deus.

“Garanto-te: se alguém não nascer de novo, não poderá ver o Reino de Deus”.

Nicodemos disse: “Como é que um homem pode nascer de novo, se já é velho? Poderá entrar outra vez no ventre de sua mãe e renascer?”

Jesus respondeu: “Eu te garanto: ninguém pode entrar no Reino de Deus se não nasce da água e do Espírito. Quem nasce da carne é carne, quem nasce do Espírito é espírito. Não te admires de Eu dizer que é preciso nascerdes de novo.”

– João 3, 3-7

203 comments to Castidade não é sinônimo de virgindade

  • José

    Oi por favor pode me ajudar? Tenho duvidas, prometi na igreja certa vez que nunca me masturbaria, mas aconteceu que fiz isso 5 meses depois de me confessar. Tenho muito medo de perder a confiança de Deus, pois me sentia muito abençoado nesses tempos. Não sei o que fazer, sinto um vazio grande depois de ter feito isso. Realmente amo Deus sobre todas as coisas, mas já pedi perdão tantas vezes e não consegui mudar, tenho muito disso acontecer de novo, não queria ter perdido a confiança do Pai.

    • Padre Orlando Henriques

      Por vezes há promessas que nem sempre se fazem com a verdadeira noção da realidade, normalmente em duas situações: ou em momentos de grande desespero; ou em momentos de grande entusiasmo. É que nem uma coisa nem outra nos deixam, às vezes, ver a realidade com clareza… É claro que, quando nos confessamos, temos (devemos ter!) o propósito de não voltar a pecar (qualquer que seja o pecado, esse ou outro); mas também sabemos que a nossa natureza é frágil. De qualquer forma, quanto à questão da promessa, pode falar com o seu pároco ou apresentar o caso na confissão, pois, se for caso disso, o confessor ou o pároco têm o poder de comutar uma promessa que a pessoa não possa cumprir por uma outra obra.

      Perder a confiança de Deus é uma coisa que nunca acontece! É que Deus conhece-nos por dentro e por fora! Conhece-nos melhor do que nós mesmos! Foi Ele que nos fez! Como é que você pode ter medo de perder a confiança de Deus, como se Deus fosse como uma qualquer pessoa humana?

      Não, o que você tem a fazer não é ficar paralisado pelo medo que Deus perca a confiança em si; o que você tem a fazer é levantar-se cada vez que cai e seguir em frente com confiança. É que aquela coisa que nós dizemos de Deus ser amor infinito… isso não é balela, é mesmo assim! Não é uma realidade abstrata, mas concreta, mais concreta do que o seu pecado.

      Pecou? Então, aproveite para descobrir um pouco a dimensão da misericórdia de Deus: o amor de Deus por si é tão grande, é maior do que esse pecado que tanto o envergonha!

  • Carol

    Olá! Desculpa pelo horário mas eu estava lendo uns comentários da sua postagem sobre castidade e resolvi pedir ajuda!! Eu tenho 19 anos me crismei vai fazer 1 mês agora. E em todas as minhas confissões eu ando confessando sempre ao padre que peco contra a castidade. Eu nunca tive relação, nunca namorei, mas tenho uma dificuldade enorme em resistir aos meus pensamentos impróprios, sabe o pecado da concupiscência? Pois é acho que frequentemente me deparo com ele e nunca consigo resistir aos meus pensamentos, é como se eu só pensasse besteiras o tempo todo, a imaginação vai longe, e toda essa imaginação me leva a uma prática física que é a masturbacao, sabe quando você sabe que não deve alimentar o pensamento mas continua? Sofro muito com isso, chego a não rezar por me sentir indigna, pois volto depois sempre a fazer, não consigo tornar o meu coração e sentimentos puros, parece que sempre vejo as pessoas muito físico sabe? Preciso de ajuda. E por isso não tenho comungado e isso me deixa aflita demais.

    • Nathália Pujol

      Querida Carol, sempre que temos o desejo de mudar, o desejo de caminhar na Graça de Deus, somos ainda mais tentados. Afinal de contas, o demónio não quer que vençamos nossos pecados, não é mesmo? Eu, pessoalmente, acho que os pensamentos impuros são especialmente mais irritantes do que as outras formas de tentações, porque não conseguimos fugir deles facilmente. Por isso, entendo bem o que deve sentir. É por isso que fiquei extremamente feliz quando descobri um segredo, que espero que te ajude também: sempre que houver esse tipo de pensamento, olhe para uma cruz (nem que seja preciso desenha-la em uma folha de papel), olha para uma imagem da Virgem Maria. Isso vai te ajudar à recordar qual é o seu objetivo e não cair em tentação. E quando a Cruz for muito forte para carregar, não tenha medo, Deus estará de braços abertos, pronto para te receber de volta. Digno, nunca somos de nos dirigirmos à Ele, mas quando há situações especificas, como estar em pecado, temos a Graça de poder nos dirigir diretamente ao nosso Anjo da Guarda e ele sim, é digno de levar nossas orações à Deus.

      Por isso, seja amiga do seu Anjo da Guarda e se aproxime cada vez mais da Virgem Maria, modelo de pureza, e eles te guiaram à uma vida pura em Deus. E nunca se esqueça: oração e penitencia sempre são as nossas melhores armas contra os pecados, se dedique à elas mais do que tudo nessa vida e peça que outras pessoas também rezem por você. Deus se alegra com nossos esforços e sempre vem ao encontro do pecador que nunca desiste! 😉

      Que Deus te abençoe! Conte com as minhas orações!

    • jordi soares

      Oi Carol o que está acontecendo com você é o mesmo que aconteceu comigo a um tempo atrás que me fez perder muitas coisas por causa disso, mas isso não é algo impossível de se resolver, se quiser conversar melhor me add no Facebook estarei la para te ajudar, pois isso não é algo que se resolve apenas numa resposta de comentários e sim num diálogo para você tranquilizar o coração
      https://m.facebook.com/jordi.santos.soares?ref=bookmarks

  • Polyana

    Boa tarde. Namoro há 8 anos, e há 3 anos passamos a morar juntos, mas com planos de casar futuramente (esperando a situação financeira melhorar). Sempre tivemos a vida sexual ativa. Acontece que agora resolvi fazer voto de castidade, pois não estou me sentindo bem, por estar indo contra os preceitos da igreja e ferindo a Deus. O fato de a gente estar morando juntos vai configurar pecado, mesmo fazendo voto de castidade? Abraços.

    • Polyana, se você conseguir mesmo viver a castidade nessa situação, não confugira pecado. Mas é preciso também evitar o escândalo, ou seja, ser discreta em relação ao fato de estar morando com seu namorado. Porque esse fato, por si só, já e um contra-testemunho, já que as pessoas, naturalmente, concluem que vocês têm vida sexual ativa.

      Então, o ideal é que você procure morar em outro lugar, assim que isso for possível. Se parecer impossível no momento, não desista: coloque essa situação aos pés de Jesus, em oração. Ele é Pai, Ele vai te escutar e te ajudar. Tenha fé! Abraço!

    • João

      POLYANA,

      Outra coisa importante é saber a diferença entre castidade e celibato.

      Castidade é uma condição que TODO católico deve viver, seja ele padre, leigo, solteiro ou casado. É o uso do corpo para o Amor verdadeiro, ordenado pela razão. Assim, o casal que tem vida sexual ativa dentro do matrimônio está vivendo a castidade (desde que não use contraceptivos, por exemplo).

      CELIBATO é outra coisa. É não ter sexo. Não é o uso ordenado do sexo, mas simplesmente não ter sexo, a fim de se dedicar a objetivos maiores (dedicação exclusiva à obra de Deus, por ex.)

      Voltando à sua situação, imagino que você se determinou a ser casta, isto é, só vai ter sexo depois do Matrimônio. Sendo assim, agora você precisa se confessar a um sacerdote e se dispor a se afastar da ocasião de pecado (morar junto). O fato de morar junto não é, em si, pecado, mas pode LEVAR a outros pecados:

      > Ao escândalo: 99,99% das pessoas vão pensar que vcs têm sexo, já que moram juntos.
      > À tentação: você e, principalmente, seu namorado, ficarão na “boca do lobo” morando juntos. Para cair em tentação é um pulinho. Pra quê tentar a Deus?

      E não adianta. Pecados contra a castidade só são vencidos quando fugimos da ocasião. Experiência própria.

    • Michelle

      Olá Polyana, vou te dar um conselho que na verdade é meu testemunho: Quando eu e meu esposo nos convertemos e passamos a seguir a vontade e os ensinamentos de Deus em nossas vidas, descobrimos que vivíamos em pecado, pois éramos casados há 3 anos e meio somente no civil (na época não tínhamos dinheiro para fazer uma festa mesmo que simples na igreja) e também usávamos pilula para contracepção. Nos confessamos e fizemos voto de castidade. Marcamos nosso matrimônio na igreja e fizemos uma festa muito simples para poucas pessoas, realmente só os mais chegados. Nosso voto de castidade durou 3 meses, nesse período meu marido e eu vivemos como irmãos (essa foi a orientação de nosso padre), pois sair de casa escandalizaria nossos pais principalmente. Então dormíamos em camas separadas e não nos beijávamos, só beijinho rápido, nem trocávamos de roupa na frente um do outro. Por várias vezes foi bastante difícil, mas a vida em oração ajudou muito! Então te aconselho a fazer o mesmo: nós mulheres temos o sonho de um casamento de pompa, mas nada disso é importante aos olhos de Deus, e quando nos convertemos isso deixa de ser importante para nós também, o mais importante é o sacramento!Se o matrimônio é o objetivo de vocês, o façam o mais breve possível e vivam como irmãos até lá! Espero ter ajudado! Paz e bem!

  • Amandha soares

    Olá. Tenho 17 anos, sou católica, e ultimamente tenho vivido experiências incríveis na presença do senhor,e recentemente recebi um chamado de Deus, o de ser missionária, e é o que mais quero! Porém, pequei contra a castidade há um tempo atrás, da qual me arrependo muito.Não tenho namorado, mas conheci um missionário que veio em missão aqui no meu lugar,estamos em oração, pedindo a graça de Deus por nossa união um dia, pois para isso preciso entrar na comunidade dele , a qual também sempre me interessei,mas enfim.Gostaria de saber se ainda posso continuar pedindo a graça de Deus,se ainda posso ser casta, e se posso ser missionária um dia?

    • jordi soares

      Oi Amanda claro que você pode ser casta, você cometeu um erro todos cometem erros, mas não é por isso que você vai baixar a cabeça, se você se converteu, se você comunga, se confessa, e não peça mais contra a castidade, você pode ser uma pessoa “pura” e novo, você precisa morrer pro pecado e nascer para o Espírito, Deus nunca te deixará sozinha, Ele é tão bondoso que te enviou um anjo para te guiar, aconselhar, e proteger, você vai ser muito feliz se continuar trilhando o caminho da luz

    • jordi soares

      Outra coisa, um Conselho de “irmão mais velho” Deus te chamou para ser uma missionária, mas não fica falando isso para todos nem se exaltando por isso, vai por mim quando mais você ocultar isso e é viver isso você vai ser grandiosa nas mãos, mas se ficar de exaltando vai ser humilhada, pois quem mais se exalta será humilhado e quem mais a humilha será exaltado,quando mais você fazer isso em silêncio mais o Senhor vai dar a conhecer você as pessoas, que Deus abençoe você

  • Amandha soares

    Muito obrigada!

  • Thaynara M.

    Oi, bom dia. Pfv tirem minha dúvida!! Eu tive relações com meu namorado quando fizemos 7 meses de namoro. Agora em setembro fazemos 1 ano juntos. No começo eu fiquei mt preocupada e as vezes temos relações. Eu pesquisei na internet sobre isso, vi que nao tem problema ter relações antes do casamento se você realmente ama seu parceiro. “Se você ama, não existe sexo antes do casamento, o sexo é o casamento.” Eu realmente amo meu namorado e tenho toda certeza do mundo que ele também me ama. Eu estou errada? Estou pecando? E se eu não parar de ter relações? Me respondam pfv

    • Oi, Thaynara! Vamos refletir juntas sobre essa frase:
      “Se você ama, não existe sexo antes do casamento, o sexo é o casamento.”
      É mesmo? Algumas perguntas:
      – Você e seu namorado estão dividindo uma vida juntos?
      – Vocês dividem as contas (educação, alimentação, saúde, transporte, vestuário etc.)?
      – Se você engravidar, vocês poderão sustentar e educar bem a criança?
      – Se você ficar muito doente ou acidentada, a ponto de ficar de cama por muitos meses, quem vai cuidar de você (alimentar, limpar as fezes, dar banho, levar ao hospital) é seu namorado?
      – Vocês são mesmo uma família?

      Thaynara, as pessoas estão deturpando e brincando com uma coisa muito séria: o conceito de casamento. Sinceramente: você acha que você e seu namorado têm uma relação equivalente a um casamento, com todo o comprometimento e as responsabilidades que um casamento exige?

      Espero a sua resposta. Depois que você me responder, eu respondo às suas demais perguntas sobre o pecado. Abraço!

  • Camila

    Olá, boa tarde! Gostaria de tirar uma dúvida. Namoro a 6 anos e sou virgem mas meu namorado tem me pressionado muito nos últimos tempos, apesar de até então me respeitar. Me sinto mal e arrependida depois de algumas “caricias” e fico dividida entre me manter casta até o casamento ou me entregar, apesar de não termos planos para o casamento tão cedo, pois não tempos condições financeiras para manter uma casa, uma família.

  • Walquiria

    Boa noite, namoro a seis meses, eu e meu namorado não somos mais virgens e já fizemos sexo algumas vezes, só que estamos querendo adotar a castidade, é possível? Como podemos fazer isso? Quem devemos procurar? Precisamos muito da informação de vocês.

    • Sim, Walquíria! Certamente é possível! Aqui mesmo você encontrará nos comentários o testemunho de várias pessoas nesse sentido. Veja também esse vídeo com o testemunho desse arista, no programa da Fátima Bernardes:

      https://www.facebook.com/ocatequista/videos/1126757910677732/

      Seria muito bom que vocês pudessem contar com o acompanhamento e orientação de algum diretor espiritual. Conhece algum bom padre, que seja bom conselheiro? Ou algum leigo que seja maduro na fé, e coordene algum grupo de jovens em sua paróquia?

  • ysa

    Tenho 21 anos, e meu namorado tem 23 anos. Ambos participamos diretamente e ativamente da caminhada de igreja. Há 1 mês comecei a transar com ele, e a partir de então parei de comungar, pois considero-me impura para receber a Comunhão. E o fato de não participar desse momento me deixa constrangida.

    Sempre quis iniciar minha vida sexual após o casamento, mas isso aconteceu antes (não me arrependo – AMO MEU NAMORADO – FALAMOS EM CASAMENTO, FILHOS… Mas algo futuro). O que devo fazer?

    • Oi, Ysa!
      Você age corretamente ao não comungar, pois fazer sexo fora do casamento é pecado grave. Se você comungasse nesse estado, apenas somaria mais um pecado grave às suas culpas – o pecado de sacrilégio.

      Quanto ao constrangimento de não comungar, não ligue para isso. Muito maior será, no Dia do Juízo Final, a vergonha que os sacrílegos passarão, ao ter seus pecados revelados e condenados diante de uma multidão.

      E veja, Ysa, o constrangimento (o medo do que as pessoas na Igreja vão pensar) está longe de ser o maior problema de quem não comunga. O mal está em não poder usufruir dessa imensa graça, que é a de unirmos o nosso corpo frágil com o Corpo Santo e sagrado do Deus vivo. O mal está em saber que se está longe da amizade com Deus. Você não lamenta por isso?

      Fico contente em saber que você e seu namorado se amam e têm planos para o futuro. Ao mesmo tempo, preciso abrir seus olho para uma coisa: inúmeros casais de namorados (que um dia foram apaixonadíssimos) e noivos terminam o relacionamento todos os dias. Fazer planos para o futuro, Ysa, é muito bom, mas não é garantia de que esses planos se concretizarão.

      Eu entendo o seu pensamento, porque a cultura de hoje faz com que vejamos o sexo fora do casamento como algo muito lindo, muito bom, e até mesmo como algo inevitável entre namorados. Mas Ysa, se você ama mesmo o seu namorado, procure conhecer melhor o Seu Senhor, Jesus Cristo. Procure saber o que Jesus significa em sua vida. Pois só Jesus Cristo pode dar ao seu namorado a vida eterna.

      Às vezes, passamos anos enfiados em atividades dentro da Igreja, mas não somos ajudados a conhecer e a amar Jesus Cristo. E a Igreja assim é como um clube, um lugar que vou para fazer amizades, para realizar algumas atividades que me fazem bem… Mas que não me ajudam nenhum centímetro a caminhar rumo ao Céu.

      Se você não se arrepende do pecado que cometeu, isso significa que não recebeu a devida catequese sobre a Teologia do Corpo. Assim, não entende e não vê o grande mal que está fazendo a si mesma e ao seu namorado. Porque o sexo tem uma finalidade – apertar o laço entre os esposos, dar alegria aos esposos e possibilitar a formação da família. Se você não pode formar uma família com seu namorado agora, então o sexo para vocês é um mero parquinho de diversões: um brinca e se diverte com o corpo do do outro. Um usa o outro para obter prazer, e só.

      Você mora no Rio de Janeiro? Se sim, posso me oferecer para te ajudar pessoalmente. Se não, me escreva, e veremos o melhor caminho, juntas. Meu email:

      viviane@ocatequista.com.br

  • Julio

    Ola!
    Tenho 37 anos sou viúvo, sempre tive uma vida sexual ativa, dps da morte da minha esposa conheci uma moça e estamos namorando ja vai fazer 3 anos, ela é evangélica da igreja Batista, ñ moramos perto um do outro, nos vemos 1 ou 2 vezes por mês, e sempre que nos encontramos temos nosso momento íntimo!!
    Mas agora ela falou que só vamos ter contato íntimo só dps do casamento, mas ñ temos nenhuma estimativa de quando vai ser p casamento!!
    Como lidar com isso?
    Obrigado

    • Julio, sua namorada está simplesmente buscado ser fiel a um valor evangélico essencial: a castidade. Pela forma como você fala com naturalidade da sua vida sexual fora do casamento, imagino que não recebeu a devida catequese sobre a moral sexual cristã. Seria muito importante você procurar, em uma Igreja Católica, ingressar em algum curso de catequese ou grupo que lhe ajudasse a aprofundar o conhecimento sobre a doutrina católica.

      Julio, o sexo é um dos de Deus exclusivo para os esposos. Sexo é para formar família, para apertar o laço entre os esposos, não para diversão descompromissada dos solteiros. Quem faz sexo fora do casamento peca gravemente e não pode comungar.

      Você já recebeu o sacramento do Crisma? Se não, seria muito importante ingressar em um curso de Crisma para receber a devida catequese e o sacramento.
      Você frequenta a igreja da sua paróquia: Tem algum padre que lhe pareça bom, que possa lhe orientar? Seria muito importante você buscar ajuda e aconselhamento com um sacerdote.

      Sua namorada está certa, está apenas buscando fazer a vontade de Deus. Se deseja mesmo ser companheiro dela – se a ama de verdade – ore e busque os meios de viabilizar o casamento o quanto antes. Caso isso não seja possível, respeite o desejo dela de seguir em castidade.

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>