Castidade não é sinônimo de virgindade

challenge_accepted_castidade_2

Temos recebido mensagens de alguns leitores falando da dificuldade de viver a castidade no namoro. Apesar do desejo de serem fiéis nesse sentido, estão frequentemente vacilando.

Conversando com amigos católicos e crismandos, percebo também que os que já não são mais virgens se sentem um tanto mais pessimistas. É como se tivessem entrado em um ciclo, do qual não conseguem mais sair. É como se Deus não fosse poderoso o suficiente para libertá-los da condição de pecado.

Em tese, para um casal que nunca transou, viver a castidade seria mais viável. Porém, quando a virgindade de ambos já foi pro espaço, é comum que sintam como se já não tivessem mais nada para resguardar, para preservar. No fundo, pensam: “Se já pecamos contra a castidade uma vez, que diferença faz a gente transar de novo?”.

Seria muito bom que pudéssemos fazer essa pergunta a Santo Agostinho (teve um filho fora do casamento), Santa Pelágia (foi prostituta), Santa Margarida de Cortona (morou nove anos com o namorado) e tantos outros santos que foram exemplo de castidade, a despeito de suas faltas antes da conversão. Não ser virgem não é empecilho para que alguém passe a viver de forma casta.

Melhor ainda é ver o testemunho de jovens católicos contemporâneos a nós. Seguindo a dica de uma crismanda minha, busquei no YouTube os vídeos de um casal chamado Jason e Crystalina Evert. Amei!

Jason e Crystalina integram o trabalho de evangelização do site Catholic Answers. Eles ministram palestras nas escolas dos EUA sobre o relacionamento amoroso cristão, e cativam o público com sua linguagem simples, espontânea e franca.

Deem só uma olhada neste breve testemunho da Crystalina. Diferente de seu noivo (hoje, seu marido), ela teve várias experiências sexuais fora do casamento:

Na boa… esse romance lindo faz a gente ficar até com peninha de Romeu e Julieta, aqueles dois coitados grudentos e desesperados!

Apesar de saber que sua noiva não é mais virgem, Jason não tem aquela mentalidade de “pô, ela deu pros outros, vai ter que dar pra mim também!”. Ele a vê como uma moça pura, o que efetivamente ela se tornou, pela graça de Deus.

Vale a pena conferir este outro vídeo curtinho, em que Jason diz que “não importa o que aconteceu no passado, todos podem recomeçar”:

Se você ainda não se casou e já teve experiências sexuais, ore e reflita sobre o que disse São Paulo:

“Se alguém está em Cristo, é nova criatura. As coisas antigas passaram; eis que uma realidade nova apareceu.”

- II Coríntios 5, 17

Desconfiem de si mesmos, amigos, sejam realistas em relação à própria fraqueza. Mas tenham fé em Cristo, confiem nEle! É uma grande ofensa – e uma grande burrice – duvidar que Jesus pode fazer de nós criaturas novas, capazes de cumprir o Seu plano para as nossas vidas. Se foi justamente para isso que Ele derramou Seu sangue na cruz!

Você transou antes do casamento? Sim, carregará marcas e lembranças, o que aconteceu não pode ser desfeito. Mas o que interessa mesmo é daqui pra frente. O que interessa é se você crê que, em Cristo, você pode – e deve! – nascer de novo. E esta pessoa que nascerá de novo é casta, é pura aos olhos de Deus.

“Garanto-te: se alguém não nascer de novo, não poderá ver o Reino de Deus”.

Nicodemos disse: “Como é que um homem pode nascer de novo, se já é velho? Poderá entrar outra vez no ventre de sua mãe e renascer?”

Jesus respondeu: “Eu te garanto: ninguém pode entrar no Reino de Deus se não nasce da água e do Espírito. Quem nasce da carne é carne, quem nasce do Espírito é espírito. Não te admires de Eu dizer que é preciso nascerdes de novo.”

- João 3, 3-7

105 comments to Castidade não é sinônimo de virgindade

  • William G.

    [Não tão off-topic assim]

    A Catequista, há um tempo me perguntaram se ainda podia ser padre depois que se perde a virgindade. Eu não soube responder. Você poderia me dar essa resposta?

  • Ana Caroline

    no meu namoro houve sexo oral ambos somos da igreja e a mãe dele é mto adepta da castidade. será que perdemos a virgindade por inteiro?

    • Sim, vocês não são mais virgens. Vocês praticaram um ato de grande intimidade sexual, apesar de não ter havido penetração. Confesse-se e siga adiante firme na castidade, com a graça de Nosso Senhor Jesus Cristo!

  • Maria

    gostaria de saber se a castidade envolve todo e qualquer tipo de apetite sexual?Devemos evitar eses tipos de desejos carnais ou apenas ter relacoes sexuais com namorado,noivo antes do casamento?

    • Não sei se entendi bem a sua pergunta, mas vou tentar responder conforme o que entendi: é comum que as pessoas tenham desejos sexuais, que lhe venham pensamentos à mente. Isso não é pecado. Pecado é consentir nos pensamentos luxuriosos, e ficar os alimentando. Tanto maior o pecado quanto mais for o lícito o desejo alimentado (por exemplo, ficar alimentando maus pensamentos com um homem casado).

      O cristianismo é a religião do coração. Importa a Cristo, acima de tudo, a pureza do nosso coração, das nossas intenções. Pois é essa pureza que guia as nossas ações de modo autêntico.

    • Não sou modelo nenhum de nada, mas as vezes o exemplo, a história de vida pode ajudar-nos na caminhada, falo isto por experiência.
      Primeira pergunta sua, a castidade envolve sim abster-se de todo e qualquer tipo de vontade de fazer sexo (se tiver vontade lascou, porque será feito, eu sei disto, a gente não consegue se desvencilhar disso), e de todo e qualquer ato libidinoso, contudo como A Catequista lhe respondeu, o simples ato de pensar em si não diz nada, é uma tentação, o negócio é, dar crédito a ela, conversar com ela, alimentar ela, pois a luxúria é a única que um fio de imaginação a mais te vence. Ha, mas eu sou forte e resistente, mesmo é? Duvido, eu mesmo tenho a experiência disto, graças a Deus e somente a Ele é que me mantenho livre de qualquer ato imoral relacionado a luxúria, correndo, virando as costas e dando no pé e pedindo ajuda a Virgem Maria pra não deixar eu olhar nem de canto de zóio, porque, quando penso sou forte, aguento, podes se insinuar pra mim que não cedo, lasca, hoje pode ser, mas amanhã ou depois vai o boi pro brejo, resultado, confessionário, com cara de trouxa, cheio de vergonha, e isto é Deus me dizendo, vistes? Tu acha que pode alguma coisa sem mim? Pode nada manganão. Castidade significa manter-se sem ato libidinoso.
      Evitar ter pensamentos carnais é humanamente impossível, mas por graça e dom de Deus, imerecido por nós, é possível nunca mais nem os ter, veja a vida de São Tomás de Aquino. Agora, desejo já passou do pensamento, já virou algo que eu quero, não deixa chegar no desejo não, corre antes que é melhor pra ti, e reza, porque isto é algo que não se vence sem ajuda de Deus, as demais tentações a outros tipos de pecados também, mas a luxúria em expecial. E antes do casamento, banho gelado, água fria e muita Ave Maria pra não fazer isto, transar antes de casar é sim pecado, grave, mortal, fere muitíssimo a Deus.
      Um pecado venial (dizer que você é o melhor do melhor do melhor do mundo em assoviar, ou seja, gabar-se de algo que sabes fazer) é um cravo transpassando o coração de Jesus, um pecado mortal (cinco contra um), são 200 cravos de uma só vez.

  • Maria

    Eu e meu namorado já nos masturbamos… Por insistência dele. Só que depois eu me sinto suja, imunda, uma prostituta, e faço mais por ele que por prazer próprio… Mas minto para não chateá-lo… Um vez eu disse que só tinha feito por ele, e ele ficou arrasado… Mas quando ele tentou me fazer sexo oral, não deixei de jeito nenhum… E no meio em que vivo, sou uma “atrasada”, mas não consigo me entregar para meu primeiro namorado, e não consigo fazer qualquer oração por vergonha de encarar Deus pela imundície que fiz… O que faço?

    • Maria, Jesus veio para salvar os pecadores, Ele morreu na cruz justamente para que você encontre a Paz e a felicidade. Portanto, JAMAIS deixe de fazer suas orações! Jesus te ama muito, não se afaste dele por nada! Lembre-se do publicano que, na parábola de Jesus, entra no templo e, se humilhando, bate o mão no peito, e se diz pecador. Jesus disse que Ele saiu do templo justificado.

      Maria, você tem algum diretor espiritual? Há algum bom padre a quem você possa abrir o coração? Seria maravilhoso que você contasse com a amizade e os conselhos de um bom sacerdote. Reze continuamente para que Jesus te dê um bom diretor espiritual, caso você ainda não o tenha.

      Você me pergunta o que fazer. Eu te peço para você perguntar a si mesma. A resposta está gritando no seu coração. Está evidente que você está sabotando a sua própria felicidade ao ceder a certos apelos do seu namorado.

      Que bom que você não se entregou a seu namorado! Assim, fica muito mais fácil retomar sua caminhada em uma vida pura. Maria, você sabe, você sente que está se violentando. Pare com isso! Pense em agradar a sua verdade acima de tudo, não se pise mais! Não deixe ninguém pisar na sua dignidade. Imagino que seu namorado esteja cobrando essas coisas de você não por maldade, mas porque “todo o mundo” faz e ele acha isso normal. Porém, você sabe que isso não tem a ver com o desejo mais profundo do teu coração, e Seu Pai, que está nos Céus, deseja um caminho de amor muito mais puro e belo para a sua vida.

      Quanto a ser “atrasada”, deixa eu te contar uma coisa: graças a Deus, sempre fui uma jovem muito “atrasada”. E hoje, enquanto sou casada com um homem maravilhoso, algumas de minhas amigas “avançadas” da adolescência estão encalhadas, outras casaram e já separaram, outras pulam de namoro em namoro e não conseguem ficar com ninguém por muito tempo, outras engravidaram de qualquer um e vivem penando para conseguir o pagamento da pensão dos filhos, outras fizeram aborto… Agradeço à Virgem Maria por ter me ajudado a ser fiel ao meu coração, que sempre desejou um namoro casto.

      Se seu namorado terminar o namoro com vc por vc se recusar definitivamente a fazer essas coisas, não se preocupe: confie em Jesus! Tenha fé em Deus! Ele proverá tudo o que vc precisa, e não deixará faltar nada a uma filha amada. Você nunca ficará só.

      Grande abraço!

    • Padre Orlando Henriques

      Maria, se deixar de rezar por causa disso, tornar-se-á como um doente que não se cura por causa de não tomar o medicamento, que era precisamente aquilo que o curaria: a oração é o primeiro passo para se curar; se não rezar não achará luz para sair do túnel.

      Por isso, encare Deus, mesmo que isso lhe faça sofrer; melhor ainda, encare um confessor, que a acolha e absolva, que é a solução mais eficaz, o único meio de se sentir verdadeiramente limpa: o amor de Deus é maior do que qualquer pecado que possamos cometer e vai sentir-se aliviada. Todo o pecado será um episódio do passado e pode começar de novo, sentindo-se totalmente limpa.

      A violência sexual não é só quando se consuma a penetração: no campo sexual, qualquer coisa que seja obrigada a fazer ou que faça por favor, só para não desagradar, já é uma forma de violência. ISSO NÃO É AMOR!

      EXIJA-LHE UMA PROVA DE AMOR: “se me amas, então vamos parar com isso; se me amas vamos viver um namoro casto”. Está na hora de deixar de ser à maneira dele. Basta de violência!

      Vale mais por logo tudo “em pratos limpos” e dizer-lhe que não se sente bem a fazer isso e que nunca mais quer fazê-lo. Ele ficou arrasado quando lhe disse que só tinha feito por causa dele? Pois é preciso que ele fique arrasado mesmo, é preciso que ele saiba a verdade, é preciso que ele saiba que a está a fazer sofrer! Por que há-de você andar a aguentar uma situação imunda e que lhe repugna? E por quanto tempo mais? E se um dia se casarem vai continuar a sofrer violências a vida inteira só para não desagradar? E se não se casarem, já viu?
      Tenha coragem! Siga o caminho da pureza que Deus não a vai deixar desamparada!
      Nós rezamos por si.

  • Priscila

    Eu preciso muito de ajuda, eu não sou virgem, mais o meu namorado é, e a gente quer seguir a castidade, mas o maior obstáculo é esse desejo de fazer sexo, a gente as vezes não consegue se controlar, a gente só quer fazer isso depois do casamento, mas nós dois nos amamos muito, não é só desejo sexualidade é amor junto, então eu gostaria de saber se caso nós dois acabar fazendo sexo se estamos cometendo um erro? Se quando duas pessoas que se amam de verdade vai ser castigado por isso? E se puder me ajudar eu agradeço muito.

  • Natália

    Boa noite, a mais ou menos 4 meses perdi minha virgindade com meu ex namorado (já havíamos praticados outros atos sexuais, porem não de fato a penetração), ele foi o meu primeiro relacionamento serio, apesar de acreditar que não teríamos de fato um futuro juntos decidi me entregar pelos desejos e talvez a pressão de ser diferente de todo o resto.
    Sempre tive dentro de meu coração esta necessidade da castidade, mas sempre achei algo muito distante de mim, e a alguns dias estive pensando mais nisso e estou lendo um livro “Respostas para o jovem PHN” da canção nova que me ajudou muito a tomar a decisão de buscar a castidade…
    Porém me vieram as duvidas, eu posso ser casto mesmo sem ser virgem? Será que tenho força pra vencer este pecado? E meu namorado, o que vai achar? (ainda não tivemos nenhuma relação, a não ser verbal… Porém ele também não é mais virgem).
    Fiquei muito aflita e resolvi buscar informações, foi quando achei a matéria de vocês e ela sem duvidas me deu forças para prosseguir neste ideal, inclusive já conversei com meu namorado, acho que ele ainda não entende bem o porque faço isso, mas diz que me apoia e que estamos juntos nisso, isso também me fortaleceu muito…

    Ainda preciso me confessar para continuar a caminhada, mas estou decidida apesar do medo e de todas as dificuldades.

    Agradeço a vocês por me apresentar um novo lado da castidade e me fazer compreender que ainda tenho salvação e que não devo desistir.

  • zanny

    Olá, quando alguém perde a virgindade e se arrepende, se confessa e decide seguir a castidade, ainda pode comungar ?

  • Janayna

    Acho que um dos piores sentimentos do mundo é se sentir sujo, repugnante, e é exatamente assim que eu me sinto. Eu tento e quero seguir de mãos dadas com Deus, fazendo tudo certo, mas parece que “algo” me prende. Parece não, realmente prende.

    Namoro há 3 anos com um rapaz que conheci ainda no tempo da escola. Hoje nós fazemos faculdades distintas e também muitos planos para nos casar, tanto que noivamos há mais de 1 ano, graças a Deus.

    Antes dele eu tive 1 namorado, mas sexo propriamente dito nunca aconteceu, apesar de já termos passado dos limites algumas vezes. Como naquele tempo eu não me sentia “pronta”, não aconteceu nada. Hoje agradeço a Deus por isso.

    Porém, com o meu noivo foi diferente. Perdi a virgindade com ele. Nós nos amamos muito, mas eu sei que foi errado, que é errado. Fui criada e educada na Igreja Católica, mas não consegui resistir. O pior é que hoje eu tento “puxar” o meu noivo para o caminho de Deus, falo coisas, converso com ele, mas ele parece muito perdido… é como se não conhecesse Deus, embora acredite nEle.

    Isso é muito difícil para mim. Eu queria parar de fazer sexo e viver a castidade, mas ele pede. E eu também sinto muito a falta dele. Uma solução seria o casamento, mas se ainda estamos estudando, como vamos nos casar? Pois para isso, precisamos trabalhar e sermos independentes dos nossos pais.

    Outra coisa que me deixa triste é o fato de não poder conversar com a minha mãe, isso porque ela já me disse que, no dia em que ela souber que eu perdi a virgindade antes de me casar, ela vai lamentar pelo resto da vida.

    Já pensei em ir me confessar junto com o meu noivo, mas tenho vergonha. Sem falar que, neste momento, ele não aceitaria, porque acha sexo fora do casamento “normal”, tanto que perdeu a virgindade muito antes de mim.

    Queria encontrar uma forma de abrir os olhos dele, pois está sendo muito difícil. Me arrependi, não de ter me entregado a ele, mas de ter infringido um mandamento tão puro e bonito que é o da castidade. Quero ser uma jovem diferente nesse mundo comum, mas quero que me noivo me acompanhe.

    Se vocês puderem me ajudar com alguns conselhos, agradeceria muito, pois o meu coração está atormentado demais. Eu sinto Jesus me chamando, mas o pecado me prende. Enquanto escrevia esse texto, chorei e senti o meu coração apertado. Não sei o que faço.

    • Oi, Janayna! Desejamos estar unidos ao seu sofrimento nesse momento e ajudarmos no que pudermos. Uma dúvida: quanto tempo falta para vocês se casarem?
      Não sei se entendi certo, mas me parece que vocês noivaram sem perspectiva de data para o casamento. É isso? Afinal, é complicado estudantes saberem quando realmente terão dinheiro para saírem de casa e se sustentarem.

      • Janayna

        Exatamente. Noivamos porque queríamos estabelecer um compromisso maior do que o do namoro. Nós falamos sobre casamento, mas apenas nós dois. Ainda não conversamos nada com a família e, enquanto estudamos, não podemos fazer tal coisa, embora não falte “muito” para concluirmos nossas faculdades. Está nos meus planos casar com ele daqui a uns 4 anos mais ou menos, que é quando teremos concluído nossos estudos e estaremos com condições para nos manter. Pelo menos se assim Deus permitir.

    • Janayna, vamos lá…

      Você dá graças a Deus por estar noiva, mas deixa eu te dizer uma coisa sobre isso: hoje em dia, estar noiva sem dia marcado pro casamento não significa absolutamente nada. Na verdade, é só uma forma de dizer que o namoro é sério. Mas é um compromisso fragilíssimo, tanto que o que mais tem é noivado se desfazendo. Não é como antigamente, em que a promessa do noivado era um compromisso dificílimo de ser quebrado.

      Em suma, as garantias que você tem de que realmente irá casar com esse rapaz são bem frágeis.

      Seu noivo e você estão adiantando, no namoro, um aspecto que é exclusivo do casamento. Se vocês vierem a se casar, a vida matrimonial cobrará o preço por esse adiantamento indevido. Imagino que você use métodos contraceptivos para evitar filhos. Duvi-de-o-dó que, depois de casada, consiga convencer a si mesma e a seu marido a se libertar dessa rotina de contracepção. Se seu namorado não consegue ser casto agora, como conseguirá se conter nos seus dias férteis, caso vocês precisam usar o método natural (como o Billings) para espaçar a vinda de filhos? Ele não vai querer abrir mão do prazer sexual em certos dias, e vai exigir que você use contraceptivos, muito provavelmente.

      Então você, que vive um namoro em pecado grave, também viverá um casamento em pecado grave, imagino eu. Hoje, vocês estão construindo o casal que serão amanhã. E pelo visto essa construção não vai bem, como seu coração mesmo sinaliza.

      “Quero ser uma jovem diferente nesse mundo comum, mas quero que me noivo me acompanhe”. Entendo, eu no seu lugar desejaria o mesmo. Mas eu queria entender melhor a sua frase. Ela pode significar:

      1) Quero ser uma jovem diferente nesse mundo comum, E quero que me noivo me acompanhe. Mas se ele não me acompanhar, não vou desistir de ser fiel ao meu coração. Eu vou seguir Jesus com ou sem ele.

      2) Quero ser uma jovem diferente nesse mundo comum, MAS A CONDIÇÃO INDISPENSÁVEL É QUE me noivo me acompanhe. Se ele não em acompanhar, vou ficar nessa mundanidade mesmo, vivendo como todos vivem. Meu namorado é o sentido da minha vida.

      Então, Janayna, qual das suas frases acima explica melhor o seu estado de espírito? Essa resposta, que você precisa dar a si mesma, é a chave da questão.

      Veja, são duas vertentes puxando pra lados diferentes da corda: Jesus, que te chama à santidade (que inclui, entre muitas outras coisas, a castidade); e seu namorado, que não se interessa por Deus e coloca toda a sua esperança de felicidade em coisas materiais (transar com a namorada – isso ele não pdoe abrir mão – e correr atrás dos estudos e carreira. Deus pra ele não é nada muito relevante).

      Seu namorado pode mudar? Claro que pode! Mas do jeito que as coisas vão, com você tornando a vida dele fácil e dando tudo o que ele quer, você acha que ele vai mudar? Procurar Deus pra que? Não interessa se essa jovem está triste e em conflito consigo mesma: o importante é que ele está bem tranquilo com seus planos de vida, e sexualmente satisfeito.

      A solução do dilema, Janayna, portanto, não depende de seu namorado: está em suas mãos. Você precisa fazer uma escolha, precisa decidir qual é o PONTO INEGOCIÁVEL, o que você não pode arriscar: a sua fé e sua amizade com Deus, ou a possibilidade de se casar com seu noivo? O que você acha que não pode viver sem? Onde está tua felicidade? Qual dessas duas coisas é imprescindível pra você?

      Chegou o momento da escolha. Com as duas coisas, do jeito que está, você sabe que não dá pra ficar. Se você decidir pela fé, é possível que seu namorado resolva respeitar a sua escolha e fazer um sacrifício para continuar a seu lado. Mas também é possível que ele não queira mais ficar com você. Então… veja o que não sua vida é mais importante.

      Só deixo aqui uma dica: seu namorado é pó, e mais cedo ou mais tarde, ao pó ele vai retornar. Mas a decisão é sua. É sempre sua.

      Grande abraço! Se precisar, nos escreva novamente.

  • Tais

    Oi Catequista,
    Achei incrível os comentários e a maneira sincera, e fime que você responde. Também me encantou as palavras do padre.

    Em minha cidade não tenho um padre que possa me acompanhar em direção espiritual, mas sou serva em um grupo onde me ajudam muito a seguir com a caminhada. Também em minhas confissões sempre peço, com a permissão do padre, uma direção.

    Sofri como a menina acima, pois também já tive o pensamento como ela, e sofri por terminar meu namoro, mas foi preciso, não sei como o fiz, mas Deus me deu a força e fiz.
    Nesse tempo Deus me mostrava muitas religiosas, e eu via ali a pureza, o brilho da castidade, e isso me incomodava mas ao mesmo tempo foi o ponto crucial para o término, aliás, que até hoje é…no sentido de presevar-me, pois depois de um tempo Deus me presenteou com um homem lindo por dentro e por fora, um homem que ama a Deus e as coisas do Senhor…que me ajuda na caminhada e serve comigo.

    Por diversas falhas humanas, pecamos, mas nos arrependemos e agora posso dizer que vivemos um namoro que em meio as dificuldades busca a santidade em sua radicalidade!! A única coisa que me incomoda é que nessas experiencias passadas, acabei sentindo alguns medos relacionado ao sexo. E me coloco a questionar por muitas vezes se o considerarei puro ao me casar. Tenho esse medo, me entende?

    Não sei se você passou por dúvidas vocacionais antes de seu casamento, mas tenho medo de fazer uma escolha errada. Não quero magoá-lo e pensar que depois de casada posso não me entregar e ser feliz, ou fazê-lo feliz. E principalmente agradar a Deus.

    É tão complexo. Não desejo ser freira, tenho até um certo medo de encontrá-las e pensar ser um sinal, fico cismada com isso.
    O amo, amo a vida matrimonial e acredito que a viveria muito bem, e vejo que não posso me pertubar, e também deixar de ter uma decisão firme.

    Mas como fazer isso tendo a certeza que serei feliz e agradarei a Deus?

    • “Por diversas falhas humanas, pecamos, mas nos arrependemos e agora posso dizer que vivemos um namoro que em meio as dificuldades busca a santidade em sua radicalidade!!”. LOUVADO SEJA DEUS! Fico muito contente em saber que você teve forças para se libertar do namoro anterior, que te escravizava no pecado. O cristão caminha em Cristo não somente quando não peca nunca, mas quando, mesmo caindo eventualmente, não perde a esperança de prosseguir em santidade; não se acomoda no pecado, pede perdão e segue adiante, confiante em Sua misericórdia e auxílio.

      “A única coisa que me incomoda é que nessas experiencias passadas, acabei sentindo alguns medos relacionado ao sexo. E me coloco a questionar por muitas vezes se o considerarei puro ao me casar. Tenho esse medo, me entende?”. Não sei se entendi bem, acho que sim. O que você está querendo dizer é que, por causa de suas experiências anteriores, talvez o sexo tenha se tornado, em sua mente, uma coisa “suja”, e isso pode vir a prejudicar sua vida matrimonial. É isso?

      Você tem medo de fazer uma escolha errada. Bem, vou te repetir uma coisa que aprendi na Igreja (não lembro quem é o autor desse pensamento): podemos errar em tudo nessa vida, podemos errar até na escolha da nossa vocação. Só numa coisa não podemos errar: na opção de permanecer sempre ao lado de Cristo! Entende?

      Você quer a certeza de que será feliz? Persevere dia a dia em suas práticas de meditação, oração, penitência e caridade (e estudo da doutrina também, é claro). Todo caminho – seja religioso ou matrimonial – é cheio de espinhos, frustrações, dúvidas… A alegria em si, nós encontramos em Jesus Cristo.

      Sim, a questão é complexa. Mas vá rezando, vá pedindo a Deus sinais, se é pra você se casar com esse rapaz ou não. Sobretudo, jamais se deixe dominar pelo medo. Jesus te chama para um caminho de liberdade, não de medo. Ademais, problemas sexuais no casamento (se realmente vierem a acontecer) podem se resolver com o tempo, com amor e paciência.

      Se precisar escrever mais, eis o meu email: viviane@ocatequista.com.br

      Abraço!

  • Tais

    Viviane muito obrigada! É por isso mesmo.Te mandei um email.

    Deus abençoe.

  • Bruno

    Boa tarde !

    A dois meses eu e minha namorada depois de uma pregação do Tony allysson, fomos muito tocados pelo espirito santo e resolvemos não mais ter relações sexuais antes do casamento, porém temos um filho de 1 aninho, porém durmo no mesmo quarto que ela para ajudar a olhar ele, ainda sim estou em pecado grave ?

  • francielle

    É possível viver um namoro em santidade quando o namorado não é da igreja?

  • francielle

    Ele falou ontem comigo e disse que ele quer viver um namoro em santidade e eu fiquei mto feliz

Deixe uma resposta

  

  

  

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>