Castidade não é sinônimo de virgindade

challenge_accepted_castidade_2

Temos recebido mensagens de alguns leitores falando da dificuldade de viver a castidade no namoro. Apesar do desejo de serem fiéis nesse sentido, estão frequentemente vacilando.

Conversando com amigos católicos e crismandos, percebo também que os que já não são mais virgens se sentem um tanto mais pessimistas. É como se tivessem entrado em um ciclo, do qual não conseguem mais sair. É como se Deus não fosse poderoso o suficiente para libertá-los da condição de pecado.

Em tese, para um casal que nunca transou, viver a castidade seria mais viável. Porém, quando a virgindade de ambos já foi pro espaço, é comum que sintam como se já não tivessem mais nada para resguardar, para preservar. No fundo, pensam: “Se já pecamos contra a castidade uma vez, que diferença faz a gente transar de novo?”.

Seria muito bom que pudéssemos fazer essa pergunta a Santo Agostinho (teve um filho fora do casamento), Santa Pelágia (foi prostituta), Santa Margarida de Cortona (morou nove anos com o namorado) e tantos outros santos que foram exemplo de castidade, a despeito de suas faltas antes da conversão. Não ser virgem não é empecilho para que alguém passe a viver de forma casta.

Melhor ainda é ver o testemunho de jovens católicos contemporâneos a nós. Seguindo a dica de uma crismanda minha, busquei no YouTube os vídeos de um casal chamado Jason e Crystalina Evert. Amei!

Jason e Crystalina integram o trabalho de evangelização do site Catholic Answers. Eles ministram palestras nas escolas dos EUA sobre o relacionamento amoroso cristão, e cativam o público com sua linguagem simples, espontânea e franca.

Deem só uma olhada neste breve testemunho da Crystalina. Diferente de seu noivo (hoje, seu marido), ela teve várias experiências sexuais fora do casamento:

Na boa… esse romance lindo faz a gente ficar até com peninha de Romeu e Julieta, aqueles dois coitados grudentos e desesperados!

Apesar de saber que sua noiva não é mais virgem, Jason não tem aquela mentalidade de “pô, ela deu pros outros, vai ter que dar pra mim também!”. Ele a vê como uma moça pura, o que efetivamente ela se tornou, pela graça de Deus.

Vale a pena conferir este outro vídeo curtinho, em que Jason diz que “não importa o que aconteceu no passado, todos podem recomeçar”:

Se você ainda não se casou e já teve experiências sexuais, ore e reflita sobre o que disse São Paulo:

“Se alguém está em Cristo, é nova criatura. As coisas antigas passaram; eis que uma realidade nova apareceu.”

- II Coríntios 5, 17

Desconfiem de si mesmos, amigos, sejam realistas em relação à própria fraqueza. Mas tenham fé em Cristo, confiem nEle! É uma grande ofensa – e uma grande burrice – duvidar que Jesus pode fazer de nós criaturas novas, capazes de cumprir o Seu plano para as nossas vidas. Se foi justamente para isso que Ele derramou Seu sangue na cruz!

Você transou antes do casamento? Sim, carregará marcas e lembranças, o que aconteceu não pode ser desfeito. Mas o que interessa mesmo é daqui pra frente. O que interessa é se você crê que, em Cristo, você pode – e deve! – nascer de novo. E esta pessoa que nascerá de novo é casta, é pura aos olhos de Deus.

“Garanto-te: se alguém não nascer de novo, não poderá ver o Reino de Deus”.

Nicodemos disse: “Como é que um homem pode nascer de novo, se já é velho? Poderá entrar outra vez no ventre de sua mãe e renascer?”

Jesus respondeu: “Eu te garanto: ninguém pode entrar no Reino de Deus se não nasce da água e do Espírito. Quem nasce da carne é carne, quem nasce do Espírito é espírito. Não te admires de Eu dizer que é preciso nascerdes de novo.”

- João 3, 3-7

59 comments to Castidade não é sinônimo de virgindade

  • Fabiana

    OBRIGADA

    Tenho 24 anos, estou noiva há quase um ano e vou me casar em breve.
    Meu noivo é meu primeiro namorado. Eu era virgem mas me deixei convencer que nos amávamos e iríamos nos casar – e que se havia amor, não poderia haver pecado. Afinal, todos amigos e colegas tinham isto – Mas eu pensei assim, eu errei. Eu me deixei aliciar.

    Após algumas frustradas tentativas eu não conseguia, porque simplesmente sabia que era errado e ficava cada vez pior – não entendi se era porque eu não queria ou se era porque queria pelo motivo errado e as vezes simplesmente não entendia mesmo.
    Deixei de comungar porque sabia que estava em pecado mortal, não conseguia mais orar e com isso entrou tantas coisas ruins em minha vida – Mentira, Inveja, Raiva – Sentimentos ruins que passaram a me rodear. Eu sabia que precisava me confessar porque estava arrependida, mas por muitas vezes me deixei vencer pela vergonha, porque conheço o pároco da minha igreja há muitos anos. Então, depois de algum tempo meu noivo percebeu como eu estava péssima e também observou as coisas ruins que nos cercavam – porque elas não pareciam mais acaso. Conversamos, não sei ainda bem se ele compreendeu o real sentido da castidade quando eu disse para ele que ainda não podia ser sua mulher, porque ainda pertencíamos a Deus e não um ao outro. Tomei coragem e apenas ontem me confessei. De inicio após a confissão ainda me sentia mal por tudo aquilo que havia vivido e me sentia tão indigna. Cheguei em casa e orei a Deus pedindo perdão, porque ainda me sentia aflita. Hoje de manhã quando abri a página do catequista não tive como não me emocionar. Porque sim, eu estou pronta para viver o chamado de Deus á castidade.

    Deixo meu sincero agradecimento por cada matéria aqui dedicada tão sábia e carinhosamente a nós jovens.

    Abraços.

    • Luís Fernando Nascimento

      Viu só? Eita lasqueira! Esses Catequistas tão de nota MIL! Testemunho instantâneo de reavivamento – e olha que ela não precisou de NENHUMA SESSÃO nos grupos de oração pra perceber isso (nada contra – até porque tenho amigos que são da Cura e Libertação -, mas ninguém disse que SÓ as orações fervorosas que acordam a pessoa): bastou uma matéria bem escrita! Boa confissão, amada! Jesus te espera no caminho da santidade! :)

    • Fabiana,
      Você é muito abençoada. Muitos seriam bem mais felizes se pudessem entender o que você está entendendo agora.
      Tenha certeza de que os anjos, ontem, vibraram com a sua confissão.

      Muito obrigada pelo seu testemunho!

    • Sharlyton

      Fabiana também sou solidário a você e assim como a catequista digo que os anjos vibraram pela sua decisão e compreensão do seu namorado. Como você partilhou quando nos redemos ao erro o que entra em nossa vida é justamente isso, a raiva, inveja, mentira…; os frutos do pecado são essas desgraças que nos roubam de DEUS e nos desfiguram. O bom de tudo isso é que o SENHOR não nos abandona e sempre coloca situações para que voltemos o nosso olhar para ELE e uma vez nos reconhecendo necessitados de sua misericórdia e suplicando o seu perdão, força ELE nos ajuda e nos dá força para vencermos as tentações e suportamos as provações. Seja testemunha para outros casais de namorado que sim, é possível quando se decide por DEUS as coisas voltam ao seu lugar.

  • Daniel

    Viviane, você mais uma vez fez um texto desse blog ser o instrumento de Deus em minha vida :)

    Muitíssimo obrigado

  • Fernando Henrique

    Caramba adorei o post meu esta muito esclarecedor quero passar aos meus crismandos esse videos valeu.

  • Daniel

    Rapidinho: Só eu fikei querendo ver a palestra completa deles? ^^

  • Gizelle Aparecida Galvão

    Achei o máximo Vivi!! Estou sendo ridicularizada pelas minhas amigas quando falei que queria viver a castidade até o casamento. Eu que nunca fui namoradeira e agora que falei isso, imagina? Elas já me chamavam de Beata e agora estão dizendo pra eu relaxar e viver a vida como elas…podem desistir!! Quero ser só de Deus até eu ter um marido abençoado como São José!! Ontem fiz 34 anos e estou pedindo muito a Deus um namorado que aceite minha opção de viver a castidade. Obrigada pelo incentivo!! Bjos

  • Danilo

    Sinto que esse post foi feito pra mim! Eu sou jovem, tenho apenas 24 anos. Aos 18 comecei a namorar uma garota e com 6 meses de namoro ela ficou grávida. Começamos a construir uma vida familiar juntos e depois tivemos mais uma filha. Meu filho mais velho tem 4 anos e a mais nova 2. Sempre busquei vivenciar minha vida cristã. Tentei buscar o sacramento do matrimônio. O empecilho maior é que a família da minha esposa é da Assembléia e quando a gente fosse casar, minha esposa queria também receber a “bênção do pastor”, mas eu ficava desanimado e dizia que não precisava. Minha esposa ficava triste, apesar de não ser praticante da fé dela. Ela tinha até me confessado uma vez, que achava bonito ser católico, mas não queria desagradar a mãe. Eu vivo numa sinuca de bico, pois, ela nunca foi de caminhar pra Igreja comigo e sempre ficava com raiva quando eu ia a algum compromisso, mas ela sempre dizia e diz que minha atenção maior é pela Igreja. Tivemos vários desentendimentos e separamos, porque morávamos perto dos meus pais e eles nunca foram satisfeitos com a situação, devido a questão religiosa da família dela. Sempre busquei a castidade, como busco hoje! Estamos separados, mas somos muito amigos. Esses dias fiquei pensando nessas questões: “será que tô pecando por separar dela? Será que se futuramente eu arrumar outra esposa e ter filhos, isso vai ser bom?” Separamos a mais ou menos, um mês e penso nisso o tempo todo. Tenho receio que meus filhos cresçam e sintam por isso. Dos 5 anos de convívio com ela, fiquei só fazendo comunhão espiritual, como faço até hoje. Vendo o post me deparei com essa questão de erros passados por não ter vivido castamente o meu relacionamento com ela. Não me arrependo dos filhos porque são uma bênção em minha vida e sempre busco ser modelo de santidade pra eles. Peço ajuda todo dia a Deus, pra não viver na impureza e no pecado.

    • Danilo,
      O fato de você ter um verdadeiro arrependimento de seus pecados e desejar ser santo por amor a Deus e aos seus filhos já é uma graça maravilhosa. Certamente o Espírito Santo inspira estas coisas no seu coração.

      Se você não tem um bom diretor espiritual, um sacerdote no qual confie como um pai, recomendo que se ajoelhe aos pés da cruz do Senhor até que ele te mostre um bom diretor. Assim, você poderá compartilhar a sua vida, e ser ajudado por alguém mais maduro na fé a tomar as melhores decisões.

      O direitor espiritual não é alguém que vive te dizendo o que fazer, que toma decisões no seu lugar. Mas sim alguém capaz de te ajudar a ver as coisas de modo mais claro.

      A quem bate, a porta se abre. Acaso Deus dará uma pedra a um filho que pede pão? Assim diz Jesus na Bíblia. Peça a Nossa Senhora que cuide do seu caso, tenho certeza de que você receberá as respostas de que precisa.

  • Que belo post em favor da santíssima castidade, vocação e seguro porto de nossa Fé!

  • Thiago Puccini

    Lembro de uma frase de Aristóteles em que ele dizia que onde está seu dom e a necessidade da sociedade, aí está sua vocação.

    Fico muito feliz por ter lido este texto e os testemunhos.

    Isso inflama ainda mais meu coração para seguir o caminho de instruir-me, ser exemplo, e também instruir os jovens sobre o caminho correto da afetividade e sexualidade.
    Sinto uma grande vontade de ajudar os jovens carentes desse tipo de formação.

    Partilhando com vocês, sinto que este é um dos chamados de Deus para mim hoje!

    Identifico-me muito com o tipo de trabalho do Jason e da Crystalina!

    Era isso! rss…

    Abraços!

    • Danilo

      Thiago Puccini, eu também sinto esse desejo de ajudar outros jovens a perceber esse valor da castidade. Eu sou coordenador de Liturgia da minha comunidade e percebo que algumas jovens querem viver a vida à toa, se entregando pra qualquer namorado. Peço luz sempre pra inflamar nos corações delas o sentido real e verdadeiro de ser manter fiel e perceber que nosso corpo é templo vivo do espírito Santo!

  • Thiago Puccini

    Pois é Danilo…

    Quando participava da PasCom, eu escrevia alguns artigos sobre o assunto. Atualmente, tenho intenções de escrever um livro (diferenciado) sobre assuntos como castidade e namoro. Sei que há alguns materiais muito bons e outros com pouca profundidade. Mas espero contribuir de alguma forma…

    Estou lendo um livro que, na verdade, é uma pesquisa sobre a formação dos jovens da Igreja relacionada à afetividade e sexualidade. Infelizmente, o índice é baixo em vários aspectos, sendo algo preocupante. Diante disso, sinto-me impulsionado a ajudar a Igreja nesta lacuna mesmo que seja de forma pequenina e simples.

  • Excelente poste!

    “A castidade depende do coração, quanto à sua origem, mas sua prática exterior consiste em moderar e purificar os sentidos; por isso podemos perdê-la tanto pelos sentidos exteriores como por pensamentos e desejos do coração. É impudicícia olhar, ouvir, falar, cheirar, palpar coisas desonestas, quando nisso o coração se demora e toma gosto.”

    São Francisco de Sales

    Viver com pureza e ter a capacidade de dizer que ” Sou livre” Porque sei que tudo o que ofende a Deus nos aprisiona.

  • Juleano

    Excelente texto, Catequista!
    Mas estou em dúvida, conseguiria eu viver minha vida cristão mesmo mantendo relações sexuais frequentes com minha namorada ou alguma garota? Ou só vale quando eu estou envolvido com a garota? Ou nem isso?

    Abraços, adoro os textos de vocês e sempre falam de um monte de tabus e ideias erradas que nós mesmo cristãos temos.

    • Oi, Juleano!
      O que quisemos com este post foi reanimar os jovens católicos que já não são virgens. A estes, dizemos: restaurar a castidade é preciso, e é possível!
      Tivemos aqui a preocupação de diferenciar castidade de virgindade: não é porque uma pessoa pecou e não é mais virgem, que está fadada a continuar pecando.

      Vários santos pecaram contra a castidade antes de se converterem, e no entanto foram capazes, depois, de viver a sua sexualidade conforme o plano de Deus.

      Então, achamos relevante mostrar o testemunho do casal Jason e Crystalina: no período em que o vídeo da palestra foi gravado, eles estavam há poucos dias do casamento, e nunca tinham transado. E foram capazes de se manterem em castidade durante todo o tempo de namoro, mesmo diante do fato de Crystalina já ter se entregado a outros caras antes.

      Então, vendo o testemunho desse casal, fica mais fácil entender o quanto é libertador, o quanto pode ser bom para nós viver aquilo que ensina a Igreja: esperar o casamento para fazer sexo.

      Recomendo que você veja o vídeo da palestra deles na íntegra (tem uma hora de duração), é bem legal:

      https://www.youtube.com/watch?v=FJt0CQVG6-0&playnext=1&list=PL3D42AC435369EBBF&feature=results_main

      Amanhã publicaremos mais um post sobre esse assunto. Espero que ajude as coisas a ficarem mais claras. Abraço!

  • Essa sacanagem nojenta de alguns de dizer que o sexo seria “prova de amor” é argumento pra muitos pecarem infelizmente.

    Se um dia eu pedir uma prova de amor à minha namorada/noiva por favor eu peço que ela pegue o crucifixo do Madeiro santo que me livrou das garras do pecado e da morte, alguém que realmente me ame vai me lembrar do tamanho do amor dAquele que me amou desde sempre e que entregou sua vida por mim!

  • Elen

    Nossa, estou tão feliz de ver que a minha dica deu tantos frutos no blog!!! Descobri o Jason Evert em 2010 quando EU mesma procurava por respostas (época em que estava na Crisma). Mas eu jurava que vocês o conheciam ou já tinham ouvido falar dele.

    É uma alegria poder, mesmo que indiretamente, ajudar O Catequista e A Catequista no blog. E é uma alegria maior ainda perceber que essa pequena ajuda faz as pessoas entenderem melhor (ou chegarem mais perto de entender) o verdadeiro sentido de se viver a castidade.

    Mas não é mágica! É um caminho a ser percorrido e cada um de nós deve decidir percorrê-lo. Assim amadurecemos na fé: fazendo a experiência e verificando o que de fato corresponde às exigências do nosso coração. Fiquem com Deus!

  • É lendo textos e testemunhos como os que foram deixados aqui pelos leitores, que vejo que Jesus pode tocar o coração de várias formas e que SIM temos jovens que procuram a santidade, não estamos sozinhos. :D Parabéns a equipe do “O Catequista”, melhores a cada post! Abraços!

  • Francisca de Paula Alvim

    Os grupos de oração tem a oração a palavra o ensino e o testemunho! eu aprendi muta coisa no grupos de oração, graças a Deus!

  • Nicolas

    Caros catequistas,pergunto a vocês:Na sua opinião,para namorar deve sempre existir a possibilidade de um compromisso mais sério?Por exemplo,eu estou me aplicando seriamente nos estudos e na carreira,e com isso a chance de eu noivar/casar é nula a curto/médio prazo.Fico com dó de começar a namorar e ter que ficar ‘enrolando’ a dita cuja ou ficar namorando durante 8 ou 10 anos por puro comodismo.Abraços

    • Nicolas, a paz!

      A ideia do namoro gira, e deve sempre girar, na possibilidade da construção de uma família; isso não significa que um namoro venha necessária e logicamente a se consumar num matrimônio, ao passo que é importante que se diga que a pesar de todo Matrimônio nascer num namoro, nem todo namoro resulta em Matrimônio, e é justamente essa a ideia.

      Se você acha ser neste exato momento algo muito difícil para se projetar algo mais sério, recomendo oração e realmente uma prova de caráter cristão que seria sem dúvida essa impossibilidade para um relacionamento sério. Namorar é algo que faz muito bem se gravita em torno de possibilidades reais de um relacionamento à longo prazo, e como parece ser difícil para você que assim o seja, pelo menos por enquanto, aconselho a você de fato se resguardar por um tempo como prova de sua fidelidade à vontade de Cristo.

      Certa bonum certamen fidei!

  • poliana

    Sou casada há 1 ano e 3 meses, e confesso, fiquei surpresa com os testemunhos de jovens que receberam esse chamado. Também tive uma vida muito louca e nem pensava em viver a castidade, achava isso absurdo, ainda mais pelo fato de eu não ser mais virgem, mas quando comecei a namorar meu marido foi um namora errado, mas o Espírito Santo me fez esse chamado a castidade. Então, passando por um período de conversão plena, eu e meu esposo vivemos a castidade e hoje recebemos as graças de ter vivido isso , pois meu casamento e uma bênção em todos os sentidos.

    Sou catequista e da renovação carismática católica, e buscando um tema para falar de sexualidade com os meus catequisandos da perseverança encontrei esse site e fiquei muito feliz. Olha Deus amo o pecador, Ele só não amo o pecado, então a castidade é uma graça de Deus. Se vc é chamado a essa graça , acolha de coração aberto e o próprio Deus que está te convidado. paz e bem a todos e obrigada! esse foi só um minúsculo testemunho de conversão e chamado a sermos santos.

  • Amanda

    Olá, fico feliz ao ler tantos testemunhos de castidade. Namoro a 1 ano e 3 meses, e lutamos muito para não cair, meu namorado não é mais virgem mas ele resolveu viver a castidade junto comigo! Temos um Padre maravilhoso que nos auxilia também. Enfim fico emocionada de ver pessoas que tentam da mesma forma que eu, é bom saber que não estamos sozinhos. Que Deus abençoe muito vocês! Amei achar este blog, vou indicar para todos os meus catequizandos :D

  • Adriana

    Amei esse post. Sempre quis viver a castidade, mas perdi a virgindade aos 16 anos e confessei o pecado, porém não conseguia resistir. Namorei quase 5 anos e acabei terminando pq não dava mais certo. Continuei até o início desse mês me envolvendo com meu ex e sentia muita culpa. Ainda amo ele ou sou apegada ao passado. Estou tentando evitar pecar contra castidade e oro à Deus para que ele me envie um homem íntegro que queira caminhar comigo. Semana passada o Profissão Repórter falou sobre a virgindade. Foi muito interessante. É necessária uma discussão aprofundada com os jovens sobre esses temas. Sou catequista e vejo que tem questões mal esclarecidas.

    Agradeço pelos esclarecimentos.

    Abraço

  • Paula

    Nossa estou com 30 anos, sou catequista e errei muito já nessa parte e achava que não tenho direito de encontrar um amor verdadeiro por causa dos erros do passado, me ajudou muito

  • Gabi

    Texto excelente!! Estou noiva e vou me casar daqui a seis meses, meu noivo e eu estamos buscando constantemente pela castidade no nosso namoro. Devo confessar que no inicio foi muito difícil, e muitas vezes tropeçamos, porém começamos a colocar aos pés da cruz de Cristo e hoje estamos conseguindo!! Nem sempre é fácil, mas é possível e a “Teologia do Corpo” nos ajudou bastante.
    Abraços e fiquem com Deus!

  • Amanda

    Adorei o post, e gostaria de dizer que realmente é muito importante e libertador viver a castidade em qualquer relacionamento. Inclusive, mesmo no matrimônio, não digo castidade, óbvio, mas tirar alguns momentos para oração e fazer abstinência também fortalecem o casal. Abraços!

    • Daniel

      “não digo castidade, óbvio”

      Você confundiu castidade com abstinência. Tirar uns momentos para oração e fazer abstinência é viver a castidade na vida matrimonial, que inclui a relação sexual, fundamental para o casamento cristão.

      Muita gente se enrola com isso

  • katia

    Namoro a 11 anos, nunca tive um namoro cristão, comecei a caminhar na igreja a uns 4 anos atrás, e quando comecei a ouvir sobre castidade comentei com o meu namorado sobre isso e que estávamos pecando, como ele não caminha como eu, na época ele se afastou de mim, falou que estava ficando fanática e nós entramos numa crise e acabamos terminando, ficamos 6 meses afastados, eu sofri muito, já namorava com ele 8 anos nessa época e o meu sonho de me casar com ele desmoronou, foi a fase mais difícil da minha vida, orava muito pra que fosse feita a vontade de Deus pois eu confiava nele, e acabamos voltando mas com o mesmo namoro antigo sem castidade. Mas hoje estou muito triste, pois preciso tomar uma decisão importante, preciso por a prova o amor que ele diz sentir por mim, mas temo muito em perdê-lo, preciso conversar com ele que quero me guardar, acho que ele vai achar loucura e não vai entender, mas enfim, que seja feita a vontade de Deus na minha vida.

    • Amanda

      Katia, sugiro que você converse com um sacerdote sobre isso (se é que já não o fez) e exponha sua situação. Realmente não é fácil. Você diz que não caminha na igreja como vc, mas ele vai ao menos? caso sim, tenta chamá-lo para algum encontro ou algo do tipo. Bem, de toda forma se fortaleça na sua fé e não perca a confiança em Deus! Ele sabe o que é melhor para você.

    • Oi, Kátia!
      Conforme a Amanda disse, seria muito bom que você procurasse a ajuda de um bom diretor espiritual. Vou escrever pro email que você indicou aqui, para tentar entender melhor sua a situação. Veja se recebeu minha mensagem.
      Abraço!

  • Amanda

    Olá Daniel, agradeço a observação. Acho que me expressei mal, quis dizer que acho importante tanto a castidade como a abstinẽncia!

  • Amanda

    Olá catequista, eu estou namorando tem 02 anos, eu conheci meu namorado, ele já não era mais virgem, ele foi meu segundo namorado e eu a segunda dele, no entanto eu não tive relação com meu ex, e ele pelo contrario teve. Eu não me focava muito nos assuntos da igreja, sabia o que era pecado e o que não era, mas sabia. Enfim, eu com 1 ano de namoro me deixei levar pelo pecado acabei perdendo a virgindade, continuei pois gostava de tocá-lo e entre tantas carícias fui me viciando, aquilo parecia alimentar nosso amor.

    Desde então começamos a brigar muito, qualquer motivo era pra brigar ou terminar o namoro… Ele sempre foi atencioso, amoroso comigo, carinho, ele é um amor de pessoa. Um dia eu fui fazer a leitura na igreja, e me senti ruim pelo fato de todas do meu lado irem comungar e eu não, depois fiquei muito ruim com isso. Conversei com ele, ele questionou não conseguir viver em castidade, por conhecer cada parte do meu corpo e desejar. Fui em um encontro e lá dei meu testemunho com a intenção de voltar pra casa mudada, e ele já tava ciente que eu voltaria com esse pensamento. Confessei e fui pra casa… Conversamos e ele aceitou, falando que iria até o limite dele, porem ele não vai em encontros, somente na missa…

    Quando completamos 02 anos de namoro ele me levou pra Caldas Novas, e me afundei de novo, quando retornamos nem tive coragem de confessar, agora eu estou disposta a viver em castidade, mas eu quero do lado dele, por mais que seja difícil eu quero viver ao lado dele, mas eu não sei mais o que fazer pra ele seguir meu caminho. É eu não quero obrigar ele a fazer nada por mim, e sim por ele e por Deus. O que devo fazer diante disso tudo, e ele chora e fala que me ama, assim como eu amo ele. Ele tá distante de Deus, eu sei disso, ele nem tem mais ânimo de ir a missa, coisa que ele gostava muito.

    • Oi, Amanda!
      Que bom que em seu coração continua vivo o desejo sincero de viver em castidade. Seria muito importante contar com um bom diretor espiritual (um padre de sua confiança) e também com amigos da sua idade, maduros na fé, para te orientar e te dar força. Você participa de algum grupo ou movimento na Igreja?

      Se seu namorado está distante de Deus, reze o terço com devoção, faça adorações diante do Santíssimo ao menos uma vez por semana. Persista na oração, para que ele se converta. Se apegue à Virgem Maria!

      E pense numa coisa, Amanda: se o namoro já está dramático assim, imagina como será no casamento, onde há filhos e muitas contas para pagar… Se Deus não está no centro da vida, o destino das coisas, mesmo as mais belas, é ruir. Mas Deus tem um plano muito mais bonito pra você, tenha certeza disso.

      Não é bom você expor mais a sua história aqui, é importante preservar a sua intimidade. Se quiser, pode nos escrever, vamos trocando umas ideias. Meu email é:
      viviane@ocatequista.com.br

      Grande abraço!

  • Amanda

    Deixei um recado pra voce la no email, obg. To tao aflita que nem pensei nessa quastao de preservacao de intimidade

  • Renata

    Oi, irmãos. Tbm gostaria de deixar meu testemunho, a fim de testemunhar que com a Graça de Deus a castidade é possível. No próximo mês faço 27 anos e, já tive alguns namorados, com os quais mantive relações sexuais. Alias, infelizmente, até com “ficante” tive relação sexual. Fui batizada e até confirmada na Igreja, mas lá na adolescência parei de ir a missa, até por nao conhecer de vdd a fé da Igreja, catequese q recebi mto falha, relativismo de valores do mundo, influencia protestante, etc, etc. Mas ainda era “”católica”". Mas longe da Igreja, de Deus, vivendo sexo desregrado, e foi assim por 10 anos. Atualmente estou namorando ha quase 3 anos. Após mais de 1 ano de namoro, me encontro com o site do Pe Paulo Ricardo e começo a redescobrir a Santa Igreja, minha fé. E tudo por Providência Divina, pois o video que me redirecionou ao site do Pe. era justamente sobre intercessão dos santos, assunto q inquietava meu coração devido essas besteiras protestantes. Enfim, voltei a ir a missa, ao menos todos os domingos. Mas ainda nao podia me confessar e, consequentemente comungar, pois estava em pecado grave e nao me via com forças para deixar o pecado e, ainda tinha receio da reação do meu namorado que nem catolico é! Pensava “como ele vai entender?”. Enfim, comecei a orar a Deus, pedir a Graça da castidade, pedi para que me desse coragem de abordar o assunto com meu namorado e que o coracao dele estivesse aberto para o que eu iria dizer. Até o dia que abordei o assunto com meu namorado, que nao via sentido algum naquilo, mas que respeitaria minha decisão. Uns dias depois enviei uns materiais catolicos sobre a castidade por email à ele. Me disse que achou interessante o ponto de vista, mas que nao via nenhum mal, pois éramos namorados. Mas enfim, essa foi a reação inicial dele, mas que até me surpreendeu positivamente, até pq nem catolico ele é. Mudamos o rumo do nosso namoro e vivemos a castidade ha quase um ano, Graças a Deus. Se vamos casar, nao sei. Mas só sei que longe de Deus nao quero mais viver. Só Ele é a Suprema felicidade, nosso Porto seguro e paz. De fato, hoje entendo que, só há verdadeira liberdade (e felicidade) quando se é obediente.
    Desculpe por ter me prolongado demais. Podem até apagar meu comentário se acharem melhor.. Abraço a todos.

    • Renata, que testemunho lindo!
      Deus seja louvado! Tenho certeza de que os anjos se alegram com isso, fazem festa.
      Obrigada por compartilhar, pois muita gente, já tendo um passado de vida sexual fora do casamento, acha impossível ser casto.

    • Everllym

      Olá Renata!!
      Tenho que lhe agradecer muito pelo seu testemunho. Namoro a exatos 2 anos e 2 meses, somos bem participantes da Igreja e já caímos várias vezes em pecado.Tenho um desejo imenso e ardente de viver a castidade e aproximar-me mais do Senhor, ele também tem esse desejo, porém sente que não conseguirá. Ao ver seu post, me animei a não desistir de nós na oração.
      Obrigada e Deus te abençoe.

  • NAYARA

    Boa tarde amigos!
    Quero contar meu testemunho a vocês, também não sou mais virgem, já tive 5 namorados mais não me entreguei pra todos, ate que um dia senti o amor de Deus em mim, e sabia que tudo isso me afastava dele e não queria nunca mais me afastar do meu SENHOR. Até que decidi orar e pedir pra Deus um namorado que quisesse viver o mesmo que eu queria a castidade, pedi a Deus tudo o que eu queria em um homem, orei muito.

    Até que um dia um rapaz queria namorar comigo, o problema é que ele tinha 17 anos e eu tinha 21 anos, rsrs e não aceitei namorar com ele, mais ele não desistiu de mim sempre atrás obs( ele me disse que gostava de mim desde os 13 anos kkkkk) daí disse a ele também pra orar e perguntar qual a vontade dele, ai comecei a gostar dele, ele era do mesmo ministério que eu nas celebrações rapaz de igreja tbm. Até que eu coloquei pra intercessão o que estava acontecendo e a mesma começou a orar por nós até que Deus confirmou em nossos corações começamos a namorar. Ele tinha 18 anos e eu 22.

    Tanto ele quanto eu lutamos dia a dia para termos forças contra o desejo carnal e no caso ele é virgem, mas aceita perfeitamente fazer a vontade de Deus, a uns 2 meses atrás ele me pediu em casamento, temos 1 ano e 8 meses e ele diz que não temos que esperar mais nada Deus já confirmou em nosso coração o matrimônio e vamos nos casar em janeiro de 2015 estamos muito felizes e confessamos ao menos 1 vez em cada 2 meses.

    Amei o post pois eu vivo essa realidade , e louvo e agradeço a Deus por tantas pessoas que querem ser castos e santos.
    OBRIGADO SENHOR.

    • Nayara,
      Agradecemos demais o seu testemunho.
      Você fez o que deve fazer uma pessoa de fé: entregar a vida nas mãos do Senhor e orar. E a sua oração foi ouvida.
      Desejo que o casamento de vocês seja instrumento de santidade para os filhos e para todos os que os cercam.

  • Kelly

    Bom dia!!!
    Tenho uma historia complicada em relação a castidade e gostaria de uma informação.
    Realmente eh pecado comungar não estando casada mantendo relações no namoro? Mesmo havendo amor? Pedindo perdão no momento do ato penitencial?
    Gostaria de contar minha historia. Mas não publicamente . Para qual e-mail posso mandar?

    obrigada!

  • Ana Paula

    Oieee, Bom… chorei com a palestra aki :’(
    Eu tenho 18 anos e sempre quis viver uma vida casta, demorei para dar meu primeiro beijo, ele aconteceu aos meus 15 anos de idade, depois disto comecei a namorar sério com 16 anos e acabei perdendo minha virgindade aos 17, bom depois do acontecido eu me sentir um lixo, mas não desistir da minha vida casta, às vezes eu “escorregava” e acabava fazendo de novo, mas eu não desistia do meu propósito, me arrependia e tentava me guardar o máximo q eu podia de novo. O lado bom da História é que o cara q me deu primeiro beijo, o cara q eu tive meu primeiro relacionamento sério, o cara q eu perdi minha virgindade e o meu atual namorado q está querendo viver uma vida casta comigo, todos eles são o mesmo cara, e agora depois de já temos pecado ele aceitou viver uma casta comigo, sinto q ele vai ser o único homem da minha vida!

  • Livia

    Tenho 26 anos, meu primeiro beijo foi com 18 anos. Eu não gostava nem de pensar em relação sexual, acho que tenho um trauma, mas quando eu estava com 21 anos, minhas amigas me levaram para o mau caminho, elas colocaram na minha cabeça que eu deveria ter relações com o garoto que eu estava saindo e acabei aceitando. Na hora travei, fiquei com medo, mas o cara acabou me dominando, repreendendo e isso aconteceu com outros 3 meninos que saí depois da minha primeira vez, eu acabava me sentindo culpada, mas nunca deixei Deus de lado. Nunca namorei sério, mas hoje em dia não quero ficar com qualquer um. Quero me confessar com o sacerdote e me sentir abençoada por Deus.

    • Livia,
      Sinto muito por tudo o que lhe aconteceu! Pelo que entendi, sua primeira relação sexual foi quase um estupro! De fato, muitos jovens possuem bons valores, mas se não são ajudados a fundamentar esses valores em Deus, de modo que a influência do mundo não os leve com o vento, acabam sucumbindo à pressão da mentalidade dominante.

      Em suas poucas palavras, sinto que sua alma tem grande desejo de pureza. O Senhor lhe espera de braços abertos como um Pai carinhoso, para te limpar de todo pecado e para e fazer viver na esperança, deixando a culpa para trás.

      Sim, procure o quanto antes um sacerdote para se confessar, e se consagre de coração a Nossa Senhora. Nunca mais permita que um homem faça de você um objeto, pois você é filha amada de Deus. Ele derramou Seu sangue na cruz pelo bem de todos nós, inclusive pelo seu bem. Fomos comprados com sangue caríssimo! Eis que o Senhor faz novas todas as coisas.

      Grande abraço!

  • Cláudio

    Estava relendo esse post, e “por acaso” vi esse vídeo no youtube.
    Olha o programa quase educacional da década de noventa.

    https://www.youtube.com/watch?v=lp53cHBVE3k

  • Everllym

    Olá,gostaria de agradecer pelo tema abordado e pelos testemunhos isso me motivou bastante. em breve completarei 19 anos e depois de tantas recaídas no meu namoro, já estava me sentindo um “lixo” com todos os frutos do pecado na minha vida. Agora decidida a mudar o rumo do meu relacionamento, procurei na internet sobre o assunto. Amo meu namorado e quero lhe propor essa vida nova juntos, uma vida casta.
    Mais uma vez obrigada pelo incentivo e pela oportunidade que muitas das vezes nós jovens não a temos de debater claramente nossas dúvidas e partilhar experiências.
    Fiquem na paz do Senhor e no amor de Maria

  • Camila

    Sempre namorei muito, tive alguns parceiros de sexo, alguns fixos alguns de uma noite. Hj tudo isso dói em mim, pois me estraguei e não me guardei. Fui tocada por Jesus há 7 meses e decidi pelo meu SIM a Jesus e reneguei a tudo o que me afastava dele. Já faz mais de um ano que não me deito com ninguém, confesso que não está nada fácil, sinto que se tivesse um namorado que me apoiasse ele iria me ajudar a superar esse momento de provação, porém sou solteira e a carne nesses últimos dias está gritando dentro de mim… Sinto uma vontade gigantesca, pois conheci uma pessoa muito especial que sabe do meu propósito, ele entendeu mas não quis assumir um namoro santo, porem ele gosta de mim e eu gosto dele, estou enlouquecendo!!
    me ajudem

    • Camila,
      Tenha fé em Jesus. Ele só precisa que você tenha fé. Ele promete dar o cêntuplo, ainda nesta vida, a tudo o que renunciarmos por amor a Ele. Você crê nessa promessa? crê que Jesus não vai te desapontar se vc se mantiver fiel? Esse é o ponto central.

      Sobre a situação específica que vc está passando agora, temos um post que pode te ajudar a refletir:

      Periquita: se eu não der, vou encalhar?
      http://ocatequista.com.br/archives/6026

      Esse rapaz gosta de você? Mesmo? Mais ou menos, né? Parece que não passa muito de atração, já que ele nem cogita namorar sem fazer sexo. Imagine se um dia você vier a se casar com ele, e não puder fazer sexo por um longo período, por motivo de doença, viagem a trabalho ou qualquer outra situação. Ele conseguirá ser fiel?

      Já Jesus, esse sim gosta MUITO de você. Aperte os laços de amizade com Jesus, Camila! E peça a Deus um bom diretor espiritual, que possa lhe dar forças para se manter em castidade e crescer em santidade.

      Abraço!

    • Christiane

      Camila, já passei (e ainda passo, mas com menor intensidade) pela mesma situação que você e sei exatamente como você se sente.
      Posso te dizer que você está passando pela “crise de abstinência”, afinal não é fácil para o corpo mudar de hábito, não é mesmo? É quase como quando começamos uma reeducação alimentar, a diferença é que é a saúde da alma que está em jogo.

      Na verdade um namorado iria apenas prejudicar neste momento, porque sua carne ainda está gritando. Quando ela apenas gemer de vez em quando, aí sim estarás preparada e fortalecida para viver um relacionamento, vai por mim. Estou há quase dois anos vivendo a castidade e acredite, quanto mais você se aproximar da Eucaristia, quanto mais você dobrar os joelhos em oração, quanto mais você evitar as situações que levem a sua carne a gritar (aí entram leituras, novelas, filmes, fotos, festas, roupas, companhias, tudo!), mais fácil vai se tornar para você essa cruz. Sim, é uma cruz, mas quando a abraçamos com amor ela deixa de ser um pesar e se torna uma oblação. Ofereça esse “gritar do seu corpo” pela salvação das almas, inclusive a sua. Nunca tire da mente que este sacrifício tem um propósito, e este propósito te fortalecerá.

      Esse rapaz foi extremamente honesto com você, ponto pra ele por não querer assumir namoro se não tem condições de vivê-lo em santidade. Dobre os joelhos por ele, porque pode ser que através do seu exemplo ele também dê o seu SIM para o Senhor. Aí, quem sabe vocês não viverão uma linda história de amor santo?

      Espero ter te ajudado, um grande abraço pra você!

  • L

    Olá Catequista! Li o post, e me identifiquei bastante. É realmente tudo o que sinto! Tenho 19 anos e namoro a quase 4 anos, eu e meu namorado já tivemos relações diversas vezes, perdi a minha virgindade com ele e assim foi a dele também, é o meu primeiro namorado, o amo demais, nos conhecemos no Crisma. Confesso que antes de ler este post, já estava convencida que não teria mais chances de viver um namoro santo, viver a castidade. Já tentamos “dar uma pausa”, mas sempre damos brecha e caímos no pecado. Confesso que desisti de tentar viver a castidade, pois não sei mais o que fazer.

    Ultimamente ando desanimada, pq sei q não tá certo viver assim, tudo dá errado na nossa vida devido ao desânimo q vem do pecado, até a “vontade de rezar” enfraqueceu em mim, faz tempo de não comungo e isso me deixa ainda mais pra baixo, pois estou todos os domingo na missa, e sei q não posso comungar, pois preciso encontrar uma solução em relação a isso, e não encontro solução, tenho vergonha (ou medo) de dizer a ele que quero viver a castidade, não sei qual será a reação, preciso de ajuda! Ainda estou a procura desta solução!

    E hoje a chama da esperança de que ainda é possível viver a castidade no namoro se acendeu ao ler este post… já procurei tantas respostas. Mas até hj, nada tinha me trazido de volta a esperança de que é possível! Li muitos testemunhos que me deram forças tbm! Quero muito viver a castidade junto com o meu namorado, quero que nossa vida e nosso relacionamento seja cada vez mais de Deus! Tenho o sonho de me casa com ele e construir uma família. Eu o amo demais porém não quero continuar vivendo assim, não deixá-lo viver desse modo também. Preciso de um conselho sobre o que eu devo fazer… necessito sair dessa situação. Me ajudem :(

  • Lilica

    Olá,
    Este post está me auxiliando na decisão que eu e meu noivo tomamos. Nós já moramos juntos há dois anos. Mas fomos tocados de forma especial e decidimos pelo sacramento do matrimônio, a fim de nos reconciliarmos com Deus e vivermos conforme a Sua vontade. Faremos curso de noivo em Agosto, e o matrimônio acontecerá em Dezembro. Decidimos que iremos nos purificar e viver a castidade até o nosso casamento. É uma luta diária contra os desejos da carne, mas não há nada impossível para Deus! E ele nos fortalece dia após dia. O que percebo é que até a forma de olhar um para o outro melhorou, parece mais puro. Ficarei feliz em daqui há alguns meses olhar de novo este post e dizer: “Sim! Com a ajuda de Jesus Cristo nós conseguimos!”. E é isso que vai acontecer.

    Agradeço muitíssimo por exemplos inspiradores!

Deixe uma resposta

  

  

  

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>