Como me tornar um MAU catequista?

chapolin_ironico_catequistaNa época em que o Pe. Paulo Ricardo lançou o vídeo “Como posso me tornar um bom catequista?”, nós estávamos justamente preparando um post com o mesmo título. Mas o padre foi mais rápido…

Então, resolvemos levar adiante a nossa reflexão, porém, partindo do ponto de vista oposto: “Como posso me tornar um MAU catequista?”.

Reconheço que, diversas vezes, cometi alguns dos erros que apontaremos a seguir. Vivendo e aprendendo!

E você, se identifica ou já foi vítima de algum dos tipos de catequista abaixo?

1. Catequista ungido

Ele se acha tão, mas tããão inspirado pelo Espírito Santo – ô grória! – que não se preocupa em estudar os temas com cuidado, antes de cada aula.

2. Catequista PPT

Ao utilizar recursos de mídia, deixa de lado a virtude da temperança. Assim, 85% de suas aulas são realizadas por meio da exposição de slides de Power Point. Haja Redbull pro povo não dormir no escurinho!

3. Catequista Chicotinho di Zizuiz

Ao apresentar a moral cristã, dá ênfase nas proibições e punições da ira divina. Não sabe mostrar o quando a fidelidade à proposta cristã é conveniente para vida cotidiana das pessoas, nem busca apresentar a lógica e a sabedoria de Deus por trás de cada Mandamento.

4. Catequista caótico

Costuma perder o foco do tema inicialmente proposto para o dia (isso quando ele tem algum plano de aula). Começa falando sobre a Eucaristia, emenda com camisinha e termina discorrendo sobre a Inquisição Espanhola.

chapolin_analista_catecumeno5. Catequista no Divã

Não tem grana pra pagar um bom analista, então faz das aulas de catequese o seu divã. Passa quase todo o tempo da aula falando da própria vida, dos seus dramas, tragédias, frustrações, ansiedades – tudo a título de “testemunho”.

6. Catequista Embromation

Faz pose de sabe-tudo. E, quando alguém pergunta algo que ele não sabe, em vez de dizer “não sei, vou me informar e depois te falo”, o sujeito inventa qualquer coisa besta pra dizer.

7. Catequixta Xou da Xoxa

Insiste em tratar os crismandos adolescentes como crianças grandes, e promove muitas dinâmicas imbecilóides para entretê-los. Haja vela, barbante, sabão e bexigas.

É muita diverxão! Ou não…

8. Catequista #NuncaliSãoTomásdeAquino

Quando questionado sobre algum artigo de fé, diante da falta de argumentos, se safa sempre com a sentença: “Isso é dogma!”. Ele ignora que, apesar de todo o mistério o dogma encerra, podemos refletir sobre ele, a partir de bases bíblicas e filosóficas, e reconhecer a sua razoabilidade.

matrix_neo9. Catequista Matrix no seu Quadrado

Foge de temas polêmicos mais do que o Cascão foge da chuva. Passa batido pelos Dez Mandamentos, especialmente por aqueles menos populares entre a galera.

Quando algum catecúmeno lhe faz uma pergunta espinhosa, em vez de encarar a questão e responder objetivamente, dá um “Matrix” e se esquiva.

10. Catequista retrô

Por alguma razão estranha, ele acha que estamos nos anos 1920. Alimenta a doce ilusão de que todos os seus crismandos são católicos convictos.

Na sua cabecinha iludida, todos já creem perfeitamente em Deus, na divindade de Jesus e na Igreja. Então, não precisa discutir as razões desta fé, basta derramar sobre os crismandos as informações sobre a moral e a doutrina católicas (saiba mais no post “Meus crismandos são todos ateus“).

11. Catecrente

Em vez de se ater à doutrina da Igreja, incha a catequese com o fermento dos fariseus e prega um monte de regras de comportamento ultra-rígidas, como se fossem mandamentos para todos os católicos.

Ele se esquece que a maioria dos catecúmenos é de cristãos “principiantes”, e não de postulantes à vida monástica.

Demoniza a bebida alcoólica, as festas, o jogo de futebol e a depilação do sovaco.

12. Catequista Jorge Ben Jor

Acha o máximo falar uma palavra só pela metade, e fazer a turma completar o restante:

– Jesus Cristo é o Senhor do Uni…

– …verso!

Só que, bem diferente da canção do cara que mó num pá tropi abencoá por Dê, sua técnica não faz o menor sucesso. Deixa o pessoal com aquela sensação de “Tia Teteca’s class Revival”.

chapolin_cinico_2

75 comments to Como me tornar um MAU catequista?

  • João Pedro Strabelli

    Gostaria imensamente de não me reconhecer em nenhum deles. Mas, de vez em quando sou obrigado a me dar aquele tapa na testa e falar pausadamente: “Como é que eu consegui falar uma imbecilidade destas?” e vamos consertar.

  • Rafael (SP)

    O “catequista ungido” costuma se gabar de que não gosta de ler nem de estudar – “não precisa”, afinal, ele tem muita “vivência pastoral” e uma “unção forte”, rs… Só rindo mesmo! O “catequista Jorge Ben Jor” é o mais comum, e a situação fica mais embaraçosa quando ele, ou ela, faz os encontros de catequese das crianças e dos adultos com a mesma pegada, rs. Ainda que haja um lado cômico, respeito muito os catequistas, porque é preciso muito empenho para levar essa missão a um bom termo, e costumam ser pessoas muito tentadas quando não estão na Igreja… Já viu, né? O diabo gosta menos ainda de catequistas, pois são vocês os responsáveis por legar bons cristãos ao mundo, paroquianos abnegados e gente que nunca desistirá de melhorar, por amor a Jesus Cristo. Lembro de minha catequista de 1ª Eucaristia, em 1994, iniciante, bastante jovem, e atormentada pela mãe, que era contrária à vocação da filha. Em muitos encontros, minha catequista entrava em crises de choro e não conseguia terminar o que tinha preparado, por brigas e coisas desmotivantes que ouvia da mãe ao longo da semana. Era barra pesada, tivemos muitas dificuldades, mas ela persistiu até o fim e formou a turma. Tinha pele clara e cabelos castanhos longos, com ar de princesa. Espero que tenha continuado como catequista, se fortalecido em leituras e devoção, não tive mais notícia dela, mudei-me de bairro e de paróquia… Li também o artigo “Meus Crismandos são Ateus” e achei muita graça na turma de Drs. House – vida longa ao trabalho de vocês, conteúdos valiosos e ao humor também – vocês facilmente me fazem rir mais do que qualquer vídeo do “Porta dos Fundos”, ô época ruim esta, em que a comédia profissional é anti-riso!

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>