Cristãos com Piercing e Tatuagem: #QueimaElesJeová?

piercing_anjo

Afinal, fazer tatuagem e usar piercing é mesmo pecado? Depende. A decisão de fazer ou não uma tatuagem deve se basear na doutrina da Igreja sobre a MODÉSTIA, e não em uma lei especifica sobre tatuagens.

Esta é uma questão muito mais ligada ao BOM SENSO do que à obediência a uma regra. Então, temos que deixar um pouco de lado nossa a dependência de manuais com regrinhas comportamentais, e botar a cabeça pra pensar sobre o sentido que as coisas têm.

A doutrina da Igreja não fala nada sobre piercing e tatuagem, porém, ela nos ensina que a aparência de um cristão deve ser modesta, ou seja, é preciso ter simplicidade, moderação. Você pode ter vaidade e gostar de ficar bonito, mas com equilíbrio, temperança. Tudo o que é excêntrico, obviamente, não é modesto. Quem gosta de tirar onda de esquisitão, exibindo roupas, acessórios e corte de cabelo mais apropriados pra um habitante de Marte ou pra Lady Gaga, demonstra duas coisas:

  • intenção de CHOCAR as pessoas;
  • REVOLTA contra algum aspecto da vida (a família, os valores da sociedade ou da religião, ou tudo isso junto).

E aí? Isso combina com alguém que se diz cristão?

O “INTERIOR” É A ÚNICA COISA QUE IMPORTA?

Diante do que foi dito acima, muitos podem pensar: “Ah, nada a ver… . Eu tenho aparência de punk e drogado, mas sou bom filho, bom aluno e católico praticante. Não fumo nem bebo. O importante é o interior”. Tudo bem, amigo. Na minha próxima aula de catequese, ou numa entrevista de emprego, vou com um look piriguete. Chegando lá, direi: “Não me julguem pela aparência, isso é muito retrógrado! Basta de preconceito. Eu sou uma boa cristã/profissional, e isso é o que importa!”. Sinceramente, você acha que essa é uma boa ideia?

“A roupa de um homem, o seu modo de sorrir e o seu modo de andar revelam aquilo que ele é.” (Eclo 19,27)

É verdade que não devemos julgar as pessoas pela aparência; por outro lado, também não podemos desconsiderar o fato de que a sociedade possui determinados códigos de conduta. E nos acharmos “acima disso”, como se vivêssemos fora da realidade, é tolice e imaturidade.

O fato é que sinalizamos muita coisa com o nosso visual, por mais que nos façamos de inocentes e desentendidos. E, historicamente, a tatuagem e o piercing são mais ligados a costumes de tribos pagãs ou de gente que acha bonito ser anárquico, liberal e rebelde.

O piercing, especialmente, muitas vezes passa a ideia de masoquismo, de deformação e de automutilação (francamente, não há como não sentir aflição ao ver um mamilo ou uma língua perfurados, ou uma orelha mega “arrombada” por um piercing com alargador). Então, ainda que não seja esta a intenção, é muito comum que a aparência de quem usa piercing ou tatuagem remeta a essas referências negativas.

tatuagem_coccix_barriga_2

Muita gente também utiliza a tatuagem como forma de destacar as regiões mais erógenas do corpo, como os seios, a barriga, o cóccix e a virilha. Nestes casos, ainda que a imagem tatuada seja “singela” (fotos acima), a intenção da pessoa está clara: ela quer que os outros reparem muito nas partes do seu corpo que, por pudor e amor à castidade, deveria velar.

tatuagem_deusPorém, nem sempre o uso de piercing ou tatuagem resulta em um visual imodesto. Olhando a tatuagem do irlandês Ferghan McGrath, por exemplo (foto ao lado), não vejo nada de mau. Durante o 50º Congresso Eucarístico Internacional, em Dublin, ele disse que a tatuagem era a sua maneira de dizer obrigado a Jesus depois de passar por uma grande conversão. Curti milhões!!!

Então, nestes casos, se a pessoa é maior de idade e já pesou todas as consequências, não vejo problema.

A CAUTELA é fundamental. É preciso considerar alguns fatores:

  • o que me motiva a fazer este piercing ou tatuagem? Esta intenção contraria os valores cristãos ou não?
  • se eu colocar um piercing ou fizer uma tatuagem, vou ficar com um visual imodesto ou grotesco?
  • isso poderá ser um obstáculo para que eu consiga determinados trabalhos ou objetivos profissionais?
  • daqui a algum tempo, poderei enjoar desta tatuagem?

Reflita sobre estas questões, e considere honestamente se a sua consciência te acusa ou não.

Mas é importante notar: nem sempre conseguimos tomar a melhor decisão sozinhos. Então, se você está pensando em fazer uma tatuagem ou piercing, o mais seguro é bater um papo com um bom diretor espiritual, que conheça a sua vida e o contexto em que você está inserido. Na sua viagem apostólica ao Líbano, Bento XVI disse aos jovens: “Procurai bons mestres, guias espirituais que saibam indicar-vos o caminho para a maturidade, pondo de lado o que é ilusório, aparência e mentira.” (Fonte: News.Va)

É isso. Tatuado ou não, com ou sem piercing, ore e se mantenha alerta, para que você tenha a graça de perseverar como um servo fiel e amoroso de Jesus Cristo.

*****

UPDATE:

Tem muita gente vindo aqui nos comentários dizer que a Bíblia condena a tatuagem. Estão enganados! Ora, o Antigo Testamento condena a tatuagem pelo mesmo motivo que condena a confecção de imagens para culto: na verdade, o que se quer proibir é  IDOLATRIA, e naquele contexto a proibição de fazer tatuagens ou imagens era apenas circunstancial, e não lei eterna.

Reparem: o capítulo do 19 Levítico que proíbe o uso de tatuagem também proíbe que os homens cortem o cabelo em redondo e que aparem a barba. Se não interpretamos essas coisas dentro do contexto em que foram escritas, teremos que dizer que aparar a barba dos lados é pecado!

O fato é que, naqueles tempos, os povos idólatras que viviam nas regiões ao redor do povo hebreu se tatuavam. Então, os hebreus precisavam se diferenciar deles; se se tatuassem, estariam se identificando com os idólatras, assim como se aparassem os cantos da barba.

230 comments to Cristãos com Piercing e Tatuagem: #QueimaElesJeová?

  • Humberto

    Sou cristão, catequista em minha comunidade, mas vejo que muita gente não consegue compreender como devemos interagir com essas situações. Em primeiro lugar, nessa passagem em Levítico, pode-se dizer que naquele contexto não havia cristãos. Cristo Jesus veio depois. O velho testamento nos da uma base para entender a vinda de Cristo. Pois assim como marcas no corpo como foi dito, a barba também entra no mesmo contexto. Porém como isso não é motivo de polêmica, consideramos certo. As pessoas que interpretam apenas a polêmica da tatuagem simplesmente desconhece tudo o que diz respeito as sagradas escrituras. E pra finalizar, a vinda de Jesus transforma isso: o que era velho se fez novo. Ou seja, nossos ensinamentos estão baseados em Cristo Jesus e não em acontecimentos anteriores a ele. Isso é ser realmente cristão. Tanto que o mesmo reduziu de 10 para 2 mandamentos. Ou seja: Amar a Deus sobre todas as coisas e o próximo como a ti mesmo. Se você ama o próximo, você não mata, não rouba, não deseja a mulher do próximo, não cobiça, honra teu pai e tua mãe. .. Enfim, o velho se tornou novo e, quanto ao tema acima, deixo para que vocês antes de dizer se é correto ou não, estude tudo antes de dizer asneiras. Aprendi uma coisa nesses muitos anos de caminhada: o povo adora polêmica…

  • Marcela

    Ola. Só acho que um site chamado o catequista deveria saber bem que o nome de Deus segundo os manuscritos católicos é Javé e NÃO Jeová. JAVÉ, JAVÉ, ENTENDERAM?
    ÊXODO 20,7
    “Não pronunciarás o nome de Javé, teu Deus, em prova de falsidade, porque o Senhor não deixa impune aquele que pronuncia o seu nome em favor do erro.”

    • Oi, Marcela! Nós sabemos que é Javé. Mas aqui era preciso dizer “Jeová”, porque é assim que alguns crentes dizem a frase: “Queima ele, Jeová!”. É uma expressão de certo grupo protestante, ia perder a graça se a gente alterasse.

      Tanto sabemos que é Javé que temos um outro post que traz no título o nome Javé:
      http://ocatequista.com.br/archives/5418