Clichês boçais sobre a Infalibilidade Papal

revista_aventuras_na_historia_2E aí meu povo,

O que me motivou a escrever esse post foi a indignação. Assino (pelo menos assinava até a data em que aqui escrevo) a revistinha “Aventuras na História”, da Editora Abril, por dois motivos: é baratinha e bem ou mal serve como um guia de orientação para determinados assuntos. Porém, nunca ignorei o fato dessa publicação ser parcial e descarada, já que, sendo escrita por gente que se gamba de ter infruenza no meio acadêmico, dessas mentes não poderia sair coisa boa.

O problema ocorre na edição 108, página 26 – seção “Dúvida Cruel” – que fala sobre a questão da Infalibilidade Papal. Que a imprensa é composta majoritariamente de comunistas escoceses (adoram uísque), todo mundo com três neurônios já sabia, que ela é anticatólica idem; mas ainda assim continuo me surpreendendo com o nível de mau-caratismo desses seres.

Vejam o texto da revista:

“Dentro dos preceitos de fé e moral, o papa está livre de erro, pois recebe de Deus as revelações divinas. Em outras palavras: o papa não erra nunca.”

A seguir o autor desfia o mesmo velho rosário de clichês e blá-blá-blás que todo mundo conhece. Pelo menos essa bobagem, ao contrário de tantas outras, é curta; a sessão ocupa apenas uma página e tem uma foto enorme de Bento XVI. O cara teve pouco espaço, coitadinho, depois de escrever esse texto não deve nem ter conseguido ciscar em volta pra jogar areia em cima.

burro_digitando_computadorO que interessa aqui é que essa criatura nem chegou perto de entender o que significa a infalibilidade, e danou a repetir clichês boçais sem o menor compromisso com o aprofundamento. Eu sou historiador, e alguns daqueles que leem o nosso blog têm conhecimento e discernimento suficiente para saber que isso é uma armadilha da imprensa sem-vergonha que nós temos. Mas o vulgo, o povão – aqueles de inteligência mediana e sem interesse ou capacidade aprofundamento – ao ler esse tipo de coisa, acredita piamente que chegou à quintessência do saber sobre a Sã Doutrina.

Os danos que esses obtusos provocam são graves e de consequências nefastas para a vida futura de muitas almas. Vejam só a testemunho “idôneo” e “imparcial” que arrumaram para corroborar o texto:

“A infalibilidade papal foi mais uma tentativa de conter o avanço do racionalismo e, sobretudo, do liberalismo político.”

Quem emitiu essas sábias considerações foi o professor Etienne Higuet, que não conheço, nunca vi mais gordo e não estou interessado no momento em saber quem seja. Essa frase lindja quer dizer, na verdade:

A Igreja malvada e burra tentou novamente engrupir o mundo dizendo que seu líder demoníaco não podia errar. Indo mais uma vez de encontro às ideias maravilhosas que nos  foram legadas por Montesquieu, Voltaire e Rousseau.

Não é lindo? Ah, quase me esqueci de mencionar: o senhor Etienne é professor de ciências da religião da Universidade METODISTA de São Paulo. Perfeito! Para falar do catolicismo toda a “imparcialidade” dos metodistas (protestantes). Fala sério! Isso só pode ser piada.

É com esse tipo de gente que estamos lidando, emitem pelas fossas que chamam de boca tudo aquilo que deveria ser enterrado na história como lixo. A cereja do bolo, claro, envolve sexualidade; convenhamos, nesse país esquisito onde pererecas e bilaus têm uma enorme dificuldade em permanecer em seus lugares de direito – dentro das calças e abaixo dos cérebros – é uma jogada pra galera bem “ixperta bitchu”:

“Assim, para a Igreja Católica, a afirmação de que o uso de preservativos pode piorar a AIDS – feita pelo Papa Bento XVI em sua primeira visita à Africa, em 2009 – é não apenas verdade como incontestável.”

O digno escrevinhador nem tem ideia do que está falando. Será que ele sabe que durante 20 séculos só foram formulados até hoje DOZE pronunciamentos ex-cathedra, ou seja, infalíveis? Acho que não. Também não está interessado em saber, caso contrário não teria sequer publicado esse papel higiênico usado que ele chamou de matéria.

revista_aventuras_na_historia_burro_mau_caratismoPor essas e outras, seria muito mais apropriado que a revista tivesse o nome de “Mau-Caratismo Aventureiro na História“. Aí sim, estaria coerente com o seu conteúdo.

Antigamente, os detratores da Igreja eram mais inteligentes e tinham mais discernimento ao escrever contra a Noiva de Jesus. Hoje, no primado da ignorância, num país em que ser inteligente pode até te botar na cadeia e a norma é ser uma foca amestrada, capaz apenas de desempenhar algum trabalho técnico qualquer, eles já nem se preocupam com a capacidade crítica de seus leitores. Lamento, meus amigos, mas, mesmo sem ser médico, sou obrigado a assinar embaixo o atestado de morte cerebral do meu país, que converteu-se num zumbi marxista, putrefato, feminista, ateu e que não raspa o sovaco.

*****

Aqui nO Catequista, temos um artigo que aborda os DOGMAS e a Infalibilidade:

Para mais detalhes sobre a questão da infalibilidade papal, leiam também o maravilhoso trabalho de Dom Estevão Bettencourt, disponível no blog Universo Católico:

19 comments to Clichês boçais sobre a Infalibilidade Papal

  • Marcos

    Boa Paulo (tá afiadíssimo), eu em seu lugar continuava assinando a reboçal (revista+boçal), principalmente por ser baratinha (de certo vale o que cobram…hehe), vou dizer o pq:
    Vc assinando esta revista pode nos prevenir destas boçalidades antes que elas cheguem ao grande público da net, ou seja, quando este veneno destilado por um comuna que não vive sem um Jack Daniels (americaníssimo) e deve escrever ouvindo Jazz (é engraçado como os pseudo intelectuais comunas adoram este estilo de música americana), bom enfim; quando essa e outras baboseiras começarem a pipocar na net certamente seu artigo daqui do catequista já estará bem conhecido, de modo que a mentira contada pra quem sabe a verdade ficará ridícula; vide o último texto sobre o gênesis que desmentiu um monte de besteiras….
    Pax et bonvm.

  • Boa. Que tal fazermos um movimento de boicote contra essa revista, a Superignorante e outras, mobilizando os católicos a cancelarem as suas assinaturas de todas as publicações anti-católicas? Parabéns pelo texto. Mandem uma cópia para os energúmenos.

  • Luiz Guilherme

    A coisa mais irritante sobres essas desonestidades cometidas contra nós é que elas colam fácil demais. E para arrancar isso da cabecinha de alguns leva muito tempo, por mais claros que sejamos. Um exemplo; já mostrei todos os fatos que desmentem o mito da Terra plana para um conhecido meu, ele viu, ficou sem argumentos, não conseguiu de jeito nenhum rebater as minhas afirmações, e ainda assim, não acreditou em mim. Complicado… a mídia, a escola e os livrinhos de história fizeram um serviço muito bem feito com a lavagem cerebral de algumas pessoas, difícil desfazer.

    • Caro Guilherme,

      Acreditar no seu argumento significaria para o seu conhecido apartar-se do vulgo, do senso comum e ser obrigado a refletir sobre não só essa questão, mas também sobre uma série de clichês, que envolvem inclusive outros aspectos da vida. Isso muitas vezes é assustador e exige coragem. Eu por exemplo, por conta disso, chutei, sem o menor arrependimento, sem o menor pudor muitas antigas companhias da minha vida. Que Deus me perdoe. Mas tenho ao meu lado o argumento de São Tomás: Amigo é quem quer as mesmas coisas e pensa sobre as mesmas coisas.
      Fica difícil em dez minutos rebater anos de massificação. É verdade que a vida em Cristo é muito melhor, mas as perseguições, igualmente, não cessam nunca.

  • Tato Diego

    kkkkkkkk…. muito engraçado esses metodistas acusarem a Igreja Católica sobre o Papa.
    Não é de hj que sempre vejo esse povinho de esquerda querendo difamar nossos DOGMAS, mas como o próprio papa Bento XVI disse: é a “amnésia histórica”, a inversão total da realidade, é muito vigarice desse doutor acusar sem mesmo procurar as fontes.

    Por acaso estava lendo uma reportagem aqui:
    http://abcles.com.br/destaques/o-velho-e-batido-discurso-fobico-da-igreja-a-ameaca-agora-somos-s-lgbts

    olha o que o que essa estúpida falou sobre o Papa:

    “A verdade, porém, é que atrás do mistério pode-se esconder de tudo, por exemplo, a infabilidade papal”

    Só rindo mesmo, TEM NADA HAVER MISTERIO COM INFABILIDADE, santa burrice descarada dessa amuo da internet.

    Quando chamo esses inteligentes para um debate franco e Justo eles se recusam. Já sabe pq neh?

    Deficit de Q.I!

    Continuemos na verdade Paulo, muito boa a explicação.

    A Paz contigo!

  • Bem, por mais que você ensine o que é infalibilidade Papal, eles fazem força para não entender:

    “Dentro dos preceitos de fé e moral, o papa está livre de erro, pois recebe de Deus as revelações divinas. Em outras palavras: o papa não erra nunca.”

    Ele mesmo responde o que é, e no fim diz que não é. Primeiro fala que o Papa é infalível em 2 momentos e depois diz que não errra nunca, alguém entendeu este paradoxo?

    Depois da invenção do protestantismo e do iluminismo, a subversão das mentes está crescendo em larga escala!

    Parabéns pelo site, ótimos artigos!

  • Fantástico Paulao! Só uma coisa: li em um livro do Prof Felipe Aquino que a Igreja teve 20 ou 21 declarações ex cathedra. Vc podia Paulao enumerá-las pra gente?
    Praedica Verbum!

    • Paulo Ricardo

      Cadu,

      No artigo que eu citei de Dom Estevão estão listados e detalhados todos os pronunciamentos ex-cathedra. É só clicar no link ao final desde post e ir lá. Vale muito a pena.

      • Ué Paulao me parece que estão faltando alguns sim… A Ordinatus Sacerdotalis do Beato João Paulo II em que ele define perpetuamente que a ordenação só pode ser de homens usa a autoridade de São Pedro e São Paulo e usa o “definimos” se eu bem me lembro. Sei que a Congregação para a Doutrina da Fé foi questionada se esse documento possuía a autoridade ex cathedra e a CDF respondera que sim. Será que me engano Paulo? Pf se ficar sabendo dá pra gente um toque.
        Praedica Verbum!

        • Paulo Ricardo

          Bom, eu não li o livro do Professor Aquino. Dom Estevão fala em doze. Para achar o número certo acho que temos que pesquisar fontes diretas, ou seja, documentos da CDF. No próprio livro do professor ele deve indicar qual a fonte direta de onde ele tirou os dados que apresentou.

          • Acho que um Escola da Fé não um livro. Num livro ele fala da infalibilidade e de que houve nas história umas 20 declarações. Vou procurar o link.

  • Leandro Mirael

    Bom, não sei se alguém já comentou o que irei falar agora, pois estou sem tempo para ler os comentários.

    Acontece que a declaração do então papa Bento XVI, sobre o aumento dos casos de AIDS na Africa por conta do uso da camisinha como tentativa para conter a epidemia, de fato “É verdadeira!”; e, o porquê é muito simples, pois com o incentivo dos governos dos países africanos para o uso da camisinha…, o que ocorria lá pelas tantas de uma relação sexualmente ativa dos casais, era o simples fato de confiança aumentada na relação sexual, então passavam a fazê-la sem o uso do preservativo, daí, o final é dedutível (até mesmo pros caras de 3 neurônios, como se referiu o nosso amigo no artigo), mas, vai que tem menos de três…, coloco aqui o que ocorria: ‘Surpreendentemente’, se contraia AIDS, na primeira relação sem camisinha, esta, como disse, foi fomentada pela confiança trazida das múltiplas relações, que antes se fazia com a “bendita da bexiga”.

  • Felipe

    Muito estudo da doutrina, da filosofia e da historia pra acabar com os pseudo-racionalistas. Estudar mais G.K. Chesterton, Pe. Paulo Ricardo, Sto. Agostinho, S. Tomás de Aquino e etc.
    Ontem me embaralhei todo discutindo com relativistas, é meio complexo, a galera consegue relativizar a existência dela mesma.

    “Todo o mundo moderno está em guerra contra a razão; e a torre já oscila.” G.K. Chesterton

  • Gabi

    Olá, alguém me ajude por favor? Anunciaram na missa da minha paróquia que o Papa Francisco teria se pronunciado contra a redução da maioridade penal, através da CNBB…fui pesquisar e somente encontrei a nota da CNBB, mas não achei declaração do Papa… gostaria de saber, se caso haja mesmo uma declaração do Papa, se eu como católica posso ser a favor da redução mesmo assim, ou se seria essa uma declaração infalível, da qual eu não possa discordar… estou confusa, li sobre a infalibilidade, porém continuo confusa :s

  • Gabi

    Ricardo, queria saber se isso se enquadraria na infalibilidade ou não, e por que….

    • Sidnei

      O Ricardo me desculpe, mas quero participara desta conversar e responder: não Gabi, você não concordar com o Papa em certas questões como neste caso da redução da maioridade penal, que eu sou a favor, não esta indo contra a infabilidade papal, pois este assunto não se trata de dogma algum, mas sim de uma lei penas que deverá ou não ser aplicadas aqueles que muitos insistem dizer que são menores de idade, mas quando chegam perto de um que tem 1,80 de altura e mais parece um rapaz de 20, fora a cara de mau, da até medo de chegar perto, e ainda tem gente que diz que eles são uns anjos inocentes.

      • Gabi

        Obrigada Sidnei! Sim, me parece que se enquadra em uma questão de opinião pessoal, a qual existem orientações, mas que podemos seguir ou não de acordo com a maneira que analisamos e decidimos a respeito da situação… agora, com relação à leis sobre o aborto, e sobre o casamento gay por exemplo, aí seria uma questão que envolve um tema em que a Igreja já se posicionou sobre a questão ética e moral dessas práticas, e encontramos isso no catecismo da Igreja inclusive, não há como discordar da verdade. Mas a situação da maioridade penal, me parece que não há uma verdade definida pela igreja a respeito…ao meu ver, se enquadra na legítima defesa, que se encontra dentro do catecismo. Se uma pessoa cometeu um crime, ela deve ser devidamente afastada da sociedade para que a sociedade possa ser protegida de suas ações. A cadeia não é um mero castigo, é uma proteção da sociedade, e prender alguém não é descartar a pessoa, é mante-la afastada da sociedade para que não volte a ferir mais ninguém. Se a pessoa quiser se arrepender e mudar de vida é outra história, mas a função da cadeia não é recuperar ninguém, mas é a legítima defesa. Qualquer pessoa pode se arrepender e querer mudar de vida, mas isso não depende de ninguém mais além da própria pessoa querer…é verdade que nossas cadeias são degradantes, mas deixar de prender as pessoas por causa disso não é solução. Quem acha errado prender porque a cadeia é degradante deveria lutar por mais cadeias, e melhoria das condições, e não por prender menos gente. E quem acha que as pessoas podem ter uma chance de mudar de vida, pode tentar falar de Jesus e bons valores pra quem tá lá, mas ninguém vai mudar se não fizer a sua opção individual de mudar, então dizer que dar aula e bolsa família vai fazer os menores não voltarem a cometer crimes, porque lhes faltou oportunidade na vida, é um grande erro. Esse pensamento associa pobreza de bens materiais e de conhecimento ao caráter, mas creio que caráter depende mais de valores espirituais e criação familiar do que livros, matemática e dinheiro. Na verdade muitos não conheceram mesmo foi o amor, outros conheceram e fizeram sua opção pelo mal mesmo assim. Recuperar um jovem não requer ensino educacional apenas… requer primeiro: ele querer mudar de vida, segundo: ele precisaria aprender a reconhecer o valor da família, o valor da espiritualidade, e decidir-se por fazer o que é certo. Decidir pelo certo, ok, requer escola e profissionalização para ter uma vida honesta, mas isso, pode parecer mentira, mas isso não é assim tão difícil…quer dizer muitos dos jovens envolvidos com tráfico de drogas inclusive já frequentam escolas…então essa ideia de que falta acesso, que eles são criminosos só por que são excluídos de acesso à coisas materiais, é uma mentira. O essencial mesmo está naquilo que o Estado não pode oferecer: educação moral familiar, e sobretudo na opção da própria pessoa:que caminho ela quer seguir. Bem, essa é a minha opinião…e eu sei que muita gente faz crer que é muito malvado ser a favor da redução da maioridade penal, mas acho que as pessoas estão com uma visão um pouco limitada da situação.

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>