Fumar não é pecado. Fuma essa manga!

perpetua_bebida_fumo_pecado_tietaApós a leitura do nosso post sobre o consumo de birita, alguns leitores, por meio de comentários no blog e no Twitter, pediram que explicássemos melhor a questão do cigarro. A dúvida do pessoal é: “Como assim fumar não é pecado, se todos sabem que o cigarro é prejudicial à saúde?”.

Antes de tudo, que fique claro: o nosso objetivo aqui é comunicar a doutrina da Igreja, muito mais do que as nossas opiniões pessoais. Não devemos confundir uma coisa com a outra. Por mim, ninguém no mundo fumaria (com exceção do Clint Eastwood no cinema, que fica lindo!), mas não há nada no magistério da Igreja que nos dê base para afirmar que fumar cigarro, cachimbo ou charuto seja um mal em si.

O Catecismo da Igreja se restringe a condenar o ABUSO do fumo:

“A virtude da temperança manda evitar toda espécie de exceção, o abuso da comida, do álcool, do fumo e dos medicamentos.” (CIC, 2290)

Viu? Fumar moderadamente não é pecado. Fuma essa manga! Conheço muita gente que consome alguns poucos cigarros (à base de tabaco, hein!) uma ou duas vezes por semana, ou que fuma um charuto eventualmente. E, até onde sei, não há estudos que provem que o fumo em tão poucas quantidades cause algum dano relevante à saúde. Aposto que isso é menos nocivo ao corpo do que muita porcaria que a gente come tranquilamente nos fast foods da vida, sem que nenhum moralista venha nos incomodar.

Por outro lado, como a nicotina tem uma grande capacidade de causar dependência, a maioria dos fumantes acaba mesmo abusando das baforadas. Consequentemente, infringem o 5º Mandamento – Não Matar – que nos obriga a ter zelo pela nossa própria vida. “Sendo assim, o melhor é evitar o fumo!”, muitos vão dizer. Concordo 100%! Mas repito: isso fica a critério de cada um. Se o cara acha que pode fumar numa boa, sem meter o pé na jaca, não há uma linha nos documentos da Igreja que nos autorize a apontar o dedo pro sujeito e dizer que ele está pecando.

Pclint_eastwood_cigarroensem: se a Igreja considerasse que o ato de fumar fosse um mal em si, por que teria se limitado a proibir o seu abuso? Se assim fosse, teria simplesmente declarado que o uso de cigarro, charuto ou cachimbo é imoral, e ponto! Mas não o fez.

Então, se você detesta o hábito do fumo e procura fazer com que as pessoas que você ama fiquem longe dele, bacana. Só não venha distorcer e usar a doutrina católica para encher o saco de quem fuma moderadamente. Ah, e seja qual for o caso… deixe o Clint Eastwood fora disso!

*****

E aí, você sabe quem são os três cavalheiros da foto que está no topo do post? No meio, vemos Joseph RATZINGER, hoje Papa Bento XVI, tomando umas cervas ao lado de dois fumantes. O homem de óculos é Karl RAHNER, sacerdote jesuíta e um dos mais importantes teólogos do século XX; o outro é o Pe. Martin BIALAS, ex-aluno de Ratzinger e seu amigo de longa data.

59 comments to Fumar não é pecado. Fuma essa manga!

  • Carlos Santana

    Minha cara, não concordo com esta interpretação Se o cara acha que pode fumar numa boa, sem meter o pé na jaca, dado que o fumo tem mais 4300 substâncias quimicas e isso mesmo em pouca quantidade tem o potencial de causar danos ao corpo sim (nosso corpo não nos pertence como diz as Sagradas Escrituras não é mesmo?). Sabemos que cada corpo tem um comportamento ou uma resistência diferente (uns com um gole de bebida por exemplo já se embriagam). Então essa de se o cara acha não está correto. Eu te pergunto: uma quantidade pequena de veneno pode matar? Sim, pode. ao menos sequelas vão deixar.
    Portanto, creio que tudo que fizermos maltratando nosso corpo é pecado.
    Outra pergunta: usar piercing é pecado? fazer tatuagem é pecado?
    Outra coisa que você comentou, comer coisas que nos fazem mal também está na mesma linha de maltratar o corpo. Se sei que o refrigerante causa mal à saude, por que deveria tomá-lo? Ah! porque é gostoso, poderia dizer. Tem um padre do deserto que dizia que nosso corpo é igual a uma criança mimada. Vivemos o tempo todo enchendo-o de vontades e mimos que em geral não fazem bem. Precisamos discernir melhor e ficar com aquilo que é bom (como dizia São Paulo)

    • Oi, Carlos!
      Vc diz que o fumo, mesmo em pequenas quantidades, tem potencial de causar danos ao corpo. Será? Não sei, não. Há estudos que apontam isso? Seriam danos relevantes? A partir de que quantidade e frequência de consumo? Mostre-me conclusões médicas, estudos.

      Ah, e eu não interpretei nada, só comuniquei a doutrina da Igreja. Quando você diz “creio que tudo que fizermos maltratando nosso corpo é pecado”, está certíssimo. Porém, há gradações disso, e devemos ter muito cuidado para não sermos moralistas, legalistas… farisaicos. Até comer um hamburger do Burger King e tomar um refrigerante, deste ponto de vista, pode ser apontado, farisaicamente, como um pecado.

      Enfim, reforço que a nossa intenção aqui foi ir além do campo das opiniões, e olhar a questão do fumo de forma mais objetiva, especialmente do ponto de vista teológico.
      Eu não gosto de cigarro, não gostaria que nenhum parente meu fumasse – nem pouco, nem muito – porém, repito, a doutrina da Igreja NÃO me dá suporte para censurar quem fuma moderadamente. Do mesmo modo, também faço o máximo para que meus filhos não tomem refrigerante, mas deixo de vez em quando, pq não sou fanática a ponto de achar que eles vão sofrer danos relevantes por causa disso.

      Por exemplo: muitas vezes eu conversei com crismandas minhas sobre a roupa que elas costumavam usar para ir à Missa, que deveria cobrir mais o corpo etc. Olhei, vi a menina de mini-saia na igreja ou algo assim, e logo identifiquei que estava em evidente desacordo com o que a Igreja nos pede. Entretanto, se acaso, ao passar na frente de uma charutaria, visse um crismando curtindo um charuto cubano, eu não teria a mesma iniciativa. Você pode dizer que ele está “mimando” o seu corpo… Ok, pode ser. Mas não pode dizer que ele está pecando. Se formos levar este conceito de “mimar” o corpo a ferro e fogo, teremos todos que abolir o hábito de dormir sobre colchões, e teríamos que nos deitar sobre tábuas. Quem quiser fazer isso (e muitos fazem) como penitência, maravilha! Mas não podem apontar o dedo para os que dormem em colchões fofinhos e dizer que eles estão pecando, pois “mimam” o seu corpo.

      Sobre o uso de tatuagens e piercings, isso é ouuuuuutro assunto, que merece um post. Já recebemos este pedido pelo Twitter, e publicaremos algo aqui em breve.

      • Carlos Santana

        Pois é Viviane. Bem vocês como catequistas devem também falar sobre outros fatos que acontecem na vida da Igreja. Tantos santos tiveram experiências místicas e revelações. Claro, são revelações privadas, não deixo de ser católico se não crer nelas. Mas por exemplo, Nossa Senhora em Fátima nos deu recados através dos pequenos pastores pedindo a oração, sobretudo a reza do Terço do Rosário todos os dias, e a penitência, a mortificação nas coisas agradáveis e lícitas, pela conversão dos pecadores e pela nossa santificação e perseverança. Veja que ela disse mortificação nas coisas agradáveis e lícitas, como o fumo por exemplo, ou a “birita”. Gostaria que vocês, que tem melhor formação do que a maioria, informassem se teve algum santo que vivenciou essa coisa de uso de drogas lícitas, pois para todos nós a vida dos santos são uma escola para nós que procuramos ser católicos. Essas drogas não explicitamente condenadas, mas por que será que os santos (pelo menos os mais conhecidos) rejeitavam? Deixo essa para meditarmos…

        • Carlos, publicamos este texto porque achamos importante dar uma cutucada no farisaísmo que envenena as nossas comunidades. Diante da resposta que tivemos, percebemos que é um tema mais do que importante: é urgente! Não pelo assunto do cigarro em si – fumar ou não fumar, que é pouco relevante – mas pelo dedo que colocamos nessa nossa ferida infectada de moralismo.

          Sobre os Pastorinhos de Fátima (eu creio muuuuuuito nessa revelação privada), um anjo, ao vê-los brincando inocentemente, lhes chamou a atenção, pois estavam perdendo tempo com coisas vãs, quando deveriam estar rezando e se penitenciando. O anjo estava certo? Claro, eu é que não vou ser besta de contestar. Agora, eu te pergunto: devemos tratar assim todas as nossas crianças? Todos os pais católicos, ao verem seus filhos brincando, devem ralhar com eles e mandá-los rezar e fazer penitência pela conversão dos pecadores? Ora, aquelas crianças receberam um chamado especial, e foram devidamente preparadas para aguentar o rojão que lhes caiu sobre a cabeça. Até a Santa Comunhão elas receberam da mão do Anjo.

          Então, os pastorinhos passaram a rejeitar as brincadeiras, as danças, e só viviam para rezar e se penitenciar. Que grande graça de Deus!
          Mas devemos, por isso, olhar torto para as crianças que brincam, que dançam? Deus as ama menos por isso?

          Então, todos são chamados à mortificação, às práticas de penitência, mas o formato e a intensidade disso não são impostos. Uma pessoa que bebe e fuma pode ter práticas de penitência e de mortificação que vc nem imagina. Só Deus vê, só Deus sabe. Santa Teresinha do Menino Jesus tinha uma vida de mortificação intensa, mas era tudo tão pequeno, tão discreto e silencioso, que suas irmãs de hábito não percebiam, e a maioria achava que ela não passava de uma mosca morta. Até porque essas coisas não se fica divulgando por aí. “Ah, eu sou santinho, não danço, não bebo, não fumo, me chicoteio todos os dias, só como alface, uso silício…”. É no mínimo estranho ficar fazendo propaganda das práticas de mortificação pessoais. Já ouvi falar que o Papa João Paulo II se autoflagelava, mas, enquanto ele estava vivo, isso nunca chegou ao conhecimento geral. Só depois que ele morreu é que um sacerdote muito próximo revelou.

          Como vc viu no comentário da Anne, diversos santos fumaram e beberam. Até Padre Pio, um dos maiores penitentes que já existiram, tomava umas cervejas vez ou outra (era parte da alimentação regular do convento).

          Já fizemos um post sobre as práticas de penitência para a Quaresma ( http://ocatequista.com.br/?p=4545 ), mas há algum tempo vínhamos pensando em um post explicando melhor esta questão da mortificação e da penitência de modo geral. É realmente muito relevante. Tá na nossa lista… um dia sai.

      • Leilah

        E salvo engano meu, o Beato Papa João 23 fumava seu cachimbinho e ninguem no processo de beatificaçao apontou isso como obstaculo, nem mesmo o advogado do diabo.

  • Victor Picanço

    O oxigênio é oxidante (sic), logo, respirar também degrada nosso corpo…

  • Bruna Lima

    Perguntinha de quinta série: a pessoa que fuma, tipo todo santo dia, pode comungar normalmente? (pq eu já ouvi catequistas dizerem que não…)

    • Oi, Bruna! Sua pergunta é bem relevante, sim.
      Vamos lá… Fumar todos os dias é maléfico para a saúde? Sim, é! E por isso é um pecado mortal? Não, em geral, não é.
      JAMAIS vi nenhum texto da Tradição da Igreja que dê suporte à afirmação de que fumantes – mesmo os que fumam muito – vivem em estado de pecado mortal e, portanto, não podem comungar. Quem disser isso está fazendo uma INTERPRETAÇÃO particular.

      Veja, o fumo em excesso pode causar a morte da pessoa, mas isso é um perigo remoto, e não iminente. Então, trata-se de um pecado venial. Agora, se a pessoa recebeu um parecer médico que diz: “olha, no seu estado, se você não largar o cigarro agora, morrerá em poucos meses!”, e ela continuar fumando, então, estará incorrendo em pecado grave, pois o perigo de morte é iminente. Se fumar, vai morrer logo, e na certa. Então, neste caso específico, não pode comungar.

      Também é preciso considerar de modo especial os casos de mulheres gestantes. Os estudos científicos revelam que, em maior ou menor grau, o fumo sempre traz males para a criança que está sendo gestada. Então, não precisa ser nenhum teólogo genial para perceber que se trata de um pecado mortal. A mãe, depois do próprio Deus, é a primeira que deve proteger e querer o bem de seus filhos, e se, ao contrário, causa dano voluntário a eles, está pecando gravemente. Se a gestante fumar em público, ainda comete um segundo pecado: o escândalo.

      Mas, de mogo geral, salvo os casos graves acima observados, quem fuma, ainda que diariamente, pode comungar SIM.

  • Vivi minha cara você falou o que precisava ser dito mas cuidado em interpretar certas circunstâncias que caberia melhor um julgamento eclesiástico antes. O caso que vc citou da pessoa que fuma muito acho que teria sido mais prudente encaminhar a uma autoridade canônica antes.

    Meus conhecimentos do Direito Canônico são um pouco limitados mas tenho algumas noçoes da Leis da Igreja. Por isso só vou dar esse puxaozinho de orelha mas de resto tudo perfeito! Não podemos querer moldar nossas opiniões limitadas nas opiniões infalíveis da Igreja. No Credo rezamos :” Creio no Espírito Santo, na Santa Igreja Católica,…” se cremos na Igreja cremos no que ela nos diz.

  • Boa tarde.
    Fumar não é pecado e pronto. Assim como beber também não o é. Com relação à “fumar moderadamente” não significa fumar um cigarro por dia necessariamente, mas não fazer do fumo um ídolo e deixar de alimentar a família para comprar cigarro, por exemplo.
    Também não entra na minha cabeça aquela conversinha “não pode fumar, beber, comer gordura porque te faz mal e você está se matando, isso é pecado”. Cuidar da saúde é uma coisa, transformar nosso corpo em um deus e querer viver 180 anos é outra. Não podemos esquecer que, por trás da maioria das pesquisas científicas publicadas na grande mídia estão interesses macabros. Há pesquisas que desmistificam o “fumo=morte”. Recomendo o áudio http://www.youtube.com/watch?v=tQfHPbgS53g que explica melhor isso. Não soa estranho que todos os ativistas anti-fumo ao mesmo tempo promovem o uso e legalização de drogas? Se fumar pode colocar sua saúde e vida em risco, andar de bicicleta em uma rua na cidade de São Paulo é mais “irresponsável” ainda. É claro que devemos cuidar de nossa saúde, mas o que pregam hoje é maluco.

    Só pra deixar claro, não sou fumante.

  • silvana Gomes

    Todo e qualquer vício é pecado. ok

    • Silvana, fumar é um ato neutro: não é bom nem mau em si.
      Para que, por meio deste ato, a pessoa peque, é preciso haver ABUSO. Isso é o que diz a doutrina da Igreja. E só.

  • Rafaela

    O Padre Léo dizia que o cigarro é o incenso do diabo…E Jesus também disse que quem quiser ir para o Céu, teria que renunciar a sim mesmo.
    Aliás, não entra na minha cabeça que fumar é algo prazeroso…Pra mim isso é querer ser que nem dragão! 🙁

    • Incenso do diabo? KKKKK, esse Padre Léo era bem criativo!
      E eu que pensava que o capeta se ocupava mais em plantar no coração dos homens o egoísmo, a hipocrisia, a ganância, o orgulho, a apostasia, a libertinagem… Mas não! Ele passa boa parte de seu tempo tentando os seres humanos a dar uma tragadinha em um rolinho de tabaco! KKKKKKK!

      Bem, na foto que postamos do Ratzinger, ele não parece nem um pouco incomodado com a fumaça que seus companheiros (ou seriam chaminés do diabo? rsrs) estavam fazendo.
      E, ademais, uma declaração do Padre Léo não pode ter mais crédito do que o Catecismo da Igreja, que não diz nada parecido com isso. Que baboseira!

      Agora, se fumar é bonito ou não é, é prezeiroso ou não é… isso não está em discussão aqui.

      • Pode ser que as palavras do Padre Léo não tenha mais crédito que o catecismo, mas o padre Léo foi durante muitos anos fumante inveterado e mesmo depois de tempos sem fumar o organismo mostrou a ele, o preço do vício que o fez morrer relativamente jovem aos 45 anos.A última palestra que ele deu em vida mostra que anos de vício do cigarro não tem graça.Viviane, eu tive vários casos próximos de mim de pessoas que também morreram por complicações de anos de vício: um professor de faculdade, meu padrinho de batismo, um amigo de infância, fora outras que não conseguem mais falar direito.Agora se padres e bispos fumam, bebem, temos que rezar por eles e não fazer disso um “EXEMPLO” a ser seguido e aplaudir como isso fosse uma grande virtude.Desde o início dos anos 2000, se eu não me engano, a OMS, Organização Mundial de Saúde, considera o fumo ao lado da bebida alcoólica uma droga, lícita, mas uma droga.E a repeito de drogas, o catecismo da Igreja Católica chama atenção sobre isso, em dois momentos:
        – No artigo 2291, o CIC fala: O Uso da droga causa gravíssimos danos a saúde e à vida humana.Salvo indicações estritamente terapêuticas, constitui falha grave.A produção clandestina e o tráfico de drogas são práticas escandalosas; constituem uma cooperação direta com o mal, pois incitam a práticas gravemente contrárias à lei moral;
        -No artigo 2211, o CIC chama atenção sobre a proteção da segurança e da saúde, sobretudo em relação aos perigos, como drogas, pornografia, alcoolismo, etc.
        O catecismo não faz distinção entre drogas, se lícita ou ilícita, mas o CIC, certamente deve fazer menção a passagem de I Cor 6, que fala que o corpo é templo do espírito santo e não podemos emporcalhar com coisas que não fazem bem.

        • Leniéverson,
          Você disse que Pe. Léo “foi durante muitos anos fumante inveterado”. Então, podemos entender que ele abusou do fumo, certo?
          Da mesma forma, ingerir bebidas alcoolicas não é pecado, mas abusar da ingestão de bebida é.
          Repito: o Catecismo não condena o fumo moderado.

          “….se padres e bispos fumam, bebem, temos que rezar por eles e não fazer disso um ‘EXEMPLO’ a ser seguido e aplaudir como isso fosse uma grande virtude.”
          Acaso fizemos isso? Onde está escrito isso em nosso post? Apenas dissemos que, se uma pessoa bebe ou fuma moderadamente, não há mal nenhum. Quem disser que isso é imoral, está contrariando o Catecismo da Igreja Católica, que diz que não é.

          Se padres e bispos fumam e bebem, eu não vou rezar por eles, pois isso NÃO É PECADO! Salvo, evidentemente, os casos de abuso.

          Você citou o artigo 2291 do CIC. Leniéverson, não força a barra… Faz favô. O CIC, neste ponto, está evidentemente falando de drogas ilícitas. Presta atenção: fala em “tráfico”, “falha grave” e incitação de práticas contrárias à lei. Nada a ver com cigarro, que não possui efeito narcótico. Pelamor…

          Não entendi também porque você citou o artigo 2211 do CIC. Drogas, neste artigo, por coerência com os demais artigos, quer dizer drogas ilícitas. O CIC trata do fumo no mesmo artigo em que trata de bebida e de alimentos, ou seja, coisas que não são más em si. Esse 2211 artigo, entretanto, fala de coisas más desde o princípio. E alcoolismo é fruto do ABUSO do álcool, não tem nada a ver com o seu uso moderado. Pela milésima vez: não demonizem aquilo que Jesus abençoou nas Bodas de Caná! Não duvido nada que alguns católicos moralistas de hoje passassem um pito na Virgem Maria porque ela convenceu Seu Filho a disponibilizar birita da boa naquela festa. “Que isso, eu não esperava isso da senhora! Uma mãe de família, uma viúva honesta, desviando os nossos jovens… blá-blá-blá…”

          Definitivamente, o Fantástico e o dotô Drauzio não nos permitem pernsar fora da caixa. Só Jesus na causa!

  • Paulo Ricardo

    Olá meus caros,
    Po tabela, meus textos devem fazer mal a saúde, pois eu sou fumante. Não sou do tipo chaminé, fumo em média 7 cigarros por dia. E sim, fumar dá prazer, é relaxante e terapêutico. Não paro porque não quero e porque Deus não ordenou-me. Posso ter um infarto ou efisema? Decerto. Mas não quer dizer que foi o CIGARRO a fonte do mal. Conheci gente que padeceu de câncer no pulmão sem NUNCA chegar perto de um cigarro e para o governo das !xiliquentas anti-cigarro” nove entre as dez pessoas mais velhas do mundo são fumantes ou ex-fumantes.

    A pergunta principal, parece, o cérebro embotado de muitos de vocês é incapaz de fazer: que estudos, bwana? Só porque um débil mental com diploma de dotô aparece no Fantástico dizendo os horreres disso e os horrores daquilo são incontroláveis mediante determinados hábitos, todo mundo inunda o fulano de credibilidade.
    É triste ver como a preguiça mental embotou as capacidades cognitivas de muitos católicos. Aprendam a pensar, por favor. A quem interessa esse controle maciço, qual a real importância dos controles das rotinas humanas? Apenas vejam ao longo da história a evolução desse tema. Como o controle e a ojeriza programa não só ao hábito, mas aos seus praticates foi se consolidando.

    P.S. Linda McCarthney morreu mais podre por dentro que laranja de fim de feira sendo uma vegan radical. Lady Laura, mãe do Robertão morreu aos 96 fumando cachimbo.

  • Agatha Bueno

    Não fumo e bebo por uma questão de saúde.
    Aliás o cigarro não está associado somente a incidência do câncer de pulmão, mas também a outros tipos de carcinomas como o de boca, estômago, laringe, faringe.
    O problema não consiste no simples ato de fumar eventualmente ou beber moderadamente, é a combinação da nossa vida moderna: sedentarismo + álcool + cigarro + stress + alimentação desequilibrada.
    Como nosso corpo pode permanecer saudável e resistente desta maneira ??

    • Agatha,
      Temos que aprender a pensar fora da caixa, a sair um pouco da mentalidade a que somos programados pela mídia e e olhar as coisas com um pouco mais de serenidade e objetividade. No post, não estamos contestando se cigarro faz mal ou não, mas sim dizendo que o fumo moderado nã é pecado. Ponto.

      Sou sedentário, durmo pouco, tenho uma vida estressante, não fumo, bebo raramente, não tenho uma alimentação exemplar. Essa é a minha vida. E daí? Cadê o pecado? É isso que estamos discutindo. Óbvio que ser sedentário não é o ideal… mas é pecado?
      Vamos pensar e parar de repetir chavões, com os quais nos doutrinaram desde a mais tenra infância.

      • Agatha Bueno

        Não acho que é pecado fumar, assim como beber, como ter divertimentos saudáveis(barzinho, cinema, teatro).
        Eu acho praticamente impossível ter uma vida extremamente regrada, a não ser que você seja um atleta. Dormir 8 horas por dia,se alimentar adequadamente, não fumar, beber moderadamente e se exercitar. Eu por, estilo de vida busco ter uma vida saudável, por questão de qualidade de vida, visto que isso influencia diretamente nos meus estudos, por exemplo.
        Se nosso corpo é templo do espírito santo, não seria conveniente melhorarmos o que é possível ?! O que é possível..óbvio..!!
        O problema das pessoas é serem neuróticas. Eu malho de segunda a sexta, como meus doces no final de semana. E se eu gostasse de fumar, fumaria…!!

  • Victor Picanço

    Eu costumo pensar do seguinte modo: em geral, os atos por si só não são pecaminosos. P. ex., fazer sexo é pecado? Depende… fora do casamento, com certeza é! Mas o ato por si só, não.

    O simples ato de fumar não é um mal de per si. Mas se a pessoa for viciada, virando escrava do cigarro, certamente estará pecando.

  • Fumar faz mal a saúde? Sim. É um pecado então necessariamente grave? Depende. É um bom hábito? NÃO. É algo que pode causar males quase irremediáveis? Sim. É uma indústria poderosa que está matando a saúde humana? Sim e não.

    Amados isso aqui é como a bebida. A Igreja nunca nos disse que seja um pecado. Mas ela NUNCA JAMAIS encorajou o uso do tabaco. A temperança é necessária em tudo. Eu ODEEEIIOOOO CIGARRO! Acho a coisa mais horrível pra se fazer,x mas nao posso acusar quem fuma de pecador sem o julgamento prévio da Igreja. Somente isso.

    • Ué Vivi foi modo de expressao. Obvio q existem coisas mais graves mas eu, eu Cadu, acho que é nao ouvir o obvio e tambem incomodar os outros. Respeito totalmente quem é fumante mas eu odeio. Opiniao. Nao segrego. É so opiniao.

  • Oscar Niemeyer aos 100 anos
    Estrevista ao “Conversa Afiada”

    “Paulo Henrique Amorim – Come de tudo?
    Oscar Niemeyer – Como muito pouco, não gosto de comer muito. Tomo meu vinho de tarde.
    Paulo Henrique Amorim – Fuma?
    Oscar Niemeyer – Fumo. Agora estou fumando mais.
    Paulo Henrique Amorim – Mas o médico não reclama? O coração, essas coisas.
    Oscar Niemeyer – O médico vem aqui de vez em quando, eu chamo ele para bater papo, para dizer que está tudo bem, me sinto à vontade.
    Paulo Henrique Amorim – E fuma na frente dele?
    Oscar Niemeyer – Ele diz que posso fumar.

    Algumas pessoas da equipe de Oscar Niemeyer, que estão com ele a mais de 20 anos, declararam que o gênio nunca esteve tão criativo.”

    http://negociosnainternet.blogspot.com.br/2007/12/oscar-niemeyer-aos-100-anos.html

  • Seguinte: risquei o Drauzio Varella da minha audiência depois que ele tratou o uso do cigarro como se fosse um vício do tipo crack ou cocaína. E ele defende o uso da maconha. Dá para confiar em uma pessoa assim? Não gosto de cigarro, não fumo, e, na minha condição hoje – estou com um violento ataque de sinusite e tosse – se alguém viesse fumar perto de mim, eu morreria sufocada. No mais, acho que cada um sabe cuidar de si e sabe que vai prestar contas disse, se enfiar o pé na jaca. Então … Vamos deixar as pessoas virarem adultas responsáveis por seus atos?

  • andré fernandes

    Sinto ter de vir aqui calar a boca de tds vcs! Dps do meu diálogo centoequarentacaracterizado com a Vivi no twitter, fiquei abismado: será q fumar não é mesmo pecado? Depois de conversas com alguns Padres (que óbvio concordaram comigo e me deram informações surpreendentes que eu não sabia), chegamos a conclusão de que é PRATICAMENTE (olha o modalizador!) IMPOSSÍVEL o ato de fumar ser dissociado de um forte viés pecaminoso.
    Primeiro de tudo, fumantes passivos! Quem convive com um fumante tem MUUUUITO mais chance de ter problemas de pulmão do que o fumante propriamente dito (isso não é novidade pra ninguém): então não seria pecado colocar a saúde de outrem em risco em detrimento de um prazer individual? Logo, todos os que fumam na presença de não fumantes (MESMO QUE ESSES DIGAM NÃO SE INCOMODAR, já que eles já se acostumaram com o cheiro, mas não estão cientes dos danos ao pulmão) está cometendo ato pecaminoso e precisa se confessar com urgência, segundo meus “consultores” rs eclesiásticos. Se você só fuma na ausência de humanídeos ou até de bichinos, calma, não é hora de tirar sua culpa ainda: existem SERES INANIMADOS! Se você fuma em local que tenha parede, poste, móveis (sofá, cama, etc), cortinas ou similares saiba que a nicotina impregna nesses ambientes POR MESES! Isso mesmo, se quando fumou estava sozinho em casa, mas quando seu filhinho chegou encostou a cara na parede pra contar até 10 no esconde-esconde VOCÊ ESTÁ O MATANDO AOS POUCOS (o exemplo se estende a qualquer ser humano e em quaisquer recintos). Nesse caso, o fumo também é pecado grave. Ok, vamos dizer que você só fume em um campo aberto, sem paredes num raio de 2 km, e sem pessoas nem gado próximos, aí sim – SE (E SOMENTE SE) você fumar numa quantidade que não faça mal ao seu organismo (“não matarás”), pode levantar as mãos pro alto que o cigarro não te levou ao pecado. Será? Brincaderinha, amiguinhos, porque a expressão “fumar moderadamente só existe na língua portuguesa, não na vida real! Até pessoas que fumam menos de 4 cigarros por dia (praticamente metade da qnt do caríssimo Paulo) TRIPLICAM suas chances de contraírem doenças cardíacas! Tem muitos mais dados, mas já praticamente aniquilei a possibilidade de o fumo não ser considerado pecado, então paremos por aqui. Queria só deixar claro meu desapreço pela atitude DESESPERADA de vocês de justificar um problema mundial de saúde pública com algumas exceções: “Ah, Oscar Niemeyer, ah Lady Laura, ah me leva pra casa…” Meus filhos de Maria, se esses dois e outros gatos pingados chegaram a velhice fumando isso não quer dizer nada, aliás, vocês sabem se eles não mataram pessoas através do fumo passivo? A coisa é muito mais complexa, não cabe nesse comentário e nem muito menos coube nesse post de poucas linhas com uma tirinha de quadrinhos. A Igreja não foi mais clara no Catecismo porque ela conta com nossa capacidade de interpretação: “evite o abuso do fumo”. A Igreja ACERTOU, vocês foram quem eraram na interpretação. Ao falar “abuso do fumo” a Igreja deixou em aberto à ciência e a medicina determinarem o valor do abuso. Como eu mostrei, 4 cigarros já é abuso gravíssimo. Parece que vocês, sem pesquisar antes, tomaram por abuso “dois maços/dia” e começaram a usar freneticamente a expressão incompreensível “fumar moderadamente” e a esquecerem dos coitados fumantes passivos!! Além disso, com esse post tresloucado, vocês abrem brecha para que Católicos que “fumam moderadamente” passem a resistir às investidas dos familiares a largar o vício (4 cigarros = vício)! Pior: apesar do blog terem muitos leitores adolescentes, vocês em hora nenhuma ressalvaram que – independente de pretexto ou quantidade – quem é menor de 18 anos e fuma comete pecado gravíssimo!!! E mais pior ainda: vocês usaram o pretexto de o Santo Padre estar cercado por dois Padres fumantes pra justificar que não é pecado O.o Desde quando Padre não peca? E Papa? Então pra quê serve a Confissão Diária dele? Menos por favor… Termino com um apelo: usem o blog para o BEM! Falem das congregações religiosas, do dia-a-dia de um seminário, de uma campanha em prol da AIS, estou dando exemplos aleatórios mas não queiram contribuir para que fumantes tenham uma arma em prol de seu vício (4 cigarros = vício). Salve Maria. Espero que vcs não respondam meu post com exemplos soltos nem argumentos do senso comum, mas sim leio, aceitem, balancem a cabeça e peçam perdão a Deus pela mancada em pleno mês Mariano. Se hesitarem em concordar comigo, pelo menos subam o nível e – como eu – procurem Sacerdotes com alto conhecimento canônico para defenderem seu ponto de vista (acho difícil encontrarem…). Boa noite, Salve Maria. // Fragmento complementar 1: ” a fumaça do cigarro que fica impregnada nos locais em que se fuma também é nociva.
    Essa fumaça liberada e que carrega a nicotina penetra nas paredes, móveis e cortinas durante meses. A nicotina depositada reage com o ácido nitroso do ambiente e forma nitrosaminas cancerígenas específicas do tabaco.”; FC2: “a fumaça do cigarro pode resultar altamente perigosa, para todo mundo, tanto quanto para os que inalam, ou seja, além do lento suicídio, o fumante está causando a insalubridade de todas as pessoas que lhe rodeiam.”; FC3: “As crianças são os mais expostos aos efeitos das TSNA, já que permanecem em contato direto com os elementos citados, chegando em muitos casos a passar suas línguas sobre os objetos contaminados. Ainda que os fumantes atuais conscientes já sabem do veneno que levam a boca e só fumem em locais abertos, suas roupas ficam impregnadas de fumaças com alto conteúdo de nicotina, motivo pelo qual são contaminadores em potencial.”; FC4: “Em comparação com pessoas que nunca fumaram, os homens e as mulheres que fumam até quatro cigarros por dia têm três vezes mais probabilidade de morrer de doenças cardíacas. Esse tipo de fumo moderado eleva em cinco vezes o risco de uma mulher morrer de câncer de pulmão e em três vezes a chance de um homem morrer da mesma doença.”; links úteis: http://www.portaleducacao.com.br/enfermagem/noticias/40723/fumaca-liberada-do-cigarro-impregna-paredes-e-tambem-e-prejudicial-a-saude http://www.bbc.co.uk/mundo/ciencia_tecnologia/2010/02/100209_humo_terceros_men.shtml (só pra quem sabe espanhol ou tem google translate XD) http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDG71790-5856,00.html

    • André,
      Para “calar a nossa boca”, vc tem que vir aqui com conclusões contrárias de teólogos de peso, e não de padres anônimos. Padre anonimo por padre anônimo, eu fico com o meu diretor espiritual, que entende esta questão do fumo de forma totalmente diversa desses tais padres que você consultou.

      Como eu já disse, também não gosto nada de cigarro, e não gostaria que ninguém da minha família fumasse. O fumo pode ser tudo isso que você disse aí (há controvérsias, mas eu vou te fazer esta concessão). Ainda assim, não é pecado, não é imoral em si. Por que, ainda que o cara fume 2 maços por dia, isso não significa necessariamente que ele vai morrer disso. Não, não são alguns gatos pingados que chegam à velhice mesmo tendo fumado a vida inteira.

      “…vocês usaram o pretexto de o Santo Padre estar cercado por dois Padres fumantes pra justificar que não é pecado.”
      Não mesmo. Colocamos esta foto para fazer o pessoal refletir: se o fumo é tão pecaminoso, tão imoral, pq Ratzinger parece não se incomodar nenhum pouco com a postura “pecaminosa” de seus célebres companheiros de sacerdócio? Por que ele, sorridente, parece não se importar em aspirar esta “fumaça do capeta”? Ou Ratzinger é moralmente frouxo, ou os nossos moralistas de plantão estão um tanto equivocados.

      “Termino com um apelo: usem o blog para o BEM!”
      André, a verdade é sempre um bem. Um dos maiores males da nossa Igreja hoje é o moralismo. Muita gente foge da Igreja por causa disso, e assim muitas almas se perdem. Ao lado do moralismo, na outra ponta, está o “nada é pecado”, o bundalelê. Não devemos estar numa ponta nem em outra: devemos buscar de forma obstinada e humilde a verdade, comunicada pela Igreja.

      Tudo o que você falou aí sobre os males do fumo, nós poderíamos falar muito mais sobre os males do sexo. A depravação da sexualidade afasta mil vezes mais as pessoas de Deus do que o cigarro, e é uma tentação muito maior. Até porque nem todos sentem vontade de fumar – pelo contrário, a maioria das pessoas hoje rejeita o fumo – mas quase todos têm impulsos sexuais. É certo que a forma como as pessoas vivem a sexualidade hoje, em sua maioria, é pecaminosa. Com base nisso, então, os moralistas ignorantes interpretam que o sexo é um mal em si, e o demonizam. Aí temos uma geração inteira de pessoas que acha que a Igreja “castra” os fiéis, que os leva a ser sexualmente frustrados. E assim, espantamos das nossas comunidades quem não aceita entrar no cabresto, pq tem sangue na veia ou pq tem um pouco de cérebro.

      “PRATICAMENTE (…) IMPOSSÍVEL o ato de fumar ser dissociado de um forte viés pecaminoso”
      Troque “ato de fumar” por “impulso sexual”, e teremos aí a mesma coisa. Conclusão “óbvia” dos asnos: o sexo é pecado. Resultado prático: doutrina da Igreja distorcida, fardos pesados colocados nos ombros das pessoas, foco desviado dos verdadeiros pecados… E uma multidão que não aceita carregar o fardo querendo distância da Igreja Católica (ou melhor, da falsa Igreja pregada pelos moralistas).

      Bem, depois desses comentários, mais do que nunca, estou vendo a necessidade de publicar mais posts desse gênero. Pelo visto, a coisa tá mais feia do que eu pensava. O caboclo da viúva Perpétua baixou nas nossas comunidades e não quer mais voltar pro Além nem a pau…

      • Gente pelo amor de Deus! Estamos discutindo algo que não tem uma posição formal da Igreja, portanto ninguém pode aqui dizer com 100% de certeza “É PECADO GRAVE!” ou “NÃO É IMORAL!” de maneira categórica. Precisamos ouvir o que diz a Santa Mãe Igreja e não ficar em discussão de algo que não sabemos concretamente sua opinião e afirmar categóricamente como pecado ou não.

        O diálogo, DIÁLOGO!, entre as partes é muito bom mesmo pra nós que somos leigos, mas deve ficar no diálogo não numa discussão em que cada uma das partes se acha porta-voz da Igreja em algo que ela concretamente não demonstrou sua opinião. O que sabemos está no CIC e a ele devemos recorrer, mas como até mesmo ele está causando confusão, por prudência vamos agir pela nossa consciência e como filhos da Igreja que a ouvem.

        • andré fernandes

          A Santa Mãe Igreja é claríssima, Cadu: “não abuse do fumo”. Ao falar isso, Ela deixa em aberto para que a comunidade científica possa determinar o valor que represente esse abuso. Infelizmente, o maior pecado do post da Vivi está nesses trechos: “Conheço muita gente que consome alguns poucos cigarros (à base de tabaco, hein!) uma ou duas vezes por semana, ou que fuma um charuto eventualmente.” Está pecando, por causa dos fatores que eu apontei no meu extenso comentário. “E, até onde sei, não há estudos que provem que o fumo em tão poucas quantidades cause algum dano relevante à saúde.” Há sim, muuuuitos estudos, um deles está no meu comentário inclusive com link. “Aposto que isso é menos nocivo ao corpo do que muita porcaria que a gente come tranquilamente nos fast foods da vida” Interpretar livremente documentos da Igreja já é feio, ainda mais APOSTAR? Ainda mais APOSTA ERRADA?? Cada cigarro – de tabaco – contém inúmeras substâncias nocivas (http://www.minhavida.com.br/saude/materias/13305-descubra-as-substancias-do-cigarro-que-sao-nocivas-a-saude). A “porcaria de fast food” tem gordura trans, saturada, fim. Pode ser pior? Acho difícil, mas quem come isso pode se MATAR, quem fuma pode matar OS OUTROS. Isso não é sensacionalismo, está beeeem detalhado no meu comentário. Espero que esteja aproveitando bem este mês mariano, Cadu, bom dia. Salve Maria.

  • Anne

    Santos que fumavam: (tirado de um comentário deste link http://feminaonline.blogspot.com.br/2009/06/para-mulher-fumar-elegantemente.html)

    “Rafael Vitola Brodbeck disse…
    Magna,

    Os Papas Beato João XXIII fumava cigarros, cigarrilhas e charutos, e São Pio X fumava cigarros.

    São Jorge Frassati (ou ainda é beato?) fumava cigarro e cachimbo.

    São Josemaría Escrivá fumava, e ainda recomendou que os primeiros do Opus Dei, para não se distinguirem dos demais, fumassem (alguns deles são veneráveis).
    12 de maio de 2010 11:16”

    Beato João XXIII fumando: http://lh5.ggpht.com/_9yGKcahgBxY/S2ybrihKDrI/AAAAAAAAA-8/w9MD0BYH3Wo/JooXXIIIfumando4.jpg

    Papa Bento XVI bebendo cerveja: http://lh4.ggpht.com/_9yGKcahgBxY/S2ybuFfjKxI/AAAAAAAAA_E/TPV7bTcrbu0/s1600/image1.png
    (ambos retirados desse site: http://sociedadeapostolado.blogspot.com.br/2010_01_31_archive.html )

    São Giorgio Frassati com os amigos: http://www.piergiorgio.com.br/wp-content/uploads/2011/01/img1351.jpg

    São Giorgio Frassati fumando cachimbo! http://3.bp.blogspot.com/_5QWwkqsuxI4/TIJr_9ZbldI/AAAAAAAAAPo/MyMe8D6UPFU/s1600/PGF+25.jpg

    Não gosto de cigarro, não aprecio far perto de um fumante, mas pecado, não pode se afirmar que seja em 100% dos casos.

    • Anne, que foto é essa que vc mandou de São Giorgio Frassati com os amigos?
      Queima ele, Jesus, queima ele! Quem foi que canonizou este homem libertino? Tá errado, isso, tá errado!
      KKKKKKK

    • andré fernandes

      Essas fotos são ridículas, nessa época não se conhecia os malefícios do cigarro, hoje que se conhece, e que a Igreja condena no Catecismo, devemos fingir não conhecê-los? “A nicotina consegue fazer em apenas 10 segundos todo o percurso por nosso corpo. Essa rapidez só é comparada com a cocaína. Diferente do álcool, o cigarro não pode ser consumido com moderação.” Ao falar para não se abusar o fumo, o CIC fala implicitamente “não fume”, pois um cigarro já é abuso altíssimo talvez não pra você, mas pra uma criança que por acaso entre na casa do fumante ou toque em seus móveis/objetos/cortinas, que absorvem a nicotina de um cigarrinho por meses, sob forma de ácido cancerígeno. Não vamos interpretar a bel prazer documentos da Igreja, pelo amor! [http://www.minhavida.com.br/saude/materias/13305-descubra-as-substancias-do-cigarro-que-sao-nocivas-a-saude ; http://www.portaleducacao.com.br/enfermagem/noticias/40723/fumaca-liberada-do-cigarro-impregna-paredes-e-tambem-e-prejudicial-a-saude%5D

      • “Ao falar para não se abusar o fumo, o CIC fala implicitamente ‘não fume’, pois um cigarro já é abuso altíssimo…”
        Ah, o Catecismo fala isso implicitamente é? Que coisa. E eu que pensei que o objetivo do Catecismo era justamente falar as coisas de forma simples e com clareza.
        André, dezenas de milhares de católicos fumam, e muito. Se a Igreja achasse que isso é algo imoral, já tinha dito algo claro neste sentido há muito tempo, assim como faz com a questão das práticas homossexuais, do aborto, do sexo fora do casamento etc. A Igreja não é de meias palavras quando o assunto é grave. Se liga!

        “Não vamos interpretar a bel prazer documentos da Igreja, pelo amor!”

        Olhe-se no espelho e repita isso para você. Umas dez vezes. Vai te fazer bem.

  • Gente não estou defendendo nem dizendo que alguém está certo ou errado e não André a Igreja aqui não tem uma declaração oficial sobre a moral do fumo ou não e por não ter essa declaração não vou e nem aconselho vocês a declararem categoricamente se é algo imoral/pecaminoso.

    Meu alerta é CUIDADO! Não podemos permitir essa brigazinha rídicula se não há aqui um ensinamento infalível do Magistério da Igreja. Continuo a achar que o melhor é não fumar pra simplismente fugir de algo que é viciante e que sim pode matar. Mas não sou ninguém pra declarar o fumo pecaminoso e me submeto a Mãe Igreja nisso.

  • Anne

    Viviane, essa foto foi tirada de um site católico em homenagem ao Santo (acho que ainda não canonizado, mas já beatificado), Giorgio Frassati. Tem muitas outras aqui:
    http://www.piergiorgio.com.br/?page_id=7&album=2

  • Parece que vou ter que falar aramaico aqui pra alguém me ouvir… funcionou com Jesus… Tirando a piadinha minha (aliás que ridícula convenhamos rsrsrs) amados isso é exatamente o que satanás e os inimigos da Igreja querem: rixinhas e brigas entre nós.

    Estamos aqui remando pra destrunchar uma posição que ainda não tem um posicionamento clerical explícito, não vamos deixar que o orgulho e o “EU SEI MAIS QUE VOCÊ!” atraia entre nós motivos pra desentendimentos bobos.

    Vivi, André, Anne, Leniéverson, Paulão, e todos que viram o post, vamos primeiro pensar no bem da Igreja, no bem do Corpo de Cristo e isso inclui a saúde física dos seus filhos também. Como estamos debatendo algo que fala de moral, e como cremos que cabe a Mãe Igreja definir o que é ou não é moral, recorramos a sabedoria dela. Ela nos diz que o abuso faz mal. O que podemos tirar disso? Ela está então dizendo que não tem problema e que é permitido fumar? Como eu sou falho, vocês podem desacreditar, mas eu acredito que jamais ela nos diria isso.

    Da mesma forma não creio que ela não nos alertaria de algo imoral caso ela achasse isso. Não. Aqui estamos presenciando um problema que nos remete também como disse o André a Ciência mas não é a Ciência que nos diz se algo é moralmente certo ou não.

    Reintero: não aconselharia ninguém ao fumo. Primeiro porque ele já matou a muitos e segundo porque é uma droga que muito pode viciar. Por isso jamais creria que a Igreja liberasse totalmente o fumo, mesmo se isso não já estivesse matando a pessoa.

    Creio no entanto que a Igreja é mais sábia que eu e portanto sou filho dela e a escuto e a honro. Se ela ainda não me disse que é imoral, não posso eu declarar isso com todas as letras.

    • Bom dia a todos.
      não estou muito inspirado mais vamos lá.

      cadu, não se desespere, temos que ter sempre em mente o seguinte:

      “Roma locuta est, causa finita est.” [Roma falou, o assunto está encerrado] – S. Agostinho

      Agora, se Roma não definiu nada podemos sim debater sobre o tema. É isso inclusive que os teólogos fazem e ajudam a igreja a entender melhor determinados pontos do mistério da salvação.

      Falando a todos agora, não entendo por que tanto barulho realmente, não vi nenhuma apologia ao uso do cigarro, mas a explicação que o ato de fumar não é, em si, um pecado.

      A Igreja não definiu como sendo pecado e não podemos lançar este peso nas costas dos nossos irmãos. Agora, se vierem pedir a sua opnião sobre o fumo, voce pode dizer que não acha legal, citar os malefícios, etc, mas nunca jogar o fardo de ser um pecado sobre o outro.

      Deus abençoe a todos
      Pax et Bonum

      • Bom dia, Philipe! Deus te abençoe tb. Obrigada pelo seu comentário!

      • Phillipe meu caro é exatamente o que eu estava falando! Como ela não definiu aqui a moral do fumo é possível debater mas nunca dizer com certeza “É IMORAL!” ou “NÃO É PECADO!” categoricamente. Por isso aqui não vale a pena tomar partido em algo incerto. Poderíamos pecar se caso nos auto afirmássemos porta-vozes da Sã Doutrina e ficássemos de um lado atacando o outro.

        Por isso meu caro como eu disse vale sim a conversa mas não uma afirmação.
        Pax et ignis semper!

        • andré fernandes

          Concordo com você, Cadu, mas infelizmente, o tom do post da Viviane desde o título “Fumar NÃO é pecado, fuma essa manga”, já dá um ar de repassamento “oficial”, AFIRMAÇÃO, da Doutrina da Igreja, não de “conversa” nem muito menos levantamento de “hipótese”. Concorda comigo nesse ponto?

          • Concordo sim André mas também vejo o lado dA Catequista. Como a Igreja não definiu categoricamente ela explorou o outro lado, não que esteja errado mas foi um pouco imprudente.

            Da mesma forma o seu lado meu caro. Vamos debater entre nós leigos e para nós o que é o fumo e a sua moral, mas não podemos levar isso a todos e nos tornar porta-vozes da Igreja.

  • andré fernandes

    Desconsiderem DE NOVO esse comentário, é igual ao que está mais lá em cima. Isso tá me deixando tão nervoso que eu achava que vocês o tinham apagado, dps vi que estava mais lá em cima… Desculpaê é a pressa! Quem sabe se eu fumasse seria mais calmo, né =/

  • andre fernandes

    Por que o comentário que eu fiz enumerando 4 tópicos fundamentais ficou retido na moderação?? Não acredito que vou ter de reescrevê-lo, não tinha salvado esse ¬¬ Se vocês ainda o tiverem, liberem-no ou explique o porquê de não o terem publicado. Caso contrário, me avisem que eu tento escrever algo parecido…

  • […] mas certamente não encontraremos uma só linha do Catecismo que condene o consumo de álcool – ou mesmo de tabaco. Muita gente dentro da própria Igreja precisa aprender isso. Qualquer tentativa de demonizar um […]

  • CARLOS VALERIO BATISTA DE AGUIAR

    Como sacerdote e catequista (há 36 anos), gostaria de esclarecer o que gerou tanta polêmica. Antes de mais nada é melhor reformular a pergunta: não se trata do fumar ou não, de beber ou não, de comer isto ou aquilo. A Doutrina Católica encontra fundamento na Moral Cristã, que se encontra no ensinamento paulino: ICor 8,1-13. Leiam esse trecho da carta aos Coríntios e entendam o seguinte princípio, que norteará todo comportamento cristão, que é o evitar escândalos e edificar o irmão. Entendendo isso, não haverá pecado. Às vezes nos pegamos nos casuísmos e perdemos o horizonte dos Princípios da Moral Cristã, que estão na palavra de Deus. Leiam, reflitam e vivam a Palavra.

  • Daniel

    Talvez a igreja devesse rever sua posição quanto ao cigarro, pois incomoda profundamente aqueles que estão perto (pecado de não respeitar o próximo), além de ser nocivo ao meio ambiente (acho que também é pecado, né?).
    Outra coisa, o fato do Papa Leão XIII aparecer fumando, não quer dizer que não seja pecado, pois somos todos pecadores. Não confundam impecabilidade com infabilidade.
    Deixo algumas passagens para reflexão.

    Abraços.

    Rogo-vos pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos como um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.
    Romanos 12:1

    Bom é não comer carne, nem beber vinho, nem fazer outra coisa em que teu irmão tropece.
    Romanos 14:21

    Ou não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que habita em vós, o qual possuís da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por preço; glorificai pois a Deus no vosso corpo.
    1 Coríntios 6:19-20

    Portanto, quer comais quer bebais, ou façais, qualquer outra coisa, fazei tudo para glória de Deus.
    1 Coríntios 10:31

    Pelo que, saí vós do meio deles e separai-vos, diz o Senhor; e não toqueis coisa imunda, e eu vos receberei;
    2 Coríntios 6:17

  • Muito bom o artigo. Espero que nunca percam esse bom humor que caracteriza o blog (não tenho certeza quanto a isso, acabei de conhecer o blog, mas foi o que me pareceu).
    O que me impressiona aqui é o moralismo de tantos católicos e a força do pensamento “politicamente correto” que temos hoje em dia.
    Abraço a todos.

  • Lavínia

    Ah, que ótimo esclarecimento!
    Eu fumo uns dois cigarros por dia, ás vezes passo semanas sem fumar mas acho que me habituei a quando estou muito cansada ou perturbada, fumar um cigarro. Sempre fiquei com a dúvida, o esclarecimento foi ótimo!

  • Luís Guilherme

    O texto tem uns problemas. Fumar muito não significa abuso do cigarro. Assim como comer muito não significa gula. Etc. Tudo depende das disposições internas, como bem disse o Cadu.

    No mais, embora eu goste muito d’O Catequista, acho que dessa vez não mandou tão bem. Acho este texto aqui melhor que o de vocês ;). (Vocês poderiam traduzi-lo para o catequês divertido que vocês usam por aqui):

    http://www.hsjonline.com/2009/09/o-cigarro-e-mau-em-si.html

  • Augusto

    O que eu conclui é o seguinte: durante 50 anos, a indústria do tabaco aumentou horrores as doses de nicotina em seus cigarros. De maneira que o que temos hoje é bem diferente daquele chazinho gasoso que Tolkien e Lewis (cristianíssimos!!!) fumavam.
    Mas isto pode masturbar o ego dos maconhistas (os mesmo que afirmam que a maconha é menos pior que o cigarro). Ora, a questão é que as variedades de maconha mais leves (as mesmas que os índios usavam) já foram extintas por uma simples questão de seleção hereditária. A quantidade de THC do passado na cannabis é 0.5% das quantidades que temos hoje!!!
    Meu conselho pessoal é o seguinte: o mais prudente é nem começar. Mas se quiser encarar, assuma as consequências. Eu prefiro manter o meu foco, minha energia e minha atenção em outros lugares mais úteis do que ficar repetindo pra mim mesmo: “só vou fumar 1 por hoje”..

  • Marta

    Pra quem acha que o cigarro só faz mal ao fumante, está redondamente enganado. Faz muito mal a quem infelizmente precisa conviver com uma pessoa que caga e anda pra própria saúde. Uma pessoa que diz, tudo bem: posso morrer de enfisema pulmonar ou ter algum tipo de câncer etc… não ama a si mesmo e não ama a mulher, filhos, pois tanto faz viver ou morrer… se é pecado ou não, um dia saberemos…
    Tudo em abuso é um desrespeito ao nosso corpo, privações, excessos… não somos templo do Espírito Santo?