Catelivros – As Crônicas de Nárnia

E aí meu povo!livros_geladeira

Iniciamos hoje nossa fantástica aventura pelo universo da literatura, da história e da filosofia. É o meu, o seu, o nosso CATELIVROS!!!!  Nossa proposta é indicar e comentar brevemente, para despertar em vocês a traça come-livros que cada um carrega em si. Seguimos mais o menos os moldes do Catecine.

A princípio, os livros apresentados aqui não tratam de assuntos que envolvam teologia, doutrina católica etc. Dois motivos: teologia está além das humildes capacidades deste seu interlocutor.  Considero-a um estágio superior amalgamado das três formas de conhecimento que citei anteriormente.  Além disso, tem muitos bons sites e blogs na internet que fazem um trabalho excepcionalmente qualificado e da pesada sobre o assunto. A rapaziada aqui sempre procura oferecer o melhor para nossos amigos, não nos contentamos com trabalhos meia-boca.

Claro que os livros que pretendemos apresentar são importantes para o entendimento do cristianismo no mundo.  Vamos mostrar como o prazer da leitura está cada vez mais vivo diante do universo de experiências que temos à nossa disposição. Basta para isso alguma disposição, alguns trocados no bolso e vontade de mergulhar nesse oceano de enriquecimento e compreensão produzido ao longo dos tempos pelas melhores mentes com as quais Deus agraciou o mundo. Mostraremos ainda uma pequena biografia do autor em todas as obras.

É isso, então chega de enrolar e vamos logo ao nosso primeiro best-seller que é:

AS CRÔNICAS DE NÁRNIAcronicas_de_narnia_livro_capa

Vamos falar um pouco do autor Clive Staples Lewis, mais conhecido como C. S. Lewis.  Bom, antes de mais nada, Lewis não era católico, mas era cristão, aliás, sem sombra de dúvida, foi um dos maiores literatos e um dos maiores intelectuais cristãos do século XX.  Embora não fosse católico, nutria pela Santa Igreja um respeito solene.

Vejam por exemplo um  artigo que li no site Veritatis Splendor que cita uma fala de Sheldon Vanaulken: Lewis foi como Moisés, mostrou o caminho da Terra prometida [ou seja, a Igreja Católicaesse grifo é meu] mas morreu antes de entrar nela. Lewis é considerando responsável pela conversão de muitos protestantes (ele próprio estava em processo de conversão) à verdadeira Igreja, embora tenha morrido anglicano (tecnicamente).  Em vida, foi grande amigo de J. R. R. Tolkien, este sim católico fervoroso e autor do Senhor dos Anéis. Esta obra, aliás, é um caso a parte, não se trata de um livro mas de toda uma cultura – mais detalhes em futuro próximo.

As Crônicas de Nárnia, sem sombra de dúvida, é a coleção de livros que mais se aproxima da obra de Tolkien. Detalhe: eram considerados livros infanto-juvenis – olha a queda vertiginosa da qualidade de livros para crianças de ontem e de hoje.  Lewis morreu no mesmo dia que o Presidente Kennedy e Aldous Huxley (autor do indispensável  “Admirável Mundo Novo”), 22 de novembro de 1963. Pode-se dizer que nesse dia o mundo entrou em miséria cerebral.

São sete livros, que só são bem entendidos quando lidos em sequência: O sobrinho do Mago; O leão, a feiticeira e o guarda-roupa; O cavalo e seu menino; Príncipe Caspian; A Viagem do peregrino da alvorada; A cadeira de Prata e a Última Batalha.

Antes de mais nada, para variar, não compare o livro aos filmes.  O desavisado que fizer isso vai ficar a ver navios naquilo que C. S. Lewis tem a nos oferecer de mais belo: suas constantes analogias com o cristianismo, seus valores e como a civilização esboroa quando afastada dele.  Não é uma mera história sobre bichos falantes e armários estranhos.

Só para citar uma de arrepiar que faz parte d’O Peregrino da Alvorada:

Aslam fala para Lúcia, Edmundo e Eustáquio:

– Também sou conhecido em seu mundo, mas por outro nome.

Prestem atenção n’O Sobrinho do Mago – infilmável primeiro livro da série – especialmente nos capítulos A criação de Nárnia e A Canção de Aslam, e passem a fazer parte da minoria feliz que bebe desse maravilhoso delírio.

Vamos nessa povo católico! Surfaremos ainda em muitos bons livros aqui no seu CATELIVROS!!!

cronicas_de_narnia_a_viagem_do_peregrino_da_alvorada

Cena do filme "A Viagem do Peregrino da Alvorada"

16 comments to Catelivros – As Crônicas de Nárnia

  • Essa serie é incrivel! Eu ja li 4 dos 6 livros da serie, e confirmo q é mto bem feita. C.S Lewis leva vc a um mundo em q a nobreza de coraçao é recompensada. Muito bom!

  • Bruno Linhares

    Boa idéia! A literatura secular em muitos casos complementa o conhecimento e a visão do mundo (especialmente a de fora) acerca do cristianismo e seu legado intelectual e cultural.

    Se ainda não conhecem, aproveito para indicar a Trilogia Cósmica também do C. S. Lewis que está sendo traduzida e lançada no Brasil pela editora Wmf Martins Fontes.

    O primeiro da série é “Além do Planeta Silencioso” e traz uma interessante proposta de como seria a vida extraterrestre e sua realidade espiritual. O escritor traça um paralelo bacana com o cristianismo. Vale a pena conferir.

    O segundo, também já lançado é “Perelandra”. Neste o autor continua tecendo a história e seus paralelos. Esta continuação traz uma alegoria da criação e do pecado original belíssima. É ainda melhor que o primeiro!

    O terceiro, com título “Uma força medonha” (ou “Aquela força medonha”, ainda parece não haver um consenso) está sendo traduzido e tem previsão de lançamento até o final de 2012.

  • Humberto Oliveira

    Acabei de finalizar o 3º e estou iniciando o 4º. Muito bons mesmo! Legal essa análise de vocês acerca de livros seculares que trazem mensagens cristãs! Parabéns!

  • Lore

    Amei a idéia!!! Tantos livros bons inspirados no ideal cristao né 🙂

  • Elen

    Excelente indicação pra começar!! Eu li todos e indico fortemente! E realmente se identifica, em vários momentos, o cristianismo e sua história.

    Aslam é como se fosse Deus mesmo e a criação de Nárnia se compara ao livro do Gênesis na Bíblia. As histórias abordam temas recorrentes das nossas fraquezas diárias como por exemplo: não sentir a presença de Deus (Lucia, que é a mais nova e simples de coração, sente a Presença de Aslam mais que os outros que, por sua vez, hesitam em acreditar nela); a inveja (que Lucia e Edmund sentem dos irmãos mais velhos, cada um por razões diferentes e em histórias diferentes); o orgulho (Edmund escolhe o caminho “mais fácil” ao se aliar à bruxa e reluta em assumir seus erros), dentre muuuitos outros.

    Só uma observação pro povo católico: existe a opção de comprar os livros separadamente, mas a foto que o Alexandre postou das Crônicas de Nárnia já é a capa do livro que reúne TODAS as histórias num único livro! Vale à pena!

    • Só uma coisa Elen: Aslam é a figura de Lewis para Jesus. Em Apocalipse o Cordeiro que se senta no trono tbm é chamado de “Grande Leão da Tribo de Judá”. É mto interessante q Aslam seja filho do Imperador de Alem-mar, uma figura q nunca aparece mas q sabemos ter poderes fantasticos. Tanto q a Magia profunda em “O Leao, a feiticeira e o Guarda-roupa” esta escrita na Mesa de Pedra e no cetro do Imperador. O Imperador é a figura de Deus Pai.

      Em “O sobrinho do Mago” Aslam cria Narnia visto que a intençao do autor era mostrar a divindade de Jesus. Ele é Criador nao criatura. O Lewis era incrivel, mas o Tolkien em “O Senhor dos Aneis” é INSUPERAVEL!

  • Ana Flávia

    Misericórdia! Esses dias estava conversando com Deus de como conseguiria saber quais são os livros seculares interessantes, que me ajudariam a ficar mais próxima Dele!

    Nossa, estou feliz por essa iniciativa tão abençoada!

    Salve Maria!

  • Alfredo Paulo G. Neto

    Tenho a coletânea das Crônicas de Nárnia e é realmente fantástica essa história. Aslam é verdadeiramente um Deus em forma de leão.

    • Paulo Ricardo Costa Pinto

      Aslam não é “um Deus”. Ele É Deus, é um avatar de Jesus Cristo (antes que alguma alminha pura queira me crucificar estou usando termos junguianos para parecer mais claro). Ele deixa isso claro na passagem bem clara do Peregrino da Alvorada que faz parte do post.
      Da mesma forma em “Príncipe Caspian”, quando os irmãos recusam-se a seguir Lúcia pelo caminho apontado por Aslam e esses quebram a cara por “somente acreditar em seus olhos” (alguém lembra de um certo Tomé?) aponta para a real identidade do Senhor. Por aí vai.
      Prestem atenção em “O Garoto e Seu Cavalo” em como Aslam age, e tentem não se emocionar.

  • Monteles jr

    To emocionado por encontrar um site assim!! sou catequista tbm e sou muito nerd!!! sempre pensei que essa alegoria do Aslam com Jesus era coisa da minha cabeça!!rsrsrsrsrs… puxa vida!!! vcs estão nas minhas páginas favoritas agora!!!

  • Paulo, vc já leu a trilogia espacial do Lewis? Li o primeiro volume. Ele trata de temas do cristianismo também, só que como uma ficção científica. É muito bom! Fora os livros como “Cartas do diabo ao seu aprendiz” e “Os quatro amores”. Lewis é muito bom!

  • Thiago,

    Coincidência, acabei de comprar esse livros. Mas ainda não recebi. Estou querendo muito lê-los

  • Christiane

    Amo as Crônicas de Nárnia! Comprei o livro único, para ler em sequência! Muitíssimo recomendado, agora que está beeeem mais em conta de comprar! E depois que vi a resenha sobre a série cósmica, já quero! Mas tá bem carinho lá na Saraiva!

  • Sidnei

    Nas crônicas de Narnia o garoto mais velho se chama Pedro, e é o líder deles. Lewis pode ter sido protestante da igreja Anglicana, mas que vejo algo de católico neste garoto que é o líder de seus irmãos o qual se chama Pedro, parece ser coincidência com São Pedro que foi o líder dos Apóstolos e de toda a Igreja. Se os protestantes gostam de Lewis e de sues contos, gostaria de saber deles o que eles acham do líder dos seus irmãos de se chamar de Pedro, será que eles não viriam nisto qualquer semelhança com outro Pedro que foi líder de uma igreja nascente, fundada e confiada a Pedro por outro leão da tribo de Judá?. Será que Lewis queria apontar a sua admiração pela Igreja Católica e quem saber sua futura conversão a ela quando deu o nome de Pedro ao líder dos seus irmãos?. Gostaria de saber a opinião de todos a este respeito.

  • Sidnei

    Nas crônicas de Narnia o garoto mais velho se chama Pedro, e é o líder deles. Lewis pode ter sido protestante da igreja Anglicana, mas que vejo algo de católico neste garoto que é o líder de seus irmãos o qual se chama Pedro, parece ser coincidência com São Pedro que foi o líder dos Apóstolos e de toda a Igreja. Se os protestantes gostam de Lewis e de sues contos, gostaria de saber deles o que eles acham do líder dos seus irmãos de se chamar de Pedro, será que eles não viriam nisto qualquer semelhança com outro Pedro que foi líder de uma igreja nascente, fundada e confiada a Pedro por outro leão da tribo de Judá?. Será que Lewis queria apontar a sua admiração pela Igreja Católica e quem saber sua futura conversão a ela quando deu o nome de Pedro ao líder dos seus irmãos?. Gostaria de saber a opinião de todos a este respeito.

  • Sidnei

    Oura coisa que gostaria de saber do pessoal aqui do catequista é a respeito das obras de Monteiro Lobato, sobre tudo do Sítio do Pica Pau Amarelo, obra esta que curtia muito quando criança, principalmente quando passava na TV mas na 1º versão, a mais antiga, quando a tia Anastácia pela atriz Jacyra Sampaio e a Dona Benta ainda era interpretada por Zilka Salaberry e por aí em diante, porém, o que gostaria de saber de vocês e a opinião sobre a obra omo um todo, se ela fere algum preceito cristão católico?, se ela tem alguma influência de alguma crendice popular e até aonde isto é maléfico ou benéfico para as crianças. Sei que Monteiro Lobato era ou tinha simpatia pelo espiritismo, mas não me lembro até aonde havia alguma coisa de espiritismo em suas obras principalmente na do Sítio do Pica Paulo Amarelo. Espero respostas. Obrigado.

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>