Os Papas do Séc. IX – Que Deus Abençoe o Ocidente

Depois da Série “Carlos Magno”, voltamos à programação normal. E, para começar esse post, falamos do Papa que colocou a coroa na cabeça de Big Charles. Com vocês…

Leão III – Eleito por unanimidade, Leão III não foi um Papa amado pelas elites políticas de Roma.  Irritou tanto a rapaziada que, durante uma procissão em 799, foi arrancado de sua liteira, foi espancado, tentaram arrancar sua língua e seus olhos e o largaram para morrer, sangrando na rua.  Seus diáconos o levaram para o mosteiro de São Erasmo e aplicaram-lhe a extrema-unção, e depois esperaram pela sua morte.

carlos_magno_coroacao

Leão III coroando Carlos Magno como o Imperador Romano do Ocidente

Milagrosamente, o Papa se recuperou e resolveu picar a mula, atravessou os Alpes a pé (podes crer, o velho era durão) e foi ter com Carlos Magno.  O resto vocês já sabem de ler a história do imperador.  O brilho natural de sua enormidade real ofuscou Leão III, que passou a ser “aquele papa que coroou Carlos Magno”.  Mas Leão foi um grande administrador dos Estados Pontifícios e criou junto com Big Charles uma vesta rede de atendimento social, muito melhor que o Fome Zero.

Curiosidade: Leão III partiu para encontrar o Criador no mesmo dia em que eu nasci: 12 de junho.  Não é relevante? Pra mim é… Papa de 795 a 816.

Estêvão IV – Se Leão III foi o primeiro Papa a coroar um Imperador, Estevão IV foi o primeiro a ungir um.  O ungido em questão foi Luís, O Impiedoso.  Para quem não captou a importância: Estevão IV foi o responsável pela inversão do costume em que o Imperador era quem aprovava a eleição do Papa.

Estêvão IV era um homem da paz e conseguiu o perdão do imperador para os conspiradores que tentaram fazer uma “extração oftálmica” em Leão III. Papa de 816 a 817.

São Pascoal I – São Pascoal foi eleito Papa em 24 de janeiro de 817.  A comunicação de sua eleição foi feita a Luís, e esse a acatou prontamente.  Foi São Pascoal que conseguiu junto ao Imperador a demarcação dos Estados Pontifícios, bem como a confirmação de que não haveria intervenção estatal em assuntos clericais.

No papado de S. Pascoal I celebrou-se pela primeira vez a Assunção da Nossa Santa Mãe (819).

Pascoal I era um grande mestre da Sagrada Escritura e dos trabalhos eclesiásticos.

O maior estremecimento do seu papado com o poder temporal deu-se não com o bom Luís, mas com seu filho e sucessor Otário, err…, quer dizer, Lotário.  O “Júnior”, ao julgar uma questão envolvendo o pagamento de tributos à Santa Sé, deu razão ao abade reclamante (lá vem o estado se metendo onde não foi chamado).  Isso se deu porque a aristocracia palaciana queria o procedente para calotar geral e minar a influência da Igreja.  Entendam, a Igreja não estava espoliando ninguém, estava apenas administrando as suas sedes espalhadas pelo Império.  Ganância e politicagem rastaquera sempre existiram.

Bom, voltando ao Papa, São Pascoal foi também um grande construtor.  Durante um sonho, Santa Cecília avisou-o da localização do corpo desaparecido de São Leão I: estava ao lado do de São Valeriano, o jovem esposo mártir de Santa Cecília. A partir daí, São Pascoal providenciou o translado de 2300 corpos de cristãos.

Destacou-se ainda na proteção dos espanhóis e cristãos peregrinos contra os muçulmanos. Segundo as fontes, abandonou um pouco seu rebanho em Roma, razão pela qual não consta como um dos Papas mais pop. Ninguém é perfeito além do Pai, certo? Coroou Otário, digo, Lotário em 823.  Papa de 817 a 824.

Eugênio II – Pra variar, Roma vivia uma época conturbada ante a necessidade de escolher um novo ocupante para o Trono de Pedro.  Eugênio II deve muito de sua eleição à lenda do monge Wala, confessor de Luís, O Piedoso, e de seu filho (com nome sempre sujeito a trocadilhos infames) Lotário.  Wala intercedeu a favor de Eugênio, que jurou fidelidade ao papi Luís e sentou junto com Lotário para redigir uma “Constituição Romana”.

Por essa, o povo voltou a participar da eleição do Papa, coisa proibida desde Estevão III.  Os termos da nova Constituição foram ratificados.  É a Eugênio II que se atribui a criação dos seminários e a fundação da cúria romana.  Papa de 824 a 827.

Valentino – Valentino foi um papa brevíssimo, seu papado durou 40 dias, e as fontes não falam muito profundamente de suas realizações.  Sabe-se que ele era muito querido pelo povo, pelo clero e pela aristocracia.  Era, tipo assim… um Padre Marcelo Rossi da época, e grandes expectativas depositavam-se sobre ele.  Como papa, nada fez (não deu tempo, coitado) e seu nome entrou para história como o de uma grande frustração.  As condições de sua morte permanecem um mistério. Papa em 827.

Gregório IV – Ih, essa que vou contar agora é engraçada.  Gregório IV queria tanto, mas tanto ser São Gregório I que, quando foi eleito, saiu correndo.  Só que, ao contrário do seu homônimo, não teve línguas de fogo, não teve Espírito Santo apontando o caminho de seu esconderijo aos que o procuravam.  Simplesmente acharam-no e levaram de volta para Roma.

Gregório IV, perto de São Gregório, é uma imagem muito, muito apagada. Politicamente era um desastre. Jurou fidelidade ao imperador Luís e, logo que começaram as disputas carolíngias pelo trono, apoiou Otário, ops, Lotário. Os bispos franceses ameaçaram excomungar Gregório, mas, mesmo sob impropérios, ele manteve sua posição.

O papel de Gregório nessa confusão foi vergonhoso.  O imperador Luís o respeitava e o aceitou como negociador de um acordo entre os litigantes.  Gregório foi ao acampamento de Luís e acertou um acordo que considerou razoável.  Ao retornar, descobriu que Lotário o havia enganado para ganhar tempo e encarcerar o próprio pai (é o não é um Otário?). Dá pra imaginar a cara de tacho do Papa nessa situação.  Mas, não graças a Gregório, claro, Luís voltou ao trono.

Após a morte do Imperador, um combate sangrento inicia-se pela sucessão.  Gregório tenta intervir… e mais uma vez prova sua inabilidade política. Tirando essas trapalhadas, o papa construiu muitas igrejas e tinha um gosto apurado para decoração.  Há um retrato seu na abside da Igreja de São Marcos. Papa de 828 a 844.

SergiusIISérgio II – Esse aqui era da escola Vigílio de “sou ladrão sim, e dai?”.  Comprou todo mundo pra ser Papa e subiu ao trono sem esperar aprovação formal.

Luís (filho dO Piedoso) convocou um sínodo para ratificar sua eleição, mas Sérgio II, O Naia, prestou juramento a Lotário que, a essa altura, estava usando estratégias “Fernadinho Beira-Mar” de persuasão. Papa por três anos, de 844 a 847.

São Leão IV – Foi eleito por unanimidade no dia em que Sergio II morreu. Seis semanas depois, sem esperar a anuência imperial, foi empossado.  O principal motivo é o fato de uma certa turminha com cimitarras na cinta estar a fim de transformar a fábrica de óstias da Cidade Eterna numa fábrica de Homus Tahine.

Brincadeiras à parte, realmente os sarracenos estavam às portas de Roma e não dava para esperar.  Com os árabes na sua cola, São Leão IV o que fez?  Reforçou a fechadura, literalmente: construiu um muro de doze metros em torno da basílica de São Pedro e firmou acordos de defesa militares com as cidades costeiras da Grécia.  Assim, criou uma barreira no mediterrâneo contra os piratas do Simbad (é, sou do tempo dos filmes de pirata do Simbad, procurem nas locadoras).

São Leão era um severo defensor da ortodoxia contra as “pequenas libertinagens que alguns párocos adoram adotar”.  Determinou regras para atos penitenciais, além de acrescentar as aspersões de água benta durante a missa.  São Leão adorava música (era monge beneditino) e incentivou seu desenvolvimento. Reconstruiu Civitavecchia e também várias Igrejas.  Seu retrato em abricot ainda pode ser visto na Basílica Inferior de São Clemente.  Papa de 847 a 855.

cavallieri-pope-benedictus-iiiBento III – E, pra variar, após a morte de São Leão IV, o pau cantou na casa de São Pedro.  Sucessão complicada.  O bispo Adriano recusou as sandálias do pescador.  Bento, outro bispo também, pulou fora, refugiou-se na sua Igreja titular, mandado aquela marchinha “daqui não saio, daqui ninguém me tira!”. Mais um Papa que foi sequestrado e levado à força para Latrão.

Mas corria uma politicagem braba nos bastidores.  Ocorre que o papa anterior, São Leão, havia excomungado um cardeal, Anastácio, que era o preferido do partido imperial.  Aí rolou cacete pra todo lado.  Como o Papa precisava da sanção imperial, os partidários de Anastácio, à força, arrancaram Bento III, o jogaram no xadrez e sentaram o cardeal excomungado no trono.  O povo de Roma se revoltou e a cidade ficou à beira da guerra civil.  Diante da turba enlouquecida, o partido do imperador cedeu e reconduziu Bento III ao trono.

Passada a confusão, Bento III prosseguiu a obra de seus antecessores, dedicando-se a reconstrução das Igrejas destruídas desde o tempo dos romanos, inclusive a basílica de São Paulo.  Papa de 855 a 858.

São Nicolau I, Magno – São Nicolau é o último das Papas Magnos, por isso terá um post à parte, assim como tiveram São Leão I e São Gregório I.

*****

No próximo post, continuaremos com os Papas do século IX e, preparem-se: tem intrigas e assassinatos pra todo lado. A coisa tão feia para os pontífices que, a certo ponto, tava difícil achar quem topasse ser papa, tamanha a encrenca que o cara estaria se metendo.

3 comments to Os Papas do Séc. IX – Que Deus Abençoe o Ocidente

  • Seculo IX, mtos problemas, Sacro-Imperio surgindo, porretes pra tudo quanto era lado, nao foi facil. Paulao eu ja estudei essa epoca, claro bem pouquinho, e pf vê se fiz bem o dever de casa: quem sucedeu Big Charles foi seu filho Luis o Pio, q depois dividiu o Imperio em tres: um pro Lotario, outro pro Carlomano e outro pra outro Luis. Nisso td o Papado teve um monte de problemas socio-politicos que deram mta dor de cabeça pro povo romano.

    So com Sao Nicolau Magno q a coisa melhorou bem, o problema é q os sucessores do grd Nicolau foram horriveis.

  • Victor Picanço

    Muito bom

  • Uma das gêneses da 2ª Guerra Mundial originou-se neste século. O que se ouve falar muito nos documentários do History e do NatGeo sobre segunda guerra é que Hitler reinvindicava “espaço vital” para sua Alemanha. O tal espaço vital que ele fala nada mais é do que a lotaríngia, estabelecida pelo tratado de Verdum de 843. Sinceramente, não deve ser legal morar em Estrasburgo. Essa cidade, hoje francesa, vivia mudando de lado, quem morava lá devia ter uma baita crise de identidade.

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>