Com que roupa eu vou?

Reza, Povo Católicoooo!

ala das baianas

Roupas pesadas e com significado não são exclusividade das baianas. Mas no caso delas, é só um domingo por ano...

Você vai a Missa olha pro Padre e de pergunta: porque ele escolheu vir com a roupa desta cor? Às vezes ele aparece até de rosa!!! Por que ele usa vestido?  Por que ele parece ter essa camisola por baixo de tudo? É… as cores e as vestes (chamadas de paramentos litúrgicos) são parte importante da liturgia!!!  E entender todos os símbolos litúrgicos é essencial para que participemos das celebrações com plena consciência de tudo o que a Igreja quer nos dizer.

Já falamos sobre os tempos litúrgicos (nesse post aqui) e sobre como eles influenciam a liturgia e o nosso próprio comportamento, da mesma forma como ocorre com as estações do ano.  Agora vamos falar sobre a forma como os celebrantes se vestem para a Missa.

Vamos falar, em especial, sobre as cores litúrgicas, que são fortemente relacionadas com cada um dos períodos do ano litúrgico.  Seus significados nos conduzem diretamente para o tom com o qual devemos guiar as nossas vidas naquele momento. É uma mensagem muito importante! Por isso precisamos entender.

VESTES LITÚRGICAS

Antes de tudo… você sabe o que um padre veste durante a celebração? Cara…  É muita coisa!  O peso que um padre carrega durante a Missa não deve nada à fantasia da Ala das Baianas da Mangueira.

Vamos lá… acompanhe pela figura e não perca a conta!

paramentos liturgicos

Primeiro ele veste o amito, que serve basicamente para esconder a gola, em seguida se reveste de uma túnica ou de uma alva (que é uma túnica com babados – muito vista em filmes de época).  Depois, coloca a estola por cima, amarra tudo com o cíngulo e pra garantir que ele vai suar bastante, coloca a casula por cima de tudo!

Isso aí vale também para os diáconos, com duas diferenças: a estola é na diagonal, porque enquanto o padre faz a ligação do povo com Deus (ligação vertical), o diácono (cujo significado é servo) presta serviços à comunidade, ou seja, seu trabalho é na horizontal.  Além disso, ele usa a dalmática (que é muuuuito mais bonita) em vez da casula.

De todas estas vestes, as únicas que variam de cor são a casula e a estola.

CORES LITÚRGICAS

Agora pense um pouquinho em todas as cores que você já viu… pensou? Hmmmm… vamos lá: roxo, preto, branco, verde, vermelho, azul, rosa e amarelo. São essas não é? Duvido que você tenha visto alguma outra cor (não vale o Pe. Pinto).

Vamos, então aos significados:

Roxo – É a cor que marca os momentos em que a Igreja propõe que nos voltemos para nós mesmos.  São períodos de oração, penitência e reflexão.  Não é por acaso, que é uma cor relacionada ao luto – que é justamente quando nos fechamos e nos dedicamos a refletir sobre a vida.  Bom, agora pense… em que momentos a Igreja nos pede essa atitude?  Nos tempos de preparação, ou nos momentos em que perdemos algum ente querido e precisamos refletir para nos mantermos firmes na fé.  Portanto, esta cor é utilizada no ADVENTO, na QUARESMA e em funerais.

Preto – Igual ao Roxo, mas praticamente ninguém usa.

Branco – É a consequência do caminho de reflexão, penitência e oração dos tempos de preparação.  É quando a fé, agora reforçada pelo período de preparação, leva a paz e a felicidade ao coração.  E isso só é possível porque chegamos a certeza da vitória do Senhor.  É a cor da Glória do Senhor. Portanto, é utilizada em todas as celebrações festivas do ano litúrgico, o que inclui o TEMPO DO NATAL, o TEMPO PASCAL e as FESTAS do TEMPO COMUM.

Verde – No ano novo, quem bota camisa verde, diz que está esperançoso.  A palavra esperança vem de espera.  Só temos esperança, quando é possível esperar algo.  E só podemos esperar algo, quando sabemos em quem colocar a nossa fé.  Assim, dentro do nosso dia a dia, onde tudo parece ser mera rotina, precisamos ter a certeza de que podemos esperar (ou seja, temos esperança) que o Senhor no alcance a cada instante.  Por isso, essa cor é usada no cotidiano da Igreja, ou seja, no TEMPO COMUM!

Vermelho – Tem dois significados: o fogo do Espírito Santo e o martírio.  Não… paixão não entra.  Isso é coisa de gente encalhada no ano novo.  Portanto, usa-se o vermelho em todas as festas de SANTOS MÁRTIRES (inclusive a sexta-feira Santa – que é o martírio do próprio Cristo) e nas celebrações do ESPÍRITO SANTO (crisma e pentecostes).

armario liturgico

Azul – É a cor de MARIA.  Só pode ser utilizado em santuários Marianos, durante celebrações dedicadas à Nossa Senhora.  Simples assim.

Rosa – É a que tem o significado mais bonito… só pode ser utilizada em dois dias do ano: no penúltimo domingo do ADVENTO (chamado de Gaudete, que significa alegria) e no penúltimo domingo da QUARESMA (chamado de Lætare, que significa felicidade).  Estes dois dias são os penúltimos domingos de tempos de penitência e o rosa sinaliza que este período está quase chegando ao final.  Significa que estamos indo do tempo de reflexão para o tempo de festa.  Ou seja, que estamos indo do ROXO para o BRANCO.  O rosa é justamente o tom que está entre estas duas cores.  Viu?  E você achando que o padre era boiola…

Amarelo – Não é cor litúrgica.  Mas como assim??  Eu juro que vi amarelo!!! E viu mesmo! Os tons amarelo, creme e dourado são apenas variações do BRANCO.

Pronto!  Acabamos de dar mais um passo em direção ao aprofundamento da fantástica liturgia católica!  E, novamente, percebemos que coisas que normalmente decoramos (e esquecemos) têm significado lógico.  Agora você não esquece mais!

Fique de olho porque vamos continuar destrinchando a riqueza das celebrações das quais participamos todos os domingos!

Abraços!

12 comments to Com que roupa eu vou?

  • Nilton Borges

    Parabéns pela Matéria… Bem didática p/ Católicos (como Eu !!!!) carentes desse tipo de aprendizado. Continuem nesta linha…..Abraços!!!

  • Como assim a Dalmática é mais bonita que a Casula? Nada mais bonito que uma enorme casula vermelha aberta em uma Missa de Pentecostes! rsrs

    Great post! Congratulations 🙂

  • Alê, muito bom! Do comentario editado meu, vc só não comentou qo Verde, além de representar a espera, também representa o não amadurecimento, a não maturidade das coisas, sim pq as frutas verdes ainda não estão prontas pra dar sementes. A Igreja adotou o verde, tbm relacionado a isso.

    Outra coisa Alê, o Azul pode ser usado em dias festivos dedicados a Nossa Senhora em qualquer lugar, ou a igreja em questão (particular) precisa ser dedicada a Virgem Santíssima?

    Bom de qualquer jeito, a cor mais bela na minha opinião é o dourado da festa de Cristo Rei, mas como o nosso mto danado Catequista já nos apontou, a festa em si é branca, pois o tempo litúrgico é branco nessa festa, mas como é uma festa q fala da majestade de Cristo, muitos sacerdotes usam o dourado. Fantástico e parabéns!

  • Muito bom! Só lembrando que o preto é sim uma cor litúrgica, sendo seu uso facultativo nos dias de Finados, da Sexta-feira da Paixão e em missas pelos defuntos (Cf. Instrução Geral do Missal Romano, 346-e). Aqui neste link: http://www.salvemaliturgia.com/2011/11/d-antonio-keller-usa-paramentos-negros.html , pode-se ver o Bispo de Frederico Westphalen (RS) usando paramentos negros em Finados.

  • Opa!!! Falha nossa… o fato de o preto estar em desuso não quer dizer que tenha sido abolido da Liturgia.

    Ok. Torce meu braço! Vou acertar o post!

    Muito obrigado!!!

    • Leilah

      Olha só, quero sugerir algo que não tem absolutamente nada a ver com esse post de hoje. Creio completamente na afirmação de que a Boa Nova de Jesus não é um moralismo, não são regras morais. E ainda creio que mesmo assim, ela cria em nós, um impulso moral poderoso, já que somos movidos pelo amor de uma PRESENÇA AMIGA entre nós, o Senhor vivo e ressuscitado é o amigo cujo amor nos arrasta a dar muito mais do que a mera regra moral, sem necessariamente negá-la, mas indo além dela. Nesse sentido a conversão cristã provoca em nós uma consciência nova acerca do nosso corpo, da nossa sexualidade, como expressão não só de mero instinto sexual (que também vem de Deus, bem como pode perverter-se em egoísmo e mesquinhez) mas de doação e comunhão com o outro. E nesse contexto, não por repressão ou puritanismo, mas por consciência do significado do sexo em Cristo, até pequenos “detalhes” como o nosso modo de vestir, são revestidos da nova consciência que temos em Cristo. E é isso que gostaria de sugerir como assunto de algum futuro post de vocês: não é qualquer roupa que serve ao homem e à mulher cristã, que o modo de nos vestirmos não é alheio a fé e moral do evangelho. O CATECISMO DA IGREJA nos lembra comentando o 6º mandamento, que “a castidade inspira o modo de nos vestirmos”. Seria interessante resgatar talvez (não sei onde e como se poderia localizar esse texto) uma entrevista com a Chiara Lubich (fundadora do FOCOLARES) onde a mesma fala da “harmonia” de um estilo de vida cristã que se nota até mesmo em detalhes como o modo como nos vestimos, que se torna também mensagem.

      • Marcos

        Olá Leilah, Salve Maria.
        Boa sugestão.
        Encontrará muitos textos (incluindo o 6 e 9 mandamentos) pesquisando sobre modéstia católica (no google mesmo), em resumo trata disso que vc escreveu, e algo mais.
        No post sobre a igreja e a escravidão dos negros teve uma sequencia com diversos comentários e links sobre este tema.
        abs.
        Pax et Bonum.

      • André

        Minha mãe é dos Focolares – e eu me engajei na juventude do movimento mas saí porque não gosto de ecumenismo, tampouco da influência aberta de Marx no movimento, presente em diversos textos – mas não deve ser difícil achar tal entrevista, mesmo sendo o movimento como um todo ecumenico, Chiara especificamente era uma Católica muuuuito zeladora pela ortodoxia da fé, é impressionante a o grau de meditacão e a riqueza litúrgica, por exemplo, dos cânticos dos Focolares, dá vontade de chorar ao ver musiquitas crentes ou marcelorrósicas nas Missas enquanto poderiam estar cantando essas preciosidades: http://focolares.wordpress.com/letras-de-cancoes/ [nesse link nem todas aí são litúrgicas, mas as que são, são perfeitas! “pão do céu”, “servo por amor” e “Maria, queremos amar-te” que o digam] [paulo, sugiro que um dos primeiros catemusics pós-férias seja sobre o Gen Rosso e o Gen Verde, as bandas oficiais dos Focolares, formadas por leigos consagrados celibatários, ao ouvires vai se deleitar, sobretudo, se forem as músicas originais em italiano]

  • Alexandre Ferreira

    O azul não é uma cor oficial do Rito Romano, é um costume que se origina das festas dos ícones da Theotokos e da Panagia, ícones da Virgem nas Igrejas Orientais de Rito Bizantino Grego, Eslavo e outros …
    No Rito Romano existe um indulto para a Espanha e alguns outros lugares, se não me engano a Holanda e suas colônias. Entretanto, o Bispo diocesano pode autorizar seu uso, como aconteceu aqui na minha diocese e na minha paróquia, quando o Arcebispo Dom José Francisco celebrou com paramentos azuis a Solenidade de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, padroeira da minha paróquia. Mas é um costume muito bonito e significativo, quem sabe não tornamos seu uso popular e, por consequência, oficial ?!
    Pax.

  • Jorge Luis

    Dalmática dos diáconos mais bonita que a casula?? Discordo! Não tem coisa mais linda do que uma casula, principalmente a roxa ou vermelha (não que a dalmática seja feia).

  • Sidnei

    Nunca mais vi padres usarem rosa nos penúltimos domingos da quaresma e advento, acredito que esta cor esta saindo das vestimentas litúrgicas, o que é uma pena, pois tal cor, de fato, inspira alegria e traz a mente que um tempo esta terminando e outro chegando e a vida vai passando e em breve estaremos todos com DEUS uma dia.

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>