Jesus: ou Deus, ou nada.

Jesus é Filho Deus, e Deus Ele mesmo. “É, jura?”. Amigo, antes que você dê como óbvia a minha afirmação, lembre-se de que boa parte das pessoas ao seu redor não vê o Nazareno com os mesmos olhos que você. Há uma multidão de pessoas que O admiram, que simpatizam com muitos de Seus ensinamentos, que acham Ele um fofo, enfim… Mas que não O aceitam como Deus.jesus-filho-de-deus

Essas pessoas não se dão conta de que é simplesmente IMPOSSÍVEL considerarmos que Jesus tenha sido um homem respeitável, digno de ser ouvido, se não cremos que Ele é Deus. E é missão dos que creem esclarecer a todos sobre isso. Não, não estou exagerando, e vou mostrar por que.

“Não vejo Jesus como Deus, mas o admiro com um exemplo de humildade”. Sim, é verdade: Jesus era extremamente humilde. Porém, se tiver um mínimo de coerência intelectual, uma pessoa que não O reconhece como Deus  é obrigada a tê-Lo como um louco ou como um pobre arrogante. Afinal, não dá pra levar a sério um cara que, não sendo Deus, diz esse tipo de coisa:

“Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.” (Jo 14,6)

“Disse-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai e isso nos basta. Respondeu Jesus: Há tanto tempo que estou convosco e não me conheceste, Filipe! Aquele que me viu, viu também o Pai. Como, pois, dizes: Mostra-nos o Pai…” (Jo 14,8-9)

“Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou.” (Jo 13,13)

“Eu sou a videira; vós, os ramos. Quem permanecer em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.(Jo 15,5)

Imagine que hoje você encontre na rua um homem que, não sendo Deus em pessoa – ou ao menos o Brad Pitt –, lhe diga essas coisas. Aposto que você terá que fazer um grande esforço para segurar o riso (é o “efeito Inri Cristo”, saca? Nem ele mais se leva a sério!). Agora, repare que Jesus aceitava na boa que seus discípulos o cultuassem como Deus:

“Respondeu-lhe Tomé: Meu Senhor e meu Deus! Disse-lhe Jesus: Creste, porque me viste. Felizes aqueles que crêem sem ter visto!” (Jo 20,28-29)

E vejam como era grande a Sua pretensão: Ele afirmava ser capaz de fazer coisas que só um Deus poderia, como purificar as pessoas de seus pecados e dar-lhes a vida eterna:

“Por isso te digo: seus numerosos pecados lhe foram perdoados, porque ela tem demonstrado muito amor. (…) E disse a ela: Perdoados te são os pecados. Os que estavam com ele à mesa começaram a dizer, então: Quem é este homem que até perdoa pecados?(Lc 7,47-49)

“Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia.” (Jo 6,54)

“As minhas ovelhas ouvem a minha voz, eu as conheço e elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna.” (Jo 10,27-28)

Ora, se um homem que fala e age dessa forma não é Deus, não passa de uma figura patética. E, por mais que tenha falado “coisas bonitas” e tenha “pregado o amor”, essencialmente, seria uma mera caricatura de guru. Repito: Jesus se considerava digno de ser adorado como Deus. A-do-ra-do! E fazia questão de ser amado acima de todas as coisas. Menos do que isso, Ele não aceitava:

“Quem ama seu pai ou sua mãe mais que a mim, não é digno de mim. Quem ama seu filho mais que a mim, não é digno de mim.(Mt 10,37)

O famoso escritor C.S. Lewis (autor de “As Crônicas de Nárnia”) escreveu algo muito relevante sobre essa questão:

“Estou tentando impedir que alguém repita a rematada tolice dita por muitos a seu respeito: ‘Estou disposto a aceitar Jesus como um grande mestre da moral, mas não aceito a sua afirmação de ser Deus.’ Essa é a única coisa que não devemos dizer. Um homem que fosse somente um homem e dissesse as coisas que Jesus disse não seria um grande mestre da moral. Seria um lunático – no mesmo grau de alguém que pretendesse ser um ovo cozido – ou então o diabo em pessoa.

“Faça a sua escolha. Ou esse homem era, e é, o Filho de Deus, ou não passa de um louco ou coisa pior. (…) Mas que ninguém venha, com paternal condescendência, dizer que ele não passava de um grande mestre humano. Ele não nos deixou essa opção, e não quis deixá-la.”

S. LEWIS. Cristianismo Puro e Simples. Editora Martins Fontes, SP, 2005.

É isso amigos. Façamos a nossa escolha. Diante de tudo o que disse e fez, Jesus não nos dá a opção de acharmos que Ele é simplesmente um sujeito bacana, um “espírito iluminado” ou algo assim. Ou Deus, ou nada.

E, a quem é dada a graça imensa de reconhecer a Sua divindade, não é mais possível relativizar a Sua Palavra: “Isso aqui que Jesus falou me agrada, eu sigo, ok. Ah, não, nessa outra passagem Ele foi muito radical, isso não eu não vou levar em conta…”. Deus falou, tá falado mano. Não dá pra crer mais ou menos.

Que Nossa Senhora ilumine as mentes para que todo joelho se dobre e para que toda língua proclame: Jesus Cristo é o Senhor! Deus Vivo, Forte, Santo e Imortal.

*****

Pra quem deseja se aprofundar no tema, oferecemos o roteiro para um ESTUDO BÍBLICO sobre “Jesus, verdadeiro Homem e verdadeiro Deus” (Clique AQUI para baixar).

21 comments to Jesus: ou Deus, ou nada.

  • Cadu Sindona

    Lindo! Isso me recorda, quando Santo Agostinho ainda era atormentado pela dúvida do arianismo (heresia que negava a divindade do Senhor), em que ele sonhou algo extraordinário: enquato caminhava pela praia, ele viu um menino brincando na areia, fazendo um buraco. Ele se aproximou e perguntou o que o menino estava fazendo, e ele disse que estava tentando colocar toda o mar naquele buraco. Nosso Santo Doutor disse que isso era impossível, e o menino respondeu que assim como era imposível colocar o mar naquele buraquinho, também é impossível compreender com a mente humana, todo o mistério da Trindade. Jesus é Deus e Homem, Homem e Deus. 2 ª Pessoa da Santíssima Trindade, e Caminho Verdade e Vida!

  • Cadu Sindona

    Sabe o que é mais legal na Pessoa de Jesus? Jesus não é só homem, Jesus não é só Deus, Jesus não é 50% homem e 50% Deus, Jesus não tem duas Pessoas dentro de si, uma homem e outra Deus, Jesus é TODO homem e TODO Deus! Jesus têm duas naturezas, uma humana e outra divina que não se misturam, não se negam, mas desde sempre existiram, desde antes de todos os séculos. Jesus, é o Nosso Senhor e Nosso Deus, como bem disse S. Tomé.

  • Caramba!
    Essa é uma das postagens que mais gosto nesta página!

    Catequese Crismal
    http://crismaconfirmacao.blogspot.com/

  • Luan

    tome cuidado com a interpretação da fala de Jesus de forma fundamentalista, pois a cristologia interpreta de forma diferente, aqui não estou criticandoa divindade de Jesus Cristo que eu creio, mas uma parte da cristologia que diz o que realmente Jesus disse e o que os apostolos a partir do seu encontro vivenciaram e constataram.
    luan

  • Oi, Luan! Algum trecho desse post lhe pareceu sugerir que defendemos uma interpretação fundamentalista dos ensinamentos de Jesus?
    Quando dizemos que não é possível relativizar a Sua Palavra, na verdade, estamos defendendo o seguimento fiel ao Magistério da Igreja. Ou seja, defendemos a interpretação infalível da Igreja sobre os Evangelhos, e não qualquer outra.

    Abraço!

  • Luan

    Mas não falo de “qualquer outra” me baseio nos documentos do vaticanoII e nos recentes livros do papa.E o que eu chamo a ser observado é uma parte da cristologia clássica que diz sobre OS RELATOS EVANGELICOS POS-PASCAIS eo que realmente Jesus disse e o que realmente os textos nos orientam, essa visão é defendida por bíblistas que trabalham no vaticano.
    voc~es não devendem o fundsmentalismo bíblico pois ele é mais amplo e complexo.
    Outra coisa Igreja somos nós, sim existe aqueles que a sua função ministérial tevem guardar e zelar pela fé.
    peço que não leve esse comentário como uma critica negativa, mas é um catequista que tenta ajudar
    com o pouquissímo conhecimento que tem.

    um grande abraço!

    Luan.

  • Cadu Sindona

    Sim Luan mas, oq A Catequista perguntou e eu pergunto tbm, é oq de fato vc quis dizer? Como bem diz a “Dei Verbum” (Encíclica Doghmática do Concílio Vaticano II), reafirmando oq tantos e tantos Concílios ja disseram, principalemnte o I Concílio de Niceia, Cristo é de fato o Verbo de Deus, q se fez carne, pelo seio da Virgem Maria. Deus de Deus, Luz da Luz, todo Deus e todo Homem, com duas naturezas, uma Humana e a outra Divina, q nao se misturam nao se completam ou anulam. Oq se mantem total e misteriosamente contido nas Sagradas Escrituras e no Magisterio da Igreja. A “Dei Verbum” diz com tdas as letras q a Palavra e o Magisterio, estao em pe de igualdade, uma completando e explicando a outra. Oq tanto eu como A Catequista queremos saber é oq vc quis dizer com “cristologia classica”?

  • Oi, Luan! Acho que estamos tendo um ruído na comunicação, rsrs.

    Vc disse que nós aqui de O Catequista devemos tomar “cuidado com a interpretação da fala de Jesus de forma fundamentalista”. Então, eu lhe perguntei que parte do nosso artigo pode ter lhe dado a impressão de que falamos de Jesus de forma fundamentalista.

    É isso que quero entender. Abraço!

  • Sou Católica, mas particularmente entendo que Jesus Cristo é o Filho de Deus. Sei que a Santíssima Trindade é “Pai, Filho e Espirito Santo” tudo uma só pessoa, mas me pergunto quando Jesus estava no monte orando e falando com o Pai (Deus) ele então não poderia ser esse Deus e sim o Filho Amado De Deus que estava falando com seu Pai, pedindo para que livrase dele o Cálice, mas que fosse feito a vontade do Pai e não a dele (Filho).
    Desculpa, mas entendo dessa maneira e tenho muita Fé em Deus e em Seu Filho Jesus Cristo e admiro muito sua Mãe Maria, ( que por sinal recorro sempre á ela para proteger meu filho, principalmente quando estou longe dele).
    Abraços.

    • Oi Margane!!! A verdade é que Cristo é o próprio Deus sim, e isso tem a ver com o mistério da Santíssima Trindade, como você mesma falou.

      Claro que olhando para a passagem que você citou, a coisa parece meio esquisita. Como Ele estaria falando com Ele mesmo? Bem, pra Deus nada é impossível e a Trindade é com certeza o mistério mais inacessível para nós.

      Mas mesmo não entendendo, devemos aceitar o que a Igreja nos diz sobre o assunto. A interpretação que você sugeriu é tida como heresia e o CREDO NICENO-CONSTANTINOPOLITANO passou a conter o seguinte trecho para esclarecer essa questão:

      “…
      Creio em um só Senhor, Jesus Cristo,
      Filho Unigênito de Deus,
      nascido do Pai
      antes de todos os séculos:
      Luz da Luz,
      Deus verdadeiro de Deus verdadeiro,
      gerado não criado,
      consubstancial ao Pai.
      …”

      A lição de humildade sobre esse assunto vem do próprio Deus, quando explicou exatamente esta mesma questão a Santo Agostinho:

      Conta-se que Santo Agostinho andava em uma praia meditando sobre o mistério da Santíssima Trindade: um Deus em três pessoas distintas…

      Enquanto caminhava, observou um menino que portava uma pequena tigela com água. A criança ia até o mar, trazia a água e derramava dentro de um pequeno buraco que havia feito.

      Após ver repetidas vezes o menino fazer a mesma coisa, resolveu interrogá-lo sobre o que pretendia.

      O menino, olhando-o, respondeu com simplicidade: -“estou querendo colocar a água do mar neste buraco”.

      Santo Agostinho sorriu e respondeu-lhe: -“mas você não percebe que é impossível?”.

      Então, novamente olhando para Santo Agostinho, o menino respondeu-lhe: “ora, é mais fácil a água do mar caber nesse pequeno buraco do que o mistério da Santíssima Trindade ser entendido por um homem!”. (Sto. Agost).

      Beijos, Margane e Feliz 2012!

  • Ei Ale copiou legal hein? Kkk Sim Margane Jesus é Consubstancial ao Pai, ou seja, o Salvador é da mesma substancia divina de Deus Pai. Nas Sagradas Escrituras, principalmente no Evangelho de Sao Joao, fica evidente a divindade de Jesus bem como nas cartas do NT os Apostolos Paulo e Lucas (no Ato dos Apostolos) tbm falam de Jesus como Deus.

    O Pai e o Filho nao sao exatamente a mesma Pessoa, sao o mesmo ser o mesmo Deus de Amor q se revelou de formas diferentes. Jesus é o Verbo de Deus q se fez Carne, é Aquele q existia antes de todos os seculos e q venceu a morte. Caso vc tenha duvidas sugiro q leia a Dei Verbum ou a Verbum Domini, na 1a os padres conciliares mostram a Verdade em sua essencia e maravilha, na 2a Bento XVI a explica de uma maneira formidavel.

    Feliz 2012! Abraço

    • Claro, Cadu! Descaradamente! Hahahahaha… pra que mudar o que está ótimo? Claro falamos da história de Santo Agostinho! O resto é novinho em folha!

      De qualquer maneira, espero ter ajudado a elucidar a Margane!

    • Marcelo Colonna Rosman

      Acho muito importante sermos muito claros ao escrevermos sobre quem é Jesus, o Pai, o Filho e o Espírito Santo.
      Em Deus ou a Santíssima Trindade há três Pessoas totalmente distintas e que sempre existiram: a Pessoa do Pai, a Pessoa do Filho e a Pessoa do Espírito Santo.
      No entanto, estas três Pessoas distintas possuem a mesma natureza divina.
      Daí o porquê que se afirma que Deus é Uno (na natureza divina idêntica de cada uma das três Pessoas) e Trino (nas 3 Pessoas distintas).
      Não são três Deuses, mas sim Um Só Deus em Tês Pessoas Distintas.
      As três Pessoas da Santíssima Trindade não são 3 manifestações distintas de Deus. Nem 3 revelações diferentes de Deus. Dizer isto é dizer que Deus ora se manifestaria ou se revelaria como Pai, ora como Filho e ora como Espírito Santo. Não. O Pai, o Filho e o Espírito Santo sempre existiram e são Pessoas totalmente diferentes as quais possuem a mesma e igual natureza divina.

      Mas e Jesus? Quem é Ele? Jesus é a Pessoa do Filho que assume a natureza humana no seio de Maria Santíssima.
      Jesus de Nazaré não existiu sempre desde toda a eternidade, mas somente a partir do momento da Encarnação da Pessoa do Filho, quando Este assume a natureza humana no seio de Maria Santíssima para nunca mais a deixar.
      Jesus é perfeitamente homem e perfeitamente Deus.
      Jesus possui uma alma racional e humana como a nossa, uma natureza humana como a nossa, um corpo humano como o nosso, mas a sua Pessoa não é uma pessoa humana como a nossa, mas sim uma pessoa divina: a Pessoa do Filho.
      Jesus possui duas naturezas: a natureza humana como a nossa e a natureza divina da Pessoa do Filho. Jesus é Deus e é Homem ao mesmo tempo.
      É na Pessoa do Filho que as duas naturezas de Jesus: a humana e a divina, se unem perfeitamente e sem confusão.

  • Daniel Pires

    Deus, Deus, Deus. Mil vezes o infinito Deus, agora e para sempre e por todos os séculos dos séculos.

  • Ligia

    Ele é Deus e pronto! E ainda bem que é Ele mesmo! Parabens pelo texto…

  • Letícia Alves

    Muito bom o post! Sou catequista de Crisma e, essa semana, vou falar exatamente da natureza divina de Cristo. Me ajudou bastante. Sou super fã do blog e agradeço pelo sim de vocês a esse projeto. Parabéns!

  • Renata

    Amei muito o site .. nota 10

  • Juliano

    Prezados, pela primeira vez acesso o site O Catequista, e acho muito legal, principalmente por ser extremamente católico, e faz tempo que tenho procurado sites que defendem a nossa Santa Igreja!!! Com relação a divindade de Jesus, só gostaria de receber a seguinte explicação: Na Cruz, o Senhor diz..”Pai, a ti entrego o meu espírito”; no Horto, Ele pediu, em tom carinhoso, que se o Pai quisesse, afastaria dele o cálice, mas, contudo, que fosse feita a vontade D’Ele. Por que, nesses casos, ele clama uma terceira pessoa, no caso, ele clama a primeira pessoa da trindade?
    Eu não estou contestando as explicações, apenas quero tirar as dúvidas que tenho, pois sou apenas um leigo, e sei que a Bíblia é, muitas vezes, complicada de entender. Abraços a todos!!!

  • La trinità racchiude tre persone uguale perché hanno la stessa immagine che vedendoli vedono la stessa persona,se noi notiamo tra gli animali e ne prendiamo uno o per dire un pastore tedesco e lo facciamo ha gredire un’altro animale lui senza meno quando vedrà laltro animale crederà che sia lui e non avrà dubbi,ma non è lui,mentre il figlio è figlio del padre e la sua carne appartiene al padre.Quando il verbo si è fatto carne stiamo parlando di colui che ha creato ogni cosa e per mezzo di Cristo che è lo Spirito del verbo sussiste ogni cosa formato mediante il verbo.La scrittura dice che ha parlato per mezzo dei profeti,per compredere la scrittura bisogna credere per fede e mediante la fede camminare in spirito e verità che è molto difficile senza una guida,mentre per lo spirito esiste il padre e il figlio e sarà proprio il figlio ha rivelare la verità perche il figlio conosce il padre e conosce lo Spirito e il verbo.Quando si dice nel nome del padre sappiamo che sulla croce dice Eloi,il figlio porta il nome del padre che si chiama Eloi come nella nostra vita normale,ma per mezzo dello Spirito di Dio che sarebbe l’unto del Signore porta il nome di Cristo,alla fine il figlio è tra il padre e il Cristo creatore,per questo dice la scrittura che l’altro paracleto prenderà di Cristo e annungerà la verità tutta in tera.

  • Sara

    Lewis foi muito feliz quando disse aquelas palavras. E, realmente, as pessoas “desdobram” muito as coisas para dar um jeitinho de “crer sem crer”… Tenho esperança de que entendam que, para Deus, não existem meios-termos; Como está escrito no livro do Apocalipse: “Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca”.

  • Vanderlei Lima

    Passaram-se mais de dois mil anos e quantos Tomés ainda existem, infelizmente tanto dentro, quanto fora, da Santa Madre Igreja. Eu pergunto: -O que é que Deus precisa fazer mais, para que acreditem… A Palavra se fez Carne e habitou entre nós? Eu respondo com apenas duas letras, FÉ! É o que nos FALTA!

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>