Catolicast 14 – Santidade!

INTERROMPENDO O SEU BANHO SEMANAL!!!!! Hoje reunimos aqui: Waldir Quaresma, Vitor Quintes, Raquel Gompy e Daniel Wey (Monalisa de pijamas) para falarmos da principal vocação de todo cristão: A SANTIDADE!

Catolicast14

Nesse Catolicast: Saiba que dá pra ser santo em qualquer estado de vida, conheça santos de nossa terrinha, saiba o passo a passo pra ser santo e aprenda as manhas para entrar no castelo sambando na cara dos inimigos!

 

CLIQUE NO PLAYER PARA OUVIR!

[display_podcast]

 

PARA ESTUDAR:

LINKS IMPORTANTES:

16 comments to Catolicast 14 – Santidade!

  • André Bohn

    Bom Dia,

    Excelente Tópico, eu estou decidido em direcionar grande parte do meu esforço para construir uma vida santa, que como percebi no debate é um processo longo e com muitos desafios.

    Estou lendo o Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem Maria, o que está me modificando lentamente e me fazendo entender a importância de ser escravo VOLUNTÁRIO de Jesus Cristo, o sacrifício sendo alimento da humildade e Maria caminho seguro para Amar Verdadeiramente seu Filho e Nosso Senhor Jesus Cristo.

    Por enquanto não consigo ver com clareza qual a doze correta entre profissão, casamento, família e espiritualidade. Para chegar a uma certa harmonia, uma depende da outra, todas tem igual importância mas Deus está acima de tudo. É realmente um desafio.

    Valeu pelas indicações dos livros, pelo que vi, são muito importantes.

    Muito Obrigado

    PAZ E BEM !

    • André Bhon, meu caro, ao levantar, todos os dias já o ponha nas mãos de Nossa Senhora, em casa, no trabalho, de férias, na Igreja, no fim do dia agradeca pela proteção e ajuda recebidos, e coloque cada sofrimento ou dificuldade ou ainda algum mal recebido como pequeninas penitências.
      Padre Paulo Ricardo tem um vídeo que fala sobre estas coisas.
      Procure ler um pouco sobre São José Maria Escrivá, sobre a santidade nas cuisas do dia a dia.

      • Eles fazem isto? Malandros, isto não é só corrupção, é extorsão e formação de quadrilha, não paga porque ainda sobrara para você parte da culpa da corrupção destes ordinários, afinal, cui bono?
        E não deixa teus país pagarem.

  • Mari

    Oi, catequistas! Ja que o assunto é santidade, eu gostaria de um conselho sobre uma situação concreta da minha vida – à luz da doutrina da Igreja.

    Bom, é o seguinte: este ano vou fazer minha carteira de habilitação. Porém, minha mãe disse que é quase impossível passar sem pagar o tal “quebra” (aquela quantia ao instrutor para ele ser mais tranquilo durante a prova prática), mesmo sendo uma boa motorista. De fato, sei de pessoas que eles procuraram os erros mais esdrúxulos para reprovar, porque elas não quiseram pagar o valor. Só que eu sei bem que isso é corrupção, que é errado, que mudar o país depende de cada um de nós. Eu não sou uma pessoa corrupta – se fico com uma canetinha de alguém sem querer, procuro e devolvo. Porém, parece que o sistema do Detran vai me obrigar a fazer isso sem que eu tenha a intenção, caso eu queira dirigir. Será que estarei pecando de forma grave se aceitar que meus pais paguem?

    Estou bem confusa, não tenho amigos próximos que conhecem doutrina para pedir conselho, ainda não encontrei um bom diretor espiritual – por isso estou pedindo ajuda aqui. Se puderem me responder, agradeço! Parabéns pelo blog e que o Espírito Santo guie essa obra! <3

    • Eles fazem isto? Malandros, isto não é só corrupção, é extorsão e formação de quadrilha, não paga porque ainda sobrara para você parte da culpa da corrupção destes ordinários, afinal, cui bono?

    • Mari, o Vitor te aconselhou bem. Quando nos vemos sem saída, mais do que nunca, temos que nos voltar para Aquele que nos dá esperança: Jesus Cristo. Entregue nas mãos dEle esse problema, e confie. De nada adianta ter carteira de motorista, se isso não foi obtido de forma abençoada. Não ceda ao mundo, não ceda ao pecado. A alternativa é Jesus. Tenha fé nEle, pois com Cristo não perdemos nada (ainda que enfrentemos aparentes derrotas e perdas), só ganhamos!

  • Oi Mari, Deus a abençoe.
    Bom, provas do Detran são complicadas, eu mesmo só passei depois da 3° tentativa. No seu caso te aconselharia a ser o mais certinha possível, pega algumas instruções com seu instrutor e tenta seguir a risca, a prova do detran não premia quem dirige bem, premia quem segue o dentro do roteiro proposto por eles. Mas se vc aceitar q seus pais paguem a “quebra” vc vai estar sendo corrupta e estara cometendo um pecado mortal. Mas enfim, fique calma, pessoas perdem a prova por nervosismo. É só seguir o roteiro, peça auxilio do Espirito Santo pra te dar a calma necessária para passar nessa prova. Forte Abraço! Salve Maria!

  • Mário

    Mari,

    seja uma pessoa reta, ou seja, honesta e com vivência nos preceitos de Deus.

    Tenho uma irmã que preferiu hoje estar sem a carteira de motorista, após três tentativas, do que ceder a corrupção de um dos instrutores, disse que se sente feliz por assim ter agido.

    A pergunta é: Tirar carteira de motorista por meio ilícito, agradaria a Deus?

    Reflita.

  • Catequistas, apenas confirmando, pessoal, vamos participar e dar nossa opinião sobre a base curricular comum nacional, lá aparece a ideologia de gênero implícita, o ensino de história sendo picotado, ou seja, história somente indígena e negra, todo o conteúdo de história antiga, medieval, moderna e pós moderna cai fora; além de por nos conceitos do ensino religioso a palavra mito no lugar de doutrina.
    Uma vez que ainda está em consulta pública é possível se cadastrar no site do MEC (http://basenacionalcomum.mec.gov.br/#/site/contribua-inicio) e ali propor a exclusão desses objetivos escusos, bem como mudança de outros tantos. Acredito que se isso for feito em massa, serão obrigados a respeitar.

    • São estes os objetivos vistos no 1º Ano do Ensino Fundamental (quando a criança ainda tem 6 anos, ou o fará neste ano escolar portanto), no CHHI1FOA003 (“Compreender que as normas de convivência existentes nas relações familiares são construídas e reconstruídas temporal e espacialmente.”) e o CHHI1FOA009 (“identificar as várias formas de organização familiar, aprendendo a respeitar e a acolher as diversas configurações que as famílias podem ter.”).

  • carlos

    Ser santo significa ser completamente gente, humano, feliz e realizado. Por isso Jesus, diz “bem-aventurados” os mansos, os pobres, os perseguidos por causa da justiça.

    A plena realização humana só acontece na maturidade e liberdade da santidade e ser santo é ser livre e maduro, desenvolvendo em vez de atrofiar e murchar as potencialidades que o criador colocou em nós.

    Não ser santo é ser uma flor murcha e seca, uma árvore infecunda e morta.

    Eu já convivi com alguns santos (uns seis pelo menos e um deles está no rumo da beatificação) e essa é uma das mais belas experiências que alguém pode ter nesse mundo. Você sente vivamente que está diante de alguém com “algo mais”, mais autenticamente humano, mais inteiro e transparente.

    O santo nos faz sentir que somos únicos e especiais. Era exatamente assim que eu me sentia diante de Irmã Margarida de Salvador (uma dominicana), como se Deus me olhasse com ternura imensa através dela. Essa mulher foi desenganada da medicina umas três vezes (aos 15, aos 27 e depois aos 74) e eu testemunhei a última.

    Ela, principalmente quando soube que estava perto de morrer – segundo a previsão médica – transbordava uma alegria serena que me contagiava e me fazia corar de vergonha por causa dos meus apegos mesquinhos. Estava sempre pronta para o encontro com Jesus Cristo, com alegre disponibilidade, pronta para morrer se Ele a chamasse.

    Morreu na verdade aos 83. Mas vivia assim pronta para o céu e sua “conversação estava nos céus” como diz São Paulo.

    E assim com a cabeça “alienada” dessa terra e fixa no céu, no “ópio do povo”, exatamente por isso, ela fez imenso bem na terra, nos lugares onde viveu, junto a pessoas sofridas e marginalizadas.

    Um traficante que sempre a via, a olhava com imenso ódio e lhe dizia desaforos e palavrões – pois o trabalho dela lhe tirava os laranjas – e ela respondia com um terno e acolhedor sorriso. Com o tempo a água mole da sua mansidão furou a pedra dura daquele coração que veio se juntar à ela no trabalho com os mais pobres.

    O santo faz vibrar o coração da gente, solicita e desafia o melhor que há em nós. E é um fenômeno muito típico do catolicismo. A maneira correta de contar a história da igreja é narrar a vida dos santos, dos apóstolos até o jovem surfista carioca (Guido), pois isso é pregar o Evangelho do Senhor por cima dos telhados, proclamar a glória de Cristo na história.

    Eu gosto muito de São Vicente de Paula, porque seus limites e defeitos (santo não quer dizer perfeito e pronto, mas caminhante na senda da perfeição) me mostram que é possível se agarrar com Cristo, mesmo que nossa situação seja desanimadora.

    Vicente tinha vergonha do próprio pai por causa de sua simplicidade camponesa e dizia aos amigos seminaristas que o pai era empregado em sua fazenda (que nem existia).

    Um cara cheio de manias de grandeza e muito vaidoso, carreirista, só pensando no seu rico pé de meia. Mas enxergando sua miséria, se agarra com Jesus, se preenche da amizade de Jesus, vendendo tudo por causa da única pérola preciosa e assim começa a vencer seus monstruosos defeitos.

    Chegou, com o tempo, a ser tão humilde e simples que sequer permitia que pintassem sua figura para a posteridade. Só temos uma imagem dele, porque um pintor teimoso se escondeu atrás de uma pilastra da igreja , para retrata-lo.

    Um cara assim me dá ânimo de lutar contra meus defeitos, de me desapegar das coisas materiais para me encher de Cristo, de me aproximar dos mais pobres que eu. Pois ele tinha defeitos piores que os meus (jamais tive vergonha de meu humilde e simples pai) e no entanto se agarrou tanto com Jesus, confiou tanto em sua amizade e seu poder transformador , que foi capaz de ir vencendo e derrubando todos aqueles defeitos vergonhosos que tinha, a ponto de ser chamado pelos franceses de “pai da caridade”.

    Cair e levantar, levantando cada vez mais ligeiro, é a rotina de quem busca ser completamente humano e feliz, ou seja: santo.

  • Fabiane Queiroz

    Nossa gente, que absurdo, que cara de pau desse pessoal do DETRAN dai..
    aqui em Goiás fiz, passei na primeira prova e ninguém me pediu nada disso.
    Isso tb acontece pq as pessoas se calam, não denunciam.
    Cabe a nós tb dar um basta nisso, denunciem à POlícia, ao Ministério Público. Sei q é diícil se expor, mas as coisas só mudam quando todos fazem a sua parte.

  • Fran

    Para sermos santos, precisamos amar ao próximo, certo? Bom, queria saber o seguinte: quais são os motivos justos para excluir um irmão da nossa rede de amigos do Facebook? Me arrependo muito de ter feito isso por “medo” das fofocas, medo do que fossem falar de mim.

    • Fran, excluir uma pessoa do Facebook não significa excluí-la da sua vida. Significa apenas que você não quer interagir com ela em uma determinada rede social, só isso. Tenho bons amigos, mas que são sem noção, que me encheram o saco no Facebook e eu simplesmente excluí. Mas continuam sendo meus amigos. Então, se você acha que deve fazer isso, faça sem dor na consciência.

    • Concordo com a Catequista, mas eu tenho uma outra “filosofia de facebook”; as pessoas q não concordam comigo: feministas, ateus, ativistas gays, comunistas, rad-trads e etc; q não me enchem o saco eu simplesmente deixo no meu face, as vezes coloco pra não acompanhar postagens. Faço isso pq acredito(ou tento) que minhas postagens podem contribuir para conversão dessa pessoa. Mas se ela me enche o saco eu simplesmente excluo, mas se encontra-la na rua irei falar com ela, a exclui de da minha rede social, não de minha vida real.

  • Felipe Martins

    Salve povo dO Catequista!

    Obrigado por esse emocionante Catolicast! Não há tema melhor! A nossa amada Igreja é realmente rica!!

    Algo legal nos santos, é que ao olhar para eles, podemos ver claramente a nossa pequenez, e por outro lado, ter uma motivação nova de que o Céu é possível!

    Acho que todo Católico deveria ter um santo (no mínimo) como referência… É edificante. Costumo dizer que são verdadeiros padrinhos espirituais, pois nos direcionam à Deus!

    Enfim, mais uma vez obrigado!
    E levo agora o sonho de que um dia, um filho meu, ainda criança diga: “O que vou ser quando crescer? … Santo!”

    Paz e Bem

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>