“Pretty Woman” na Idade Média: Papa incentivou casamento com ex-prostitutas

Na comédia romântica “Uma Linda Mulher”, a prostituta Vivian, no final do filme, casa com seu cliente e deixa para trás a má vida. E o que a Igreja medieval tem a ver com isso? É o que veremos agora!

casamento_pedido

A caridade cristã assumiu as mais diversas formas na Idade Média. A Igreja e os benfeitores leigos abriam e sustentavam obras para o socorro dos doentes, órfãos, idosos, escravos… E não poderiam ficar de fora aquelas que muitas vezes tinham sido obrigadas desde a infância a uma vida humilhante: as prostitutas.

Havia pregadores que se dedicavam de modo especial a levar o Evangelho a essas mulheres nas praças e ruas. Aquelas que se arrependiam de seus pecados eram acolhidas em congregações religiosas ou abadias fundadas especialmente para elas. Tais casas de acolhida foram muito numerosas em toda a Europa.

Mas a vida religiosa não era a única via apontada pela Igreja para reconduzir as prostitutas a um bom caminho: o matrimônio também era uma ótima solução. Em 1198, o Papa Inocêncio III publicou um decreto determinando que todo homem piedoso que se casasse com uma prostituta para lhe dar uma vida honrada teria seus pecados totalmente remidos (tratava-se de uma indulgência plenária – para saber o que é indulgência, clique aqui).

Desse modo, fica evidente que a Igreja medieval buscava a salvação do pecador, não a sua condenação. Esse é o rosto de um cristianismo misericordioso e cheio de esperança, não a caricatura de uma fé rancorosa e punitiva que a mentalidade geral alimenta em sua imaginação.

Além disso, a Igreja impediu que um número incontável de meninas fossem jogadas na prostituição. Afinal, os conventos e mosteiros estavam sempre prontos a dar abrigo a crianças abandonadas, que, de outra forma, morreriam de fome ou seriam exploradas pelos mercadores do sexo.

As maiores casas de acolhidas de crianças eram dirigidas pelos Irmãos da Ordem do Espírito Santo ou pelos Hospitalários de Jerusalém. Quando chegavam na idade adulta, os rapazes eram ajudados a procurar trabalho e as moças recebiam um dote para seu casamento, caso não quisessem ser freiras.

Santa Maria Madalena curtiu isso!

Para produzir este post, nos embasamos na obra “A Igreja das Cruzadas e das Catedrais”, de Daniel-Rops, membro da Academia Francesa. 

31 comments to “Pretty Woman” na Idade Média: Papa incentivou casamento com ex-prostitutas

  • Sidnei.

    Papa Inocêncio III, não foi este Papa que os historiadores estúpidos dizem que levantou uma cruzada contra os “inocentes” cátaros, e disse aquela frase: “matem todos, deus saberá que são os seus”?. Pois é, dizem que os gestos dizem muito da pessoa, como um Papa que ensina aos homens piedosos, que quem cassasse com uma prostituta para tirar ela desta vida miserável, teria seus pecados perdoados, poderia ser este monstro que certos historiadores pintam.

    • Rodrigo

      Essa frase é atribuída a São Domingos de Gusmão.

    • Na verdade ambos, Sidnei, Rodrigo e Matheus estão certos… e não. Essa maldita frase, já vi em fontes diferentes, já foi atribuída aos três – Inocêncio III, São Domingos (meu mestre e principal Santo de devoção) e Arnold – o que me leva a crer que o VERDADEIRO AUTOR É MAIS UM TRAMBIQUEIRO HISTÓRICO; no nível de um Michelet, Voltaire ou Gibbons. De verdade, duvido muito que se tenha isso numa fonte documental confiável. Eu, pelo menos, desconheço.

  • “Aquelas que se arrependiam de seus pecados eram acolhidas em congregações religiosas ou abadias fundadas especialmente para elas.”
    Discordo bastante que isso se aplique à personagem do filme, que por sinal considero detestável. Na verdade, não gostei do exemplo deste filme em particular, que glamoriza o mundo da prostituição e coloca as coisas mais ou menos como se a prostituição fosse uma opção lícita para a mulher e até mesmo como um estágio anterior a um casamento com um sujeito ba$$$$tante virtuo$o. A mensagem do filme, pra mim, é essa: “Mulheres, não se preocupem, o príncipe ($$$$$$) vai chegar. Enquanto isso não acontece, aproveitem e sonhem”. Quase vomitei com a mensagem final.
    Mas olha, embora eu considere a referência ao filme pra lá de infeliz, não quero ser injusto: parabéns por relatarem como a Igreja se preocupou em dignificar a mulher – coisa que sempre fez e poucos reconhecem.

  • Rodrigo

    Nunca faltou CSP desde a idade média. O grande problema é a mentalidade atual/modernista que prega que a mulher pode fazer o que quiser com o corpo. Se eu tenho um comportamento casto eu não posso ser coagido a me casar com uma mulher que não tenha o mesmo comportamento. Concordo com o Matheus Cajaíba que a mensagem do filme (e do comportamento atual das mulheres) não condiz nem um pouco com o comportamento que se espera de alguém. Ainda assim é bom saber que o pobre CSP ao menos vai para o céu… já a mulher dele não parece ter o mesmo privilégio 😛

    • As mulheres que eu conheci ao longo da vida – única exceção de uma amiga que não casou, tem mais de trinta e ainda é virgem – acha inconcebível passar dos 20 sem ter dado mais do que o Barrichello tem de corridas na carreira. Um desastre e uma doença dos tempos. Se você ficar pensando nisso, fechar os olhos e imaginar-se numa cena, não se verá em “Uma Linda Mulher”; mas sim dentro da prisão fedida e que mais parece o inferno de “Walking Dead”.

  • Natália

    Desculpe minha ignorância, mas como um Papa pode falar que tal ato pode remir os pecados de alguém? No caso, embasado no que ele pode afirmar isso?
    Obrigada 🙂

    • O Papa tem o poder das Chaves de Pedro, certo? Então, ele tem todo o poder de conceder esse benefício espiritual, de modo legítimo. Desse modo, estimulava os homens a realizar um ato especial de caridade, reconduzindo mulheres afundadas no pecado a uma vida digna. Ademais, lembre-se do que disse o Apóstolo Tiago:

      “Meus irmãos, se alguém fizer voltar ao bom caminho algum de vós que se afastou para longe da verdade, saiba: aquele que fizer um pecador retroceder do seu erro, salvará sua alma da morte e fará desaparecer uma multidão de pecados.” (Tiago 5,19-20)

  • Vinicius

    A cada dia mais me impressiono com a deturpação que existe da imagem da Igreja Católica atual e do passado. Parece que a História fez questão de nos rejeitar. Bem-aventurada é a Igreja, perseguida em nome de Cristo!

  • João Pedro Strabelli

    “Todo homem piedoso”. Não era a farra que se imagina por aí com qualquer um fazendo isso para livrar a cara. Até porque, não se disse que estariam perdoados o que se fizesse depois. E, além do mais, para cada situação um remédio. E, além de tudo, o papa Francisco não autorizou no Ano Santo um padre perdoar caso de aborto? (esta última me tornou fã de alguém pela primeira vez na vida).

    • Rafael Delanhese

      Na verdade o Papa Francisco autorizou qualquer sacerdote a retirar a pena de excomunhão que é automaticamente aplicada em quem realiza o aborto, pena esta que em contextos normais só pode ser retirada pelo Bispo ou por aqueles sacerdotes a quem o Bispo conceder esse direito.

  • Rafael Delanhese

    Ótima postagem como sempre, mas se permitem uma sugestão, acho que vocês poderiam acrescentar um adendo explicando que esta remissão trata-se de uma indulgência plenária linkando com as postagens de vocês sobre o assunto.

  • Edmundo Noir

    Só com indulgência plenária mesmo para convencer o rapaz a assumir uma rodada….Tem que ser herói e muito peidoso mesmo kk…

    A mim pobre mortal, prefiro a ideia de buscar uma parceira virgem;

  • Augusto

    Comédias românticas são um dos gêneros mais imbecilizantes de nossos tempos…

  • Padre Orlando Henriques

    Vocês estão a dar-lhe forte!
    Numa só semana, quatro posts demolidores contra mentiras e calúnias históricas!
    Assim é que a gente gosta!
    Continuem!

  • Padre Orlando Henriques

    Atentados em Paris…
    No século XVI a ameaça islâmica foi afastada de forma decisiva na batalha do Lepanto graças à oração do ROSÁRIO. Hoje em dia é diferente: sem a fé cristã (que a Revolução Francesa persegue até aos dias de hoje) será possível vencer este novo Lepanto?

    • A sua Bênção Padre Orlando Henriques!
      Dou duas alternativas, a primeira, mais óbvia, vai continuar, o estado islâmico, parecerá vencer, mas no final, as pessoas se lembrarão daquela que já livrou-as e retornarão a pegar em Rosários.
      A segunda alternativa, não tão óbvia, mas não menos plausível, e que pode acontecer, as autoridades e os estados europeus consigam dar um jeito, prender e expulsar os muçulmanos da Europa, acalmar a situação, posar de bonzinhos e depois, por a culpa da invasão muçulmana e todos os atentados na Igreja Católica, com todas as mentiras pregadas até agora sobre as cruzadas, e com a atual, o Papa é o culpado por pedir que se abrigue refugiado muçulmano, e aí, quem vai pagar o pato serão os católicos sendo presos, perseguidos, igrejas fechadas. Então os ideais revolucionários: liberdade, igualdade, fraternidade será televisionado, o orgulho materialista crescerá, e num rebento, a razão humana será entronada deus, de uma vez por todas, o que fará com que pelo globo terrestre, inúmeras pessoas sintam este orgulho, Deus foi morto, a cristandade enterrada, a Igreja Católica (a má e perversa opressora do amor livre, do prazer e das benesses deste mundo)que para este mundo, é a causadora de todo mal.
      Então o próximo passo é acabar com evangélico, porém, com a “derrocada” do fetiche dos protestantes, a Igreja Católica, estes, sentir-se-ão num vazio tão grande, numa amargura enorme, que vai dar dó de ver, afinal, para mim, o que ainda mantem protestante acreditando em Jesus Cristo, por mais torto que seja, é a Igreja Católica, porque somente pelo pastor e pelas 5 solas, eles somente levam é soladas de botina no traseiro.
      É aonde entraremos nos últimos momentos daquilo que já estamos vivendo, o fim dos tempos, e se este tempo não for abreviado, não restará mais ninguém a ser salvo, todos apostasiarão abertamente.
      Sei que isto está parecendo o apocalipse, mas me parece plausível, afinal, todos os governos do mundo, inúmeras pessoas lutam para ver a derrocada da Religião Católica e dos católicos. Além do mais, nunca se lutou com tanta força para transformar o pecado em virtude, porque, pecado a humanidade sempre fez, mas não tão abertamente, institucionalizando-o, inclusive em leis. O aborto, casamento gay, looby gay e feminista, destruição da família, legalização da maconha, grupos de pessoas começando a defender a bestialidade, defender a prostituição, defender os ideais marxistas, o adultério crescendo, etc…

  • Leandro

    Eu gosto muito da História do Papa Inocêncio III (tá faltando um papa como este nos dias de hj). Mas neste caso ele “pisou na bola”. Eu não me casaria com uma prostituta, e não recomendo ninguém a fazer isso.

  • Leandro

    Aliás, veja só como era a vida “oprimida” da mulher na Idade Média:

    “Mas a maior prova da elevação feminina com o surgimento do amor cortês, não vem da pintura nem da poesia, e sim das maravilhosas descrições que André Capelão faz dos tribunais femininos. O incrível cenário era esse: dezenas de damas reuniam-se em uma corte de uma condessa ou baronesa e formavam uma assembléia feminina, espécie de “tribunal do amor”, para ouvir queixas e julgar delitos cometidos por amantes, delitos que infringiam as “leis” do amor cortês, o código de conduta aceito por todos. Em outras palavras: tratavam-se de reuniões femininas “a portas fechadas” para fofocas e intrigas palacianas sobre mulheres adúlteras e amantes fogosos!95 E tudo isso sem o conhecimento dos maridos traídos!”

    http://www.ricardocosta.com/artigo/entre-pintura-e-poesia-o-nascimento-do-amor-e-elevacao-da-condicao-feminina-na-idade-media

  • JR

    ATENÇÃO CATEQUISTA! Esta semana a rede record está atacando a Igreja Católica e puxando saco dos judeus. Afirmando que o papa baixou decreto para perseguir judeus por heresia (a tal inquisição) no século XVI, ou seja, usando o poder da tv para atacar os católicos. Qual é a sua resposta a respeito do assunto?

    • adriano

      Olá JR, no próprio site tem boas postagens sobre isso, vale a pena lê-las, são bem instrutivas.

      Da minha parte (não sou historiador, mas já li algumas coisas sobre inquisição) posso dizer que:

      O termo inquisição é ambíguo, e significa um modelo de atuação judiciária. Houveram várias “inquisições”, ou seja, vários tribunais que se utilizavam do modelo inquisitorial para julgamento, desde tribunais civis, até tribunais canônicos das igrejas particulares (por exemplo, da igreja da França ou da Espanha), até o tribunal da Santa Sé.

      Isso porque na Idade Média não havia um Estado soberano, mas sim uma pluralidade de ordens jurídicas concorrentes, o que, como você pode imaginar, gerava uma série de conflitos de competência. Além de não haver telefone nem internet, o que tornava a comunicação demorada, dificultando o controle e a prestação de contas.

      Então temos que saber de qual inquisição estamos falando. É muito fácil, por exemplo, mostrar instrumentos de tortura usados por algum tribunal civil e atribuir à Igreja o seu uso (como o próprio site, Ocatequista já documentou).

      Além disso, temos que analisar o processo judiciário dos tribunais da Igreja tendo em mente quais era a praxe judicial da época. Se fizermos isso podemos notar que o processo canônico medieval representou uma enorme evolução jurídica. Veja que o nosso Código de Processo Penal vigente hoje em dia tem uma série de semelhanças com o sistema processual canônico medieval.

      Recomendo a você que leia esse livro:

      http://portalconservador.com/livros/Joao-Bernardino-Gonzaga-A-Inquisicao-em-Seu-Mundo.pdf

      Sobre os judeus:

      1) Os tribunais da Igreja só julgavam BATIZADOS CATÓLICOS

      2) Um dos únicos lugares em que um judeu se sentia seguro na Idade Média era em Roma, juntinho do Papa. Veja só, a respeito dos judeus:

      “Cap. 41: Quanto àqueles que se recusam a acolher o bem do cristianismo, (…) não podemos escrever-vos outra coisa senão que, para que acedam à reta fé, os tenteis convencer da vaidade de seu pensar antes com advertências, exortações e raciocínios do que com a força. Além disso, não se deve absolutamente usar violência para obter que creiam, já que tudo o que não vier da própria oferta interior não pode ser bom; na verdade, Deus ordena que seja prestada obediência voluntária, e só por quem age de livre vontade: de fato, se tivesse querido usar violência, ninguém teria podido resistir à sua onipotência”.
      Respostas aos búlgaros, 13 de novembro de 866, Papa Nicolau I (Denzinger 647).

      Existem outros pronunciamentos de papas medievais nesse sentido.

      Veja você que para desfazer uma história mal contada em poucas linhas, precisamos de um longo texto. Na verdade os protestantes (junto com alguns filósofos franceses) foram os maiores divulgadores de mentiras anti-católicas.

      • adriano

        Só pra reforçar com um exemplo recente o ímpeto caluniador dos protestantes.

        http://ocatequista.com.br/archives/13187

        Na postagem acima está relatado que alguns sujeitos, logo que souberam da existência de ossadas infantis num convento, acusaram as freiras de jogarem as criancinhas no esgoto, sem buscar sequer mais informações sobre o ocorrido. Em alguns meios protestantes, de mais baixo nível ainda, se falou – seriamente – que essas ossadas eram de fetos abortados pelas freiras. Um protestante que eu conheço afirmou isso para mim, bastante assustado. (OBS: esse sujeito hoje é católico).

        O ímpeto desse pessoal em mentir é incrível. Existem milhares de outras histórias, cada uma mais sórdida que a outra.

        “Não sabeis que o protestantismo também possui um fundador sobrenatural? Sabeis agora, trata-se de um anjo, e seu nome é Lúcifer” (S. Padre Pio).

    • Sidnei

      A Record vai passar reportagem da Igreja Católica que perseguia os judeus. Será que eles também vão mostra o Lutero bipolar, que hora defendia os judeus e depois os atacava? (http://ocatequista.com.br/archives/15203), e que por isto, hove também nos meios protestantes, o anti semetismo que os protestante tanto gostam de cuspir na cara de nós católicos mas não olham para o próprio rabo, porque se olhassem, iriam perseber que estão tão sujos quanto daqueles que eles gostam tanto de apontar o dedo?. Será que vão mostrar que sempre houve em Roma uma comunidade judaica o qual se fosse verdade que o Papa e a Igreja Católica quisesse o extermínio dos judeus da face da terra, iria começar pela própria casa?. Será que vão mostrar que não houve uma única inquisição, mais várias, e entre elas, houve a ibérica, e nesta sim, os judeus foram forçados ou a se converter ou ser expulsos da Espanha e depois de Portugal, mas sobre protestos da Igreja,haja vista que o tribunal da Inquisição não fora criada para converter a força os judeus, mas para: investigar, julgar e aplicar a pena imposto aos hereges, aqueles que foram batizados na Igreja mas que ao renegar a sua fé, colocavam em risco a fé dos demais, com a propagação das heresias que ameaçavam a unidade da doutrina de CRISTO.

      Segundo pelo que andei ouvindo nos últimos dias, com a nova lei de imprensa, aqueles que forem difamados por alguma reportagem quer seja por meio de jornais e revistas impressos, ou televisionados, poderão recorrer a justiça para obter o direito de resposta, se alguns católicos vier a sentir incomodados com estas reportagens da Record que certamente, não serão nem um pouco imparcial, deveriam entrar na justiça e apresentar seu direito de resposta contra a emissora. Só assim então acabaria com esta palhaçada de atacar a nossa fé o tempo inteiro, e todos veriam que nós católicos estamos vivos e não mortos, e que merecemos um pouco de respeito também.

  • João Pedro Strabelli

    Vou falar do modo menos indicativo possível para não se identificar ninguém. Afinal, não sou parente de nenhum deles.

    Conheço alguém cujo tio se casou com uma mulher dessas. Conheceu, não sei se teve algum caso com ela antes, mas se entenderam, casaram, foram recusados pela família inteira dele. Inclusive o pai do sujeito passou muito tempo sem o aceitar em casa. O resultado? Quando estavam doentes e perto da morte, tanto o sogro quanto a sogra quiseram a companhia exclusiva daquela mulher e falavam pra todos que quem cuidou melhor deles a vida inteira foi eles. Melhor que as filhas, até. E, segundo o que me contou, um dia a mulher disse que só ela sabia o inferno que tinha vivido e que nunca mais queria voltar para lá.

    Sei que há casos e há casos e que vários homens que acharam de tirar a sua cara metade de algum centro de prostituição (pra não falar zona) e se arrependeram amargamente… ou não, tem gente que adota a ideia comunista de dividir a mulher com os outros — cada louco com sua mania. Mas não se pode generalizar. Nem duvidar do que Deus faz no coração das pessoas.

  • Caríssimo Paulo Ricardo, sei que você é o historiador da equipe, por isto, vou te pedir um post especial sobre a atividade física na idade média, pois a marvada da ingreja num dexava as pessoa fazê exercício físico. Claro, ai vai algumas dúvidas minhas também, pois fiz educação física, e no currículo tive história da educação física, contudo os livros e os temas abordavam apenas os movimentos ginásticos europeus, em especial e como sendo os únicos expressivos o sueco, o austríaco, escola dinamarquesa, o inglês e o alemão. Somente os países que a deforma protestante atuou sendo os grandes proferidores de um coisa magabilhosa como predecessores da moderna educação física a serem estudados é mera coincidência.

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>