Diocleciano: o Dirty Harry dos Cristãos do Século IV

dirty_harry_make_my_daySempre ouvimos falar que os primeiros cristãos eram comumente jogados aos leões no Coliseu de Roma. Isso é bem verdade. Do que quase nunca ouvimos falar é de quando e como a maior perseguição aos cristãos começou. Sempre associamos a Nero à maior carnificina cristã dos tempos do Império. Nero realmente pirou na batatinha, mas nem de longe foi o imperador mais maluco.

Podem crer, na história de Roma tem coisa muito, muito pior do que Nero, coisinhas diabólicas mesmo como Calígula, Heliogábalo, Tibério (imperador quando Jesus nasceu), Cômodo e Caracala. O Imperador Diocleciano NÃO faz parte desse rol de malucos, muito pelo contrário. Esse talvez tenha sido o grande azar dos nossos irmãos do Século IV… Diocleciano era equilibrado, frio, inteligente e perspicaz. Vamos então apresentar uma pequena biografia do Dirty Harry da antiguidade.

Caio Aurélio Valério Diocleciano Augusto nasceu na Dalmácia, atual Croácia, em 244, numa cidade chamada na época Diocléia (daí seu nome), atualmente um balneário chamado Split, muito visitado por sinal. Ambicioso, ascendeu na sociedade romana, tornando-se membro da cavalaria do Imperador Carino. Ser militar em Roma era o “must”. Milicos rules! Sendo assim, Diocleciano cresceu e apareceu por seus méritos e feitos nos campos de batalhas. Com os bárbaros pressionando as fronteiras do Império por tudo que era lado, o que não faltava era saxão e godo pra matar. Como o maior orgulho dos romanos era sua capacidade de prender e arrebentar, ninguém melhor para ocupar a cátedra imperial do que o cara que melhor prendia e arrebentava. Diocleciano, então, recebeu a unção do poder de Império por aclamação militar. Corria o ano de 284 e ele tinha cerca de 40 anos. São Caio era o Bispo de Roma.

A perseguição de Diocleciano foi a última sistemática antes da conversão de Constantino. Houve outras depois, afinal, o fato de o imperador ter se convertido não fez com que os cristãos, de repente, virassem os reis da cocada preta. Mas a perseguição implementada por Diocleciano foi especialmente cruel e sangrenta. Torturas horrendas, assassinatos, espionagem, conspirações, bodes expiatórios, sobrou pra todos os lados. Sob o seu governo pereceram milhares de mártires cristãos, entre eles, São Sebastião e os gêmeos São Cosme e São Damião.

cristaos_martires_coliseu_leoes

Você acha que a sua vida de cristão é dureza? Sente o drama desse povo aqui...

Mas, de onde veio toda essa revolta de Diocleciano? Primeiro citaremos o pretexto. Segundo as fontes mais confiáveis (esqueçam a wikipédia, crianças), dizem que, por ocasião de um rito pagão, alguns cristãos que estavam presentes na cerimônia recusaram-se a prestar homenagem àqueles deuses. Provavelmente eram seus funcionários, obrigados a estar ali para lhe prestar algum serviço. Bom, a acusação era de que eles violaram a pureza da cerimônia e que esta deveria ser retomada do início, ou seja, os adoradores teriam que tomar banho de novo para se purificarem. Então a cabeça do imperador resolveu funcionar: em vez de tomar banho, é melhor sair por aí matando cristãos… Ou seja, criou-se um vínculo lógico ridículo.

Agora, vamos ao motivo de fato. Entre os falsos deuses incestuosos, lascivos e cruéis e o verdadeiro Deus de amor em toda sua Glória, o povo estava correndo aos montes para o segundo. Deste do início, o cristianismo deu-se mal com o poder – se contarem ao contrário a vocês, mandem o indivíduo em questão estudar. Além do mais, muitos altos funcionários do império eram cristãos agora, e a perseguição religiosa seria uma ótima justificativa para tomar sua grana e seus bens.

Os cristãos desta época já eram cascudos, acostumados com perseguições. Primeiro dissimulada, depois oficial e descarada. E assim passaram-se os anos no início do século IV com um imperador dizendo “Make my day” para todo cristão que cruzava seu caminho.

Mais de 1500 anos depois, o mausoléu que abrigava os restos mortais de Diocleciano é hoje um templo católico. A esse respeito, comentou João Paulo II:

“E eis que, alguns séculos depois, o Mausoléu foi transformado em Catedral e entre as suas paredes foram postas as relíquias de São Domnio, Bispo de Salona e mártir. Detive-me em oração diante da sua urna funerária, repercorrendo com o pensamento a ampla perspectiva histórica que de Diocleciano vai até às vicissitudes deste nosso século, marcado por perseguições não menos ferozes, mas ilustrado também por figuras de mártires, não menos esplêndidas do que as antigas.”*

Fiquem com Deus.

* Fonte: site do Vaticano. Dircurso proferido durante uma audiência, em 1998.

Se você tem menos de 30 anos, talvez não saiba quem é Dirty Harry.  Uma olhada rápida na Wikipédia resolve o problema (sim… pra isso ela serve).

8 comments to Diocleciano: o Dirty Harry dos Cristãos do Século IV

  • Cadu Sindona

    Boa! Mais um fiel relato dos Papas na história. No próximo artigo, quando começarem os Sagrados Concílios de maneira mais ativa (lembrando que o Concílio de Jerusalém foi o primeiro de todos, e que o mesmo foi presidido por São Pedro) ficará claro como desde sempre a Igreja reconheceu a autoridade do Bispo de Roma e também a sabedoria dos seus bispos.

  • Suely Cerqueira

    É sempre bom sabermos mais sobre a historia de nossa igreja….Agradecida.

  • Eduardo

    Muito bom o post Paulo.
    Agora pouco enviei um Email para a Viviane pedindo para postarem sobre os mártires da época das perseguições em Roma. E ela me respondeu me passando o link desse seu “post”. Já me explicou muitas coisas.

    Mas gostaria de pedir se não teria como postar mais sobre esse assunto e esse período histórico cruel.
    Como os Cristãos agiam, a veracidade das catacumbas, o período em que Constantino decretou o “Édito de Milão” e porque decretou.

    Não tenho pressa alguma, quando tiver disponibilidade está perfeito.

    Vlew!

    • Eduardo

      Quando cito “a veracidade das catacumbas”, quero dizer para que serviu de fato as catacumbas nos tempos das perseguições dos cristãos. Já li que servia apenas para enterrar os mortos; Que servia para fugirem das perseguições, podendo se esconder dos soldados; Que servia apenas para realizarem a Comunhão, pelo menos uma vez no ano…!

      Qual de fato é a veracidade.
      Vlew!

    • Paulo Ricardo

      Ok, faremos um post futuramente, só não posso te prometer rapidez, porque estou me concentrando na parte de Lutero e também vendo filmes para o catecine e estundando um pouco de história da música pra reativar o catemusic, com uma dissertação bem longa de Bach e Vivaldi. Mas podes crer: tá anotado.

  • Leandro

    Eu diria que o Diocleciano foi um dos imperadores mais loucos da História do Império Romano. Uma de suas medidas foi um controle de preços rigoroso: quem cobrava um preço acima do preço máximo determinado pelo imperador, era condenado à morte. A economia romana, que já estava arruinada com a hiperinflação, só piorou com o controle de preços. Um dos grandes méritos do Imperador Cristão, Constantino, o Grande, foi solucionar o problema da inflação: com a reforma monetária do Constantino, com a instituição do “solidus”, uma moeda forte, a economia do Império Romano se sustentou.

  • Obrigada por mais essa breve aula. Quanto mais conheço a história mais amo a igreja. Acabei de chegar da celebração da palavra na minha comunidade(nem sempre o padre pode estar, pois são muitas as comunidades), mas hoje em especial o celebrante foi audacioso e corajoso falando sobre a família, aproveitando o evangelho sobre as bodas, falou da base da sociedade e fiquei imaginando o quanto ele será criticado por cristãos “politicamente corretos” dizendo que ele é homofóbico ou coisa e tal… pois essa sociedade agora é a arena dos leões, e que Deus nos dê coragem para enfrentar tudo isso como os primeiros cristãos.
    Obrigada mais uma vez pelo site, pois tem me ajudado muito, pois conhecendo melhor, posso assim defender melhor minha fé. Paz e bem!!!

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>