São João XXIII: “Não batam palmas na igreja, nem mesmo para saudar o Papa”

aplausosJá faz tempo que nossos leitores vinham nos cobrando a publicação de um post explicando se podemos ou não bater palmas na missa. Sempre tivemos a nossa opinião pessoal sobre o assunto, mas preferimos não divulgá-la, pois nos faltava maior embasamento. Até que encontramos um vídeo em que São João XXIII pede aos fiéis para não aplaudirem dentro do templo de Deus.

No vídeo, muito simpático e acolhedor, o Papa se mostra grato pelo carinho que o povo lhe dá. A Igreja está cheia de jovens, que o aclamam ardorosamente, com muitas palmas. Mas, como bom pai, o santo não deixa de fazer a devida correção fraterna:

“Estou muito satisfeito por estar aqui. Mas eu devo exprimir-lhes um desejo: que na igreja não gritem e não batam palmas, nem mesmo para saudar o Papa, porque Templum Dei Templum Dei (o templo de Deus é o templo de Deus). Agora, se vocês estão felizes em encontrar-me nesta bela igreja, imagine como o Papa não está feliz em ver seus filhos! Mas assim que ele vê seus filhos, eles batem as mãos na frente de sua face. E esse que está diante de vocês é o sucessor de São Pedro!”

– São João XXIII; 1963, Ostia, IV Domingo da Quaresma (tradução nossa)

Está bem claro que São João XXIII considerava falta de respeito aplaudir dentro do templo de Deus. É bom notar que era um Papa considerado por muitos como progressista, pois foi aquele que convocou o Concílio Vaticano II. Seu ensinamento sobre o decoro na igreja está de acordo com tudo o que os Papas e santos sempre afirmaram, e também com a doutrina atual da Igreja.

“O sacerdote, que celebra fielmente a Missa segundo as normas litúrgicas, e a comunidade, que às mesmas adere, demonstram DE MODO SILENCIOSO MAS EXPRESSIVO o seu amor à Igreja.” 

 – São João Paulo II, Encíclica Ecclesia Eucharistia – grifos nossos

O templo é um local sagrado de culto, de adoração, de oração, de recolhimento, de meditação. É ali que o sacrifício de Cristo na cruz é reapresentado a cada missa, para a salvação do mundo. Não é o lugar, portanto, para demonstrações efusivas de contentamento. É claro, há momentos em que o povo de Deus pode, sim extravasar sua alegria de modo festivo: lembremos, por exemplo, a chegada de Jesus em Jerusalém. Muitos O saudavam em altos brados, dizendo: “Bendito é Aquele que vem em nome do Senhor!”; outros corriam para acompanhar os passos do burrinho; as crianças saltitavam. Mas tudo tem hora e lugar.

O que está no centro de todos os templos católicos? O ALTAR. E o que é o altar? É o lugar do SACRIFÍCIO de Cristo, e equivale equivale ao solo onde a cruz de Cristo foi fincada (saiba mais aqui). Tem sentido demonstrar euforia diante do Calvário? Não, né… Da mesma forma, não devemos fazer isso diante do santo altar.

A liturgia da Igreja permite aplausos em algumas ocasiões restritas, tais como:

  • para acolher um neobatizado;
  • para demonstrar alegria após o consentimento dos noivos, no Ritual do Matrimônio;
  • na criação de novos cardeais;
  • na posse de párocos.

Portanto, não se trata de banir as palmas completamente da missa, mas sim de utilizá-las com o devido decoro. O problema é que está havendo um grande abuso em nossos templos do uso das palmas. Arruma-se qualquer pretexto para aplaudir… Palmas para o aniversário de fulaninho, palmas para a Bíblia, palmas para a homilia, palmas para tudo!

É importante fazer uma ressalva: em algumas culturas, acompanhar a música com palmas é aceitável e digno (desde que o clima geral seja sereno e reverente, e não oba-oba). Isso é muito comum na África e no Brasil. No vídeo abaixo, vejam o belo exemplo de uma missa em Kuito (Angola). As pessoas estão vestidas com muita decência e estão bem compenetradas; não tem ninguém rodando a baiana nem requebrando, como nas lamentáveis “missas afro” aqui do Brasil!

Pausa para o momento “eu acho”. Eu acho que não devemos fazer um cavalo de batalha com essa questão. As palmas já fazem parte da rotina na maioria de nossas igrejas, e creio que isso não vai mudar. Boa parte do nosso clero não educou o povo a evitar as palmas; os que são contra, as toleram, para não melindrar o sentimento das pessoas; os que são a favor, as incentivam ainda mais, achando que assim a missa ficará mais atraente.

Antes bater palmas do que entrar na igreja montado na garupa de uma moto…

padre_moto_igreja

Antes bater palmas do que fazer da casa de Deus um circo…

Se os aplausos na igreja causaram desgosto a São João XXIII, que diria ele se visse essas atrocidades? Diante de tanta bizarrice, bater palmas, dos males, é o menor.

124 comments to São João XXIII: “Não batam palmas na igreja, nem mesmo para saudar o Papa”

  • Tamires Figueiredo

    “Portanto, não se trata de banir as palmas completamente da missa, mas sim de utilizá-las com o devido decoro. O problema é que está havendo um grande abuso em nossos templos do uso das palmas. Arruma-se qualquer pretexto para aplaudir… Palmas para o aniversário de fulaninho, palmas para a Bíblia, palmas para a homilia, palmas para tudo!”

    Olá. Como eu não bato palmas na Missa, me perguntaram se era errado o uso das palmas e se não, em que momentos poderia ser usadas. Eu entendo os argumentos dos Santos e Papas, mas a Igreja não tem nenhum documento oficial proibindo, então vim pesquisar um pouco mais. Na minha região é tido como absurdo não bater palmas na Missa visto que os próprios sacerdotes são os primeiros a incentivar. Dúvida: Em alguns comentários foi dito da possibilidade das palmas no Santo e no Glória desde que feito com o devido decoro e respeito. Mas… E na Procissão de Entrada? Também seria “aceitável”? E o ato de aclamar (levantando e sacudindo os braços) no HOSANA, ALELUIA, e no GLORIA? É errado também? Pergunto isso porque algumas pessoas que conheço não batem palmas mas na nesses momentos eles balançam as mãos respeitosamente, no sentido de aclamação. Aguardo resposta. E muito obrigada por tudo… Vocês tem me ajudado muito!

  • luiz

    Amados!

    Não há rubricas que digam que às palmas são litúrgicas,porém se compreendermos que o termo Eucarístia é ação de graças,se compreendermos que celebramos não um Deus morto que ficou pregado na cruz,mas sua ressurreição, por que não aceitar às palmas como expressão dessa gratidão e do nosso amor? Com essas expressões de louvação nos adoramos Com todo nosso ser como dizia Paulo Com Espírito, alma e corpo.
    Outra coisa tb são às Missa chamadas inculturadas e por que não acolher como um dado de nossa Cultura?

    Acredito que veêm o louvor,bater palma como algo profano, o que se dar nas Missas não são gestos vazios é adoraçao.

    • Caro Luiz, dizes:
      “Não há rubricas que digam que às palmas são litúrgicas,”
      Sim, não existe, mas existe sim uma coisa que devemos sempre cuidar pois, ao ofereceres a mão, arrancam-lhe o braço, ou outro ditado que diz: se o patrão senta, o camarada deita; isto significa que, ao abrir as portas para as palmas, tempo depois entra a banda de rock, depois da banda de rock, entra a dança, depois da dança a macumba, o espiritismo, e no final esta-se a usar a Igreja para vender pombas, carneiros, bezerros, ou seja a fazer negócios dentro do Templo que é para oração e Adoração a Nossos Senhor Jesus Cristo, isto podemos notar em casa, se a gente deixa nosso filho fazer uma única birrazinha e consente com ela, na próxima a birra é maior, e maior, e maior, até o filho de 5 anos ser o cabeça da casa, ser o chefe, o mandante e o que determina tudo, é assim porque trabalho como professor e vejo esta situação constantemente ao ponto do pai dizer, ajudem-me eu não sei mais o que faço, e o filho, na frente da direção da escola, professor presente, e quem mais ali se encontrar mandar o pai calar a boca e ficar quieto pois o pai é um bunda mole frouxo. Portanto, se tiver palmas, que sejam com muito cuidado executadas, sem excessos, tão moderadas que o seu barulho não ultrapasse a altura da voz do Celebrante sem o uso do microfone.
      “porém se compreendermos que o termo Eucarístia é ação de graças”
      Sim, a Eucaristia é Ação de Graças, mas não é nossa, nunca foi e nunca será até o fim dos tempos, a Eucaristia é Jesus Cristo que se oferece a Deus em holocausto pela remissão dos pecados do homem, porque nenhum de nós é capaz disto, então, quando o Padre faz a consagração, não é o padre que profere as palavras, mas Jesus Cristo mesmo que faz esta oferenda e, in persona Christi o padre consagra a óstia e as partículas, e em cada uma delas temos Jesus Crito por inteiro, corpo e alma, divindade e humanidade, de forma que, assim realiza a transubstanciação, Este É Meu Corpo…, Este É Meu Sangue…
      http://pt.wikipedia.org/wiki/Transubstancia%C3%A7%C3%A3o
      No entanto, neste momento, quem tem dignidade de bater palmas se: não temos nada a oferecer a Deus senão o Cristo que oferece-se por nós? Qual respeito devemos ter para com este proceder? Devo eu mexer meu dedo se nada posso por minha conta? Neste momento não seria mais propício meter o joelho no chão em agradecimento, reconhecer que não sou eu, mas Deus que me salva, do que bater palmas?

      “se compreendermos que celebramos não um Deus morto que ficou pregado na cruz,mas sua ressurreição, por que não aceitar às palmas como expressão dessa gratidão e do nosso amor?”
      Devolvo a pergunta, por quê não ajoelharmos em adoração? Qual é mais digno a criatura que nada tem a oferecer, senão o sacrifício de Jesus por mim e por ti? Porque o sacrifício cruento não foi só para o povo da época, é pela salvação minha e tua também, porque sem isto, vamos para o inferno. Além do mais, posso ir parar no inferno por causa de meus pecados, então, bato palmas ou peço clemência? Até porque, Jesus Cristo abraçou a cruz por causa de mim e de você.

      “Com essas expressões de louvação nos adoramos Com todo nosso ser como dizia Paulo Com Espírito, alma e corpo.”
      Sim, se nós ficarmos contritos pensando e admirando Jesus Cristo e seu Santo Sacrifício de joelhos e mãos postas, isto não é um ato de louvor de espírito, alma e corpo?

      “Outra coisa tb são às Missa chamadas inculturadas e por que não acolher como um dado de nossa Cultura?”
      Eita, coisa não? Vamos lá, missa inculturada, que significa? Candomblé no meio da missa? Protestantização no meio da missa? Padre de santo no meio da missa? Atabaque, tambor, berimbau, reco-reco, chocalho? Missa inculturada acolhida durante o Santo Sacrifício como um dado de nossa cultura, bom, ou vamos assistir a Santa Missa ou vamos assistir ao boi bumbá, já pensou o padre e demais assistentes entrarem Igreja adentro vestido de maria chica, outro segurando um cavalo de pano na cintura, outro com um boneco gigante pendurado nas costas? Ou um padre fazendo uma missa e no meio da consagração, ele solta um misinfim, dá uma bicada na cachaça e solta uma baforada de fumo no meio do altar? Ou ainda, começa a se chacoalhar como se o pai de santo tivesse entrado nele? Ou que tal a missa gaudéria? Minha gente, vamo rezá a oração do Pai veio lá de cima…, e agora pessoal, que tal nois rodear o laço, se aprumar no taco da bota e soltar a garganta na música dos trocados? Não dá né.
      Entenda uma coisa, o padre é o celebrante, nós somos o povo que assiste a missa, nós assistimos a morte e ressurreição de Jesus Cristo.

      “Acredito que veêm o louvor,bater palma como algo profano, o que se dar nas Missas não são gestos vazios é adoraçao.”
      Mas no silêncio eu consigo me concentrar mais, ir mais fundo na contemplação e adoração. As palmas acabam por agitar, tira a concentração, se você está profundamente concentrado, qualquer barulhinho te tira de onde você tava e te põe numa superficialidade imensa. Já presenciasse uma Missa onde, no meio dela um celular toca? Todo mundo concentrado e, de repente aquele barulhinho tira a atenção do altar e põe todo mundo a procurar onde ou quem é o trouxa, e aqueles que não fizerem isto, ainda assim, em suas mentes, deixam de pensar no que se sucede na frente para pensar algo: putz, tinha que ter um…, então mesmo que as palmas não sejam vazias, tenha-se uma intenção, porém elas tiram a concentração. Vai no meio de uma sala de aula, com trinta alunos de sexto ano e agita eles pra ver quanto tempo você leva para que prestem atenção numa explicação de matemática. O ser humano, não importa a idade, se distrai fácil, uma abelha que esteja voando chama mais a atenção do que a missa lá na frente. Eis ai que, ao irem para a fila comungar, o povo esquece de como se comunga e acaba fazendo de qualquer jeito, pegando com uma mão só, esquece do amem, não reverencia e assim por diante.

    • Padre Orlando Henriques

      Luiz, não celebramos um Deus morto? Não é verdade: a verdade é que nós TAMBÉM celebramos o Cristo morto, aliás, morto e ressuscitado, porque o mistério pascal é a duas coisas ao mesmo tempo: a morte e a ressurreição de Cristo. De uma maneira tão inseparável que com uma só palavra – a palavra “Páscoa” – dizemos as duas realidades ao mesmo tempo. O Cristo que celebramos é o Cristo morto e ressuscitado.

      Repare: o que é que o povo diz na Missa, logo a seguir à consagração? «Anunciamos, Senhor, A VOSSA MORTE, proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus.» Se nós «Anunciamos a vossa morte» como é que você pode dizer que não celebramos o Cristo morto? Não é só a ressurreição que nos interessa, mas também a morte de Cristo, porque foi pela sua morte que Cristo pagou o preço do nosso resgate. Ou não fosse o crucifixo o principal símbolo da nossa fé.

      A fé cristã não é uma ilusão açucarada de optimistas ingénuos que fingem que não há sofrimento nem morte; pelo contrário, a nossa fé assume tudo o que a vida tem, com cruz e ressurreição. Quem se ilude a pensar que só celebramos uma ressurreição sem morte corre sérios riscos de virar ateu quando for confrontado a sério com o sofrimento humano; correndo o risco de ver aí o desespero de um vazio em vez da cruz do Senhor a caminho da ressurreição.
      Deus o abençoe.

  • Nadja Chagas

    Bom dia!Temos um novo sacerdote em nossa paróquia. Ele tem uma inspiração para a homilia, nos dá uma verdadeira catequese, mas, e é isso que me consome e tira minha paz, ele gosta de puxar aplausos a toda hora, de nos fazer repetir mensagens para os que estão ao nosso lado, em quase toda a Celebração. Ele puxa um remexer nos ombros e nos braços com os dedos pra cima, como numa marchinha de carnaval,em muitos momentos da Celebração. Sinto uma profunda tristeza. Ontem quase saí do meio da Celebração, o engraçado é que minha filha de 13 anos pensou a mesma coisa, mas só me falou quando voltávamos pra casa. Ela também não se sente bem. Não sabemos o que fazer e como nos portar. O Padre anterior tinha muito zelo pela Celebração, mas era vazio em suas palavras, isso trouxe muitos problemas para ele, por causa de um certo grupinho que hj está felicíssimo, por que tudo está do jeito que eles queriam. Peço a Deus misericórdia por eles e por mim, pois sei que sou muito pecadora, não sou melhor que nenhum deles e que dependo dele para receber absolvição e receber Jesus, acredito que apesar das faltas a graça acontece. Confesso que é muito triste ver a bagunça que tudo está se tornando. A Igreja parece uma feira livre, está mais cheia, as pessoas estão mais felizes, mas isso é sinal de presença de Deus? Isso é sinal de que as coisas estão certas e que podem continuar assim. Por favor dê-me uma palavra de orientação e envie para o meu e-mail, pois não é sempre que estou no computador, parei para fazer meu desabafo, pois não sei como me portar. Meu filho de 19 anos me explicou em poucas e claras palavras o que muitos sacerdotes que estudam tantos anos ainda não aprenderam.
    Muito grata,

  • Ramon Breno

    Respondam pra meu email tbm…
    Em que momento na missa posso bater palmas?
    No Glória, Aclamação, Santo posso?

    • Você pode bater palmas sem medo de errar na Entrada, Aclamação e canto final, no Santo e no canto da coleta com mais critério, nunca no canto da comunhão e nem na meditação, Silêncio Total no momento da consagração.

      mas tudo isso depende das instruções do Bispo local e do Pároco, pois são eles quem estabelecem os limites da Liturgia, mas mesmo que eles permitam continua valendo a segunda parte da resposta.

      Nunca bater palmas no canto da comunhão e nem na meditação, Silêncio Total no momento da consagração.

      Sizenando

  • Ramon Breno

    Abraços 🙂
    Valeu

  • Dcmoreira

    @Carlos,
    “quem aplaude na Missa está aplaudindo os algozes”
    aí já é exagero, lógico que a intenção de quem aplaude não é essa.

  • Igor Kauan

    Eu gostaria de saber e os parabéns durante os avisos???

    • Inadequado. O certo é, durante os avisos, avisar que depois da bênção final haverá uma bênção especial para os aniversariantes. Só após o término da missa – cujo rito não inclui parabéns – aí, sim, pode homenagear os aniversariantes.

  • Alessandra Batista

    Eu assisti ao último video com a boca no chão…. isso não é sério…. não pode ser sério…. vocês fizeram montagem….. Eu gostaria imensamente que confessassem que é montagem do que acreditar no que meus ouvidos ouviram, e pior em um canal aberto assistido por inúmeros católicos…. Quando se acha que nada mais bizarro pode acontecer…

  • alda

    Fico pensando o que Cristo acharia de toda essa discussão?

    • Patrick

      Razão e Fé são duas asas que nos fazem voar até Cristo.

      Certamente Nosso Senhor Jesus Cristo, o Maior sábio de todos, não iria se opor que seus pequeninos busquem, através do debate sadio, crescer espiritualmente e intelectualmente.

      Paz e Bem!

  • André

    A missa é o sacrifício de Cristo no Calvário é também a memória da paixão e morte de Cristo, a missa nos faz está diante do Cristo que foi condenado e zombado por nós homens, enquanto as mulheres e os apóstolos choravam sofrimento de Cristo, Fariseus e soldados zombavam de Cristo aplaudindo e dizendo “Não és tu o Rei dos Judeus?” logo de qual lado se deseja estar, do lado dos apóstolos ou daqueles que zombavam e caçoavam de Jesus? Portanto, cada missa é reviver a Paixão, Morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo e não é coerente celebrar a Paixão, morte e até mesmo a ressurreição com a baderna que fazem na missa. Ora se tua mãe e teu pai morrem, você vai ficar feliz? Mesmo sabendo que estão com Deus, não é motivo de felicidade perder alguém que se ama, da mesma forma a Santa Missa. Devemos ter o respeito e a humildade de oferecermos o melhor que temos à Deus.

  • Gloria Maria

    A matéria foi clara! Eu não bato palmas na Igreja, fui criada (1960) ouvindo minha avó (1989-1976) nos Dizendo: ” Na igreja, não se bate palmas”, ou melhor: não cabem APLAUSOS. Acredito que as pessoas que assim agem devem também APLAUDIR em velórios!

  • Nilton

    Por favor podem responder no meu email onde está o embasamento para nao podermos bater palmas. Entendo a pastagem e sou a favor do silêncio. Mas se for ensinar na catequese tenho q mostrar onde está esta recomendação por escrito.

  • Erick Ramos

    Recomendo a Leitura da IV Instrução para Correta Aplicação da Constituição Conciliar sobre a Liturgia N° 42.
    Ali está a palavra oficial da Igreja sobre o acompanhamento das palmas nos cantos e também da dança (ambas têm lugar na ação litúrgica, desde que não sejam Neto espetáculo).

  • Leonardo Coelho

    Então deveríamos rasgar da bíblia o Salmo 41 que diz:
    Salmos 47:1 – “Batei palmas, todos os povos; aclamai a Deus com voz de triunfo. Porque o SENHOR Altíssimo é tremendo, e Rei grande sobre toda a terra.”
    No texto de Salmos 41 mostra uma associação das palmas à Adoração, tornando assim clara que as palmas fazem parte da adoração à Deus, e ainda, formando um precedente indiscutível sobre o assunto.
    A Bíblia não condena uma vez sequer o ato de bater palmas.
    Acredito e veementemente que a adoração

    • A Bíblia não condena bater palmas para aclamar a Deus, obviamente. Mas não se deve fazer isso na missa. Quando o salmo que você citou foi escrito, não existia a Missa, então, a citação não se aplica.

  • Neide rodrigues

    Nós nos preocupamos tanto com questões ,de quem bate ou não palmas !!!!!! ,com rito,com normas,acho que é hora de pensar em gestos mais concretos,como o amor ,operdão,o acolhimento,a valorização da pessoa humana.tem uma canção do Padre Zezinho que nos fala bem isso,o mais importante é amar como Jesus amou,sonhar como Jesus sonhou viver como Jesus vivia……pense nisso!!!!!

  • Antonio Laureano

    Mas os circos começam justamente com as palmas e cantos nada litúrgicos. Portanto se o outro tem direito em ser respeitado por suas palmas eu tenho direito de ser respeitado por não querer palmas na santa missa. O direito de um começa onde termina o do outro. E não é uma questão do padre querer ou não, ele tem que obedecer o cânon,o missal etc.

  • Letícia

    E quando há coroação de Nossa Senhora?? Em minha cidade isso ocorre no final da Missa, mas antes da benção final. E todos batem palmas e é um momento de alegria pela Mãe do Senhor. Inclusive já fui convidada, junto com o meu grupo, a dançar na entrada da imagem de Nossa Senhora durante a festa de Nossa Senhora Aparecida. Hoje eu não aceitaria, mas na ocasião eu achei que não haveria problema por ser após a comunhão, avisos e etc., faltando apenas a bênção final, e o fiz com muito alegria e respeito pela Mãe de Deus.
    Seria, o mais correto, tudo isso ocorrer após a bênção final??

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>