Sexo oral: legal ou imoral?

sexo_oral

Oi Povo Católico! (confesso que fiquei pensando em um verbo pra colocar no lugar do “oi”, mas não houve nenhum que não me deixasse constrangido)

Podem vasculhar a Bíblia, os documentos da Igreja, os escritos dos santos… Até onde sei, não há qualquer referência a sexo oral. Então, como poderemos saber se esse ato, dentro do casamento, é moral ou imoral? Povo, basta colocar os neurônios pra funcionar! Nenhuma carícia sexual é pecaminosa, desde que não substitua o ato sexual em si, ou seja, a penetração na vagina com “happy end”.

A Igreja ensina que o sexo entre o casal é abençoado quando feito dentro do casamento, e de acordo com o seu sentido pleno: realizar a função unitiva (favorecer a união e intimidade do casal) e procriativa. Para que a função procriativa não seja descartada, o ato sexual deve ser finalizado SEMPRE na vagina (cara, esse nome vagina é constrangedor. Vamos mudar isso. Agora, chamaremos prexeca). O marido fez isso no final? Parabéns pra ele! É isso o que interessa a Deus.

Qualquer coisa o casal tenha feito antes para chegar a esse objetivo, não é do interesse da Igreja. Por isso mesmo o Sagrado Magistério jamais se pronunciou sobre as carícias sexuais, somente sobre o ato sexual em si. Não esperem receber de Roma um manual detalhando sobre “sexo santo”, dizendo onde o marido pode botar a mão, onde a mulher pode botar a boca… Isso é irrelevante do ponto de vista doutrinário! O que interessa é ter pontaria e não desperdiçar munição fora do alvo!

Usando o bom senso, podemos concluir que, no caso do homem em relação à mulher, não há problema moral no sexo oral. No caso da mulher em relação ao homem, é preciso cautela: as carícias orais não são pecaminosas, desde que realizadas como PRELIMINARES; o orgasmo do homem não deve ser atingido fora da prexeca (agora sim). Em suma… guenta aí malandro, senão você acaba pecando!

Além de chegar a essas conclusões pelo simples uso da lógica, podemos consultar “Manual de Teologia Moral” do Padre Teodoro da Torre Del Greco, O.F.M., Doutor em Direito Canônico. Del Greco é um especialista em moral católica, um dos mais célebres e respeitados.

Os atos incompletos. Podem ser, por exemplo, os atos imperfeitos de luxúria (beijos, abraços, toques, olhares, etc.), os quais dispõem os cônjuges ao ato conjugal.

a) Se se referem ao ato conjugal no sentido de constituirem preparação para este, são sempre permitidos, quer no próprio corpo, quer no corpo da outra parte.

Devem, porém evitar os cônjuges que de tais atos por serem muito prolongados resulte uma polução, ainda que não voluntária.”

DEL GRECO. “Manual de Teologia Moral”

Antes de terminar, vale lembrar mais uma vez, que tudo isso só vale pra casados.  Se você ainda não casou, sugiro comprar um videogame e gastar energias jogando Battlefield. É ótimo…

*****

Para receber tudo o que postamos no Facebook, não basta você curtir a nossa fanpage. Adicione O Catequista à sua lista de interesses! Assim você não perderá nenhum de nossos posts.

adicione_2

226 comments to Sexo oral: legal ou imoral?

  • RobertoBt

    Prefiro os jogos do Atari, mas a ultima vez que joguei esse vídeo game o João Paulo II ainda esquiava.

  • Do jeito que a coisa vai aqui nos comentários, vai ter gente dizendo que a polução noturna é pecado, já que o sêmen não vai para dentro da vagina. Fala sério!

    Podia rolar um episódio da Liga dos Blogueiros Católicos sobre sexo? Acho que vai valer umas boas risadas, no mínimo. Eu posso contribuir com uma lista de sinônimos para os órgãos sexuais, aí o Alexandre fica mais à vontade para falar no assunto… 😉

  • Sidnei

    Já que esta sendo demonstrado que sexo oral como preliminar para o ato sexual não é tão imoral assim, quer fazer uma pergunta que foge ao tema, mas esta ligado a moral sexual: uma mulher que é pobre que tem dificuldade de criar os filhos, que trabalha o dia inteiro, mau acorda de manhã que tem que colocar um pé fora da cama e outro na cozinha, cujo marido já saiu bem antes dela, de madrugada, para trabalhar, e por isto, não poderá auxilia-la para fazer o café da manhã, arrumar as crianças para ir a escola (isto quando o marido sai mais tarde e fica na cama sem auxiliar a esposa, neste caso se deveria e dar um porreta de pau de macarrão na cabeça de um marido tão comprometido assim com a esposa e os filhos), mas neste caso, se a mulher não tendo tempo para a auto observação do método Billings, por ignorância ou não saber como funciona, e ela larga mão aos métodos anti concepcionais artificiais, qual o grau de pacabilidade dela: será agravante, atenuante sem perdão, perdão com ressalva, perdão total e sem precisar praticar penitencia alguma?. Faço esta pergunta pois fico imaginado a várias mulheres, como por exemplo vocês aí no Rio de Janeiro conhecem tão bem, tem que levantar cedo da cama, mau dá tempo de se vesti, tem que desce os morros das favelas cariocas, e pecar ônibus, para caminhas horas e horas a fio até chegar ao emprego, trabalham o dia todo, e depois vão embora fazendo o mesmo trajeto de volta, chegam em casa cansadas, e aí para satisfazer o maridão que tá na ativa, tem que ainda agradar o marido com o sexo, e esta mulher muitas vezes nem pensa em métodos naturais para espaçar os filhos, vai no que será mais fácil e lá vai atrás de pílulas, camisinha e até laqueaduras. Eu (lá vem eu de novo segundo minha opinião) sem desconsiderar o Sagrado Magistério da Igreja que condena todo e qualquer uso de métodos anticoncepcionais artificiais, e só autoriza os naturais por razões graves, porém, vendo as situações que não só as mulheres mas muitos casais são submetidos, se deveriam ter uma pouco mais de compaixão neste assunto levando o históricos de cada casal. E claro que não se compara com um casal que mora em um luxuoso apartamento na Barra da Tijuca ou uma mansão no Morumbi em São Paulo e que só querem ter um filho, aí fica evidente que o caso é de um pecador gravíssimo, pois se eles poderiam estar aberto a fecundidade de mais de um, dois, três filhos e se fecham totalmente a esta fecundidade lançando mãos de métodos artificiais e até naturais, aí vemos claramente um agravante nisto tudo, mas eu lanço um olhar as mulheres e casais mais pobres, as que vivem nas favelas e periferias das grandes cidades, acredito que em uma ação pastoral, se deveria levar em conta os aspectos de cada mulher de cada casal, para atenuar ou até anular a estes casais que buscam métodos artificiais para exercer uma paternidade e maternidade responsável. Gostaria a opinião de muitos a respeito de assunto. Obrigado.

    • Gêneto Eugenio

      Sidnei , APROFUNDE-SE SÓ POR CURIOSIDADE SOBRE O MÉTODO BILLINGS.
      Quem um dia leu e decidiu aprender sem mimimi e desculpinhas não importa classe social vai viver bem e livre.
      Harum vc que esteve junto da Madre Tereza traz para nós alguma experiência sobre esse método na Índia, uma vez li que a Madre ajudou algumas famílias por lá…

      • Gêneto Eugenio

        Outra coisa só por ordem essa mulher citada acima participa de alguma paróquia???

        • Sidnei

          Gêneto, sito só foi um exemplo, se se você aja que se trata de mimi, mulheres que passam o trabalho todo que eu citei, porque você não faça a mesma experiência e verifique depois se há algum mimi, nesta história toda O que eu quero colocar aqui não é descriminar os anti concepcionais artificiais a torto a e a direito, mas, de compreendermos e termos compaixão das mulheres que lançaram mãos destes métodos, não porque muitas vezes elas quiseram, mas que muitas vezes pelas condições como o exemplo descrito, as levaram a adotar estes métodos. Só não concordo dizer que estas mulheres adotam estes métodos por causa de mimi ou coisa que o valha, nós não estamos na pele delas e de muitos casais que vivem em situação adversas os quais muitas vezes eles tem que remar contra o que a Igreja ensina. Deixa os mimis para as mulheres e casai que vivem em luxuosas mansões e apartamentos duplex, estes sim, quando dizem evitar filhos por isto ou por aquilo, é que realmente fazem verdadeiros mimis para evitar filhos a todo custo, quando a situação financeira deste pessoal é a melhor possível e que poderiam estar mais abertos a fecundidade, aí parece que eles não querem nem saber de filhos. Portanto, não sejamos hipócritas, a maioria dos casais católicos utilizam métodos anti-concepcionais artificiais, uns por ignorância, outros por medo, outro por situações adversas como descrita em meu exemplo e outros porque preferem mesmo fugir da fecundidade como o diabo da Cruz. Cada caso é um cado, mas de mulheres e casais como os que descrevi no exemplo acima, sem querer aprovar mas tenhamos o minimo de compaixão.

          • Gêneto Eugenio

            Eu coloquei no mesmo saco todos os casos???

            Leia o que escrevi por favor…

            “Quem um dia leu e decidiu aprender sem mimimi e desculpinhas não importa classe social vai viver bem e livre.”

            A ignorância dessa mulher a livrará de toda a culpa isso é óbvio.
            A Igreja não pede coisas impossíveis aos seus filhos e levando para o caso pastoral temos que ter paciência pois cada um tem seu tempo, agora não pode descobrir uma VERDADE e fazer de conta que não é com ela por dificuldades X OU Y, dificuldade Jesus, os apóstolos, muitos santos, anônimos pelo mundo passaram são exemplos;Isso de passar a mão na cabeça e aceitar algo como fosse impossível de modificar ME parece coisa de quem tem muito amôôô no CORASSAUMMM…

          • Sidnei

            Sr Gêneto a chave para isto tudo esta na ação pastoral de cada paroquia, o dogma não se mexe, é este e esta acabado, mas, se tratando de moral sexual não é o mesmo por exemplo tratar sobre o dogma da SANTÍSSIMA TRINDADE ou a Virgindade perpetua de Maria, pois em se tratando de moral sexual, esta se tratando de pessoas, que tem suas vidas, seus problemas no dia a dia, e assim por diante. Não vou chegar para um casar e dizer: tenham pencas de filhos, sem ver antes as condições deste casal, se moram em uma favela ou na periferia de uma grande cidade ou no sertão nordestino aonde a seca torra tudo ano após ano, você teria esta coragem Geneto?. Não se trata de passar a mão na cabeça de ninguém, se trata de tentar compreender as pessoas, seus problemas, o corre corre que estas pessoas tem, no dia a dia, principalmente as mulheres. Eu seu sobre o método billings, que é de auto observação, mas como no exemplo que postei, há mulheres que mau poem seus pés fora da cama e outro já tem que estar na cozinha, e no corre corre delas, haverá tempo para se auto observar?, se estão em período fértil ou não, então o que elas fazem?, elas largam ma mão no que e mais pratico, ou seja, tomar uma pilula anti concepcional é mais pratico do que se auto observar, se até as pilulas elas esquecem no corre corre do dia a dia, imaginem se auto observar. Então é neste ponto que quero chegar, leia o que escrevi por favor…, não estou dizendo em abolir em nada os ensinamentos da Igreja, o que estou colocando desde o inicio, é termos compaixão e compreensão a estas mulheres e casais que ao invés de se utilizarem de métodos naturais para espaçar o nascimento dos filhos, lançam a mão dos métodos artificiais, condenados pela Igreja, e diante das dificuldades os quais os padres e bispos e até o Papa sabem os quais as mulheres e casais passam para sustentar sua família, toleram que estas mulheres e casais que lançam mãos a estes métodos artificiais, fazendo vista grosa a esta realidade, pois não acredito que eles vivam em um mundo das fantasias, o qual acreditam que todos os católicos do mundo inteiro tenham pencas de filhos, ou, espaçam seus filhos por métodos naturais, teria que ser muito tonto em acreditar em uma história desta.

          • Vardoso

            Após essas suas afirmações realmente posso dizer….MIMIMIMIMIMIMIMIMIMIMI.

      • Harun Salman

        Olá, Gêneto! Eu nunca trabalhei com casais. Alguns irmãos eram especialistas nisso, mas eu nunca fui um deles. O que eu lembro é que, como os métodos naturais, aprovados pela Igreja, consistem basicamente numa administração inteligente da continência sexual, a orientação de Ummi era de, antes de tudo, conscientizar as pessoas da importância da castidade adequada a cada estado de vida. Ummi via – e eu também vejo – filhos como uma bênção e não como o fardo que tantos enfatizam. Mas ela não era insensível – nem eu – às dificuldades inerentes à criação de uma criança. Por isso, ensinava os métodos aprovados pela Igreja e insistia em valorizar a castidade. Esse método funcionava muito bem para pessoas fiéis à sua religião, qualquer que fosse. Mas – claro – não funcionava com pessoas nas quais a religião ocupava um espaço periférico, meramente social, católicos inclusive. Acho que há um bocado de ensinamento nessa observação, não é?

    • Sidnei

      Tem alguns aqui que ao invés de colaborar com alguma coisa vem se meter a palhaço, é melhor ficar calado do que bancar o ridículo.

    • Harun Salman

      Olá, Sidnei! A Igreja ensina, como você sabe, que fora dos métodos naturais, controle de natalidade é pecado. Mas, à exceção dos casos em que precisa, por razões pastorais, Ela não se pronuncia sobre a culpabilidade de nenhuma pessoa. Disso, só o próprio Deus sabe! A situação dramática que você descreveu inspira compaixão, sem dúvida. Mas está faltando interesse tanto do marido quanto da esposa em entender melhor o que é um casamento e o que é Doutrina Católica, você não acha? E, nesse caso, não podemos culpar a Doutrina, que é bem clara. O que podemos e devemos fazer é ser objetivos sobre a Doutrina, para que nenhum dos envolvidos arrisque sua salvação, pois dificuldades, inclusive financeiras, são inevitáveis. E, sempre na medida do possível, oferecer apoio prático: orientação, apoio financeiro, apoio psicológico… Cada caso pede uma solução própria, não há uma só resposta para mais de um caso, quando as situações são tão específicas como você descreve. Mas, de todo modo, nada se pode fazer quando as partes não têm sequer interesse em conhecer o certo, nem noção de sua importância. Um grande e caloroso abraço!

      • Sidnei

        Harum, muitas vezes ocorre não é que o casal não queira conhecer o que a Igreja ensina, mas o tempo e a disposição para isto, todos sabemos que em uma cidade grande como Rio e São Paulo as pessoas penam para ir ao trabalho e quando chegam em casa só o que querem saber é descansar, e limitam suas vidas religiosas a ir a missa dominical e pronto, e nós sabemos que nas missas os padres nunca tocam nestes assuntos, até hoje, nunca vi nenhum padre falar em métodos naturais para o espaçamento dos filhos, segundo o que ensina a Igreja. É claro que não estou falando de maneira generalizada, como coloquei aqui desde o inicio cada caso é um caso, por exemplo, não tem desculpa para um casal que não tem tempo para saber o que a Igreja ensina a este respeito e dos demais ensinamentos de moral e de fé, mas tem tempo para ira ao pagode, ao baile funck, na escola de samba para saber o samba enredo do ano seguinte para desfilar na Sapucaí, e assim por diante, para este pessoal não tem desculpas, pois se eles tem tempo para o lazer teriam também para aprender sobre as coisas da Igreja. O mais irônico nesta história toda, é que nos métodos naturais não há nenhum custo ou ônus para quem quer que seja, quer seja para o Estado, para o casal, para ninguém, pois é um método gratuito, só basta de tempo de se auto observar todos os dias, e mais nada, porém, todos nós sabemos que não interessa isto para os grandes grupos farmacêuticos do mundo inteiro, que não vão querer ver seus lucros baixarem por conta de a população ao invés de recorrer aos anti concepcionais artificiais vão buscar os métodos naturais para o espaçamentos dos filhos como ensina a Humane Vitae de Paulo VI. Porém, mais uma vez fica aqui minha opinião, sejamos mais compreensivos aos casais e mulheres que lançam a mão de métodos anti concepcionais artificiais, infelizmente eles são maioria na Igreja, quer seja por ignorância, medo, praticidade . O que me incomoda muito dentro da Igreja, são os juízos que se fazem as mulheres e casais pobres que não podem ter muitos filhos e lançam a mão aos métodos anti concepcionais artificiais por motivos que já expus, quase condenando estas mulheres e casais ao inferno, e quando se tocam nas madames e famílias ricas, aí não se diz um aí, por eles fugirem da fecundidade e de uma família numerosa como o diabo foge da cruz.

  • Lucas Farias

    Padre Paulo Ricardo, socorrei-nos

    kkkk

  • Celso

    Demais!!!
    Muito bem escrito. Parabéns.

  • Olá Catequistas, como temos um único propósito( católico) evangelizar me sinto na obrigação que a ideia de SEXO ORAL não se deve propagar como licita pois ‘caricias sexuais devem ser limitadas limitadas a caricias mas a masturbação é errado ( video sugerido abaixo no 1:06:00);
    esta escrito : no Catecismo da Igreja Católica nos nºs 2352 e 2396, …”Na linha duma tradição constante, tanto o Magistério da Igreja como o sentido moral dos fiéis têm afirmado sem hesitação que a masturbação é um acto intrínseca e gravemente desordenado’.
    O catecismo é claro.
    http://www.vatican.va/archive/cathechism_po/index_new/p3s2cap2_2196-2557_po.html

    E mais lindo ainda as palavras do Pe. Demetrio 1:04:00
    Vale a pena pensar e ser coerente.

    https://www.youtube.com/watch?v=1NGZjCDMf6c

    Paz de Cristo

    • Olha… você já veio aqui citar o prof. Felipe Aquino, e eu já lhe demonstrei que ele afirma exatamente o que afirmamos aqui sobre as carícias orais. Agora você vem falar de masturbação… Não confunda as bolas!

      Quando a Igreja condena a masturbação, ela proíbe algo muito específico: o prazer solitário e fechado à vida, que nada tem a ver com o leito conjugal; ou então um ato feito pelo casal, que resulte em ejaculação fora da vagina. Bem diferente disso é quando um esposo estimula o outro com as mãos, parando BEM ANTES do clímax do homem, isso não é masturbação, isso faz parte das PRELIMINARES. Tais atos são lícitos e pertencem ao caráter unitivo e procriativo do sexo, pois podem favorecer o ato principal, que é aquele que gera a vida.

      Mais uma vez, vejamos o que diz o padre Del Greco, em seu “Manual de Teologia Moral”:

      “Se a esposa com a cópula não se satisfaz plenamente, [o marido] pode procurar complementar com toques, seja imediatamente antes ou imediatamente depois do ato”.

      Quanto às palavras do Padre Demétrio, ditas no ponto do vídeo que você citou, não contrariam nada que dissemos neste post, já que defendemos sem concessões o caráter unitivo e procriativo do sexo.

      Amigos, se o sexo oral, para uma pessoa, se apresenta como algo indevido ou ocasião de pecado, esta pessoa faz bem em evitá-lo. Mas não vamos inchar a doutrina com o fermento dos fariseus, impondo fardos sobre os nossos irmãos e inventando pecado onde não tem. A doutrina da Igreja é simples, clara e direta: o homem deve sempre ejacular na vagina. Isso é doutrina de Deus. O resto é resto. Não vamos impor convicções meramente pessoais como lei moral obrigatória para o próximo, ok?

  • Segundo o que aprendi quando fiz a teologia para leigos,o sexo oral ou anal é imoral.Tudo que se diz relativo ao sexo sendo moral não é pecado.Devemos examinar nossa consciência e pensar;será que estou fazendo sexo de maneira moral ou imoral? Se é moral não é pecado,se não…Fica ai a dica

  • Padre Rodrigo Maria

    Carissímo seu artigo não está exato.
    O ato sexual do casal casado não apenas deve estar aberto a vida e expressar o amor de um para com o outro, mas DEVE SER FEITO DE MODO HUMANO, ou seja deve se respeitar a função de cada orgão.
    Ao que consta a boca faz parte do aparelho digestivo e não é um orgão sexual.
    Depois deveria prestar atenção ao título: “sexo oral é moral…”, portanton não se trata aqui de meras carícias como preparação para o ato sexual, mas de sexo mesmo…
    Quando a Igreja fala de carícias(beijos, toques, etc…) pode ter certeza que não está no menu colocar a boca no sexo do outro, pois esse não é um modo humano de realizar o ato sexual…
    E mais, a Igreja já se pronunciou sim a esse respeito e nos melhores manuais de moral católica isso é bem tratado…

    Qualquer bom confessor sabe bem as consequencias do sexo oral.
    Para os católicos que têm fé e se orientam pelo magistério da Igreja, vale o que está escrito no CÓDIGO DE DIRETO CANÔNICO N.1061 onde se especifíca que o ato conjugal deve ser feito de MODO HUMANO…
    Quem estodou bem moral sabe que isso significa sexo genital…carícias.
    Carícias não são sexo, mas preparação para o sexo… portanto quando se diz sexo oral se entende a utilização da boca no orgão sexual para se obter prazer, e isso não pode ser contado entre as carícias, mas já é ato sexual mesmo de modo não humano. Por isso é um grande deserviço o que você e outros prestam aos católicos ao tentar legitmar essa prática em si imoral.
    Qualquer bom confessor sabe que sexo oral é uma forma pervertida e degenerada de ação sexual. Em 14 anos que atendo confissões jamais encontrei uma pessoa casta ou minimamente espiritual que tivesse tal prática…e todos que por fraqueza nela caíram, arrependidos reconheceram seu desvio e por isso vieram se confessar.
    Só defende esse tipo de prática quem é realmente muito ignorante de seu grau de perversão e de suas consequencias.
    JAMAIS ENCONTREI ALGUÉM QUE QUISESSE SER SANTO QUE MANTVESSE OU DEFENDESSE ESSA PRÁTICA.
    Obs: você está distorcendo Del Greco, em nenhum momento ele defende o sexo oral.
    Talvez seja só ignorância sua ao interpretá-lo, mas do contrário dê a citação onde ele defenda a bondade ou legitimidade do sexo oral…recomendo mais cautela meu caro, pois você pode, com essas idéias, empurrar as pessoas para o vício e para a condenação.

    • Sim, padre Rodrigo, concordo plenamente que o sexo deve ser feito DE MODO HUMANO, respeitando a função de cada órgão. O ponto de divergência aqui é que o senhor está insistindo com uma interpretação muito pessoal do tal “modo humano”. Seguindo o seu raciocínio, teríamos que dizer que não é humano que o marido ponha a mão na vagina da sua esposa, porque a mão não é um órgão sexual. Mas vejamos o que diz o padre Del Greco, em seu “Manual de Teologia Moral”:

      “Se a esposa com a cópula não se satisfaz plenamente, [o marido] pode procurar complementar com toques, seja imediatamente antes ou imediatamente depois do ato”.

      Ou seja, ainda que a mão não seja um órgão sexual – e ninguém aqui é tolo de afirmar que é – ela pode ser usada de modo lícito, segundo Del Greco, para proporcionar prazer genital ao cônjuge. É claro, tal prazer não pode resultar na polução do homem.

      Ora, se usar a mão desse modo sem pecar contra a moral (Del Greco não especifica se o toque é com a mão ou com a boca), porque não poderia usar a boca?

      Mais uma vez, o senhor nos diz que a Igreja já se pronunciou sobre esse tema em manuais de teologia moral. Mais uma vez, lhe pedimos: pode fazer a caridade de citar quais são esses manuais?

      Quanto à sua experiência como confessor, respeito profundamente a sua opinião (atenção: opinião). Não o conheço pessoalmente, mas sei que possui fama de ser um sacerdote zeloso e muito virtuoso. Então, com base em sua vivência e autoridade, que estou muito longe de possuir, o senhor tem todo o direito de achar que as carícias orais não são recomendáveis, que é melhor evitá-las etc. Mas até agora não nos apresentou nenhuma BASE NA DOUTRINA para afirmar, categoricamente, que tais atos são um pecado em si.

      Creio que não preciso lembrar ao senhor que, por meio do julgamento temerário, comete-se também grandes pecados. O senhor nos acusa, com base em opinião pessoal, de tentarmos legitimar uma prática que é imoral em si, e de difundir ideias que podem “empurrar as pessoas para o vício e para a condenação”. É uma acusação muito grave, padre. Bote a mão na consciência e veja se a Bíblia, a Patrística, a palavra dos santos ou algum documento do Sagrado Magistério lhe dão suporte para fazer tais acusações.

    • valeria

      EU sou uma que me arrependi e sofro as consequências desta desordem
      MAs tenho fe que Jesus vai ter misericordia do meu marido e vai liberta -lo paz e bem

    • João

      Pe. Rodrigo, gostaria somente de manifestar que entendo perfeitamente o que o senhor expôs e concordo plenamente. Eu também desconfio que deva ter alguma consequência na vida espiritual do casal que optou por se relacionar utilizando o sexo oral. Não que será condenado ao inferno ou coisa assim, mas que está perdendo a oportunidade de se unir de uma maneira que ultrapassa os clichês que o mundo propõe através das novelas, filmes pornográficos e o que valha. Também lamento que este site, que sou fã e gosto muito, tenha optado por apresentar este tema desta forma. “Tudo pode desde que se tenha ejaculado no local correto(vagina, prexeca, como queiram!”. Para quem tem uma visão legalista, certamente aguardará o inexistente MCBPC “Manual católico de boas práticas na cama!” Para finalizar. Encorajo a todos a rezar diante de um crucifixo sempre antes de ter relações com a esposa(o). Como disse São João Paulo, “podemos cometer adultério com a própria esposa”!

  • Muito bom o post.
    Parabéns pelo trabalho de todos!
    Deus no guarde!

  • Filipe

    Quando o padre rodrigo enviar os manuais de moral católica me passa também?

  • Rodrigues

    Bom, sobre algumas afirmações acima, tenho algumas dúvidas.
    Porque seria pecado ejacular fora de uma vagina?
    Porque não ejacular com o sexo oral?
    Toda relação sexual deve tender à gravidez?
    Porque é proibido o uso de pílula ou preservativos?
    E se um filho em um momento inoportuno colocasse a perder todo trabalho na construção de uma carreira sólida?
    Que educação esse bebê teria?
    Que escolas ele frequentaria?
    Que esportes, cursos atividades, viagens ele teria acesso?
    E se a concepção nessa condição acabasse com o casamento?
    Os métodos preservativos são para preservar a vida. São a favor da boa educação, do momento mais maduro de transmitir conhecimento e valores para um novo ser. É a busca pela excelência.
    Deus quer que o mundo fique cheio de seres humanos em condições deploráveis? Deus quer seus filhos leigos sem acesso à educação, informação tecnologia, conhecimento etc?
    O
    Enfim, ainda não está claro pra mim.
    Não tenho certeza que Deus tem o mesmo ponto de vista que a igreja em tudo e vice versa.

    • Rodrigues,
      As questões que você coloca são muito numerosas, e exigem uma resposta bem elaborada e ampla. Pelo que entendi, você não e católico, certo?

      Ficamos devendo aqui uma serie de posts sobre como a Igreja nos ensina a viver a sexualidade conforme o sentido com que Deus a criou. Porem, já adianto que, em termos de moral e fé, quando ensina para a Igreja universal, o Papa e infalível.

      Avisaremos a você por email quando publicarmos os posts.

      • Rodrigues

        E quanto ao post anterior?

          • Rodrigues

            Boa noite.Apesar de ter sido batizada na igreja católica, não tenho nenhuma religião mas estudo muito sobre o assunto e aprecio muito seu trabalho. Já até cogitei fazer catequese pelo jeito interessante que vocês conseguem se expressar sobre assuntos considerados dogmas na sociedade, não só na igreja.Em minha posição tenho um respeito profundo pela igreja católica, mas me incomoda ver em diversos posts criticas diretas aos protestantes. Do meu ponto de vista (sim, Meu ponto de vista), acho que ficar ironizando também é ofensivo.Como alguém citou em um comentário que eu achei bastante coerente, ao usar a boca para ofender outros se comete um pecado sem precedentes. Não acho que satirizar a fé de outros só porque é diferente da sua seja algo muito santo. Talvez vocês pensem diferente.Católicos, protestantes todos não perdem a oportunidade de uma boa alfinetada.Acredito que nesse meio cristão, falta um pouco de Cristo. E essas atitudes entre outras me fazem tender para pensamentos que colocam em cheque a verdadeira vocação da igreja contemporânea.E acho que ao ler esse comentário, protestantes e católicos podem sentir algum tipo de desconforto por estarem sendo tratados como seres iguais. É justamente isso que me incomoda. Não é o que Ele pregou? Ele não andava com ladrões e prostitutas? Não os curava com Seu amor?Enquanto vós cristãos seguirem com esse tipo de pensamento subjugando os outros por usarem saia, acenderem velas etc, continuarei acreditando que cada religião é um núcleo fechado, sem amor, sem aceitação, sem Cristo.Mas essa é só a minha humilde opinião.

          • Rodrigues, nós fazemos catequese com humor, e não há como fazer humor sendo politicamente correto.

            Nós pensamos neste espaço como um local onde os católicos aflitos e acuados por todos os lados pudessem desabafar, e nada melhor do que desabafar com zoação. Costumamos dizer que isso aqui é como um papo de boteco! rs

            Então, além de abordar os temas teologicamente, nossos posts funcionam como um alívio cômico para o drama que os católicos vivem em seu dia a dia: são achacados na escola, na universidade e no trabalho por ateus e protestantes malas (certamente, nem todos os ateus e protestantes são malas).

            É isso. Há um tipo de evangélico bem chato e caricato (assim como existem católicos vergonhosos), e esse tipo merece, sim ser muito zoado! Não tem nada a ver com satirizar a fé do outro porque é diferente da nossa, mas sim com responder aos ataques alheios à nossa fé com humor e, sim, com insolência!

            Sobre a nossa forma de abordagem, já falamos sobre isso neste post:
            Católicos brutos também amam
            http://ocatequista.com.br/archives/3609

            Abraço, e valeu pela reflexão.

        • Jotacê

          Ah, esses pseudo-ecumênicos! Se acham tão bons, mas tão bons, que não precisam de Igreja Católica para ter Deus. Não, os gostosões vão DIRETO ao Todo Poderoso, sem essa chatice de Missa, Sacramentos, Magistério, etc.
          Depois, mesmo sendo tãããããooooo santos, não resistem à – desculpável, claro! – tentação de dar lição de moral em pessoas como nós, pecadores que infelizmente não tem o mesmo nível moral/intelectual deles.
          Jesus, misericórdia!

  • Pe. Rodrigo Maria

    O erro básico de vocês consiste em considerar sexo oral como “carícias preliminares” ao ato sexual, quando na verdade sexo oral é…sexo…só que de uma forma degenerada e não natural. Quando os manuais de Moral falam de carícias, estão falando de abraços beijos, toques e alguns outros gestos, jamais estão falando da possibilidade de sexo oral…tb quando o Prof. Felipe Aquino fala de carícias orais, fica evidente que esta falado de beijo, que é o tipo de carinho que se pode fazer com a boca, e jamais de sexo oral, pois o próprio Felipe Aquino, seguindo todos os manuais que consultou, condena essa prática do sexo oral como anti natural e degenerativa…portanto recomendo a voces que se retratem, pois aqui não se trata de um campo onde se possa dar opiniões, uma vez que existe uma regra moral objetiva que deve ser observada…SEXO ORAL É UM PECADO GRAVE e uma prática imoral.

    • Pe. Rodrigo, o seu erro básico consiste em não ter prestado atenção direito no que disse o professor Felipe Aquino. Ele diz claramente no vídeo: CARÍCIAS ORO-GENITAIS.

      Oro = oral, relativo à boca
      Genitais = vagina, pênis

      Em suma, carícias feitas com a boca nos genitais. Confere?

      E só ver aqui, a partir dos 35 minutos:
      https://www.youtube.com/watch?v=1NGZjCDMf6c

      E no campo da sexualidade matrimonial as regras morais objetivas que devem ser observadas – de acordo não com a nossa opinião, mas sim com o que ensina a Igreja – são essas: o sexo é exclusivo dos esposos, o ato sexual deve ser consumado na vagina. Ponto!

  • Rafael

    Este blog no geral é bom, mas por vezes penso que pisa na bola… O tanto de gente que vai cair por não entender bem, por achar agora que ta tudo liberado. Me pergunto o que diria Pe. Del Greco se perguntassem a ele exatamente o mesmo da tirinha aí. De qualquer modo, to rezando por vcs.

    • Rafael, se alguém, ao ler este nosso post, entender que tá tudo liberado, a culpa é exclusivamente de tal pessoa, que é semi-analfabeta. Creio que fomos muito cuidadosos ao nos apegar sem concessões à doutrina da Igreja sobre os aspectos unitivo e procriativo do sexo, e ainda advertimos sobre os pontos de necessária cautela. Não podemos nos responsabilizar por gente sem cérebro.

      Já teve gente que cortou fora algum membro do corpo por causa daquela passagem em que Cristo diz: “se um membro teu te faz pecar, arranca-o e lança-o fora…”. Acaso o Senhor pode ser culpado pela estupidez de uns e outros?

  • Sidnei

    Tem um outro exemplo aqui, de uma das comentaristas o qual trouxe seu um problema que esta passando em seu lance matrimonial, que é a infidelidade de seu marido, justamente porque começou por esta prática (sexo oral) e quando ela não quis mais o seu marido foi buscar fora de casa o que ele não encontrava dentro de casa, trazendo agora uma grande infelicidade a sua esposa que sofre com dignidade diate da traição e seu marido, isto cabe dizer o que já descrevi a uma resposta a trás, se eu fosse um diretor espiritual e viessem me perguntar se não o sexo, ma a carícia oro genitais seriam validas ou não responderia que se fosse apenas caricias como preliminar a relação sexual, e não fosse tão corriqueiro assim, diria que sim, poderia ser feito, porém, se o casal ver que poderá correr o risco destas caricias oro genitais passar a sexo oral e isto tornar um vicio, diria que seria bom nem começar, tudo vai depender de cada casal. Porém esta duvida para mim esta dirimida, o que me vem a cabeça (veja que no campo sexual as dúvidas são vastas) é no caso desta nossa irmã que sofre com a infidelidade de seu marido, e sabendo disto, o marido ao procurar ela para uma relação sexual, será licito ou não ela exigir a camisinha (especificando que não ela mas todas que vivem este drama), para que seu marido a use e assim ela poder se precaver de algum possível contaminação?. Qual a opinião do pessoal aqui do catequista?. Espero respostas. Obrigado.

    • valeria

      caro sidnei no meu caso o meu marido ja esta vivendo no adulterio largou a familia esta vivendo com outra pessoa que faz tudo que ele quer na hora que ele quer a Bençoada ainda me liga me contando as façanha e me acusa que dá tudo que eu não dava,nao trabalha esta desempregado pois não aguenta segura vai ate o serviço dela para ter o prazer. E ainda sou acusada vilã do fracasso do casamento.
      E eu estou vivendo na castidade pois eu vou levar a minha promessa que fiz diante do altar até o fim não vou entrar com anulação coisa deste tipo pois eu sabia perfeitamente o que eu estava fazendo naquele dia é ate a morte independente da situação nao vou agredir a igreja de cristo querendo anular o que foi de livre vontade é o meu pensar pessoal e estou muito feliz assim rezo constantemente pela libertação dele poi esta viciado pois as historia que esculto são horrivel estou achando que Deus esta me protegendo.
      Agora pergunto sera que uma alcolatra na ativa reconhece que esta doente.Sera que uma pessoa já nasce viciada.
      As todo vicios começa aos poucos….
      Temos que ser vigilante quando se trata de sentimento e prazer da carne pois o inimigo nao esta de brincadeira e o foco dele é a familia e esta atacando de todos o lado.Nãõ se esquecemos que somos fracos e prezas frageis na mão do inimigo e que muitas vezes acordamos quando o caso esta consumado. Todos estamos sujeitos a esta realidade sem exceção é melhor evitar estas praticas.
      Há casei participavamos das missas dominicais fizemos parte como casal de duas pastorais na minha paroquia ECC e pastoral familias.Hoje eu permaneço firme na minha fé sou catequista não deixei de servir o meu senhor e estou como Santa Rita rezando pela conversão do meu marido sei que jesus ama os pecadores e como já vi em muitos casos quando uma pecador se converta e volta para Deus o testemunho é maravilhoso pois estou na espera que Deus restaure meu Abençoado marido.Paz e bem

    • valeria

      A sidnei tem muitas mulheres que sofre isso e não percebe que esta sofrendo abuso estão envolvida por varias situaçãos mundanas que fica cega e acha que isso é super normar coisa tipica de um viciado.
      Mas quando Deus vai fuscar o seu filho e cai a cegueira espiritual tudo se renova.
      Tiro o exemplo da conversão de São Paulo uma das mais lindas Historia de conversão que já li.Paz

      • Sidnei

        Valeria você é um exemplo de mulher cristã, fiel a DEUS e seus sacramento, sobre tudo, do matrimonio o qual você não quebrou seus votos. Reze, continue orando, não perca a fé e a esperança, DEUS ainda ai tocar o o coração de seu marido, nem que for na hora da morte, e ele se arrependerá de tudo o que ele fez para você e para DEUS, pois com sua atitude ele não ofende só a você mas a DEUS também. Você carrega sua cruz com galardia como CRISTO nos disse para carregarmos, de todos os que já comentaram neste post, você é a que tenho o meu total respeito e admiração. Fique com DEUS, NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, e com a materna intercessão de nossa Mãe Maria.

        • valeria

          Obrigada sidnei eu lutarei até o fim carregarei a minha cruz, sei que tudo tem o proposito para o nosso crescimento espiritual,e e´no deserto que somos provados e conquistamos a nossa salvação eu fiz a opção de remar contra a maré contra o que este mundo prega as sua facilidades fútil é sou mais feliz,a unica certeza que temos que esta vida passa com todo os sofrimento e esta a nos espera um reino de justiça e felicidade junto com Jesus que foi o único que deu a vida em resgate da minha quero fazer o maximo para honrar o sangue que ele derramou por mim.como dia a musica:VIVER PARA MIM É CRISTO MORRER PARA MIM E GANHO NÃO A OUTRA QUESTÃO QUANDO SE É CRISTÃO NÃO SE PARA DE LUTAR ATÉ CHEGAR AO CÉU

  • Vardoso

    Bom dia Sidnei!!!!!!!

  • Lucas Farias

    ” Sexo Oral X Carícia Oral.

    No chamado ‘sexo oral’, a finalização ocorre de forma e em lugar antinatural, desvirtuando o ato, dissociando o fim unitivo do procriativo, pelo que é, em si, moralmente ilícito.
    Já as carícias orais são feitas com a boca no corpo do cônjuge, como preliminares. A finalização do ato, no entanto, ocorre de forma e no lugar natural. Poderão ser moralmente lícitas, se combinadas com todo o contexto da união sexual abordado anteriormente. Tais carícias são espécie do gênero ato incompleto, que é definido pelo moralista Del Greco como segue:
    Os atos incompletos. Podem ser, por exemplo, os atos imperfeitos de luxúria (beijos, abraços, toques, olhares, etc.), os quais dispõem os cônjuges ao ato conjugal.

    a) Se se referem ao ato conjugal no sentido de constituírem preparação para este, são sempre permitidos, quer no próprio corpo, quer no corpo da outra parte.

    Devem, porém evitar os cônjuges que de tais atos por serem muito prolongados resulte uma polução, ainda que não voluntária.

    Se a esposa com a cópula não se satisfaz plenamente, [o marido] pode procurar complementar com toques, seja imediatamente antes ou imediatamente depois do ato.” ( http://www.veritatis.com.br/apologetica/familia-sociedade/908-sexualidade-no-matrimonio )

    Ou seja… Tudo o que os catequistas estão dizendo..

  • Interessante saber o que o sacerdote capuchinho Ksawery Knotz, autor do livro “O sexo como vocês não conhecem – Para cônjuges que amam a Deus”, diz sobre esse assunto:

    “Eu falo com um monte de casais (…). Eu gostaria que eles sejam mais felizes com a sua vida sexual, e que eles compreendam os ensinamentos da Igreja de modo que não haja tensão desnecessária ou um sentimento de culpa”

    “Cada ato – um tipo de carícia, uma posição sexual – com o objetivo de despertar [DESPERTAR, ou seja, preliminares] é permitido e agrada a Deus. Durante a relação sexual, casais casados ​​podem demonstrar o seu amor de todas as maneiras, podem oferecer um ao outro o mais solicitado [ou seja, a cópula no lugar natural] depois de carícias. Eles podem empregar estimulação manual e oral.”

    Fonte: Fox News
    http://www.foxnews.com/story/2009/05/13/priest-to-catholic-couples-nothing-wrong-with-steamy-sex-life/

  • Augusto Santos

    ée…
    admito que fiquei vermelho com esse post (e olha que eu sou “preto”).
    Nunca tinha pensado por aí. Mas aí fica a lógica: se é possível, em carinho conjugal, beijar pescoço, braço, coxa, porque não é permitido beijar a pepeca (um termo que é muito mais fofo que “prexeca”)?
    Agora, eu acho q convém evitar. Afinal, vc terá de ter auto-controle para não ter o Happy End longe da pepeca. Agora, quem tem auto-controle num ato sexual? Não é pra deixar fluir?

    E, com todo respeito, eu jamais vou concordar com o teólogo nesta parte:

    “a) Se se referem ao ato conjugal no sentido de constituirem preparação para este, são sempre permitidos, quer no próprio corpo”.

    Isso não vai contra o que o São Paulo fala sobre os conjuges não poderem dispor do próprio corpo? A desculpa é que ele está enchendo a “barra de especial”, mas pra mim é balela. Tipo assim, vc está diante da mulher a qual vc é uma só carne. Vc a ama e ela está pelada diante de vc. Não precisa se “aquecer sozinho” pras coisas funcionarem. Se precisar, é melhor correr atrás de tratamento pq vc sofre de impotência, sinto muito.
    O ato sexual é sempre para o outro, nunca pra nós mesmos.

    • Exato! Mas enquanto um homem fica pronto para o sexo em 1 segundo, a mulher demora uns 15 minutos. Aí em vez de partir para a penetração, você parte para as carícias preliminares, para estimular sexualmente a sua esposa antes da penetração. A grande questão é que, até agora, ninguém apresentou um só argumento objetivo para rejeitar o sexo oral como preliminar dentro da Doutrina. Ficam na subjetividade, no “eu acho” ou no sentimentalismo, conforme o caso…

  • Augusto Santos

    para os solteiros que querem viver a castidade e para os celibatários dica: joguem LOL.

  • Harun Salman

    Fiquei surpreso com a quantidade de gente não entendendo um artigo tão claro! E trazendo ao assunto considerações pessoais que, no máximo, têm valor pessoal. A orientação da Igreja é bem clara e o Alexandre não hesitou em apresentá-la com clareza. O modo como, atendendo à orientação da Igreja, um casal exercerá sua vida sexual é algo que só diz respeito a esse casal! Se teólogos respeitáveis – e o próprio catecismo! – não descem a minúcias sobre a vida sexual dentro do matrimônio, por que cargas d’água alguém acha que isso é matéria para um “mandamento”?! É no máximo assunto para ser discutido pelo casal, na intimidade do seu quarto! E viva o bom senso da Doutrina Católica, que ainda sabe o que é “vida privada”!

  • IDA ROSA

    Como sempre, acho que a opinião de Harun Salman é de muita sabedoria e coerência…Se na Bíblia não consta isso como pecado mortal e nem fala sobre esse assunto, porque ficarmos nos debatendo nesse assunto que é no mínimo constrangedor…Acho que se alguém fizer essa pergunta a qualquer padre ele vai ficar hesitante em responder tal sua indignação…Apesar de ser uma coisa tida como natural no mundo de hoje e fazer parte do sexo da maioria das pessoas o que acho é que muitas fazem isso por não terem em sua vida um caminho ligado à Igreja ou aos seus ensinamentos…Tenho certeza que a maioria também nunca refletiu a respeito desse assunto, a não ser aquelas ligadas à Igreja…Quando o padre diz que serão os dois uma só carne no casamento, abre uma dúvida de que os dois poderiam se ter da maneira que quisessem…Enfim, creio que tudo está dentro da consciência de cada um, principalmente se for um católico praticante e interessado em saber sobre as leis …Como já ouvi dizer que peca mais aquele que sabe o que é pecado e continua a praticá-lo, acho que deve ser perdoado os que fazem algo que não sabem realmente se é ou não pecado…Abraços a todos…

  • Hélio

    Boa Tarde. Eu tenho uma dúvida, eu queria muito ter mais que um filho porém a minha esposa já teve uma (era mãe solteira) e ela pretende ter apenas mais “um” e quando falo em métodos billings pra ela largar os anticoncepcionais a gente acaba discutindo sem chegar à lugar nenhum. Ela diz ainda que este anticoncepcional que ela usa diminui a intensidade do fluxo dela na menstruação e antes de tomar este remédio ela sentia muita dor e agora com ele não sente mais. Nesse caso, estaríamos em pecado??

    • Hélio,
      Sim, vocês estão pecando.
      Recomendo que vc veja esse vídeo do Padre Paulo Ricardo sobre os abortos causados pelo uso da pílula anticoncepcional:
      https://www.youtube.com/watch?v=VXcpiktmYfM

      Eu não sei, mas… será que a única solução terapêutica para as dores de sua esposa é a pílula? Não haveria mesmo outra alternativa?

      Creio que ficar discutindo com sua esposa não vai adiantar muita coisa. Ao que me parece, mais do que um convencimento moral para seguir esta ou aquela regra religiosa, sua esposa precisa se aprofundar na vida da Igreja e na amizade com Cristo. Assim, o Espírito Santo conduz a razão e o coração fica muito mais dócil para acolher a vontade do Senhor. Vocês têm um bom padre como diretor espiritual? Participam de algum grupo católico que lhes ajude a aprofundar continuamente a doutrina e seja um ponto de construção de amizade cristã com outros casais? Isso é muito importante!

      Acho conveniente citar aqui o que disse o Papa Francisco, na entrevista à revista jesuíta “Civiltà Cattolica”:

      “Não podemos insistir somente sobre questões ligadas ao aborto, ao casamento homossexual e uso dos métodos contraceptivos. Isto não é possível. Eu não falei muito destas coisas e censuraram-me por isso. Mas quando se fala disto, é necessário falar num contexto. De resto, o parecer da Igreja é conhecido e eu sou filho da Igreja, mas não é necessário falar disso continuamente.

      Os ensinamentos, tanto dogmáticos como morais, não são todos equivalentes. Uma pastoral missionária não está obcecada pela transmissão desarticulada de uma multiplicidade de doutrinas a impor insistentemente. O anúncio de carácter missionário concentra-se no essencial, no necessário, que é também aquilo que mais apaixona e atrai, aquilo que faz arder o coração, como aos discípulos de Emaús. Devemos, pois, encontrar um novo equilíbrio; de outro modo, mesmo o edifício moral da Igreja corre o risco de cair como um castelo de cartas, de perder a frescura e o perfume do Evangelho. A proposta evangélica deve ser mais simples, profunda, irradiante. É desta proposta que vêm depois as consequências morais”.

      Coloque aos pés do Senhor este problema, e procure direção espiritual. Qualquer dúvida, volte a nos escrever. Abraço!

      • Sidnei

        Desculpa em me meter aqui, mas se neste caso, não haver outra solução terapêutica para que a esposa do Hélio não tenha mais que sofrer com as dores e com o fluxo de sangue, haveria pecado neste caso?. Pois o que me recordo na Humane Vitae de Paulo VI, parece que em casos o qual o anticoncepcional artificial conhecida como pílula anticoncepcional fosse utilizada como meio terapêutico, seria moral sua utilização, desde que tal uso não fosse como utilização direta para se evitar filhos, mas, para tratamento de alguma doença. Estou errado Vivi ou este meu entendimento esta correto?.

        • Sidnei,
          Vejamos o que diz a Humanae Vitae:

          Liceidade dos meios terapêuticos

          15. A Igreja, por outro lado, não considera ilícito o recurso aos meios terapêuticos, verdadeiramente necessários para curar doenças do organismo, ainda que daí venha a resultar um impedimento, mesmo previsto, à procriação, desde que tal impedimento não seja, por motivo nenhum, querido diretamente.

          Por isso eu perguntei se não há outro realmente outro meio pelo qual a esposa do Hélio possa tratar seu problema. Por que ficou claro, para mim, que ela usa a pílula especialmente para evitar filhos, sendo que a redução das dores é mais outro “benefício” somado ao efeito de esterelização. Por isso mesmo, recomendei ao Hélio que procurasse um bom sacerdote para receber direção espiritual. Afinal, somente face-a-face ele pode expor melhor a questão e receber uma orientação certeira e segura da Igreja para o seu caso específico.

          Agora, que estão pecando, estão pecando, pois está evidente a intenção de evitar filhos por meio artificiais. A INTENÇÃO é o que mais conta para determinar a imoralidade de um ato.

          • Sidnei

            Mas mesmo assim o pecado é da esposa, porque o Hélio esta tentando fazer com que ela se enquadre ao que a Igreja ensina, mas, infelizmente ela não quer.

      • Vardoso

        Eu sinceramente estou tentando entender um pouco seu ponto de vista Sidnei se é da busca real da Verdade ou outra coisa… “pecado da esposa” acaso não sabeis que são uma só carne.Usar da prática nesse caso é muito perigoso, cabe ele ouvir os conselhos da Catequista e o quanto antes buscar próximo dele um orientador espiritual e rezar de antemão para que este seja enviado pelo próprio Espírito Consolador.
        O vídeo sugerido do Pe. Paulo é muito claro, vc viu????
        A pergunta do próprio Hélio “estaríamos em pecado” nada excludente não acha???
        Reafirmo, a questão técnica de que se ele(sozinho) está ou não em pecado ao meu ver não é a maior preocupação dele ele quer salvar também a que foi reservada pra ele…

        Desculpe-me mais sou um pouquinho chato…

        • Sidnei

          Vardoso, o Helio esta tentando convencer a esposa dele seguir o que a Igreja ensina, será que isto não se deve levar em conta?. Chato?!, você é inconveniente, só vem aqui para pegar no meu pé. Não fosse com a minha cara?. E o papo é entre eu a Vivi, então fica na tua que já estou começando a me aborrecer contigo.

          • Vardoso

            Você escreve em um blog que dá a oportunidade a todos de colocar sua opinião desde que a seja de maneira respeitosa…
            Minha divergência contigo espero ser somente na maneira de pensar e tenho que sempre opinar quando não entendo onde quer chegar. Ex:Nessa sua última resposta você me chama a atenção para o que te chamei primeiro acima…
            Será que eu é que não estou sendo claro???
            E sobre o papo ser somente com a Vivi…Espere ai!!!…E O HÉLIO????

            Rezarei hoje com minha família pela sua vida OK!!!!
            Fique em paz.

          • Sidnei

            Onde eu quero chegar sr. Vardoso?. Na compaixão e misericórdia, é nisto que eu quero chegar, quero chegar a um julgamento justo, é nisto que quero chegar, taxar o Hélio de pecador quando o pecado e da esposa dela e não dele, isto para mim é de uma atitude anti cristã das mais vis que já contemplei, ainda bem que São Paulo não pensa como o senhor pois ele mesmo diz a respeito dos casais o qual um crê e outro não crê: “Porque o marido que não tem a fé é santificado por sua mulher; assim como a mulher que não tem a fé é santificada pelo marido que recebeu a fé. Do contrário, os vossos filhos seriam impuros quando, na realidade, são santos.” (1º Cor. 7,14) nuca li na Bíblia que se um dos cônjuges se torna pecador o outro por ser uma só carne com ele também se torna por causa do pecado do outro, mas, São Paulo diz justamente o contrário, se um dos cônjuges não crê, será salvo por aquele que crê, porém terá suas consequências, neste mundo ou no purgatório já que não creu totalmente nas palavras de JESUS que em outras coisas manda ouvir a Igreja, pois quem ouve a Igreja estará ouvindo a ELE (Lucas 10,16). E quanto a conversa que eu tive com a Vivi foi uma duvida que tive e não que estava intrometendo no papo deles como você que venho aqui tentando me irritar o tempo inteiro. Rezar por mim?, isto, reze, pode rezar quanto queira, mas antes reze também por sua converção pois esta sua atitude de irritar os outros parece ser um defeito grave seu, pois se nesta quaresma a minha penitência é o senhor, que seja, pois daqui em diante tentarei não falar mais com o senhor e nem dar mais resposta alguma em atitude penitencial.

          • Hélio

            Olá gente, intervindo na discussão de vocês que na verdade eu começei. Gostaria só de dizer que ja tentei convencer minha esposa várias vezes sobre isso, mas não sei se ela tem algum trauma e me disse que pretende ter apenas um filho e nada mais. Quando falo que quero mais a gente discute e não chega a lugar nenhum, eu mesmo parei de discutir porque daqui uns dias vamos acabar brigando. Acho que a única alternativa é rezar.

          • Como eu disse, Hélio, creio que no seu caso, insistir nesse ponto só vai gerar briga. Sim, reze, mas também procure a direção espiritual de um bom padre e veja se há um bom grupo católico para vocês frequentarem. A amizade com leigos maduros na fé sempre nos ajuda na caminhada rumo à santidade.

          • Vardoso

            Voltamos ao ponto de partida…
            A primeira resposta que A Catequista ofereceu ao Hélio e a reafirma no seu último comentário exprime isso que vc brada aos quatro ventos COMPAIXÃO E MISERICÓRDIA só que de forma JUSTA.

            Ocatequista é o blog que desde seu início preza pela clareza dos dados, trazendo para nós que o acessa a Verdade do Evangelho e da Igreja e não se omite.
            De certa forma molda seus leitores a não aceitar calado algo que não concorda e abre espaço para o debate sadio…Se o irritei não foi essa a minha primeira intenção e sempre quando tento expor ideias, as faço não buscando a “raiva” do que pensa diferente.
            A situação do Hélio é muito particular e a expôs de forma pública porém não nos dá o direito de complicar.O início da solução foi apresentado muito bem pela redatora desse blog, não caberia a você e a ninguém ficar fazendo mais suposições.Naquela primeira pergunta porque então não respondeu de pronto Ó SIDNEI sENHOR DA mISERICÓRDIA E cOMPAIXÃO…Agora ficar colocando mais lenha na fogueira em um assunto tão relevante e sério…
            Como disse a você outro dia, assunto que não domina é melhor ficar calado, refletir e deixar quem tem autoridade no assunto ou ao menos com sabedoria pra responder.

            Sobre o rezar por você todos os dias em minhas orações busco incluir alguém com quem conversei naquele dia é um costume a muito tempo adquirido que não espero parar de fazer mesmo com você achando que falei aquilo para aparecer ou sei lá…

            Fique em paz e até outro dia!!!

          • Sidnei

            Eu não iria responde mais nada, mas você Vardoso é uma pessoa tão irritante, mas tão irritante, que não dá para ficar calado, veja a contradição que você diz:

            “Ocatequista é o blog que desde seu início preza pela clareza dos dados, trazendo para nós que o acessa a Verdade do Evangelho e da Igreja e não se omite. De certa forma molda seus leitores a não aceitar calado algo que não concorda e abre espaço para o debate sadio… ”

            e depois:

            “A situação do Hélio é muito particular e a expôs de forma pública porém não nos dá o direito de complicar.O início da solução foi apresentado muito bem pela redatora desse blog, não caberia a você e a ninguém ficar fazendo mais suposições ”

            E fiz suposições, eu coloquei o que o Hélio colocou e questionei a Vivi segundo a Humane Vitae, bem se vê que você só vem aqui para tirar eu do sério, não tem outra explicação para tamanha aporrinhação.

            “Naquela primeira pergunta porque então não respondeu de pronto Ó SIDNEI sENHOR DA mISERICÓRDIA E cOMPAIXÃO…Agora ficar colocando mais lenha na fogueira em um assunto tão relevante e sério… ”

            Simples, porque queria entrar em um debate com a Vivi e não contigo.

            “Agora ficar colocando mais lenha na fogueira em um assunto tão relevante e sério… ”

            Há tá, agora porque fiz um questionamento segundo a Humane Vitae, e coloquei que não concordava em dizer que o Hélio é tão pecador quanto a esposa dele, agora é colocar lenha na fogueira, só para relembrar foi você que colocou: “De certa forma molda seus leitores a não aceitar calado algo que não concorda e abre espaço para o debate sadio… “, pois é de um lado diz que podemos debater e não aceitar tudo o que a Vivi coloca aqui, mas por outro lado diz que se eu questiono e não concordo é porque estou colocando lenha na fogueira em assunto tão relevante e sério. Gente como você é que não se deve levar a sério, pois se por um lado diz uma coisa por outra desdiz de outra.

          • Pessoal, acho que essa discussão já deu. Não vamos mais permitir a publicação de comentários desse gênero.

          • Sidnei

            Desculpe Vive, mas não tenho sangue de barata.

          • Geneto Eugenio

            Claro Vivi sua decisão mais uma vez muito sensata e correta, fico até com vergonha de adulto ser chamado atenção, rezem por mim.
            Peço desculpas a vocês por ter enchido a caixa de comentários e não me calado antes…

    • Católico

      Hélio, estou com o mesmo problema que você, conseguiu se resolver com sua mulher? Como? Abraços

  • Carlos

    Acredito que a confusão seja o termo Sexo Oral. O Correto seria Carícia Oral. Sexo Oral é pecado, carícia oral não.

  • Apenas mais alguns esclarecimentos:

    Nesse post, não nos baseamos simplesmente em nossa própria lógica, mas sim no parecer do Padre Del Greco, que alguns acham genérico, outros nos acusam de o distorcer, mas basta fazer um pequeno esforço de raciocínio e ter um pouco de boa vontade para entender de que tipo de carícias ele está falando: carícias que precisam ser interrompidas a tempo, que não devem se prolongar muito, para não provocarem a ejaculação.

    Além de Del Greco, há outros autores para embasar essa conclusão:

    1. Já mostramos nos comentários um vídeo com uma entrevista com o prof. Felipe Aquino, após ter consultado especialistas em moral católica, concluiu que as carícias oro-sexuais (é assim que ele chama) são permitidas aos esposos. Está neste link, a partir dos 35 minutos:
    https://www.youtube.com/watch?v=1NGZjCDMf6c

    2. Também citamos nos comentários o sacerdote capuchinho Ksawery Knotz, autor do livro “O sexo como vocês não conhecem – Para cônjuges que amam a Deus”.

    3. Christopher West, conhecido estudioso americano da Teologia do Corpo de João Paulo II, também afirma o mesmo que afirmamos aqui, bem como o Pe. Vincent Genovesi, professor de Teologia da Universidade de St. Joseph, na Filadélfia. Para quem deseja saber mais sobre o que eles dizem sobre o tema em questão, recomendo esse trabalho de Teologia Moral do Seminário de Notre Dame, de Nova Orleans:
    http://spot.colorado.edu/~tooley/CatholicismOralSex.html

    Agora, se esta ou aquela carícia é conveniente ou não, só cada pessoa e cada casal pode responder. Nesse ponto, cada um sabe de si. Creio que fomos suficientemente claros quando explanamos a questão central:

    “Qualquer coisa o casal tenha feito antes para chegar a esse objetivo [realizar a função unitiva e procriativa do sexo] não é do interesse da Igreja. Por isso mesmo o Sagrado Magistério jamais se pronunciou sobre as carícias sexuais, somente sobre o ato sexual em si. Não esperem receber de Roma um manual detalhando sobre “sexo santo”, dizendo onde o marido pode botar a mão, onde a mulher pode botar a boca… Isso é irrelevante do ponto de vista doutrinário! O que interessa é ter pontaria e não desperdiçar munição fora do alvo!”

    O Catecismo da Igreja diz somente o que interessa: o prazer sexual é moralmente desordenado quando é buscado por si mesmo, isolado das suas finalidades procriação e de união. Ora, então podemos dizer que, de modo geral, as carícias realizadas pelo casal que não estejam isoladas da finalidade de procriação e de união, e que contribuam com essa finalidade, não são taxadas pela Igreja como desordenadas.

    Nossos posts são fruto de muito estudo e experiência em catequese. Até por isso, podemos tratar temas polêmicos com muita liberdade. A dificuldade em concordar é normal e pode ser superada consultando-se as fontes doutrinárias que normalmente apontamos em nossos textos ou mesmo consultar um padre que possa, pessoalmente, orientar melhor cada fiel. Já dissemos muitas vezes que nosso blog não pretende aprofundar nenhum tema, pretendemos ser como o trailler de um filme. Você vem aqui, fica curioso com determinado tema e corre atrás na literatura ou junto a uma direção espiritual. Aí sim, você vai ficar realmente convencido do que estamos falando.

    Um blog jamais irá substituir a verdadeira experiência cristã de olhar e seguir uma pessoa concreta, de carne e osso.Por isso, sempre aconselhamos nossos leitores a procurar uma direção espiritual séria, seja individual, ou através de um movimento católico, e assim aprofunde toda a doutrina, mesmo naqueles pontos em que concorda conosco.

    Ademais, esse é um tema tão, mas tão secundário que a Igreja, em 2 mil anos de existência, jamais se preocupou em se pronunciar sobre ele. Seria tipo… exigir da Igreja que se pronunciasse sobre a moralidade de andar de patins.

    Por fim, termino com o excelente comentário do nosso leitor Harun:

    “A orientação da Igreja é bem clara e o Alexandre não hesitou em apresentá-la com clareza. O modo como, atendendo à orientação da Igreja, um casal exercerá sua vida sexual é algo que só diz respeito a esse casal! Se teólogos respeitáveis – e o próprio catecismo! – não descem a minúcias sobre a vida sexual dentro do matrimônio, por que cargas d’água alguém acha que isso é matéria para um ‘mandamento’?! É no máximo assunto para ser discutido pelo casal, na intimidade do seu quarto! E viva o bom senso da Doutrina Católica, que ainda sabe o que é ‘vida privada’!”

  • Gostaria de saber se essas informações estão de acordo com o CEC ou mesmo com o CIC?

    • Israel, releia o nosso post com atenção. Creio que fomos bem claros quando afirmamos que a doutrina da Igreja não aborda diretamente as carícias que precedem a cópula: “Podem vasculhar a Bíblia, os documentos da Igreja, os escritos dos santos… Até onde sei, não há qualquer referência a sexo oral”.

      O Catecismo da Igreja diz somente o que interessa: o prazer sexual é moralmente desordenado quando é buscado por si mesmo, isolado das suas finalidades procriação e de união. Ora, então podemos concluir que, de modo geral, as carícias realizadas pelo casal que não estejam isoladas da finalidade de procriação e de união, e que contribuam com essa finalidade, não são taxadas pela Igreja como desordenadas.

      Essa conclusão está de acordo com o parecer do Padre Del Greco, um grande teólogo moral da Igreja. Conforme citamos nos comentários, outros autores também corroboram com o que dissemos sobre as carícias orais: 1) o Prof. Felipe Aquino, após ter consultado especialistas em moral católica, concluiu que as carícias oro-sexuais são lícitas, o que é pecado é que o homem atinja o orgasmo por meio dessas carícias, segundo ele; 2) o frade capuchinho Ksawery Knotz, autor do livro “O sexo como vocês não conhecem – Para cônjuges que amam a Deus”; 3) Christopher West, conhecido estudioso americano da Teologia do Corpo de João Paulo II; 3) Pe. Vincent Genovesi, professor de Teologia da Universidade de St. Joseph, na Filadélfia.

  • Celso

    “Teu umbigo é uma taça torneada, onde nunca faltará vinho de qualidade, teu ventre é um monte de trigo, cercados de lírios. Quão bela e quão encantadora és tu ó querida, entre as delícias. Teu talhe assemelha-se ao da palmeira e teus seios a cachos. Eu disse”subirei a palmeira e colhelhei os frutos” E teus seios serão cachos de uvas e o perfume de sua boca, como os das maçãs. Teu paladar será como vinho excelente
    ELA
    … Digno de ser bebido por seu amado e degustado por seus lábios e dentes.” .Ct,7-3;7,10.

    Ai pessoal! entre casais não há pecado, pois são uma só carne e um só espírito, lógico cada qual respeitando o outro, no trecho citado acima onde é que o esposo quer tomar vinho? e o que a esposa acha? Vamos nos inspirar no livro Cântico dos Cânticos, que é uma uma ótima maneira de aprendermos a amar nossa(o) esposa(o)

  • Celso

    Um bom livro para tirar essas dúvidas é o “Sede Fecundos” Pe Léo Scj.
    Onde o Pe aborda o tema da sexualidade entre o casal.

  • Amanda

    Esse é um assunto bem polêmico, pois quem tem sede de viver a santidade em seu casamento se preocupa muuuuito com isso, e a forma como é feita.
    Um dia ouvi a seguinte explicação: “A relação sexual tem duas finalidades: união (do casal) e procriação. O meio para ligar o sexo a estas duas, seria o PRAZER. Muita gente acha que o sexo tem como UM DOS objetivos o prazer, mas não. Ele é apenas um MEIO. Deus fez o sexo masculino exterior, e o feminino interior para que aja união entre os dois. Então vamos lá, sexo oral passa pelo prazer? Sim. Chega na finalidade união? Não, pois os dois deveriam sentir prazer ao mesmo tempo. É diferente vc sentir prazer EM DAR PRAZER, sacou 😉 Não é ao mesmo tempo (digo, sexo masculino – exterior – mutuamento com o sexo feminino – interior). Chega na finalidade procriação? Não. Então, já sabemos a resposta…” Sim, tbm fiquei triste com tanta coerência!!

    • Sa

      Mas não é sexo e sim PRELIMINAR para chegar a ele! E desta maneira, ambos poderiam sentir prazer juntos desde o início da relação vagianl, afinal, a mulher é como um fogão à lenha..

      Se formos pensar assim, como a explicação que você ouviu, os casais não poderiam nem passar a mão no sexo do outro, pois é diferente sentir prazer e ter prazer por dar prazer.

      Aliás, quer mais intimidade e união do que estar com a boca no sexo do outro? E dá sim pra ambos sentirem prazer oral ao mesmo tempo, só depende da posição…

  • A Paz de Cristo! Então vejam a minha situação irmãos: Eu sou casada a 8 anos nunca engravidei, não sei se eu ou o meu marido é quem tem problema de fertilidade. A parte mais critica é que eu tenho alergia ao sêmen, portanto cada vez que o meu marido ejacula ali dentro eu fico mau. O que acontece então é o coito interrompido….e agora? A solução seria parar de ter uma vida sexualmente ativa?! Bom nós entregamos a Deus nossa situação….

    • Valeria,
      Procure um bom sacerdote para lhe orientar. Em algumas situações específicas, Igreja precisa avaliar caso a caso, não há respostas universais. Se puder falar com o bispo, melhor. Fique com Deus!

  • Linda

    Não sou casada, mas não vou me separar do meu namorado e pretendo me casar em breve. Não sou mais virgem, perdi minha virgindade com 28 anos, pois estava me guardando mas como achei o homem da minha vida, eu liberei. Mesmo depois que casar com ele, Deus vai me perdoar o que fiz? Pois não me sinto errada, apenas foi fora de hora.

    • Roberto

      Prezada Linda, na sua mensagem vc não deixa claro se mora com seu namorado. Se não mora, sugiro que procure um sacerdote e se confesse, mas, para tanto, tem que estar arrependida e ter a intenção de não o fazê-lo novamente e Deus a perdoará. Recebido o perdão lute para não cair de novo e evite situações que os levem a ter relações. Se mora, vcs só devem receber o sacramento do Matrimônio em estado de graça. SUGIRO que quando estiverem próximo ao casamento, separem os corpos (um de vcs pode ir morar com os pais, por exemplo), se confessem e recebam o Matrimônio. A partir daí sejam felizes com a consciência tranquila, que Deus não só os perdoou como abençoou o vosso amor!!!

  • Templário

    o que o homem e a mulher fazem entre quatro paredes não deve ser julgado por ninguém..é bíblico.

  • Diego

    parabéns pelo artigo muito bom!!!! Só não gostei de alguns comentarem coisas tipo “foi F**a”, palavras torpes também é pecado e não convém a um Cristão, e em relação ao game, escolha um que não precisa ta atirando e matar alguém ou algum bicho… um futebol ou corrida é melhor!!!! valeu pelo post

  • Leandro

    Sei que esse assunto tá corrento tem tempo, mas preciso comentar.
    Nunca fui frequentador do blog, mas esse tema é demais! Acredito que os casais devam buscar esses tipos de informações para cada vez mais se esclarecerem!!! Gostei da abordagem e ao ler alguns comentários fico verdadeiramente preocupado com a quantidade de pessoas que não acreditam no prazer que Deus nos concede. Acredito na reta intenção dos donos desse blog, ainda mais sabendo que indicam os vídeos do padre Paulo Ricardo em vários tópicos. Nunca vi alguma coisa que eu dissesse: “Vacilaram!”. Mas acreditem, isso pode acontecer! Os que estão em pé, cuidem para não cair.

    Vamos lá então (para os que tiverem disposição para ler)

    O que eu consigo reparar com a maioria dos comentários é a deturpação em massa que o mundo causou com a nossa sexualidade. O demônio conseguiu, com a pornografia e outros meios, deturpar o sexo entre os esposos de tal maneira que os próprios ficam agora acreditando que tudo que passa da penetração do pênis na vagina é imoral.

    Sou um cara que vivi no pecado da pornografia algum tempo. Posso afirmar que hoje, com a vida em Cristo e casado com uma mulher fantástica, consigo filtrar e ver onde existe a imoralidade no ato sexual conjugal.

    Fico feliz de poder dizer que para mim bastaram as orientações:

    – Aos católicos é proibido a penetração anal em quaisquer dos conjuges, quaisquer tipos de brinquedos eróticos – pois são pecaminosos em sua origem, ejaculação com o pênis fora, ou parcialmente fora, da vagina.
    – O prazer tem que ser completo para ambos. Caso um fique sem o prazer completo é de responsabilidade do que está completo, completar o do outro – não importa como.

    A partir delas compreendi que eu não posso simplesmente acordar um belo dia e pensar: “Hoje uma masturbação a dois será demais!”
    É correto, válido e muito louvável as pessoas desejarem buscar a santidade e não cometer pecados. Mas daí ficar querendo achar cabelo em ovo não dá!

    Um exemplo prático (para nós, os casados): No dia em que minha esposa estiver no período seco e eu precisar lubrificá-la? O farei como? Devo então comprar uma pomadinha ou um gel lubrificante para passar em sua genitália para que o sexo ocorra? Não consumaria o ato porque com a secura vai doer? Poderia usar as mãos – já que a mão não teria problema – insistentemente até que a esposa, por si mesma, acabaria lubrificando-se? Ou simplesmente uma salivada e uma acariciada com a língua e boca resolveria pra dar um esquente inicial?

    É óbvio que o dono desse blog não está falando pra todo mundo montar um filme pornô em casa! Ele deixa CLARO que o casal deve respeitar a Santa Doutrina. Acho que das coisas que eu já li aqui, tem algumas muito bacanas para se levar em consideração. Ainda mais com fontes como o Pe. Del Greco e o prof. Felipe Aquino. Inclusive eu, que desconhecia até então essas fontes, achei muito bom para aqueles que necessitam de esclarecimento.

    E digo mais, os padres que dizem que o sexo oral não deve ser feito de modo algum podem acabar prejudicando algum casal. Foi como li em um dos comentários: o que o esposo faz é para a esposa que o faz e o que a esposa faz é para o esposo que faz. Os dois são uma só carne e sendo assim um dispõe do corpo do outro. Padres que afirmam esse tipo de coisa, ao meu ver, são padres que estão preocupados demais com a vulgarização da relação sexual entre os esposos e não conseguem compreender muito bem esse encontro. Eu chamaria isso de consciência escrupulosa.

    O casal cristão consciente e que busca a santidade vai saber discernir o que é ruim ou não para o seu momento íntimo. Afinal de contas Jesus instituiu o matrimônio para que tivessemos o Espírito Santo – que nos dá sabedoria, nos purifica a alma e que conhece os pensamentos e as intenções do coração – conosco em nossa vida conjugal. Sejamos menos egoístas e orgulhosos que conseguiremos viver mais plenamente em nossos leitos!

    O casal precisa da união do sexo – e a encontra no prazer. Se o sexo oral é algo que as pessoas envolvidas estão fazendo espontâneamente e NÃO É o fim último do encontro sexual, então é algo válido e deve ser feito. Mas lembrando que tudo deve terminar com a ejaculação dentro da esposa, para que se configure definitivamente a abertura à vida. Afinal, o fruto do amor conjugal são os filhos e estes, por sua vez, são graça de Deus.

    Peço aos casados que leram os comentários como eu: Vivam a sexualidade de vocês no matrimônio conforme nos orienta a Santa Doutrina. Vivam respeitando-se mutuamente em seu leito e tenham a liberdade de fazer aquilo que é bom. O principal: rezem para que o Espírito Santo ilumine cada dia mais os vossos matrimônios. As sujeiras trazidas pela pornografia que nos cercam devem ser evitadas a todo custo.

  • ane

    Boa tarde afinal é ou não é pecado sexo oral?

  • ane

    Vcs tem algum post sobre o uso do anel de tucum, li muitas coisas q n eram legais sobre o assunto, agradeço desde já paz e fé.

  • Parabéns pela reflexão sobre o sexo oral dentro do Matrimônio. A Catequese tem que sempre ser lida e esplanada a luz do Espírito Santo. O povo brasileiro ,em si, ainda caminha a passos curtos em relação a reflexão e exposição principalmente quando se fala de Fé e Razão. Ao pé da letra já tem vários iluminados que se dizem do Senhor distorcendo a palavra. Muito útil e quem tiver dúvidas façam que nem vc estude na sagrada escritura, no novo catecismo e em outros escritos dos grandes teólogos e santos da igreja.

  • João

    Interessante

  • Ana Maria

    Colegas do O Catequista,
    Uma dúvida: Se só o pênis introduzido na vagina é o sexo consumado, o que se dizer dos homens e/ou mulheres que “adulteram” / traem seus cônjuges com outros, realizando todo o tipo de carícias, menos a penetração? Significa que essas pessoas não estão cometendo adultério, já que não está havendo o sexo de fato…? Não sei se me fiz entender.
    Pode parecer meio sem nexo essa pergunta, mas acho que é bom pensar, pois não consigo desvincular as carícias do sexo, do ato sexual em si.
    Obrigada.
    Ana Maria

    • Ana,
      Há duas formas de se referir ao termo “sexo”, que possuem significados diversos:

      1. cópula (ato sexual propriamente dito);
      2. carícias sexuais (que antedem a cópula).

      As carícias sexuais, de uma forma geral, são até mesmo chamadas de “sexo”, mas isso é dito de uma forma mais ampla. Propriamente, só a cópula é sexo de fato.

      Quanto ao adultério, Jesus ensinou que o próprio ato de alimentar pensamentos adúlteros já é pecado grave. Um mau pensamento não é pecado em si, mas se a pessoa o alimenta (por exemplo, se um homem ou mulher casada fica alimentando pensamentos sensuais sobre uma pessoa que não seja seu cônjuge), já está adulterando. Então, o adultério não consiste somente em fazer sexo com uma pessoa fora do casamento, mas em qualquer impureza sexual cometida com uma pessoa fora do casamento (pensamentos, beijos, carícias, flertes etc.).

  • Rafael

    Boa noite, sou catequista e estudante. Estou estudando o assunto para compreender melhor e aceitar a opinião que estiver mais coerente. Assim PEÇO AJUDA em uma situação ocorrida na minha faculdade, sei que não é certo jogar pérolas aos porcos, porém um estudante me deixou sem argumentos. Jesus veio e surpreendeu a tds com o estilo de vida q propunha, e surpreende até hoje, com os continuados ensinamentos da nossa Santa e pecadora Igreja Católica. Conversando sobre sexo e sexualidade, me perguntaram sobre a camisinha, sexo anal e oral, expliquei com base na natureza que é depravador e contra a evolução do homem, de forma drástica, quase um suicídio da nossa raça. Continuei em palavras teológicas que a Igreja condena essa prática. Porém, resumindo, um disse: “um casal que ja tenha filhos é obrigado fazer a abstinência sexual ate o fim da vida?” Retruquei falando do metodo Billings. Não satisfeito, citou homens com ejaculação precoce sem condições de tratamento, retruquei citando que o amor nao se dá so no sexo, e sim na entrega, espera e aceitação um ao outro. Por fim ele finalizou: “tds essas doutrinas católicas, com sexo somente para procriação, é uma maneira de manter a Igreja com muitos fiéis, pois os pais devem educar seus filhos na fe Católica, assim a Igreja mantém o domínio”.
    Por favor, me ORIENTEM!!

    • Walace Rodrigues

      Aproveitando, não diga que a igreja é santa e pecadora. Ela não é pecadora, isso está errado.
      https://padrepauloricardo.org/episodios/podemos-dizer-que-a-igreja-e-uma-casta-prostituta

      Segundo, saiba que sempre que vc responder a uma pergunta desse povo, vai surgir outra e outra e outra, até encherem completamente seu s*co. Faça então o seguinte, em vez de ficar tentando responder um monte de asneiras, exija que apresentem provas para as teorias conspiratórias malucas deles, senão nem se dará ao trabalho de ouvir. Devolva o trabalho para eles que vão te deixar em paz, geralmente são um bando de chatos, só isso.

  • Sidnei

    ““tds essas doutrinas católicas, com sexo somente para procriação, é uma maneira de manter a Igreja com muitos fiéis, pois os pais devem educar seus filhos na fe Católica, assim a Igreja mantém o domínio”.

    Bem o cara que falou esta mercadoria, não entende nada de Igreja Católica aí parte para a ignorância. A resposta é bem simples, a Igreja Católica não ensina que o sexo só deve ser para procriação, se não aos casais estéreis e aqueles cuja natureza já sessou a procriação estariam em pecado se manterem relações sexuais. Um casal, que por motivos graves, querem espaçar o nascimentos dos filhos, poderão recorrer aos métodos naturais e aí poderão realizar as relações sexuais quando desejarem, é claro, que sempre haverá polemicas a estes respeito, pois muitos dizem que se não fizer relações sexuais apenas para procriação é pecado, porém, nunca li em nenhum documento da Igreja se isto é ou não comprovado, se for, aí até eu estranharei esta postura da Igreja, mas, me parece que a Igreja nunca ensinou que um casal que manter relações sexuais fora do período fértil da mulher, isto seja pecado. Com relação Igreja querer que os pais devem educar seus filhos na fé Católica, assim a Igreja mantém o domínio, que coisa mais estupida de se dizer, eu mandaria um cara desses a merda, porque um fdp desses vem dizer isto, é porque só pode ser um ateu, protestante ou comunista, agora é engraçado dizer isto dos católicos quando eles não olhara para o próprio rabo deles, eles queriam o que?, que os pais católicos ensinassem os filhos a serem ateus?, comunistas?, espiritas?, protestantes?, baitolas?, o que a Igreja pede é coerência, se um casal que se diz católico, que casaram na Igreja Católica, que batizaram os filhos na Igreja Católica, é claro que eles deverão ensinar os filhos na Igreja Católica, e não segundo a mentalidade deste imbecil, para dominar, mas por questão de coerência, ninguém é obrigado a ser católico, agora se forem e dizem ser católicos, então os filhos devem ser também educados como católicos, assim acontece também com filhos de pais ateus, os pais destas crianças também não ensinarão a fé católica ao seus filhos, pois será uma falta de coerência muito grande, mas aí também não devo usar da mesma retorica e dizer que os pais ateus ensinam seus filhos no ateísmo é para que o ateísmo dominem a todos?, não, a não ser que eu seja um estupido igual ao que disse esta frase acima. Portanto quando alguém vem dizer uma imbecilidade desta já vou retrucar a hora tudo o que expus acima, para que o cara deixe de ser besta.

  • Álvaro Luiz

    Sem querer polemizar.Mas já li alguns autores católicos sobre esse tema e são bem claros. A boca, assim como o ânus são órgãos q fazem parte do sistema digestivo e não do sistema reprodutor, logo, não faria sentido a penetração nesses órgãos, mesmo como preliminares.É diferente de carícias q não trata-se de penetração. Da forma q está explicado no texto, sendo como preliminar, também seria lícito no ânus. E jamais se aprovou isso no âmbito de igreja. Penso q cabe uma análise maior sobre esse assunto. Não quero aqui criticar o autor do texto. Mas espero está contribuindo para uma maior reflexão. Particularmente, em função do q já li antes e vi sentido, discordo então da forma como está exposto no texto. Aliás há um comentário em q da forma como está colocado também, fica a impressão q “em nome do prazer, vale tudo” e não é bem assim,pois isso daria vasão a algo sem limites. Lembremos q o corpo é templo do Espírito Santo.

    • Álvaro, creio que você não leu os comentários do post. leia, será útil. Vários pontos de sua argumentação, inclusive sobre o sexo anal, já foram devidamente abordados e respondidos nos comentários.

      Que autores católicos são esses aos quais você se refere? Você não os nomeia, mas nós nomeamos aqueles que afirmam o mesmo que afirmamos aqui…

      1. Veja o que sacerdote capuchinho Ksawery Knotz, autor do livro “O sexo como vocês não conhecem – Para cônjuges que amam a Deus”, diz sobre esse assunto:

      “Eu falo com um monte de casais (…). Eu gostaria que eles sejam mais felizes com a sua vida sexual, e que eles compreendam os ensinamentos da Igreja de modo que não haja tensão desnecessária ou um sentimento de culpa”

      “Cada ato – um tipo de carícia, uma posição sexual – com o objetivo de despertar [DESPERTAR, ou seja, preliminares] é permitido e agrada a Deus. Durante a relação sexual, casais casados ​​podem demonstrar o seu amor de todas as maneiras, podem oferecer um ao outro o mais solicitado [ou seja, a cópula no lugar natural] depois de carícias. Eles podem empregar estimulação manual e oral.”

      Fonte: Fox News
      http://www.foxnews.com/story/2009/05/13/priest-to-catholic-couples-nothing-wrong-with-steamy-sex-life/

      2. o parecer do Padre Del Greco, que alguns acham genérico, outros nos acusam de o distorcer, mas basta fazer um pequeno esforço de raciocínio e ter um pouco de boa vontade para entender de que tipo de carícias ele está falando: carícias que precisam ser interrompidas a tempo, que não devem se prolongar muito, para não provocarem a ejaculação.

      3. Já mostramos nos comentários um vídeo com uma entrevista com o prof. Felipe Aquino, após ter consultado especialistas em moral católica, concluiu que as carícias oro-sexuais (é assim que ele chama) são permitidas aos esposos. Está neste link, a partir dos 35 minutos:
      https://www.youtube.com/watch?v=1NGZjCDMf6c

      4. Christopher West, conhecido estudioso americano da Teologia do Corpo de João Paulo II, também afirma o mesmo que afirmamos aqui, bem como o Pe. Vincent Genovesi, professor de Teologia da Universidade de St. Joseph, na Filadélfia. Para quem deseja saber mais sobre o que eles dizem sobre o tema em questão, recomendo esse trabalho de Teologia Moral do Seminário de Notre Dame, de Nova Orleans:
      http://spot.colorado.edu/~tooley/CatholicismOralSex.html

      • Walace Rodrigues

        Gosto do site e das opiniões de vcs, mas acho que nesse tema discordamos. Considero o tema delicado e que tentaram investigar o assunto de modo responsável, citando fontes e procurando não contradizer o magistério, entretanto…

        Faz um tempo já não acolho de primeira tudo que vejo escrito por “padres”. (Peço atenção para as aspas.) Infelizmente tem tanto “padre” falando bobagem a rodo que não dá mais para confiar mesmo. Assim, antes de aceitar a opinião de um padre que me soa estranha tento ouvir outras vozes dentro da igreja. Gostei particularmente qdo deixou um link com a posição do Christopher West, alguém que considero bastante. Aconteceu então o seguinte.

        Depois de ler a posição do Christopher, embasada na teologia do corpo, fiquei com a impressão de que se enganou ao citá-lo. Pareceu-me que a posição que ele defende é contrária à sua. O artigo dele é todo muito bem escrito e merece ser lido, mas abaixo deixo uma amostra para justificar minha impressão:

        “During the Sacrament of Matrimony, the couple commits to a free, total, faithful, and fruitful union that should strive to imitate the perfection of the Trinity. Therefore, sexual union should mirror and reinforce the sacramental promises. If a couple decides to engage in oral sexual activity to the point of orgasm, what are they saying with their acts and their marriage? How does this particular action speak of love? Certainly, this is not a free and total gift of oneself to another, but merely a partial and incomplete gift. Secondly, this form of sexual activity will be closed to the possibility of new life. So, the Church tries to help couples make their marriages the best that they can be. At the same time, these teachings point out the ways that sexual union is most fulfilling. Oral sex can never bring as much fulfillment as the total giving and receiving that happens in conjugal love.

        When couples choose to engage in oral sex, they also run the risk of seriously harming their marriage. Sexual pleasure naturally seems to be the physical and psychological goal of oral stimulation that ends in orgasm. As a result, one’s spouse becomes the object that gives pleasure… the means to gratification. Instead of elevating each other as in the conjugal act, one person becomes subservient to the other.”

        Resumindo, ele desaconselha moralmente o sexo oral mesmo entre casados. E sobre a masturbação entre casados, mudando agora de autor, em “Teologia moral para seculares” o Pe. Royo Marin explica porque o ato continua sendo um pecado. Para ser mais preciso, no capítulo sobre “Pecados contra a caridade para com o próximo”, tratando do relacionamento entre esposos ele discute se “É lícito aconselhar um mal menor ao que está decidido a cometer um mal maaior?”. Como o texto é longo, vou resumir: a masturbação do outro é tolerada como mal menor se for para salvar o matrimônio, como por exemplo para evitar um risco real de adultério. (Concordo que o exemplo é estranho, mas está lá.) Nesse caso, o pecado maior recai sobre a parte que estava ameaçando o matrimônio, evidentemente; a outra parte que não agiu com liberdade e manifestou sua contrariedade tem a culpa muito atenuada ou até retirada.

        Parabéns por tratar com responsabilidade desse tema difícil. Fica com Deus 🙂

        • Oi, Walace. Não, o Christopher West não desaconselha o sexo oral entendido como PRELIMINARES; o que ele obviamente condena é com o sexo oral que chega ao ponto do orgasmo, porque esse é fechado à vida. Creio que nos esforçamos bastante por fazer essa diferenciação aqui. Leia de novo esse trecho:

          “If a couple decides to engage in oral sexual activity to the point of orgasm…”.

          Quanto à masturbação entre casados (aquele que chega ao ponto do orgasmo masculino), mais uma vez, ninguém está defendendo isso aqui. O que o padre Tanquerey fala é que é lícito que, após o homem ter chegado ao orgasmo (dentro da vagina, obviamente), se a mulher não chegou ao clímax, é lícito que o homem a estimule para que ela chegue até lá. Isso é bem diferente de dizer de modo genérico que a masturbação entre o casal é lícita.

          Fique com Deus tb!

  • Rafael Henrique

    S. Pedro tb nos ajuda em sua primeira carta:

    1 Pedro 3:

    “Igualmente vós, maridos, coabitai com elas com entendimento, dando honra à mulher, como vaso mais fraco; como sendo vós os seus co-herdeiros da graça da vida; para que näo sejam impedidas as vossas oraçöes.”

  • ademir mizinho

    Foi o próprio Criador Quem […] estabeleceu que, nesta função [da geração], os esposos experimentassem prazer e satisfação do corpo e do espírito. Portanto, os esposos não fazem nada de mal ao procurar este prazer e gozar dele. Aceitam o que o Criador lhes destinou. No entanto, devem saber manter-se dentro dos limites duma justa moderação»

    Pio XII, Alocução aos participantes no Congresso da União Católica Italiana de Obstetras (29 de Outubro de 1951): AAS 43 (1951) 851.

    “Os atos com os quais os cônjuges se unem íntima e castamente são honestos e dignos. Quando realizados de maneira verdadeiramente humana, significam e favorecem a mútua doação pela qual os esposos se enriquecem com o coração alegre e agradecido”

    II Concílio do Vaticano, Const. past. Gaudium et spes, 49: AAS 58 (1966) 1070.

    Por isso, a Igreja, que «toma partido pela vida» (112), ensina que «todo o acto matrimonial deve, por si estar aberto à transmissão da vida» (113). «Esta doutrina, muitas vezes exposta pelo Magistério, funda-se sobre o nexo indissolúvel estabelecido por Deus e que o homem não pode quebrar por sua iniciativa, entre os dois significados inerentes ao acto conjugal: união e procriação» (114).

    catecismo da igreja católica 2366.

    112. João Paulo II, Ex. ap. Familiaris consortio, 30: AAS 74 (1982) 116.

    113. Paulo VI, Enc. Humanae vitae, 11: AAS 60 (1968) 488.

    114. Paulo VI, Enc. Humanae vitae, 12: AAS 60 (1968) 488; cf. Pio XI, Enc. Casti connubii: DS 3717.

    «A sexualidade, mediante a qual o homem e a mulher se dão um ao outro com os actos próprios e exclusivos dos esposos, não é algo de puramente biológico, mas diz respeito à pessoa humana como tal, no que ela tem de mais íntimo. Esta só se realiza de maneira verdadeiramente humana se for parte integrante do amor com o qual homem e mulher se comprometem totalmente um para com o outro até à morte»

    João Paulo II, Ex. ap. Familiaris consortio, 11: AAS 74 (1982) 92.

    «Os actos pelos quais os esposos se unem íntima e castamente são honestos e dignos; realizados de modo autenticamente humano, exprimem e alimentam a mútua entrega pela qual se enriquecem um ao outro com alegria e gratidão» (106). A sexualidade é fonte de alegria e de prazer:

  • ANA

    Aproveitando este tema, gostaria de obter esclarecimento quanto à situação: meu esposo fez vasectomia, sendo assim, ao unirmos sexualmente estamos a cometer pecado?

    • Ana,
      O correto é que seu marido busque reverter a vasectomia. Um homem que faz vasectomia, na verdade, se submeteu voluntariamente a uma mutilação, e isso é contra a vontade de Deus. Agora, é bem verdade que nem sempre a reversão da vasectomia fará o homem voltar a ser fértil… Mas ao menos vocês terão feito a sua parte, na tentativa que a capacidade reprodutiva do casal volte à normalidade.

      Recomendo que busquem a orientação espiritual de um bom padre. Abraço!

  • Lindalva Cordeiro

    Parabéns pelo artigo, informações importantes para quem busca viver uma sexualidade saudável dentro do casamento.

  • Rodolfo Mota

    Olhem esse artigo da alateia, excelente nos faz refletimos sobre o sexo dentro do matrimônio e sobre o verdadeiro sentido da moral católica dentro da sexualidade.

    http://m.aleteia.org/pt/estilo-de-vida/artigo/sexo-no-casamento-sera-que-vale-tudo-entre-quatro-paredes-5817975642783744?

  • Maria

    Gente esse blog é uma benção. Bendito seja Deus por sua iniciativa. Valéria querida gostaria de falar com você.

  • Paulo Cesar

    Que a Paz de Cristo esteja com todos vocês.
    Descobri este blog por acaso esta semana enquanto fazia uma busca no gogle sobre um declaracao do Papa Francisco às aparicoões de Medjugoire.
    De cara notei que vários participantes falavam das aulas do Padre Paulo Ricardo com bastante intimidade e fiquie muito feliz pois o acompanho há alguns anos e tenho aprendido muito com ele – que Deus o conserve, por amor de seu povo.
    Declaro que achei este blog um verdadeiro achado, um tesouro para aqueles que tem necessidade de esclarecer dúvidas relacionados a pontos esquinhosos da doutrona da Santa Igreja Católica e com isso avançar no amadurecimento da fé e na busca da santidade.
    Não posso deixar de expressar algumas impressoões que me saltaram aos olhos nestes primeiros contatos:
    1) A honestidade na busca da Verdade, independente de pontos te vista pessoais, “achismos” e de conveniências, pois vez por outra vê-se alguns que buscam ouvir respostas que se alinhem às suas conveniências e gostos. Aqui somente vi pessoas que amam a Verdade e Sua Igreja acima de tudo e neste ponto, fico feliz, pois para mim a Igreja tem sem a palavra final, gostemos ou não dela e, quando não entendemos algo, devemos submeter-nos a ela e pedor ao Espirito Santo que no ilumine e faça entender no tempo que Ele julgar adequado. Essa Fidelidade à Igreja é fundamental e até hoje nunca fiquei sem respostas para minhas dúvidas. Por isso mesmo é que acho que conhocê-los foi fruto da Providência. Parabéns a todos.
    2)Também salta aos olhos a dimensão de Serviço ao próximo e ao Senhor na construção de seu Reino, através de orientações, correções caridosas e compartilhamento de conhecimentos e de experiência.
    Só posso dizei que poucas vezes encontrei tamtas pessoas tão bem formadas e estudiosas nas coisas de Deus, dispostos a dedicar uma parte tão expressiva de seus tempos para evangelizar e ao mesmo tempo crescer na fé. Abençados sejam.
    3) Por último e menos importante, achei interessante que, embora o título “O Catequista” sugira conteúdos para jovens, nào me recordo de, até agora, ter lido o comnetário de alguém que não seja adulto e maduro. Isso facilita muito em termos de poder-se colocar assuntos com tranquilidade e transparência.
    Não creio que tenha o preparo que observo em vocês para poder enriquecer e contribuir nesta missão, mas na medida do possível, procurarei contribuir com minhas percepções, dúvidas e pontos de vista, mesmo que para serem corrigidoss, pois assim outros poderão colher dos mesmos benefícios.

  • Paulo Cesar

    Li todos os comentários e compartilharei algumas percepções gerais sobre o que foi dito, além de expor um pouco de que se passou comigo. Minha intenção é tão somente contribuir, respitosamente, para que movidos pelo Espirito da Verdade, possamos, ajudando-nos mutuamente alcançar o entendimento que o Senhor quer.
    1)Senti que algumas pessoas, que aparentemente nào participam frequentemente deste espaço, não foram muito bem recebidas. Entendo que um dos objetivos do blog é de ser um ambiente descontraído, mas, penos, isto não precisaria se opr a um espirito de acolhida e de abertura ao próximo, ainda mais quando vemos estão movidos pela boa vontade e senso de responsabilidade, quando se colocam de uma forma que não esteja exatamente alinhada com a opinião da maioria.
    Sendo mais claro, fiquei com essa impressão a respeito da forma com que se tratou com o padre Rodrigo Maria.
    Não digo que ele esteja certo ou errado, mas, mais de uma pessoa, depois colocou argumentos semelhantes e, o que sinaliza que beberam de alguma fonte dentro de nossa Igreja. Me pergunto se não teria sido melhor aprofundar mais nos pontos levantados, pois parece-me que tirar a limpo qual a interpretação, que intenções tinham os redatores do Código de Direito Canônico ao escreverem ao usar a espressão “Modo Humano”. E se a interpretação correta for a que ele apresentou? Então neste caso terímos muito a agredecê-lo pela sua admoestação. Embora várias outras fontes tenham sido apresentadas, somente a posiçao oficial daIgreja é que einteressa. O Padre Paulo Ricardo mesmo vive apresentando várias situações em que até mesmo cardeiais e bispos assumem e escrevem livros conrários à doutrina e ao magistério da Igreja, em questões tão diversificadas quanto o divórcio, recepção da eucarístia por casis em segunda união, celibato etc. Eu mesmo conhecó casis em segunda união que comungam com autorização de padres. Não sei se pode,entendo que não, mas de repente o padre em questão conhece aspectos do Direito Canônico permitam em determinadas condições. Acho que não é e caos, pois o papa acabou de convocar um sinodo para tentar estabelecer uma caminho adequado para integrar esses casis nos sacramentos da igreja.
    Então, qual seria o posicionamento oficial da Igreja com relação às “preliminares orais”?. Com a palavra os especialistas em direito canônico, por favor.

    • Paulo, na verdade, escrevemos um email para o padre Rodrigo Maria abrindo o espaço do blog para que ele publicasse um texto dele defendendo seu ponto de vista, com a condição de que se baseasse não em uma opinião pessoal, mas no parecer de teólogos morais amplamente aceitos pela Igreja. Não recebemos qualquer resposta até hoje.

      Então, qual seria o posicionamento oficial da Igreja com relação às “preliminares orais”?
      Leia de novo o que dissemos nesse posto do post:
      “Não esperem receber de Roma um manual detalhando sobre ‘sexo santo’, dizendo onde o marido pode botar a mão, onde a mulher pode botar a boca… Isso é irrelevante do ponto de vista doutrinário!”

      O máximo que haverá é a manifestação de teólogos morais. Já parou pra pensar porque esse tipo de coisa não está descrita no Catecismo, em encíclicas…? É porque o que tinha que ser dito já foi dito: não fechem o ato sexual à vida! Ponto final. O resto, não é do interesse da Igreja, é intimidade do casal.