Quem não gosta de Madre Teresa, bom sujeito não é « O Catequista

Quem não gosta de Madre Teresa, bom sujeito não é

madre_teresa

Uma freira pequenina trabalhava como professora em uma escola católica, para meninas ricas. Até o dia em que, nas ruas de Calcutá, ela ouviu o clamor do Cristo sedento, faminto e doente. Após insistir, recebeu autorização para fundar uma nova ordem e, sozinha, deixou uma vida razoavelmente confortável e segura para viver entre os mais pobres dos pobres.

Aos poucos, se juntaram a ela antigas alunas, que se tornaram as primeiras missionárias da caridade. Madre Teresa procurava Jesus nos lugares onde ninguém O buscava: no lixão, ela ia quase todos os dias revirar a imundície, e muitas vezes recolhia ali pessoas doentes, já roídas pelos ratos, e até bebês, um dos quais conseguiu “ressuscitar” com um boca a boca (fato captado pelas câmeras da BBC).

Certamente, não foi uma mulher perfeita… deve ter tido lá os seus erros. Mas, dentro do coração de milhões de pessoas, católicas ou não, há uma convicção: se aquela mulher me visse em dificuldades, ela se comoveria e me ajudaria. Ela era mesmo santa. Tanto que seu nome virou sinônimo de virtude e bondade.

teresa_bebeSuas rugas profundas eram como o leitos de um rio, onde corria amor e sofrimento. Mas o escritor ateu Christopher Hitchens não se comoveu com essa mulher; antes a odiou. Escreveu um livro e produziu um documentário – “Anjo do Inferno” – afirmando que Madre Teresa era “uma fanática, fundamentalista e uma fraude”. Em um programa de TV, foi além, e a xingou de bitch.

Como militante do socialismo, Hitchens não poderia mesmo entender o bem que a Madre fazia aos pobres. Sua visão materialista de mundo o impedia de ver além do que os olhos podem enxergar. Cadê os hospitais de ponta? Cadê os pobres saindo da pobreza? Perguntava ele.

Hitchens acusava a Madre de não ajudar os pobres a sair de seu estado de pobreza. De fato, Madre Teresa não fundou uma ONG, ela não fazia trabalho social; ela fazia CARIDADE, ela amava cada pobre como um filho saído de seu ventre. A mesma acusação que se fez a ela, poderia-se fazer a São Francisco de Assis: quem aí ouviu dizer que o santo levou algum pobre a ascender socialmente? E, no entanto… ele era a maior riqueza dos pobres, em seu tempo.

Alguns leitores nos pediram para refutarmos o documentário “Anjo do Inferno”. Curiosamente, a BBC deixa disponível esse filme no Youtube, mas não o estupendo Something Beautiful For God, produzido pela mesma emissora, em 1969 (se alguém achar no Youtube, por favor me avise). O interesse da BBC em encobrir as boas obras da Madre e jogar lama em sua memória fica ainda mais claro quando a emissora se recusa a autorizar a exibição do documentário de 1969 em um festival de cinema gratuito realizado em 2010, para celebrar o centenário de nascimento de Teresa (Fonte: The Hindu).

Alguns dizem que Hitchens era obcecado pela figura de Madre Teresa. Eu prefiro pensar que ele era fascinado por ela, mas se revoltava contra esse fascínio, tentando sufocá-lo com fúria. Fúria e amargura era só o que ele tinha, já que seu livro e seu documentário são pobres, muito pobres em fundamentação. Que Deus tenha misericórdia de sua alma. Espero que, ainda que em seu último suspiro, ele tenha se arrependido de seus erros.

Em vez de rebater o documentário de Hitchens, em que Madre Teresa é ate mesmo acusada de combater fortemente o aborto e o divórcio (eita mulé marvada!), preferimos deixar aqui o testemunho do nosso leitor Harun Salman. Ele aprendeu a amar Jesus no convívio com a freirinha de Calcutá. Então, os ateus socialistas ladram, e a caravana da caridade passa!

“A Madre não fazia proselitismo; evangelizava”

Por Harun Salman

teresa_calcutaFilho de uma família altamente cosmopolita, cresci entre Sussex (Inglaterra) e Sringeri (Índia), com eventuais férias no Brasil. Um dia, ouvi alguém dizer que “o santo é a criatura humana plenamente realizada”. Pronto. Decidi ser santo. Minhas primeiras referências foram Swami Chinmayananda, um líder hindu, e Madre Teresa.

Convivi com os dois. Com Swami Chinmayananda, aprendi sânscrito e vedanta. Com Madre Teresa, aprendi a amar Jesus. Estudar com Swamiji (uma forma carinhosa de chamar Swami) foi fácil. Ele e seus discípulos davam aula perto de casa. Porém, trabalhar com Madre Teresa foi bem mais difícil. Ela percorria ambientes perigosos, trabalhava muito e não podia perder tempo catequizando um moleque com pretensões à santidade.

Tive que esperar pela autorização dos meus pais. Finalmente a autorização veio. Era 1979. Eu não tinha mais o cabelo azul da rebeldia. Tinha estudado enfermagem. Falava hindi, sânscrito, tâmil e malayalam. Era o melhor aluno do colégio, campeão de matemática. Parecia um menino ajuizado. Era um bom ator. Meus pais acreditaram. E, aos 15 anos, conheci minha heroína.

Eu era apenas mais um de uma grande turma de estudantes ingleses, uma garotada que queria “fazer a sua parte”. Madre Teresa nos olhou com simpatia e gentileza, mas não sem certa contrariedade. E nos pôs para trabalhar, inicialmente, pequenas tarefas: varrer o dispensário, lavar o chão, cortar vagens. Aos poucos, os que mostravam resistência iam ganhando mais tarefas. A maioria ia desistindo. Dessa turma inicial, só eu perseverei.

Madre Teresa chegava para a missa e lá estava eu. Teimoso. Acho que ela começou a achar engraçado. Ganhei mais responsabilidades. Fui autorizado a trabalhar em Nirmal Hriday, um local fundado pela Madre para que as pessoas destituídas (“os mais pobres entre os pobres”) não agonizassem como animais, nas ruas, mas tivessem seus últimos momentos cercadas de amor.

A Madre não fazia proselitismo; evangelizava. Cada moribundo recebia atenção conforme a sua fé. Chamávamos sacerdotes hindus e pândits quando necessário. Frequentemente, eles não vinham. Por isso, memorizei o “Garuda Purana”, um texto hindu, que fala do pós-morte, com o equivalente hindu de Céu, Inferno e Purgatório. Um senhor que estava no final da vida pediu-me que o recitasse. Recitei. Ele perguntou como eu sabia aquilo. E eu disse que Jesus também ensinava sobre Swarga (o Céu). “Quem é Jesus?”, ele perguntou, querendo evidentemente uma resposta filosófica (hindus são muito introspectivos). Eu respondi: “Jesus é o começo e o fim”. Ele suspirou: “Oh! Eu amo Jesus!”, e morreu.

teresa_papaA maioria estava lá morrendo mesmo. Levantei os olhos para chamar alguém e dei de cara com Madre Teresa. Devo ter feito alguma coisa bem, pois me foram confiadas novas tarefas. Ajudei a separar aqueles que na verdade não estavam morrendo, mas só precisavam de atendimento médico. Não podíamos pagar táxis (dinheiro era sempre um problema), por isso, quando um paciente precisava ser levado para o hospital, eu o carregava. Sou forte, isso nunca foi problema.

O trabalho, que já era muito, aumentou. Fui autorizado a trabalhar em Shanti Nagar, uma “cidade” fundada por Madre Teresa para abrigar os hansenianos, sempre vítimas de preconceito (leia-se violência). Amei o trabalho! Era exaustivo, mas apaixonante! Faltavam recursos, sobrava amor! Madre Teresa precisava estar em constante movimento, pedindo ajuda para os recursos mais elementares. Nunca sabíamos de onde viria a comida, no dia seguinte. Nem se haveria comida, no dia seguinte. Vivíamos da Providência, literalmente! Por isso, vivíamos em oração.

Sem oração, eu entraria em pane! Aprendia-se a orar na marra! Madre Teresa era absolutamente gentil, com todo mundo. Mas nem um pouco sentimental. Era firme, decidida, prática. Não ficava sorrindo à toa, feito uma pateta, nem vivia de cara amarrada. Gostava de cantar e de que cantassem. Ela gostava muito de me ouvir cantar “À la claire fontaine”, uma canção infantil, e “Teresinha de Jesus”. Traduzi a letra para a Madre, e ela observou que era um ensinamento sobre a Santíssima Trindade (“Acudiram três cavalheiros…”). E é mesmo!

Ela trabalhava mais do que qualquer pessoa que eu conheci. A qualquer momento que alguém olhasse para ela, ela estaria trabalhando, sem sair do estado orante. Eu vi sua saúde declinar, ao longo dos anos. Ficava impaciente quando sua energia física não acompanhava sua incrível energia espiritual.

Quando eu perdi minha família, foi nela que eu encontrei conforto. Quando meus amigos, a mulher que eu amava e toda a sua família foram mortos num terrível massacre, em 1994, foi nela, velhinha e muito doente, que eu encontrei conforto. O que ela disse? Nada. Ela simplesmente estava lá.

178 comments to Quem não gosta de Madre Teresa, bom sujeito não é

  • Como eu vejo que sou corajoso como uma galinha. Diante de um filhote de gato deixa um ovo cair de medo…achando que é a maior raposa do mundo. Como sinto-me um nada. Eita como sou frouxo, um homem feito, com 1 metro e 84 centímetros de altura e 112 kg da mais grossa merda, perto disso tudo que li me sento um nada.

    • marcos

      faço minhas vossas sábias palavras, adaptando apenas os números.

    • Ivelde

      Há se um dia eu poderia fazer o que Madre Teresa de Calcutá fez pra estas pessoas, mas tenho ela como exemplo de vida, e isso me da força para Evangelizar com amor e humildade, e nunca desistir dos nossos compromissos com o Divino Pai eterno e com nosso senhor Jesus Cristo. ajudando os mais pobres e os pequeninos. Obrigada Madre Teresa de Calcutá Amém

    • Henrique

      Não sejamos como aquele que recebeu apenas um talento e o enterrou: Por mais que nos sintamos tão piores que outros, Deus nos confiou algo a fazer. Ele sabe de que somos capazes, não nos cobra mais do que sejamos capazes de fazer. Qualquer resposta contrária a esse pedido é comodismo nosso. Falo como alguém que também cai muito na tentação do comodismo. Mas sei que não estou vivo para o conforto.

  • lucas

    olá pessoal, gostaria que vcs me tirassem uma dúvida sobre madre teresa,esse tal de Christopher Hitchens tambem acusava os abrigos de madre teresa de não ter nenhuma condição de higiene e tambem dizia que ela recebia doações o suficiente para fazer reformas em seus abrigos, mas que ela não fez.
    o que vocês me dizem sobre isso?

    • Lucas,
      Christopher Hitchens fez essas acusações em um livro e em um documentário. São coisas muito graves, que uma pessoa honesta não deveria dizer sem ter provas. Agora dá uma olhada no livro e no documentário, e vê se ele prova alguma coisa do que diz… Nada! Zero! Quem tem boca, fala o que quer.

      Do outro lado, temos Lady Diana, governantes importantes, empresários, jornalistas e milhares de voluntários anônimos do mundo inteiro que passaram por seus abrigos ao longe de décadas. Eles atestam o quão sério e amoroso era o trabalho realizado por Madre Teresa.

  • Karina

    “engraçado” que ateus criticam a madre por não ajudar ninguém a sair efetivamente da pobreza… mas geralmente esses mesmos ateus são amiguinhos do comunismo, e aí não reclamam quando esse força a pessoa a continuar na pobreza para fins de exploração econômica e doutrinária…

  • Ludi

    Obrigada, obrigada, obrigada. É o que eu quero dizer.
    Sou encantada com Madre Tereza e Irmã Dulce. Creio, como disseram aqui que elas viveram plenamente o Evangelho.
    Recentemente vi posts no Facebook citando uma pesquisa de biográfica de uma universidade de Montreal que expunha a “verdade” sobre Madre Teresa.
    http://portugalmundial.com/2013/07/investigacao-biografica-expoe-a-verdade-sobre-madre-teresa-de-calcuta/
    Meu coração doia ao ler.
    Ou eu estou louca ou eles estão! Se ela foi uma fraude, desisto de tudo!
    Creio que há algo por trás desta difamação. O Hitchens já está falecido, agora outros assumem esta função.
    Eu gostaria de pedir ao Harun Salman que nos conte mais sobre seu convívio com a Madre. Muito inspirador.
    Mais uma vez, obrigada, amigos, por tão belo e profundo post.

    • Ludi,
      O Harun faleceu há pouco mais de dois meses, e só nos deixou a riqueza de seus comentários aqui no blog. Ele já não tinha família, então nem temos mais como conseguir outras informações.
      Há aqui um comentário dele em que ele conta um episódio muito comovente em que foi atender um doente de AIDS junto com Madre Teresa.

      • Ludi

        Me desculpe, não sabia de seu falecimento… Foi justamente por causa deste depoimento do doente com Aids que eu dei a sugestão… Me desculpe…
        Com certeza ele está com a Madre no céu.
        Grande abraço.

        • Jotacê

          Ludi, não há motivos para se desculpar… Foi um engano absolutamente natural.
          E você está certa, com toda a certeza o Harun está no Céu, matando as saudades da família e amigos que partiram antes dele, e, principalmente, da “Ummi” (que é como ele, carinhosamente, chamava a Madre).
          Um grande abraço, na Paz de Jesus e Maria!

          • Lucas Farias

            Hoje ao ver a promoção do blog, para premiar os leitores que já postaram nos comentários, lembrei-me do Harun.
            Como eram enriquecedores seus comentários. Faziam com que sentíssemos apreço por alguém que conhecíamos apenas as palavras. Foi um grande colaborador do blog.

          • Sim, é verdade! Tento obter mais informações dele, local onde foi enterrado… Mas não consegui nada até agora.

  • Augusto

    A BBC é uma das emissoras mais anti-católicas do mundo, e vendo o ateu Christopher Hitchens (que Deus tenha misericórdia da alma dele), sempre anti-cristão e virulento, já vê-se tudo. Pio XII também foi sorrateiramente difamado. A mentira se repete, é como hoax, e mesmo assim, por mais que desmentido, os incautos acreditam nessas calúnias. Isso me entristece, essa invectiva diabólica contra o cristianismo. Os ateus militantes mentem compulsoriamente, o ódio deles transborda a sangue. Nunca vi gente mais odienta.

  • Aldery

    https://www.youtube.com/watch?v=1u7PKtsJeHA Não sei se é o documentário, mas tem a ver com o Something Beautiful For God.

  • Ronaldo Ribeiro

    A Igreja para ser Santa tem que ser perseguida, mal sabe o tal de Hitchens que prestou um serviço a memória de Madre Teresa, pois ela com certeza devia se sentir muito mal, por ser “tão pequena” e fazer “tão pouco pelos pobres, com as calpunias por ele difamadas, só faz com que nós mais amemos o exemplo dela.

  • É engraçado com ainda hoje, e tão longe, Madre Teresa de Calcutá deixa os tdls sem jeito e sem rumo quando é falado seu nome.

  • Rose

    Sinto que muitas pessoas usem as postagens para se auto promoverem. Com suas polêmicas sem sentidos acabam sendo mais importantes do que a personagem da história. Madre Tereza de que todos conhecemos muito bem. Sua história e dedicação aos mais pobres. Seu desprendimento, dos egoísmos, riquezas e falsas felicidades deste mundo. Como poucas pessoas ela entendeu que nós não fomos feitos para esse mundo. Nós somos filhos de Deus. Somos dele. E a nossa felicidade verdadeira não está neste mundo. Nossa missão aqui é servir. Cristo nos ensina a sermos servos uns dos outros quando na última ceia lava os pés dos discípulos. É pena que muitos, não leem as Sagradas Escrituras.

  • Pois é, bom mesmo foi o comunismo socialista desse Hitchens. Bom foi o Stalin, Mao Tse Tung, Pol Pot, e outros tantos que conseguiram exterminar com milhões de seres humanos. Esse Hitchens não está longe do que pensou e perpetrou Hitler. É pedir clemência mesmo pela alma de tal falastrão desonesto. Necessário não seria dizer outra vez que Jesus já previu toda essas formas de perseguições, difamações calúnias e mentiras. Começando com o próprio mestre divino, continua ocorrendo em nossos dias. Que a Beata Tereza de Calcuta interceda pela nossa miséria humana de não procurar fazer pelo menos o mínimo dos mínimos do que ela fez!!!

  • Pacheco

    Acho que o documentário que você quer de 1969 é este https://www.youtube.com/watch?v=1u7PKtsJeHA

  • Eduardo Salles

    Aqui tem um link para o documentário. Bem ruim a qualidade, mas é de 1969 né!?

    https://silbithomas.wordpress.com/2010/08/26/mother-teresa-movie-online-video/

  • Dier

    Que texto lindo. Esse povo não aprende mesmo, pra mim isso é inveja das bravas…….O testemunho é de fazer qualquer que está em uma encruzilhada tentando desistir ou sem saber para onde prosseguir, tomar o seu rumo de uma vez…..lindo lindo…..Deus Abençoe.

  • Sandro

    ““Quem é Jesus?”, ele perguntou, querendo evidentemente uma resposta filosófica (hindus são muito introspectivos). Eu respondi: “Jesus é o começo e o fim”. Ele suspirou: “Oh! Eu amo Jesus!”, e morreu.”

    Que passagem emocionante!
    E que história magnífica!
    Realmente, são exemplos como o de Madre Tereza que fazem a gente sentir a forte presença de Deus na humanidade.

  • António Morais

    È de lamentar que um pseudo-intelectual não queira ver o que qualquer ser humano vislumbrará na vida e obra desta santa.Madre Teresa de Calcutá dedicou sua vida a todos aqueles que foram desprezados e abandonados por uma sociedade apenas preocupada com a ostentação,a riqueza e o bem estar dos mais abastados,sem contudo se preocupar com todos aqueles que nada têm para sobreviver.Orientou sua ajuda com migalhas de todos aqueles que desperdiçavam,assim como lhes concedia o seu grande amor e carinho perante a fatalidade de nada ter para sobreviver. Essa irmã foi uma santa ao serviço dos desprezados e abandonados pelos abastados deste mundo que não têm coração para partilhar com todos aqueles que nada têm e que bastavam os seus restos para os fazerem felizes.Que DEUS perdoe a este homem o sacrilégio das sua afirmações e que ainda tenha tempo para o arrependimento de forma a conseguir escrever a verdade antes do seu fim.Madre Teresa de Calcutá deverá ser para todos nós o exemplo de vida,da solidariedade,do compromisso cristão para com os outros. Sejamos dignos da sua memória,do seu exemplo,da sua coragem,do seu desprendimento,da sua humildade e principalmente do seu AMOR PELO PRÓXIMO.

  • Incrível como alguém possa até fazer um livro enlameando a memória de Madre Teresa. Mas a polêmica da defesa foi melhor e é assim que Deus age, o mal é espalhafatoso, mas o bem é que perdura, mesmo se com tanto sofrimento nesta vida.

  • Elizabeth

    Madre Teresa fazia o que muitos não tem coragem de fazer. Abraçar, levar amor, carinho e solidariedade a quem está nas ruas, sujo, maltrapilho.O nojo do outro não fazia parte dos seus atos. Quanto amor, meu Deus! Quanta bondade para com quem mais precisa.

  • João Pedro Strabelli

    O herói e o justo

    A Igreja Católica é a maior instituição de caridade do mundo e eu gastei quase 49 anos para descobrir isso. Daí fique me perguntando: por que é que não espalharam isso aos quatro ventos? Seria uma mão na roda para quando algum católico como escuta falar que padre e freira não fazem nada. Fiquei pensando nisso alguns dias e num momento que não tinha nada de inspirador (estava estendendo roupas no varal, um serviço sensacional e fantático que me arrumei nestas férias), me caiu a ficha. É a diferença entre o herói e o justo, que li há algumas décadas:
    “A diferença entre um herói e um justo é que o herói tem orgulho de contar o que fez, enquanto um justo salva uma vida e vai embora.”
    Esta frase aparece em dois sites da Folha de S. Paulo, parece que de um filme sobre o holocausto, mas não posso confirmar, já que atinge o limite mensal de acessos. Não o exato contexto dela lá, mas no caso da Madre Teresa caiu como uma luva!

  • Liana Vilas Boas

    Participo de um movimento chamado Encontro de Jovens com Cristo (EJOC) aqui no Distrito Federal. Todo ano temos quatro retiros que são direcionados a jovens que queiram entrar no movimento e também para aqueles que já fazem parte, trabalharem.

    Ano passado, durante a preparação para o retiro, Madre Teresa foi escolhida como a padroeira, eu já a conhecia mas nunca tinha lido muito sobre a vida dela. Que maravilha foi aprender sobre ela, nunca a vida de um religioso ou santo me tocou tanto como a vida dela. Não que os outros tantos santos da nossa Igreja não sejam exemplares, pelo contrário, comecei a ler mais sobre eles.

    Mas o serviço que ela tão amorosamente prestava, me comoveu profundamente. Me identifiquei com as coisas que ela dizia e fazia, como “amar um ser humano como se fosse todos os seres humanos”.
    Agradeço a Deus por ter dado vida a ela, e por ter nos deixado um exemplo tão completo de caridade e amor ao próximo.

  • Caetano

    Olá, O Catequista. Com a recente aprovação do milagre da Beata Madre Teresa pelo Papa Francisco, têm-se retomado na mídia as críticas (infundadas) que este artigo esclarece. Porém, quando vou compartilhar este artigo para mostrar seu conteúdo, o seu título acaba por dificultar a vontade de ler por parte daqueles que acreditam nas calúnias, já que ele tem um teor acusatório, que por mais que seja verdade, afasta aqueles que na verdade não gostam é da imagem falsa da Madre Teresa que as calúnias tentam construir. Enfim, minha pergunta é: não há como colocar um título mais convidativo para aqueles que acham que não gostam da Madre Teresa e que poderiam passar a gostar ao lerem as palavras aqui escritas?

    • Oi, Caetano!
      Entendo o seu ponto de vista. Mas acreditamos que o título está bastante convidativo, sim, inclusive – e acima de tudo – para os que caíram nas calúnias de Hitchens e e outros escritores. É um trocadilho com o famoso verso “quem não gosta de samba, bom sujeito não é”. Então, não deve ser levado tão a sério. Não devemos dar tanta trela para essa cultura de excesso de melindres e ofendidinhos.

      Quem tiver honestidade intelectual, vai ficar bolado com o título, acessar e avaliar os argumentos que apresentamos. Quem simplesmente não tem paixão pela busca da verdade, irá se irritar com o título – que mais do que uma acusação, é uma brincadeira com um trocadilho – e continuará em sua ignorância. Mas isso não é culpa nossa.

  • Eudes

    Uau! A história do rapaz inglês foi de arrepiar os pelos do corpo e marejar os olhos!
    A santidade dessa mulher é tão grande q mesmo por letras frias numa tela de computador esta santidade parece exalar seu perfume de rosas… Maravilha

  • Jefferson

    Eu li um artigo , no livro ” guia politicamnete incorreto sobre o mundo” , lá diz que ela recebeu muitas doações e era sadica. Alguém aí já leu ? Queria que me ajudasse a refutar!

    • Claro que ela recebeu muitas doações. São centenas de casas de caridade espalhadas no mundo todo. Atendem milhares de idosos, órfãos, doentes, jovens portadores de HIV, famintos, população de rua… Vai sustentar isso como, com vento?

      Quanto à acusação de sadismo, esse povo acusaria Cristo de sadismo também, porque Cristo dá um novo valor ao sofrimento: para segui-Lo, precisamos abraçar nossa cruz. Somos salvos pela cruz de Cristo – suas dores, sua tortura, sua humilhação e morte – e somos chamados a unir nossas dores à dEle. Madre Teresa pregava claramente essa doutrina, enquanto o mundo prega o hedonismo. Ela dizia (as palavras eram mais ou menos essas): “Quando você estiver sofrendo, não reclame; você está recebendo um beijo de Jesus”. Então, ela valorizava o sofrimento como um beijo de Jesus. O que não quer dizer que não buscasse aliviar ao máximo o sofrimento das pessoas. Isso ela fez muito, incansavelmente, e de forma heroica.

      • Juliana

        Sádico era o governo do estado indiano que nem permitia o uso de medicamentos para aliviar a dor de doentes terminais. Os críticos “esquecem” dos obstáculos, sabotagens e da perseguição que Madre sofria.

  • Walace Rodrigues

    Não sei se já conhecem, mas o filme sobre Madre Teresa que segue nos links abaixo é muito bem feito:

    https://www.youtube.com/watch?v=TAJt-nBxb_0 (parte 1)
    https://www.youtube.com/watch?v=NH9yuuYTQEU (parte 2)

  • tania mara

    parabéns pelo blog, pelas reportagens, fiquei encantada!

  • Gustavo

    Santa Teresa de Calcutá, Rogai por nós :)
    Grande exemplo, apenas uma “pobre mulher que reza”

  • Hitchens socialista? Nem sempre:” A sua mudança de posicionamento começou em 1989 após o que ele chamou de “reação tépida” da esquerda política europeia em relação ao fatwa emitido por Ayatollah Khomeini que pedia o assassinato do escritor Salman Rushdie. Os Ataques de 11 de Setembro de 2001 fortaleceram a sua adoção de uma posição favorável a política externa intervencionista, baseado nas suas fortes críticas do que ele chama de “fascismo com uma face Islâmica” (“fascism with an Islamic face”). A adoção de Hitchens de uma posição política favorável à política externa intervencionista, o emprego do termo “islamofascista” (“Islamofascist”) e seu notável apoio à Guerra do Iraque fizeram com que seus críticos o rotulassem de “neoconservador”. Hitchens, entretanto, recusa esse rótulo,[6][7] afirmando “eu não sou tipo algum de conservador” (“I’m not any kind of conservative”).[8] Ele denominava esses esquerdistas que assim o chamam de serem “estalinistas sem remorsos”

    https://pt.wikipedia.org/wiki/Christopher_Hitchens

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>