Padre Fábio de Melo: “foi sem querer querendo!”

petruquio

Nesses últimos dias, a TV exibiu duas entrevistas do Padre Fábio de Melo, que acabaram deixando muitos católicos com sangue nos zôio. A declaração do padre que mais revoltou aos que zelam pela doutrina da Igreja foi essa aqui:

– Eu gosto de dizer que Jesus não queria a Igreja, Jesus queria o Reino de Deus, mas a Igreja é o que a gente conseguiu dar pra Ele.

Esse trecho da entrevista com a Marília Gabriela foi divulgado previamente pelo site da revista Caras. Ao ler isso, orei, xinguei muito em conversas privadas com amigos e respirei fundo 100 vezes, detendo o meu impulso de dizer qualquer coisa publicamente. Preferi esperar pra ver a entrevista na íntegra, e fiz isso com calma.

De fato, o padre disse uma frase herética. Porém, dentro do contexto em que disse, podemos afirmar que ele quis mesmo propagar uma heresia? Não, ele não quis. Imediatamente antes dessa frase infeliz, o padre disse claramente que a Igreja foi gerada em Jesus Cristo:

– Toda grande instituição precisa naturalmente voltar às fontes. A gente não tem o direito de viver distante das fontes que nos geraram. Qual é a nossa fonte? É Jesus, a experiência dele. Teologicamente nós estamos fundamentados no Verbo que se torna carne, que passa por nós, que faz discípulos e que deixa uma Igreja.

Portanto, apaguem suas tochas na piscina Tony, meninos! Está claro que o padre crê e afirma a origem divina da Igreja, bem como a sua contínua fundamentação em Cristo até os dias de hoje. Agora, com a frase seguinte, mandou uma heresia das brabas, que parecia desmentir o que ele afirmou logo antes. Em seu site, Padre Fábio já publicou um texto assumindo que errou ao se expressar dessa forma.

À maneira do Chaves, meio que “sem querer querendo”, o Padre Fábio de Melo ressuscitou uma heresia divulgada há mais de 100 anos, pelo padre e teólogo Alfred Loisy. Comparem vocês mesmos o que Loisy afirmou com a maldita frase do Padre Fábio, e vejam a semelhança:

“Foi alheio à mente de Cristo constituir a Igreja como sociedade que devia durar sobre a terra por longo decurso de anos; mais, na mente de Jesus estava prestes a chegar o reino do céu juntamente com o fim do mundo”.

 - Afirmação herética de Alfred Loisy. Fonte: Denzinger, número 3452.

Por ter se recusado a renegar esse erro doutrinário, o sujeito foi excomungado pelo Papa São Pio X, em 1908. Daí vocês veem que não estamos exagerando ao dizer que a tal frase do Padre Fábio foi mesmo uma desgraça.

Nessa entrevista, o Padre Fábio usou a expressão “Igreja santa e pecadora”. Apesar da verdade que carrega, essa expressãodeve ser evitada, pois quem ouve isso, em geral, entende que a Igreja pode falhar em seus ensinamentos e não ser eficaz em seus sacramentos. Já explicamos isso em um post anterior (veja aqui). Mas, sejamos honestos: o padre buscou explicar a expressão da forma correta, colocando a dimensão do pecado dos membros da Igreja:

– Nós precisamos nos converter diariamente: a Igreja é santa e pecadora. (…) É Deus que o tempo todo me dá condições para eu reconhecer o meu próprio pecado.

E, diante de uma Marília sedenta por mudanças na moral da Igreja – por meio da liberação do divórcio, do casamento gay e dos métodos anticoncepcionais –, o padre mandou na lata, sereno e firme:

– A Igreja não pode em nenhum momento, por mais autoridade que ela tenha, contradizer o que disse Jesus.

Marília se disse surpresa feliz com a declaração do Papa Francisco, de que não queria julgar os gays. E perguntou se, a partir dessa colocação, se poderia esperar uma mudança na postura da Igreja sobre o casamento entre homossexuais. A resposta do Padre Fábio foi precisa e sem rodeios: “Eu acredito, Marília, que isso não mude absolutamente NADA do que a Igreja pensa do assunto”. Dez! E explicou que isso poderia, isso sim, inspirar a forma correta de tratar os homossexuais nas igrejas, com um discurso caridoso e não-agressivo.

Padre Fábio mandou bem demais ao defender a beleza na liturgia, nas vestes sacerdotais e nos templos, fator tão negligenciado nas últimas décadas. Também defendeu com competência a castidade e o celibato sacerdotal. Isso a revista Cara-de-bunda não se interessou em noticiar, né?

favo_mel

Padre Fábio é um homem inteligente e, ao que me parece, deseja sinceramente o bem das pessoas. O problema é que ele parece sofrer de “jujubice aguda”. Os católicos acometidos por esse mal buscam sempre evitar qualquer palavra que melindre os não-católicos. E, quando são obrigados a discordar dos demais, fazem isso com taaaaaantaa doçura (tão doce como um… favo de mel!), de modo a parecer que o outro tem razão também.

Os acometidos pela jujubice confudem gentileza e respeito com frouxidão. Ainda que sejam obrigados a dizer algo que contrarie o outro, sempre tentam não desagradar ninguém. E o padre Fábio bem sabe que, para um cristão, é impossível manter-se nessa postura, pois ele mesmo disse para a Gabi:

– No momento em que nós temos uma postura, é natural que a gente vá contrariar muita gente. A Igreja não tem a pretensão de agradar o mundo todo.

Bem sabemos que não é só o Padre Fábio que foi contaminado ao comer uma jujuba ultra-doce atômica. Muitos leigos e padres também o fizeram. Prova disso é que o Sínodo dos Bispos de 2008, ocorrido no Vaticano, mostrou preocupação com os padres fofuchos que, em suas homilias, omitem as passagens mais duras do Evangelho, em especial, aquelas em que Jesus é ríspido, se desviando da caricatura mundana de guru paz-e-amô.

Bem, voltando… A entrevista da Marília, que foi a gerou mais polêmica, está longe de ter sido a mais escrota. O padre vacilou feio mesmo foi no programa “Altas Horas”. Eis o que disse, quando perguntando sobre o casamento gay:

– A gente precisa dividir bem a questão. Uma é a questão religiosa, o posicionamento das religiões, que têm todo o direito de não aceitar, de não ser a favor (…). Só que há também a questão cível, que não podemos interferir, que não é religiosa, que é o direito de duas pessoas reconhecerem uma sociedade que existe entre elas.

Não podemos interferir??!! Esse discurso, que deturpa a justa noção de estado laico, é exatamente o proposto pela Marta Suplicy, na lei da mordaça gay, a falecida PL 122 (saiba mais aqui). uniao_civil

O que o padre Fábio de Melo disse no “Altas Horas” está em total desacordo com o que ensina a Igreja. Devemos nos opor não só ao casamento religioso gay, mas também ao “casamento” civil gay*. Na verdade, é algo que modifica a estrutura da sociedade e, por consequência, o que é ensinado às crianças nas escolas e na mídia. Então, isso é da nossa conta, sim!

Esse é o sonho dos inimigos de Cristo: que os cristãos continuem tranquilamente (ao menos por enquanto) com seus louvores e pregações, confinados aos templos e sacristias. Porém, se ousarmos defender nossos valores na esfera pública, tomamos um créu. Querem que nos anular politicamente e impor os valores de uma minoria sobre a maioria das famílias. Ora, acaso nós cristãos somos um tipo de sub-raça, cuja opinião tem menos valor? Ah, vá…

Como pessoas limitadas, estamos todos sujeitos a proferir coisas insensatas (e, nesse sentido, tem gente que tem um amplo histórico, e já sugeriu até que os índios não devem ser evangelizados…). Entretanto, é preciso estar sempre humildes e dispostos a ser corrigidos pela Mãe Igreja.

Desejo que Jesus ilumine o Padre Fábio e Melo, para que ele seja mais responsável com o que fala. Acho que ele já deve ter notado o grande impacto que causam não só suas canções, mas também suas palavras.

* Para entender melhor do que estamos falando, leia o documento do Vaticano “Considerações sobre os projetos de reconhecimento legal das uniões entre pessoas homossexuais” e os nossos posts:

235 comments to Padre Fábio de Melo: “foi sem querer querendo!”

  • Harun Salman

    Vi o vídeo do “Aham, Cláudia, senta lá!”. Ri muito! E, Jotacê, nunca vi “Bonanza”, mas era viciado em “Kung Fu”! Era o único seriado que nós podíamos ver no colégio. Cheguei a treinar wing chun! Eu achava que David Carradine era um galã! Estou por fora mesmo! Mulheres! Quem as entende?!

    • Jotacê

      “Kung Fu” também é dos meus preferidos, meu caro Gafanhoto… quero dizer, Harun! Embora o meu favoritíssimo mesmo seja “Chaparral”! Na verdade, o meu cérebro empacou em 1988. Gosto de vários sucessos da TV que foram produzidos nos anos 60, 70 e 80!
      Sobre mulheres, tem uma anedota véia pra cacete, mas que resume bem a situação:
      Deus avisou para Adão que iria criar uma companheira para ele, e queria sugestões. Adão respondeu, feliz da vida:
      – Senhor, quero que minha companheira não reclame de meus maus hábitos, me deixe ir ao futebol e ao boteco com os amigos sem reclamar, seja obediente sem contestação, não reclame quando eu demorar para fazer algum conserto em casa e me trague uma cerveja gelada sempre que eu pedir. Ah, sim: e que eu a entenda sem esforço!
      Deus olhou bem para Adão, e respondeu amávelmente:
      – Sem problemas. Para isso, vou precisar de um dos seus olhos, do seu braço direito e da sua perna esquerda.
      Adão parou, espantado, e pensou por alguns minutos, com a mão no queixo. Depois, indagou:
      – Hã… E o que o Senhor pode fazer, em troca de uma das minhas costelas?

      • Harun Salman

        Engraçada! Eu vi pouco de televisão ao longo da vida. Estava sempre viajando ou no colégio (estudei em colégio interno). Vi um pouco de “Upstairs, Downstairs” e de uma série ótima chamada “Elizabeth R”, com a Glenda Jackson. Não gosto muito da televisão brasileira: é só novela e futebol! E eu não entendo nenhum dos dois! E os dois fazem um enorme sucesso no mundo todo! Você pode imaginar a decepção dos meus conhecidos mundo afora, quando conhecem um brasileiro que não sabe nem quem é Odette Reutemann, muito menos quem a matou! Brasileiro de araque! Abração!

        • Jotacê

          Sorte sua que não vê muita TV, meu caro Harun… Assim conserva a mente limpa! E somos dois que não gostam de TV brasileira… Pouca coisa é assistível, infelizmente. Um grande abraço!

  • valeria

    oi harum slamam sempre leio os seus cometaria e gosto delas mas hoje eu li algo que concordei o fato de nos corrigir o erro de quem errou em questão de quem estamos falando é claro o padre fabio de mello ele é um padre tem deve obediencia a seus superiores os unico que pode corrigilo nao podemos esquecer que o Padre Fabio de melo merece respeito pois ele teve um chamado e é ungido é um escolhido para ser um persona cristi na terra o poste não ofende o padre mas esclare a nos do ocorrido errado e coloca os pingos nos Is mas os comentario sim tem alguns que ofende agora eu pergunto SERA QUE JESUS ESTA CONTENTE? (ELE JA ESTA TRISTE COM O DESLISE DO PADRE MAS TEM GENTE QUE ESTA FAZENDO PIOR!!!)

    • Harun Salman

      Concordo com você, Valéria. A falta de caridade em algumas críticas me entristece. Mas nem por isso devemos deixar de indicar o erro do Padre Fábio. Até porque queremos que ele exerça dignamente o seu apostolado, que alcança tanta gente. Ele provavelmente será (se é que já não foi) advertido pelo seu superior. Por isso mesmo, para apoiar o seu superior e, por conseguinte, a hierarquia da Igreja, devemos nos unir na crítica construtiva, feita em espírito de caridade. Precisamos mostrar às legítimas autoridades da Igreja que nós leigos estamos atentos à ortodoxia, que seus esforços (ou sua negligência) em defendê-la não passam despercebidos. Nós todos somos a Igreja, nós todos devemos defendê-la. Um grande abraço!

      • valeria

        Acredito que tudo que acontece de ruim Deus tira um bem maior tudo que esta acontecendo vai servir de amadurecimento sacerdotal para o Padre Fabio de Melo ele sim vai colher os frutos disso pois todo erro também capacita e serve de experiência. Mas como o Padre Paulo Ricardo disse um dia as criticas de protestante não é tanto as piores são as do que se dizem católicos.Temos sim que se manifestar mas sem agredir com alguns comentários não podemos esquecer que o Padre Fabio de Mello tbm faz parte do Corpo místico de Jesus que é a cabeça se agredimos tbm estaremos agredindo Jesus.Pode ser que o Padre Fabio de Mello pode ser um dedo que tem que podar as unhas as vezes,mas merece respeito por todos.
        Gosto muiiiiito do blog de como é conduzido. Até a próxima bjuuuu

  • Meire

    “O matrimónio é santo, ao passo que as relações homossexuais estão em contraste com a lei moral natural. Os actos homossexuais, de facto, « fecham o acto sexual ao dom da vida. Não são fruto de uma verdadeira complementaridade afectiva e sexual. Não se podem, de maneira nenhuma, aprovar”

    http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_20030731_homosexual-unions_po.html

    • Harun Salman

      Muito bem lembrado, Meire! Se o Padre Fábio vier a público e disser isso, a polêmica acaba! O problema é a ambiguidade nas declarações. Porque se importar tanto em ser agradável? A verdade raramente é!

  • Adorei mesmo a cara do Julião Petruccio falando do “favo de mel” kkkkk. Achei o máximo a brincadeira.

  • Orlando Domingos Rodrigues

    O grande problema desse tipo de comentário, ainda mais vindo de um padre, é o que gera naqueles que adoram torcer as palavras. Na entrevista que o papa concedeu na volta do Brasil ao Vaticano, a maioria da imprensa anunciou que o papa era favorável ao homossexualismo. De igual forma com o tema do aborto. O sacerdote tem que ser duro e direto em suas palavras. E responder à Marília Gabriela, forte defensora das questões que envolvem o homossexualismo, tem que se tomar cuidado. Ela é perigosa e suas perguntas sempre se dirigem a uma resposta que ela quer ouvir. Padre, pede perdão a DEUS e vai estudar a bíblia.

  • Renato

    Mais um post muito bom de vocês, parabéns. Diferente de muitos, estão sabendo ponderar sem canonizar o padre como fazem alguns ou anatematiza-lo como um grandiosíssimo herege.

    O grande problema do Padre Fábio é não querer machucar o mundo, que está querendo nos machucar, perseguir e nos matar (e a nossa fé principalmente) a todo momento. O mundo é um doente moribundo que é extremamente contagioso, mas que como bons católicos, não podemos deixá-lo perecer e ficar no nosso cantinho como se nada tivesse acontecendo, porém, não podemos abraçá-lo e afagá-lo porque nos contaminará. O querido padre Fábio pelo qual tenho uma grande estima, cai no erro de achar que a loucura deste mundo não vai atingi-lo, e pela vaidade em que ele se coloca em não querer ferir a mundo, acaba sim sendo atingido, tanto por quem está dentro e só está louco pra ver um tropeço dele e sair dando suas “excomunhões leigas” no padre (eu chamo de cristãos toddynho, tem vários no facebook) quanto quem tá por fora e quer passar a imagem de relativista e de uma igreja relativista (delírio mundano haha) no futuro, graças as declarações do padre. Em qualquer programa que você vá, alguém vai fazer uma pergunta sobre igreja, sendo retórica (eles já sabem a resposta e só estão na expectativa que a resposta do católico em questão seja a que ele s aguardam), tal como “fora da igreja não a salvação?” esperando um sonoro não, ou um confuso não é bem assim. Ou “a igreja vai liberar o casamento gay?” “vai liberar a camisinha?” já crendo no SIM. Jesus disse que a verdade libertaria mas não que seria agradável, mas o mundo meus caros, não quer ouvir porque ela é muito, muito dolorosa pra quem acha que pode viver indiferente. O mundo quer um cristianismo light e bondoso para aqueles que preferem os prazeres deles no lugar do verdadeiro Deus, que vai me exigir conversão e que eu mude radicalmente de vida. Infelizmente a grande maioria não está preparado pra isso, e o mundo quer acreditar numa salvação para esta realidade perecível e finita, mas sem sacrifícios.

    O papel dele como Pai, é justamente o que faz o Padre Paulo, meter a vara de marmelo no lombo para que as pessoas aprendam e principalmente, se arrependam, mudem de vida (o método do padre Paulo e do padre léo também, que não aliviava para aqueles que queriam uma religiosidade light, funcionou muito bem comigo e com muitas pessoas). O Fabio remete muito aquele tipo que (eu já fui assim, hoje falo o que sei da doutrina e que a pessoa aceite a dor da verdade, uma hora passa e aprende a ser cristã superando isso) bate, mas depois volta arrependido pro filho que está se derramando em lágrimas assoprar o dodói. O padre Fábio tem o conhecimento necessário sobre a doutrina, uma empatia muito grande, e o dom musical, pode usá-los de maneira certa se não quiser aliviar o mundo da dureza da verdade. Ele não age de má fé ou sem conhecimento nenhum do catecismo (tipica da TL, eles tem uma alergia ao catecismo) só que continua entrando na vaidade de tentar alegrar a torcida. Se ele começar a parar de dar atenção aqueles que querem uma religião conveniente e ser duro usando de todo conhecimento e dom da palavra que tem vai conseguir alegrar muito mais gente, que são aqueles que querem a verdadeira alegria. A que vem de Nosso Senhor Jesus Cristo.

    Rezemos pelo padre Fábio e sua vocação.

    Paz e Bem.

  • Acho que o Pe Fabio de Melo deveria seguir o exemplo de Pe Zezinho que um dia disse: só participo de algum programa de televisão se for pra evangelizar. Muito sábio, pois o que estas redes de TV não cristãs querem é conseguir audiência, e alguns se submetem a estas entrevistas mal intencionadas. Rezemos pelos nossos sacerdotes!

  • José Luis

    Jesus era sempre alvo dos fariseus em busca de um vacilo Seu. Esses programas de entrevistas na TV são previa e meticulosamente trabalhados pelos fariseus de hoje para colocar a Igreja contra a parede. Não é fácil defender a fé como fez Nosso Senhor. Aceitar ser entrevistado nessas condições é um ato de coragem. Devemos dar um desconto ao Pde Fábio de Melo por isso. De modo geral sua atuação está fazendo melhor efeito do seria se tivesse recusado o convite de entrevista.

    • Harun Salman

      Olá, José Luis! Sem dúvida, devemos sempre dar a razão da nossa esperança a quem no-la pede. Mas o Padre Fábio “deu a razão errada”! Ele realmente cometeu um erro. E nós que o amamos não queremos que o seu apostolado, que beneficia tantos irmãos, seja prejudicado por isso. Por isso, corrigimos. Nossa correção é um ato de amor. Um abraço!

  • Flávia

    Parabéns pelo post e pelo link ao texto com a posição do Vaticano sobre esse tema, que me fez repensar minha opinião sobre a o casamento civil gay. Assisti a entrevista do Pe. Fábio considerei ponderado o seu argumento, de que um cidadão tenha o direito de fazer uma “contrato / sociedade” no qual ele possa destinar a partilha de seus bens a uma determinada pessoa, para que esta não fique desamparada no caso de falência, independente do seu sexo, sendo essa uma questão jurídica e não religiosa. Concordei em parte com esse ponto de vista, desde que isso não abrisse precedente para adoção de filhos por casais gays, o que é inegociável. Porém, o texto do post alerta sobre os riscos deste tipo de visão, e os possíveis impactos sobre os conceitos de família e matrimônio, sobre a educação das crianças, etc. É uma questão de valores, e não algo estritamente religioso, que possa ser dissociado do Direito e da Política. Mas tenho uma dúvida, pois não sou especialista na área: é possível, no Brasil, assegurar o direito de partilha de bens, etc, fora de um regime legalmente reconhecido como união estável, como sugere o texto do Vaticano? No mais, oremos uma Ave Maria por todos os religiosos e leigos que têm essa difícil missão de evangelizar pelos meios de comunicação de massa.

    • Harun Salman

      Flávia, a adoção de crianças por pares do mesmo sexo é uma inevitabilidade da aprovação do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo. Esse e outros motivos nos fazem combater a aprovação do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo. O blog tem um bom texto sobre isso, dê uma lida nele. Um abraço!

      • Flávia

        Harun, realmente o texto do blog é ótimo, já tinha lido e foi ele que me fez rever a minha posição sobre o tema. Quanto a isso, não tenho mais dúvidas. A minha pergunta é de ordem jurídica: vejo que o argumento usado pelo Pe. Fábio pode ser usado para defender o casamento civil homossexual, do ponto de vista do direito de um cidadão em relação a partilha dos seus bens. Existe alguma alternativa jurídica para essa questão que não passe pela via do casamento civil e pela consequente distorção do conceito de família? Na verdade, fiquei curiosa para encontrar um contra-argumento tanto para o que o Pe. Fábio falou na sua entrevista como no seu texto de retratação, cujo link já foi postado aqui nas conversas anteriores. Agradeço se alguém puder ajudar nesse aspecto.

  • luiz carlos machado de lacerda

    Concordo plenamente com a sábia dedução do Sr José Luís,citando ainda o trabalho hercúleo desse jovem sacerdote da Igreja Católica Apostólica Romana em prol da evangelização cristã.
    Erros e interpretações deturpadas são comuns quando se está sendo entrevistado sobre assuntos que muitas vezes fogem ao entendimento de pessoas leigas ( não teólogos), mas a fé, a boa vontade e a ausência de malícia é fundamental para que se perceba o que o Pe Fábio de Melo nos quis dizer nas entrelinhas do vernáculo português por ele utilizado…

    • Aham… Agora a culpa não é do padre, que disse uma heresia clara. A culpa é do povo católico, que é malicioso. Ok, ok!

    • Harun Salman

      Luiz Carlos, não. Católico não pode viver de “entrelinhas”! Tem que dizer sim quando é sim e não quando é não! O Padre Fábio cometeu um erro e nós o corrigimos, conforme o nosso dever. Ele é um sacerdote de Jesus Cristo e nós o amamos por isso. Quem ama, corrige! Um grande abraço!

  • Eu nao sou tao animador, como a postagem e alguns comentaristas. Conheço mais ou menos o meio televisivo, por ser jornalista. Emissoras de Tv seculares nao sao ambientes com auras de santidade. E quando se trata de jornalismo, gostam muito de entrevistar pessoas ajustadas a sua politica editorial. O Padre Fabio de Melo, ao meu ver, nao tem a mesma pegada e a mesma envergadura no sentido de defender a doutrina de forma direta, concisa e sem ficar poetizando as coisas. Nesses aspectos, padres como Demetrio, Paulo Ricardo e bispos como Dom Henrique Soares sao muito mais aptos a defender a doutrina nos meios de comunicaçao. No entanto, eles nao ‘fotografam’ bem e nao atendem os intere$$es dos meios de comunicaçao. Enfim, lamento nao partilhar da mesma animaçao de muitos.
    Que Sao Francisco de Sales, padroeiro dos jornalistas interceda a Deus por nos.
    Desculpe a falta de acentos, meu teclado nao esta muito legal.

  • Creio que precisamos diferenciar a “opinião do padre” — que, infelizmente, muitos católicos aderem como “dogma” — do Sagrado Magistério da Igreja, este sim infalível. Às vezes fico bastante desanimado com tantas opiniões heterodoxas, com a ignorância de alguns sacerdotes acerca da sã doutrina e, para piorar, um incrível silêncio da parte dos nossos bispos.

    Muitos questionam: “Quid est veritas?”(Jo 18,38).

    E quem nos ensinará a verdade?

    Quem alimentará as ovelhas?

    Onde estão os nossos pastores?

    E, por fim, para onde caminha a Igreja do Brasil? Só o tempo dirá.

    Enquanto isso… continuamos rezando.

    PAX

    • Junior, seu comentario me suscitou algo:
      Existe uma oraçao ou jaculatoria, nao sei,que e assim:
      “Abençoai o Santo Padre, o Papa, o bispo diocesano e todo o clero, abençoai e santificai a nossa familia e dai-nos a paz”. E pequena, mas rica e abrangente. Fala do Clero e da Igreja Domestica. Mas no caso do Clero, eh interessante, porque pede para rezarmos para TODOS os padres, inclusive aqueles que cometem heresias, vacilos, seja la o que for. Agora, eh preciso tomar cuidado para que nao incorramos no erro de serem ‘catolicos de padres’, ou seja, deixar de assistir uma missa, porque eh o padre X que estah celebrando. Se o Padre eh devidamente ordenado, segundo o Codigo de Direito Canonico e a missa eh valida, assista.

  • virginia

    Temos que ver o seguinte: A Marília Gabriela é apresentadora de que emissora de tv? O patrão dela é quem? Qual a religião desse cidadão? Então temos que ver que tudo foi bem planejado para justamente deflagrar uma atitude que poderá causar um certo desconforto e confronto entre os católicos. Deveras não devemos dar assas para que essas pessoas possam voar mais alto sobre nós. Deturpar o que um padre diz é o que a mídia faz de melhor ou fazer com que um católico seja contraditório a suas convicções cristãs também é o que eles fazem de melhor. Os judeus não aceitam cristo como o verdadeiro filho de Deus, os evangélicos não aceitam verdadeiramente as lições deixadas por cristo, então tenhamos cuidado com as divergências que podem ser geradas por esses dois grupos em nos fazer contentamento entre católicos.

    • Harun Salman

      Olá, Virgínia! Eu não culpo a Marília Gabriela pelas declarações do Padre Fábio. Ela tem a sua agenda, claro. Mas ninguém é obrigado a segui-la. Eu acho até que ela deu bastante espaço para o Padre Fábio evangelizar. Ele não o fez porque não quis. Sejamos justos. Que ele seja mais comprometido com a doutrina católica e menos preocupado em agradar é pelo que devemos orar!

  • Carlos Roberto Pereira

    Gostaria que vocês vissem sobre padre que fez uma paródia do “Show das poderosas” em um culto ecumênico da universidade Católica de Pernambuco: http://www.youtube.com/watch?v=UXV2iHasy2k e a matéria do TV Fama sobre esse ocorrido: http://www.youtube.com/watch?v=eiFJONOkDPk

  • Diácono Eduardo

    Eu sempre digo que quando falamos em nome da Santa Igreja, temos que ter muito cuidado. Tudo o que falamos pode ter repercussão boa ou ruim. Não creio que o Padre Fábio tenha tido má intenção em suas palavras, mas não podemos negar que foi muito negativo para a imagem da Igreja. Creio que se ele tivesse dito as mesmas palavras em meio a teólogos teria sido melhor interpretado.
    Vamos esperar que com tudo isto ele compreenda que estava perdendo um pouco o seu foco e compreenda que tudo o que falamos vai nortear as atitudes de alguém que nos estava ouvindo o momento.
    Amo o Padre Fábio e admiro o seu trabalho, mas creio que ele deva refletir sobre tudo isto que aconteceu e volte a ser apenas o Padre Fábio de Melo de uns quatro anos atras.
    Muito bom o artigo de vocês. Deus os abençoe.
    Diácono Eduardo

  • Anna Varela

    Olhem o que um Blog dos nossos “amiguinhos” Evangelicos postaram:
    http://www.mudesuamente.com/2014/01/padre-diz-que-maria-nao-salva-ninguem.html

    • Sidnei

      Este vídeo em que o Pe. Fabio de Melo diz que Maria não salva ninguém não esta errado, de fato, não é Maria nossa salvadora, mas, JESUS CRISTO, foi ELE que morreu na cruz para nossa salvação eterna e não Maria. Nossa Senhor pode sim é pedir, orar, interceder para nossa salvação assim como todos nós podemos orar uns pelos outros para nossa salvação, mas este pedido deve estar relacionado para que DEUS abra o coração dos impenitentes, para que a graça de DEUS possa entrar neles e assim eles se voltarem a CRISTO crendo NELE e fazendo tudo o que ELE ensinou possam alcançar a vida eterna, e neste sentido que nós e todos os Anjos e Santos e Nossa Senhor nos céus oram por nossa salvação e de todas as pessoas, mas o fim último de nossa salvação sempre será JESUS NOSSO SENHOR.

  • Sandro

    Olá. Gostaria do comentário do site sobre o seguinte vídeo do Padre Fábio de Melo. Abraços em Cristo sempre Jovem!

    https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=tdt4fpA8cBw

  • Lucas Farias

    Me peguei agora com uma pergunta que gostaria de compartilhar. Alguém já encontrou, identificou algum erro doutrinário , alguma heresia nas músicas do Padre Fábio?

    • Não costumo ouvir as músicas dele, então, não sei. Também nunca ouvi falar de erros doutrinários em suas canções.

    • Oi Lucas.
      No meu tempo de “RCC” conheci muita canções dele. Não existe doutrina nem tão pouco catequese em suas canções. Ele canta a vida (dele) e a vocação.
      Por isso tem tanta gente que defende sua postura.
      É muito diferente da catequese que o Pe. Zezinho canta.
      Isso acontece muito com cantores da RCC, se você pegar a letra de algumas canções… nossa você não vai ver sentido se não conhecer o porque, da parte do autor, o que está se passando na música.
      Você acaba cantando algo vago.

  • Vivi… Eu vi ontem esse video que o Sandro comentou, do Pe. Fábio, no qual ele critica a Devoção Mariana!!! Eu, como escravo desta tão boa mãe, não entendo como este senhor, que é sacerdote, celebra Missas!!!

    • Alex,
      A Christiane disse em algum comentário aqui que aquele vídeo foi editado, e que o padre falou bem. Como eu não vi o vídeo com a palestra completa, acho meio difícil tirar conclusões. Por isso, nem falei nada sobre isso.

      • Na verdade, o video não foi editado, mas sim, apresenta-se um trecho do video completo, e neste trecho (no qual não há interrupções, cortes, ou edições) o Pe. Fábio fala:

        “Tenho muito medo, sabe?! Tenho visto, tenho presenciado, em muitos lugares, em muitas comunidades, este cristianismo sendo nivelado por baixo! O cristianismo sendo reduzido a medalhinhas… A teologia sendo substituída por devoções vazias! A devoção mariana sendo excessivamente colocada, quando Maria está fora do lugar dela… Tomando o lugar do Cristo! Isso não é cristianismo! A liberdade consiste em você olhar para a santidade de Maria, e de você rezar com ela para que o tempo todo Cristo prevaleça entre nós, porque nós não podemos mais admitir a experiência de um cristianismo sem o Cristo! É Cristo que nos salva! É Cristo que nos resgata! É Cristo que nos liberta! E nós estamos amarrados em muitas outras coisas, classificando isso como religioso, classificando isso como bonito… Não! Nós precisamos retomar a seriedade desta palavra. São Paulo não brinca com a comunidade! São Paulo não está falando com meios termos! É Cristo que nos salva! É Cristo que nos salva! E é em torno dele que nós precisamos organizar a nossa vida, organizar a nossa comunidade, organizar a nossa experiência pessoal de ser quem somos e fazer com que cada vez mais a nossa experiência cristã seja, antes de qualquer coisa, uma mudança de mentalidade!”

        Permita-me citar, uma vez mais, um trecho, ainda que longo, do belíssimo livro de São Luís Maria Grignon de Montfort (Tratado da Verdadeira Devoção á Santíssima Virgem):

        “63. Aqui volto-me um momento para Vós, ó meu amável
        Jesus, para queixar-me amorosamente à Vossa Divina Majestade, de que a maior parte dos cristãos, mesmo os mais instruídos, não saiba a ligação necessária entre Vós e Vossa Santa Mãe. Vós estais sempre com Maria, Senhor, e Ela está sempre convosco, nem pode estar sem Vós, pois deixaria de ser o que é. Maria está de tal modo transformada em Vós pela graça
        que já não vive, já nem existe: só Vós, meu Jesus, é que viveis e reinais n’Ela, mais perfeitamente que em todos os anjos e bem-aventurados. Ah! Se os homens conhecessem a glória e o amor que recebeis desta admirável criatura, teriam sobre Vós e sobre Ela sentimentos muito diferentes dos que têm. Ela Vos está tão intimamente unida que seria mais fácil
        separar a luz do Sol ou o calor do fogo. Digo ainda mais: seria mais fácil separar de Vós todos os anjos e santos, do que Maria Santíssima. Ela Vos ama, pois, mais ardentemente e Vos glorifica mais perfeitamente que todas as outras criaturas juntas.

        64. Depois disto, meu amável Mestre, não é coisa espantosa e lamentável ver a ignorância e as trevas de todos os homens deste mundo a respeito da Vossa Santa Mãe? Não falo tanto dos idólatras e pagãos que não Vos conhecem e, por isso, não se preocupam em conhecê-la. Nem falo sequer dos heréticos e cismáticos, que não cuidam de ser devotos da Vossa
        Santa Mãe, já que estão separados de Vós e de Vossa Igreja. Falo dos cristãos católicos, e mesmo dos doutores entre os católicos, que não Vos conhecem nem à Vossa Santa Mãe, senão duma maneira especulativa, seca, estéril e indiferente,
        embora façam profissão de ensinar a verdade aos outros. Es-tes senhores só raramente falam da Vossa Mãe e da devoção que se lhe deve ter, porque dizem temer que se abuse dela e que se faça a Vós injúria, honrando demasiadamente Vossa Santa Mãe. Um devoto da Santíssima Virgem fala da Devoção a esta boa Mãe duma forma terna, forte e persuasiva, como dum meio seguro e sem ilusão, dum caminho curto e sem perigo, duma via imaculada e sem imperfeição e dum maravilhoso segredo para Vos encontrar e amar perfeitamente. Mas, se esses senhores vêem ou ouvem alguém muitas vezes falar
        assim, levantam-se contra ele e apresentam mil falsas razões para lhe provar que não se deve falar tanto da Santíssima Virgem, que há grandes abusos nessa Devoção, que é preciso empenhar-se em destruí-los e em falar mais de Vós, de preferência, a levar os povos à Devoção a Maria, a quem já amam bastante.
        Por vezes falam da Devoção à Vossa Santa Mãe, ó Jesus, não para a estabelecer e propagar, mas para destruir os abusos que dela se fazem. Estes senhores não têm piedade nem Devoção terna para convosco, por não terem nenhuma a Maria. Consideram o Rosário, o escapulário, o Terço, como devoções de efeminados, próprias para ignorantes, e sem as
        quais nos podemos salvar. E se lhes cai em mãos algum devoto da Santíssima Virgem, que reze o Terço ou se entregue a qualquer outra prática de devoção para com Ela, depressa lhe mudarão o coração e o pensar. Aconselham que se reze, em lugar do Terço, os sete salmos. Em lugar da Devoção a Nossa Senhora, recomendar-lhe-ão a Devoção a Jesus Cristo.
        Ó meu amável Jesus, terão estas pessoas o Vosso espírito? Dão-Vos gosto procedendo deste modo? Agradar-Vos-á quem não empregue todos os esforços para agradar à Vossa Mãe, com receio de Vos desagradar? Por acaso, a Devoção à Vossa Santa Mãe impedirá a Vossa? Atribui-se Ela a si mesma
        a honra que lhe prestam? Forma Ela um partido à parte? É Ela uma estrangeira sem ligação alguma convosco? Desagradar-Vos-á quem procure agradar-lhe a Ela? Separa-se ou afasta-se do Vosso Amor quem a Ela se dá e a ama?

        65. No entanto, meu amável Mestre, se tudo o que acabo de dizer fosse verdade, a maioria dos sábios, para castigo do seu orgulho, não poderia afastar mais as almas da Devoção à Vossa Santa Mãe, e não lhe poderia votar mais indiferença. Livrai-me Senhor, livrai-me dos seus sentimentos e práticas.
        Dai-me parte nos sentimentos de gratidão, de estima, de respeito e de amor que Vós tendes para com Vossa Santa Mãe, para que Vos ame e glorifique mais na medida em que Vos imitar e seguir de mais perto.

        66. Como se até aqui ainda nada tivesse dito em louvor de Vossa Mãe Santíssima concedei-me a graça de a louvar dignamente, apesar de todos os Seus inimigos que são os Vossos. Fazei que clame com os santos: ‘Não julgue receber a misericórdia
        de Deus aquele que ofende sua Santa Mãe!’”

        Atentemos para as palavras do nosso querido Santo Padre, Bento XVI:

        “Quando eu era jovem teólogo, antes e até mesmo durante as sessões do Concílio, como aconteceu e como acontecerá a muitos, eu alimentava uma certa reserva sobre algumas fórmulas antigas como, por exemplo, a famosa ‘De Maria nunquam satis’ – ‘Sobre Maria jamais se dirá o bastante’. Esta me parecia exagerada.

        Encontrava dificuldade, igualmente, em compreender o verdadeiro sentido de uma outra expressão bastante famosa e difundida (repetida na Igreja desde os primeiros séculos, quando, após um debate memorável, o Concílio de Éfeso, do ano 431, proclamara Nossa Senhora como Maria Theotokos, que quer dizer Maria, Mãe de Deus, expressão esta que enfatiza que Maria é ‘vitoriosa contra todas as heresias’.

        Somente agora – neste período de confusão em que multiplicados desvios heréticos parecem vir bater à porta da fé autêntica -, passei a entender que não se tratava de um exagero cantado pelos devotos de Maria, mas de verdades mais do que válidas.

        Cardeal Joseph Ratzinger – Entretiens sur la Foi, Vittorio Messori – Fayard 1985.”

        Li também uma vez, palavras de um outro sacerdote, Padre Miguel Ruiz Tintoré, Padre da Diocese de Burgos, Espanha:

        “Por que necessitamos de Maria, se já temos a Jesus? Por que A chamamos mediadora ou medianeira, se São Paulo disse que Jesus é o único Mediador?

        Se eu tivesse que subir por uma ponte (Jesus) ao altíssimo céu, precisaria de um corrimão do começo ao fim: esse corrimão é Maria, cuja mediação não se acrescenta à de Jesus, senão que faz parte dela, como o corrimão faz parte da ponte.

        Não há concorrência. Maria não ‘é’ o centro, mas ‘está’ no centro.”

        Assim, pelo video, e por todas as outras trapalhadas que este sacerdorte tem feito, muito me preocupa sim, os rumos que se tomam hoje!!!

        • Jotacê

          Voltando à “vaca fria”:
          Depois do exposto, e sabendo, por ter ouvido da própria boca do Pe. Fábio de Melo na TV, que ele não possui devoções, tenho que dizer que a minha posição em relação a esse rapaz, se antes era de indiferença, passou a ser de antipatia. Na real, esse cara é um homem de 42 anos, mas fala como se tivesse 18 ou 19 anos, sem preparo, sem reflexão!
          Na boa, Padre: academia e musculação é legal, mas estudo sobre a Doutrina é mais ainda, sabia?!

          • Também ouvi, da boca do próprio Padre, em seu programa na Canção Nova, que o mesmo NÃO POSSUIA DEVOÇÕES… Que não rezava à Maria, e sim, com Maria, pois só rezava à Deus… Dentre tantas outras pérolas! Aí se cria um monte de “Fabétes” e que querem se arvorar dono/as da verdade só porque um sacerdote que propaga heresias falou algo na TV!!! Ahhhh…

          • Eu, graças a Deus, sou católica e rezo A Nossa Senhora, e não somente COM Nossa Senhora. Afinal, a Igreja me ensina a dizer:
            “Santa Maria, Mãe de Deus, Rogai por nós, pecadores…”

            Isso não é rezar COM Maria, é rezar A Maria. Minha vovó analfabeta, sinceramente, era muito mais “doutora” nas coisas de Deus do que muito sujeito por aí que arrota mestrado e doutorado em teologia. Ela era muito devota da Virgem!

            Olha, é cada uma… Só Deus. Vem Senhor Jesus!

          • Jotacê

            Se algum dia eu for temporariamente “Todo Poderoso”, como o protagonista do filme do Jim Carrey, transformo o Pe. Fábio em um gordo com 150 kilos e 3 queixos, para ele deixar de ser tonto e parar de propagar “gotas de heresias” por aí.
            HUAHUAHUAHUAHUA! (Risada maligna)

          • Harun Salman

            Terrivel isso, Jotacê! Eu estava tão determinado a conceder o benefício da dúvida ao Padre Fábio! Mas ele continua a cair, vertiginosamente, no meu conceito! E o pior é que pragas como esse Frei Cláudio são ainda piores! Gostaria mesmo que você tivesse esse poder de torná-lo imenso de gordo, talvez isso salvasse muitas almas, inclusive a dele mesmo! Do jeito que está… Não sei, não… No Céu só vai ter leitor de O Catequista!

        • Sidnei

          De fato ele dizer que não devemos rezar a Maria mas com Maria esta errado, que devemos orar com Maria é um fato, mas que também devemos orar para ela também é outra fato duas coisas não são excludentes, peço sempre a intercessão de Maria, mas, não deixo também de orar a DEUS aqui neste mundo enquanto Maria ora por mim no céu diante de DEUS, mas para que Maria ore por mim diante de DEUS eu tenho que pedir a ela que faça isto para mim através da oração, isto é óbvio ou será que apenas o Pe. Fábio de Melo não sabe disto?

    • Christiane

      Alex, minha falta de conhecimento do Tratado me fez entender de outra forma o que ele quis dizer. E o vídeo tem um corte, sim. Entendi que o que ele condena não seria a devoção mariana em si, até mesmo porque ele é devoto, mas sim os exageros cometidos com esta devoção, que muitas vezes faz os protestantes, com razão, nos acusarem de idólatras: quando depositamos TODA a nossa fé em uma medalhinha, ou fazendo três pedidos e amarrando a fitinha no pulso, quando fazemos “simpatias e correntes” como muitas que já vi por aí, dando a certeza da realização de seus pedidos se fizer estritamente o que está escrito ali, e condenando a severos castigos se pegar no papel, ler e não passar adiante, como uma “fórmula mágica” (eu sinceramente rasgo esses panfletos quando os encontro na Igreja).

      Moro em Belém do Pará, onde ocorre o Círio de Nossa Senhora de Nazaré (que Pe. Fábio participa todo ano), segunda maior procissão religiosa do mundo (só perde para a peregrinação dos muçulmanos a Meca, que tem um dia específico que todos ficam girando ao redor daquela pedra) e vejo aqui que muitas vezes, pela ignorância mesmo, falta de orientação, as pessoas cometem verdadeiras heresias em nome do amor a Nossa Senhora, colocando-a acima de Deus. Dom Alberto Taveira – e D. Orani antes dele – tem sido um abençoado por orientar os fiéis nesse sentido. Como eu disse no outro comentário, é muito triste ver pessoas entrarem numa Igreja e não dirigirem sequer um olhar ao Senhor no Sacrário, mas vão direto para os pés das imagens dos santos fazer seus pedidos. Ontem mesmo eu estava em uma igreja que é templo de adoração perpétua, tinha acabado a Missa e estávamos em adoração (Lá tem um ostensório magnífico, de 2m de altura, com uma Hóstia Consagrada proporcionalmente grande)e aconteceu exatamente isso! Eu creio sinceramente que é nesse sentido que o padre estava falando e concordo com ele! Só que… ele mais uma vez meteu os pés pelas mãos no palavrório. Quis falar bonito e errou feio. Peço que me corrijam se eu estiver errada, grande abraço!

      • Carissima, Chistiane, Salve Maria. Você disse:
        (…)mas sim os exageros cometidos com esta devoção, que muitas vezes faz os protestantes, com razão, nos acusarem de idólatras: quando depositamos TODA a nossa fé em uma medalhinha, ou fazendo três pedidos e amarrando a fitinha no pulso, quando fazemos “simpatias e correntes” (…)

        Eu acredito que não devemos viver nosso catolicismo, pensando no que os protestantes irão dizer ou não. Eu fico aqui perguntando cá com os meus botões, na século I ou II d.C, na época dos padres da Igreja, ou seja, da Patrística, num período muitíssimo anterior a Reforma Protestante de Lutero, será que se ficava preocupado com que um ou outro dizia? Á época se preocupava sim, com certas heresias, a exemplo de Santo Ireneu, com a Adversus Haeresis, mas fora isso, não ficavam preocupados com que os críticos do catolicismo diziam e não mudavam ou questionavam princípios por isso.
        Sigamos com a nossa vida, com a nossa tradição e eles que fiquem com a deles – apesar de discordarmos de muitas coisas. Mas só num ponto, eu concordo com você é na parte em que muitos panfletos ficam dizendo para publicar não sei quantos milheiros ou dizer que se não publicar acontece alguma coisa. Aí sim, eu acho absurdo, o resto é resto.
        Pax et bonun.

        • Christiane

          Leniéverson, a paz! Só falei para ilustrar. Não dou a mínima para o que eles pensam ou deixam de pensar, pois tenho pleno conhecimento do que é certo e errado. Mas devemos ter cuidado sim, com os nossos irmãos católicos, devemos expressar nossa devoção da maneira correta para que os menos instruídos na doutrina e na fé não possam ser ludibriados ao serem encostados na parede com aquele blá blá blá protestante de sempre e, ao ver os exageros que muitas vezes se cometem, acabem dando razão a eles. Não sei se me fiz entender, sou meio enrolada com as palavras.

          • Sidnei

            Christiane, deu para entender e concordo plenamente com você, como também já coloquei aqui, existem os católicos devocionistas, aqueles que seguem somente as devoções e não os três pilares da Igreja que são: a Bíblia Sagrada, a Sagrada Tradição e o Sagrado Magistério da Igreja. São católicos que seguem somente duas devoções e não querem nem saber daquilo que é fundamental em nossa fé, e o pior, não que não sabem por ignorância, a estes a gente a até dá um desconto, mas, não querem saber, acreditam que aquelas devoções são suficiente e acabou. Trago até um exemplo familiar que até já comentei aqui no blog uma vez, de uma tia minha muito querida que tem suas devoções religiosas católicas mas que acredita também em Iemanjá, e eu tive que dar um puxão de orelha nela um dia por ouvir isto, dizendo que se ela é católica de fato não acreditaria em Iemanjá que é um ente seguido por religiosos da umbanda e do candomblé e que não tinha nada haver com nós católicos. Portanto se faz necessário e com máxima urgência uma catequese entre os meios católicos esclarecendo sobre este fato, o Pe. Fabio de Melo mesmo que em algumas partes tenha havido erro em suas falas, porém, ele tentou de alguma forma chamar aa atenção sobre este assunto, cabe nós irmos mais afundo e ao contrário do Pe. Fabio de Melo esclarecer de forma mais objetiva sengo o que ensina a Igreja sobre isto como por exemplo afirmar que não devemos orar a Maria, mas, somente com Maria quando de fato podemos fazer as duas coisas, pedir a Intercessão de Maria para que ela ore no céu, enquanto nós aqui na terra oramos junto com ela a DEUS por nós.

          • Christiane

            Ai, que bom que vc me entendeu! :)

      • Querida Chstiane…

        O video que assisti, o qual tem o link lá em cima, não tem cortes!!! Assisti e reassisti umas quinhentas vezes, e não tem corte! Ele é um trecho de um video maior sim, mas sem cortes!!!

        A fala do Pe. Fábio que transcrevi ipse litteris acima não contem o TODA a nossa fé, e sim, o termo pejorativo para medalhas (como um Sacramental, p.e., acaso ele não saiba o que é um…).

        E sim, eu ouvi, da boca do próprio Pe. Fábio, que ele não cultiva devoções, com exceção do Círio de Nazaré, o qual ele disse não faltar um ano sequer…

        E quanto à devoção à Maria, aconselho a todos a leitira do Tratado da Verdadeira Devoção, de São Luis Maria Montfort…

        PS: Não escrevi nada disso para contrapô-la ou qualquer coisa parecida… Não me leve a mal!!! Foi apenas para esclarecer…

        AD IESUM PER MARIAM!

        IN CORDE IESU ET MARIAE HODIE ET SEMPER!

        • Christiane

          Meu querido, estás coberto de razão. Não vi o vídeo dizendo que ele não rezava a Maria mas com Maria… Então o que ele vem fazer no Círio todos os anos? Jesus, isso é que dá ficar andando com Aline Barros e Ana Paula Valadão, daqui a pouco ele estará negando a Eucaristia! Pe. Fábio se jogou de um precipício no meu conceito, só com muita oração, mesmo. Ai, saudades do pe. Léo que dava umas boas esculhambadas nele que num instante ele ficava pianinho… Muito obrigada por abrir os meus olhos!

  • Roberta

    Eu não entendo: qual é o problema em aceitar que o Padre Fábio de Melo errou – ele mesmo se retratou, não é? Por que é que as pessoas que apontam os erros são taxadas de intolerantes, de “causar divisão no seio da Igreja”??? Quer dizer que o católico tem que aceitar tudo de cabeça baixa porque “Jesus é amor”? E a passagem da expulsão dos vendedores no templo, o que fazemos? Rasgamos a página? Ops! #protestantismo

    • Harun Salman

      Roberta, você pôs o dedinho na ferida! O problema é esse: essa dificuldade em reconhecer que alguém que amamos errou significa que lhe emprestamos prerrogativas divinas! É o velho pecado de idolatria!

      • Roberta

        Triste! Que Nossa Senhora ilumine a todos nós para que não caiamos nesse pecado! E que ela ilumine não só Padre Fábio, mas a todo o clero! Rezemos por eles!

  • Pois é, eu acho que o Pe. Fábio não “se retratou” a rigor. Ele pediu umas desculpas, disse que a expressão precisava ser melhor explicada, mas não explicou, né?

    E mais, ele não pediu desculpas por usar a expressão, mas por não ter pensado que alguns não entenderiam. Isso não é desculpa. “Olha, desculpa por não ter imaginado que você não ia entender” é muito diferente de “Olha, desculpa ter dito essa coisa que eu não devia”…

    Eu pus um comentário no meu blog sobre isso. Não acho que ele seja herege, mas o bicho tá pegando. Temos que rezar, e muito.

    • Fabão e Maria Dorly, vocês tocaram num ponto crucial. Eu explico: A Mídia secular não é uma aura de santidade e busca entrevistados que falem a linguagem do relativismo, principalmente em questões morais. Pessoas que se ajustem ao seu linguajar. O Programa do Jô na Globo, por exemplo, faz uma pré entrevista, antes da entrevista. Isso serve para cortar aquilo que não agrada a produção ou entrevistador, no caso o Jô Soares. Em outras emissoras, há variantes da pré entrevista, mas eu confesso que fiquei admirado, quando no Programa da Gabi, o controverso pastor Silas Malafaia conseguiu dizer tudo o que ele queria, mesmo diante de uma jornalista progressista como a Marília Gabriela, no ínício do ano passado. Disseram à epoca que iria ter uma outra entrevista no segundo semestre do ano passado, mas não sei teve. Mas, na minha opinião, padres como Fábio de Melo, Juarez de Cástro, Pedro Cunha, Padre Marcelo Rossi, não são padres adequados para expor a doutrina, com a Excelência devida. Padre Paulo Ricardo, Padre Demétrio, Dom Henrique Soares e, pasme alguns, até o Padre Reginaldo Manzotti, dentre outros, são para mim, os mais adequados para comunicar a doutrina.
      Abraços!

      • Harun Salman

        Leniéverson, acho que o Malafaia foi ao ar porque é uma figura pitoresca e caricatural, que ninguém de bom senso pensaria em levar a sério. Esses que você, muito atiladamente, apontou como inadequados são também caricaturais, por isso estão em evidência, volta e meia. Padre Paulo Ricardo, Padre Demétrio e Dom Henrique Soares são muito firmes e sóbrios para que algum apresentador com agenda anti-católica se arrisque a apresentá-los. Mas eu tenho ouvido boas coisas sobre o Padre Reginaldo. Acho que devíamos investir mais nele, como uma alternativa saudável ao Padre Fábio. Mulheres me dizem – e eu só posso acreditar – que o Padre Reginaldo tem pinta de galã, algo fundamental para conseguir evidência na mídia anti-católica. Eu sou a favor de usarmos todas as armas. Viva o Padre Reginaldo Manzotti, então!

  • Jotacê

    Alguém com autoridade tem que chegar no Padre, e dizer: Padre, na boa, não acho que o senhor seja mal intencionado, mas com certeza não sabe se expressar. Uma só frase sua já causa um “tsunami”. Então, fica quieto por um tempo e pára de falar bobagens, pelamordedeus.
    Como eu disse, antes eu era indiferente a esse rapaz, mas, agora, desenvolvi uma baita de uma antipatia. Que Deus me perdoe por isso (e também ilumine a mente desse cara, pois ele já está cansando)!

    • Christiane

      Ele disse na entrevista com a Marília que está se retirando pouco a pouco da mídia e ficando mais na chácara que tem em Taubaté. O problema é que enquanto ele não se retira completamente, fica falando essas zé lesices que desconstroem totalmente a imagem do sacerdote que esperamos que ele tenha. Não só nas palavras, mas na aparência também. Pra que precisamos de padre marombado? Que ele fosse seco como um pau de virar tripa, pelo menos não levaria tantas mulheres a sonhar com o título de mula sem cabeça…

  • Jotacê

    E pesquisando declarações dele na Internet, só enconto três coisas:
    - Heresias;
    - Mensagenzinhas açucaradas e inócuas;
    - Bobagens de grosso calibre. Deem uma olhada nesta declaração do “Favo”, e vejam se encontram algum sentido nela. É aquela fala idiota de quem só quer aparecer:
    http://portugues.christianpost.com/news/padre-fabio-de-melo-pede-para-fieis-pararem-de-fotografar-a-lua-e-gera-polemica-18688/

    • Christiane

      Menino, enquasquetei com a letra de uma de suas músicas, desde que tive uma discussão séria com um amigo da igreja pelo face: “Canção dos imperfeitos”

      “Não sou santo e não sou anjo e nem demônio, eu sou só eu
      Imperfeito, insatisfeito, mas feliz, assim sou eu
      Eu sou contradição, eu sou imperfeição, só Deus é coerente”

      Ele tentou justificar um posicionamento errado, do tipo: “olho por olho”. Quando fui questionar perguntando onde estava o “perdoar 70 X 7″ que Jesus nos ensinou, ele me mandou o “não julgar” na lata e tascou o trecho dessa música. achei de última!!!

      • Jotacê

        Esse refrão é uma aberração relativista, totalmente imprópria de um Padre!
        Christiane, a grande “vaselina” do “católico jujuba” é justamente essa maldita expressão: “não julgar”. Então, para eles e para seu grande líder Fábio de Melo, pode tudo – afinal somos umas cacas mesmo. Só que se esquecem de uma terrífica frase de Jesus: “Portanto, sede perfeitos, assim como vosso Pai celeste é perfeito.” (São Mateus 5, 48) E perfeito, para mim, não quer dizer “relativista”.
        ***
        Sobre o Facebook, vou dar um exemplo: de minha parte, continuo “inscrito”, mas não participo do grupo Jenézu’s Force, justamente pelo mar de “jujubas” que fazem parte daquela bagaça. Você não pode falar um “A” sobre o Favo de Mel ou a TV Canção Nova, que logo é soterrado por uma avalanche de “não julgue”. Haja saco!

        • Christiane

          Amo muito a Canção Nova, mas já vi muita doidice por lá, como o Canção Nova Sertaneja, que a Missa de encerramento é… ui, misericórdia! Então, absorvo o que é bom dou meu pitaco quando não concordo com as coisas. Sei que ela é da Igreja mas não é Santa como a Igreja, tem muita coisa que precisa ser ajustada, mas não nego que é uma arma poderosíssima de evangelização e salvação de almas. Agora incluo o Direção Espiritual do Pe. Fábio no meio do que precisa de uma boa faxina!

  • Carlos Roberto Pereira

    Gostaria que vocês vissem esse vídeo do programa “Viva o sucesso” do Canal Viva (Globosat) sobre o Padre Fábio de Melo: http://www.youtube.com/watch?v=eRnv4thoJMs

  • Ênio

    Apenas uma pergunta: no céu, seremos católicos? Não quero discutir o fato de que a Igreja é divina em sua constituição, isso é uma verdade. Mas entendo as palavras do padre. Acredito que a Igreja foi a maneira com que Jesus fez que continuássemos a segui-lo e lembrássemos Dele quando Ele não mais estivesse visível a nossos olhos. Ele conhece nossas fraquezas. E não esquecendo o que está escrito na bíblia:”Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos.”
    (Mateus 24,5). Neste aspecto que vejo a importância de nos reconhecermos mais como evangelizadores de Cristo, do que como membros da Igreja de Cristo. Mas por favor, não entendam mal estas palavras. Amo minha Igreja, pratico seus mandamentos, vivo-a. Apenas considero o fato de este assunto ser bastante filosófico.

  • Ana Rosa

    Eu sei que a proposta do blog é ser informal, descontraído, brincalhão. Li a entrevista no Zenit, também. Sei que vcs entendem que um linguajar mais teológico, mais sisudo já é usado fartamente nos meios católicos. No entanto, convenhamos: usar o adjetivo escroto foi extremamente, mas extremamente deselegante. Para ser ainda mais enfática: foi uma maneira vulgar de se fazer uma crítica.
    Será que uma alusão (ou menção direta, mesmo) a saco escrotal é algo realmente necessário?
    Vou transcrever o que o Aulete, dicionário consultável gratuitamente na internet, consigna sobre esse “verbete” e percebam que o Vulg. quer dizer vulgar, chulo:

    (es.cro.to) [ô]

    sm.

    1. Anat. Bolsa musculocutânea que contém os testículos.

    2. Pej. Vulg. Indivíduo reles, desonesto e inescrupuloso: Esses juízes de futebol desonestos são uns escrotos, aceitam fazer qualquer coisa por dinheiro.

    a.

    3. Bras. Pej. Vulg. Diz-se de quem ou o que é vulgar, imoral, mesquinho etc.

    4. Vulg. Que é de má qualidade, malfeito, ordinário: Entregou um relatório escroto, que não dá para aproveitar.

    [F.: Do lat. tard. scrotum (bolsa).]

    Read more: http://aulete.uol.com.br/escroto#ixzz2tATFNMni

    Uma coisa é a informalidade, a brincadeira, a linguagem descontraída, simplificada. Outra coisa é o uso de expressões grosseiras, deselegantes, vulgares, num texto em que se pretende comentar a equivocidade, a ponto de serem heréticas, de frases doutrinais de um Padre.
    Sei que a proposta é fazer um blog de “boteco”, e que em botecos as pessoas são grosseiras e vulgares, mas dá pra ser informal sem ser um ogro.
    Minha bronca é grande e, se pudesse, daria um cascudo à lá Seu Madruga em você.
    E não, não sou a bruxa do 71, a Chiquinha ou a D. Florinda.

    • Ana Rosa

      Vcs não vão publicar meu comentário com minha bronca pelo uso da expressão escrota. A bronca foi dura, sim, mas educada e bem-humorada. Bem mais leve, até, que o tom do artigo…

      • Jotacê

        “A entrevista da Marília, que foi a gerou mais polêmica, está longe de ter sido a mais escrota.”
        ***
        Francamente, esse é o trecho que lhe indignou tanto, Ana Rosa? Sério?

        Eu li este artigo sobre o Pe. Fábio de Melo praticamente assim que saiu do forno. E posso afirmar que A Catequista foi muito, mas muito, mas muito respeitosa para com o Padre, pois asseguro que algumas saudáveis ironias, que eu particularmente apoio e considero inofensivas, foram descartadas algumn tempo após o texto ter sido publicado. Sobrou a palavra “escrota”. E, se quer saber, acho que o termo foi até leve, pelo tanto de confusão e discórdia que o sr. Fábio de Melo, em seu narcisismo desmedido, gerou. Eu teria utilizado termos mais pesados. Bem mais pesados.

        • valeria

          OIIII jotace sera que esta colega Ana rosa tem certeza do que esta dizendo???
          É isso mesmo fez tanta questão de ser postado o comentario dela para nos charmar de ogro???

          “Sei que a proposta é fazer um blog de “boteco”, e que em botecos as pessoas são grosseiras e vulgares, mas dá pra ser informal sem ser um ogro”

          Não vi educação não distorceu tudo…

          • Jotacê

            Oi, Valéria! O Olavão de Carvalho definiu bem essa situação onde se cobra uma polidez que não tem cabimento:

            “Sei ainda que, no Brasil, ser polido, inócuo, anestésico, tranqüilizante, é a suprema virtude do cidadão, mesmo nos momentos em que o exercício dela ameace expor a nação inteira, por indolência, comodismo e medo da verdade, a perigos graves e inúteis.”

            Ou seja, se você ver, à distância, algum sonâmbulo se dirigindo para o precipício, e entre guardar silêncio e tentar acordá-lo na base dos berros e palavrões, deve optar pela primeira alternativa – mesmo que ao custo de uma vida. Afinal, educação é tudo.

    • Ana, não estamos preocupados com o que diz o dicionário, mas com o que as pessoas vão entender. Você entendeu o que queríamos dizer? Então está ok. Aliás, há muito tempo a palavra “escroto” não é usada para designar saco escrotal nem nos consultórios médicos. É uma gíria correntemente utilizada. E, mesmo em seu significado original, não é um palavrão. Não vemos motivo para não utilizá-la. Mais uma vez, este blog é absolutamente informal e fala como as pessoas falam correntemente, quando estão entre amigos próximos em um ambiente muito descontraído. Abraço!

      • Ana Rosa

        Ô falta de senso de humor. Sim, o termo é grosseiro. Sim, quis chamar a atenção para isso, para fazer com que se reflita sobre o tema. Sim, fiz de maneira bem enfática. Não, não contestei o conteúdo do texto. Sim, critiquei a forma. Sim, fiz uma brincadeira: ou será que a menção ao cascudo dado por Seu Madruga não segue a mesma linha do texto, que começa dizendo que a afirmação do Padre foi sem querer querendo?
        Eu poderia ter dito: “Ô moça, use a expressão escroto, não”! Mas se fissesse isso, não chamaria a atenção para o ponto que quis levantar: há expressões que podem ser evitadas.
        Sim, em bares as pessoas são desbocadas, são grosseiras e expressões mais grosseirras aparecem.
        Sim, as palavras importam. Não é curioso que o fato de eu ter dito que é possível ser informal sem ser ogro (ou agora ninguém mais se lembra da gíria trollar?) foi imediatamente tomado como se eu estivesse dizendo que todos são ogros?
        Por que seria possível criticar o comentário de Padre Fábio de Melo, tachando-o de escroto e eu não poderia dizer que é possível ser informal sem ser ogro, embora não tenha chamado ninguém de ogro?
        Aí lemos um trecho de Olavo de Carvalho completamente descontextualizado. Por acaso defendi o teor das afirmações do Padre? Por acaso defendi a omissão por amor a polidez? Por um acaso disse que não se poderia criticar ou corrigir? O que o trecho do Olavo de Carvalho quer salientar é aquele tipo de polidez de fachada, mero verniz. Eu estou criticando o oposto: a descortesia por amor à informalidade, o que é desnecessário.
        Estou defendendo a informalidade e também a elegância dos meios empregados, porque é possível ambas as formas. Não é preciso ser formal para ser elegante; tampouco é preciso usar termos mais grosseiros, porque se quer descontração.
        Há expressões que são muito grosseiras e absolutamente desnecessárias. Se vocês se indignaram porque eu disse que era possível ser informal sem ser ogro, embora não tenha chamado ninguém de ogro, quanto mais se eu dissesse que algum comentário havia sido “escroto”.
        É isso que estou dizendo: palavras miportam e fiz uma crítica a uma palavra apenas usada no texto, por achar que é desnecessária.
        Esta resposta é uma resposta a todos os que comentaram. É que juntei todas numa só.

        • Jotacê

          Sim, Ana, de minha parte compreendi perfeitamente suas postagens. E em nenhum momento entendi que você tinha chamado a autora do texto ou seus “defensores” de “ogros”. Você é que está defendendo sua posição de uma forma equivocada, como se estivéssemos pessoalmente insultados – o que nem de longe é o caso.
          Apenas continuo achando que uma mera palavrinha um pouco mais “pesada” é irrelevante perto da tonelada de bobagens que o Pe. Fábio de Melo declarou. E também que esse termo não é nada perto da polêmica e divergência desnecessariamente gerada. Se o sr. Fábio exercitasse menos os tríceps e mais a oratória, tudo isso poderia ter sido evitado.
          E não, a declaração do Olavão não foi usada fora de contexto.
          E, em suma, este é mais um daqueles casos em que se coa o mosquito e engole o camelo. Uma situação escrota.

          • Ana Rosa

            A Valéria pensou que eu estivesse chamando vcs todos de ogros. E vc citou o trecho do Olavo, que dá a entender que estou mais preocupada com a forma do que com o conteúdo. Na minha resposta, eu juntei todos os comentários. E a citação ao Olavo, da forma cono foi colocada, foi pessoal Jotacê. Ele se refere a quem tem uma polidez de verniz, meio acovardada. Eu precisava esclarecer que não era esta a minha posição, tampouco fazia crítica pessoal. Apenas uma crítica à escolha de um termo empregado. Só isso. No mais, concordo que as declaracões do. Padre precisavam de esclarecimento.

  • ALOISIO

    meus parabéns ao site que soube muito bem colocar as coisas em seus devidos lugares, devemos deixar de ser hipócritas e sermos mais corajosos em assumirmos que somos cristãos e ponto final.

  • A expressão “Igreja santa e pecadora” usada pelo Padre Fábio é comum entre os padres, e também bem entendida pelos católicos afinal, “quem diz já está “pronto”, “já morreu e se esqueceu de deitar. ”[música Saudade - Nelsinho Corrêa]. Reitero que o Padre Fábio de Melo é muito amado por seus fiéis seguidores.
    Deus lhe conceda bênçãos sempre.

    • Gêneto eugenio

      Marilda Silveira Dias reitero que ele deveria pensar e pesar suas palavras para que como vc mesmo diz:_”seus fiéis seguidores” aprendam e fiquem com a amada Igreja de Cristo e seus ensinamentos e deixem ele de lado para seguir o Senhor Jesus…
      Paz e bem.

  • Olá Gêneto eugenio!
    Paz e Bem!
    Na nossa família não é comum fazer comentários de padres. Somos católicas de tronco. Rezamos quando acontecem alguns contrastes… Temos uma tia que é freira e já com 97 anos… Também penso que julgar não compete a nós, pois diante de Deus a máscara cai. Deus, único justo e juiz! Não compete a nós. Nós cristão católicos devemos é rezar por todo o Clero. Não se preocupe… Deus cuida do Padre Fábio. Ele nunca admitiu ser perfeito, mas sim um ser inacabado. Ele é assim, sem máscaras. O:) Atenciosamente,

    • Harun Salman

      Marilda, você não leu o post! E isso é desonestidade! Se tivesse lido, já teria percebido que a sua crítica já foi feita antes e muito bem respondida. Orar pelos sacerdotes não significa ser conivente com seus erros. É precisamente porque amamos um irmão que o corrigimos. E o fazemos com espírito de caridade, desejosos da sua salvação. Nossa fidelidade maior é para com a Doutrina Católica, legítimo ensinamento de Jesus Cristo. Não chamar de erro o que é erro, devido a uma noção equivocada de respeito, não é virtude. É omissão. É covardia. É pecado.

  • É uma riqueza insondável este texto de São Paulo: II Coríntios 12,1-10.

    O apóstolo nos fala que, para seu espírito não se encher de orgulho e vaidade, foi lhe colocado um “espinho na carne”.

    Não é possível falar de crescimento humano se antes não falarmos de reconhecimento dos nossos limites.

    O ensinamento de Jesus é sempre o avesso do avesso.
    O ensinamento de Jesus é sempre o avesso do avesso. Quer ser santo?
    Assuma que você é fraco.

    {Trechos da Pregação: [Quer ser santo? Assuma que você é fraco!]Padre Fábio de Melo.

    • Jotacê

      Desculpe a franqueza, mas isso é horrível. Parece letra daquelas músicas lesadas do esquerdista Caetano Veloso.
      Como teólogo, cantor e poeta, o Padre Fábio de Melo me parece um excelente esportista, um fisiculturista realmente esforçado.
      Boa sorte no “Mister Olimpia”, Padre!

    • Harun Salman

      É sempre bom lembrar os ensinamentos do Apóstolo. Muito obrigado, Marilda. Agora, eu peço que você o aplique a si mesma também. Por que você acha que está tão coberta de razão que não precisa sequer ler aquilo que critica? Por acaso a sua opinião, e a do padre, são auto-fundantes? Preste atenção: o Padre Fábio de Mello cometeu um erro. Isso não é motivo para ninguém lhe atirar pedras. Mas também não há motivo para ninguém fingir que isso não aconteceu. Afinal, como eu disse (e você não leu), acima do padre está a Doutrina Católica. Foi para servi-la que ele recebeu o sacramento da ordem. Nós o amamos. E porque o amamos, nós o corrigimos. Para que ele não se perca, nem perca outros. Isso é um dever cristão: valorizar mais as verdades que conduzem à salvação eterna do que as nossas conveniências momentâneas. Eu também oro para que Deus cubra o Padre Fábio de Mello de bênçãos. Peço para ele o mesmo que peço para mim. Inclusive a bênção de ser corrigido, quando eu errar.

  • IDA ROSA

    Olá pessoal…Entrei aqui nesse Blog justamente para ver o que se falava a respeito do Pe.Fábio de Mello…Ao ver no face o que ele disse a respeito de Nossa Senhora fiquei realmente passada…Já tive oportunidades de curtir sua página no face, mas seus posts não me deixaram…Parece que falam mais sobre inveja e coisas pessoais ( podem observar) do que coisas relativas a DEUS…Já vi declarações em entrevistas no mínimo estranho, e agora falando de Nossa Senhora…
    Cresci vendo minha mãe com o rosário na mão, isso para mim tem um significado muito importante e acho que para todo católico também…
    Como deixarmos de lado Nossa Senhora se é através dela que pedimos intercessão junto a DEUS para nossas angústias…
    Vi uma Homilia ou declaração no You Tube do Pe.Paulo Ricardo que ele não se interessava em rezar o rosário, até que depois que o Papa João Paulo II morreu, alguma coisa o fez cair em si e ver a importância que isso representava na sua vida…Esse sim, ajuda os católicos a entenderem o significado que tem esse ato…Disse que quando JESUS estava no sofrimento da Via Sacra, quando caia com a cruz, ao quase se entregar e desistir do sofrimento ELE olhava para sua Mãe Maria e Ela lhe dizia: “Filho, eu estou aqui….” Lhe dava forças para continuar sua caminhada de sofrimento para nos salvar…
    A polêmica existe, mas realmente quando algo nos machuca o coração, que vai ao inverso de que sua fé acredita, que vai contra tudo o que você aprendeu em toda a sua vida, se calarmos, seria abraçar uma opinião que poderia jogar por terra todos os princípios que as pessoas têem…Um comentário foi feito ao Pe.Fábio de um evangélico que gostaria que ele fosse pastor em sua igreja…Realmente, agindo dessa forma, faria pensarmos que ele está na religião errada…
    Já tive ajuda aqui nesse Blog que me elucidou algo muito importante em minha vida…
    Agradeço a vocês por nos darem a chance de dizer o que vai em nosso coração e orientar-nos em vários assuntos…
    Sobre o Pe.Fábio, gostaria que ele fosse muito feliz, sem criar mais polêmicas, é claro…rsrsrsrs…Que DEUS o oriente…Abraços a todos vocês…

  • Nos católicos não adoramos maria, nos a honramos e respeitamos,porque DEUS a honrou primeiro. Devemos como católicos entender o erro do nosso Padre e esquecer esse assunto,os evangélicos estão adorando essas polemicas,eles sim ADORAM criticar os católicos.

    • Harun Salman

      Olá, Patrícia! Eu fico preocupado quando alguém sugere que devemos esquecer esse assunto. Afinal, muitos católicos ainda acham que o Padre Fábio de Mello não cometeu erro algum ou que o que ele disse é algo de pouca importância. No entanto, esse erro cometido por ele, é instrumentalizado para dividir o povo de Deus! A atitude certa é nos mantermos firmes: o padre errou e nosso dever é deixar claro isso. Com espírito de caridade. Orando por ele. Mas firmes na adesão à Doutrina Católica, que não ensina o que o padre disse. De outro modo, trabalharemos pelo inimigo, ok? Um abraço!

    • Roberta

      Não podemos pensar somente no Padre Fabio. Temos que pensar nas pessoas que ouviram suas palavras controversas e ficaram confusas. Os erros dele e de qualquer sacerdote devem ser apontados e esclarecidos. Pior é deixar tudo pra lá e fingir que está tudo ok.

  • caro,Harun! Sim errou , mas porque não perdoar ,ele já reconheceu seu erro, pediu desculpa, quem nunca errou? estou rezando muito por ele.Perdoar e divino.Se fosse comigo gostaria de ser entendida e perdoada, errou, reconheceu,como dizia Padre Léo, isso e coisa do encardido.

    • Harun Salman

      Olá, Patrícia! Claro que nós o perdoamos! A segunda coisa que fazemos, depois de orar por ele (e continuamos orando) é perdoar! Mas porque o perdão excluiria a correção? Não são ambos dois lados da mesma caridade? Uma esposa agredida pelo marido pode e deve perdoá-lo, mas se ela não registrar queixa-crime contra ele o mais provável não é que ele se emende, é que ela seja morta de tanto apanhar! Uma mãe que se limite a perdoar seu filho drogado, mas não o leve para tratamento de desintoxicação, não o verá se corrigir espontaneamente, mas será cúmplice de sua autodestruição. Eu de minha parte, prefiro ser considerado antipático, do que minimizar um erro de um irmão, arriscando perder sua alma. Não façamos o jogo do inimigo, minha irmã! Não atenuemos a Doutrina Católica para agradar ninguém. Não chamemos de bom o que é ruim e de ruim o que é bom. Não nos esqueçamos de nosso dever de correção fraterna! Um grande abraço!

  • Karina

    Gente é post demais sobre Fashion de Mello. Apenas rezemos por ele, e muito. Muito. Muito.

  • vitoria

    eu porem não sou católica sou evangélica mais sempre acompanho TV Canção Nova pois é um ótimo programa .
    mais eu não quero julgar ninguém pois não sou Deus,admiro muito o padre Fabio de melo, mais acho que ele passou pelo um deslise,no programa altas horas,ele
    deveria ter ficado neutro sobre o assunto,pois é melhor ouvir do que falar…
    eu acho que ele deveria ter afastado mais da mídia da tv…pois ele quis se expressar e simplesmente se enrolou todo…
    espero que Deus abençoa ele e lhe der mais graça e sabedoria divina.fica na paz povo abençoado…

    • Harun Salman

      Olá, Vitória! Não. O padre não deveria ter ficado calado, pois isso seria cumplicidade com o erro. E isso não é papel de um cristão. Ele não precisava participar do programa, mas, se resolveu participar, por que seu testemunho deveria ser parcial? Por que ele deveria auferir os benefícios de divulgação do seu trabalho na mídia, mas não deveria ter o cuidado de dar testemunho responsável? Não! Não sejamos cristãos mornos! O padre errou. Oremos por ele. Perdoemos. Mas deixemos claro que ele errou e precisa ser mais responsável em suas declarações. Um grande abraço!

  • IDA ROSA

    Harum Salman, você é muito sensato…Parabéns por sua explanação…Esse blog não só esclarece, como ensina, elucida, tira dúvidas…Obrigada por vocês existirem…Precisamos de quem defenda as verdades da Igreja, pois as pessoas confundem muito, às vezes por falta de informação…
    Abraços a todos…

    • Harun Salman

      Gentileza sua, Ida. Como eu disse à Valéria, no dia 24 de janeiro: todos nós somos a Igreja, todos nós devemos defendê-la. Ouvi gente comentando que ninguém deve criticar um padre porque isso seria desobediência. Ou que só os seus paroquianos poderiam reclamar. Mentira! Por caridade, eu não uso as palavras que essas pessoas merecem ouvir. É uma gente covarde, que fica se escondendo por trás de um humilitarismo santarrão para não cumprir com suas obrigações de defender a obra de Nosso Senhor! Oremos. Perdoemos. E sejamos firmes na adesão à Fé Católica, legítimo ensinamento de Jesus Cristo, fora da qual NÃO há salvação! Um grande abraço!

  • Débora

    Sinceramente acho que o que aconteceu com o Padre Fábio, foi que ele se perdeu em um jogo de palavras. Ressalto aqui que gosto dele, que suas palavras já me ajudaram em momentos difíceis. Mais quem acompanha suas pregações sabe que ele gosta muito de “frases de efeito”, palavras bonitas e emocionais. Pelo que vi da entrevista, mais uma vez foi isso o que ele tentou fazer, só que dessa vez deu errado de uma forma estrondosa. Mais como alguém já disse de aqui, de todo mal Deus tira um bem. Creio que isso o leve a reflexão: será realmente necessário a um sacerdote tanta exposição na mídia? Ainda mais esse tipo de mídia? Se não me engano é a segunda vez que ele vai ao programa da Marília, realmente era necessário? Ele já reviu suas posturas, e ao meu ver saiu melhor.

    Basta lembrar depois da reportagem da Veja (que detonou com ele) como mudou sua forma de se apresentar em público. Ao sair da Som Livre e optar pela Sony e ao decidir gravar na Canção Nova um cd voltando a sua essência católica. Prefiro acreditar nesse incidente como uma purificação(apesar de concordar plenamente que a afirmação dele foi infeliz, como ele msm admitiu). Então rezemos, pq como o próprio texto citou o tal Alfred, foi excomungado pq não quis admitir seu erro, e muito menos teve a humildade de pedir perdão o que o Padre Fábio já fez. Paz e serenidade a todos.

  • Erick

    Se fosse excomungar todas os lideres religiosos que em algum momentos falaram alguma coisa, não restaria ninguém… O Padre Fábio é um sacerdote muito usado por Deus e com o seu ministério ajudou e ajuda muita gente com suas homilias e pregações. Nós católicos precisamos tirar do nosso coração a inveja, a arrogância e a nossa vaidade. Amar ao próximo, é isso de o Nosso Deus Jesus Cristo nos ensina. Deus abençoe a todos.

    • Jotacê

      Quer dizer que corrigir fraternalmente um sacerdote é ter “inveja, arrogância e vaidade” no coração? Desculpe, Erick, mas pelo visto você não entendeu nada do artigo. E também não percebeu a gravidade das declarações do Padre.

    • Harun Salman

      Erik, eu creio que o Santo Padre usa dessa compaixão para não “sair por aí, distribuindo excomunhões”. Mas, como foi deixado claro no post e em vários comentários – cuja leitura eu recomendo – amar o próximo não quer dizer fechar os olhos para os seus erros, é antes o contrário: é amá-lo tanto que não queremos vê-lo se perder, por isso corrigimos! Um abraço!

  • Rodrigo

    Os protestante estão usando este vídeo para atacar a igreja católica, e muitos católicos concordam, onde vamos parar meu Deus?
    https://www.facebook.com/photo.php?v=568184223278151

  • Raimundo Filho

    Olá,

    Infelizmente esse pensamento “bairrista”, e de superioridade sobre todos, é que lasca o “catolicismo”, se perde muito o foco da devoção à Deus, com picuinhas “diferenciais” em relação aos outros. O “amai uns aos outros”, mais parece um “amar meu semelhante” aos outros o inferno…

    Cuidado meu povo, vamos ser católicos para nossa alma e catequizar pelo exemplo, não pela força… Senão corremos o risco de cair em erros pretéritos, vide as cruzadas!

    Sejamos fraternos e de bem com todos nossos irmãos, sejam eles católicos ou não, e vamos ter devoção a nossa intercessora Maria, mas não como o centro de nossa religião… Vislumbremos sempre o bom Deus antes de tudo, que é quem nos suporta e nos vale sempre!

    Um grande abraço a todos!

    E sejamos também o “Favo de Mel” do mundo e não o Fel dele!

    Boa Páscoa!

    • Jotacê

      Raimundo,
      - Quem disse que o foco deste artigo e das discussões que o seguiram eram a superioridade de um seguimento do Catolicismo sobre o outro? Você leu o texto?
      - Quem disse que as Cruzadas foram um erro? Menos “History Channel” e mais leitura de livros sérios, por favor.
      - Quem disse que os Católicos tem como centro da Fé a Virgem Maria, e não a Trindade (embora alguns teólogos digam que, de certa forma, Maria está sim no “centro”, por estar junto a Jesus).
      Menos “jujubice” e mais raciocínio. Por favor.
      E boa Páscoa para você também.

Deixe uma resposta

  

  

  

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>