Especial Heresias – Solta o Jenézu!

jenezu

Jenézu, a “arma secreta” da página Escolástica da Depressão na luta contra os hereges.

O Jenézu é um cara tranquilaço. Ele sempre mantém o bom humor e a expressão plácida, mesmo diante das situações mais irritantes e desgastantes. Só duas coisas fazem explodir a ira santa desse homi: esculhambações na liturgia e heresias.

E, por falar em heresias, muita gente anda usando essa palavra de modo leviano, xingando qualquer um de herege pelo simples fato de pensar de modo diferente do seu. Soltam o Jenézu sem mais nem menos, banalizando a sua importante função tática.

Também tem quem confunda heresia com sacrilégio (desrespeitar o que é sagrado), com cisma (recusa à obediência ao Papa), com apostasia (abandono total da fé católica) ou com incredulidade. Não é nada disso!

Para esclarecer esse tema, resolvemos publicar uma série de artigos. Hoje, vamos abordar: o que é heresia? Bora pedir um S.O.S. Catecismo!

§2089 “Chama-se heresia a negação pertinaz, após a recepção do Batismo, de qualquer verdade que se deve crer com fé divina e católica, ou a dúvida pertinaz a respeito dessa verdade.”

– Catecismo da Igreja Católica

Ou seja, se o sujeito é batizado e, mesmo tendo sido advertido sobre seu erro, ele teima em duvidar ou negar uma verdade da doutrina católica, então ele é herege. É preciso notar que tal verdade deve ser parte da Revelação divina, ou seja, um ensinamento de fé ou moral que a Igreja declarou estar contido na Bíblia ou, então, que tenha definido em seu magistério infalível.

Um católico que, por desconhecimento, diga algo contrário à doutrina, esse não peca; ele erra por ignorância, e não com a intenção de afrontar a Igreja e as suas autoridades.

Os protestantes pecam por heresia? Depende do seu nível de consciência (e se for validamente batizado). Se um crente, por exemplo, nega a presença real de Cristo na Eucaristia porque foi educado no erro, ele pode ter sua culpa amenizada. Mas se em algum momento, no fundo de seu coração, surge a dúvida sobre isso e ele não tem a coragem e a honestidade de ir atrás da verdade, então existe culpa. Infelizmente, muitos preferem se manter confortáveis em suas “certezas”.

Hereges existem desde os tempos das comunidades cristãs primitivas. São Paulo, por exemplo, combateu os erros daqueles que, na comunidade de Corinto, diziam que os mortos não ressuscitariam no Fim dos Tempos (I Cor 12-14).

Ao longo dos séculos, novas heresias surgiram, cada uma mais criativa e viajante do que a outra. Todas causaram muito estrago, mas nenhuma delas derrubou a Santa Igreja. Os servos e santos de Deus, com oração, penitência e um duro trabalho de apologética, vão chutando essas macumbas pra bem longe do povo de Deus.

Apologética? What? Taí mais uma palavrinha pro seu vocabulário, anota aê: fazer apologética é demonstrar a verdade da doutrina, rebatendo as teses contrárias. É uma defesa intelectual contra o ataque de nossos adversários. É Hadouken nus eréji!!!

Vamos propor agora um teste de conhecimento. Preparado? Aponte quais dos personagens abaixo é herege:

A) Dr. House – diz que Deus não existe e ameaça fazer um exame proctológico em quem diz o contrário.

dr_house

B) Padre excomungado de Bauru – segundo ele, chifre acordado entre o casal não é chifre, é enfeite. Se a pulada de cerca for feita em comum acordo, então tá belê. Nega que toda a Bíblia seja inspirada por Deus.

bauru

C) Raiane Dandara – em uma viagem turística ao Marrocos, conquistou o coração de um árabe milionário. Repudiou a fé católica, converteu-se ao Islã e hoje vive cheia de ouro. Insha’Allah!

mulher_arabe

D) Frei Bé – diz que todo comunista é cristão e que todo cristão é comunista. Defende as práticas boiolísticas e sapatólicas, e diz que a Igreja não tem direito (!!!) de condenar eçe amô.

frei_be

E) Padre Rarlei DêivisonBorn to be wild. Na procissão de entrada da missa, ele chega like a boss.

padre_moto_igreja

F) Sadhu Filipinho – Asceta hindu. Jura que é a reencarnação do Leôncio, aquele, do desenho do Pica-Pau.

hindu_sadhu

No fim deste post, confira o “gabarito” e veja se você sabe identificar um herege, ou é daqueles católicos patrulheiros que veem “hereges, hereges everywhere”.

Denunciar as heresias é tarefa, principalmente, do Papa e dos bispos. Quando a Igreja levanta a voz contra os hereges, ela é como uma leoa furiosa, que ruge contra aqueles que ameaçam a vida de seus filhotes. Trata-se de uma grande CARIDADE. Afinal, se é a verdade que nos liberta, como poderão se salvar aqueles que são seduzidos pela mentira? Por isso, os santos disseram sobre os hereges:

“Previno-vos contra bestas com forma humana, a que não só não deveis dar acolhida, mas também, quanto possível, nem sequer encontrar-vos com eles; apenas rezai por esses tais para que, quiçá, se convertam, embora seja difícil (Santo Inácio de Antioquia, carta aos cristãos de Smirna)

Aos hereges se há de chamar pelo seu nome, para que produza horror até nomear aos que o são e não se cubra o veneno mortal com o véu de um nome salutar.” (Santo Inácio de Loyola, Cartas de Sto. Inácio de Loyola III, Edições Loyola, 1993, p. 102).

Hoje, trataremos da definição do termo “heresia”. Nos posts futuros dessa série, explicaremos as principais heresias que sacudiram a Igreja: nestorianismo, arianismo, modernismo… entre outros lixos. Acompanhem!

*****

Agradeço ao amigo Diogo Linhares, que me ajudou na produção desse post. Ele é aluno de Teologia da faculdade de São Bento (Rio de Janeiro) e escreve no blog Campos de Batalha. Quem quiser saber mais sobre o conceito de heresia, acesse o post “Herege é ajudante do Diabo”, do blog Tradição em Foco com Roma.

*****

Ontem, Deus nos deu a graça de alcançar 100 mil likes no Facebook. Agradecemos a todos os que nos leem, aos que divulgam os posts, aos que nos ajudam a corrigir eventuais erros nos textos e aos que enviam mensagens de alento, de incentivo e de bênçãos.

100_mil_likes

Resposta do teste: opções B e D.

As demais opções não apresentam hereges. A é ateu; C, apóstata; E, sacrílego; F, pessoa de outra religião.

86 comments to Especial Heresias – Solta o Jenézu!

  • Juliano

    Eu respondi A e D. Pensei que um ateu convicto fosse herege também, e que a letra B fosse um sacrilégio por parte do Padre de Bauru. Curioso é que as duas situações heréticas surgiram justamente, e infelizmente, com padres.

    • A heresia, Juliano, só pode vir da parte de alguém validamente batizado, e que não tenha rejeitado toda a fé da Igreja.
      Por exemplo, se uma pessoa hindu fala que Cristo não é Deus, isso não tem potencial de causar grandes danos ao povo de Deus. Mas se tal erro vem do seio da Igreja, de um de seus membros, os demais católicos podem ser tentados a pensar que o erro é verdadeira doutrina.
      Daí o grande perigo das heresias.

  • Sidnei

    Entendi o questionário:
    A) É ateu
    C) Não é mais católica, renegou, e partiu para o islã
    E) Apesar de fazer bobagens, mas se não ensina nada ao contrário que a Igreja ensina, não pode ser considerado como herege, mas, é bom ficar de olho, pois esta a via de ser se continuar fazendo estas bobagens.
    F) É hindu.

    B e D) São católicos, continuam católicos, mas, ensinam o contrário do que a Igreja prega, persistem no erro, embora somente um dos dois fora advertido e depois excomungado, o outro, esta lindo, belo e solto continuando a falar e ensinar o contrário da Igreja, e o que me consta, até hoje não recebeu nenhuma advertência e parece que tão cedo, não recebera, o que é lamentável, restando apenas a nós católicos continuar a denunciar os seus erros e dizer a todos os católicos em alto e bom som, o cara é um herege.

  • Noooossa Senhora! Não é por nada não, mas é que lá na Paróquia tem herege everywhere MESMO! kkkkk

    Muita gente que se diz Católico, participa de Pastorais, grupos de oração, dá palestras e tal, mas que NEGA VEEMENTEMENTE algumas verdades da nossa fé! Pode?!

    E não é questão de que se achar melhor do que eles, que só quero ser o santo, e coisa e tal, como dizem (e podem vier aqui dizer alguns), mas sim, de mostrar o erro e o cara ainda dizer que não, que ele pensa assim e assado, e isso é “rigorismo” da Igreja!

    Tipo, “eu sou Católico, mas esse negócio que a Igreja ensina é muito rigoroso… Meu negócio é a ‘oração’!!!”

    Procuro agora fazer como Santo Inácio: só rezo…

  • Lia

    Participei de uma missa nesse fim de semana e fiquei abismada com a reação do Padre. Antes da comunhão ele anunciou a todos que todas as mulheres que estivessem com blusa sem manga não deveriam comungar e que, a partir de Fevereiro, a comunhão seria RECUSADA para qualquer mulher que estivesse vestida assim.
    Eu concordo que deva ter um cuidado com o que vestir, mas que eu saiba o Padre ou qualquer Ministro da Eucaristia não tem o direito de recusar a comunhão a ninguém, até porque existem pecados muito mais graves que o uso de uma blusa sem manga, que no final das contas o Padre nem sonha hehehehe
    A minha pergunta: esse Padre cometeu uma heresia?

    • Oi, Lia!
      Quanto à orientação, esse padre está correto. A Igreja ensina que a que a mulher deve estar vestida com especial recato para a missa. E, se o padre entende que esse especial recato requer blusa com manga (o que não é nada demais, não é nenhuma exigência absurda), então ele deve ser obedecido com boa-vontade pelos paroquianos.

      Não sei se o padre, ao dizer isso na missa, o fez de forma gentil, educativa, ou se falou com rispidez, o que, na minha opinião, não seria muito adequado. Erros assim requerem atitudes de esclarecimento, e não de dura repreensão, penso eu. Mas o fato é que ele está certo na orientação. E, aliás, gostei dele ter dito que só recusará a comunhão só a partir de Fevereiro. Assim, dá tempo pra notícia se espalhar e pra toda a comunidade ficar ciente e se adaptar.

      Sim, o padre tem o direito de recusar a comunhão a uma pessoa, em alguns casos específicos previstos no código de direito canônico. Você até me deu a ideia de fazer um post sobre isso.

      Claro que existe pecados muito mais graves do que usar blusa sem manga na missa. Aliás, às vezes a pessoa vestida assim nem está pecando, se não tem ainda o devido conhecimento sobre o traje ideal para a missa. Mas, não é por ser um erro de menor gravidade em comparação a outros, que deve ser ignorado. Tendo sido advertida por uma autoridade da Igreja – nesse caso, o sacerdote – resta à pessoa a humildade de acolher e obedecer com amor a orientação do padre.

      • Lia

        Confesso que na hora fique tão assustada que nem fui comungar, fiquei com medo de ser recusada, e olha que eu estava totalmente vestida, só não estava com uma blusa de manga.
        Também, a forma como ele falou foi muito ríspida, esqueceu totalmente da correção fraterna, o que, na minha opinião, acaba afastando as pessoas da Igreja, ao invés de educar.

        Obrigada pelo esclarecimento! =]

      • Thais

        Olá, catequistas e Lia!
        Ia comentar outra coisa neste post mas, o comentário da Lia me trouxe a mente algo que tenho visto em muitos blogs católicos: a questão da vestimenta adequada para participar da Santa Missa e também para o dia a dia. A Igreja tem alguma recomendação explícita quanto a isso? Sempre fico preocupada e, claro acho que devemos usar o bom senso porém, tenho visto tantas normas sendo espalhadas por aí que fico assustada e na dúvida. No meu caso, não uso roupas curtas ou muito decotadas e costumo prestar atenção em não usar blusa sem mangas para ir a Missa e me deparo com blogs dizendo que devemos usar apenas saias ( bem compridas) e blusas de mangas tão longas quanto as saias.
        Enfim, fica a sugestão de post.
        Deus abençoe o apostolado de vocês! =]

    • Sidnei

      Tá, mas me tirem uma dúvida, blusa de manga, seria uma blusa de maga comprida ou curta, porque no verão que temos, as mulheres e até nós homens ir de blusa de manga comprida, é para pedir para sr doido, em dias muito quentes, daqueles de derreter catedrais, eu vou como uma camisa de manga curta como sempre (de regata nem pensar, isto só em casa ou na praia) e uma bermuda até o joelho, mas isto se estiver um calor infernal, indo desta maneira eu estarei quebrando o recato, ou daqui em diante mesmo com aquele calor de rachar vou ter que imitar os crentes e ir não somente de calças compridas, mas de terno, gravata e a Bíblia de baixo do braço?.

      • Sidnei,
        Na entrada da Basílica de São Pedro, no Vaticano, tem uma placa mostrando as roupas apropriadas. Pede-se camisa de manga curta, para homens ou mulheres. No Brasil, opinião minha, acho bermuda até os joelhos muito razoável para os homens, desde que não façam nenhum serviço no altar (leitura, por exemplo). Mas para entrar na Basílica de São Pedro, não aceitam homens com bermuda.

        • Sidnei

          Obrigado pelo esclarecimento, fico mais tranquilo quando em um dia o qual o calor for insuportável e ter que ir a igreja, eu possa ir de bermuda até os joelhos e tênis e meia até as canelas, os padres nunca me botaram para fora da igreja por causa disto, nem eu e nem mais outros homens que também costumam em dias de calor ir assim à missa. Quanto a entrar na basílica de São Pedro de bermuda, isto nunca vai acontecer porque ir até lá esta longe de minhas possibilidades financeiras, mas, se algum dia eu puder ir, já fica a dica, e é bem adequando proibir alguém de entrar de qualquer jeito mesmo dentro daquela basílica, não combina mesmo uma basílica linda daquela com homens de pernas peludas de fora desfilando pra cá e para lá.

          • Lucas Farias

            Essa discussão sobre vestimenta me lembrou um caso ocorrido comigo há pouco tempo. Aqui em Recife há um parque, parque da Jaqueira, que possui uma capelinha. Num determinado sábado, fui passar a manhã neste parque. Dia de sol, Recife já vivendo o ” verão “, fui de bermuda na altura dos joelhos, tênis e camisa regata.
            Só ao sair de casa lembrei que no sábado pela manhã tem Missa na capela… Não quis entrar, não me sentia vestido corretamente. Fiquei participando da Santa Missa de pé, na porta da Igreja.
            Quando já estava por volta do Evangelho, sol começando a bater de frente para a Igreja, uma senhora , ministra da comunhão eucarística, veio falar comigo, me convidando a entrar. Expliquei que não estava bem vestido: bermuda, camiseta regata..
            Mas ela de uma forma bem doce e amável falou: ” Meu filho, aqui é um parque. Jesus entende.. Entre, sente-se e saia do sol ”

            Bem…
            Participei do restante da Missa, dentro da Igreja, mesmo estando de bermudas e camisa regata..

        • Gabriel

          “Não sei se o padre, ao dizer isso na missa, o fez de forma gentil, educativa, ou se falou com rispidez, o que, na minha opinião, não seria muito adequado. Erros assim requerem atitudes de esclarecimento, e não de dura repreensão, penso eu.”
          Não necessariamente, Vivi, o próprio São Pe Pio talvez estivesse fora desse seu conceito, às vezes uma correção ríspida impressiona mais e é necessária, a falta de modéstia nas Igrejas ta um caso grave.
          Ps: sou IMENSA e COMPLETAMENTE contra nós homens irmos de bermuda!!!! Se vc fosse a um tribunal, ou a um casamento, mesmo com calor, não iria sair no mormaço DE TERNO? Então pq na Missa não pode fazer um mínimo sacrifício de usar uma CALÇA e camisa de manga curta? Flexibilização demais, mais que isso é desnecessário… Imagine os paramentos do padre com mil e uma camadas, veja se ele não tá sofrendo mais que você…

      • Christiane

        Bom, eu moro em Belém do Pará, o supra-sumo do calor úmido dos trópicos, só perde pra Manaus. E nunca vi homens indo à Missa de bermudão aqui, exceto os turistas que vão visitar a Basílica Santuário de Nazaré e a catedral da Sé. Muito raro isso por aqui. Tá que faz calor, mas o que é um pequeno sacrifício desses para honrar a casa do Senhor, para mostrar que é um encontro especial? E mais, boa parte das igrejas já possui ar-condicionado e as que não possuem têm ventiladores. Sinceramente não vejo diferença, nesse aspecto, entre Basílica de São Pedro e a minha paróquia, pois é o mesmo Jesus, o mesmo Rei e Senhor que está presente, tanto no templo suntuoso quanto na humilde igreja de alvenaria. Do mesmo jeito que me preocuparia em me vestir adequadamente lá, me preocupo aqui.

        • Sidnei

          Christiane, você diz isto porque é mulher e vosses mulheres podem ir de vestidos, mas nós homens, temos que sofrer sempre com calças compridas, seja em igrejas ou no trabalho, eu sei que as igrejas tem ar condicionado e ventiladores, mas tem horas que o calor é tanto que nem isto dá conta. Você é aí do Pará, vocês já são acostumados com o calor que faz aí o ano todo, mas, eu sou aqui do sul do Brasil de Santa Catarina, e o verão aqui é sempre amenas, porém quando a temperatura eleva um pouquinho já todo mundo sente. E quanto JESUS se preocupar com o que vestimos, desde que seja de forma recatada, acredito que ELE não se preocuparia se eu chegar a Igreja em um dia de calor com uma bermuda até os joelhos e meias até as canelas, se não me engano, eram assim que os homens no século XVII até o XVIII vestiam, porém se eu sou dono de uma casa e exijo que as minhas visitas venham em dias de calar de calças compridas e terno e gravata, as minhas visitas vão me achar um chato, e talvez, nem venham me visitar. E quanto ao sacrifício e penitência, não se preocupe, assisto todas as missas, seja no verão ou no inverno, sempre em pé, uma vez ou outra que me assento, porém, quando a igreja esta quase totalmente vazia, ou estiver muito cansado, mas quando não há isto, assisto em pé e nem me importo se for a missa da vigília da Páscoa.

          • Philipe Lucas

            Sidnei,
            desculpe discordar, mas não é o fato dela ser mulher para achar isso.

            Acredito que não devemos ir de bermuda. Entendo se vou para a missa tenho que ir de modo apropriado e não acho que bermuda e camiseta o sejam.

            No trabalho, escritório principalmente, não entramos de bermuda. Na prefeitura ou na câmara municipal, num tribunal também não, esteja fazendo o calor que seja, porque não posso ir de calça cumprida e uma camisa? Acho que nem é tanto sacrifício assim.

            Quanto as mulheres, acho que é bom prestar atenção ainda a decotes e roupas justas…

            Sou homem, tenho quase 2m e mais de 100kg. Sou daqueles que sente calor no inverno e soa até em ambientes refrigerados, e moro no RJ.

          • Sidnei

            Lucas, eu já disse que nunca fui de regata para uma missa, e nem vou, regata é para praia e em casa, numa igreja, nunca, a não ser que esta de passagem como turista e entra apenas para dar uma olhada, e isto ainda quando não há missa, e quanto a bermuda, também coloquei e até o pessoal do catequista achou bem razoável, uma bermuda até o joelho e com tênis e meias até a canela, ou seja, o que fica de fora, apenas uma parte da canela, e nada mais que isto, e ainda, quando esta um calor insuportável, e somente nisto, e sabe quanto vezes isto acontece, rarissimas vezes. Só falta agora e nós católicos sermos como os crente, ter que ir de terno e grava para a igreja, mesmo em dias infernais, haja desodorante e água de cheiro para depois espantar o mau cheiro.

          • Sidnei

            Há, só mais uma coisa, quando disse para a Christiane que elas são mulheres e por isto podem usar vestidos para amenizar o calor, fale o isto em tom de brincadeira, se ofendi alguém , principalmente a Christiane, peço desculpas.

          • Philipe Lucas

            Sidnei, não disse que voce vai, só expus o que penso sobre ir de bermuda (e determinados tipos de camisetas…)

            A roupa, bem ou mal, simboliza o quanto entendemos e respeitamos o que vai acontecer no evento que participamos.

            Acredito que a Igreja não determinou que a roupa tem que X ou Y em função, também, do nível de conhecimento do Cristão. Quanto mais ele entende, mais ele ama, e menos ele precisa de uma regra positivada pois ele agiria de maneira mais próxima do ideal. Do mesmo modo, serve para não afastar aqueles que estão chegando na Igreja e poderiam encontrar nisso um empecilho.

            Espero que fique claro o que falei, as vezes me enrolo na hora de explicar…rs. Aos poucos agente melhora.

            Quanto a brincadeira, acho que não houve ofensa (mas não parecia brincadeira, rsrsrs).

          • Lia

            Resumindo: bom senso.
            Acredito que nós devamos nos vestir de forma respeitável, sem decotes, roupas coladas ou muito curtas. Mas também sem exageros, como blusas de manga longa, saias até os tornozelos e golas rolês.
            Tenho certeza que Jesus é muito mais compreensível do que muita gente pensa.

  • Mônica

    Muitas pessoas estão dentro da igreja e pregando o contrário do que diz nossa fé. Às vezes sinto que as pessoas querem amenizar, têm medo de bater forte a favor da castidade, por exemplo, de falar das renúncias que todo cristão deve fazer pra seguir a Cristo, principalmente quando se está falando com jovens, porque tem medo que se afastem. Não podemos ter medo de falar a verdade, devemos agir com amor sempre, mas com a consciência de que faltar com a verdade é faltar com a caridade.

    • André

      Verdade. Algumas coisas são difíceis de dizer, mas quem trabalha na Igreja não trabalha pra si, mas pra Deus (pelo menos esse é o ideal). Se o “dono do negócio” instituiu uma regra, quem são os “funcionários” para modificarem a regra para tornar o “negócio” (supostamente) mais atraente?

      Acho que o prolema é de fé. Muitos “funcionários” duvidam que a regra tenha vindo realmente do “dono” ou ele se importe.

  • Beth L.

    parabéns pelo site, merecem cem milhões de curtidas!
    ótimo texto, como todos! agradecida!
    Deus abençoe seu trabalho e os torne melhores a cada dia!

  • marcos

    Parabéns pelo site eu vejo aqui o devido cuidado e valores Católicos, principalmente na Liturgia. Sou fã desses SHOFÉNS MARAVILHOSOS E CORAJOSOS!!!

  • Christiane

    Já compartilhei no meu face! Nossa, como tem hereges dentro da nossa paróquia… até dentro da minha família, meu Deus!

  • João Nunes

    Qual a primeira heresia que se tem notícia (seja em ambiente judeu seja em ambiente cristão)? Ouvi dizer que foi um termo cunhado por algum padre primitivo da Igreja Católica ou por um dos grandes Padres Apologistas e, portanto, era um termo que não existia, qual é, portanto, o significado etimológico da palavra…ouvi dizer (mais uma vez, rsrs) que herege é algo como “aquele que escolhe”…

  • JOÃO APOLONIO BESERRA

    E por falar em padre, certa vez participei de uma Santa Missa, quando na hora do Sermão, o padre disse:
    “Olha vocês encontram Deus em qualquer lugar, menos aqui na Igreja”. Quando ele terminou de falar isso, senti uma punhalada pelas costas, quase me levanto para debater com ele, mas vi que ele só queria provocar. Como ninguém disse nada, ele prosseguiu.
    Resultado, depois desta e outras que ele pregava, está suspenso de suas atividades sacerdotais.
    Talvez por causa de padres como esse e os Bé da vida ainda aconteçam escândalos em nossa Igreja.

  • Felipe dos Anjos

    Em minha paróquia existe um católico praticante, jovem, muito católico, conhece o catecismo. E esse mesmo acusa o atual papa de ser o anti Cristo sitado na Biblia. Diz que ele é ocultador da verdade, ele defende os gays e nao os julga. Ele fala mais algumas coisas ainda mas nao me recordo agora.. e ae Igreja, o que me diz disso? rs

    • Felipe,
      Se seu amigo não tem problema mental, ele é herege.
      Sim, o Papa Francisco defende os gays, da mesma forma que o Catecismo defende. Ao mesmo tempo, o Papa diz que a prática dos atos homossexuais é pecaminosa. Ele não julga os gays, da mesma forma que não devemos julgar. Apenas devemos ter uma noção clara do que é certo e errado, e lutar contra a imposição da ditadura gay, que quer que nossa sociedade apoie como algo moral aquilo que é imoral.

  • Jéssica

    Amei este post!

  • Então, eu sou herege. Porque mesmo sendo Católico praticante, eu respeito a sexualidade alheia. Lógico que não concordo com muita coisa do público LGBT, mas não vejo ninguém criticando aquele cara da igreja que é “pecador e comedor” (me desculpem os termos). Aquele que não respeita a castidade. Acho que deveríamos ter essa crítica, mas infelizmente a maioria pensa que é melhor ele ser o comedor, do que gay (não estou dizendo que a igreja e os servos façam isso, mas a maioria dos fieis, pra não dizer quase todos, fazem isso. Pregam isso, mesmo que subjetivamente). E no momento que vocês usam as palavras ” práticas boiolísticas e sapatólicas” desrespeitam eles em todos os sentidos. Os chamam de algo inferior, algo que não merece um pingo de respeito. Eu sei sobre os nossos ensinamentos sobre o casamento homossexual, também não concordo. O casamento no civil é outra questão. Mas o respeito deve existir! Não adianta falarem que não foi desrespeito ou se retratarem com palavras bonitinhas, porque foi e ponto. Vocês sabem que MUITOS dos fieis de nossa juventude são, então por que não respeitar, não dar apoio (não no sentido de aprovar, mas de acompanhar e aconselhar)? E quanto esses comedores que não são destratados ao desrespeitarem a castidade?

    Galera, não falo isso por confusão, mas porque eu quero respostas. Estou aqui para aprender, por isso questiono o que não entendo. Aguardarei uma resposta de vocês! Me desculpem qualquer coisa e fiquem com Deus!

    • Mateus,
      Não me parece que você seja herege, rsrs, ao menos eu não identifiquei nada herético em seu comentário.
      Você se incomodou com alguns termos que utilizamos. Entendo, mas não sei se deu pra notar, o nosso blog tem um forte viés de HUMOR, e é muito pouco – ou nada – comprometido com a ditadura do politicamente correto. Aliás, costumamos dizer que fazemos catequese como quem papeia no boteco. E, quem está entre amigos no boteco, não costuma ser extremamente polido com as palavras.

      Aliás, temos muitos leitores gays que trocam mensagens conosco, e eles não parecem se incomodar com nossa linguagem, assim como você está se incomodando. Outro dia, vi uma entrevista com o David Brasil, no CQC. Perguntaram a ele se ele ficou chateado quando o Silvio Santos perguntou se ele era viado, porque muitos fãs do David ficaram revoltados e até queriam que ele processasse o Sílvio. Sabe o que o David respondeu? Que ele ama o Sílvio, que ele podia chamar ele do que quisesse, e quem reclamou tava de viadagem! ahuahauha!

      Quanto aos que você chama de “comedores”, é só olhar na nossa sessão “Séquisso e pegação”, à esquerda desta página. Temos vários posts criticando essa postura. Veja, por exemplo, o “Pescando sereias na rede de Jesus”:
      http://ocatequista.com.br/archives/2614

      Fique com Deus também! Abraço!

    • Tecnicamente, é menos ruim ser galinha do que praticar atos homossexuais. Quem é galinha peca contra a castidade, e se for casado comete adultério, mas quem pratica um ato homossexual peca contra a própria natureza. Ambos são pecados graves, mas por um “detalhe técnico” a prática homossexual acaba sendo mais grave.

      Vale lembrar também que a tendência homossexual não é pecado, mas o ato. Se um homossexual sente a atração pelo mesmo sexo mas reconhece que não deve fazê-lo e mantém a castidade, não podemos dizer que essa pessoa está em pecado, devemos antes ajudá-lo a vencer essa provação com nossas orações e nosso apoio. Está no Catecismo, olhe lá.

      Sobre as palavras, esqueça o politicamente correto, que só serve para patrulhamento ideológico.

      • É exatamente isso, Fabão. O que você disse comparando pecado contra a castidade e atos homossexuais está em perfeito acordo com a doutrina da Igreja. Obrigada pelo comentário!

      • Rodrigo Freitas

        Mas não se esqueça que se a “galinha” der ré no kibe,( sexo anal) como fazem os homossexuais, também pecam contra a natureza. Só um pequeno detalhe…a meu var não existe “sexo anal” no sentido estrito da palavra posto que o ânus não faz parte dos aparelhos sexuais. Isto posto creio que se trate de masturbação no ânus alheio, o homem masturbaria seu genital na “cloaca” de sua companheira, ( ou companheiro ).

  • Gêneto eugenio

    100.000 Likes.
    Parabéns a todos da equipe oCatequista, número realmente expressivo.
    Tenho um lema aqui em minha empresa “Com Deus e Trabalho os sonhos se realizam”;Desde a primeira vez que li as postagens de vocês sabia que essa onda Católica, com esse papo de boteco sem fugir a verdade do Evangelho com lucidez e coerência, argumento e simplicidade, Deus e Trabalho daria certo.
    Rezo sempre por todos vocês.
    Obrigado por se disponibilizarem a fazer esse serviço de servir-nos com tanta dedicação.
    Paz e bem!!!

  • Rubens

    Por causa de um Catecast descobri os tais rad-trads. Eles são um bom exemplo disso, é verdade?

  • Jotacê

    Sobre as 100.000 curtidas: que beleza!
    Logo depois que curti a página no Facebook, vocês postaram uma imagem com os Herois Marvel, agradecendo as 50.000 curtidas. Bom saber que, pouquíssimo tempo depois, vocês dobraram esse número!
    Que Deus os abençoe sempre, e os cubra de sucesso!

  • Pimenta Neto

    Gente, quem tiver no face, ajude este nosso amigo seminarista.
    Os nossos irmãos “catolicrentes”, (pois é!) estão querendo comer o fígado dele, falando dos seminários, da Santa Igreja católica e das vocações sacerdotais.
    Quem puder, o apoie: https://www.facebook.com/edigar.netto/posts/491298614312652?comment_id=2620670&offset=0&total_comments=46&notif_t=share_reply

    Paz e Bem!

  • Pimenta Neto

    Oi Catequista!
    Acho que deve ser alguma das configuração de privacidade do face, mas as postagens estão lá. Só eu e minha esposa aparecemos para ajudá-lo. Já o avisei para curtir a página de “O Catequista”. Esse é o perfil dele: https://www.facebook.com/edigar.netto?fref=ts
    É um “bitolado”, que nem a gente!Desde já agradeço imensamente a preocupação.
    Paz e Bem!

  • patricia banhos

    Parabéns pelas 100.000 mil curtidas…estava acompanhando este blog…como vem crescendo!!!Mais uma vez excelente post VIVI… tô sentindo falta dos comentários do nosso amigo HARUM…Paz e Bem a todos!!!

  • FINALMENTE! Sensatez! não aguentava mais ser chamado de herege por qq coisinha:
    – nunca fui a missa antiga: herege!
    – a Igreja deixa a opção de comunhão nas mãos: herege!
    – sou da RCC: herege!

    Obrigado catequistas lindos do meu S2!

  • Jotacê

    Prezados Catequistas,
    Só uma pergunta – espero que os amigos Catequistas a tomem como bem-humorada: se quem fica p*** da vida com heresias é um Jenézu (e eu me assumo um pouquinho assim), como intitular um sujeito como eu, que por um lado odeia danças, palmas e bobagens na Missa; acha que comunhão devia ser dada, sim, na boca; considera a RCC algo que só tem validade para os imaturos, que ainda estão se firmando na fé; se irrita profundamente com aqueles programinhas da Canção Nova com aqueles chatos de olhinhos fechados, tocando violãozinho, clamando; com aquelas palestras intermináveis que parecem pregação “potrestante”; e acha que a programação da emissora deveria ser predominantemente tomada por palestras do Pe. Paulo Ricardo e do Professor Felipe Aquino…
    …Mas, por outro lado, também quer pegar pelo pescoço aqueles que se acham mais católicos que o Papa, e ficam postando insultos e ironias sobre Francisco internet afora?
    O que eu tenho? Conflito de personalidade? Farisaísmo liberal? Ranhetice pura e simples? Me ajudem a me definir, por favor! 😉

    • Jotacê

      Corrigindo: “se quem fica p*** da vida com heresias é um Jenézu (e eu me assumo um pouquinho assim)”… Um pouquinho nada. Também fico fulo da vida com as heresias, e a primeira vontade que tenho é dar um pontapé “a la Chuck Norris” no queixo do desgraçado que falou/postou a heresia, só devidamente contido pela distância e também pelos impedimentos da lei (ouvi dizer que dar chutes em caras alheias dá cadeia).

    • Sidnei

      Joatacê, como eu definiria você?, não sei, mas quer saber, estou na mesma situação que você, tudo que você escreveu se encaixou em tudo o que também ajo, e garanto, que muitos católicos também se encaixam como você. Só para constar, também acho uma chatice as palestras da Canção Nova, sobre tudo, quando tem aquele pregador berrando feito uma égua no cio, e ainda com uma musiquinha chorosa nos fundos, copiaram direitinho dos protestantes estas palhaçadas todas. A Igreja Católica não precisa disto, temos uma rica tradição, bons cantores, bons pregadores, para que imitar os protestantes, eu pergunto, para que?.

    • Jotacê,

      Sobre as palmas e a comunhão na boca, aja conforme a sua consciência. Eu parei há tempos de bater palmas e costumo receber a comunhão na boca, mas isso é uma expressão da minha experiência com Deus, da minha espiritualidade. Se alguém me pergunta, eu digo o motivo, mas não fico divulgando “ostensivamente”. Creio que a melhor postura é essa: Faça a sua parte e deixe Deus fazer a dele. 😉

      A RCC é um movimento reconhecido pela Igreja e que dá bons frutos. Se tem uns imaturos e deslumbrados nas suas fileiras, é um bom sinal, é sinal que há pessoas no movimento. Mas pela ação de Deus também há pessoas espiritualizadas e conscientes, que buscam uma fé madura. Que nem qualquer outro movimento.

      Mas compartilho da sua irritação com a protestantização dentro da Igreja, e isso é bem comum nos grupos de oração da RCC, e é bem comum na Canção Nova. Acredito que os católicos estão aprendendo o seu lugar na Igreja, tanto leigos quanto religiosos e padres, e realmente acredito que essa é uma fase, algo passageiro, que não existirá quando a realidade pastoral proposta pelo Concílio Vaticano II for vivida plenamente. Graças a Deus João Paulo II e Bento XVI deram grandes passos na direção certa, e Francisco está nos estimulando a praticar o que aprendemos.

      No mais, não se preocupe nem se incomode tanto. Há coisas que fazem parte da nossa condição humana, e há a fumaça de Satanás que se infiltrou na Igreja, como disse Paulo VI, mas quem guia a Igreja é o Espírito Santo, e nem Satanás e nem nós conseguiremos pôr abaixo o que Cristo edificou sobre Pedro. 😉

      • Jotacê

        Prezado Fabão,
        Agradeço as gentis e fraternais palavras, e as assino embaixo! Quero destacar, também, um trecho do seu texto:
        “Acredito que os católicos estão aprendendo o seu lugar na Igreja, tanto leigos quanto religiosos e padres, e realmente acredito que essa é uma fase, algo passageiro, que não existirá quando a realidade pastoral proposta pelo Concílio Vaticano II for vivida plenamente. Graças a Deus João Paulo II e Bento XVI deram grandes passos na direção certa, e Francisco está nos estimulando a praticar o que aprendemos.”
        Me parece que os anos, do início do VII até os dias atuais, foram um verdadeiro turbilhão para a Igreja. Várias mudanças drásticas na sociedade – que justamente por ter uma Igreja em “renovação”, por assim dizer, não soube como reagir a esse fato.
        Me parece que justamente AGORA a poeira está baixando, e afinal começamos a ter uma visão mais realista e serena do que é a Igreja pós-conciliar.
        Um grande abraço!

  • Jotacê

    Prezado Sidnei, bom saber que não estou sozinho nessa, hehehe.
    Fico feliz em concordarmos: o ponto é justamente esse, essa roupagem protestantizada é inconcebível para mim. A Igreja é tão rica em seus ritos, para quê imitar o proceder dos hereges? Não digo que a RCC seja de todo ruim – antes isso do que as Universais da vida. Mas que eu não gosto, não gosto mesmo.

  • Josiane

    Oi, equipe dO Catequista 🙂
    PARABÉNS PELAS 100 MIL CURTIDAS!

    Aproveito esse momento para agradecer do fundo do meu coração por todo o conhecimento e reflexão que vocês têm me proporcionado. Estou com 19 anos (quase 20,rs) e após a minha 1ª comunhão fiquei totalmente afastada da Igreja. Às vezes ia a missa mas sempre obrigada pelos meus pais que apesar de me obrigarem, nunca foram católicos praticantes, (vai entender rs). Voltei pra Igreja mesmo através da Crisma em 2009 e desde então minha sede de conhecer minha Igreja tem crescido. Deus é tão bom, que agiu através de mim para que meu pai também voltasse a igreja. Ele não é engajado como eu, mas acho que o mais importante mesmo ele faz: esta sempre presente nas Missas de domingo.

    Enfim, vocês me ajudam a conhecer mais a Deus e a minha própria Igreja. Resultado? Estou cada vez mais apaixonada pela minha religião, pelo meu Deus. Inclusive vem crescendo dentro de mim uma vontade enorme de me tornar catequista e assim como vocês compartilhar do pouco que sei e fazer as pessoas se apaixonarem também pelo Catolicismo, e mais ainda, por Jesus. Obrigada de coração e continuem assim!

    Ah, e eu AMO a linguagem que vocês usam. Foi uma das coisas que me cativou, vocês falam de uma forma engraçada e fácil. ♥

  • Carlos Pantoja Filho

    Acertei as respostaaaaas! Hehe, viva a Igreja, abaixo as heresias!

  • Vivi, corrige aí: Frei Bé é APÓSTATA, não herege. Ele perdeu totalmente a fé. Todo comunista é necessariamente apóstata segundo o Santo Ofício. Ele não tem a honra de ser chamado de herege. Hereges tem fé, ela só está incompleta ou errada. Frei Bé é apóstata.

  • Francisco

    Sabemos que, na idade média, a Igreja condenava a heresia que era, inclusive, considerada crime nos países cristãos. E como a Igreja e a cristandade tratava os apóstatas, pessoas resolviam deixar o Cristianismo e seguir outras religiões?

  • G Hostins

    Falando em hereges ….

    Alguns xamanistas “cristãos”

    Boas risadas

    http://www.youtube.com/watch?v=5oqcG1Ws5FE

    http://www.youtube.com/watch?v=xQ9in2TuuQo

  • Eu já entrei em um blog “católico” que deixava claro que era contra a Canção Nova, contra a RCC e contra a CNBB!!! Mother of God! O que esse cara tem na cabeça?

    • André

      Ele deve ter mta lucidez na cabeça. Não tem nada demais em ser contra a RCC, a Canção Nova e a CNBB, parece que discordar de qq coisa (pois mais aberrática que seja, como a CNBdoB, se é que dá pra chamar a TL de “coisa”) q “faça parte” da Igreja já é incorrer em cisma… Não é bem por aí, jovem… Ninguém nega a fé apostólica, nem afronta o magistério infalível, nem corta ligações com Roma e com o Sucessor de Pedro ao fazer careta ao rccismo, à CN e aos purpurados conferencistas da Banânia.

      • Jotacê

        Concordo, André. Não morro de amores nem pela Canção Nova, nem pela RCC, e a autoridade da CNBdoB para mim é nula. E não sou menos católico por isso.

        • André e Jotacê, ser contra a RCC, a CN e a CNBB, por si só não é um cisma, mas é um sinal de que a autoridade da Igreja não parece valer para vocês

          A RCC tem aprovação da Sé Apostólica inclusive com caráter internacional, a CN está sob a jurisdição da Igreja particular de Lorena, em comunhão perfeitíssima com a mesma Sé Apostólica, e a CNBB (por mais inflitrada de comunas que seja), é a Conferência Episcopal do Brasil, também em comunhão com Roma.

          Não morro de amores por qualquer grupo em particular da Igreja, mas estando todos na unidade do credo e do ensinamento apostólico, temos que afirmar que eles estão sim em comunhão com a Igreja, e não de forma imperfeita.

          Nenhum católico precisa gostar ou fazer parte de certos grupos que estão inseridos na comunhão dos santos, mas isso não significa rejeitá-los ou excomungá-los.

          • André

            “mas é um sinal de que a autoridade da Igreja não parece valer para vocês”.
            NEGATIVO. A RCC tem aprovação como movimento, não de todas suas práticas, sobretudo as mais horrendas cm queda no Espírito, oração em línguas duzanju e outras aberrações protestantes pentecostais. E vc lembrou bem: tem caráter internacional, e vá na Europa ver se a RCC de lá ta fazendo shalalasheilala ou caindo no chão e de modo quase blasfemo atribuindo tal auto-sugestão infantil ao Paráclito!! E a CN que eu assisto é de la mtos admiro, porém q também comete mancadas como missa afro, sertaneja, favo de mel negando dogmas, etc etc… CNBB não comento, nem posição na hierarquia essa coisa ocupa, vá ler UM documento deles sobre animação litúrgica da década de 70 e depois volte para me dizer que “a autoridade da Igreja parece não valer” pra mim só pq sinto ojeriza deles, aliás, aproveite logo pra decorar o hino da campanha globo da fraternidade com tema de novela para desvirtuar o verdadeiro sentido da quaresma.
            Fazer “nhi” pra essas e outras tresloucacoes não é “rejeitá-los nem excomungá-los” (eu ou o jotacê usamos tais termos? O.o Que eu saiba eu falei “não tem nada demais ser contra” e repito: “não tem nada demais ser contra”, e não é você que tem o direito de dizer que “a autoridade da Igreja não parece valer” pra mim).
            Digo, repeti, e novamente repito: não tem nada demais ser contra.

          • André, fica evidente que o problema de tudo isso, como foi descrito desde lá de cima, é que as pessoas andam tirando a catolicidade da Igreja, fazendo proselitismo com movimentos que, repito, ESTÃO NA IGREJA E TEM A AUTORIZAÇÃO DA MESMA.

            Não se trata de preferência, pois como eu mesmo disse, ninguém precisa gostar, mas não podemos esquecer que fazer apologia à movimentos que vivem na comunhão e professam nosso credo, é separar e revoltar os membros de Cristo, é errado em suma.

            Essa tribalização de “meu grupo é o correto!” nada tem de católico pois quem está correta é a Igreja e a fé de 2 mil anos, mãe e mestra da verdade, e a Mãe Igreja é mãe de todos aqueles que fazem parte dela.

          • Jotacê

            “Digo, repeti, e novamente repito: não tem nada demais ser contra.” [2]
            Concordo plenamente, André.

          • André

            “não podemos esquecer que fazer apologia à movimentos que vivem na comunhão e professam nosso credo, é separar e revoltar os membros de Cristo, é errado em suma.”
            Eu fiz apologia a alguma coisa, Cadu? Eu fiz completamente o inverso, cidadão.

  • Jotacê

    De modo algum, me caro Cadu.
    DE
    MODO
    ALGUM.
    Se existe algo que tem valor para mim, e valor ilimitado, essencial, inegociável, é a autoridade da Igreja.
    Não pretendo invadir algum congresso da CNBB aos berros de “comunas! Comunas!”. Nem algum programa da CN ou alguma reunião da RCC gritando “catolicrentes! Catolicrentes!”.
    Mas creio estar exercendo o meu direito de CATÓLICO discordando das atitudes da CNBB, da programação da CN e do sentimentalismo exacerbado (e, para mim inócuo, desculpe dizer) da RCC. Ou não posso ter o direito à mera discordância em um fórum de internet? Sério isso?
    E, por fim: lá tenho eu algum poder para rejeitar ou (pelamordedeus!) excomungar Bispos, diretores de programação de TV ou fieis de algum grupo católico?

  • Jotacê

    Mas é FODA ser acusado de rebelde apenas devido ao fato, ao tomar ciência de alguma nota/determinação/posição da CNBB, eu justamente ter o cuidado de verificar se tal ação dos Bispos brasileiros é coerente ou não com o Papa, simplesmente por (com razão) desconfiar das intenções de boa parte daqueles cavalheiros, mais afinados com Boff do que com Bento e Francisco!

    • De modo igualmente algum chamei você de rebelde caro Jotacê, mas justamente o simples fato de toda essa má interpretação dada às minha palavras, só demonstra que de outro lado, é muito difícil argumentar contra o fato de por exemplo a RCC e a CN, estarem na Igreja e terem autorização da mesma de existir.

      Vou dizer o que disse de outra forma: estes movimentos não podem ser atacados como heréticos em qualquer página de internet porque eles simplesmente não o são. Professam exatamente a mesma fé dos Apóstolos, e somos um na Unidade da Igreja.

      Não se faz preciso gostar, mas ter em mente que eles são sim católicos.

      • Entenda meu desejo com aquele comentário: estou cansado da campanha anti catolicidade das diversas comunidades que subsitem na Igreja. Se todos os membros do corpo querem estar no corpo, a diversidade so faz bem. Se todos defenderem o nosso credo, os Sacramentos, os Mandamentos e os dogmas, pouco me importará que membro ele seja. A Cabeça precisa do olho, do pé, do cotovelo, das veias, nervos, órgãos etc.

    • Sobre a CNBB: não sou fã nenhum pouquinho, mas aquela instituição é mais do que um clubinho de bispos, é o órgão Colegial do Episcopado brasileiro que precisa urgentemente de ajuda para se salvar.

      • Jotacê

        Prezado Cadu Sidona, antes de tudo uma correção: embora não tenha se utilizado da palavra, você me chamou (e ao André) de rebelde, sim. Afinal de contas, um cismático, alguém que não vê validade na autoridade da Igreja, é o quê? Um rebelde. Então, ao contrário do que você diz, não interpretei erroneamente as suas palavras.
        E onde eu exigi a exclusão da RCC, da CN e da CNBB do meio da Igreja? Por favor, POR FAVOR, verifique minhas postagens anteriores, faça um “copie e cole” e me mostre ONDE eu afirmei que o movimento, a rede de TV e o congresso de bispos não eram católicos, e sim heréticos, e que “meu grupo é o correto!”? Nem faço parte de grupo algum, meu amigo. Meu grupo é a Igreja!
        Então, desculpe a sinceridade, mas não venha me puxar as orelhas se VOCÊ não soube interpretar corretamente o que eu escrevi – e me acusou de cismático sem motivo algum. Não sei para você, mas para mim “cismático” foi equivalente a um soco no estômago, um insulto de primeira grandeza, pois procuro ser o mais obediente possível ao Papa. Sim, não aprecio a RCC; sim, acho que a Canção Nova tem programas protestantizados; não, não os considero heréticos.
        Sobre a CNBB, divido aqui um pensamento do Professor Olavo, que eu e você muito admiramos, e que resume exatamente o que eu penso:
        “Não espanta que a própria entidade que personifica esse catolicismo ante o público seja, ela própria, uma fraude publicitária: a CNBB fala em nome da Igreja e posa, ante os fiéis, como expressão suma da autoridade eclesiástica, mas não é sequer uma entidade da Igreja, é uma simples sociedade civil sem lugar nem função na hierarquia católica. Os bispos, individualmente, têm autoridade para falar em nome da Igreja. A CNBB, não. Quando a CNBB repreende um bispo, ela falsifica e inverte a hierarquia. Está na hora de os fiéis, em massa, tomarem consciência disso.”
        Link: http://www.olavodecarvalho.org/semana/101018dc.html

      • Sobre a questão da CNBB, vamos ler o Código de Direito Canônico? Eu grifei umas coisas…

        “Cân. 381 — § 1. Ao Bispo diocesano, na diocese que lhe foi confiada, compete todo o poder ordinário, próprio e imediato, que se requer para o exercício do seu múnus pastoral, com excepção das causas que, por direito ou por decreto do Sumo Pontífice, estejam reservados à suprema ou a outra autoridade eclesiástica.

        Cân. 447 — A Conferência episcopal, instituição permanente, é o agrupamento dos Bispos de uma nação ou determinado território, que exercem em conjunto certas funções pastorais a favor dos fiéis do seu território, a fim de promoverem o maior bem que a Igreja oferece aos homens, sobretudo por formas e métodos de apostolado convenientemente ajustados às circunstâncias do tempo e do lugar, nos termos do direito.

        Cân. 455 — § 1. A Conferência episcopal apenas pode fazer decretos gerais nos casos em que o prescrever o direito universal ou quando o estabelecer um mandato peculiar da Sé Apostólica por motu proprio ou a pedido da própria Conferência.
        § 2. Os decretos referidos no § 1, para serem validamente feitos em assembleia plenária, devem ser aprovados ao menos por dois terços dos votos dos Prelados pertencentes à Conferência com voto deliberativo, e só adquirem força obrigatória quando forem legitimamente promulgados após a revisão pela Sé Apostólica.
        § 3. O modo de promulgação e o prazo a partir do qual os decretos começam a vigorar são determinados pela própria Conferência episcopal.
        § 4. Nos casos em que nem o direito universal nem o mandato peculiar da Sé Apostólica tiverem concedido à Conferência episcopal o poder especial referido no § 1, mantém-se íntegra a competência de cada Bispo diocesano, e nem a Conferência nem o seu presidente podem agir em nome de todos os Bispos a não ser que todos e cada um hajam dado o consentimento.”

        Ou seja, a CNBB NÃO É o Colégio dos Bispos, é um agrupamento, mas não o Colégio. O Colégio se reúne no Sínodo e no Concílio Regional, não na Conferência. E mais, a CNBB só fala em nome da Igreja do Brasil se:
        1) há a competência expressa no direito;
        2) há mandato específico da Santa Sé, e/ou;
        3) há o consentimento expresso de todos os bispos diocesanos.

        Então me parece claro que a CNBB não tem autoridade eclesial fora dos casos acima, pois a autoridade é do bispo. Nesse caso o Olavo acerta, mas não acerta totalmente, pois há situações específicas (bem específicas, citadas acima) em que a Conferência suplanta a autoridade do bispo local, mas a regra é conforme ele diz.

        O que acontece aqui no Brasil é que os bispos não costumam contrariar abertamente a CNBB por razões políticas e práticas, ainda que adotem outra postura no governo de suas dioceses.

        Em tempo, as razões políticas e práticas não querem de forma alguma supor tibieza desses bispos. Lembremos que o Venerável Pio XII não foi mais contundente com o nazismo por razões políticas e práticas, e assim conseguiu fazer um bem imenso a tantas pessoas e evitar um mal ainda maior que afetaria tantas outras. 😉

  • Maicon

    tem o link do video dessa imagem do Jenezu?

  • Pedro

    Prazer, Jenézu! Me irrito com as mesmas coisas… hahaha
    Ótimo post!

  • Tiago

    E pensar que um desses hereges saiu da mesma comunidade que frequento, inclusive servi em algumas missas dele no ofertório e leituras! A outra opção eu errei achei que era a C!

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>