É um pássaro? É um avião? Não! É o Padre Pio de Pietrelcina!

levitacao_padre_pio

Ilustração: direitos reservados da ARNSG.

A Bíblia e a história da vida dos santos nos mostram que muitos santos e profetas receberam de Deus a capacidade de manifestar dons extraordinários. Os dons mais conhecidos são: o dom de cura, o dom de discernimento dos espíritos (saber o que se passa no coração de uma pessoa) e o dom de profecia. Mas e voar? Nunca ouvi falar de santo voador, até conhecer um episódio da vida de Padre Pio de Pietrelcina que é digno dos heróis da Marvel!

O local em que Padre Pio vivia – o convento San Giovani Rotondo – estava em região dominada pelos nazistas, durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Naturalmente, toda essa região era alvo dos bombardeios das tropas americanas.

A população local se apegava à esperança de que, apesar do quadro desfavorável, Deus os pouparia do pior, em consideração à santidade do capuchinho estigmatizado. Muitos andavam com fotos de Padre Pio no bolso, com a fé de que, assim, ficariam imunes aos bombardeios. E a fé do povo simples, pelo visto, não foi em vão.

Diversos pilotos americanos e ingleses relataram que, ao sobrevoar Gargano, tiveram seus bombardeios frustrados por um misterioso frade, que lhes aparecia flutuando no céu, com as mãos erguidas, como se quisesse detê-los. Voltando às suas bases em Foggia e Bari, alguns o descreviam como “um anjo de barba, sem asas”, e outros achavam que era um fantasma.

padre_pio_soldados

Logo, os soldados souberam que ali próximo vivia Padre Pio, um frei com grande fama de santidade. Quatro oficiais americanos, protestantes, foram então visitá-lo, e o reconheceram como o homem que lhes apareceu nos ares. Outro milagre aconteceu: Padre Pio falou com eles em dialeto local, mas os homens juravam que ele havia conversado com eles em inglês. Eis o verdadeiro dom de línguas!

Depois desse fato, grande foi o número de soldados das tropas aliadas que vieram a San Giovani Rotondo. Muitos deles, sendo protestantes, se converteram ao catolicismo.

Convenhamos, um frade voador? Essa história seria um grande caô, um conto inverossímil, se não se tratasse de Padre Pio, o São Francisco de Assis do século XX.

Fontes: ALEGRI, Renzo. A tu per tu con Padre Pio. Mondadori Editore

NAVILLE, Pe Hamilton José (Coordenação). Padre Pio – Um anjo sem asas. ARNSG

*****

A Associação Cultural e Artística Nossa Senhora das Graças – ARNSG – possui diversas campanhas de apoio à catequese, com a oferta de livrinhos sobre a doutrina da Igreja e sobre a vida dos santos (entre eles, Padre Pio, Santa Faustina, Santa Teresinha do Menino Jesus, São Bento etc.). Também há livrinhos especificamente voltados para a catequese infantil. Para saber como adquirir este material, clique aqui.

*****

Olhaí o nosso mais novo parceiro! Éfeta Camisas! Clique no banner e confira as estampas maneiríssimas dessa galera.

efeta

Paulo III, o Papa que iniciou a Contra-Reforma, mas não pôde concluí-la

michelangelo

E aí meu povo,

Vamos continuar a contar a história dos sucessores de Pedro? Aê!! Começando com um papa que procurou retomar a linha depois de um dos períodos mais turbulentos e violentos da história: Paulo III.

Seu nome de batismo era Alessandro Farnese, tendo nascido em 1468. Foi eleito Papa por unanimidade em 13 de outubro de 1534. Havia sido candidato nos dois concílios anteriores, mas perdeu por conta da influência dos Colonna e dos Médici, que lhe faziam oposição. Naquele instante, depois dos desastrosos eventos ocorridos no papado de Clemente VII, e da participação criminosa dos Colonna nos eventos que culminaram com o saque de Roma, o velho cardeal de 67 anos obteve a chance que lhe foi negada duas vezes.

Adotou o nome de Paulo III em homenagem ao Papa Paulo II, que ocupava a Cátedra de Pedro quando ele nasceu. O povão adorou, pois foi o primeiro Papa romano a ser eleito em 103 anos.

Umas considerações a serem feitas da vida pregressa desde Papa. Paulo III não pode ser considerado um insensato do naipe de Alexandre VI ou Clemente VII, mas também não era exatamente um santo. Antes, foi um homem de seu tempo, conforme os valores da sociedade que o produziu. Alexandre VI o nomeou, ainda muito jovem, cardeal-diácono e tesoureiro da Santa Sé. Entre os seus muitos títulos, foi bispo de Corneto e Montefiascone; depois, bispo de Parma. Tudo isso até 1509 (tinha 41 anos).

ELEITO BISPO, ANTES DE SER PADRE

O único detalhe que vai pirar o cabeção de vocês é que Alessandro Farnese, futuro Paulo III, só tornou-se sacerdote em 1519, aos 51 anos, muito anos depois de sua eleição episcopal (naquele tempo, essas coisas eram bagunçadas mesmo). E ele havia adiado sua ordenação sacerdotal pelo motivo mais safado do mundo: muié. Apelidado de “Cardeal das saias”, o pegador teve quatro filhos ilegítimos com uma nobre italiana chamada Silvia Ruffini.

Isso não é um comportamento aceitável a quem abraça a carreira eclesiástica, mas vamos dar um desconto a ele aqui: em 1513, três anos antes de sua ordenação, Alessandro Farnese largou a sacanagem e se preparou para o sacerdócio. Após esse ano, não há mais registros de suas saidinhas bíblicas, e parece que ele abraçou a castidade.

vovoOs historiadores classificam Paulo III como um típico Papa renascentista. Isso se atribui mais ao fato de que ele continuou a tradição de mecenas artístico dos seus antecessores. Deu emprego a Michelângelo só para ser sacaneado por este. Coisinhas de artista temperamental… Ocorreu que Paulo III não gostou de ver tanta gente pelada na cena do Juízo Final da Capela Sistina, e reclamou. Por conta disso, Michelângelo incluiu a figura do Papa entre os amaldiçoados; pintou-o com orelhas de asno e uma cobra enrolada no corpo. Sutil, o infeliz…

Com relação à sua família, Paulo III seguiu o ditado “farinha pouca, meu pirão primeiro”. Nomeou cardeais a dois de seus netos, um de 14 e outro de 16 anos. Por outro lado, fez excelentes escolhas para o Colégio Cardinalício: Gian Carafa, futuro Papa Paulo IV; Reginald Pole, que por pouco não se tornou Papa também; São João Fisher, um dos gigantes defensores da fé na Inglaterra; Giovanni Morone, de grande papel na Contra-Reforma; Marcelo Cervini, futuramente Marcelo II; e Gasparo Contarini, importante reformador leigo.

O CONCÍLIO DE TRENTO (QUE QUASE NÃO SAIU E QUASE NÃO FOI EM TRENTO)

Paulo III tinha o firme propósito de dar uma resposta contundente aos protestantes. Para tanto, ele estabeleceu como necessidade primordial a instalação de um Concílio Geral que, a princípio, seria em Mântua (1537), depois, em Vicenza (1538).

Só que Carlos V não estava muito a fim de desagradar seus barões alemães – que estavam se dando muito bem, obrigado, com as cachorradas de Lutero. O imperador resolveu boicotar até onde pudesse o Papa, impedindo que os bispos alemães e espanhóis, que estavam sob sua esfera de influência, participassem do Concílio. Afinal, Paulo III já era um homem bastante idoso para aqueles tempos e, com sorte, ele morreria e Carlos V poderia manipular os cardeais para colocar alguém mais “mansinho”, no Trono de Pedro.

Paulo III também não era do agrado do saco de pancadas imperial, o rei da França Francisco I, sem contar que ambos, Francisco e Carlos, estavam em permanente estado de beligerância. Foram sete anos de enrolação até o inícios dos trabalhos, em 1545.

Nesse meio tempo, Paulo III excomungou Henrique VIII, o rei do bilau guloso (cuja sentença anterior, dada por Clemente VII, havia sido suspensa). O problema é que as nações católicas da Europa, já contaminadas pelo espírito dos tempos e pelo nacionalismo secular, preferiram apoiar as causas de Henrique VIII, no sentido de autodeterminação dos ingleses, afastando ainda mais a Inglaterra da Igreja.

Santo Inácio de Loyola estava em Roma nesse tempo, e em 1540 recebeu de Paulo III a aprovação da Companhia de Jesus, em 27 de setembro de 1540.

concilio_trento

Por fim, em 1542, a 21 de julho, Paulo III funda a Congregação para a Inquisição Romana, com amplos poderes punitivos e de censura (isso para a alegria dos historiadores desocupados que nada mais têm o que fazer, a não ser bradar por aí que as culpas dos males do mundo são da Inquisição, e dos manés que volta e meia vem aqui no blog cantar esse mantra só para nos dar o trabalho de excluir mais um comentário inútil).

Em 1544 foi assinada a Paz de Crépy. França e o Sacro Império Romano-Germânico, enfim, estavam em paz um com o outro. Assim, não havia mais desculpas para enrolação e, conforme sugestão do imperador Carlos V, foi realizado no Norte da Itália, na cidade de Trento, a partir de 13 de dezembro de 1545 o tão aguardado Concílio.

As sete primeiras sessões do concílio abordaram o relacionamento entre as Sagradas Escrituras e a tradição, o pecado original, a justificação e os sete sacramentos. Não demorou a surgirem novas tensões entre a Igreja e o Estado – representados aqui pelas figuras do Papa e do Imperador.

Uma epidemia de tifo fez com que o Papa mudasse a sede do Concílio de Trento para Bolonha. Isso não agradou em nada o Imperador, que proibiu a presença dos bispos alemães e espanhóis. Por conta desse esvaziamento, o Papa suspendeu a oitava sessão em primeiro de fevereiro de 1548. O resultado é que Paulo III não viu seu projeto de Contra-Reforma concluído, passando seus últimos dias resolvendo querelas internas dos Estados Papais.

Faleceu em 10 de novembro de 1549, aos 81 anos, e foi sepultado na Basílica de São Pedro. Seu túmulo é um dos mais bonitos da Basílica.

Continuaremos nossa série sobre a História dos Papas falando de um pontífice que tinha complexo de diva e saudade das baladas dos tempos de Leão X: Júlio III. Até lá!

Fontes:

Burckhardt, Jacob. A Cultura do Renascimento na Itália.

Johnson, Paul. La História Del Cristianismo. Zeta, 2010(Argentina).

McBrien, Richard P. Os Papas. Loyola, 2004.

*****

Novidade! A Editora Concreta dá a você a oportunidade de ter em mãos uma obra de três grandes Padres da Igreja: “Sobre A Paciência”, de Tertuliano, S. Cipriano e S. Agostinho.

Trata-se de uma campanha de financiamento coletivo: você ajuda a financiar o livro e ele chega à sua casa, dentro do prazo prometido, de acordo com a cota que você escolheu! Clique no banner abaixo para saber mais.

banner_concreta_5

Catolicast 09 – Nossa Senhora de Fátima – Parte 1

Oi Povo Católicoooooo!!!!!

Olha aí mais um Catolicast! Desta vez, falando sobre Nossa Senhora de Fátima! Ouça e deixe o seu comentário!

Catolicast

 

INTERROMPENDO O SEU BANHO SEMANAL!!!! Nesse catolicast se reuniram: Tháina Goulart (La Cerise), Vitor Ferreira, Vitor Quintes e o Carlos Weslly para contar a história das aparições de Nossa Senhora de Fátima.

Nesse Catolicast: Conheça um pouco sobre a realidade de Portugal e do mundo na época das aparições, saiba um pouco sobre a história dos pastorinhos, conheça a história da aparição do anjo de Portugal e saiba diferenciar revelação publica de revelação particular.

 

CLIQUE NO PLAYER PARA OUVIR!

 

FEED PARA iTUNES (e outros leitores de Podcast):

Então… melhor deixar pra lá.

 

LINKS IMPORTANTES OU CITADOS NO PROGRAMA:

“A Missa torna presente o sacrifício da cruz” (S. João Paulo II)

Como Jesus obteve a Salvação para a humanidade? Sofrendo na Cruz, derramando ali o Seu Sangue e morrendo. A partir de então, a dívida impagável de nossos pecados foi paga com o Sangue do Santo inocente. Em cada missa, esse mistério é misticamente renovado (atenção: não “relembrado”, mas sim RENOVADO).

No Antigo Testamento, o […]

Papa Francisco mete o pau na heresia protestante da Sola Scriptura

Um cristão pode interpretar a Bíblia sem se preocupar em saber se sua interpretação está de acordo com o que a Igreja Católica ensina? Não, disse o Papa Francisco. Só quem pode dizer se a interpretação de um cristão é correta ou não é o Magistério da Igreja, em perfeita unidade com a Sagrada […]

Chip e 666 – Tirando o nosso foco da verdadeira Besta

Muitos cristãos, inclusive católicos, estão apavorados com a possibilidade de que, em breve, os governos de todo o mundo obriguem os cidadãos a usar microchips sob a pele. Protestantes neopentecostais, sempre “ungidos” com aquele pudê de correta interpretação da Bíblia (aham…) estão garantindo que os chips implantados sob a pele são a concretização dessa profecia do Apocalipse:

[…]

“A Igreja somos nós”. Sim, desde que unidos à hierarquia

“Eu, sou Flamengo”, “Eu sou Vitória”, “Eu, sou Corinthians”, “Eu, sou Grêmio”, “Eu, sou Vasco”, “Eu, sou Cruzeiro”… assim dizem os torcedores dos diversos times. É correto dizer isso? Sim, são os torcedores que motivam a existência do clube. Mas um torcedor pode falar em nome no clube? (tipo: “Olha, eu sou Atlético Mineiro, e […]

Catolicast 08 – Rebatendo Mitos do aborto: A formação do feto

Catolicast08

Nesse Catolicast: Saiba a diferença entre Biomedicina e a Medicina, saiba quando de fato podemos dizer: “isso é um ser humano” e aprenda que quem diz que um feto até 3 meses é um conglomerado de células é um conglomerado de células. […]

Que sacrário mais esquisito!

O sacrário – local sagrado, indicado por uma luz vermelha, onde se guardam as Hóstias Consagradas – está sendo alvo do “excesso” de criatividade artística, em muitas de nossas igrejas e capelas. É cada coisa que a gente vê por aí… Pelamor…

Será que não dá pra esses artistas sacros deixarem um pouco a vaidade […]

AreaCatolica.com – A Rede Social de O Catequista!

areacatolica

Oi Povo Católicooooooo!!!!!

Fim do mistério! ESPALHE A NOVIDADE! Nós, de O Catequista, temos o imenso prazer de convidar todos vocês para a nossa própria rede social! A AreaCatolica! O maior projeto católico da internet. E não estamos sozinhos… a Agência ZENIT e o Cardeal Dom Orani João Tempesta estão conosco!

Você se lembra […]