A ameaça à vida do Papa, a dor de um povo e a cara-de-pau do “Fantástico”

atentado_papa

A imprensa brasileira está repercutindo a notícia dada pelo jornal italiano “Il Tempo” de que os jihadistas islâmicos planejam matar o Papa Francisco (Veja). A informação teria vindo de membros do serviço secreto italiano. Seria um alarme falso? Parece que não.

Vamos pensar: Hitler tinha um plano para matar Pio XII (ACI); há fortes indícios de que a KGB teria ordenado o atentado a São João Paulo II (Terra). Depois dos nazistas e comunistas, agora são os jihadistas que buscam subjugar todos os povos. Como vemos, o Papa sempre está na mira dos candidatos a Pink & Cérebro. Até os piores seres humanos sabem que o Sucessor de Pedro é o maior obstáculo para o estabelecimento do império do mal.

Estamos em uma das fases mais negras da história da humanidade, mas pouca gente aqui no Brasil está se dando conta disso. Os jornais mais populares não estão informando a dimensão do problema que está se alastrando pelo mundo – a jihad – e nem estão alertando sobre como isso pode nos atingir em um futuro próximo. Parece uma tragédia distante.

Um exemplo dessa alienação foi dado pelo “Fantástico“, que no último domingo fez o maior papelão na matéria exibida sobre o grupo jihadista ISIS.  O programa se limitou a falar da decapitação do jornalista James Foley, e disse que o ISIS estava matando muçulmanos do exército iraquiano. Ponto. É como se o genocídio de cristãos e yazidis não existisse!

genocidio_iraque

Muito resumidamente, essa é a situação no Iraque:

  • Milhares de cristãos e yazidis tiveram que fugir de Mossul e de Qaraqosh, pois não queriam se submeter a uma conversão forçada (saiba mais aqui).
  • Durante a invasão a Qaraqosh, um menino cristão de cinco anos foi cortado ao meio (Christian Post).
  • Centenas de refugiados yazidis estão no deserto morrendo de fome e de sede. A equipe de TV da BBC expôs uma matéria comovente, que mostra o resgate de um menino deficiente no deserto (veja aqui).
  • Só nas últimas semanas, segundo a ONU, 670 mil cristãos deixaram as suas casas e foram para Sinjar, Erbil e para a região autônoma do Curdistão (AIS).
  • No Curdistão, milhares refugiados cristãos estão amontoados em ginásios e igrejas. Durante o dia, são 43º à sombra dentro das tendas. Faltam medicamentos e outros itens essenciais (AIS).
  • A ONU afirma que o número de cristãos no Iraque diminuiu cerca de 80% na última década; isso revela que o nosso povo vem sofrendo na mão dos muçulmanos locais muito antes da chegada do ISIS (AIS).
  • Os templos cristãos estão sendo destruídos pelos jihadistas.
  • Os militantes do ISIS enterraram vivas mulheres e crianças yazidi e decapitaram cristãos que não conseguiram fugir das cidades invadidas. Centenas de mulheres yazidis e cristãs foram vendidas em praça pública como escravas sexuais ou esposas (Diário DigitalEl Mundo e AIS).
  • O Papa Francisco enviou o Cardeal Fernando Filoni a Erbil para levar uma doação em dinheiro e solidariedade aos cristãos refugiados (Agencia Ecclesia). O Papa também tem feito contínuos apelos à comunidade internacional para que parem a ação dos jihadistas no Iraque.
  • Os Estados Unidos e a União Europeia parece que não estão nem aí. Com muito atraso, os EUA fizeram alguns bombardeios para deter o ISIS, mas nada além disso. A denúncia foi feita pelo patriarca caldeu, Dom Sako (Radio Vaticana).

O pior de tudo é saber que em diversos outros países de maioria islâmica estão matando, estuprando e expulsando cristãos de suas terras, e já não é de hoje. No Afeganistão, em Mali, nas Ilhas Maldivas, no Egito, na Nigéria, no Sudão, no Paquistão, na Síria, no Irã, na Indonésia, no Iêmen… a lista é extensa. A isso, se somam as hostilidades sofridas pelos cristãos europeus, por parte da crescente comunidade muçulmana no continente.

Diante das ameaças ao nosso Papa e ao nosso povo, precisamos ter fé nas palavras do Evangelho:

“Digo-vos a vós, meus amigos: não tenhais medo daqueles que matam o corpo e depois disto nada mais podem fazer. Mostrar-vos-ei a quem deveis temer: temei àquele que, depois de matar, tem poder de lançar no inferno; sim, eu vo-lo digo: temei a este.

“Não se vendem cinco pardais por dois asses? E, entretanto, nem um só deles passa despercebido diante de Deus. Até os cabelos da vossa cabeça estão todos contados. Não temais, pois. Mais valor tendes vós do que numerosos pardais.” (Lc 12,4-7)

Essa esperança se reflete nos lindos olhos de Aws, um menino iraquiano refugiado na cidade de Sulemaniyah (foto abaixo, da Fox News). Aws tem 10 anos, e exibe a cruz desenhada em seu braço. A casa em Mossul, que sua mãe havia comprado após anos de economias, ficou para trás. Mas ele diz que está bem assim. E sua avó, acamada, complementa: “Eu estou muito feliz porque agora estamos seguros. Somos sortudos!”.

refugiado_iraquiano

A charge acima é da página Spett Caricaturas, que gentilmente nos autorizou a sua publicação.

São Carlos Borromeo, Padroeiro dos Catequistas

carlos_borromeoE aí, meu povo!

Que tal conhecer a história de um santo que foi cardeal antes de ser sacerdote, que estudou no ritmo do The Flash para ser padre e que, sendo rico, se fez pobre por amor aos necessitados? É o que veremos hoje.

São Carlos nasceu em 2 de outubro de 1538, na cidade de Arona, uma bela cidade do Piemonte. Era filho do conde Gilberto II Borromeo e de Margarita Médici – um casal de ascendência nobre. Antes que alguém pergunte: sim, ele era parente “daqueles” Médici, aqueles mesmos que foram responsáveis, na Renascença, pela eleição de uma série de Papas insensatos.

O conde Guilherme e sua esposa não eram metidos a besta e nem tampouco eram cruéis com seus súditos. Muito pelo contrário: embora ricos, eram pessoas boníssimas de que deram ao pequeno Carlos as primeiras impressões de como deve ser a vida na fé cristã. O conde Guilherme rezava todos os dias a liturgia das horas, e sua esposa era devota profunda de Nossa Senhora. Quando Carlos completou nove anos de idade, Deus chamou a mãe do menino para junto de si.

São Carlos aprendeu a ler muito cedo e, após a morte da mãe, passou a se dedicar com afinco às leituras. Sim, ele era uma espécie de “nerd” renascentista.

Aos 12 anos foi enviado ao monastério beneditino de Arona e herdou de um tio, na mesma época, o usufruto da Abadia de São Graciano, o que lhe garantiria emolumentos. Só que a ele não interessava dinheiro, e investiu tudo na assistência aos pobres e nas obras de caridade.

Partiu de Arona para Milão para continuar seus estudos. Em 1552, aos 16 anos, entrou na Universidade de Pavia. Seis anos depois, São Carlos recebeu a triste notícia de que seu pai havia partido ao encontro do Criador. Aos 21 anos, em 1559, o santo recebeu seu doutorado – isso mesmo que você leu, DOUTORADO – em Direito Civil e Canônico. Nesse ano mesmo, seu tio por parte de mãe, João Angelo Médici, calçou as sandálias do Pescador e adotou o nome de Pio IV. Falaremos mais desse período na sequência dos posts sobre a vida dos Papas e das heresias do monge maluco-mamulengo de Eisleben (por hora, podemos dizer que o mundo católico do século XIV vivia o rescaldo dos estragos deixados pelos papas insensatos da Renascença).

borromeoSão Carlos foi chamado para a cúria por seu tio, o Papa, e foi nomeado Secretário de Estado do Vaticano. Ao ver tanto poder nas mãos de um “moleque” de 21 anos de idade, vocês devem imaginar, muita gente ficou quicando. Se (acho pouco provável, mas nunca se sabe) tiver algum comuna lendo esse post, vai começar a gritar: NEPOTISMO, NEPOTISMO!  Calma aí “vermelhinho-que-quer-salvar-o-mundo-e-está-preocupado-com-as-causas-sociais”. Vamos aos fatos:

1) Ficou bem claro que São Carlos era um gênio;

2) A santidade é uma coisa que salta aos olhos, o brilho dos santos ofusca  e tem força para amolecer o mais duro coração;

3) O garoto tinha o melhor currículo. E por que, cáspide, o papa ia dispensar o melhor para o cargo, por conta da frescura de meia dúzia de proto-comunas?

Além de santo, São Carlos é um personagem fundamental para a transformação da Santa Igreja depois dos períodos negros de Avignon e da Renascença. Fabuloso administrador, após apenas um ano em Roma, foi elevado à dignidade de cardeal, mesmo sem ser sacerdote. Pouco depois, foi nomeado arcebispo de Milão, com residência obrigatória em Roma.

Parecia muito bom, mas São Carlos se sentia infeliz. Sua índole bondosa e sua vontade de auxiliar os mais necessitados o faziam sentir-se mal com o fausto e a pompa das dignidades eclesiásticas. Pensou seriamente em renunciar, chutar o balde mesmo. Não o fez porque convenceu-o do contrário o bem-aventurado Bartolomeu Fernandes dos Mártires, Arcebispo de Braga, com quem Carlos veio a travar uma grande amizade.

São Carlos é um grande exemplo do bem que se pode fazer quando se é guiado pela sabedoria do Espírito Santo. Se hoje existem seminários, agradeça a esse gigante. Foi ele quem fundou o Almo Collegio Borromeo, o mais antigo colégio histórico de Pavia, que tinha o objetivo de acolher estudantes dedicados, mas sem recursos financeiros.

Em meio a isso tudo, mais uma notícia triste chegou aos ouvidos de São Carlos. Faleceu sem deixar herdeiros seu irmão mais velho, Frederico, que era quem deveria ser o continuador do sangue da família Borromeu. A primogenitura passou a São Carlos, que ainda não havia sido nomeado sacerdote, portanto, todas riquezas dos Borromeu eram suas agora. Até o Papa vez pressão para que Carlos voltasse a Arona e assumisse os negócios da família. Só que não se manda um santo fazer o que o Espírito Santo diz para ele não fazer.

the_flashSão Carlos deu um jeito de “enrolar” todo mundo. Enquanto dizia “peraí que já estou indo para Arona”, ele acelerou, estudando loucamente, sua formação como sacerdote. Nesse meio termo, saiu distribuindo toda a sua riqueza – fazendas, castelos e propriedades rurais – para os membros mais humildes de sua família. E deu a todos uma condição: que financiassem e mantivessem obras de assistência aos mais humildades e necessitados.

Essa, até aqui, foi a história de um bom rapaz muito rico. A partir de agora, é a história de uma homem santo muito pobre. São Carlos passou a viver uma vida ascética e dedicou muito tempo aos exercícios espirituais de Santo Inácio de Loyola (esse livro era uma espécie de “Ei, garoto santo, comece por aqui!”, já que um monte de santos da Renascença iniciaram seu apostolado com ele nas mãos; vide São Felipe Néri).

Esse período foi fundamental para a fase seguinte da vida de São Carlos: graças a seus conselhos, o Papa Pio IV retomou as discussões de Trento, que haviam sido iniciadas em 1545, e interrompidas em 1552. Essa foi a verdadeira reforma da Santa Igreja. São Carlos participou de importantes iniciativas na retomada do Concílio como, por exemplo, a publicação da Atas, do Catecismo Romano e da reforma do breviário. Esteve ao lado de São Carlos e o ajudou a aplicar as reformas do clero um outro dos meus santos mais amados, o mais risonho e feliz do mundo, de quem falei a pouco: São Felipe Néri.

São Carlos acreditava que não poderia ser um bom sacerdote sem estar perto de suas ovelhas. Dessa forma, após a conclusão dos trabalhos do Concílio de Trento em 1563, resolveu partir para sua arquidiocese, em Milão. Não bastava deixar a Reforma no papel: São Carlos foi, pessoalmente, em todas as Igrejas sobre sua responsabilidade. E olha que a arquidiocese de Milão não era fácil não meus amigos: 15 dioceses e mais de mil paróquias.

São Carlos botou seus padres para fazer os exercícios espirituais de Santo Inácio. Imaginem um espécie de sargento fuzileiro espiritual botando os recrutas para fazer flexões. É mais ou menos por aí.

Fundou numerosos seminários, um colégio e 740 escolas de catequese; foi também o fundador dos Oblatos de Santo Ambrósio e de uma imprensa. Todo 0 seu dinheiro particular, seus rendimentos como Príncipe da Igreja, ia para os necessitados e para sustentar suas obras de caridade, entre elas: hospedagens de peregrinos, o orfanato Santa Sofia e o Lar Santa Catarina (um lugar que evitava que as meninas caíssem na prostituição – sim isso existia na Renascença já e é obra da Igreja, não de uma ONG safada).

O Refúgio Santa Maria Madalena, que acolhia prostitutas arrependidas ou que não serviam mais para a “profissão”, também contava com o apoio financeiro de São Carlos. Era a Igreja de Jesus cuidando das mães dos seus detratores – como faz até hoje em muitos casos – já que esses não têm tempo de fazê-lo porque estão falando mal… da Igreja. O santo também apoiava a Congregação de Sant’Ana, que cuidava de viúvas e as protegia, e incentivou a formação de uma associação de mulheres abandonadas ou maltratadas pelos maridos.

Todos os dias eram distribuídas na diocese de Milão 3 mil refeições para os necessitados durante a grande recessão econômica que assolou a cidade entre 1569 e 1570. São Carlos não sentou no trono e ficou dando ordens: foi para a linha de frente e arregaçou as mangas. Só comia pão e água e praticava a autoflagelação; por conta disso, levou um pito do Papa Pio V, que temia por sua saúde.  Mas o pior estava por vir.

santo_doentes

Em 1576, Milão foi assolada pela peste. Todas as dedicadas e corajosas lideranças civis – esses “abnegados”, “preocupadíssimos” com a situação da população – trataram de sair fora. Foi um ano e meio de inferno na Terra, e São Carlos não se abateu um minuto sequer. Ele não adoeceu, mas trabalhou, jejuou e se flagelou tanto que comprometeu muito a própria saúde. Ele jamais deixou de acreditar na Divina Misericórdia, e depois que essa atribulação passou, o nobre santo mandou rezar uma série de missas de ação de graças.

São Carlos é um dos meus heróis também pelo fato de que ele, em 1579, proibiu a prolongação das festividades de carnaval em Milão. Amo esse homem tanto quanto detesto carnaval. Podem crer que é muita coisa.

Sua dedicação à atividade cultural o consumiu. Passou a sofrer acessos de febre, provavelmente seu corpo debilitado foi presa fácil da malária. Na madrugada de 4 de abril de 1583, São Carlos recebeu seus últimos sacramentos e proferiu essas palavras: “Eis Senhor, eu venho, vou já!”.

corpo

Urna com o corpo de São Carlo, na Catedral de Milão.

O Santo dos Catequistas

São Carlos era um homem de inteligência fantástica. Pela sua dedicação aos estudos, é o padroeiro dos estudantes (não confundir com São José de Cupertino, que é o padroeiro dos estudantes EM APUROS, nem com São Jorge, que foi adotado como Padroeiro dos NERDS). Por sua vocação na educação, São Carlos é o padroeiro dos seminaristas, catequistas, bispos e diretores espirituais.

São Carlos Borromeo, rogai por nós!!!!!

Resultado do sorteio do Livro da JMJ e da Canequista

E aí, povo sortudo!

Conforme prometido, fizemos o sorteio do Livro Oficial da JMJ e das sete canequistas neste sábado. Os participantes puderam acompanhar ao vivo pelo hangout:

O ganhador do Livro foi o Gabriel Zavitoski, de São Paulo.

Os ganhadores da canequista foram:

  1. J. Everton
  2. Airton Lino
  3. Maria Auxiliadora Júlio
  4. Eduardo
  5. Rafael Fuzisawa
  6. Michel Macial
  7. Cibeli Sales

Os sortudos têm até dia 30/08/2014 para nos informar o endereço para envio do prêmio. Podem escrever para viviane@ocatequista.com.br. Se não fizerem isso até a data-limite, perderão o direito ao prêmio, e será feito um novo sorteio.

sorteio_catequista

Se você foi comentou no post da promoção e não teve seu comentário aprovado para participar do sorteio da canequista (por ser a primeira vez que estava comentando no blog) assista ao vídeo acima e fique ligado na surpresa que preparamos para você!

*****

O Facebook reduziu muito o alcance da nossa página, por isso muitos de vocês que curtem a fanpage do blog não conseguem visualizar em seu feed de notícias todas as nossas atualizações. Para isso, é preciso passar o mouse por cima do botão “Curtiu” e clicar em “Obter notificações” ou “Adicionar às listas de interesses”.

Ainda acha que católicos adoram imagens? Continue falando com a minha mão…

Nos últimos meses, nosso blog tem atraído um número muito grande de protestantes. De uma hora para outra, o nosso post sobre a idolatria de imagens começou a bombar. Todos os dias, recebemos vários comentários de refutação; aqueles nos escreveram apresentando questionamentos razoáveis merecem uma resposta. Vamos esclarecer algumas questões que foram levantadas [...]

Os suicidas e a esperança de salvação

Na última semana todos nos surpreendemos com o suicídio de Robin Williams. Mas há muito outros nessa lista: Kurt Cobain, Getúlio Vargas, Van Gogh… Há muitos suicidas famosos, e também anônimos. Segundo dados da OMS, o suicídio é a primeira causa de morte violenta no mundo – sim, mata mais do que os homicídios e [...]

Que tal ganhar prêmios de O Catequista?

Neste mês, o nosso blog completou três anos de existência. Vamos comemorar do jeitinho que vocês gostam… Distribuindo presentes!

SORTEIO 1 – Livro Oficial da JMJ Rio 2013

O primeiro prêmio é mega especial: o Livro Oficial da JMJ Rio 2013. Este saiu da fornada de uma edição de luxo limitadíssima, com apenas 2 mil [...]

Papa Leão X e a Conspiração Petrucci – brincando de Rainha de Copas

Como dizíamos no post anterior sobre o Papa Leão X, a mais célebre e escandalosa infâmia desse papado foi a Conspiração Petrucci, que recebeu esse nome por ter sido liderada por um jovem cardeal de Siena chamado Alfonso Petrucci. Seria um plano para assassinar o Papa, que ele mesmo descobriu ao ouvir a [...]

Educação católica X educação protestante: cientista político fala asneiras no programa da Gabi

O vídeo de uma entrevista com um cientista político, Alberto Carlos Almeida, tem provocado muitas discussões nas redes sociais. Diante da jornalista Marília Gabriela, ele culpa a Igreja Católica pelas deficiências na educação brasileira, defendendo a tese batida de que os religiosos católicos se preocuparam em educar somente as elites, enquanto que os protestantes, desejando de [...]

Reprodução assistida? Que nada! Fazer filhos, só no lepo-lepo (parte II)

Como dizíamos no post de ontem, para um casal fazer filhos vale ralar o tchan, lepo-lepo… (incluam aí quaisquer outras expressões de duplo sentido da mais phyna música popular brasileira). Só não vale abrir mão da dignidade humana e recorrer a técnicas de reprodução assistida. Filhos são dons de Deus, mas infelizmente estão [...]

Reprodução assistida? Que nada! Fazer filhos, só no lepo-lepo (parte I)

Se antes de ser concebido você pudesse escolher a forma como seus pais lhe dariam a vida, que forma seria? Escolha entre essas três opções:

A) Em uma viagem à Amazônia, sua mãe conheceu “O Boto”;

B) Após o ato de união e entrega amorosa, humana e carnal entre [...]