Santo Agostinho – da esbórnia à santidade

santo_agostinho

Hoje vamos falar de um Santo muito especial, meus amigos: o primeiro dos quatro doutores do ocidente, a luz filosófica da antiguidade cristã. Ninguém mais, ninguém menos do que Santo Agostinho!

Juntamente com Santo Ambrósio, São Jerônimo e São Gregório Magno, Santo Agostinho nos direciona para o cristianismo como o conhecemos. Sua influência é enorme no mundo ocidental. Se você não o conhece, não leu pelo menos “As Confissões”, você não tem a menor ideia de onde está. O papel de Santo Agostinho nos primeiros séculos depois de Cristo é comparável com o de São Paulo na Igreja primitiva.

Sua grandeza está principalmente no fato de que ele soube, como nenhum outro, relacionar a filosofia helenista (grega) e romana com os preceitos da fé cristã, caminho que mais tarde seria retomado com brilho pelo grande São Tomás de Aquino. O pensamento agostiniano faz a ponte filosófica necessária do conhecimento platônico-aristotélico para Santo Anselmo, e daí para São Tomás de Aquino.

A quantidade de títulos de Santo Agostinho, por si só, já dariam um post, “Doutor da Caridade”, “Doutor da Graça”, Doutor da Humildade”, “Doutor da Oração” e muitos outros. Viveu na fronteira de dois tempos: sua vida transcorreu no ocaso do Império Romano do Ocidente e também na ascensão do cristianismo e declínio do paganismo.

Foi um dos três homens mais inteligentes que a humanidade já conheceu. Falar de Santo Agostinho é falar de um parelho de Aristóteles e Platão. Metafísico, filósofo, psicólogo, os interesses de Santo Agostinho confundem-se com a meditação sobre o destino do homem.

FAMÍLIA

homer_agostinhoNasceu Aurelius Augustinus em 15 de novembro de 354, na cidade de Tagaste, Numídia, uma província romana no Norte da África (atualmente o nome da cidade é Souk-Ahras, e fica na Argélia). Seu pai, chamado Patrício, era um pagão de personalidade violenta.

Sua mãe era Santa Mônica, uma mulher de bom coração, que aos poucos foi domando o caráter agressivo do marido; ao mesmo tempo, educou Agostinho e dirigiu o menino pelo caminho da cristianismo, fazendo dele catecúmeno.  Foi Santa Mônica a principal responsável por Agostinho vir a se tornar um santo.

CURTINDO A VIDA ADOIDADO

ferris_curtindoSanto Agostinho foi na juventude uma espécie de James Dean (essa referência é somente para os fortes) da sociedade decadente do Império Romano do Ocidente moribundo. Bom aluno, foi mandado para Cartago, o principal centro de estudos e a maior cidade da África, uma espécie de Los Angeles para malucos superdotados e um centro de esbórnia.

Como todo jovem sem supervisão (tinha dezessete anos) vivia na boemia. Das suas relações, digamos, “acadêmicas”, nasceu seu único filho, Adeodato. Apesar das suas maluquices juvenis, Santo Agostinho foi um grande pai e nunca abandonou o filho.

Os jovens de hoje, que se acham tão espertos, não sabem, de fato, nada. Santo Agostinho, em 371, já vivia e sentia exatamente as mesma coisas que eles, só que sem smartphone e Ipad. E como eles, Santo Agostinho sentia o vazio de uma existência sem sentido. Graças a Deus, não existia as parafernalhas de hoje, e Agostinho pôde ler sem Kindle o diálogo “Hortêncio” de Cícero, que versa sobre a possibilidade da eterna bem-aventurança. Vejamos um trecho:

“Se tudo acaba com a vida presente, não é já pequena sorte o ter ocupado a existência no estudo de assunto tão importante; se, como tudo parece indicar, nossa vida continua depois da morte, a investigação constante da verdade é o meio mais seguro para preparar-nos para esta outra existência.”

Esse tipo de conhecimento estava além da capacidade de seus mestres pagãos. Agostinho sentia falta do Salvador, do Mestre dos mestres que havia conhecido através de sua mãe. Mas para saciar sua necessidade de Jesus, ele precisava fazer um duplo sacrifício: a submissão da inteligência e a pureza da vida. Definitivamente, o jovem Agostinho ainda não estava preparado para tanto.

APÓSTOLO DO ERRO MANIQUEÍSTA

O paganismo não era um caminho aceitável para Agostinho. Voltou-se para o estudo das Sagradas Escrituras, mas quem lhe daria o entendimento dessa leitura? Como sabemos, somente a Igreja Católica é capaz da fazê-lo, por sua autoridade. Mas esse caminho é deveras difícil, por conta das crenças errôneas que confundiam a razão de Agostinho.

Contrapunha-se à Sã Doutrina a heresia maniqueísta, uma seita em que os mestres desprezavam os dogmas da fé católica e adoravam às artes e letras profanas. Era um tipo de relativismo antigo, onde o juízo pessoal era a medida fé. Sem contar que a dualidade (Deus bom em oposição a Deus mau) era suficiente para jogar a culpa do pecado na influência alheia. Seríamos eternos coitadinhos por essa ótica, sempre podendo imputar a culpa dos nossos mal feitos no Deus mau. Que lindo!

Analisando o mundo a nossa volta, podemos ver claramente que o maniqueísmo não morreu. “Sou um menino malvado, a culpa não é minha, é do Deus mau! Eu acredito no Deus bom! Ai de mim!”. Para os moleques da época isso era muito atraente, pois era a justificativa para qualquer bobagem que viessem a cometer.

Santo Agostinho abraçou o maniqueísmo com toda a vontade e tornou-se um dos seus principais apóstolos, levando para essa heresia muitos dos seus companheiros de cátedra. Chegou até a tentar converter sua mãe, mas com Santa Mônica isso demonstrou ser uma tremenda perda de tempo.

O SONHO DE SANTA MÔNICA

Por aquela época, Santa Mônica teve um sonho profético sobre seu filho rebelde. Um anjo lhe disse:

“Onde tu estás, ele também está.” 

santa_monicaO confessor a quem Santa Mônica confiava suas angústias aconselhou-a a continuar rezando por Agostinho. Graças às preces da mãe, chegaria o dia em que o filho retornaria ao caminho de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Agostinho voltou para sua cidade natal e tornou-se professor de retórica. Mas o lugar era pequeno demais para suas ambições e brilhantismo. Retornou a Cartago, onde suas carreira deslanchou a ponto de buscar novos horizontes na capital do Império, Roma.

Ao partir da África, já tinha se desligado dos maniqueístas – perseverar em furada não era mesmo a dele. A princípio, não adotou uma nova fé, decidiu esperar para que a verdade se apresenta-se a ele com plena certeza.

DEUS E PLATÃO

Em Roma, abriu a Cátedra de Retórica nos mesmos moldes que havia feito em Tagaste e em Cartago. Seus primeiros alunos eram os mesmos que o acompanhavam desde Cartago, e a esses juntaram-se novos e tanto uns quantos outros que não pagavam um centavo.

Para se sustentar, Santo Agostinho arrumou um emprego na Cátedra de Milão, onde entrou em contado com a obra de Platão que tinha acabado de ser traduzida por Vitoriano do grego para o latim (observem que JÁ EXISTIA TRADUÇÕES DE PLATÃO EM LATIM NO SÉCULO IV. Quem é que precisava de árabes, bwana!!!????). Foi o velho filósofo que mostrou a Agostinho que a visão maniqueísta de um Deus basicamente materialista nada tinha a ver com a realidade de um Deus criador.

AS ORAÇÕES DE SANTA MÔNICA

Platão foi o primeiro passo da conversão de Santo Agostinho, mas ainda não era suficiente, pois este mostrava o verdadeiro Deus, mas não mostrava o caminho para o convívio dos eleitos. Essa segunda etapa só seria possível ao entregar-se nos braços de Nosso Senhor Jesus Cristo. Foram as orações de sua mãe Santa Mônica que possibilitaram esta graça. Foi a santa juntar-se ao filho amado em Milão.

A primeira coisa com que ela teve que lidar foi com a união ilegítima de Santo Agostinho com a mãe de seu filho Adeodato. A mãe do menino era um mulher de bom coração, e consentiu em separar-se de Adeodato e retornar a Tagaste, onde viveu seus dias em retiro, servindo a Deus. Agostinho ainda não sentia-se pronto para entregar-se a Cristo e ainda era prisioneiro de suas paixões.

Foi por meio da mediação de Santa Mônica que Agostinho conheceu Santo Ambrósio, bispo de Milão, de quem se tornou discípulo. Santo Ambrósio que colocou Santo Agostinho na linha de uma vez por todas. Baixando a bola, ele venceu seu orgulho e voltou a ler e estudar as Escrituras, em especial as Epístolas de São Paulo, onde encontrou a cura para suas tentações do mundo (eu mesmo preciso fazer isso sempre e sempre devemos fazê-lo, para salvação de nossas almas).

Outro fato interessante e que teve forte impacto em Santo Agostinho foi a conversão de Vitorino, o filósofo que havia traduzido Platão para o latim.

ENFIM, A CONVERSÃO

Agosto de 386. Agostinho vivia em Milão com sua mãe, seu filho e alguns amigos. Entre esses amigos, havia um certo Alípio, que servia-lhe como confessor de suas angústias espirituais. Receberam um dia a visita de Ponticiano que, vendo espalhadas sobre a mesa as cartas de São Paulo, congratulou Agostinho por se ocupar daquele tipo de leitura.

Mas Ponticiano não era exatamente uma sumidade intelectual; o fato daquele humilde amigo estar mais próximo de Deus do que ele naquele momento, mesmo com toda sua inteligência, deixou Agostinho perturbado. Agostinho parecia dividido entre o chamado de Deus e o chamado do mundo, exatamente como quase todos nós.  Foi ao ler a seguinte passagem das cartas de São Paulo que se fez luz em sua alma:

“Nada de comilança, nem bebedeiras, nada de luxúria, nem de desfreamento, nada de brigas nem invejas; ao contrário, revesti-vos de Jesus Cristo, o Senhor, e não busqueis satisfazer os baixos instintos” (Romanos).

O batismo de Santo Agostinho foi realizado por Santo Ambrósio, em Milão. Eles compuseram juntos na ocasião o cântico “Te Deum laudanus”, que se tornou o hino litúrgico de ação de graças de toda Igreja Católica. Um momento de enorme dor seguiu-se: pouco tempos depois, Adeodato, o filho de Santo Agostinho, morreu.

Convertido, Agostinho retornou à África, tendo junto consigo Santa Mônica. Durante a longa viagem, fizeram uma parada em Óstia, e aí sua mãe veio a adoecer e faleceu, cinco dias depois.

O APOSTOLADO DE SANTO AGOSTINHO

Depois de prantear sua mãe, Santo Agostinho iniciou seu projeto de vida religiosa. O então bispo de Hipona, Valério, conferiu-lhe o sacerdócio em 391. A partir daí, Santo Agostinho instituiu uma ordem religiosa (que subsiste até hoje e segue a mesma regra) que unia o apostolado com os exercícios de claustro. Fundou também um convento, do qual sua irmã mais velha tornou-se a primeira superiora.

Foi após a morte de Valério que Santo Agostinho se tornou Bispo de Hipona. Suas principais atividades como bispo foram: direção de monastérios, instrução dos fiéis e defesa da Igreja a contra as heresias. Foi o mais severo demolidor dos hereges arianos, maniqueístas, pelagianos e donatistas. Por jogar por terra as ideias de todos esses manés, ficou conhecido como “Martelo dos hereges”. Acabou com o cisma dos donatistas, que destruíram o Norte da África. Defenestrou com o pelagianismo, heresia que dizia que a graça de Deus não era necessária para a salvação, o que lhe valeu um outro famoso título “Doutor da Graça”.

Talvez o seu pior embate tenha sido com os arianos (para entender o que é arianismo, clique aqui). Os vândalos, o nome de etnia que virou sinônimo de desordeiro, estavam destruindo tudo em seu caminho de conquista – e eles eram adeptos do arianismo. O velho “Doutor da Graça” já não tinha mais forças e, antes que os vândalos finalizassem o cerco de Hipona, Santo Agostinho adormeceu e faleceu placidamente. Tinha 76 anos de idade. Seu corpo foi levado para a Itália. Em Pávia, na Lombardia, seus restos repousam até hoje.

Fiquem na Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Para Saber mais:

Santos de Nossa Devoção – Santo Agostinho. Ed. Altaya.

As Confissões. Santo Agostinho

A Cidade de Deus. Santo Agostinho.

O que anda na cabeça do clero? Entenda os chapéus católicos

mitraO Papa está sempre de solidéu, certo? Errado! Ele deve sempre retirá-lo em alguns momentos específicos da missa – e pouquíssimos católicos sabem o motivo desse gestual. No post de hoje, vamos explicar essas e outras curiosidades sobre os assessórios e paramentos que cobrem a cabeça dos nossos religiosos.

Mitra

Usada por todos os bispos durante a missa – inclusive o bispo de Roma, o Papa – e pelos abades. É colocada sobre o solidéu, e sinaliza a autoridade pastoral.

Reparem que quando um bispo ora a Deus (como nas preces e nos gestos sacramentais), ele retira a mitra. Isso porque vem dos tempos apostólicos o ensinamento de que os homens têm o dever de orar com a cabeça descoberta (enquanto as mulheres, conforme São Paulo mesmo orientou, deveriam orar com a cabeça coberta – mas essa tradição milenar se diluiu nas últimas décadas, sem mais nem menos).

Solidéu

É um barrete de modelo simplificado, semelhante à quipá que os judeus usam. Os bispos o usam durante quase toda a celebração da missa, retirando-o a partir da oração eucarística, em sinal de respeito (veja o vídeo abaixo).

Capelo

É um acessório não-litúrgico, do dia a dia, que ajuda a se proteger do sol. O Papa pode usar o capelo vermelho; o de outros clérigos é preto.

galeroGalero

O vermelho é exclusivo dos cardeais (foto ao lado); os demais clérigos usam o preto. A partir de 1965, o galero cardinalício foi substituído pelo barrete.

Barrete

Tem formato quadrangular, e quase sempre traz um pompom no topo. Indica a autoridade do clérigo, e pode ser usando durante as celebrações (sendo retirado em momentos específicos) ou fora delas.

As cores do barrete variam conforme a hierarquia do clérigo, ou conforme o seu cargo. O Papa, por exemplo, pode usar barrete branco, mas esse costume foi abandonado faz muito tempo.

Camauro

É um gorro bem quentinho, que o Papa tem a opção de usar no inverno. Sim, ele fica parecendo o Papai Noel! E de onde vocês acham que surgiu o gorro do bom velhinho?

Tiara Papal

Era usada somente em cerimônias solenes. Suas três coroas simbolizam o tríplice poder dos papas: pai dos reis, reitor do mundo e Vigário de Cristo (Fonte: site do Vaticano). O último papa a usá-la foi o beato Paulo VI.

paramentosCapirote

Dentre as coberturas de cabeça apresentadas aqui, é a única usada por leigos.

capiroteCapuz usado principalmente por membros das irmandades espanholas durante algumas das celebrações da Semana Santa, em especial, nas procissões. Esse costume também se reflete aqui no Brasil.

A origem do capirote vem da Idade Média, quando os criminosos eram obrigados a desfilar pelas ruas com um chapéu pontudo. Ao vê-los, as pessoas os xingavam e jogavam sujeira neles. Assim, nas procissões, os penitentes que reconheciam suas culpas diante de Deus e desejavam voluntariamente serem humilhados colocavam esses chapéus, mas cobrindo o rosto, para não serem identificados (alguns desses penitentes se auto-flagelavam).

Atenção: o capirote não deve ser confundido com os capuzes usados por membros da Ku Klux Klan, pois sua finalidade era o terror, e não a humilhação e penitência. Ademais, essa organização terrorista pregava o predomínio dos protestantes brancos não só sobre os negros, mas também sobre os demais imigrantes, como judeus e católicos.

Capacete

Certo, esse aqui não faz parte da tradição católica. Mas a gente não podia deixar de fazer esse registro, afinal, sempre que um Papa coloca um desses na cabeça, faz o maior sucesso!

papa_capacete

IGREJAS CATÓLICAS ORIENTAIS SUI JURIS

Como já explicamos antes aqui no blog (confira aqui), as Igrejas Católicas sui juris, de rito oriental, estão em perfeita comunhão com Roma, sendo submissas ao Papa. Essas igrejas se diferenciam da Igreja Católica de Rito Latino em aspectos administrativos, disciplinares e litúrgicos, mas a doutrina é a mesma.

A seguir, mostraremos um pouco da riqueza e da beleza dessa diversidade, especificamente em relação aos paramentos que cobrem a cabeça dos religiosos.

eparcaMitra Bizantina

Utilizada por todos os bispos das igrejas católicas de rito bizantino (como o bispo da foto ao lado), e também pelos Coptas e Etíopes.

Eskimo ou Kalansowa

Capuz negro que cobre a cabeça dos monges e bispos das igrejas Siro-Malancares e Coptas, em todos os momentos. Possui 12 ou 13 cruzes. Entre os coptas é chamado de Kalansowa, entre os siro-malancares, Eskimo.

As 12 cruzes simbolizam os 12 apóstolos. Eles devem proteger o usuário de maus pensamentos, mantendo sua mente limpa (fonte: Orientale Lumen).

Masnaphto

A mitra foi introduzida na liturgia da Igreja somente após o século X (alguns dizem que foi após o século VII). Por isso, a Igreja Católica Siro-Malancar não incorporou seu uso aos paramentos dos bispos.

Em vez da mitra, os bispos católicos de tradição siríaca usam o Masnaphto, um véu da cor dos outros paramentos, que geralmente traz o desenho de uma pomba, em alusão ao Espirito Santo. Ele simboliza o pano que cobriu a cabeça de Nosso Senhor quando ele foi conduzido para ser sepultado (fonte: Orientale Lumen).

O Masnaphto é usado sobre o eskimo, da mesma forma que a mitra é usada sobre o solidéu.

Allousi

Usado pelos clérigos da Igreja Maronita. É semelhante ao solidéu, e tem um pequeno pompom no topo. Raramente é utilizado na liturgia.

Preto para os monges (o clero diocesano não usa), violáceo para os bispos e vermelho para o Patriarca. (fonte: Orientale Lumen).

Tabieh
Parece um turbante, e sua função é similar à do barrete. Não é utilizado por padres (a não ser que sejam corepíscopos). É preto para os bispos, sendo que o patriarca pode usar um vermelho, se quiser.

Klobuk

Chapéu achatado no topo, com um véu que cai sobre os ombros e costas. É usado por monges e bispos de algumas igrejas de rito oriental.

Qob

Barrete utilizado pelo clero da Etiópia.

catolicos_orientais

Muçulmanos barram construção de igreja na Indonésia. É assim que retribuem a liberdade de que gozam no Ocidente?

O vídeo abaixo mostra centenas de muçulmanos tomando as ruas, no norte de Bekasi (Indonésia), para protestar contra a concessão de uma licença para a construção da Igreja de Santa Clara. O fato aconteceu no último dia 10 de agosto (Fonte: UCA News).

Diante das pressões, o prefeito de Bekasi suspendeu a construção da igreja. Detalhe: a comunidade católica aguardava há mais de 20 anos por essa liberação! O pior de tudo é que esse não é um caso isolado: em toda a Indonésia, várias igrejas católicas e protestantes já foram obrigadas a fechar, e algumas foram incendiadas. Os cristãos são apenas 5% da população do país.

Vamos falar em reciprocidade? Há centenas de mesquitas espalhadas em toda a Europa, e até mesmo em Roma – no coração do cristianismo – está a maior mesquita na Europa (será que os muçulmanos permitiriam a construção de uma catedral em Meca?). Também na América os muçulmanos não têm qualquer dificuldade de construir seus templos. E é assim que retribuem a acolhida e liberdade que recebem no Ocidente?!

A verdade é que os cristãos – católicos, ortodoxos e protestantes – sofrem terríveis violências em quase todos os países de maioria muçulmana. E mesmo nos países onde a vida dos cristãos pode ser bastante tranquila (como no Bahrein), estes são proibidos de evangelizar muçulmanos.

Pra quem duvida, dá só uma olhada na lista dos países que mais oprimem os cristãos (“Classificação de Países por Perseguição”. World Watch List – WWL, 2013). Entre os que apresentam uma perseguição extrema ou severa, 19 entre 23 países são de população majoritariamente muçulmana. Marcamos os únicos quatro países não-muçulmanos (que são comunistas) com um círculo vermelho:

perseguicao

O resultado disso é que o número de cristãos em países muçulmanos diminui cada vez mais, enquanto em todo o Ocidente o número de muçulmanos só aumenta, inclusive no Brasil. Pudera…

E fica a pergunta: se o Islã é a “religião da paz” e os muçulmanos radicais são minoria – como a mídia politicamente correta vive dizendo – como se explica o fato de que a grande maioria dos países muçulmanos oprime as minorias cristãs? Hein?

igreja_incendiada

Ateus pedem fim da Imunidade Tributária das igrejas. Os corruptos agradecem!

impostos_destaque

A tributação que o governo brasileiro impõe aos seus cidadãos é a TERCEIRA MAIOR DO MUNDO, mas tem gente que ainda acha isso pouco, e quer que o governo sugue o povo ainda mais. A ATEA (Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos), por meio de uma petição on-line, conseguiu fazer com que o Senado […]

Papa Júlio III – Uma biografia constrangedora

julio_destaque

E aí meu povo! Vamos a mais um post da nossa série sobre os Papas.

Giovanni Maria De’Ciocchi del Monte foi eleito Papa em 8 de fevereiro de 1550. Ele era o carmelengo de Julio II, e por conta disso, adotou o seu nome: Julio III. Foi bispo de Pavia e governador de Roma por […]

Saiba o que o Papa espera de você no Ano da Misericórdia

misericordia_destaque

“Sede misericordiosos, como o vosso Pai é misericordioso” (Lc 6, 36). Estamos carecas de conhecer essa passagem do Evangelho, mas, convenhamos: quem de nós está disposto a perdoar “setenta vezes sete”? Quem bendiz e reza por aqueles que nos fazem mal? Quem toma o cuidado de julgar com justiça, e não de modo parcial? Quem […]

Catolicast 11 – Vocação Paterna!

Catolicast11

Olá Povo Católico, hoje estamos aqui em um dia novo. Vitor Quintes e Alexandre Varela se reuniram pra bater um papo sobre a vocação que celebraremos amanhã, a VOCAÇÃO PATERNA!!!

 

Nesse Catolicast: Aprenda a não sofrer por antecipação, que ser pai não é um bicho de 7 cabeças, saiba que filhos nunca cabem […]

A esposa de Lutero – uma freira fujona

casamento_destaque

Voltamos meu povo!

Hoje vamos tratar de um aspecto muito particular da vida do nosso amado monge doidinho; seu casamento. Afinal, ninguém é de ferro e Luterão estava muito doido para molhar o biscoito. A felizarda (ou não tanto), assim como Lutero, tinha um passado como religiosa da Santa Igreja.

A esposa de Lutero […]

O filho único faz parte da cultura destrutiva do bem-estar, diz o Papa Francisco

cegonha_destaque

Se um casal católico chega ao terceiro filho, é inevitável que ouça repetidamente perguntas indiscretas e sem-noção, até mesmo dos amigos mais carolas da Igreja:

“Vão parar por aí, né?” (Resposta – não dita, mas pensada: “Por que? Tá vendo algum filho meu vendendo chiclete no sinal?”);

 “Vai ligar as trompas?” (Resposta – não […]

Malleus Maleficarum – um manual bizarro, condenado pela Igreja

malleus_maleficarum

Já explicamos em outro post (confira aqui) que a “caça às bruxas” foi um fenômeno tipicamente protestante, tendo sido arrefecido pelo bom sendo dos agentes do Tribunal da Inquisição. Outra calúnia muito comum relacionada a esse tema é a de que os inquisidores teriam utilizado o bizarro livro Malleus Maleficarum (“Martelo das Bruxas”) como base para […]